Você está na página 1de 141

Livro Eletrônico

Aula 15

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

Janaina Costa

00287239373 - Marcia Brito

Janaina Costa

Aula 15

Janaina Costa Aula 15 1 – ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE 2 1.1 – PRINCÍPIOS E FUNÇÕES
Janaina Costa Aula 15 1 – ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE 2 1.1 – PRINCÍPIOS E FUNÇÕES

1 ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE

2

1.1 PRINCÍPIOS E FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS EM

2

1.2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE BIBLIOTECAS

27

1.3. AS GRANDES ÁREAS FUNCIONAIS DA BIBLIOTECA

42

2 CENTROS DE DOCUMENTAÇÃO E SERVIÇOS DE

58

2.1. O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA UNIDADES DE

58

2.2. PLANEJAMENTO

74

2.3. GERENCIAMENTO DE

95

3 PLANEJAMENTO DE SISTEMAS DE

1272774

105

3.1. GESTÃO DE REDES E SISTEMAS DE

105

3.2. AS FUNÇÕES GERENCIAIS DO PLANEJAMENTO

118

3.3. OS RECURSOS ORGANIZACIONAIS

122

4 MARKETING DE BIBLIOTECA E UNIDADES DE INFORMAÇÃO

4.1. CONHECIMENTOS BÁSICOS SOBRE O MARKETING GERENCIAL

5 DISPOSIÇÕES FINAIS

126

126

139

5.1.

HORA DE

139

5.3.

GABARITO

140

5.1. – HORA DE 139 5.3. – GABARITO 140 Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo -
5.1. – HORA DE 139 5.3. – GABARITO 140 Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo -

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

Biblioteconomia para o Senado Federal

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

1 140
1
140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

1 ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE BIBLIOTECAS.

1.1 PRINCÍPIOS E FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS EM BIBLIOTECAS.

Então, pessoal, estamos quase no fim do nosso curso de revisão pré-edital, fizemos, basica- mente, um estudo do edital anterior do Senado Federal para o cargo de Bibliotecário do ano de 2012. No edital em tela existe a ocorrência recorrente da seguinte bibliografia:

MACIEL, A. C.; MENDONÇA, M. A. R. Bibliotecas como organizações. 1. ed. rev. Rio de Janeiro: Interci- ência; Niterói: Intertexto, 2006.

Sabendo que não podemos deixar de lado essa revisão, mesmo que direcionemos nosso foco em prol de atualizar nosso estudo, vou propor um esquema para adiantar essa parte e podermos men- cionar outros tópicos mais atualizados sobre o assunto.

1 - BIBLIOTECAS COMO ORGANIZAÇÕES ESTRUTURA

BIBLIOTECAS COMO

ORGANIZAÇÕES

FUNÇÕES E

AGRUPAMENTO DE

FUNÇÕES

O PLANEJAMENTO

ESTRATÉGICO

MODELAGEM DA

ORGANIZAÇÃO

ORGANOGRAMA

FUNCIONOGRAMA

FLUXOGRAMA

NOVOS MODELOS

GERENCIAIS

ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO ORGANIZAÇÃO E MÉTODOS

ESCOLAS DA

ADMINISTRAÇÃO

ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO ORGANIZAÇÃO E MÉTODOS

ORGANIZAÇÃO E

MÉTODOS

www.estrategiaconcursos.com.br

FORMAÇÃO DE ACERVOS DINAMIZAÇÃO GERENCIAIS APRESENTAÇÃO

FORMAÇÃO DE

ACERVOS

FORMAÇÃO DE ACERVOS DINAMIZAÇÃO GERENCIAIS APRESENTAÇÃO

DINAMIZAÇÃO

GERENCIAIS

APRESENTAÇÃO

00287239373 - Marcia Brito

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

DEFINIÇÃO,

FINALIDADE E

PERIODICIDADE

CRITÉRIOS DE

COLETA E

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

2

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

ADMINISTRAÇÃO é a realização de determinadas atividades com e por meio de pessoas, organizadas em grupos formalmente estruturados, tendo em vista um objetivo comum. Não basta uma reunião de pessoas para que haja a presença da ação administrativa. São fundamentais as organizações (FERREIRA; OLIVEIRA, 1989, p. 17).

Desde o surgimento da Administração Científica diferentes escolas propuseram seus modelos de organização:

ESCOLA CLÁSSICA

Estudo das atividades a fim de alcançar objetivos
Estudo das atividades a fim
de alcançar objetivos
Principais pensadores: Taylor, Fayol, Ford
Principais pensadores:
Taylor, Fayol, Ford
Focaliza pontos centrais como a necessidade de especialização do trabalho
Focaliza pontos centrais
como a necessidade de
especialização do trabalho
Escola Clássica
Escola Clássica
Enfatiza o agrupamento de funções e o esclarecimento minucioso de tarefas
Enfatiza o agrupamento de
funções e o esclarecimento
minucioso de tarefas
A atribuição de responsabilidades e a autoridade andam juntas
A atribuição de
responsabilidades e a
autoridade andam juntas
Insere um itinerário de comando
Insere um itinerário de
comando

Para saber mais:

Administração Científica (Taylorismo): com ênfase nas tarefas, buscava a racionalização do trabalho no nível operacional, ou seja, o foco era no empregado. Apesar de apresentar como vantagens a produtividade e a eficiência, não levavam em consideração as necessidades sociais dos funcionários.

Teoria Clássica (Fayol): também apresentava ênfase na estrutura. No entanto, o foco estava no gerente (visão de cima para baixo). Defendia o planejamento como uma das funções principais do administrador, o qual teve a profissionalização de seu papel como gerente.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

3

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

ESCOLA DE RELAÇÕES HUMANAS

Enfatiza as pessoas dentro da organização, o ambiente de trabalho e a motivação
Enfatiza as pessoas dentro da
organização, o ambiente de
trabalho e a motivação
Behaviorismo
Behaviorismo
o ambiente de trabalho e a motivação Behaviorismo Volta-se para os relacionamentos intergrupais e a
o ambiente de trabalho e a motivação Behaviorismo Volta-se para os relacionamentos intergrupais e a
Volta-se para os relacionamentos intergrupais e a cooperação espontânea
Volta-se para os
relacionamentos intergrupais e
a cooperação espontânea
Escola de Relações Humanas
Escola de Relações Humanas
Volta-se para as relações entre gerência e empregados
Volta-se para as relações entre
gerência e empregados
Observa o alcance dos objetivos e a percepção de valor nos mesmos
Observa o alcance dos
objetivos e a percepção de
valor nos mesmos

Para saber mais:

Teoria das Relações Humanas: como o próprio nome já indica, sua ênfase estava nas pessoas. Iniciada a partir da experiência de Hawthorne (análise das relações da produtividade com a ilu- minação da fábrica de equipamentos eletrônicos de Hawthorne), defendia um enfoque na or- ganização informal, na comunicação, liderança, motivação e dinâmicas de grupo.

