Você está na página 1de 85

CONTEÚDO

Título
Dedicação
1. Jake
2. Larissa
3. Jake
4. Larissa
5. Jake
6. Larissa
7. Jake
8. Larissa
9. Jake
10. Larissa
11. Jake
12. Larissa
13. Jake
14. Larissa
15. Jake
16. Larissa
17. Jake
18. Larissa
19. Jake
20. Larissa
21. Jake
22. Larissa
23. Jake
24. Larissa
25. Jake
26. Larissa
27. Jake
28. Larissa
29. Jake
30. Larissa
Epílogo Um
Epílogo Dois
Epílogo Três
Sobre o autor
PENSEI QUE ELA TIVESSE PARTIDO PARA SEMPRE.
AGORA QUE ELA VOLTOU, NUNCA MAIS VOU DEIXÁ-LA IR.

JAKE PRICE SEMPRE AMOU LARISSA. ELA TEM SIDO SUA MELHOR
AMIGA E SUA CONFIDENTE. ENTÃO, EM UMA ÚNICA NOITE, LINHAS
FORAM BORRADAS E ELA SE TORNOU SUA AMANTE. ELE SABIA QUE
FINALMENTE ENCONTROU A MULHER, COM QUEM DEVIA PASSAR A
VIDA, MAS ACORDOU SOZINHO.
ELE PROCUROU EM TODOS OS LUGARES, MAS LARISSA ESTAVA
LONGE DE SER ENCONTRADA. DEPOIS DE MESES E MESES DE PROCURA,
LARISSA APARECE EM SEU APARTAMENTO.
AGORA, ELA ESTÁ DE VOLTA, COM UMA GRANDE SURPRESA, QUE
PODE ABALAR O MUNDO DE JAKE PRICE.

TORY ESTÁ DE VOLTA!


ESTE ALFA SÓ TEM OLHOS PARA A SUA ÚNICA. ESTE LIVRO É SEGURO,
COM UMA GARANTIA DE FELIZ PARA SEMPRE, UMA HEROÍNA FORTE, E
UM HERÓI ALFA.
DEDICAÇÃO

Isto é para os meus filhos.


Não tenho certeza de como eles lidam,
com todas as horas em que escrevo,
mas de alguma forma, eles o fazem.
Eu lhes amo,
com todo o meu coração.
1
JAKE

F azem nove meses, nove longos e torturantes meses, que não

segurei Larissa em meus braços. Que não cheirei o perfume único


dela. Ela cheira selvagem e livre. Como ar fresco e flores silvestres
florescendo, em um dia de primavera.
Eu acordo todas as manhãs, procurando por ela na minha cama e
levou apenas uma noite, para me tornar viciado nela. Uma noite tomando
sua inocência, ensinando-a como me levar. Todas as posições, do jeito
que ela me levou, dentro de sua boca, sua língua hesitante, aprendendo a
me agradar.
A maneira como ela se sentiu, na primeira vez que estive dentro dela,
foi como se eu encontrasse meu abrigo, minha rocha e minha casa, tudo
em um só lugar. Acordar com lençóis vazios, que eram legais ao toque,
cheirando exclusivamente a nós, e não a encontrando, em nenhum lugar
do meu apartamento. Foi um golpe, e não para o meu ego. Porque, foda-se
isso . Foi um golpe para a dor que florescia, dentro do meu peito. Uma
noite foi o suficiente para eu saber, que Larissa era minha, de todas as
maneiras irrevogáveis.
Pena que ela era basicamente uma ladra, no meio da noite, uma ladra
do meu coração.
Eu ainda acordo todos os dias, duro como uma rocha. Meu desejo por
ela. No entanto, não tendo-a. Não tendo um pedaço do meu coração por
perto. Não, ela tinha levado isso com ela também.
Fazendo o meu caminho, do meu quarto principal para a cozinha, olho
para a cama, uma última vez, como faço todas as manhãs, minha mente
repetindo cada imagem de nós, juntos. O jeito que ela ficou na minha
cama. Seu corpo disposto para o meu prazer, suas curvas uma obra de
arte. Ela pegou o que eu dei e me retribuiu de todas as maneiras
possíveis.
Uma memória é repetida em um loop, dentro da minha cabeça. Seu
corpo corou de prazer, um cacho escuro como corvo, derramando sobre
seus ombros nus, as pontas enrolando em torno de seus seios. Meu corpo
acima do dela, enquanto eu a tomava. O jeito que eu não consiguia tirar os
olhos de onde nossos corpos se juntaram. Como eu a tirei nua, não
querendo nada entre nós. Como sua cabeça inclinou, seus olhos rolando
na parte de trás de sua cabeça, quando ela veio e gritou meu nome.
Eu amei tudo naquela noite e lembro de cada minuto. Eu a limpei,
perguntando se ela queria algo para vestir. Ela murmurou: " Pele com
pele".
Apaguei as luzes do banheiro e deslizei na cama ao lado dela. Eu nem
sequer tive a chance de alcançá-la, ela já estava lá, em meus braços e se
aconchegou ao meu lado. Eu a envolvi e, no meio da noite, quando ela
murmurou meu nome, dei a ela exatamente, o que nós dois precisávamos.
Termino de reviver a memória e saio. Agarrando uma caneca de
viagem e fazendo café para levar ao escritório.
Porra, eu preciso de Larissa, de volta nos meus braços e na minha
cama.
2
LARISSA

N ão acredito que o deixei. Uma noite, isso é tudo o que precisei, para

torná-lo estranho. Tínhamos acabado de terminar o trabalho e nos


encontramos para jantar e beber. Virou mais. Muito mais, e agora sou a
covarde na equação.
Nos últimos quatro anos, tem sido basicamente Jake e eu, contra o
mundo. Melhores amigos, que nunca cruzaram a linha. No entanto,
enquanto jantava com ele, sentado à minha frente, eu queria mais. Não
tinha certeza se ele queria ou não, mas arrisquei. Ele perguntou se eu
queria ir para a casa dele e eu disse que sim. Quando entramos na casa
dele, subi na ponta dos pés e o beijei. Não foi um beijo de língua, não, foi
um selinho. Então ele assumiu, faíscas explodiram e eu soube naquele
momento, que queria que Jake fosse o único. Ele me dominou, com
apenas um beijo.
Eu não deveria ter iniciado. O beijo me abalou profundamente. A
virgem tímida que eu era, não tinha certeza de como isso
funcionaria. Íamos nos beijar e deixar passar ou haveria mais? Nós nos
separamos por um mero segundo e Jake voltou para mais, do que eu
dei. Ele pegou e combinou comigo, a cada passo do caminho. Sua mão
agarrou meu lado, enquanto a outra estava segurando meu
pescoço. Lembro-me de tudo sobre a nossa noite juntos. Quando ele deu
e deu, antes de nos unirmos. Como ele me acalmou com a minha dor e me
trouxe extremo prazer. O jeito que ele soou, enquanto estava dentro de
mim e o êxtase que estava gravado, em seu rosto. Era um céu puro e eu
estraguei tudo. Agora, aqui estou eu, nove meses depois, finalmente
voltando para casa.
Eu tenho muito o que expiar, quando se trata de Jake. Podemos
ter começado como melhores amigos, mas não posso voltar, para sermos
apenas amigos. Se eu tiver que rastejar e pedir perdão, eu irei. Jake
significa muito para mim. Mas também vou ter que admitir a razão, pela
qual fugi. Além da razão óbvia, de eu ser covarde, tenho que admitir que
depois de uma noite com Jake, me apaixonei por meu melhor amigo.
Sinto falta, do jeito que o sorriso dele ilumina uma sala, do jeito que
ele resmunga, quando dá uma cotovelada no trabalho, como ele sempre
me faz rir, quando tudo que eu quero fazer é chorar.
É claro e simples agora. Eu fugi não apenas de Jake, mas também de
mim mesma. Agora eu tenho que voltar e corrigir os erros do meu
passado e contar a verdade.
Admitir que eu estava errado não será fácil para mim, mas no final
valerá a pena contar a verdade.
Arrumo meu carro com todos os pertences que acumulei, nos últimos
nove meses. Não foi muito. Algumas roupas, produtos de higiene pessoal
e algumas lembranças que mais significavam para mim. Antes de sair,
estava alugando um apartamento com uma amiga e ela guardou todos os
meus pertences e pagou um ano de antecedência pela unidade. Então,
procurei a menor cidade que pude e encontrei um emprego de garçonete,
que me deixaria trabalhar servindo mesas. Não foi difícil encontrar um
lugar assim no Wyoming. Aluguei um quarto por dinheiro mensalmente e
vivi bem, ao meu alcance.
Dou uma última olhada ao redor, quando saio. A pequena cidade de
Rock Springs, tem sido um ótimo lugar para se viver, mas não é minha
casa. Não abriga a outra metade da minha alma.
3
JAKE

D evo parar de procurar Larissa, apenas desistir. Aparentemente, é o

que ela já fez, com o nosso relacionamento. Que porra estou


dizendo? Talvez nós sempre fomos feitos, para ser apenas amigos.
Esse aperto no meu peito, continua a queimar mais e mais, a cada
dia. Ela simplesmente não quer ser encontrada. Eu já fui a todos os
lugares, a boutique em que ela trabalhava. Inferno, eu até fui à casa dos
pais dela. Quando Declan sugeriu que eu usasse seu investigador
particular, eu recusei. Eu já havia contratado três, e eles não conseguiram
encontrar nada. Para encontrar minha melhor amiga, que se tornou minha
amante, era algo que eu precisava fazer. Tivemos uma noite de felicidade
inacreditável. Pelo amor de Deus, tirei a virgindade dela, nunca prevendo
que ela fosse virgem, aos vinte e quatro anos. Quando soube que era o
primeiro dela, queria ser o último. Foda-se, assim que a encontrar, serei o
último.
Volto ao computador, quando um alerta é exibido, informando que
tenho um novo e-mail. Finalmente fiz o que Declan disse, há um
mês. Contratei o investigador particular, que ele sugeriu. Ele está indo
bem. Mas ainda demorou um mês. Um maldito mês, mas ele me disse que
tinha algumas pistas, que estava procurando e que me manteria
informado.
Quando vejo o e-mail com Terry Smith, o nome do investigador
particular, meu estômago se encolhe. Claro, eu sou um homem de trinta
anos, mas não ter Larissa , é como se a outra metade do meu coração
estivesse faltando.
Eu li o relatório. Ele relata onde ela esteve e onde está
trabalhando. Estou prestes a pegar o próximo jato daqui. Meu primeiro
pensamento é chegar a Larissa, o mais rápido que posso.
Fecho meu laptop e empurro para fora da minha cadeira, pegando
minhas chaves e telefone, no caminho fora do escritório.
Vou encontrar Larissa, talvez torcer seu pescoço , beijá-la sem fôlego
ou transar com ela, até a morte.
Meu telefone toca, me interrompendo.
"Olá", respondo grosseiramente.
"Jake", sussurra a voz que me assombra, nos últimos duzentos e
setenta dias e duzentas e sessenta e nove noites.
"Não saia de onde você está Larissa", eu digo.
"Eu não vou. Eu prometo, Jake. Estou ... ummm ... estou no
seu condomínio ", diz ela, com incerteza na voz.
- “Eu estarei aí, em quinze minutos, Larissa. Não se mexa, ” eu exijo, e
depois desligo. Já estou a meio caminho do meu carro e a caminho dela.
4
LARISSA

E u deveria ter ido para casa primeiro, bem - não que eu realmente,

tenha uma casa. Realmente, que casa eu tenho? Minha colega de quarto,
alugou meu quarto. Eu realmente não esperava, que ela o mantivesse,
enquanto eu montava minha vida. Em vez disso, vim direto para a casa de
Jake. Eu nem parei, na casa dos meus pais. Não que suas boas-
vindas, sejam calorosas. Nós não nos falamos, há anos. Uma briga sobre
eu querer ir para a faculdade e melhorar meu futuro, em vez de ficar em
nossa pequena cidade e trabalhar na loja de ferragens da família. Eles
olharam para mim, como se eu fosse melhor que eles. Eu só queria uma
carreira. Algo melhor para mim. Eles me disseram para sair e nunca mais
voltar. Então não, e me recusei a me dirigir a eles agora.
Em vez disso, corri direto para Jake, esperando que ele estivesse em
casa, especialmente tão tarde da noite, apenas para perceber que ele não
estava , e o porteiro não me disse se estava ou não. Ele se recusou
descaradamente a ligar para Jake, de um jeito ou de outro. Coloquei
minha cara de menina grande e fiz o que precisava.
Eu o chamei. Não há como desistir agora. Estou perdida em meus
próprios pensamentos, olhando para meus sapatos, pensando que
realmente preciso lavar meus sapatos de lona surrados, quando a porta
se abre e vejo Jake pela primeira vez, em meses. Minha respiração fica
presa na garganta. Ele ainda é tão bonito. Seu cabelo é castanho
escuro. Corte curto na lateral, mas a parte superior fica a esmo. Os olhos
dele, que me lembro de olhar a noite toda, há tantos meses, são azuis e
posso ver o fogo, ardendo neles. Ele está zangado. Não, não apenas com
raiva. Há mágoa e dor nos olhos dele. Dor que eu causei. Lágrimas
instantaneamente caem, no canto dos meus olhos.
Eu senti falta dele. Ele parou a três metros de mim. Meu corpo mudou
muito, mas ainda sou a mesma. É como se ele estivesse esperando, para
ver se sou real ou se realmente, irei até ele. Deixo toda a minha
apreensão e corro em direção a ele, o máximo que posso. Eu pulo em
seus braços e ele segura firme. Algo grande e intrusivo, está me deixando
incapaz de envolver minhas pernas, em volta da cintura dele. Eu quero ser
tocada por Jake. Sua mão vai para o meu estômago, agora redondo e a
outra, para minha bochecha.
Olho nos olhos dele e sussurro: "Sinto muito, Jake."
Ele me encara e nos olhamos. Meus braços estão em volta do pescoço
dele, ele está curvado em sua estatura, que geralmente está bem acima
da minha altura e ficamos perdidos no momento.
Eu sei que o perdão dele, levará tempo. Eu posso ver a dor e a
raiva. Eu fiz isso com ele. Eu fiz isso conosco.
Ele me pega, como se eu fosse sua noiva e caminha até o elevador. Eu
enterro meu rosto, na curva de seu pescoço e deixo as lágrimas
escorrerem livremente. Eu não tinha certeza, se ele iria querer
algo comigo. Se ele se afastasse de mim, teria me
destruído. Provavelmente tanto quanto o destruí, quando me afastei.
Uma vez que estamos dentro do elevador, eu me afasto dele e fico em
pé. Ele não me deixa sair do lado dele . Ele me traz de volta ao calor de
seu corpo, seus braços em volta de mim, enquanto esperamos para ir até
sua casa.
"Temos muito o que conversar, Rissa", ele murmura no meu
ouvido. Fecho os olhos e respiro fundo. Ele está absolutamente certo. Há
tanta coisa, que precisa ser dita, mas não sei como posso dizer, sem
partir o coração dele novamente.
Minha inspiração aguda, faz ele procurar no meu rosto, pelo que, não
tenho certeza. Eu tento me aprofundar mais nele, mas ele me impede.
"Eu não vou deixar você sair novamente." Sua voz sai dura, mas eu sei
tudo sobre Jake e como ele fala e os tons que ele usa. Eu posso ouvir a
tensão em sua voz, tentando conter suas emoções.
“Eu não vou embora. Eu prometo” - eu grito.
5
JAKE

