Você está na página 1de 42

AULA 15

PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Introdução
 Como já comentamos, o grau de sofisticação da proteção
de um transformador é uma questão de custo-benefício;

 Essa proteção pode envolver vários elementos, com uma

ou mais funções, com o fim de assegurar a integridade;

 O número de funções depende da potência nominal do

transformador e do nível de confiabilidade desejado;

 As funções adequadas à essa proteção são:

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 2
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Introdução
 Função 23: dispositivo de controle de temperatura;
 Função 26: proteção térmica;
 Função 27: proteção contra subtensão;
 Função 30: dispositivo anunciador de eventos;
 Função 49RMS: proteção de sobrecarga por imagem térmica;
 Função 50: proteção de sobrecorrente instantânea de fase;
 Função 50N: proteção de sobrecorrente instantânea de neutro;
 Função 51: proteção de sobrecorrente temporizada de fase;
 Função 51N: proteção de sobrecorrente temporizada de neutro;
 Função 51NS: proteção de neutro sensível;
 Função 51G: proteção contra sobrecorrente temp. de terra;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 3
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Introdução
 Função 59: proteção contra sobretensão;
 Função 63: proteção contra a presença de gás (Relé de Buchholz);
 Função 63A: proteção contra sobrepressão de gás;
 Função 63C: proteção contra a presença de gás no comutador;
 Função 64: proteção de terra;
 Função 71: detector de nível de óleo do transformador;
 Função 71C: detector de nível de óleo do comutador de derivação;
 Função 80: proteção para fluxo de óleo do comutador;
 Função 81: proteção contra sub e sobrefrequência;
 Função 87T: proteção diferencial de sobrecorrente;
 Função 90: regulação de tensão;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 4
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Introdução
 Além das funções anteriores, é necessário que os
transformadores sejam protegidos contra descargas
atmosféricas através de para-raios de sobretensão;
 Em trafos de pequena potência que alimentam cargas de
baixo nível de confiabilidade são utilizados fusíveis;
 Dependendo da potência e grau de importância da
subestação, podem ser empregadas: proteção por fusível;
relés de sobrecorrente; relé diferencial de sobrecorrente;
relés de sobretensão; imagem térmica e intrínsecas.
ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 5
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Fusível
 Os fusíveis são as proteções mais elementares que podem
ser empregadas na proteção de um transformador;

 São utilizados para proteção contra correntes de curto-


circuito de natureza externa, não se prestando para
proteção contra faltas interna nem contra sobrecargas;

 Os fusíveis são utilizados em trafos com potência não


superior a 7,5 MVA na tensão nominal igual a 13,8 kV.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 6
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Fusível
 São elementos de proteção de atuação monopolar;

 Devido a essa particularidade e pelo fato de sua fusão não


ocorrer simultaneamente pode-se ter uma condição
operacional em que a corrente de falta atravesse os
enrolamentos do transformador (danos irreparáveis);

 Em geral, as concessionárias limitam o uso de


transformadores de distribuição em redes aéreas à
potência nominal de 225 kVA na tensão de 13,8 kV;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 7
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 8
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 9
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção de Redes Subterrâneas
 Existem dois tipos: do tipo pedestal e subterrâneos;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 10
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção de Redes Subterrâneas
 Transformadores do tipo Pedestal:

• Proteção Primária feita por fusíveis do tipo baioneta;

• Proteção Secundária feita por fusíveis do tipo NH/600V;

 Transformadores Subterrâneos:

• Proteção Primária: fusíveis;

• Proteção Secundária: chave dotada de relés direcionais;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 11
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção de Subestações de Consumidor
 Essas subestações são empregadas em prédios de
ocupação residencial, comercial e industrial (trafos de
média tensão com capacidade de 225 a 3.000 kVA);

 No caso de subestações do tipo blindada, deve-se evitar

o uso de chaves fusíveis (sobrepressão);

 A proteção indicada pela norma deve ser constituída de

relés secundários de sobrecorrente (50/51 e 50/51N).

