Você está na página 1de 18

Luiz Camnitzer

Luiz Camnitzer
• Nasceu em 1937 em Lubeck ( Alemanha), emigrou com um ano para
Montevidéu (Uruguai) onde cresceu e mudou aos 27 anos para New
York onde vive e trabalha até os dias de hoje.
• Ativista politico que não quer se definir nem como artista, nem como
educador, nem como curador já que defende a relação indissolúvel
entre as três posições. Foi o primeiro curador pedagógico da bienal de
Mercosur.
• Sua obra consiste em um encontro sinérgico entre culturas da
América Latina e Estados Unidos. O ativismo do artista reflete em
grande parte os desafios políticos, sociais, econômicos e artísticos
que as comunidade latino-americanas tem enfrentado.
• Considerado um artista conceitual e minimalista dos anos 60 e 70,
mas com uma produção essencialmente autônoma, sensível,
inteligente, lúdica e com um firme compromisso sócio-político. Sua
obra resiste o passar do tempo.
• Sua causa maior busca a simbiose entre arte e educação, a busca
comum, construtiva e constante de novas perguntas e respostas em
nome do conhecimento. Sua visão utópica de um mundo que chegou
a ser tão criativo que não tem necessidade alguma da “arte”.
O museu é uma escola: o artista aprende a se
comunicar; o público aprende a fazer conexões
• O projeto surgiu da resposta de um diretor de museu “Isto é um
museu , não uma escola” quando da proposta de Camnitzer de
projetos educativos para incorporar em uma mostra.
• Instalação site – specific que se modifica de acordo com sua
localização nas fachadas de diferentes instituições artísticas;
• Exibido pela primeira vez em Buenos Aires em 2013, no MALBA
durante a exposição e com a produção de um postal com a foto da
fachada.
O museu é uma escola: o artista aprende a se
comunicar; o público aprende a fazer conexões
• o museu se dispõe a fazer mostras dentro de um espirito educativo;
• Minimiza a pegada do ego e acentua a função pedagógica;
• O artista exige que a obra passe a ser institucional ;
• É usado a tipografia do museu, feito pela equipe de desenho do
museu com o compromisso de publicar um postal “oficial”.
•“Me interessa a arte não como uma
maneira de produzir objetos, mas sim
como uma forma de criar ordens
alternativas e de redistribuição do
poder.”
Arte e Pedagogia
• A educação tem que ser absorvida pela arte e condicionada por ela;
• A arte é uma forma de pensar;
• Formar cidadãos capazes de pensar criticamente, capazes de
questionar e utilizar seu pensamento criativamente;
• Uma exposição ou uma coleção de arte em sua relação com a
educação é algo fechado em si mesmo ou nos oferece uma série de
respostas possíveis a problemas interessantes e que podem ser
utilizados para gerar outras respostas e outros problemas
interessantes?
Arte e Pedagogia
• A arte não é uma disciplina criada para fabricar objetos ou
artesanato, mas sim um meio para organizar e expandir o
conhecimento;
• passa a ser um processo dinâmico ao invés de um produto e o espaço
expositivo um lugar para o intercâmbio de conhecimento;
• Forma de questionar os sistemas de ordem estabelecidos e de
construir ordens alternativos;
Artista e Educador
• O espaço de exposição equivale a uma sala de aula e há de se pensar em
termos de informação e qual a relação com ela;
• Compartilhar a ignorância e não o conhecimento como forma de ajudar a
pensar e não doutrinar;
• Compreender os limites do conhecimento para estimular a especulação;
• ser um intermediário entre o estudante e a informação para gerar
conhecimentos e facilitar a geração de conhecimentos;
• Compartilhar o poder e equipar os colegas para poder usa-lo
corretamente;
• Aprender a aprender ao invés de ensinar
“Se a educação se fundisse com a arte, talvez
alcançaríamos a verdadeira liberdade, tanto
para nós como para os outros”.
O lucro é que gera a necessidade de se
•“
promover individualmente e o que
distorce a produção da arte.”