E u sonhei em ter Larissa de volta, em meus braços . Ela está aqui

agora e não há nada que eu não faria, para impedi-la de me


deixar. Mesmo se eu tiver que usar algemas, não a deixarei ir.
Entramos no meu condomínio. Tudo é exatamente o mesmo que era,
quando ela saiu. Não atualizei ou me mudei, depois que ela saiu. Eu
deveria ter, mas com a rara chance de ela voltar, eu queria que ela
soubesse, onde poderia me encontrar. Estou agradecido como sempre,
por não ter me mexido. Mesmo quando Declan disse, que era hora de
desistir, não deixei Larissa ir.
Eu não consegui. Não, nem isso. Eu me recusei a desistir dela. Ela é
minha . Mesmo que ela não saiba agora. Ela vai, até o final da noite.
"Quer algo para beber?" Eu pergunto, rispidamente, enquanto ela se
aproxima das janelas, que dão para a cidade. Ela sempre amou a
vista. Sempre que passávamos na minha casa, Larissa sempre ficava
colada à vista.
"Estou bem. Obrigada, no entanto” - ela murmura. Seu corpo pode
estar de frente para a janela, mas eu posso ver seu lindo rosto
fodido. Larissa nunca usava muita maquiagem , ela sempre dizia que não
gostava disso e parecia que seu rosto estava vestindo um suéter com
tudo. Eu ri na época, mas agora olhando para ela, sua beleza natural
brilha. O rosto dela é suave e melancólico. Olhos verdes brilhando na luz,
ao redor dela, seus cabelos... Maldito, o cabelo dela. É longo e ondulado,
chocolate com reflexos dourados, que eu adorava ter enrolado em minhas
mãos, quando eu a tomei a noite toda.
Pego uma garrafa de água. Quanto mais rápido terminarmos essa
conversa , mais rápido posso levar Larissa comigo, colando-a em mim. Eu
posso me imaginar voltando para casa do trabalho, para ela. Vê-la em
uma casa, que eu sei que ela estará esperando por mim. Porra, apenas tê-
la aqui agora, torna o lugar menos frio.
Ela se formou na faculdade, com um diploma em comunicação
empresarial. Um grau que eu sei, que ela ainda não colocou em
uso. Espero que agora que ela esteja em casa, procure um emprego que
realmente deseja, em vez de trabalhar por um salário menor, quando sei
que ela vale mais do que isso. Ela vale tudo.
Sento-me no sofá e limpo a garganta. "Larissa, sente-se por um
minuto."
Ela se vira e vejo todas as suas curvas exuberantes. Sua bela figura de
ampulheta, está envolta em jeans justos. Seus quadris se abrem e seu
traseiro em forma de coração - é o que um homem sonha . Ela está
vestindo uma blusa verde simples, com um suéter aberto por cima. Eu
odeio esse suéter agora. Está escondendo o corpo dela de
mim. Especialmente quando eu realmente quero vê-la - a única coisa que
me fez parar, quando olhei-a pela primeira vez no saguão. Ela tem algo a
me dizer e eu quero ouvir isso, de seus lábios.
Ela se senta ao meu lado e não é bom o suficiente. Eu facilmente a
pego e a coloco no meu colo.
"Jake", ela sai correndo, enquanto coloca as mãos nos meus ombros.
"Eu preciso de você perto de mim", digo a ela, enquanto escovo meu
rosto em seus cabelos.
"Tudo bem", ela responde.
"Diga-me, por que você fugiu de mim", afirmo.
6
LARISSA

“E u estava assustada, Jake. Eu estava tão, tão assustada. Você é

meu melhor amigo. Eu não queria que uma noite, estragasse o que
tínhamos” - respiro.
Olho para o meu colo, bem o que posso ver, agora que estou prestes a
estourar. Estou torcendo minhas mãos, enquanto ele afirma: "Se você
tivesse ficado, saberia que essa foi a melhor noite, da minha vida".
"Sinto muito", eu digo, e lágrimas estão rolando pelo meu rosto. Eu mal
digo essas duas palavras, antes de começar a soluçar. Ele me traz para o
corpo dele, o máximo que pode, com o meu estômago interferindo, com a
aproximação, e estou envolvida nele.
Ele me cala e me acalma enquanto eu choro feio . Não sei como tive a
sorte de ter Jake por tanto tempo e deixá-lo. Puro e simples, eu fui uma
idiota.
Uma parte de mim, queria que ele me encontrasse, mas a outra parte,
aquela em que eu estava com muito medo, de tornar mais fácil para ele
me encontrar, não o fez.
"Acalme-se, bebê", diz ele no meu ouvido, em um tom sussurrado. Isso
me faz tremer. Lembro-me de seus sussurros ásperos, quando ele estava
me dizendo, o que exatamente ele queria que eu fizesse e como ele ia me
levar, com força e profundidade.
Aproximo-me dele e sinto instantaneamente sua dureza. Se não fosse
pelo meu estômago florescente ou pela maneira como sinto sua mão
descer entre nós, ele coloca a palma da mão, no meu estômago. Eu
estaria pulando em seus braços, mas do jeito que ele está me
segurando. Isso me faz sentir desejada. Isso mostra que ele nos quer.
7
JAKE

F oda-se, ela é linda. Até chorando e com meu bebê. Eu gostaria de

dizer que fiquei chocado, por ela ter chegado em casa grávida, mas não
estou. É algo que eu estava esperando. Nós dois sabíamos as chances que
teríamos, quando tivemos relações sexuais desprotegidos . No entanto,
ainda queríamos assim.
"Eu não sei se vou bater em sua bunda ou beijá-la sem sentido", eu
finalmente digo a ela, enquanto ela levanta o rosto, para encontrar meus
olhos.
Há calor em seus olhos e posso ver que ela gosta, dessas duas
idéias. A primeira, não tenho mais nada a fazer, mas algo me diz, que isso
não vai acontecer por um bom tempo.
Minha mão se levanta e emaranha seus cabelos, enquanto eu trago
seus lábios aos meus. Ela é hesitante no começo. Depois que eu lhe dou
minha língua, seu corpo acorda. Ela ondula nos meus braços. Meu pau
está quase explodindo. Nem uma vez sequer, olhei para outra mulher,
durante meu tempo longe dela.
Eu só queria Larissa. "Jake", ela geme.
“Baby, não podemos fazer isso. Ainda não. Por mais que eu queira
estar dentro de você, temos muito o que conversar” - eu digo a ela. Meus
olhos nunca deixando os dela.
"Nós precisamos, mas, Deus, é tão bom", ela geme, enquanto mói sua
boceta, contra o meu pau. Eu posso sentir o calor dela, mesmo com as
camadas de roupas entre nós.
Eu desisto, não posso deixá-la precisar de algo e mal sair. Eu a viro
de costas e minhas mãos encontram, o topo de sua calça. Eu a arranco e
finalmente tiro sua blusa, por cima da cabeça. Deixando-a com nada além,
de sutiã e calcinha.
"Você é tão linda", eu resmungo, meu olhar a adorando, da cabeça aos
pés. Seus seios estão inchados , os quadris se alargaram, o estômago
está esticado do nosso filho. A criança sobre a qual não falamos muito,
mas iremos.
Ela solta o sutiã, e seus seios pesados, estão nus para mim. Seus
mamilos escuros, com as pontas duras e imploram para que minha boca
seja envolvida, em torno deles. Eu faço exatamente isso. Inclino meu
corpo sobre o dela, certificando-me de manter meu peso fora dela,
enquanto chupo um e uso minha outra mão, para manipular o
negligenciado. Seus quadris sobem e ela geme meu nome.
Por mais que eu não queira deixá-los, eu sei do que nós dois
precisamos. Nós dois precisamos, nos reconectar.
Desço o corpo dela, arrancando minha camisa pelo caminho e
desafivelando o cinto. O assobio do zíper, traz os olhos de Larissa para o
que estou fazendo. Meu pau sai e ela lambe os lábios. Foda-se, o que essa
mulher faz comigo.
"Mantenha essa língua em sua boca, Rissa, ou eu vou usá-la bem", eu
exijo.
Suas mãos vão para seus mamilos e ela os puxa, enquanto eu arranco
sua calcinha. Eu deveria tê-la tirado como um homem comum, mas já se
passaram nove meses e eu preciso estar dentro dela.
Olho para sua boceta nua e desço. Preciso prová-la, antes de estar
dentro de seu calor úmido. Ela está pingando mel e é exatamente isso,
que ela gosta, enquanto dou uma longa lambida.
"Por favor , Jake, eu preciso de você dentro de mim", ela implora.
Não posso dizer não a ela. Estou de volta e meu corpo está entre suas
pernas abertas, segurando meu pau em uma mão, enquanto me
aperto. Trago meu polegar sobre seu clitóris e o esfrego em círculos
firmes. Quero-a pronta e não quero machucá-la.
"Você está pronta, bebê?" Eu pergunto. Ela assente com a cabeça. "Eu
preciso das palavras Larissa ou não estamos fazendo isso."
“Jake. Sim! ” Ela geme, enquanto eu empurro nela com um golpe,
afundando dentro da minha paz na terra.
Ela envolve as pernas em volta dos meus quadris, e eu assumo. Ela
combina comigo, em todos os sentidos. Eu gostaria que estivéssemos na
cama, eu a teria deitada diante de mim, e teríamos todo o tempo do
mundo, para reaprender os corpos um do outro.
Entro e saio dela, quente como a porra da vagina, saboreando o jeito
que ela me suga, com cada impulso.
“Venha, Larissa. Venha para mim, bebê” - eu resmungo. Eu já posso
sentir o sinal revelador do meu orgasmo iminente e de jeito nenhum, vou
antes da minha mulher.
"Estou indo, Jake", sua voz está tremendo, junto com todo o seu
corpo. Eu venho, quando ela se abaixa sobre o meu pau.
"Nunca te deixarei, me deixar de novo", eu digo, quando ambos
descemos do nosso orgasmo. Seus olhos estão brilhando, com lágrimas
não derramadas, e ela pode ter me deixado fisicamente, mas ela nunca
deixou meu coração.
8
LARISSA

Quando acordo, bato nos braços de Jake. Ele está atrás de mim, com a
mão na minha barriga. Segurando nós dois. A única coisa que me acorda,
é minha bexiga. Eu vou me mover, e Jake me puxa de volta, para seu
calor.
“Jake, eu tenho que ir ao banheiro. Eu já volto” - sussurro no quarto
escuro, tentando não acordá-lo.
Ele se senta abruptamente e acende a lâmpada na mesa de cabeceira.
– “Você está bem?” - ele pergunta.
"Sim, apenas o pequeno jogando futebol, nos meus rins", eu respondo,
enquanto me levanto da cama.
Observo seus olhos se suavizarem e ele diz: "Não acredito, que
fizemos nosso próprio filho".
Ele não está me acusando de deixá-lo e voltar grávida. Ele não está
chateado comigo. Ele é apenas Jake. Meu Jake.
"Dê-me alguns minutos e eu juro que conversaremos, mas se eu
esperar muito mais, vou fazer uma bagunça", eu sorrio e vou para o
banheiro.
Eu faço meus negócios e, quando termino e lavo as mãos, fico na
frente do espelho e percebo todas as mudanças, que aconteceram
recentemente. Dou uma olhada em mim mesma, uma última vez e puxo
cada grama de coragem para encarar o homem, por quem estou
apaixonada.
Quando volto, ele está de costas para a cabeceira da cama e me chama
em direção a ele, meus pés se arrastam para o lado da cama. Ele me
ajuda e me coloca entre suas pernas. Minhas costas estão em seu peito e
seus braços instantaneamente, envolvem meu estômago, agora redondo.
"Eu sei que são três horas da manhã e não vou mantê-la acordada por
muito mais tempo, mas preciso saber tudo o que aconteceu, nos últimos
meses", sua voz cheia de emoção.
Viro meu corpo, minhas pernas estão sobre as dele, olho nos olhos
dele e digo tudo: “Acordei no meio da noite, como você sabe, e saí. Eu
estava com medo e fui covarde. Em vez de ficar para contar todas as
emoções que eu tinha construído, eu fugi. Não queria te perder, como meu
melhor amigo ou ver se você ficaria desapontado, com o que havíamos
feito. Isso teria quebrado meu coração, então fiz a única coisa que não
deveria. Eu corri e tornei impossível, para você me encontrar.”
“Eu procurei por você. Não houve um dia, que eu não estivesse
tentando encontrar você. Eu até fui à casa dos seus pais e tenho que dizer,
Babe, eles são péssimos” - ele diz, com aborrecimento na voz. Não tenho
certeza se é comigo ou com meus pais.
"Eu também não sou uma grande fã deles", digo a ele, enquanto
empurro uma mecha de cabelo, que está caindo em sua testa. Quero que
estejamos conectados de alguma forma. Mesmo que seja algo tão
simples, quanto um toque dos meus dedos, em sua pele.
“Sim, eu posso imaginar. Continue” - ele persuade.
“Eu desembarquei em uma pequena cidade no oeste, trabalhei em uma
lanchonete. Eu fiquei em um quarto , alugado de uma velhinha e fui ao
meu médico. Foi tudo o que fiz, se não estivesse andando por aí, me
chutando na bunda. Fiz o que sempre faço, li todos os livros sobre
gravidez, em que pude pôr as mãos.” Minhas mãos estão no ar, enquanto
explico para ele o que fiz.
"Você está bem? Quando é a data prevista para o nascimento? Estamos
tendo um menino ou uma menina? ” Ele me bate com perguntas rápidas.
"Estou bem. Eu tive uma gravidez incrivelmente suave. Estou a duas
semanas da data do nascimento. O que me lembra, amanhã eu
preciso marcar uma consulta, com um novo obstetra na cidade. Não sei se
é menino ou menina. Eu queria esperar, até que pudéssemos descobrir
juntos” - respondo.
Ele beija minha testa, enquanto diz: "Obrigado".
“Eu não tenho certeza, que você deveria estar me agradecendo. Eu
estava sendo totalmente egoísta e deixando você fora de tudo” - respondo
com exasperação, enquanto nosso pequeno me chuta.
“Nós vamos lidar com isso, mais tarde. Tudo o que me importa, é que
você esteja em casa e saudável” - ele murmura ao ver meu estômago se
mexer, com os movimentos acrobáticos acontecendo.
Coloco a mão em cima do meu estômago e ele sente nosso filho se
mexer.
"Uau", sua voz está cheia de alegria e se eu fiz alguma coisa certa, é
isso aqui. Estar voltando para casa.
9
JAKE