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 12
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 13
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Proteção econômica de transformadores de potência;

 Apresentam limitações quanto à sensibilidade dos ajustes


para faltas internas (proteção de baixo nível);

 São muito empregados como proteção de retaguarda no


local de instalação do transformador para faltas externas;

 Em trafos não superiores a 7,5MVA/138kV em subestações


de baixo nível são aplicados como única proteção.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 14
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
Os Relés de Sobrecorrente (50/51), dotados das unidades
instantânea e temporizadas, quando utilizados na proteção
de transformadores devem ser ajustados da seguinte forma:

 Unidade Temporizada de Fase (51);

 Unidade Instantânea de Fase (50);

 Unidade Temporizada de Neutro (51N);

 Unidade Instantânea de Neutro (50N).

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 15
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 O projetista deverá considerar em seus cálculos:

1) Proteção de Fase – Unidade Temporizada;

2) Proteção de Fase – Unidade Instantânea;

3) Proteção de Neutro – Unidade Temporizada;

4) Proteção de Neutro – Unidade Instantânea;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 16
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Temporizada de Fase

As principais condições para ajuste desta unidade.

• A corrente de acionamento da unidade temporizada do

relé de sobrecorrente de fase deve ser superior à


corrente de sobrecarga admitida para o transformador.

Os transformadores de potência podem ser submetidos a


sobrecargas elevadas (entre 10 e 50% da capacidade nominal).

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 17
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Temporizada de Fase

A corrente de tape do relé deve ser superior ao valor da


corrente nominal do transformador (evitar interrupção).
𝐾𝑓 × 𝐼𝑛
𝐼𝑡𝑓 =
𝑅𝑇𝐶
𝐼𝑡𝑓 : corrente de tape da unidade temporizada de fase
𝐾𝑓 : fator de sobrecarga admissível
𝐼𝑛 : corrente nominal do transformador
RTC: relação de transformação de corrente do TC da proteção.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 18
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Temporizada de Fase

Com o valor da corrente de tape do relé determina-se a


corrente de acionamento da unidade temporizada de fase.
Logo, a corrente de acionamento vale:

𝐼𝑎𝑡𝑓 = 𝐼𝑡𝑓 × 𝑅𝑇𝐶

𝐼𝑎𝑡𝑓 : corrente de acionamento da unidade temporizada de fase


𝐼𝑡𝑓 : corrente de tape da unidade temporizada de fase
𝑅𝑇𝐶: relação de transformação de corrente do TC da proteção.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 19
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Temporizada de Fase
Para se determinar o tempo de atuação da unidade
temporizada de fase deve-se selecionar o índice da curva de
temporização através do múltiplo da corrente.

𝐼𝑚á𝑥
𝑀=
𝑅𝑇𝐶 × 𝐼𝑡𝑓

𝐼𝑚á𝑥 : corrente máxima permitida no local, que pode ser a corrente de


sobrecarga do transformador de potência, a corrente de partida de
motores ou a maior corrente de curto-circuito simulada no local.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 20
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Temporizada de Fase
• O tempo de atuação da unidade temporizada de fase
deve ser superior ao tempo de partida de motores.

Para esta proteção deve-se certificar de que a corrente de


partida do motor não afetará a proteção do transformador.

𝑇𝑎𝑡 > 𝑇𝑝𝑚

𝑇𝑎𝑡 : tempo de atuação da unidade temporizada;


𝑇𝑝𝑚 : tempo de partida do motor.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 21
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 O projetista deverá considerar em seus cálculos:

1) Proteção de Fase – Unidade Temporizada;

2) Proteção de Fase – Unidade Instantânea;

3) Proteção de Neutro – Unidade Temporizada;

4) Proteção de Neutro – Unidade Instantânea;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 22
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Fase

O ajuste da unidade instantânea de fase deve ser realizado


para defeitos trifásicos externos ao transformador no valor
da máxima corrente de curto-circuito;