Teoria Burocrática (Weber): com ênfase na estrutura, tinha como objetivo a racionalidade or- ganizacional e a organização formal (baseada em regras e normas). Focava na organização in- teira. Apresentava muita rigidez e lentidão, apesar de ter como vantagens a consistência e a eficiência.

Teoria Estruturalista: apresenta ênfase tanto na estrutura como no ambiente. Sendo assim, ela tem uma abordagem plural que observa a organização, tanto no seu aspecto formal quanto in- formal, e também o ambiente e como a organização interage e aprende com ele.

Teoria Neoclássica: ênfase na estrutura. Sustenta-se na prática da Administração, na reafirma- ção dos princípios da Teoria Clássica e gerais da Administração, porém de forma redimensiona- da.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

4

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

ESCOLA DE SISTEMAS

Enfatiza as redes de informação e os dispositivos de comunicação
Enfatiza as redes de
informação e os dispositivos
de comunicação
A informação é utilizada para a tomada de decisão
A informação é utilizada para
a tomada de decisão
Destaca a importância das interações dentro e fora da organização
Destaca a importância das
interações dentro e fora da
organização
Observa os sistemas como ambientes interno e externo
Observa os sistemas como
ambientes interno e externo
Bertalanffy
Bertalanffy
dentro e fora da organização Observa os sistemas como ambientes interno e externo Bertalanffy Escola de
dentro e fora da organização Observa os sistemas como ambientes interno e externo Bertalanffy Escola de
Escola de Sistemas
Escola de Sistemas

Como uma sequência à Escola de Sistemas surgiu o Contingencialismo:

ESCOLA DE SISTEMAS

Adaptação às mudanças
Adaptação às mudanças
Adaptação às mudanças
Contingencialismo
Contingencialismo
Enfatiza a flexibilidade e a adaptação ao meio
Enfatiza a flexibilidade e a
adaptação ao meio
As metáforas das organizações são de organismos vivos
As metáforas das
organizações são de
organismos vivos
Exige das organizações a dinâmica necessária para atuarem nestes tempos
Exige das organizações a
dinâmica necessária para
atuarem nestes tempos
As mudanças são rápidas, fluíveis e constantes
As mudanças são rápidas,
fluíveis e constantes

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

5

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Para saber mais:

Teoria Comportamental: ênfase nas pessoas. Apresenta um enfoque behavorista. Apesar de ela ser decorrente da Teoria das Relações Humanas, ela oferece uma visão do comportamento inserido no contexto organizacional.

Teoria Contingencial: ênfase no ambiente e na tecnologia. Defende tanto que não há uma me- lhor maneira de organizar, como também que uma forma de organizar pode não ser eficaz da mesma forma em todas as situações.

Teoria holística: tudo está em cada coisa e cada coisa em tudo, o que contribui para a especiali- zação e generalização simultânea.

para a especiali- zação e generalização simultânea. 1. CLDF/FCC/2018 – A teoria de Administração que

1. CLDF/FCC/2018 A teoria de Administração que conceituou sua visão do ser humano como “homem organizacional” é a:

(A)

De Relações Humanas.

(B)

Estruturalista.

(C)

Clássica.

(D)

De Administração Científica.

(E)

Comportamental.

Resposta: alternativa B.

Comentários à questão:

Apesar de identificarmos na questão mais de uma resposta possível, temos que ter em mente que as autoras Maciel e Mendonça englobam todas as escolas de administração anteriores na teoria estruturalista. Esse macete é importante e quase imperceptível no livro. De todas as alternativas a mais completa é a estruturalista. Ela abarca relações humanas, administração científica, teoria da burocracia e apresenta um aporte mais profissional e agregador às diversas experimentações feitas anteriormente.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

6

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

15 Administração e Organização de Bibliotecas. 1272774 Fonte: Chiavenatto, 2014. A biblioteca e/ou unidade de

Fonte: Chiavenatto, 2014.

A biblioteca e/ou unidade de informação é dotada de serviços e produtos gerenciáveis por

princípios, funções administrativas e áreas funcionais. Para tanto, é necessária a atividade de um bibliotecário na composição artificial de um acervo por meio do desenvolvimento de coleções. O desenvolvimento de coleções é desdobrados em processos de pesquisa, seleção, aquisição e avaliação de coleções MACIEL; MENDONÇA 1 (2006); VERGUEIRO (1989 2 , 1995 3 , 2010 4 ); ANDRADE 5 (1996); VERGUEIRO 6 (2002); LANCASTER 7 (1996, 2004); FIGUEIREDO 8 (1993, 1998); FIGUEIREDO 9 (1979, 1994).

A biblioteca é uma organização, ainda que sem fins lucrativos, mas com foco em resultados,

programas e avaliadas permanentemente. Organização e métodos (O&M) é uma das funções especializadas da administração e uma das principais responsáveis pela modelagem da empresa,

envolvendo:

1 MACIEL, A. C.; MENDONÇA, M. A. R. Bibliotecas como organização. Rio de Janeiro: Interciência, 2006.

2 VERGUEIRO, W. Desenvolvimento de coleções. São Paulo: Polis, 1998.

3 VERGUEIRO, W. Seleção de materiais de informação. Brasília: Briquet de Lemos, 1995.

4 Seleção de materiais de informação. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2010.

5 ANDRADE, D.; VERGUEIRO, W. Aquisição de materiais de informação. Brasília: Briquet de Lemos, 1996.

6 VERGUEIRO, W. Qualidade em serviços de informação. São Paulo: Arte & Ciência, 2002.

7 LANCASTER, F. W. Avaliação de bibliotecas e serviços de informação. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

8 FIGUEIREDO, N. M. de. Desenvolvimento e avaliação de coleções. Brasília: Thesaurus, 1998.

9 FIGUEIREDO, N. M. de. Estudo de usos e usuários de informação. Brasília: IBICT, 1994.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

7

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

15 Administração e Organização de Bibliotecas. 1272774 ORGANIZAÇÃO MÉTODOS Envolve, primariamente, os
ORGANIZAÇÃO MÉTODOS
ORGANIZAÇÃO
MÉTODOS

Envolve,

primariamente,

os

propósitos

do

empreendimento

(=O)

os propósitos do empreendimento (=O) Envolve, complementarmente, a definição e/ou redefinição

Envolve, complementarmente, a definição e/ou redefinição dos processos e métodos de trabalho, mecanizados ou não, indispensáveis à efetividade organizacional (=M).

1) Organização é o termo empregado no sentido de capacidade de criar organismos, estru- turas e sistemas bem integrados e constituídos, como base para atividades operacionais e adminis- trativas de uma empresa qualquer, com o menor dispêndio e risco.

2) Métodos permitem o melhor

apro-

veitamento do esforço humano e a diminuição do desperdício, conseguindo menores custos para os serviços e produtos oferecidos.

A função de O&M, assim, tem como objetivo final a renovação organiza-cional, através da manipulação da empresa como um sistema social aberto, em permanente sintonia com as demandas de seus ambientes externo e/ou interno (MACIEL; MENDONÇA, 2006).