Q uando senti Larissa se mexeU no meio da noite, esperei o pior. Eu

sei que não deveria. Ela jurou que nunca mais me deixaria. No entanto,
ainda estou com medo, de que ela vá embora e não porque está grávida
do nosso filho. Não, estou com medo, de que ela me deixe. Novamente.
Eu a vejo dormir de madrugada , não querendo acordá-la. Vejo as
olheiras sob seus olhos e não tenho certeza se é da viagem ou de cansaço
dos últimos nove meses. Levanto da cama, visto um moletom e vou até a
cafeteira.
Pego meu telefone e ligo para minha secretária, Tina, e deixo uma
mensagem em sua linha de trabalho. Avisei que não voltarei ao escritório
até segunda-feira e estarei trabalhando remotamente.
Minha próxima ordem de negócios é ligar para Declan e avisá-lo das
novidades, mas isso terá que esperar . É muito cedo e se eu acordar
Kendall, nunca ouviria o fim.
Volto a fazer uma xícara de café e olho para ver o que há na geladeira,
para que possa preparar o café da manhã. Vejo que há bagels, ovos, queijo
e bacon. Vou fazer um bagel para sanduiche. Então, assim que o
consultório médico abrir, vou ver se consigo levar Larissa, imediatamente.
Eu sei que ela disse que foi ao médico, enquanto ela estava na merda
do Wyoming. Eu me sentiria melhor, em vê-la aqui.
Depois que meu café é feito, pego minha caneca, pego meu laptop e
caminho para o pátio externo. Ainda bem que ainda não está muito frio e
posso sentar e trabalhar.
Meu laptop está em funcionamento e estou profundamente em meus
e-mails, quando ouço a porta deslizante de vidro se abrir. Olho o relógio
e vejo que só estou aqui há uma hora e ainda é muito cedo, para Larissa
acordar.
Seu cabelo está preso no alto da cabeça ao acaso, ela vestiu minha
camisa descartada da noite passada e posso ver que ela vasculhou
minhas gavetas, para encontrar um par de meias para vestir, antes de
sair.
"Bom dia, bebê", digo a ela, quando se aproxima. Ela se abaixa para me
beijar e eu a trago, para sentar no meu colo.
“Bom dia, Jake. Você sabe, eu sou muito grande, para estar sentada no
seu colo agora,” Eu posso ouvir a rouquidão na voz dela, do sono.
"Besteira, você está exatamente onde pertence", digo a ela. Ela pega
minha caneca e, antes que eu possa dizer-lhe que não pode ter cafeína,
ela leva a xícara ao nariz e inala o perfume.
Eu rio, sabendo o quanto Larissa ama café. Mesmo que eu estivesse
prestes a abrir a boca e me fazer mal, sei que ela nunca colocaria nosso
filho em qualquer tipo de perigo injustificado.
Conversamos por horas a fio, como os melhores amigos que sempre
fomos. Ela sabia que queria ser uma mãe melhor, do que a que ela tinha
crescido. Sua mãe estava mais interessada em si mesma, do que em
cuidar de Larissa. O pai dela não estava muito melhor. Ele mal conseguiu
um emprego, para manter um teto sobre a cabeça deles. Eu não
conseguia imaginar como Larissa cresceu. Meus pais sempre foram meus
maiores fãs.
“Deus, sinto falta do café. Descafeinado não é o mesmo. Não que eu
beba isso também. Estou com muito medo do que aconteceria, se
bebesse” - ela resmunga.
"Não muito mais agora, no entanto", eu respondo.
“Eu não vejo cafeína no meu futuro, especialmente se
planejo amamentar.” Ela olha de volta para o meu café
melancolicamente. Eu posso imaginar isso agora, ela amamentando nosso
filho ou filha. Seu corpo nutrindo nosso filho, com seu próprio leite. Foda-
se, o que isso faz comigo.
"Isso é algo que você planeja fazer?", Pergunto.
"Se meu corpo permitir , amamentarei nosso filho, o máximo que
puder", diz ela.
Estou morrendo de vontade de contar a ela meus sentimentos, mas
não quero assustá-la e fazê-la sair novamente. Porra, eu amo essa
mulher.
"Estou tão agradecido, por ter você como mãe de nosso filho, Rissa",
eu uso o nome que é reservado, apenas para mim. Uma vez ela me contou
como odiava o apelido de "Rissy". Para provocá-la, comecei a chamá-la de
Rissa. Ela nunca me disse que não, então eu corri com isso.
"Você vai me fazer chorar, Jake", diz ela, enquanto coloca os braços no
meu pescoço. Eu a abracei, até que ela se acalmasse e o sol estivesse
alto no céu.
10
LARISSA

A s emoções têm sido uma montanha-russa, nos últimos

dias. Quando eu disse a Jake que iria procurar um apartamento, ele foi
inflexível, quanto a eu ficar com ele. Ele não me deu a chance
de recusar. Jake simplesmente pegou minhas chaves e descarregou meu
carro, com todos os meus pertences e os jogou no armário do quarto
principal.
Estou oficialmente morando com ele. A próxima coisa que preciso
fazer, é começar a procurar emprego. Obviamente, não até depois, que o
bebê nascer . Estou muito feliz por ter dinheiro economizado. Os bebês
não são baratos, e eu não quero que Jake sinta, que tem que pagar por
tudo.
Com esse pensamento em mente, eu fecho a tampa do laptop, vou para
o quarto e me visto para o dia. Tenho algumas compras de bebê para
fazer, antes da consulta com meu médico esta tarde. Uma que Jake vai me
encontrar lá. Ele tentou sair das reuniões, que havia marcado para esta
semana, mas não conseguiu. Eu não estou chateada com isso, embora
Jake esteja. Ele estava xingando uma tempestade e gritando com sua
assistente, como se fosse culpa de Tina. Revirei os olhos e fui embora,
enquanto ele estava ao telefone.
Pego uma legging, camiseta de grandes dimensões, sutiã e calcinha e
me troco rapidamente, jogando meu cabelo em um coque
bagunçado. Quando você mora em Wyoming, é difícil encontrar roupas de
maternidade. Adicionar no meu tamanho, doze curvas com o estômago em
crescimento, foi mais difícil. Eu aprendi a ficar com roupas elásticas
extras de tamanho. Além disso, agora que estou no final da gravidez, não
vejo sentido em comprar roupas de maternidade.
Pego minhas chaves, telefone celular, bolsa e vou para o lugar mais
próximo. Tenho que pegar suprimentos, para receber nosso pacote de
alegria.
Não demoro muito, para chegar aonde estou indo. Entro em um
corredor e, vendo como tenho algumas horas para matar, quero dizer
lentamente, subindo e descendo a seção de bebês. Pego um bloco de
notas e caneta da minha bolsa e começo a escrever o que precisamos
imediatamente e o que podemos esperar.
Estou empurrando o carrinho de compras e parando ao longo do
caminho para jogar fraldas, lenços, panos e creme para assaduras. Eu
paro nas mamadeiras, me perguntando se deveria receber uma bomba de
mama, para que Jake possa se alimentar, se ele quiser, quando ouço
alguém dizer: "Larissa, querida, é você?"
Eu me viro e fico cara a cara, com a mãe de Jake, Katrina. Ela está
sorrindo e assistindo o tempo todo. A única coisa que Jake e eu não
conversamos, foi quando contaríamos aos pais dele, mas pela alegria no
rosto dela, sinto que ele já lhes disse. Eu sorrio de volta para ela e digo:
“Oi, senhora Price. Como você está?"
“Não acredito que você está em casa. Estou tão feliz em ouvir as
notícias. Eu não poderia estar mais feliz! ” Ela está basicamente dançando
na minha frente, antes de se aproximar e me abraçar. Eu irrompo em
lágrimas. Eu não posso acreditar o quão incrível Jake tem sido, mas agora
com sua mãe, também sou uma idiota .
"Oh, querida", diz ela, enquanto se afasta e me segura pelos
ombros. “Larissa, você sabe que eu estou sempre aqui, para você. Por que
você está chorando? ” Ela pergunta.
“Porque ... porque, eu não mereço isso. Eu fiz tantas coisas erradas e
aqui está você e até Jake. Ele deveria me odiar. Você deveria me
odiar. Inferno, eu me odeio por ficar longe, o tempo que fiquei” - eu digo
com lágrimas escorrendo pelos meus olhos. Parece que tudo o que tenho
feito nos últimos dias é chorar. Claro, eu fiz isso, quando estava no
oeste. Então, eu tenho certeza, que isso tem algo a ver com hormônios da
gravidez, mas o que realmente provém é a culpa.
“Oh, minha doce menina. Nós nunca poderíamos te odiar. Às vezes a
vida leva você a uma direção muito estranha e não sabemos o que
fazer. Ficamos um pouco perdidos ao longo do caminho, mas a melhor
coisa que você fez, foi voltar. De volta para Jake e de volta para
nós. Estamos aqui para você. Não apenas Jake também, mas o Sr. Price e
eu, estamos” - ela diz, olhando nos meus olhos.
"Não tenho certeza do que fiz para merecer ter vocês três, na minha
vida, mas prometo que estou muito agradecida, por ter todos vocês", digo
a ela.
“Bem, agora deixe-me ser Vovó hoje e fazer compras com você. Temos
muito que comprar, para estocar”. Ela pega o carrinho de compras e
pegamos tudo o que precisamos e mais alguns.
11
JAKE

p ensei que essa reunião nunca terminaria. Estou saindo

escritório, sabendo que só tenho trinta minutos, para chegar à consulta


do

médica de Larissa, quando meu telefone toca, enquanto entro no


carro. Olho para o painel e vejo que é minha mãe.
"Ei, mãe", digo no Bluetooth do meu carro .
“Não deixe Larissa fugir. Ela é a melhor coisa do mundo”. Ela nem diz
olá de volta.
“Eu sei mãe. Eu estou mantendo-a. Eu prometo. Quero um anel no
dedo dela e meu sobrenome associado ao seu primeiro nome, mas estou
tentando ir devagar, por enquanto. Bem, pelo menos até o bebê chegar” -
respondo.
"Bom, porque passei as últimas duas horas com ela e pretendo vir
amanhã, para ajudar a arrumar o quarto do bebê, enquanto você estiver
no trabalho", afirma ela.
“Espere, volte. Onde você passou duas horas com ela? Eu pensei que
ela estava em casa? ” Eu pergunto.
“Ela estava andando pela Target, e foi por puro acaso, que nós duas
estávamos no departamento de bebês. Nós compramos e conversamos o
tempo todo e eu tenho que lhe dizer, Jake, eu sei que ela tem orgulho,
mas também sei que ela estava observando preços e procurando cupons,
o tempo todo. Certifique-se de ajudar” - ela adverte.
"Se eu soubesse que ela estava indo fazer compras de bebê, eu teria
ido com ela ou pedido para ela esperar, até depois de sua consulta hoje",
explico para ela .
“Oh, bom, eu pensei que ela estava tentando fazer tudo sozinha. Ela
quase chorou, quando comprei um berço para ficar ao lado da cama,
depois que o bebê nascer. Falando nisso, você sabe se é um menino ou
uma menina? ” Ela pergunta.
"Eu vou bater em sua bunda ", eu sussurro, para que minha mãe não
ouça essa informação e depois diga a ela: "Não, Rissa não queria
descobrir sem mim. Temos a consulta dela hoje e saberemos mais
depois. Ei mãe. Tenho que ir, acabei de estacionar”.
“Te amo , Jake. Dê um abraço em Larissa por mim”.
"Te amo. Eu vou, mesmo que você a tenha visto” - eu ri.
“Apenas faça o que mandei. Tchau” - ela diz com sarcasmo na voz.
"Tchau, mãe", desligo o telefone e tiro as chaves da ignição, saindo do
carro. Faço uma anotação mental, para ver se Larissa me permitirá trocar
seu velho carro batido e levá-la a algo maior e mais seguro.
Falando nisso, eu vejo o carro dela no estacionamento. Ela não está
em nenhum lugar, onde eu possa vê-la, então vou para o consultório
médico. Eu a vejo imediatamente. Lá está ela, linda e curvada sobre uma
prancheta, enquanto preenche a papelada.
Vou até onde ela está sentada, sentando-me ao lado dela e a observo
por alguns minutos. Ela está tão perdida em seu trabalho, que
não percebe que estou aqu,i até limpar minha garganta.
Ela levanta a cabeça e me vê, e é aí que eu sei, que ela está
completamente para mim, como eu sou para ela. O sorriso no rosto
dela. O jeito que ela esquece a papelada, em que estava trabalhando e
suas mãos estão emaranhadas nas minhas, enquanto leva seus lábios aos
meus. Deixei que ela assumisse o beijo, mas quando sua língua foge, para
lamber meu lábio inferior, preciso de tudo o que tenho, para não devorá-la
aqui no consultório médico.
Mordo seu lábio quando ela se afasta e nossas testas se encontram, e
ficamos imóveis com os olhos fixos, um no outro.
"Ei", ela sussurra. Sua camisa está pendurada em um ombro e eu
posso ver, que ela tem algum tipo de coisa de sutiã de renda. As coisas
que eu faria com ela, se não estivéssemos em público.
"Baby", eu resmungo. Nós nos separamos e ela termina de preencher
sua papelada, enquanto esperamos a enfermeira nos chamar, para uma
sala.
12
LARISSA

Q uando a enfermeira nos chama, ela me leva para uma sala, antes

da sala de exames, para pegar meus sinais vitais e o peso. Eu fiz Jake se
virar, quando ela fez a última parte. Eu sei que estou grávida de seu filho,
mas ainda há algumas coisas, que um homem não precisa saber ou ver.
Ela nos acompanha até uma sala, onde me diz para tirar a roupa e
vestir um vestido, com a abertura na frente.
"O médico entrará em breve", diz ela, enquanto sai. Começo a me
despir, quando ouço Jake reclamar: "É melhor que seja uma médica."
Eu não posso evitar. Eu soltei uma risada alta, meu corpo inteiro
começou a tremer, é engraçado como ele está reclamando do meu
médico.
Ele senta-se e continuo a retirar minhas roupas. Estou com apenas
meu sutiã e calcinha, quando ele esfrega as mãos no rosto e diz: "Você
fica cada vez mais bonita, todos os dias, Rissa."
Eu seguro minhas lágrimas, que sei que estarão a ponto de derramar
em minhas bochechas. Minhas curvas ficaram mais curvas. Meus quadris
estão mais largos, minhas coxas tocam mais do que nunca, e meus seios
- eu juro que eles dobraram de tamanho, durante o último trimestre e
aqui está Jake, me dizendo como sou bonita.
Está na ponta da minha língua, dizer a ele que o amo, quando ele se
levanta e caminha até mim. Ele me vira e abre meu sutiã, beijando um
caminho na minha espinha, enquanto empurra minha calcinha para o
chão. Eu tremo de corpo inteiro, quando ele pega o vestido da mesa, que a
enfermeira colocou e me ajuda nele.
"Eu tenho muita sorte de ter você", eu finalmente sussurro.
"Temos sorte de ter um ao outro, Baby", diz ele e beija minha testa e se
afasta. Eu vejo o que ele está tentando esconder, enquanto se senta. Estar
perto de Jake nos últimos dias, fez com que meu desejo por ele
aumentasse e sei que depois que o bebê nascer, serão seis semanas,
antes que ele esteja dentro de mim novamente.
"Toc, toc", ouvimos e ambos viramos a cabeça, em direção à porta.
"Entre", eu digo limpando a garganta. Tentando parar com
os pensamentos desenfreados, que estava tendo em minha mente.
"Oi, Larissa, eu sou a Dra. Patel", ela diz e aperta minha mão e depois
faz o mesmo com Jake.
"Oi, Dra. Patel", eu respondo. Ela se senta no banquinho, enquanto
conversamos sobre as coisas, como vou chegar a cada semana , e vou
fazer uma contagem diária de chutes, como precaução, para garantir que
o bebê esteja ativo e em movimento.
Eu li todos os livros que pude, tendo tempo para aprender tudo. A Dra.
Patel responde a todas as minhas perguntas, com paciência
e compreensão.
“Só vou checar você e depois podemos fazer um ultrassom. Você quer
descobrir o sexo do bebê? Eu sei que você não fez, no consultório médico
anterior “- ela afirma.
Olho para Jake e posso ver em seu rosto. Ele quer saber, e eu quero
que ele saiba.
“Sim”, digo a ela, e a mão de Jake encontra a minha , enquanto ela faz
seus negócios no “centro” e diz: “Tudo parece ótimo. Continue andando e
bebendo muita água. Volto já com o técnico de ultrassom , e ela fará uma
varredura e lhe contará as novidades. Você pode se vestir, camisa
levantada e calça abaixada. Tenho certeza, que você ficará mais
confortável assim.
"Obrigado, Dra. Patel", Jake e eu, dizemos em uníssono.
"Você é muito bem-vinda. Vejo você na próxima semana, a menos que
você entre em trabalho de parto, antes disso ", ela sai e Jake pergunta:
"Ela está bem em entrar em trabalho de parto, neste momento?”
“Ela está, vou dar uma outra olhada no ultrassom mais recente. Tudo o
que ela está medindo, parece ótimo, no entanto. Tenha um ótimo dia” -
Jake deixa-a sair depois disso, com um olhar de alívio no rosto.
"Pronto para descobrir, o que estamos tendo?", Pergunto a ele.
“Foda-se sim. Está me matando sem saber e faz apenas alguns
dias. Não sei como você resistiu, por tanto tempo” - ele murmura.
“Eu não queria descobrir sem você. Eu já estava passando muito sem
você, como era. Eu queria que isso fosse nosso” - digo com emoção,
entupindo minha garganta.
“Não chore, bebê. Eu não gosto de ver você com lágrimas. Isso puxa
meu coração”. Ele enxuga as lágrimas, que estão tentando escapar do
canto dos meus olhos. Ele me ajuda a me vestir, enquanto esperamos a
chegada do técnico de ultrassom. Eu odeio estar colocando roupas na
frente dele, quando realmente quero tirá-lo de seus trajes e ter o meu
caminho com ele.
13
JAKE