Deve-se considerar para esse ajuste a corrente de curto-


circuito assimétrica, valor eficaz, no barramento do Quadro
Geral de Força. O valor de ajuste pode ser realizado de
acordo com os seguintes critérios:

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 23
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Fase
• Com o valor do fator de assimetria (𝐹𝑎 ), determina-se o
valor eficaz da corrente de curto-circuito assimétrica:
𝐼𝑎𝑠 = 𝐹𝑎 × 𝐼𝑐𝑠

• Determina-se a relação entre a corrente de curto-circuito


no ponto de defeito e a corrente de acionamento.
𝐼𝑎𝑠
𝐹=
𝐼𝑎𝑡𝑓

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 24
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Fase
• O valor de F deve ser considerado entre 60 e 90% do
valor calculado. Logo, o valor da corrente de ajuste vale:

𝐼𝑖𝑓 = 𝐹 × 𝐼𝑡𝑓

• Com a corrente de ajuste, obtém-se a corrente de


acionamento da unidade instantânea de fase (𝐼𝑎𝑖𝑓 ):
𝐼𝑎𝑖𝑓 = 𝐼𝑖𝑓 × 𝑅𝑇𝐶

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 25
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Fase

• A corrente de acionamento da unidade instantânea do


relé de sobrecorrente de fase deve ser superior à
corrente de magnetização do transformador.

Durante a energização do transformador, a sua corrente de


magnetização é muito elevada, podendo provocar a
desconexão intempestiva do disjuntor erroneamente.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 26
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Fase
O aparecimento da corrente de magnetização pode ser
gerada por diversas formas de transitórios no sistema:
• Energização de um transformador da subestação, quando já
existir um ou mais transformadores em operação;

• Ocorrência de um transitório que faça uma súbita mudança no


valor da tensão aplicada no circuito de magnetização;

• A eliminação de um defeito pelo disjuntor;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 27
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Fase
O aparecimento da corrente de magnetização pode ser
gerada por diversas formas de transitórios no sistema:
• Tentativa de sincronização incompleta do sistema;

• Energização por meio de uma chave seccionadora e o arco


elétrico decorrente a essa manobra (valores elevados da
corrente de magnetização);

• Variação súbita da tensão da rede.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 28
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Fase

A corrente de energização pode ser considerada, de forma


geral e para ajustes da proteção, com valor igual a 8 vezes a
corrente nominal do transformador de potência:

𝐼𝑒𝑛𝑒𝑟𝑔 ≥ 8 × 𝐼𝑛𝑜𝑚

Logo, a corrente de energização deve ser inferior a corrente


de acionamento da unidade instantânea da proteção.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 29
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Fase

A corrente de acionamento da unidade instantânea de fase


(𝐼𝑎𝑖𝑓 ) deve ser superior a corrente de partida do motor;

A corrente de partida do motor (𝐼𝑝𝑎𝑟𝑡 ) é muito elevada,


podendo variar de 3 a 8 vezes a sua corrente nominal;

𝐼𝑎𝑖𝑓 > 𝐼𝑝𝑎𝑟𝑡

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 30
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Fase

Nos sistemas de potência, as correntes de curto-circuito


podem variar ao longo do dia – dificuldade nos ajuste;

Essa variação ocorre devido à variação da potência para


atendimento à carga (carga máxima – todas as unidades de
geração em operação; na madrugada – operação mínima);

Na geração máxima teremos uma corrente de curto-circuito


mais alta (cenário de ajuste dos relés de proteção).

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 31
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 O projetista deverá considerar em seus cálculos:

1) Proteção de Fase – Unidade Temporizada;

2) Proteção de Fase – Unidade Instantânea;

3) Proteção de Neutro – Unidade Temporizada;

4) Proteção de Neutro – Unidade Instantânea;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 32
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Temporizada de Neutro

As principais condições para o ajuste desta unidade são:

• A corrente de acionamento desta unidade deve ser

superior à corrente de desequilíbrio do sistema.