A vinculação que resultou O&M é clara […] (MACIEL; MENDONÇA, 2006). Para ilustrar o encaminhamento adotado relacionam-se a seguir algumas atividades de O&M em bibliotecas (MACIEL; MENDONÇA, 2006):

Organização ou reorganização estrutural e/ou funcional

Elaboração e/ou revisão de instrumentos executivos

Inclui neste nível todos os estudos e

atividades implícitas ao processo de análise, planejamento e operacionalização de unidades de

informação.

Tanto os normativos (manuais de

serviço, instruções, regulamentos, etc.), como os complementos (fluxogramas, formulários de serviço, etc.).

Adotados pela biblioteca para

operacionalizar todas as funções internas e externas, eliminar tarefas desnecessárias, melhorar o nível de eficácia e, eliminar o desperdício.

Racionalização dos métodos, processos e rotinas de trabalho

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

8

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Implantação de projetos de lay-out

Inclui estudos e testes para aproveitamento e melhoria

de espaço físico onde se desenvolvem todas as funções meio e, também, o espaço de aten-

dimento ao usuário: funções fim.

envolvendo a biblioteca. Envolvem a

criação de novos serviços e setores, desde que devidamente sintonizados com o objetivo geral do sistema.

Promoção de estudos da ambiência da biblioteca, tanto interna quanto externa como forma de

identificar demandas, interesses e necessidades da comunidade. Analisam a ocorrência de novos mercados para a biblioteca como forma de vislumbrar novas possibilidades de serviços e produtos.

Supervisão da observância dos regulamentos, dos manuais de serviços, dos índices de produ- tividade dos serviços e/ou funcionários, do alcance de metas, objetivos, etc.

Conscientização das pessoas (recursos humanos) para a importância de sua participação em ações de qualidade e produtividade e nos programas de melhoria contínua dos processos de trabalho.

Facilitação do processo decisório.

Desenvolvimento de estudos e projetos especiais

Então, essas são as definições de administração e organização de bibliotecas. Agora iremos aden- trar nas funções da biblioteca.

2 - FUNÇÕES E AGRUPAMENTO DE FUNÇÕES EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO

O conceito de gestão da qualidade total (Total Quality Management TQM) no âmbito das bibli- otecas é relativamente recente, no entanto, alguns profissionais em nossa área vêm se preocupando em investigar as possibilidades de interação entre seus conceitos básicos e a visão filosófica que encer- ra. García-Morales (1995, p. 9) resume os requisitos básicos da gestão da qualidade total em quatro tópicos.

Implantação de Conhecimento métodos Melhora na Conhecimento e normalização objetivos e gestão interna de
Implantação de
Conhecimento
métodos
Melhora na
Conhecimento
e normalização
objetivos e
gestão interna
de mercado
de processos
medidas de
da organização
de trabalho
avaliação

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

9

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Para saber mais:

Estas atividades realizadas inicialmente se referem a identificação de disformidade e desigual- dades na organização. A organização é configurada por meio de suas estruturas verticais, horizontais e matriciais, as caixinhas, quanto maior a desigualdade nessas caixinhas, maior é o paradoxo.

1) Organização verticalizada as decisões vêm por meio de hierarquia. 2) Organização horizontalizada aumentam a colaboração e a delegação. 3) Organização matricial é um tipo híbrido de departamentalização.

Uma estrutura organizacional matricial é apropriada para bibliotecas que pretendem ganhar benefícios divisionais e manter a especialidade técnica das unidades funcionais.

e manter a especialidade técnica das unidades funcionais. Sobre estrutura verticalizada, horizontalizada e matricial,

Sobre estrutura verticalizada, horizontalizada e matricial, esses conceitos caem mais em re- lação às vantagens e desvantagens de cada estrutura.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

10

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

A relação verticalizada significa uma decisão centralizada, existem vários elos sob uma única coordenação, o que dificulta a autonomia, a motivação e o auto-desenvolvimento. Também existe perda significativa de informações e comunicação e são encontradas em modelos de liderança autocráticos ou autoritários.

A relação horizontalizada existe uma ampla especialização de departamentos para cada processo. Porém, necessita de modelos de decisão delegada e estilos de liderança de- mocráticos e liberais, pois do contrário, impossibilita a coesão da tomada de decisões.

A estrutura matricial, temos que a organização apresenta uma distribuição harmônica tanto em sua amplitude horizontal quanto vertical. Portanto, encontram-se em configuração de ‘blocos’ unifor- mes, na qual cada caixinha da configuração é conhecida e usada estrategicamente. Portanto, não basta certa amplitude vertical ou horizontal para configurar a matricial, e sim uma integração, em que se gradua as matriciais em fraca, forte, composta ou balanceada. Outras aplicações à estrutura matricial são o escritório de projetos, a força tarefa e projetos ligados horizontalmente.

1

1.1
1.1
1.1
1.1

1.1

1.1
1.1
1.1
1.1

2.2

2.3

2.4

2.1

2.N

(Amplitude Média)

Produz uma estrutura achatada e dispersa horizontalmente.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

11

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1

1.1

1.1

1.1
1.1
1.1
1.1

2.2

2.1

2.3

e Organização de Bibliotecas. 1 1.1 2.2 2.1 2.3 2.1.2 2.1.1 2.1.3 2.1.1.1 2.1.1.2 2.1.1.3
e Organização de Bibliotecas. 1 1.1 2.2 2.1 2.3 2.1.2 2.1.1 2.1.3 2.1.1.1 2.1.1.2 2.1.1.3

2.1.2

2.1.1

2.1.3

2.1.1.1

2.1.1.2

2.1.1.3

2.1.1.n

(Amplitude Alta e Alongada)

1272774

2.1.1.3 2.1.1.n (Amplitude Alta e Alongada) 1272774 O conceito de nível institucional, in- termediário e

O conceito de nível institucional, in- termediário e operacional é revisita- do. A antiga concepção dos 5 verbos POCCC, passa a se denominar funções administrativas Planejar, Organizar, Dirigir e Controlar PODC. Outra im- portante contribuição dessa Teoria Neoclássica é a Teoria da Burocracia e a alta regulamentação que as organi- zações ganham.

Função é o elemento fundamental por meio da qual se concretiza as suas metas = percep- ção analítica das atividades fundamentais das partes componentes de um todo, a fim de permitir a compatibilização e a coordenação de esforços. A função está para a estrutura or- ganizacional, assim como o cargo e as atividades estão para pessoas.

Atividade é a ação definida para a consecução de determinada função. As atividades carac- terizam, portanto, um cargo. Este, por sua vez, é a materialização de capacitação, habilida- des e atitudes inerentes a determinada competência. Dizemos, então, compete ao bibliote- cário. Ou ainda, são atividades do bibliotecário. E, por fim, são funções da biblioteca como uma organização (MACIEL; MENDONÇA, 2006).