N ós chegamos em casa e a primeira coisa que faço é pedir o

jantar. Já passam das seis horas e sei que Larissa deve estar morrendo
de fome. Eu odiei que nós tivemos que pegar carros separados, depois de
descobrir o sexo do nosso filho. Eu ficaria feliz com um menino ou uma
menina, mas quando a enfermeira disse, que estávamos tendo um menino,
eu aplaudi, enquanto Larissa ria. Eu sabia que se tivesse uma garotinha e
ela se parecesse com a mãe, eu seria realmente fodido.
"O que você quer? Pizza ou chinês?” – pergunto, enquanto ela se senta
no sofá, apoiando os pés na mesa de café.
“Chinês, oh meu Deus. Faz tanto tempo, desde que eu o tive. Podemos
comprar frango agridoce, wontons de creme de queijo e frango do general
Tsao? ” Ela pergunta, enquanto inclina a cabeça para trás no sofá.
Eu sorrio para mim mesmo. Eu sei que ela não vai comer tudo isso,
mas sei como ela gosta de comer sobras também.
“Vou fazer o pedido da maneira certa e então podemos enfrentar o pai
e a mãe e contar as novidades.” Isso chama sua atenção, sua cabeça se
levanta e ela me dá o sorriso mais bonito.
" Eu adoraria isso", o sorriso dela, nunca sai do rosto. Volto a pedir
comida suficiente, para alimentar seis pessoas e depois vou até ela no
sofá. Sento-me a seu lado, mantendo o telefone fora, enquanto ligo o
nome da mãe e bato no FaceTime.
- “Mack, levante-se, seu velho . Jake e Larissa, estão no telefone” - eu
ouço quando ela atende o telefone. Temos uma visão clara do teto, em vez
do rosto dela. Ela está constantemente fazendo isso. Eu ri, ela jura que é
moderna e sabe tudo sobre as coisas e então ela faz isso e eu apenas
sorrio.
"Oh, aí está, eu juro que você não sabe, como responder a essa coisa",
mamãe tenta colocar em mim. Larissa e eu rimos da mãe e de sua
loucura.
"Oi", eu digo.
"Ei, Vovó", diz Larissa para minha mãe e isso traz lágrimas aos olhos
de minha mãe. Merda, ela e Larissa, realmente chegaram perto hoje. Sou
grato pra caralho. Eu vou sair da cidade, depois que o bebê nascer. É algo
que não posso reagendar e está na porra da Califórnia, de todos os
lugares. Eu poderia chutar a bunda de Declan, por isso.
“Doce, doce, doce menina. Mack , venha aqui, ” mamãe resmunga.
“Estou indo, mulher. Esses ossos não são tão bons, como costumavam
ser” - ele retruca. Mack não é meu pai biológico, mas foi ele que mudou
minha mãe, da melhor maneira possível. Nosso relacionamento foi
interrompido por anos, até que ela se afastou do meu pai. Sou grato por
ligar para Mack, meu pai. No ano passado, todos nos aproximamos.
"Temos as notícias, se vocês dois estiverem prontos para ouvi-las?" Eu
questiono com uma sobrancelha.
"Se você me deixar esperando mais, eu estarei em sua casa, batendo
na porta", mamãe bufa.
"Sim, Sim. Você quer contar a eles, juntos?” - pergunto a Larissa.
"Sim, vamos fazer isso!", Ela exclama.
"Um, dois, três ... Estamos tendo um MENINO!", Ambos gritamos de
emoção.
"Oh Jake, meu menino", Mack diz com emoção.
“Um garotinho, um doce bebê. Estou muito agradecido. Tudo parece
bom? ” Minha mãe pergunta.
“Sim, tudo faz. Ela pode entrar em trabalho de parto a qualquer
momento agora. Então, mantenha seu telefone perto de você, só por
precaução” - digo com um sorriso.
“Obrigada a ambos, por nos incluir. Nós amamos vocês dois” - diz
Mack, e mamãe acena com a cabeça, em concordância. Eu vejo as
lágrimas silenciosas, rolando por suas bochechas.
A campainha toca e digo: “Temos que ir, o jantar está aqui. Amo vocês,”
desligo o telefone e digo a Larissa, “ Fique onde está . Mantenha os pés
para cima. Eu sei que você está cansada”.
"Ok, mas eu não me importo em ajudar", seus olhos nunca deixando os
meus. Ela sempre faz contato visual comigo e eu tenho que dizer, eu amo
isso.
"Deixe-me mimá-la, querida", digo a ela, enquanto caminho para a
porta.
14
LARISSA

Dois dias depois, acontece. Eu acordei com muita dor. Mais do que apenas
a dor nas costas, que eles avisam. Eu mal conseguia respirar. Sento-me e
deslizo minhas pernas para o lado da cama e uma luz acende
instantaneamente.
"O que há de errado?" Jake pergunta .
"Eu acho que precisamos ir para o hospital", eu mal respiro. Falar
agora é difícil. Isso está acontecendo muito mais rápido, do que todos os
livros disseram, que aconteceriam. Eles disseram para estar preparada,
para um longo trabalho de parto, para o seu primeiro filho.
"Você tem certeza?" Eu sei que ele quer dizer bem, mas a dor que está
aumentando, não está me ajudando.
"Estou com certeza", eu respiro através da contração, de alguma
forma.
Ele está de pé e se vestindo, pegando nossas malas e a bolsa de
fraldas. Eu o ouço jogando pela porta da frente e então ele está de
volta, me ajudando a me vestir.
"O que você quer vestir?" Olho para a camisola que estou usando. Não
quero me trocar, mas não posso usar isso e chinelos lá fora. O tempo está
começando a mudar e está ficando mais frio à noite.
"Legging, uma camisa e meus sapatos baixos." Quero estar o mais
confortável possível.
"Agarrando-os agora, então eu vou ajudá-la a se vestir." Ele corre
para o armário e volta rapidamente. Eu vou me levantar e outra contração
me atinge.
"Merda, isso dói", eu resmungo. Jake tira minha camisola por cima da
cabeça. Estou nua por baixo e não estou lidando com roupas íntimas,
neste momento.
“Porra, você precisa de um sutiã. Espere” - ele diz, enquanto se vira
para sair. Pego seu pulso. – “Jake, não. Não vou conseguir lidar com isso,
me constrangendo.”
Ele joga minha camisa por cima da minha cabeça e me ajuda a entrar
nela. Então ele cai de joelhos, enquanto ajuda a guiar minha legging pelas
minhas pernas, depois ele está me ajudando a ficar em pé, para terminar
de me vestir. Deslizo meus pés nos sapatos e então nós dois estamos
caminhando para a porta.
Estou respirando com a dor insuportável e xingando todos os livros
sobre gravidez que posso, neste momento, embora tudo esteja na minha
cabeça. Eu posso ver que Jake está cansado o suficiente. Eu não quero
piorar as coisas.
"Pronta?" Ele pergunta. Concordo que sim com a cabeça e subo no
elevador com ele, enquanto ele carrega as malas. Colocamos a cadeirinha
no carro dele, outro dia. Ele estava resmungando o tempo todo, dizendo
que era hora de transformar meu pedaço de carro de merda, em
picadinho. Eu simplesmente disse: "Temos coisas mais importantes para
lidar agora, do que um carro". Ele calou a boca, depois disso.
Chegamos ao veículo dele, em pouco tempo. Jake praticamente me
levanta e me prende.
"Jake, Jake!" Eu agarro sua atenção. “Eu prometo que estou bem. Nós
vamos superar isso” - digo a ele.
"Nós vamos. Sei que estamos, eu me sentiria melhor se já
estivéssemos no hospital” - ele afirma, enquanto fecha a porta e pula no
banco do motorista. Ele pega minha mão e a segura por todo o caminho,
através de toda contração e todos faróis, em que ficamos presos.
Chegamos ao hospital e Jake joga o carro no parque e voa para
mim. Acho que ele ligou antes, porque há enfermeiras nos esperando na
entrada, com uma cadeira de rodas. Eu resmungo: "Eu posso andar."
“O que você quer, Larissa. Por favor, ouça-os” - ele sussurra no meu
ouvido.
“Tudo bem, mas você ligou para seus pais? Prometi ligar para eles,
assim que estivéssemos aqui” - retransmito as informações, que posso
ter esquecido.
“Eu ligo para eles, enquanto estaciono o carro. Entre, estarei ao seu
lado, em três minutos” - ele afirma e me dá um beijo rápido. O aperto no
meu estômago, me faz acenar para as enfermeiras.
Eu odeio ver Jake partir, mas sei que ele tem que estacionar o
carro. Olho para trás mais uma vez, enquanto eles me levam e tudo o que
vejo são as luzes traseiras de Jake.
15
JAKE

F oram quatro horas cansativas. Foi o tempo que levou para

começar. As enfermeiras disseram que é raro esse período de tempo,


para o seu primeiro filho. Eu pensei que era muito longo. Ver Larissa com
dor e depois empurrar, com toda sua força. Ela fez isso e deu à luz
um lindo menino de quatro. Demorou um pouco, mas nós dois
concordamos com o nome, Elijah Michael Price.
A maneira como ela o segurou em seus braços, e como ele se
acalmou, assim que estava em seus braços, causou lágrimas nas minhas
bochechas e eu não me incomodei em removê-las.
Larissa e Elijah, são o meu mundo inteiro, e eu sou o sortudo, de ter os
dois.
"Papai, você quer segurá-lo?" Larissa pergunta, e Deus, eu amo esse
nome, escorregando de sua língua.
"Você está bem em deixá-lo ir?" Eu brinco.
"Ele está bem, por enquanto", diz ela com uma piscadela. Ela me viu
observá-la o tempo todo. Eu não conseguia tirar meus olhos deles.
“Sim, eu levo meu garoto. Temos coisas de homem, para conversar” -
respondo. Ela revira os olhos, mas se acomoda na cama, enquanto me
sento na cadeira do hospital .
Eu desembrulhei seu cobertor, querendo contar todos os dedos das
mãos e dos pés. Ver seus olhos abertos, apenas para se fechar. Se é
disso que se trata a paternidade, sou grato, porra, por compartilhar isso
com os dois, que mais significam. Envolvo-o de volta e o seguro no meu
peito.
Mamãe e Mack, estarão aqui, daqui a pouco, e eu sei que tanto quanto
eu quero guardar meu filho para mim e Larissa, vou ter que compartilhá-
lo.
Inclino-me na cadeira e fecho os olhos e fico de molho durante o dia.
Eu devo ter cochilado por um tempo. Ouço tons de voz e a voz de
Larissa.
“Ele acabou de dormir um pouco atrás. Olha como eles são
adoráveis. Alguém pode encontrar meu telefone, para que eu possa tirar
uma foto? ” Ela pergunta.
Ouço o estalo da câmera e lentamente abro os olhos, tentando não
empurrar Eli. O jeito que Larissa está me olhando, com calor nos olhos,
me derrete.
"Bom dia, cabeça sonolenta", ela sussurra com um brilho nos
olhos. Ela não parece ter acabado de dar à luz. Não, ela parece feliz e
como se fosse apenas, um dia normal.
“Bom dia, bebê. Acho que deixarei que os avós tenham Eli, hein? Eu não
quero desistir dele, mas quanto mais rápido, espero que eles saiam,
posso voltar a estragá-lo”.
“Você precisa compartilhar. Só porque você é filho único, não significa
que você possa agir como um ”, ela ri.
"Sempre tirando a diversão de tudo", eu toco quando me levanto e o
deito na cama, para trocar sua fralda, antes de entregá-lo à minha mãe.
"Ei, Jake", diz Larissa, chamando minha atenção. Coloco a mão na
barriga de Eli, para que ele não possa se mover. Eu não me importo se ele
é um bebê, eu nunca deixaria nenhum mal, acontecer com ele.
"Larissa, você não pode falar assim comigo e espera que eu não a
beije sem sentido", ela fica corada, das bochechas até o peito.
" Eu ... hum , só queria dizer obrigada", ela murmura.
“Eu não gostaria de fazer isso com mais ninguém. Você é para mim,
bebê” - respondo, e ela me entrega uma fralda e a caixa de
limpeza. Navegamos trocando a fralda de Eli e então vovó desce e tira
meu filho de mim. Eu resmungo e me sento ao lado de Larissa e a seguro
em meus braços. Ela se aconchega e fecha os olhos. Mesmo com os
acumulados do bebê, isso aqui, é a minha felicidade.
16
LARISSA

6 semanas depois

As últimas seis semanas, foram uma curva de aprendizado, não apenas


com Elijah, mas também com Jake e eu. Aprendemos a conviver e a ser
pais, em uma velocidade recorde. A amamentação noturna e Eli não
querendo dormir, mas duas horas e acordar para alimentar, ou porque
sua fralda estava molhada, não ajudou em nada. Jake era uma estrela do
rock e estava lá o tempo todo . Foi só quando ele teve que sair da cidade
esta semana, que eu realmente aprendi a entrar no ritmo, de fazer isso
sozinha.
Foi difícil no primeiro dia, não vou mentir. Liguei para a mãe dele e ela
veio e me ajudou a aprender a usar a bomba de mama, para me dar
uma pequena pausa. Dessa forma, eu poderia fazer as duas coisas. Ela
era uma dádiva absoluta de Deus. Sem mencionar que ela assistiu Elijah,
para que eu pudesse tirar uma soneca.
Elijah e eu, acabamos de sair da minha consulta de seis semanas, após
o parto e o médico me esclareceu tudo. Eu perguntei sobre controle de
natalidade, mas desde que eu estava amamentando, a maioria das
precauções, foi jogada pela janela.
Eu disse a ela, que iria pensar sobre isso e voltar para ela. Eu senti
que era algo que eu precisava discutir com Jake, se quiséssemos controle
de natalidade a longo prazo.
Somos uma equipe e fazemos coisas juntos, e essa é uma grande
decisão.
Empurro o carrinho para o elevador até o condomínio e subimos. Elijah
está dormindo profundamente e estou tentando mantê-lo assim, para que
eu possa dar uma volta pela casa e começar o jantar. Jake está voltando
para casa, hoje à noite, e desde que eu esteja bem, claro, quero torná-lo
especial.
Abro a porta do condomínio e sou recebida pelo cheiro de
comida. Entro mais longe e com certeza, Jake está de pé na cozinha, em
shorts esportivos, sem camisa, enquanto se vira para mim e meu queixo
cai. Tem sido uma semana longa e aqui está ele. Ele é uma obra de
arte. Não, ele é um Adonis grego, dos ombros firmes, aos bíceps, ao peito,
até o estômago tenso. Ele tem uma embalagem de seis litros e essa trilha
feliz, com a qual tenho estado em contato muito próximo, ultimamente,
está fazendo minha boca salivar.
Só porque eu estava fora de serviço, isso não significava que eu deixei
Jake ir embora e ele nunca me deixou também, mesmo que fosse eu
montando nele, ao longo de seu pau duro do lado de fora. Isso nos deu
algum alívio, mas eu sei que hoje à noite, eu vou querer ele dentro de
mim. Já faz muito tempo.
"Esta é uma surpresa agradável", digo finalmente. Ele vem em nossa
direção e se abaixa para beijar Eli, que ainda está adormecido. Ele então
vem até mim e não há outra maneira de descrever o que fazemos. Nossas
bocas se encontram, quando ele me pega e me apóia contra a
porta. Minhas pernas envolvem sua cintura, enquanto ele segura meus
pulsos, pela minha cabeça. Sua boca está atacando a minha. Ele é o dono
de mim. Meu corpo inteiro estremece e eu moo meus quadris sobre
ele. Eu estou usando uma legging, como sempre, e posso sentir cada
centímetro duro dele. Ele continua me beijando no pescoço, ele me morde
no caminho e chega à parte sensível do meu pescoço.
"Jake", eu gemo. Eu quero mais, não, eu preciso de mais dele. Eu
sempre preciso de mais dele. Ele mata meu coração e minha alma.
“Foda-se sim. Venha para mim, querida. Só assim” - ele exige.
Eu me esfrego em seu corpo duro, enquanto ele continua a chupar e
morder meu pescoço. Eu jogo minha cabeça para trás e vou.
Quando desço do orgasmo induzido alto, sussurro: "Eu realmente senti
sua falta".
"Não tanto quanto eu senti sua falta e Eli", ele responde.
"Espero que você não precise sair da cidade novamente, tão cedo",
pergunto com esperança em minha voz.
“Não, não por enquanto. Eu sei que precisamos procurar uma
casa. Não é fácil sair de um elevador com um bebê e ele vai precisar de
grama, e talvez um irmão ou três ”, afirma.
"Sério?" Eu pergunto a ele.
"Quero você para sempre, linda", ele me diz, e só então Eli solta um
gemido, que eu sei que pode começar pequeno, mas vai ficar
mais engraçado, se ele não for alimentado.
“Você vai pegar Elijah? Vou aquecer um pouco de leite materno, para
que você possa alimentá-lo.”
"Não tem problema", ele me diz e já está se curvando para pegá-lo. Eu
sorrio e vou para a cozinha.
Enquanto preparo uma mamadeira, abro a tampa que está no fogão e
sinto o cheiro do meu favorito. É linguine e mariscos, algo que eu não tive,
desde antes de estar grávida de Elijah.
"Jake, você fez o meu favorito?" Eu questiono, enquanto saio da
cozinha, sabendo muito bem que ele fez.
"Você disse que não o tinha, desde a última vez que eu fiz para você",
ele afirma, enquanto pega a mamadeira da minha mão e coloca o bico na
boca aberta de Eli. Sento-me ao lado de Jake. Um braço tem Elijah e o
outro braço está em volta de mim. Eu deito minha cabeça em seu ombro e
fecho meus olhos.
17
JAKE

