Você está na página 1de 4

PALAVRAS 12

Teste de avaliação – 12.º ano março 2019 Formatted: Font: Not Bold

Educação Literária

Grupo I (104 pontos)

Apresenta as tuas respostas de forma bem estruturada.

A (48 pontos)
Lê atentamente o seguinte texto.

Sempre é uma companhia


António Barrasquinho, o Batola, é um tipo bem achado. Não faz nada, levanta-se
quando calha, e ainda vem dormindo lá dos fundos da casa.
É a mulher quem abre a venda e avia aquela meia dúzia de fregueses de todas as
manhãzinhas. Feito isto, volta à lida da casa. Muito alta, grave, um rosto ossudo e um
5 sossego de maneiras que se vê logo que é ela quem ali põe e dispõe.
Pois quando entra para os fundos da casa, vem saindo o Batola com a cara redonda
amarfanhada num bocejo. Que pessoas tão diferentes! Ele quase lhe não chega ao ombro,
atarracado, as pernas arqueadas. De chapeirão caído para a nuca, lenço vermelho amarrado
ao pescoço, vem tropeçando nos caixotes até que lá consegue encostar-se ao umbral da
10 porta. Fica assim um pedaço, a oscilar o corpo, enquanto vai passando as mãos pela cara,
como que para afastar os restos do sono. Os olhos, semicerrados, abrem-se-lhe um pouco
mais para os campos. Mas fecha-os logo, diante daquela monotonia desolada. (…)
E os dias passam agora rápidos para António Barrasquinho, o Batola. Até começou a
levantar-se cedo e a aviar os fregueses de todas as manhãzinhas. Assim, pode continuar as
15 conversas da véspera. Que o Batola é, de todos, o que mais vaticínios faz sobre as coisas
da guerra. Muito antes do meio-dia já ele começa a consultar o velho relógio, preso por um
fio de ouro ao colete. (…)
E os dias custaram tão pouco a passar que o fim do mês caiu de surpresa em cima da
aldeia da Alcaria. Era já no dia seguinte que a telefonia deixaria de ouvir-se. Iam todos, de
20 novo, recuar para muito longe, lá para o fim do mundo, onde sempre tinham vivido.
Foi a primeira noite em que os homens saíram da venda mudos e taciturnos. Fora
esperava-os o negrume fechado. E eles voltavam para a escuridão, iam ser, outra vez, o
rebanho que se levanta com o dia, lavra, cava a terra, ceifa e recolhe vergado pelo cansaço
e pela noite. Mais nada que o abandono e a solidão. A esperança de melhor vida para
25 todos, que a voz poderosa do homem desconhecido levava até à aldeia, apagava-se nessa
noite para não mais se ouvir. (…)
– António – murmura ela, adiantando-se até ao meio da venda. – Eu queria pedir-te uma
coisa…
Suspenso, o homem aguarda. Então, ela desabafa, inclinando o rosto ossudo, onde os
30
olhos negros brilham com uma quase expressão de ternura:
– Olha… Se tu quisesses, a gente ficava com o aparelho. Sempre é uma companhia
neste deserto.

Manuel da Fonseca, O Fogo e as Cinzas, Lisboa: Caminho, 1998, pp. 145-158.

1
PALAVRAS 12

1. Demonstra, exemplificando, a evolução psicológica da personagem Batola ao longo


do texto.
2. Explicita o valor da telefonia para os habitantes da aldeia da Alcaria. Fundamenta a
resposta com transcrições pertinentes.
3. Infere, a partir do texto, o retrato sociocultural do Alentejo, na primeira metade do
século XX.
4. Identifica o recurso expressivo presente em “iam ser, outra vez, o rebanho” (l. 22) e
comenta o seu valor.

B (40 pontos)

Lê atentamente o seguinte texto.

O Sentimento dum Ocidental


(…)
Duas igrejas, num saudoso largo,
Lançam a nódoa negra e fúnebre do clero:
Nelas esfumo um ermo inquisidor severo,
Assim que pela História eu me aventuro e alargo.

Na parte que abateu no terremoto,


Muram-me as construções retas, iguais, crescidas;
Afrontam-me, no resto, as íngremes subidas,
E os sinos dum tanger monástico e devoto.

Mas, num recinto público e vulgar,


Com bancos de namoro e exíguas pimenteiras,
Brônzeo, monumental, de proporções guerreiras,
Um épico doutrora ascende, num pilar!

E eu sonho o Cólera, imagino a Febre,


Nesta acumulação de corpos enfezados;
Sombrios e espectrais recolhem os soldados;
Inflama-se um palácio em face de um casebre.

Partem patrulhas de cavalaria


Dos arcos dos quartéis que foram já conventos:
Idade Média! A pé, outras, a passos lentos,
Derramam-se por toda a capital, que esfria.

Cesário Verde, Cânticos do Realismo e Outros Poemas, ed. Teresa Sobral da Cunha, Lisboa: Relógio
d’Água, 2006, p. 134.