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

12

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

15 Administração e Organização de Bibliotecas. 1272774 Veja que a estrutura de uma organização difere de

Veja que a estrutura de uma organização difere de sua configuração. Exemplo disso é que uma organização pode ter uma estrutura matricial e uma configuração de departamentalização mista. Na prática, a maior parte das organizações utilizam uma departamentalização combinada, ou mista apro- veitando total ou parcialmente as formas de organização a seguir:

Departamentalização por funções (marketing, produção, etc.);

Departamentalização por territórios (regionais, sucursais, etc.);

Departamentalização por produtos (produto X, Y, etc.);

Departamentalização por processos (processos A, B, C, etc.);

Departamentalização por clientes (segmento de mercado, etc.);

Departamentalização combinada ou mista.

Mnemônico AS FUNÇÕES DA TERRA SÃO 2X PRO-CLI-MISTA.

ATIVIDADES-MEIO ou ainda, 1) FUNÇÕES BIBLIOTECONÔMICAS;

ATIVIDADES-FIM, ou ainda, 2) DINAMIZAÇÃO; e 3) FUNÇÕES GERENCIAIS (MACIEL; MENDONÇA, 2006). Além do PLANO DE NECESSIDADES FÍSICAS.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

13

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

Funções gerenciais

1272774

Se, um sistema de informação é um conjunto de funções e componentes que interagem na busca de um objetivo comum, as funções gerenciais ou administrativas serão aquelas responsáveis pela ativação de todas as funções meio ou fim e pelo seu direcionamento e ajuste aos objetivos e metas do sistema. Mintzberg (1977) é de opinião que os gerentes não são aquelas pessoas medi- tativas e disciplinadas conforme estávamos acostumados a ver nos livros de administração, mas sim, pessoas dinâmicas e envolvidas com questões diárias que muitas vezes os obrigam a tomar apressadas decisões.

O denominador comum às funções administrativas é a informação, pois todo ato adminis-

trativo é baseado na informação. Na função de planejamento a informação define os elementos da ação futura, na de organização demonstra a situação atual e os objetivos da empresa, na dire- ção a informação é vital para o processo de decidir e, na avaliação é realizada através do processo de comparação de dados.

Para estabelecer a comunicação entre as funções administrativas é necessário um inter- câmbio de informações: ideias e atividades entre os integrantes da equipe. Comunicação formal e informal. Um sistema que disponibilize e agilize este fluxo é essencial, na medida em que facilita a compreensão de problemas e a necessidade de ações conjuntas.

A comunicação é importante em todos os níveis da organização, tanto verticalmente, de

superior para subordinado e vice-versa, quanto horizontalmente, entre todos os integrantes da organização mesmo alocados em diferentes setores. A comunicação cria um ambiente holístico, onde todos interagem e participam das decisões. Estratégias devem ser adotadas, como tática da biblioteca visando este tipo de integração. A troca de experiências em reuniões de avaliação pode propiciar o clima necessário à gerência participativa.

Apoiar o processo decisório: a informação sobre um determinado tópico reduz o grau de incerteza no momento de tomar uma decisão;

Situar o administrador na sua ambiência: o administrador não pode ignorar as influências do ambiente externo e as oportunidades que surgem para a biblioteca, sob pena de geren- ciar uma instituição dissociada da realidade. A definição dos objetivos e do papel da biblio- teca na instituição dependem de informações;

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

14

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Avaliar a situação histórica da biblioteca: informações sobre o passado, o presente e as projeções para o futuro, permitem identificar os pontos fortes e fracos da atuação da biblio- teca;

Avaliar e acompanhar atividades: informações comparativas sobre o desempenho proposto com o desempenho realmente atingido. Avaliar o alcance de objetivos.

O administrador (ou o gerente) é visto, geralmente, como aquele que planeja, organiza, di- rige, coordena e avalia. É um processo ininterrupto, segundo Pires e Gaspar (1981), constituído por atividades interligadas, justapostas e contínuas, não obedecendo a nenhuma ordem hierárqui- ca.

Planejamento

Planejar, portanto, seria preparar bem cada ação, ou organizar adequadamente um conjun- to de ações interdependentes. Mas não é só isto. Planejar é também acompanhar a ação, é não improvisar na solução de problemas que surgem quando as decisões se mostram erradas. Os pro- fissionais encarregados do planejamento das ações não podem desvincular-se de seus resultados. Planejar consiste, portanto, em preparar e organizar bem a ação necessária ao alcance dos objeti- vos fixados, somando ao seu acompanhamento e revisão para confirmar ou corrigir o que foi deci- dido anteriormente. Desdobra-se o trabalho de planejamento em três dimensões: preparo do plano de trabalho, acompanhamento das ações programadas e revisão crítica dos resultados ob- tidos. Enfatiza-se que essas três fases devem se seguir necessariamente, dando ao planejamento o caráter que os teóricos gostam de ressaltar: planejamento é um processo e, como todo bom pro- cesso, ele é ininterrupto (FERREIRA, 1983).

Arezzo (1981) insere as fases do processo em quatro níveis:

Análise e reflexão;

Decisão e montagem;

Ação;

Revisão ou crítica.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

15

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

A primeira fase análise e reflexão corresponderia ao reconhecimento da realidade onde se insere a ação planejada para que os serviços e produtos programados se adequem às demandas da comunidade envolvida. O segundo nível decisão e montagem necessariamente apoiado no primeiro, consistiria na colocação de objetivos e em toda a ação necessária para atingi-los. A ter- ceira fase ação corresponderia ao acompanhamento da ação programada. Na quarta fase revisão ou crítica imbricada na terceira, se avaliaria cada ação em curso, tendo em vista apontar desvios, alterar procedimentos e, mesmo, modificar o plano original.

Planejamento é processo que antecede a ação, exige reflexão e auxilia a tomada de deci-

são.

Planejar unidades de informação seguindo estes preceitos, implica, primeiramente, em ca- racterizar a ambiência relativa à unidade de informação que se pretende implantar ou avaliar. Isso inclui a análise do seu contexto externo, que abriga e justifica a existência da biblioteca, e do seu contexto interno (quando ela já existe): esquema de organização adotado, recursos que a com- põem, qualidade dos serviços e produtos etc. Tais dados e informações permitem o seu diagnósti- co, a base de atuação de quem planeja.

Organização

Organização é a função que propõe estabelecer a necessária estrutura organizacional para o funcionamento de uma empresa, assim como a determinação dos recursos necessários ao empre- endimento, definindo hierarquia e desempenho. É, portanto, baseada na função de planejar, e an- tecede a de dirigir e avaliar. Para Luporini (1985) a organização pode ser entendida como uma cor- relação de deveres ou funções para a consecução de objetivos específicos. A distribuição de forma acertada é que determina a boa organização e, desta, haverá contribuições em larga escala para o sucesso administrativo de uma empresa.