S ai do jato particular, mais cedo do que o esperado hoje. Eu sabia

que Larissa tinha uma consulta médica e queria surpreendê-la. Mamãe


disse que estava tendo dificuldades nos primeiros dias, em que saí, mas
depois disse, que assim que entendeu as coisas, era como se seu único
objetivo, fosse ser mãe.
Isso me deixou orgulhoso. Larissa é uma pessoa incrível. Eu tenho
sorte o suficiente, para tê-la na minha vida, mas depois desta noite,
espero que ela seja minha para sempre, com um grande diamante na
mão.
Quando ela entrou pela porta, com a bolsa de fraldas pendurada no
carrinho, e tendo que entrar e sair com o carrinho que comprei, sabia que
era hora de informá-la, sobre os dias em que estava em um condomínio,
se foram.
Ela não deveria ter que carregar e descarregar tanto, dia após
dia. Por favor, se eu quiser, vou mantê-la grávida, o máximo que puder. Eu
amo o corpo dela agora, com todas as suas curvas, mas foda-se, ela
grávida carregando nosso filho - é a maior mudança.
Eu termino de alimentar e fazer Eli arrotar e ele desmaiou. Muito
parecido com sua mãe . Eu absorvo o calor deles, até eu saber se não
acordar Larissa, ela não vai dormir esta noite.
"Acorde, cabeça sonolenta", eu sussurro em seu ouvido.
"Parece que estou sempre adormecendo em você", ela murmura. Eu
amo a voz dela, rouca de sono.
"Você vai precisar de sua energia, para esta noite", eu digo com uma
piscadela, quando me levanto e coloco Eli no cercado, que mantemos na
sala de estar.
"Oh, está certo, Sr. Price?", Ela diz, com sutileza. Tínhamos uma
estrada rochosa, quando Elijah chegou do hospital pela primeira vez. Ela
estava lidando com a culpa, mas seus hormônios a estavam deixando
emocionada, com a queda do chapéu. Eu finalmente a sentei e disse que a
perdoava. Sim, vou ter casos em que quero saber, que ela está voltando
para casa, mas na maioria das vezes, o que está feito está feito.
Desde que conversamos, a ousadia que ela sempre carregava
começou a voltar. Ela não é a pessoa tímida e introvertida que era, quando
voltou. Não, agora ela não tem nenhum problema, em me dar uma
merda. Algo que eu amo fazer com ela. Conversamos até altas horas da
noite , agradando um ao outro, o máximo que podemos, e mesmo que eu
esteja no escritório, ligarei para ela, apenas para ouvir sua voz. Eu não me
importo se isso me faz uma vagina de homem. Ela é minha mulher e eu
farei o que for preciso, para mantê-la, apreciá-la e amar a porra dela .
“É isso mesmo, Larissa. Espero que você esteja pronta”. Entro na
cozinha e termino o jantar.
18
LARISSA

A comida era incrível. Eu disse isso a Jake e comi cada pedaço do

meu prato. Eu estava tão cheia, mas então ele trouxe minha sobremesa
favorita. Bolo de chocolate . Eu estava tão cheia que não conseguia nem
comê-lo.
"Podemos comer no lanche da meia-noite?", Perguntei.
“Você pode tê-lo sempre que quiser.” Nós limpamos a cozinha juntos e
depois ele enxotou-me embora.
“Vá tomar banho, eu vou preparar nosso menino para
dormir. Quero você nua e esperando na cama. Deitada com as pernas
abertas para mim, e somente para mim” - ele exige.
Ele já me molhou. Eu posso sentir a piscina, na minha calcinha. Eu
corro para o chuveiro.
Eu ligo a água, deixo aquecer, me dispo e entro no chuveiro. Lavo meu
cabelo e deixo o condicionador de molho, enquanto me raspo, para ter
certeza, que eu estou completamente nua.
Secretamente, espero que Jake se junte a mim agora, mas sei que ele
não vai. Até Elijah estar dormindo a noite toda, e eu sei que depois dele
me prendendo contra a porta, ele está mostrando seu domínio. Algo em
que ele se segura, desde que eu tive Eli.
Eu tremo quando desligo o chuveiro e me seco. Eu penteio minhas
mechas escuras e as deixo soltas, depois deslizo meu corpo em loção.
Quando termino, faço exatamente o que Jake me pediu. Não, ele
não pediu, ele exigiu. Meu corpo já está elevado, apenas com as palavras
dele. Adicione os pensamentos que tive durante o banho e já estou
molhada.
Subo na cama e deito exatamente, como Jake me quer, minhas pernas
abertas para ele. Ele não me deixa esperando. Eu ouço a porta abrir e
fechar, quando ele aparecer. Meus olhos nunca deixam os dele, quando
ele solta um suspiro e diz: “Cristo, bebê. Olhe para toda essa beleza e é
toda minha.”
Eu o observo, enquanto ele caminha em direção à cama, tirando a
camisa, enquanto se aproxima , mas deixando o short. Eu o quero tão nu,
quanto eu. Vou me sentar, fazendo um movimento, e Jake resmunga: -
“Fique. Se você se aproximar de mim agora, eu irei antes, que ambos
estejamos prontos.”
Eu fico parada, depois da confissão dele. Ele empurra o short para
baixo e está nu diante de mim, seu pau agora no nível da minha
boca. Jake coloca as mãos nos meus cabelos e me guia, para onde eu
quero estar mais. Eu lambo a cabeça e circulo minha língua em torno dele,
como ele me ensinou, quando seu eixo é agradável e escorregadio da
minha boca, apenas quando eu o levo, completamente para dentro.
"Foda-se, essa boca, bebê", ele geme, quando eu o levo para o fundo
da minha garganta. Tivemos seis semanas para aprender os gostos e
desgostos um do outro, quando se trata de preliminares.
Ele se afasta da minha boca e diz: "Por mais que eu te ame pela boca e
eu amo, faz muito tempo, desde que eu estive dentro da sua boceta."
Ele sobe entre as minhas pernas. Eu caio de costas, minhas pernas
envolvendo as pernas dele, enquanto ele nos coloca, como nos quer. Seu
pênis é longo e duro. A circunferência é algo que você leu em um
romance. Meus dedos não se tocam, quando estão envolvidos. Não tenho
certeza de como ele se encaixa dentro de mim, mas quando ele faz isso,
ilumina todo o meu mundo.
"Quero você no topo desta vez", ele murmura, enquanto joga seu corpo
no meu e eu estou sentada, montada nele. Ele segura seu pau, enquanto
me levanto e encaixo a cabeça de seu pau, na minha buceta.
Eu abro polegada por polegada devastadora. Ele é tão grande e é tão
bom. Inclino minha cabeça para trás, as pontas dos meus cabelos tocam
suas coxas, enquanto eu lentamente encaixo tudo dentro de mim.
"Você precisa se mexer, bebê", ele resmunga.
Eu lentamente levanto e ele me ajuda ao longo do caminho, até que me
move novamente. Trabalhamos um ao outro devagar, muito devagar. Não
querendo que isso acabe, quando estou subitamente fora dele. Eu gemo:
"Não ."
"Mãos e joelhos", eu cumpro, querendo que ele volte para dentro do
meu corpo , o mais rápido possível. Eu viro minha cabeça e percebo suas
feições. Ele empurra de volta para dentro de mim e seu olhar está fixo, em
onde estamos conectados. Eu deito minha parte superior do corpo, sobre
a cama e luto de volta para ele, enquanto ele pistola.
"Jake, preciso de mais." Peço a ele. Ele pega minhas mãos e as traz de
volta para as dele e me segura. Minha boceta aperta e estou
desmoronando.
"Sim, sim, sim." Eu grito. Eu o sinto sair de mim e virar meu corpo. Ele
está gozendo e sua corda grossa , está pintando meu corpo.
"Merda, acho que morri e fui para o céu", Jakes rosna, enquanto se
deita ao meu lado.
"Mas que caminho a percorrer", digo com um sorriso e uma risada. Eu
me aconchego ao seu lado e me delicio com o brilho, de nosso amor.
19
JAKE

S entir o peso do corpo de Larissa, enquanto ela dorme, é um dos

sentimentos mais reconfortantes do mundo. Não quero deixá-la, mas sei


que preciso verificar Eli e levá-lo para o nosso quarto, durante a
noite. Larissa sempre mantém um monitor de bebê por perto e eu o vi,
assim que entrei no quarto. Ele não deu uma espiada, graças a Deus. Eu o
amo com todo o meu coração, mas Larissa e eu, precisamos um do outro.
Não é que ele tenha idade suficiente, para passar a noite com meus
pais e eu não quero estar tão longe dele, por enquanto. A uma semana de
distância e eu era um urso para lidar. Declan até ligou e me disse para
acalmar a porra. Foi muito bom. Eu trabalhei do nascer ao pôr-do-sol e,
no final, fiz um contrato com o cliente e pude garantir a abertura de uma
nova fábrica na Califórnia, também. Foi um ganha-ganha. Avisei Declan
que viajar está fora de mim, por um tempo. Mesmo com o uso do jato
particular, não posso simplesmente levar um bebê de seis semanas, com
Larissa e todo o mundo. Ele tem vacinas, consultas médicas e eu quero
que ele tenha estabilidade.
Movendo Larissa para não acordá-la, visto a bermuda e pego uma
toalha para limpá-la e mover seu corpo para a cama e debaixo das
cobertas. Eu queria tanto entrar nela , mas, com tudo acontecendo e a
desejando tanto, nem perguntei se ela fazia planos, para o controle da
natalidade ou não.
Observo enquanto ela descansa em paz, por alguns momentos, antes
de ir e pegar nosso carinha. Ele vai querer comer antes também . Quando
eu estava na geladeira mais cedo, vi que Larissa tinha garrafas de leite
materno, prontos para aquecer e colocar em uma mamadeira. Eu
pretendo fazer exatamente isso, quando Elijah acordar.
Indo para o cercado, olho para ele, seus olhos estão arregalados e
acordados, ele se parece muito comigo, da cor da minha pele, ao mesmo
tom de cor de cabelo. Ele tem um pouco de Larissa nele, principalmente
sua boca.
"Ei amigo. Sou eu e você, por um tempo. Mamãe precisa descansar.” -
digo enquanto o pego, sentando no sofá, deixando- nos confortáveis até
que ele comece a torcer por Larissa ou uma mamadeira e ligo a televisão.
Eu assisto um jogo de beisebol e saio com nosso homenzinho. Quando
Eli começa a se contorcer, vamos para a cozinha e eu aqueço a
mamadeira, depois de despejar o leite materno e aquecê- la. Nós
voltamos para o sofá, onde ele come e uma vez que ele termina, eu o faço
arrotar e o deito no sofá. Ele está no meu peito, dormindo
profundamente. Eu provavelmente deveria me levantar e ir para o quarto
com Eli, mas não posso. Faz muito tempo, desde que eu o segurei,
enquanto ele dormia. Com esse último pensamento, meus olhos ficam
pesados e eu adormeço.
20
LARISSA

A cordo com frio e procuro por Jake. Seu lado da cama está vazio,

ele não está no quarto. Vou até a cômoda e tiro uma camisa de Jake e
uma calcinha. Saio em direção à sala e paro no meu caminho. Os dois
homens que possuem meu coração, estão dormindo. As linhas no rosto de
Jake se foram e nosso precioso bebê, está envolvido nos braços de seu
pai. Pego meu telefone para tirar uma foto, certificando-me de que o flash
está desligado. Eu tiro a foto e depois vou em direção a eles.
O sofá de Jake pode parecer bom, mas não é o mais confortável. Eu sei
porque adormeci algumas vezes, na semana passada.
"Jake, querido." Falo em voz baixa, para não acordar Eli.
Seus olhos se abrem lentamente e eu posso ver as linhas ao redor de
seu rosto, quando ele acorda, com um sorriso. "Nós devemos ter
adormecido."
"Você queria vir para a cama?", Pergunto.
“Sim, este sofá é um inferno nas minhas costas. Não sei o que
estava pensando, quando o comprei ”, ele diz, enquanto se levanta com
facilidade e se apega a Eli, sem que pareça com nenhum trabalho.
"Meus sentimentos exatamente. Acho que o sofá deve ficar aqui,
quando nos mudarmos” - digo honestamente.
"Isso é algo que faremos amanhã", afirma Jake.
"O que? Compras de sofá?” - eu pergunto.
“Não, bem, talvez. Depende de quão rápido, podemos encontrar uma
casa”. Sorrio enquanto ele diz isso. Mal posso esperar, para mudar para
uma casa com ele.
"Você tem um encontro ", eu digo com uma piscadela, enquanto
entramos no quarto juntos .
“O melhor momento da minha vida, foi receber essa ligação e
encontrá-la grávida no saguão, e está ficando cada vez melhor. O próximo
depois disso, foi o nascimento de Eli e, acredite, haverá muitas memórias,
que ainda não fizemos ”, ele me diz.
"Estou pronta para fazê-las com você", eu digo, olhando em seus
olhos. Podemos não ter falado essas três palavras, mas ambos nos
mostramos, em tudo o que fazemos.
"Vem cá, Neném. Vamos colocar todos nós na cama. Elijah acordará
antes que percebamos e tenhamos planos ”, ele responde.
Sigo sua liderança e deslizo para a cama, enquanto ele instala Eli no
berço, que sua mãe comprou para nós. É bonito e tem um design
clássico. Um que pode ser usado para um menino ou uma menina, disse
Katrina. Eu sei do que ela estava falando. Eu não a corrigi ou contei a ela
quais planos Jake e eu temos, principalmente porque ainda não os
discutimos, mas acho que junto com a caça às casas que faremos, uma
discussão muito atrasada, também pode ser necessária.
21
JAKE