5. Demonstra como a descrição da cidade contribui para o contraste entre o


tempo passado e o presente.

6. Explicita a intenção crítica do sujeito poético, fundamentado o seu ponto de


vista.
2
PALAVRAS 12

C (16 pontos)

7. A reflexão sobre a vida pessoal é um dos temas que atravessa a literatura


portuguesa.
Escreve uma exposição (130-170 palavras) na qual demonstres a forma como este
tema é abordado nas Rimas de Luís de Camões.
A tua exposição deve incluir:
 uma introdução ao tema;
 um desenvolvimento no qual explicites a forma como é desenvolvido o
tema nas diferentes vertentes da lírica camoniana, fundamentando as
características apresentadas em, pelo menos um exemplo significativo;
 uma conclusão adequada ao desenvolvimento do tema.

Grupo II (56 pontos)


Leitura | Gramática

Nas respostas aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta.


Escreve, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a
opção escolhida.

Não desligue o telemóvel antes de entrar


Descubra Web of Trust, de Edit Kaldor, uma verdadeira rede social teatral no Maria
Matos
Se é assim nos bancos do metro e dos autocarros. Se é assim a andar na rua. Se é assim
até em jantares de grupo ou em jantares a dois. Então também se podem ignorar os avisos
habituais das salas de espetáculo sobre desligar aparelhos eletrónicos e ser assim no teatro
5 – todos com os smartphones na mão, a conviver através do ecrã, como acaba por acontecer
em Web of Trust, a performance que vai estar no Maria Matos, em Lisboa, dias 6 e 7 de
outubro.
Aquilo que está em palco, no fundo, é a própria internet. E, com a internet, a sociedade
onde ela impera. E, dentro dessa sociedade, como não podia deixar de ser, estão em palco
10 todas as pessoas que também se queiram “ligar” à performance – basta levar o telemóvel,
o computador ou o tablet e participar. (…)
A confiança (trust) que está no título tanto se refere à fé que temos, ou não, em relação
ao mundo virtual que nos rodeia, como às possibilidades relacionais desta verdadeira rede
de estranhos que se constrói durante o espetáculo. Só que, aqui, ao contrário do que se
15 passa no Facebook ou no Twitter, a proposta requer que se vá um passo além de ter uma
música bonita para partilhar ou da capacidade de inventar hashtags. (…)
Segundo a apresentação da própria criadora, Web of Trust “desencadeia um processo de
construção de uma rede entre pessoas com histórias, necessidades e recursos diferentes.
Como essa rede de estranhos se desenvolve a partir daí, depende de todos os que
20
participarem”.
Um bocado como outras interações online, mas aqui de certeza que não vai estar
sentado, sozinho, numa sala.
Catarina Homem Marques, Sábado, GPS, 4 a 12 de outubro de 2016, p.23, (adaptado).

3
PALAVRAS 12

1. O primeiro parágrafo do texto


A. desculpabiliza o uso dos smartphones Maria Matos.
B. desvaloriza o uso dos smartphones.
C. legitima o uso dos smartphones na performance do Maria Matos.
D. ironiza o uso dos smartphones nas salas de espetáculo.

2. Segundo Edit Kaldor, o título do espetáculo do teatro Maria Matos


A. reflete a sociedade atual.
B. demonstra que só a confiança viabiliza as redes virtuais.
C. enfatiza a ideia de confiança no projeto por parte dos atores.
D. acentua a necessidade de os participantes se envolverem no projeto.

3. As aspas, no quarto parágrafo,


A. introduzem o argumento de Edit Kaldor.
B. assinalam o título do espetáculo.
C. delimitam uma citação de um dramaturgo conceituado.
D. destacam o significado de uma expressão.

4. As palavras “Então” (l. 3) e “Como” (l. 17) contribuem para


A. a coesão lexical.
B. a coerência textual.
C. a coesão frásica.
D. a coesão interfrásica.

5. A última frase do texto constitui uma sequência


A. descritiva.
B. argumentativa.
C. dialogal.
D. explicativa.

6. Identifica a função sintática desempenhadas pelo pronome relativo “que”


a) presente em “se refere à fé que temos” (l. 11);
b) na linha 12.

7. Classifica a oração introduzida pela forma verbal “requer” (l. 14).

Grupo III (40 pontos)


Escrita
“O lugar do telemóvel na sala de aula é em cima da mesa dos alunos”
https://www.publico.pt/2016/02/10/sociedade/noticia/o-lugar-do-telemovel-na-sala-de-aula-e-em-cima-da-mesa-dos-
alunos-1722843 (consultado em 2-01-2019).

Redige um texto de opinião bem estruturado, com um mínimo de 200 e um


máximo de 350 palavras, em que defendas o teu ponto de vista sobre o uso do
telemóvel na sala de aula ao serviço da aprendizagem.

Para fundamentares o teu ponto de vista, recorre a dois argumentos, ilustrando


cada um deles com um exemplo significativo.
Bom trabalho!