Definir a missão e os objetivos implica, portanto, em definir o próprio sistema. Quais são as entradas necessárias? Qual o processamento adequando para a obtenção das saídas produtos e serviços que se pretende? Cumpre agora estabelecer a estrutura organizacional da unidade de informação que se planeja, ou seja, determinar as funções (seleção, aquisição, processamento téc- nico, referência etc.) necessárias ao alcance dos objetivos e metas traçados anteriormente, quais os componentes (indivíduos, coleções, mobiliário, equipamentos, lay-out, recursos de capital etc.) e qual a melhor configuração para que essa estrutura atinja os alvos estabelecidos.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

16

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Chegamos, portanto, ao eixo central de interesse e todo o trabalho que vimos desenvolven- do: o estudo e a proposta de uma organização básica a uma unidade de informação.

de uma organização básica a uma unidade de informação. A formal , também denominada Estrutura Orga-

A formal, também denominada Estrutura Orga- nizacional, é concebida como o agrupamento das atividades necessárias para realizar os objetivos e metas da empresa, ou seja, o estabelecimento formal das funções necessárias ao alcance dos obje- tivos, sua reunião em grupos de natureza similar para o estabelecimento das principais divisões ad- ministrativas e a posterior atribuição dessas divi- sões a um executivo, com a devida formação, e a posterior atribuição dessas divisões a um executi- vo, com a devida formação, e a necessária autori- dade funcional para o desempenho de tais ativida- des. Pode ser ilustrada pelos organogramas grá- ficos de estrutura.

A organização informal é aquela que surge naturalmente na empresa como fruto da intera- ção social entre seus membros, suas afinidades e valores comuns, constituindo o que é popular- mente chamado de “panelinhas”. Há que se ter engenho e arte para direcionar toda a energia desses grupos para a produtividade e a qualidade dos resultados. Muitas vezes verifica-se predo- minância dos interesses particulares em detri- mento dos organizacionais.

As organizações formais apoiam-se em dois princípios: unidade de objetivos e eficiência. Se uma organização atinge seus objetivos ela é eficaz, mas se o faz com o mínimo de custos ela é efi- ciente.

Direção

Direção é a função responsável pela implementação dos planos e pelo acompanhamento de sua execução. Inclui, desde a designação até a capacitação dos responsáveis pela execução das ações programadas responsabilizando-se, também, pela coordenação de execução, para que os resultados sejam satisfatórios, através da adequada alocação de recursos e da aplicação dos méto- dos mais corretos para a consecução dos objetivos (HERSEY; BLANCHARD, 1976).

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

17

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

É a função administrativa responsável pelo gerenciamento da organização à medida em que se executam os planos, programas e projetos, procurando convertê-los em resultados. A fun- ção direção ou comando envolve as grandes decisões, ou seja, as resoluções básicas que irão nor- tear a vida da organização. Envolve a adoção de políticas e estratégias que subsidiarão diretrizes para o alcance das metas. A estratégia adequada converte a missão e os objetivos da instituição em desempenho, que é o que mais interessa. A direção vai promover o funcionamento do corpo social da organização através de ordens e tomadas de decisão que, ao serem executadas, deverão direcionar a organização aos seus objetivos. Enfatiza-se a necessidade de três atributos a um ge- rente: a capacidade de motivar, comunicar e liderar.

Enquanto líder, o gerente deve, necessariamente, saber e conhecer a ambiência para iden- tificar demandas e, a estrutura organizacional da instituição, em detalhes, para facilitar a imple- mentação de novas ações, projetos etc., ou seja, é necessário que ele participe integralmente do processo gerencial, desde o estabelecimento das metas até a sua concretização, ou não. Nada de “torres de marfim” nada de “aquários” isolados de crepitar dos usuários. Já foi demonstrado que a gerência impositiva não leva a resultados satisfatórios. É essencial que ele saiba integrar a sua equipe na menor tomada de decisão, de modo que todos se sintam representados na decisão to- mada.

Como líder e homem de comunicação é vital que o gerente:

Conheça os recursos humanos de que dispõe e saiba explorar a sua potencialidade;

Conheça os recursos materiais e orçamentários;

Saiba comunicar instruções de trabalho e relatar resultados;

Prepare substituto para eventual ocupação de cargo;

Providencie recursos (mesmo fora da instituição);

Documente todas as iniciativas e ações implementadas no período de sua gestão, armaze- nando todos os documentos probatórios no arquivo administrativo da organização, para subsidiar suas decisões e para a consulta dos próximos gerentes ou eventuais substitutos.

A coordenação é outro dos atributos essenciais ao gerente. Consiste no desempenho de atividades que promovem a interação dentro do sistema para otimização de seus resultados. Pro- cura estabelecer relações entre as funções e os funcionários responsáveis, entre funcionários e equipamentos, entre a cúpula administrativa e os subordinados, entre funcionários e coleções etc.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

18

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

O gerente enquanto coordenador identifica e motiva as interações necessárias para a efici- ência da unidade de informação, aciona a dinâmica de comunicação necessária à movimentação do sistema em direção aos seus alvos. Nesta dinâmica deve ser incluído o seu relacionamento com as estruturas sociais e comerciais externas ao sistema. Fazem parte de sua ambiência, fornecem a necessária matéria prima dos acervos e concorrem para o seu bom desempenho: editoras, livrarias agências, centros de processamento de dados, provedores de acesso à Internet etc.

Gerência é, portanto, tudo o que foi dito e muito mais, pois o gerente realmente eficaz é aquele que, paradoxalmente, não faz falta quando se ausenta. Ele soube formar substitutos, ele

documentou todas as suas ações e mantém atualizados seus arquivos. Ele soube treinar sua equipe

e oferecer oportunidades de aperfeiçoamento a todos seus subordinados. Ele soube, em suma, incorporar o espirito da organização.

Controle

Controle é a função destinada a verificar se os resultados planejados estão sendo alcança- dos através das operações executadas. Permite adotar ações corretivas visando corrigir os desvios detectados durante o processo de avaliação. No exercício desta função, o gerente de bibliotecas vai buscar aferir o desempenho de um grupo, ou o desempenho de uma determinada função ou serviço, ou mesmo de uma única tarefa ou funcionário. Compara-se o que se faz no momento, com

o que foi planejado anteriormente.

Aponta-se como requisito fundamental ao exercício da função controle, o engajamento do gerente do sistema em todas as etapas ou funções de processo administrativo: desde a prepara- ção dos planos de ação (planejamento), à montagem da estrutura necessária, à revisão crítica dos resultados que a ação apresentou. Fica bastante complicado avaliar atividades planejadas por ou- tra pessoa.

Portanto, fique atento, pois é bastante recorrente em concursos o seguinte anagrama:

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

19

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

P

15 Administração e Organização de Bibliotecas. 1272774 P • PLANEJAR O • ORGANIZAR D • DIRIGIR

PLANEJAR

O

e Organização de Bibliotecas. 1272774 P • PLANEJAR O • ORGANIZAR D • DIRIGIR C •
e Organização de Bibliotecas. 1272774 P • PLANEJAR O • ORGANIZAR D • DIRIGIR C •

ORGANIZAR

D

de Bibliotecas. 1272774 P • PLANEJAR O • ORGANIZAR D • DIRIGIR C • CONTROLAR Nas

DIRIGIR

C

CONTROLAR

Nas questões de concurso estas funções aparecem com suas definições o que deman- dam do candidato a capacidade em categorizá-las e discernir entre si suas diferenças. Outra modalidade de questões que podem surgir são as situações hipotéticas em que se pede ao candidato indicar o tipo de função em que a situação se insere.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

20

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

2.