O anel que comprei para Larissa, na Califórnia, está queimando um

buraco no meu maldito bolso. Eu queria que minha mãe viesse comigo,
mas ela e Mack tinham planos e ela estava ajudando Larissa. Isso era
mais importante, então eu o enfrentei, quando encontrei o perfeito. Ela
chorou quando viu. É perfeito para ela.
É uma auréola francesa de dois quilates, de cor platina, com diamantes
ao longo da banda e leva a um diamante maior. Tem uma beleza clássica,
assim como Larissa.
É perfeito para ela e, assim que encontrarmos a casa perfeita para
morar, vou colocar este anel e mostrar ao mundo, a quem ela
pertence. Eu ia perguntar a ela, assim que voltasse da Califórnia, mas não
parecia certo. Dessa forma, estaremos na casa que escolhemos juntos,
quando isso acontecer.
"Pronto? O corretor de imóveis estará na primeira casa” - Larissa
quebra o silêncio.
"Sim, Elijah está dormindo?" Eu pergunto de volta.
"Sim, ele está com sua mãe e eu arrumei minha bomba de mama, caso
isso leve o dia todo", diz ela, enquanto carrega uma bolsa com ela. Tiro-a
do ombro dela, carregando-a, enquanto a escolto para a sala de estar.
Paramos e nos despedimos de Eli e minha mãe. Eu odeio deixá-lo aqui,
mas será muito mais fácil para ele e para nós. Ainda assim, isso me
excita.
Eu assisto Rissa se abaixar e beijar nosso filho, mas meus olhos estão
colados na bunda dela. Ela está usando legging de novo, com um suéter
grande e botas de tornozelo. Quando ela se inclina, eu tenho uma visão
clara de sua bunda, em forma de coração. Uma bunda que eu vou levar ,
em breve.
"Mamãe te ama, menino", ela murmura para Eli.
“Nós ficaremos perfeitamente bem. Eu prometo” - diz meu pai
a Larissa. Eu vejo as lágrimas brilhando, em seus olhos. Ela não quer
deixar Elijah, mais do que eu. Vou compensar isso, o mais rápido
possível. Foda-se, eu também vou compensar isso. Vou fazer amanhã um
dia de família, muito necessário, onde nos sentaremos e trabalharemos
com Elijah e ignoraremos o mundo exterior.
“Eu sei, você é o melhor vovô, que eu poderia pedir, vou sentir falta
dele e bem ... você sabe. É a primeira vez que o deixo” - Larissa murmura.
"Se tivermos algum problema, eu ligo
imediatamente", explica minha mãe.
"Obrigado", digo a mamãe, beijo sua testa e me abaixo para deslizar
meu dedo, pelo queixo de Eli e depois dou um beijo em sua testa.
Ele pode ter apenas oito semanas, mas ele tem meu coração. Muito
parecido com a mãe dele.
Pego a mão de Larissa, sabendo que se não sairmos agora, nunca
iremos.
"Vem cá, Neném. Vamos encontrar uma casa, para o nosso menino”. -
digo a ela, enquanto vamos para o elevador.
"Sim, ok. Talvez tenhamos sorte e não demore muito?” Ela questiona,
com esperança em sua voz.
“Provavelmente, com a lista que enviei para o corretor de imóveis,
sobre o que nós dois queríamos. Não nos vejo precisando olhar para cem
propriedades. Você?"
"Não, e se não for perfeita, podemos sempre torná-la perfeita para
nós, mais tarde", ela responde com um sorriso.
Eu a trago para perto do meu corpo. Seu rosto está inclinado para mim
e eu me inclino nela. Eu tomo sua boca, em um beijo ardente e nos
beijamos como dois adolescentes apaixonados, até o elevador tocar.
Quando nos separamos, seu sorriso está de volta e suas lágrimas
secam.
22
LARISSA

“J ake! ” eu grito. Esta é a terceira turnê em casa do dia e é a

melhor de todas. É uma casa histórica do início de 1900 e fica no bairro


histórico. Estou apaixonada. Claro, ela precisa de algum trabalho
externo. Como pintura e paisagismo, mas na maioria das coisas é
perfeita. Já estou imaginando as paredes pintadas de cor cinza
claro. Realmente apareceria com todo o trabalho de acabamento branco e
o piso de carvalho escuro. É incrível.
"Sim, Baby", ele responde, enquanto entra sorrateiramente na
cozinha. O corretor de imóveis e ele, estavam conversando na frente,
sobre a calçada que estava rachada. Eu mal podia esperar muito mais. As
fotos não faziam justiça, a essa propriedade.
“Podemos, por favor, por favor, comprar esta? Sei que não vou
contribuir muito imediatamente, mas voltarei a trabalhar, quando Eli for
maior. Talvez algo que eu possa fazer em casa, para que ele não precise
estar na creche” - imploro a ele.
“Você já viu o resto da casa? Você sabe que não dou a mínima se você
trabalhar novamente. Ainda não discutimos tudo, mas quando o fizermos,
você saberá meus pensamentos também”. Isso é tudo o que ele tem a
dizer e está certo. Não, mas já estou meio apaixonada pelo que vi. De
alguma forma, eles abriram algumas paredes e ainda mantiveram a
integridade delas.
"Bem não. Veja como isso é lindo, o resto da casa provavelmente é tão
lindo quanto, se não mais. Sei que não conversamos sobre o nosso futuro,
mas gostaria em breve, se possível? Meus olhos estão olhando para ele e
vejo a alegria neles.
“Vamos olhar. O exterior não precisa de muito. Nós ainda vamos
precisar de um empreiteiro geral. Eu sou muitas coisas, Baby, mas um
empreiteiro, não é uma delas ”, ele diz, enquanto pega minha mão e
andamos pela grande casa de dois andares.
Atravessamos o que será o quarto de Eli e outros três quartos. Eu
tenho minhas esperanças, rezando para que tenhamos mais do que
apenas um filho, correndo por aqui. Há um banheiro por esses quatro
quartos e, do outro lado do corredor, o quarto principal. Duas pesadas
portas duplas se abrem e é incrível. O artesanato está fora deste
mundo. Há uma chaminé, uma área de estar, um armário enorme e um
banheiro principal, ainda melhor. Ele ainda tem uma banheira com pés de
garra.
"Você gosta disso, Larissa", Jake pergunta.
“Eu não gosto disso. Eu amo” - eu grito, quando pulo em seus
braços. Minhas costas encontram a parede do quarto e minhas mãos
mergulham em seus cabelos e eu o beijo.
Jake quebra nosso beijo, mas me segura contra a parede com seu
corpo, enquanto ele diz palavras, que eu nunca esquecerei. “Estou tão
agradecido por ter você na minha vida, tão feliz por você ser a mãe do
nosso menino, e eu tenho tanta sorte, que você é minha. Toda minha. Eu
amo. Você!” - ele diz com convicção.
Estou chorando, lágrimas estão rolando pelas minhas bochechas e
Jake me observa, enquanto digo essas três palavras, que tenho
escondido, mas não mais. De jeito nenhum, ele merece saber.
"Eu amo você, com todo o meu coração, por toda a minha vida."
Nós nos beijamos, minhas mãos estão com o punho na camisa dele
para rasgá-la sobre sua cabeça. Ele para minhas mãos e me lembra: "O
corretor de imóveis, está no final do corredor".
"Bem, merda", eu digo, e rimos juntos, até nossos hormônios
desenfreados se acalmarem .
23
JAKE

A ssinamos a papelada com o corretor de imóveis, firmando um

contrato com o preço total pedido e fechando até o final do mês. Que é
apenas em catorze dias, mas é aqui que o dinheiro fala e as besteiras
andam.
O corretor de imóveis disse, que teria uma resposta dentro de vinte e
quatro horas. Ele parecia esperançoso. A casa está no mercado, há alguns
meses e, nesse clima, é muito tempo.
Estamos de volta em casa, bem, realmente, o condomínio. Ao entrar,
parecia mais um lar com Eli e Larissa aqui. Acabamos de
superar isso. Um condomínio com um quarto e um banheiro, não está
mais funcionando.
"Como foi a caça às casas?" Mamãe pergunta, assim que entramos
pela porta da frente.
“Foi ótimo. Colocamos uma oferta, em uma casa. Agora apenas
esperaremos, para ver se eles aceitam” - digo a ela. Larissa já
está pronta para ir brincar com Eli. Ela olha para baixo e vejo a alegria em
seu rosto, quando olha para cima e vê sua mãe.
Ela o pega e ele se transforma em seu peito. Ela se senta na cadeira
de balanço, que pegamos no Target, depois que Eli nasceu, desabotoa
a blusa, puxa o sutiã para fora do caminho e ele se agarra
instantaneamente.
“Essas são ótimas notícias, pessoal. Mantenha-nos informados e
ajudaremos o máximo possível ”, diz ela.
"Obrigado, e obrigado por assistir Eli", digo a ela.
“Oh, ele era um monte de alegria. Mal ouvi um barulho ”, minha mãe
me diz, enquanto sai na porta da frente,“ é melhor eu ir. Mack quer ir ao
clube hoje à noite e jogar cartas com os velhos.
"Não se divirta muito", eu rio, enquanto a acompanho até a porta e
beijo sua bochecha.
"Amo vocês, pessoal."
"Também te amo", diz Larissa.
"Te amo, mãe", eu a vejo caminhar até o elevador e esperar, até que
ela esteja em segurança, antes de eu virar e fechar a porta.
“Adorei passar o tempo juntos, mas senti muita falta de
Eli. Aparentemente, meus seios também” - ela bufa.
“Eu também senti falta do rapaz. Não era a mesma coisa sem ele” -
concordo com ela.
Fico ao lado dela e massageio a parte de trás do pescoço dela. Ela
geme, e instantaneamente me deixa duro, e querendo mais do que
começamos, mas não conseguimos terminar.
Ela ajuda Eli a soltar de um lado e o coloca no outro seio. Ela deixa a
que acabou de tirá-lo e eu mais uma vez agradeço às minhas estrelas da
sorte, que minha melhor amiga, voltou para mim.
24
LARISSA

A cordo com a sensação mais deliciosa do mundo, quase à beira do

orgasmo, minha cabeça é jogada para trás e eu chego a uma das minhas
mãos na cabeça de Jake, que está entre as minhas pernas. Sua língua e
boca, estão trabalhando sobre mim, estou gemendo minha vida. A mão de
Jake se estende e cobre minha boca, enquanto ele belisca meu clitóris e
eu começo a chorar.
Jake gentilmente me traz do meu alto, minhas pernas uma bagunça
trêmula.
"Bom dia, Rissa", diz ele com um sorriso, enquanto limpa minha
umidade na parte interna da minha coxa. Eu alcanço ele. Silenciosamente,
pedindo-lhe para chegar, até onde estou. Eu ataco sua boca. Não tendo
um cuidado no mundo, que eu estou provando nos lábios dele.
Nós nos separamos e eu respondo: “Essa foi a melhor maneira de
acordar. Uma com o qual, eu poderia me acostumar.”
"Vou levar isso em consideração, então." Sinto seu comprimento duro,
se aconchegar contra o meu núcleo. Ele para de deslizar seu pau, entre os
lábios da minha boceta, para dizer: “Nós não conversamos sobre controle
de natalidade. Preciso sair de novo?”
"Não tenho controle de natalidade, mas as chances de engravidar
durante a amamentação são pequenas, pelo que li" , digo.
“É o seu corpo, bebê. Eu não quero tirar isso de você. Eu te amei
grávida de Elijah e não me incomodaria nem um pouco, se você
engravidar novamente” - ele diz, com uma voz clara. Como se ele não
estivesse me colocando, à beira de outro orgasmo.
"Eu quero você dentro de mim, nu, e se acontecer, então era para ser",
saio antes que ele deslize dentro de mim.
"Te amo, bebê", ele resmunga.
"E eu amo você, Jake", digo, enquanto fazemos amor até que nossos
corpos estejam pingando suor e nós dois nos juntamos.
Mal terminamos, e Eli se levanta e se contorce: "Ele deve estar pronto
para comer", diz Jake.
“É uma hora da manhã. Você quer alimentar ele ou eu?”
Pergunto. Quero que Jake sempre sinta, que pode dar mamadeira a Eli, se
ele quiser. Claro, amamentar é mais fácil, mas ele também precisa de
tempo com Elijah.
"Não, eu vou deitar na cama com vocês, enquanto você amamenta", ele
se levanta e lida com Eli, enquanto me limpo no banheiro. Eu visto uma
camisola, uma que é fácil de abrir para amamentar e subo de volta na
cama com eles.
Jake já trocou Eli e o ocupará, até eu estar pronta. Empilhei os
travesseiros e me deitei, quando ele o colocou em meus braços. Quando
olho para baixo, vejo que há algo no dedo de Elijah. Está brilhante e meus
olhos já estão enevoados.
“Quero que você seja minha esposa. Não , eu preciso que você seja
minha esposa. Quero que você esteja amarrada a mim, por agora e
sempre” - Jake me diz.
“Eu também quero muito isso, Jake. Tanta maldição” - eu soluco.
"Graças a Deus, porra", Jake deixa escapar e nós dois olhamos para
Elijah. Ele está em seu próprio casulo. Fechado e com os olhos
sonolentos.
"Eu quero mais três filhos, Jake", eu sussurro. Seus olhos nunca
deixam os de Eli.
"Acho que é melhor começarmos a praticar então", diz ele, com um
sorriso.
25
JAKE

F azem duas semanas, desde que coloquei um diamante, no dedo de

Larissa, e tem sido uma loucura. Entre arrumar, me mudar, comprar


móveis novos e lidar com o trabalho diário do escritório, estou
exausto. Mamãe e Mack, entraram e ajudaram Eli, quando Rissa começou
com os pintores na nova casa e até supervisionou as terras externas
que cobriam os projetos de pintura e pintura externa, que eu queria fazer.
Ela tem um olhar aguçado, sobre como fazer uma casa se sentir
calorosa e acolhedora. Acho que dentro do próximo ano, mais ou menos,
começaremos a trabalhar no quintal. Roma não foi construída em um dia e
eu quero ser mais prático, quando se trata dessa área.
Nosso próximo passo, porém, que eu planejei secretamente com a
mãe, acho que vai acabar com tudo. Minha última coisa na lista de tarefas
é ligar para Declan e informá-lo, quando e onde, estar com Kendall.
Larissa estava apreensiva a princípio em conhecê-los, com ela fugindo
e assim por diante, mas depois que os viu e como não era, nem um
pontinho no radar, ela e Kendall, se tornaram grandes amigas e agora
ambas saem uma vez por semana, para fazer compras ou tomar café
juntas.
"Declan fala ", ele responde.
“Como se você não soubesse, quem está ligando para você. É uma
tecnologia moderna, com identificação de chamadas. Você está mostrando
sua idade “- digo a ele, tentando conter minha risada.
“Que porra é essa. O que houve? ” Ele pergunta. Vou responder, quando
ouço Kendall gritar : "Declan, observe sua boca!"
"Sim, Declan observe sua boca", eu imito.
Volto ao meu computador, quando ele começa a murmurar para
Kendall e bloqueio qualquer coisa, que eu possa não querer ouvir.
"Estou de volta. Jesus, essa mulher vai me dar uma corrida, pelo meu
dinheiro” - sua voz é exasperada.
"Não pode mais acompanhá-la?"
"Apenas espere. Larissa o levará até lá, se ela ainda não o fez” - ele
resmunga.
“Falando nisso, vocês dois têm planos, para este fim de semana? Eu
tenho algo na manga, mas do jeito que nossas duas mulheres falam, você
terá que manter sua maldita boca fechada também” - digo a ele.
“Você é quem sempre fala, Jake. Não sou eu. Veja o que aconteceu,
quando fomos pegos em flagrante por nossos pais, por esgueirar-se de
bebida numa sexta à noite, na escola. Não fui eu falando, assim que eles
entraram” - ele ri.
“O que nós íamos fazer? Diga ei mãe, ei pai. Não sei quem bebeu todo o
seu uísque, pois estamos ficando verdes, para as brânquias” - respondo.
"Sim Sim. Que truque você tem na manga? ” Ele pergunta.
- “Vou levar Larissa até a casa do lago e casar com ela. A única coisa,
é que ela não sabe que está tudo planejado ainda. Até o último
detalhe. Mamãe tem trabalhado o máximo que pode, fazendo perguntas a
Larissa, sem revelar tudo - estou pensando em como os olhos de mamãe
se iluminaram, quando contei a ela meu plano. No começo, ela queria
saber por que Larissa e eu, não estavamos planejando nosso casamento,
por conta própria. Foi quando eu disse a ela, que Larissa estava contente
em se casar em um tribunal, mas eu não queria isso para ela. Eu queria
que ela tivesse algo, para olhar para trás e ter memórias incríveis.
Mamãe chorou e depois entrou no modo de planejamento do
casamento: “Meu doce menino. Você faria qualquer coisa por ela. Estou
tão orgulhosa de você” - foram as palavras dela.
“Ela não tem ideia. Isso é bem liso. Eu deveria ter feito algo assim, em
vez de lidar com mãezilla” - eu posso ouvir o riso em seu tom.
"Bem, Larissa não estava interessada em planejá-lo e eu a quero
ligada a mim, então essa foi a maneira mais rápida possível, de fazer
isso", comento.
“Envie-me a hora e a data, estaremos lá. Não direi a Kendall. Eu só vou
deixar ela saber, que estamos saindo. Eu sei que as duas gargalham como
galinhas”. Ele não está errado. Eu estive por perto, quando elas estão no
telefone, ligações que podem durar horas, diabos elas até assistem The
Bachelor no telefone, se não as tivermos ou vice-versa, quando for ao ar.
“Você não está errado, irmão. Vejo você neste fim de semana ”, digo a
ele, e ele responde: “ Você conseguiu. ”
Nós dois desligamos e eu termino meu trabalho e e-mails, antes de
desligar o computador e ir para casa. Dois meses ou mais e Larissa será
minha, agora e para sempre.
26
LARISSA