Dado o desequilíbrio de correntes entre fases e erros


inerentes aos TC’s circulará uma corrente pelo neutro. Em
geral permite-se um valor de oscilação entre 10 e 30% dessa
corrente no máximo da capacidade nominal do sistema.
ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 33
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Temporizada de Neutro

Assim, a corrente do relé deve ser ajustada entre esses


valores, a fim de evitar uma interrupção desnecessária.
Logo, a corrente de ajuste pode ser dada:

𝐾𝑛 × 𝐼𝑛
𝐼𝑡𝑛 =
𝑅𝑇𝐶

𝐼𝑡𝑛 : corrente de ajuste do tape da unidade temporizada;


𝐾𝑛 : fator de desequilíbrio de corrente admissível (0,10 a 0,30);

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 34
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Temporizada de Neutro

Com o valor da corrente de tape do relé determina-se a


corrente de acionamento da unidade temporizada de
neutro. Logo, a corrente de acionamento vale:

𝐼𝑎𝑡𝑛 = 𝐼𝑡𝑛 × 𝑅𝑇𝐶

𝐼𝑎𝑡𝑛 : corrente de acionamento da unidade temporizada de neutro


𝐼𝑡𝑛 : corrente de tape da unidade temporizada de neutro
𝑅𝑇𝐶: relação de transformação de corrente do TC da proteção.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 35
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Temporizada de Neutro
Para se determinar o tempo de atuação da unidade
temporizada de neutro deve-se selecionar o índice da curva
de temporização através do múltiplo da corrente.

𝐼𝑓𝑡
𝑀=
𝑅𝑇𝐶 × 𝐼𝑡𝑛
Com o valor do múltiplo de corrente e o índice selecionado da
curva no relé de proteção, determina-se o tempo de atuação.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 36
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 O projetista deverá considerar em seus cálculos:

1) Proteção de Fase – Unidade Temporizada;

2) Proteção de Fase – Unidade Instantânea;

3) Proteção de Neutro – Unidade Temporizada;

4) Proteção de Neutro – Unidade Instantânea;

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 37
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Neutro

O ajuste da unidade instantânea deve ser realizado para


defeitos monopolares externos ao transformador no valor
da corrente máxima de curto-circuito.

Com o valor do fator de assimetria (𝐹𝑎 ), determina-se a corrente


de curto-circuito assimétrica a partir da corrente monopolar:

𝐼𝑎𝑠 = 𝐹𝑎 × 𝐼𝑓𝑡

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 38
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Neutro

Determina-se o fator F, que corresponde à relação entre a


corrente de curto-circuito fase e terra, valor assimétrico, no
ponto de defeito, e a corrente de acionamento.

𝐼𝑎𝑠
𝐹=
𝐼𝑎𝑡𝑛

𝐼𝑎𝑡𝑛 : corrente de acionamento da unidade temporizada.

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 39
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 Unidade Instantânea de Neutro

O valor de F deve ser considerado entre 60 e 90% do valor


calculado. Logo, o valor da corrente de ajuste vale:
𝐼𝑖𝑛 = 𝐹 × 𝐼𝑡𝑛

Com a corrente de ajuste calculada, obtém-se a corrente de


acionamento da unidade instantânea de neutro (𝐼𝑎𝑖𝑛 ):
𝐼𝑎𝑖𝑛 = 𝐼𝑖𝑛 × 𝑅𝑇𝐶

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 40
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente
 O relé de sobrecorrente também pode ser utilizado

como proteção de carcaça do transformador de


potência, conforme mostrado na figura a seguir;

 Assim, toda a corrente de defeito interno que envolva a


carcaça deve fluir pelo transformador de corrente (TC)
que alimenta um relé de sobrecorrente (51G).

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 41
PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES
Proteção por Relés de Sobrecorrente

ENE095 – Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Prof. Luís Henrique Lopes Lima 42

Você também pode gostar