Ano: 2018 Banca: IDECAN Órgão: AGU Prova: IDECAN - 2018 - AGU - Bibliotecário Ao abordaras funções gerenciais necessárias ao bibliotecário, elas estão divididas em três, que compõem o processo gerencial. São elas planejamento, direção e

(A)

Responsabilização.

(B)

Decisão.

(C)

Controle.

(D)

Coordenação.

(E)

Reflexão.

Resposta: alternativa C.

Comentários à questão:

Sabemos que existem quatro funções gerenciais, conforme o estudo anterior, porém a questão quis complicar a vida dos candidatos mencionando três especificamente. Nas alternativas, somente poderia ter ou organização ou controle, caso contrário, a questão seria passível de anulação. Neste caso, temos quatro funções gerenciais tradicionais:

planejamento, organização, direção e controle - PODC.

Funções gerenciais segundo Mintzberg

Em seus estudos, Mintzberg e outros pesquisadores mostram que os gerentes de organiza- ções, desde chefes de quadrilhas até o Presidente dos Estados Unidos, não gastam o seu precioso tempo somente planejando, organizando, coordenando e controlando atividades, como o industri- al francês Henri Fayol disse que se fazia em 1916 e continua sendo dito por administradores até hoje. Eles não são, também, como maestros de orquestra, que conduzem os seus componentes com precisão e eficiência. Ao invés disso, eles gastam o seu tempo reagindo a crises, aproveitando oportunidades especiais, frequentando reuniões, negociando interna e externamente, atendendo ao telefone e ao fax, cultivando amizades interpessoais e políticas, juntando e disseminando in- formações e preenchendo uma variedade de funções cerimoniais (MINTZBERG, 1977).

Observamos em Mintzberg uma preocupação em descobrir o que realmente um gerente faz. O autor considera gerente aquela pessoa que, revestida de autoridade formal sobre uma or- ganização, - autoridade esta que lhe confere status e poder, tem acesso a diversas informações que o habilitam a tomar decisões e optar por estratégias para sua unidade. As funções gerenciais segundo Mintzberg são:

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

21

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

Funções Interpessoais15 Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas. Funções Informacionais Funções Decisórias Funções

Funções Informacionaise Organização de Bibliotecas. Funções Interpessoais Funções Decisórias Funções interpessoais 1272774 As

Funções DecisóriasFunções Interpessoais Funções Informacionais Funções interpessoais 1272774 As funções interpessoais

Funções interpessoais

1272774

As funções interpessoais decorrem do status e autoridade inerente aos cargos administrati- vos. São, em grande parte, de natureza social e legal, implicando no relacionamento do gerente com representantes da organização, com os subordinados e com indivíduos ou grupos externos à empresa. Nesta função os gerentes representam os seguintes papéis:

Representante da organização;

Líder;

Realizador de contatos;

Na biblioteca estes papéis interpessoais, quando assumidos pelos gerentes-bibliotecários, dizem respeito a:

No caso de representante da organização: a recepção aos visitantes, que podem ser exter- nos ou mesmo internos à organização (diretores, reitores, prefeitos etc., dependendo do ti- po e dos vínculos da biblioteca), participação em solenidades oficiais, almoços comemorati- vos, recepção a funcionários recém-ingressados, estagiários etc.;

No caso de líder e responsável pelo trabalho de seus subordinados, o gerente se incumbiria:

do treinamento de seu pessoal, de incentivos ao aperfeiçoamento de seu staff, de esclare- cer a estrutura e os objetivos da organização a sua equipe, e mais todos os requisitos já mencionados durante a abordagem clássica da função direção;

No caso de realizador de contatos: estabelecer uma rede de contatos com seus pares (den- tro e fora da biblioteca), com pessoas chave integrantes da ambiência da mesma, (gerentes ou representantes de entidades organizacionais com as quais a biblioteca interage na busca de seus objetivos), com superiores, com entidades de classe etc., visando obter informações que irão constituir seu próprio sistema de informações.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

22

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

Funções informacionais

1272774

As funções informacionais estão diretamente ligadas às informações recebidas e recolhidas pelo gerente com a finalidade de se inteirar do que acontece na organização e, posteriormente, transmiti-las aos subordinados. Pode assumir a função de porta-voz da organização. Exercendo as funções informacionais o gerente representa os seguintes papéis:

Bibliotecário/ Papel organizacional Gerente Monitor Obtenção de informação sobre novos fatos e eventos que
Bibliotecário/
Papel organizacional
Gerente
Monitor
Obtenção de informação sobre novos fatos e eventos que
porventura demandem alguma cobertura por parte da biblio-
teca para o seu desenvolvimento, tais como: cursos que serão
ministrados na organização (em bibliotecas escolares e uni-
versitárias); surgimento de novos núcleos de interesse na
comunidade (em bibliotecas públicas); mudanças na legisla-
ção vigente (de interesse da organização de um modo geral);
surgimento de novas publicações, tanto em papel quanto ele-
trônicas; novos formatos e novos sites etc.; cursos e eventos
de interesse para seus subordinados (aperfeiçoamento pro-
fissional); treinamento dos funcionários quando ocorre con-
gestionamento de atividades por falta de preparo etc.
Disseminador
Como disseminador, o bibliotecário-gerente procede à dis-
seminação das informações recolhidas pelo monitor, de
acordo com o interesse e as necessidades de seus subordina-
dos, de seus superiores e usuários. Exemplo: comunicações
ou informes direcionados à clientela sobre novos cursos e
eventos na área de atuação da biblioteca; novas necessidades
de informação de seus usuários, aos seus superiores, o que
implicará na oferta de novos serviços ou produtos etc.
Porta-voz
Como porta-voz, o gerente-bibliotecário é a pessoa que fala
em nome da instituição, apresentando planos, divulgando
atividades de acompanhamento e avaliação de resultados.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

23

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

Funções decisórias

1272774

As funções decisórias relacionam-se às tarefas de tomar decisões, seja através das ativida- des de planejamento, como solucionador de problemas, ou alocador de recursos ou ainda nego- ciador. Prováveis pontos de tomadas de decisão com que se defronta o bibliotecário no exercício da maioria das funções sob seu comando, já foram apontados no decorrer do presente trabalho.