N os últimos dois dias, Jake andou por aí, como se fosse um homem

em uma missão. Tenho certeza que ele está tramando algo, mas não
tenho certeza do que possa ser. temos tudo, literalmente tudo o
que poderia me fazer feliz. Um lindo menino, estamos noivos e uma linda
casa. Estou mais feliz, do que jamais poderia estar. Só estou imaginando o
que ele está fazendo. Deve ser algo grande.
"Você tem tudo que precisa?" Ele me pergunta, me tirando dos meus
pensamentos.
"Sim, a bolsa de Eli está pronta e tenho a bomba e o refrigerador
pequeno", respondo. Tudo o que ele me disse, foi que vamos fazer uma
viagem de um dia. Ele não está no lago, há um tempo e quer que a gente
vá em família.
Entramos no carro , Jake agarra minha mão e a segura, enquanto
habilmente retira o SUV da garagem, e nós partimos.
"A que distância fica o lago?" Eu pergunto a ele, quando pegamos a
estrada.
"Falta apenas uma hora", ele responde.
“Você tem certeza, de que nada está acontecendo?” Repetito
minha pergunta de antes.
“Não, tudo está bem. Só queria um passeio em família ”, diz ele,
enquanto continuamos. Observo as árvores consumirem a quilometragem
e olho em volta. Elijah está no banco de trás e parece adormecido. Estou
contente, pela primeira vez. Eu tenho um homem cheio de amor e
felicidade. Muito longe do que eu cresci.
Conversamos e rimos o tempo todo, até chegarmos a uma curva na
estrada, que leva a uma estrada de terra. Eu instantaneamente vejo o lago
e estou admirada.
“Jake, isso é lindo. Como eu não sabia sobre esse lugar? ” Eu sinto que
hoje eu lhe fiz um milhão de perguntas e ele respondeu a todas, com mais
paciência, do que eu jamais poderia ter.
“Era a casa do pai de Mack”. Ele deixou para ele, e já a temos há um
tempo. Ele consertou um pouco, para que fosse mais habitável e construiu
uma nova doca para pescar ”, diz ele, quando entramos na área da
garagem. Eu ouço Jake dizer: "Fique aqui, eu irei ajudá-la", mas eu já
estou fora do veículo. Abro a porta de trás, entro e começo a agarrar a
cadeira , quando duas mãos estão nos meus quadris, me puxando para
trás. Quando meu corpo está fora do carro e Jake está pressionado contra
minhas costas, eu posso sentir seu comprimento rígido. Isso me
faz choramingar, quando ele sussurra: “Eu disse para você ficar lá. Eu
cuido de você e Eli. Sei que você é independente como o inferno, mas
deixe-me ficar com isso, bebê.”
Eu me inclino para ele e dou as palavras que ele precisa: “Ok, Jake. Eu
posso fazer isso."
"Obrigado, querida", ele morde minha orelha e meu corpo treme de
desejo.
Ele me move e levanta a bolsa de fraldas e a cadeirinha
com facilidade. Fico de pé, observando seus músculos flexionarem e tem
que ser a coisa mais quente do mundo.
"Pronta?"
"Uh ... sim", murmuro. Ele ri. Eu estou constantemente sendo pega em
flagrante, olhando para ele.
27
JAKE

N ão sei como consegui esconder tudo de Larissa, enquanto

estávamos no carro ou quando chegamos aqui. Mamãe tem tudo montado


na casa principal, do outro lado do lago. Você não pode ver muito disso,
devido ao bosque de árvores, no meio do lago.
Eu a conduzo para dentro de casa, rezando como o inferno, para que
ela não ouça nada do outro lado. Quero Larissa relaxada e o mais
surpresa possível.
Mamãe e eu, não convidamos muitas pessoas, querendo mantê-lo
pequeno e silencioso.
Eu mostro a Rissa , ao redor da pequena cabana. É apenas um quarto
com um banheiro, uma pequena cozinha e uma área de estar, ainda
menor.
"Adoro o que Katrina fez aqui", afirma.
“Como você sabia, que mamãe fez tudo isso? Eu poderia ter, você
sabe?” - eu brinco com a conversa dela.
“Jake, querido. Eu vi o seu condomínio. Não tem como você fazer
isso. Tem sua mãe estampada em tudo isso. É aconchegante” - ela diz,
enquanto se estica com um bocejo.
"Você realmente não gostou da decoração do condomínio, não é?"
"Não é que eu não gostei, foi apenas ... estéril", ela responde.
“Era eu, e eu realmente não me importo, com o que parecia. Eu não
estava muito em casa, quando você se foi. Eu não queria estar lá sem
você. Porra, eu mal lavei os lençóis, querendo deixar seu cheiro, enquanto
eu pudesse. Uma vez que seu perfume se foi, eu trabalhei o máximo que
pude” - digo a ela, com toda honestidade.
“Jake, sinto muito. Não posso te dizer, o quanto sinto muito. Tudo o que
posso fazer, é provar a você, que nunca mais deixarei o seu lado” - ela diz
com convicção em seu tom.
“Eu sei, Rissa. Eu não estava lhe dizendo isso, para chateá-la. Eu sei
que você é minha, agora e para sempre. ” Eu me inclino e a beijo, com
tudo o que tenho. Eu aprofundo o beijo, pegando-a o máximo que posso,
provando seu sabor, sentindo a profundidade de sua necessidade e
querendo consumir cada centímetro dela.
Nós nos separamos, sem fôlego, e meu telefone leva esse momento,
para tocar. Elijah ainda está dormindo em seu bebe-conforto e eu poderia
ter passado mais uma hora com Larissa e nu entre os lençóis, mas sei
que com tudo o que está acontecendo, não tenho escolha, a não ser
responder.
“Eu tenho que atender, bebê. Eu já volto” - dou-lhe um último beijo e
saio para atender o telefone.
"Ei mãe,"
“Olá Jake. Eu vou fazer isso rápido. Seu vestido está pendurado no
armário com todos os itens essenciais, que ela precisa. Seu terno e o de
Elijah, estão pendurados no armário do quarto de hóspedes. Mack terá o
barco pronto para vocês três embarcarem, às seis horas” - ela diz com
um tom abafado.
“Obrigado mãe. Eu não poderia ter feito isso, sem você” - digo a ela.
"Qualquer coisa para você. Se eu não desligar o telefone, ficarei uma
bagunça. Te amo” - ela diz , e eu não respondo, porque o telefone está
desligado. Olho para o meu telefone, com uma risada. Nosso
relacionamento nem sempre foi bom, mas todos os dias, parece estar
ficando cada vez mais forte.
Volto para a cabana e vejo Larissa olhando para o convés dos fundos e
para a floresta que o rodeia.
"Olá bébé. Vire-se por um minuto. Quero lhe contar uma coisa. É agora
ou nunca. Seria difícil levá-la para a casa principal, sem se vestir para o
seu próprio casamento.
28
LARISSA

O uço o estresse na voz de Jake e isso me faz pensar o pior: "Está

tudo bem?"
"O que? Claro que está. Eu fiz algo, que você pode me odiar. Estou
rezando para que você não faça. Eu queria fazer isso por você, bem, por
nós.” Ele está olhando profundamente nos meus olhos.
“Você nunca faria algo que eu odiaria, Jake. Você não tem isso em
você” - respondo.
"Espero que você esteja certa", ele me diz, enquanto pega minha mão
na dele e me leva para o quarto principal.
Entramos e vejo um vestido, e também não é um vestido qualquer. É
um vestido de noiva e está pendurado na janela. O sol está filtrando e é
absolutamente lindo. É de cor creme, corte A-line, com decote que varrem
os dois ombros. O material de renda e chiffon, é exatamente o que eu
estava vendo, quando Katrina trouxe várias revistas, fazendo perguntas
sobre como eu gostaria, que meu vestido fosse.
Eu me viro, olhando para Jake e pergunto: “Você fez isso? Para mim,
para nós?”
“Eu fiz isso por nós dois. Você disse que não queria um casamento. Eu
não poderia deixar você, não ter algo. Além disso, quero que você se torne
minha esposa. Hoje” - ele me diz.
"Espere o que? Como vou fazer isso? ” Pergunto a ele.
“Tudo já está feito. Mamãe e Mack, ajudaram. Nós estamos indo para a
casa principal, onde tudo está configurado. Eles estarão esperando por
nós. Você se prepara, enquanto eu preparo Eli e eu. Eu te amo, Larissa” -
ele me diz com um beijo na minha testa, quando se vira para sair,
fechando a porta atrás de si.
Eu ainda estou em choque, enquanto vou para o vestido de noiva e
deslizo meus dedos pelo material.
Hoje é o dia, em que estou me tornando a sra. Price. Eu não
acredito. Caio na cama, olhando para o teto, enquanto absorvo tudo o que
Jake fez por mim, bem por nós. Eu sou uma garota de sorte.
Levanto-me e vou me arrumar, sem saber o que tenho para trabalhar,
mas sabendo que tenho que começar, com um banho.
Quando entro no banheiro e vejo que tudo está preparado para mim -
produtos de higiene pessoal, maquiagem e todos os produtos para o
cabelo, que vou precisar - vou para a tarefa. Isso tem Katrina por toda
parte. Eu vou pensar nela, por um longo tempo.
Tomo banho, certificando-me de raspar tudo, depois lavo o cabelo e
saio para começar o resto. Não demoro muito tempo, para hidratar e
depois secar meu cabelo.
Paro o secador, para ouvir Eli e Jake, mas tudo que ouço é
silêncio. Continuo na minha tarefa de enrolar meu cabelo e aplicar minha
maquiagem, mantendo-o leve e simples. Fui presenteada com uma tez
bastante agradável e não gosto de usar uma camada grossa de
maquiagem, sem motivo.
Depois que termino , volto para o quarto, onde meu vestido está
pendurado e olho em volta, para ver o que devo vestir por baixo. Ainda
estou com o meu peso pós-gravidez, e tenho que dizer que, se não voltar
ao meu peso original, estou bem com isso. Jake mencionou muitas vezes,
como ele ama as curvas que desenvolvi e estou aprendendo a abraçá-las.
Olho na caixa colocada na cadeira, no canto da sala, encontrando todas
as roupas de baixo, de renda branca. Este vestido exige um sutiã sem
alças e é elegante e macio, juntamente com uma calcinha , de estilo
curto. Coloco-a, a sensação e textura contra o meu corpo. Você mal pode
dizer que é renda, é tão suave.
Meu vestido é o próximo. Eu o derrubo, tonta por dentro para colocá-
lo.
Há uma batida suave na porta: "Entre", eu digo, sem qualquer
hesitação. Eu sei que Jake e eu, nos veremos antes de caminharmos pelo
corredor.
Minhas costas estão para ele e o vestido não está totalmente
fechado. Viro meu olhar para ele e o vejo parar com Elijah nos braços. Ele
está além de qualquer palavra, no momento. Ambos estão de terno e meu
coração, pega uma batida extra.
“Jake, oh meu Deus. Não tenho palavras” - digo com um engate na
minha voz.
"Você? Baby, você é absolutamente deslumbrante. ” Eu o vejo colocar
Eli na cama e cercá-lo com travesseiros por todos os lados, antes que
se aproxime atrás de mim.
"Precisa de ajuda?" Ele pergunta. Concordo que sim , com a cabeça e
sinto que ele arrasta a parte de trás de seu dedo, pelas minhas costas até
chegar ao fundo do zíper, enquanto ele lentamente o fecha.
"Eu não posso acreditar, que você fez tudo isso", eu sussurro.
"É apenas o começo", ele me diz e depois me viro para que ele possa
me ver completamente. Ele dá um passo para trás, quando me leva.
“Foda-se, bebê. Como devo manter minhas mãos longe de você, até
que digamos sim?”
"Bem, eu tenho certeza, que se você nos atrasar, sua mãe vai nos
caçar", eu sorrio para ele.
"Fale sobre um momento assassino, mulher", eu posso ver a
protuberância em sua calça. Eu lambo meus lábios, querendo prová-lo.
"Eu vou compensar você, hoje à noite, Sr. Price", digo a ele.
- “Em breve, Sra. Soon, quase Price. Pronta para ir?"
“Sim, eu só preciso calçar os sapatos e depois estarei.” Os sapatos são
lindos de um salto alto. Ainda não combinarei com o corpo alto de Jake,
mas isso me dará um impulso.
29
JAKE

O dia do nosso casamento, foi um turbilhão de alegria e riso. Elijah

dormiu a maior parte do tempo. Foi o melhor dia da minha vida, fora o
nascimento de Eli. Agora, a recepção está acabando e eu tenho minha
esposa nos braços, enquanto balançamos com a música.
Olho e vejo Kendall e Declan, envoltos em um abraço semelhante. Ele
me levanta o queixo e sim, eu entendo. Tudo o que passamos para chegar
a esse dia, valeu a pena. Cada coisa.
Giro Rissa, mais algumas vezes e sussurro rouco em seu ouvido:
"Você está pronta, para cumprir sua promessa?"
"Absolutamente. Elijah está conosco esta noite? ” Ela pergunta.
“Não, mamãe pediu para assisti-lo, está tudo bem? Eu sei que ele não
esteve longe de nós, por uma noite inteira, mas acho que dessa vez não
seria tão ruim” - respondo. Eu sei que ela terá que bombear alguma hora,
durante a noite, uma vez que não o fez, antes de sairmos para vir aqui.
"Eu gostaria de uma noite a sós com você, Sr. Price", ela tem um brilho
nos olhos e sim, mal posso esperar, para deixá-la nua e na cama.
- “Vamos então, sra. Price. Porra, eu amo o som disso. Você é
minha. Não há como voltar agora” - digo a ela.
“Eu nunca quero voltar, você é para mim. Você é meu começo, meu
meio e meu fim. ” Com isso, eu a pego e a jogo por cima do ombro e
caminho em direção ao barco amarrado, esperando por nós.
Eu ouço os convidados assobiando e batendo palmas, vindo dos meus
pais, Declan e Kendall. Porra, o que essa mulher faz comigo.
Ela está rindo o tempo todo, enquanto nos arrastamos para o
barco. Uma vez que estamos dentro, eu a trago na minha frente, enquanto
o manobro. Eu tento manter minhas mãos, fora do corpo dela, mas é uma
causa perdida, quando ela mói sua bunda, no meu pau.
"Mulher", eu resmungo. Ela ri e continua fazendo isso, à medida que
avançamos pelo lago. Minha mão livre, chega dentro do corpete de seu
vestido e descobre seu mamilo. Já está duro e pedregoso. Eu tomo meu
tempo beliscando e puxando-o. A cabeça dela se inclina para trás. Ela
está querendo meus lábios nela e, tanto quanto eu quero, eu estragaria o
barco, se minha boca encontrasse a dela. Isso é algo que nunca
farei. Colocar ela ou Elij ah em perigo, me destruiria. Chegamos à doca,
amarro-o e, em seguida, chego fora do barco, levanto-a e levo-a para a
cabana.
"Eu posso andar, Jake."
"Eu quero você em meus braços agora", digo.
"Parece que você está sempre me carregando ", diz ela, com um
encolher de ombros.
"Isso é uma coisa ruim?" Eu pergunto.
"Nem um pouco", ela suspira.
“Não posso evitar. Estou apaixonado, pela minha melhor amiga e
minha esposa. Eu ganhei na loteria” – digo, enquanto entramos na cabana.
“Nós dois fizemos. Eu te amo” - ela grita rindo, enquanto pula na
cama. Seus seios gostosos, saltando quase fora de seu vestido.
"Te amo mais do que a própria vida", tiro o paletó, depois a gravata, os
botões de punho e desabotoo a camisa. Os olhos dela, nunca deixam os
meus.
Eu tiro a minha camisa e dou a ela a provocação, que ela parece
desesperadamente querer. Meu cinto sai em seguida e sento na cama ao
lado de seu quadril.
Ela ergue os cotovelos, quando tiro meus sapatos e meias. Só então eu
pego seu botão nos meus dedos e depois o zíper. Essa língua dela, que eu
amo muito, sai para brincar e eu conheço esse olhar, nos olhos dela. Ela
quer a boca em mim. Hoje à noite, nenhum de nós vai dormir.
Uma vez que minha calça cai no chão, eu agarro meu pau duro e
acaricio, até que ela se levanta e sua mão cobre a minha.
“Foda-se, baby. Mostre-me o quanto você me quer, Rissa.” - A mão
dela está no meu pau, enquanto ela se abaixa e lambe a cabeça .
Vendo uma oportunidade de tirar seu vestido, faço exatamente isso e
depois a olho. É elegante, pois ela está basicamente de quatro, e está
levando meu pau pela garganta. Minha mão desliza pelas costas dela e
pelas costas da calcinha, e eu a encontro molhada e esperando. Meus
dedos batem dentro dela, enquanto ela geme meu nome, "Jake!"
Eu continuo empurrando meus dedos, dentro e fora de sua buceta
quente e grunhido, "Mantenha sua boca em mim, Larissa."
Dedos dentro ela, enquanto ela me leva. Quero que ela venha e, se
estou sendo sincero, estou pronto para vir sozinho e depois
aproveitarei cada centímetro, do corpo da minha linda esposa.
30
LARISSA

O orgasmo nunca termina, quando chego aos dedos de Jake. Assim

que minhas pernas tremem e minha respiração se acalma, eu mergulho


de volta, no que estava fazendo, chupando seu pau. Eu quero provar o seu
gozo, vindo na minha língua .
Eu continuo usando minhas mãos e boca, enquanto as mãos de Jake
mergulham no meu cabelo. Mexendo seus quadris, enquanto o chupo, sei
quando ele está prestes a gozar. Suas mãos estão mais apertadas, nos
meus cabelos e sua respiração,o está ficando mais forte.
"Estou descendo em sua garganta, Larissa", ele avisa, antes que ele
sopre. Eu tomo cada gota do seu gozo e engulo.
"Foda-se, mulher", diz ele, enquanto me coloca em pé. Meu vestido de
noiva, cai aos meus pés. Eu fico de pé, de lingerie sexy. Olho para Jake e
vejo o desejo em seu rosto. Seu pênis já está de volta à vida.
"Volte para a cama, com as mãos acima da cabeça", ele exige. Quando
ele fica assim, eu sou uma massa líquida para ele. O desejo se acumula
na minha calcinha, quando subo na cama, de quatro, até me deitar e estou
de costas. Eu levanto minhas mãos lentamente e agora sei por que ele
deixou o cinto na cama, enquanto o pega e amarra minhas mãos na cama,
com o cinto.
"Está tudo bem?", Ele pergunta. Eu o puxo e ainda posso mexer meus
pulsos.
"Eu estou mais do que bem", eu respondo.
"Tomando meu tempo com você, hoje à noite, provavelmente não
vamos dormir e não sinto muito", ele resmunga.
Ele se move entre as minhas coxas, passando as mãos por cada
centímetro do meu corpo. Quando ele chega aos meus seios, ele move
meu sutiã para baixo e então sua mão, está no meu mamilo. Ele está
mordendo e lambendo, enquanto a outra mão está entre nós. Eu o sinto
deslizar dentro da minha calcinha, onde ele encontra meu clitóris. Seu
polegar circula e me faz arquear as costas da cama, enquanto ele muda
para o meu outro seio.
“Jake, por favor. Eu preciso de você dentro de mim” - imploro.
"Ainda não, querida. Você tem que ter paciência” - ele rosna, quando
deixa meu mamilo e lambe um caminho no meu estômago, antes de
mergulhar debaixo da renda, da minha calcinha.
Ele tira o dedo do meu clitóris e gemo. Não quero que ele
deixe nenhuma parte do meu corpo.
Jake puxa minha calcinha, pelas minhas coxas e então sua boca está
na minha boceta. Meus quadris balançam contra ele e se minhas mãos
estivessem livres, elas estariam em seus cabelos.
"Porra, você tem um gosto bom", diz ele, antes de voltar a mergulhar.
Ele lambe, suga e até morde. Apenas alguns momentos, antes de eu
voltar.
Ele lentamente me traz de volta para baixo, antes de se levantar e
segurar o pênis nas mãos.
"Mais, eu preciso de mais", eu imploro, quando ele coloca a cabeça de
seu pau, dentro da minha boceta, apenas deixando-a lá. Eu aguento , e
então ele surge dentro de mim, finalmente me dando o que eu quero. Não,
o que eu preciso. Seus lábios encontram os meus, enquanto ele continua
balançando dentro e fora de mim. Meus braços estão puxando o cinto, que
ainda está enrolado em meus pulsos. Quando Jake finalmente o desfaz,
minhas mãos encontram seus ombros e nós dois, estamos prestes a vir
novamente.
- “Para onde vou, Larissa? Nessas lindas mamas, nos seus lábios nus,
ou eu estou indo fundo, dentro de você? ” Ele resmunga.
“Dentro de mim, Jake. Eu preciso sentir todo você, dentro de mim” -
digo enquanto inclino minha cabeça para trás. Eu posso sentir jato após
jato dele, vindo dentro de mim.
Eu recuo, Jake ainda está dentro de mim. Eu posso sentir a umidade
combinada de nós, enquanto ele lentamente empurra seus quadris,
arrastando nosso orgasmo, o maior tempo possível.
“Melhor noite da minha vida, baby. Melhor noite da porra da minha
vida” - ele diz, enquanto nós dois nos deitamos juntos. Nós dois estamos
de costas, mas ainda há muita distância entre nós. Eu me aproximo e me
aconchego mais perto e ele me abraça.
“Obrigada pelo dia mais incrível , Jake. Foi melhor, do que qualquer um
dos meus sonhos ”, digo a ele.
"Eu faria qualquer coisa por você, Larissa", diz ele sonolento. Eu deito
minha cabeça em seu peito e nós dois adormecemos, casados e
contentes.
EPÍLOGO 1
JAKE

Oito semanas depois

"Jake!" Eu ouço Larissa gritar do nosso quarto. Corro na direção dela,


pensando que algo deve estar errado, com ela ou Eli.
"O que há de errado?" Entro correndo no quarto principal e paro de
repente. Larissa está segurando um teste de gravidez na mão e está
sorrindo .
“O impossível aconteceu. Estou grávida! Você sabe o quão raro isso
é? Engravidar durante a amamentação? ” Ela pergunta, enquanto ri.
"Jesus, mulher, você me assustou", eu digo, mas então eu a pego em
meus braços e a giro. Estou tão feliz. Eu sei que as crianças terão mais
idade e podem desgastá-la mais, do que quando ela estava grávida de
Elijah, mas eu estou tão fodidamente feliz. Eu vejo minha mulher se
envolvendo com meu filho e desta vez eu estarei lá, para cada maldita
etapa.
"Acho que você está feliz?", ela pergunta, enquanto a envolvo em meus
braços.
“Eu não poderia estar mais feliz. Como você sabia, que estava
grávida?” - pergunto, porque eu nem sabia. Não havia sinais reveladores,
de seu corpo mudando.
“Estou acordando com náuseas e estou cansada, mais do que o
normal. Eu fiz algumas pesquisas e porque eu bombeio mais do que
enfermeira, disse que era uma possibilidade. Então, fiz um teste por
capricho ”, explica ela.
“Estamos prestes a ser dois pais, muito exaustos. Você é mais que
eu. Você está pronta para isso?”
"Com você, estou pronta para tudo", diz ela, e eu a beijo, com todo o
meu ser.
Após o casamento, conversamos sobre ela trabalhando em casa. Eu
disse a ela, tudo o que ela queria fazer, eu estaria lá para apoiá-la. Cada
passo do caminho. Ela sentou-se, elogiando-o por mais de uma semana,
antes de me surpreender no escritório, com Eli.
Ela apareceu e anunciou: “Por mais que eu adorasse trabalhar e ser
uma mulher independente, estar em casa com Elijah, é mais
importante. Mesmo trabalhando em casa, eu sentiria que, nesse momento,
ainda o negligenciaria. Eu não quero isso. Fui criada com isso, então eu
amo você por ceder aos meus caprichos loucos e ridículos, mas estou de
olho nisso. Eu vou ser a melhor mãe, que eu puder ser. ” Ela disse em um
suspiro.
"Venha aqui, mulher louca ", eu disse a ela, e ela empurrou o carrinho
para mim. Dei-lhe um beijo rápido, antes de olhar para Eli. Ele estava bem
acordado, durante o discurso de sua mãe e ficou sentado ali, fresco como
um pepino.
"Eu te amo e você nunca poderia ser uma mãe negligente, mesmo se
você tentasse", digo a ela, enquanto a seguro em meus braços.
"Eu te amo mais", ela murmura, antes que eu a beije
novamente. Acabei saindo do escritório mais cedo, naquele dia. Eu
precisava de tempo, com minha família.
"Jake, você está me ouvindo?" Ela pergunta, quando volto do
meu pensamento.
“Eu estava pensando naquele dia, em que você entrou no
escritório. Estou muito feliz, que você tenha decidido ficar em casa com
Eli, e agora esse monte de alegria” - digo enquanto seguro seu estômago,
onde o próximo está crescendo, dentro dela.
Agora estamos aqui e parece que daqui a mais nove meses, estaremos
ainda mais ocupados e ainda mais abençoados.
EPÍLOGO 2
LARISSA

Três anos depois

"N ão, não, não", eu grito, enquanto corro de Jake e de seu pau

nu. Seu pênis está duro e pronto. Por mais que eu não queira nada , além
de que ele tenha seu jeito perverso comigo, estou exausta. Meu corpo
precisa de uma pausa e não estou no controle da natalidade, há tempo
suficiente.
Você adivinhou. Temos três meninos, todos com menos de cinco
anos. Fizemos como Declan e Kendall e tivemos nossos filhos, um atrás
do outro.
“ Agora você quer mais um. Vamos, Larissa. Só mais uma vez. Eu
quero uma menina, que se pareça com a mãe dela” - ele diz
maliciosamente. Ele sabe que eu vou ceder. Depois de três meninos, eu
não deveria ter mais certeza. No entanto, eu sei o que estou prestes a
dizer.
“Mais uma vez, mas depois disso, não importa se é menino ou menina,
eu estou amarrando minhas trompas ou você está fazendo uma
vasectomia. É hora de desfrutarmos da nossa ninhada. Além disso, eu me
recuso a dirigir, em uma minivan. Eu recuso! Então, tire essa idéia da
cabeça agora, Sr. Price” - eu quase grito com ele.
Nossos filhos estão na casa dos pais de Jake, durante a noite. Eu
queria dormir, mas agora Jake tem meu desejo sexual, ficando louco.
“Vou fazer uma vasectomia, depois desta última. Eu prometo, você
passou por toda a dor. É o mínimo que posso fazer ”, ele diz, enquanto se
aproxima de mim, já pegando a barra do meu vestido e passando-a por
cima da minha cabeça.
“Não é como isso importa. Estarei em cima da mesa, com minhas
pernas abertas, para que eles vejam e façam qualquer coisa” - digo com
uma risada.
“ Não diga isso, porra. Você sabe como me sinto sobre
isso. Porra! Quem estava lá no lugar da Dra. Patel? Eu juro, tudo o que ele
estava fazendo, foi olhar para você com desejo.” Estou completamente
nua agora e Jake está na beira da cama e me trazendo com meus
seus seios espalhados .
“Sim, eu tenho certeza, que é isso que ele estava fazendo. Mais como
se ele estivesse rezando, para Aiden se apressar e chegar aqui” - eu rio.
"Você é um homem?" Ele pergunta.
"Uh ... não", digo a ele, com um olhar de exasperação no meu rosto.
“Então você não conhece o visual. Ele olhou para você . Se a Dra. Patel
estiver fora da cidade novamente, iremos para outro hospital, apenas com
médicas ”, ele resmunga.
"Ok, Sr. Mandão, vamos fazer isso", reviro os olhos, enquanto tiro o
sutiã e a calcinha.
"Eu sabia que você veria as coisas do meu jeito", ele geme, enquanto
me faz sentar em seu colo. Eu seguro seu pau no lugar, enquanto afundo,
jogando cautela ao vento.
- “Uma última vez, Jake. Eu falo sério” - digo a ele, enquanto me
esforço para cima e para baixo, em seu comprimento.
"Ok, querida", ele rosna, enquanto nós dois cedemos, à nossa
necessidade um do outro.
EPÍLOGO 3
JAKE

Nove meses depois

C onsegui o que queria e estou sorrindo como um bobo, dentro do

quarto do hospital, com Larissa. Nossa menina é a imagem cuspida de sua


mãe e estou completamente e totalmente fodido. Graças a Deus, tivemos
três meninos, para ajudar a proteger Layla.
Chegamos em casa do hospital e todos os meninos a cercaram,
observando suas características e fazendo todo tipo de perguntas. Foi lá
em cima na minha lista de dias favoritos, que continuamos adicionando.
Pego Layla e a coloco no berço, que sempre usamos para nossos
meninos e agora para nossa garota. Larissa está dormindo na cama. Ela
cuidou de Layla e prontamente me entregou e disse que iria descansar. Eu
não a culpo. Nós dois tivemos absolutamente zero descanso, no
hospital. Eles entram e saem dia e noite. Eu rosnei uma vez, quando eles
trabalharam com Rissa e disse a eles, para serem mais corteses, com
seus pacientes.
Ainda não os deteve, e levou tudo em mim, para não gritar e lidar com
eles, em outro nível. Larissa teve que me acalmar. Escusado será dizer,
que fomos libertados no dia seguinte e fiquei mais do que agradecido.
Larissa acabou amarrando as trompas, enquanto estava no hospital,
apesar de eu ter feito uma vasectomia, antes de Layla nascer. Ela foi
amarrada e determinada, não importa o que, dizendo: “Você
tem esperma. Não estou me arriscando. Quatro filhos, são suficientes
para nós, se quisermos mais, podemos adotar. ”
Isso me calou e eu comecei a calá-la, com a boca. Já estou pensando
em adotar, se for possível.
Fomos feitos para ter filhos. Mesmo com Elijah, Noah, Aiden e agora
Layla. Meu coração está transbordando de amor.
"Papai te ama menina, mas é hora de você tirar uma soneca, e eu dar
uma atenção, aos seus irmãos", digo a ela, enquanto a deito no
berço ao lado da cama, em que Larissa está dormindo.
- “Você não precisa, Jake. Vou me levantar e cuidar dos meninos” - diz
ela, sonolenta.
“Não, é hora de meninos para nós. Eu tenho que ensiná-los a proteger
e tratar as mulheres, em suas vidas ”, digo a ela.
"Eu te amo, Jake", ela replica .
"Te amo mais que a vida, Rissa", digo a ela, enquanto a beijo, antes de
sair, para ir aos meus meninos.

FIM
SOBRE O AUTOR

Tory Baker é uma mãe dedicada, que vive na ensolarada


Flórida, que passa seu tempo sozinha, escrevendo sobre homens
Alpha, que amam suas mulheres e as colocam em primeiro lugar,
em tudo o que fazem.