Tipos de papel deci- sório do bibliotecário- gerente Características O gerente-bibliotecário tenta melhorar sua
Tipos de papel deci-
sório do bibliotecário-
gerente
Características
O
gerente-bibliotecário tenta melhorar sua unidade de
Empreendedor
trabalho apresentando ideias e projetos que visem adaptá-la às mo-
dificações sugeridas pelo meio ambiente, às alterações na demanda por
serviços ou produtos. Como exemplo, numa biblioteca universitária
em que é grande o número de pesquisas bibliográficas, a proposta de
um serviço de pesquisa on-line visando agilizar o serviço no sentido de
melhor atender sua clientela. Estará, neste caso sendo empreende-
dor.
Conciliador
O gerente-bibliotecário estará adotando uma postura
conciliadora na medida em que tenta conciliar as pressões surgidas
em dado momento na biblioteca, aliviando tensões, amenizando con-
flitos. Assim, pressionado pelos usuários para obterem flexibilidade no
horário de atendimento da biblioteca, consegue convencer os subordi-
nados a estenderem o horário através da prática do rodizio entre eles.
O
papel do alocador de recursos em unidades de informa-
Alocador de recursos
ção é da maior importância visto a precariedade existente dos mes-
mos. Alocar recursos se torna assim tarefa das mais difíceis e requer
um eficaz planejamento dos mesmos, para poder decidir quem recebe
o quê em sua unidade.
Negociador
Como negociador de recursos, o gerente interage com
superiores, subordinados, usuários, fornecedores e, principalmente,
com agências financiadoras de recursos, no sentido de aumentar sua
arrecadação, de captar recursos, mesmo fora da instituição, para po-
der atender melhor sua comunidade. Baseado nas informações (for-
mais e informais) de que dispõe, assume o papel de negociador.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

24

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

3. Ano: 2018 Banca: FGV Órgão: AL-RO Prova: FGV - 2018 - AL-RO - Analista Legislativo - Bi- blioteconomia Considere o fragmento de texto a seguir:

“As funções gerenciais estão relacionadas às atividades que mantêm as Unidades de Informação

controle e

é determinante para a eficácia das demais fun-

ções”. Assinale a opção que apresenta, na sequência correta, os termos que completam as lacunas deste fragmento.

funcionando satisfatoriamente, quais sejam: planejamento, organização,

A função gerencial de

(A)

Avaliação desempenho avaliação

(B)

Desempenho revisão planejamento

(C)

Diagnóstico implantação diagnóstico

(D)

Operação avaliação controle

(E)

Revisão aperfeiçoamento organização

Resposta: alternativa B.

Funções gerenciais de Unidades de Informação:

Planeja mento
Planeja
mento
Organi zação
Organi
zação
Desem penho
Desem
penho

Estabelecer metas e determinar como atingi-las.

Decidir quem irá realizar o trabalho.

Executar o trabalho.

Assegurar que o trabalho está sendo executado de acordo com os planos.

Analisar e resumir.

Con- trole
Con-
trole
Revi- são
Revi-
são

Fonte: Parsons, 1988 apud Barbalho; Beraquet, 1995.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

25

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

4. Ano: 2018 Banca: CESPE Órgão: IPHAN Prova: CESPE - 2018 - IPHAN - Técnico I - Área 5 A estrutura organizacional das bibliotecas pode ser sistematizada em três grandes áreas, que dizem respeito a suas funções biblioteconômicas. Acerca de tais funções, julgue o item que segue.

Entre os tipos de função biblioteconômica, incluem-se as atividades gerenciais, que visam efeti- var e direcionar as outras funções para o cumprimento dos objetivos institucionais.

Resposta: CERTO.

Funções biblioteconômicas: 1. Formação, desenvolvimento e organização das coleções; 2. Dinamização do uso das

Funções biblioteconômicas: 1. Formação, desenvolvimento e organização das coleções; 2. Dinamização do uso das coleções; 3. Funções gerenciais (MACIEL; MENDONÇA, 2006).

Entenda-se como tomada de decisão o processo de identificação de um problema específi- co e a seleção de uma linha de ação para resolvê-lo ou para aproveitar uma oportunidade. Todo gerente precisa desenvolver a habilidade de tomar decisões e resolver problemas. O termo decisão designa o momento de opção, de escolha, de seleção de uma alternativa. Segue o esquema pro- posto por Ferreira (1977 apud MACIEL; MENDONÇA, 2005), que agrupa as funções biblioteconô- micas em três coerentes blocos:

Formação, desenvolvimento e organização das coleçõesfunções biblioteconô- micas em três coerentes blocos : Dinamização do uso das coleções Funções gerenciais

Dinamização do uso das coleções: Formação, desenvolvimento e organização das coleções Funções gerenciais Biblioteconomia p/ Senado Federal

Funções gerenciaisdas coleções Dinamização do uso das coleções Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo -

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

26

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

1.2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE BIBLIOTECAS.

-- GRÁFICOS DA ORGANIZAÇÃO --

Os gráficos poderão ser utilizados pelo gerente de unidade de informação para representar, de maneira imediata e clara, a estrutura da organização sob sua responsabilidade; seus diversos ór- gãos de comando, hierarquias, relações mútuas, funções, processos internos de trabalho, etc. A finalidade dos gráficos, de um modo geral, é informar, esclarecer de pronto, sobre a organização, mesmo a pessoas alheias, assim como permitir, a quem interessar possa, a análise e o estudo dos princípios de funcionamento dessa mesma organização. Para isso, eles precisam ser: simples, cla- ros, precisos (reais e atualizados), além de, na medida do possível, observar a estética na sua apre- sentação. Embora sejam inúmeros os gráficos de organização, os mais utilizados na área de Biblio- teconomia são os organogramas, funcionogramas e fluxogramas.

GRÁFICOS UTILIZADOS EM BIBLIOTECAS

GRÁFICOS UTILIZADOS EM BIBLIOTECAS Tem sua origem no organograma , sendo de uso restri- to dos
GRÁFICOS UTILIZADOS EM BIBLIOTECAS Tem sua origem no organograma , sendo de uso restri- to dos

Tem sua origem no organograma, sendo de uso restri- to dos órgãos que o adotaram e visa detalhar as ativida- des/tarefas que compõem uma função.

Representa, de forma dinâmica e analítica, a sequên- cia lógica das fases e etapas de um determinado trabalho desenvolvido na biblioteca.

Funcionograma

Fluxograma

Organograma

Organograma é o gráfico que representa a estrutura organizacional, configurando seus diversos órgãos com suas posições e respectivas interdependências, via hie- rárquica, linhas de autoridade e subordinação. Pode ser dos tipos: Clássico em 3 níveis (divisão do trabalho, hie- rarquia e coordenação); Relações funcionais; Grupos diferenciados; Especialização de funções; Configurações mistas; Produtos e Serviços.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

27

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

ORGANOGRAMAS

Organograma clássico em 3 níveis

1272774

O organograma formal representa o plano de jogo organizacional para a divisão do traba- lho, além de hierarquia e coordenação. Organograma é o gráfico que representa a estrutura de uma instituição, configurando seus diversos órgãos com suas posições e respectivas interdepen- dências, via hierárquica, linhas de autoridade e subordinação. No que se refere ao desenho, al- gumas regras devem ser seguidas:

A forma clássica de traçar um organograma é através dos sistemas de caixa e linha, se- guindo-se as recomendações já mencionadas. Observe a figura a seguir:

Organograma clássico em 3 níveis

CENTRO DE DOCU- EMTAÇÃO DIREÇÃO

clássico em 3 níveis CENTRO DE DOCU- EMTAÇÃO DIREÇÃO SECRETARIA DIVISÃO DE PESQUI- SA E CIRCULAÇÃO

SECRETARIA

DIVISÃO DE PESQUI- SA E CIRCULAÇÃO

DIVISÃO DE SERVI- ÇOS TÉCNICOS

REFERÊNCIA E

CIRCULAÇÃO E

DIVULGAÇÃO

COMUTAÇÃO

SELEÇÃO E AQUISIÇÃO
SELEÇÃO E
AQUISIÇÃO
E DIVULGAÇÃO COMUTAÇÃO SELEÇÃO E AQUISIÇÃO ANÁLISE DOCUMEN- Este gráfico representa uma estrutura

ANÁLISE

DOCUMEN-

Este gráfico representa uma estrutura em três níveis: uma direção, duas divisões e quatro seções. As unidades estão ligadas por linhas verticais, que determinam sistema de subordinação.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

28

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Organograma de relações funcionais

É interessante colocar lado a lado os órgãos cujas atividades requerem ligações de cooperação, pois estas, mesmo não sendo representadas graficamente, serão insinuadas através desta disposi- ção.

Organograma identificando relações funcionais

DIREÇÃO ASSESSORIA SECRETARIA DEPTO. A DEPTO. B DEPTO. C SEÇÃO A1 SEÇÃO B1 IÇÃO IÇÃO
DIREÇÃO
ASSESSORIA
SECRETARIA
DEPTO. A
DEPTO. B
DEPTO. C
SEÇÃO A1
SEÇÃO B1
IÇÃO
IÇÃO
SEÇÃO C1
IÇÃO
SEÇÃO A2
SEÇÃO B2
IÇÃO
SEÇÃO C2
IÇÃO
IÇÃO

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

29

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Organograma por grupos diferenciados

Pelo atendimento a grupos diferenciados, ou departamentalizados por clientes. Trata-se de um desenho adequado à realidade de bibliotecas que, usualmente atendem a grupos diferenciados e que precisam estruturar-se adequadamente, com vistas ao atendimento personalizado que esses grupos requerem. Algumas bibliotecas públicas podem se enquadrar nessa configuração, conforme figura a seguir.

Configuração por grupos diferenciados

DIREÇÃO DEFICIENTES PÚBLICO GERAL ESTUDANTES INFANTO JUVENIL VISUAIS
DIREÇÃO
DEFICIENTES
PÚBLICO GERAL
ESTUDANTES
INFANTO JUVENIL
VISUAIS

Organograma por especialização de funções

Pela especialização das funções. Pode apresentar o inconveniente de isolar os profissionais em grupos especializados, o que dificulta a necessária interação entre eles. Vejamos:

Figura 4: Configuração por especialização de funções

DIREÇÃO SELEÇÃO AQUI- REFERÊNCIA PROCESSOS TÉCNICOS CIRCULAÇÃO SIÇÃO DIVULGAÇÃO
DIREÇÃO
SELEÇÃO AQUI-
REFERÊNCIA
PROCESSOS TÉCNICOS
CIRCULAÇÃO
SIÇÃO
DIVULGAÇÃO

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

30

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Organograma por configurações mistas

O grupamento das atividades reúne, na mesma organização funções congêneres e, também,

produtos e serviços. É utilizada em sistemas de bibliotecas que centralizam suas funções-meio.

Figura 5: Configurações mistas

DIREÇÃO

SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO

SELEÇÃO AQUISIÇÃO

SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
PROCESSOS TÉCNICOS

PROCESSOS TÉCNICOS

SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS
DIREÇÃO SELEÇÃO AQUISIÇÃO PROCESSOS TÉCNICOS BIBLIO B BIBLIO C BIBLIO D BIBLIO E BIBLIO F BIBLIO
BIBLIO B
BIBLIO B
BIBLIO C
BIBLIO C
BIBLIO D
BIBLIO D
BIBLIO E
BIBLIO E
BIBLIO F
BIBLIO F
BIBLIO A
BIBLIO A

Organograma por produtos e serviços

É um tipo de configuração mista, necessária quando a biblioteca estrutura-se com base em

serviços prestados e produtos oferecidos ao cliente. Pode adequar-se às grandes bibliotecas centrais universitárias que usualmente dividem-se e, seções de livros, periódicos, teses, obras raras; serviço de referência, busca on-line, circulação, comutação etc.

Figura 6: Configuração por produtos e serviços

BIBLIOTECA DIRE- ÇÃO LIVROS PERIÓDICOS OBRAS RARAS REFERÊNCIA E BIBLIOTECAS CIRCULAÇÃO
BIBLIOTECA DIRE-
ÇÃO
LIVROS
PERIÓDICOS
OBRAS RARAS
REFERÊNCIA E
BIBLIOTECAS
CIRCULAÇÃO

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

31

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

Símbolos do Organograma

1272774

Os órgãos devem ser representados por retângulos, sendo recomendável que a maior dimensão, seja dada

Os órgãos devem ser representados por retângulos, sendo recomendável que a maior dimensão, seja dada do órgão má- ximo de comando (direção, presidência etc.)

órgão má- ximo de comando (direção, presidência etc.) Os órgãos de linha são os que compõem

Os órgãos de linha são os que compõem a via hierárquica e, consequentemente, definem a autoridade formal e a própria estrutura do órgão, devendo ser ligados, à linhas verticais que configuram o itinerário do comando, estabelecendo os de- graus e posições de hierarquia estrutural; os responsáveis (gerentes, chefes etc.) recebem delegação de poderes e auto- ridade que lhes permitem tomar decisões

Quanto aos órgãos de apoio (assessorias), devem ser ligados à linhas horizontais pois não possuem autoridade deliberativa ou executiva, funcionando como suplementação funcional na estrutura. Opinam, mas não decidem

As setas transversais que levam um retângulo a outro são símbolos que integram órgãos e atividades relacionadas, tan- to da esquerda para direita, quanto da direita para esquerda.

que integram órgãos e atividades relacionadas, tan- to da esquerda para direita, quanto da direita para
que integram órgãos e atividades relacionadas, tan- to da esquerda para direita, quanto da direita para

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

32

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

FUNCIONOGRAMAS

1272774

É o gráfico destinado à descrição e ao posicionamento das funções, ampliando, desse mo-

do, as partes setoriais de um organograma simples. Tem por objetivo retratar as atividades (fun- ções) de forma estática, representando grande utilidade por ocasião de uma análise funcional do órgão, conseguindo evidenciar atividades duplicadas ou mesmo negligenciadas ou, até mesmo, distribuídas sem lógica (subordinações erradas etc.) (ROCHA, 1985, p. 90).

Em síntese, os organogramas permitem a visualização da estrutura em análise no seu todo permitindo a identificação das hierarquias ou subordinações dentro de um órgão; o funcionogra- ma age como uma lente de aumento que, se aplicada a uma divisão, seção ou setor do organo- grama em foco, possibilita a identificação das funções e atividades que ali são exercidas e quem no gráfico, aparecem enumeradas. Já o fluxograma coloca essa estrutura em movimento.

O funcionograma, em unidades de informação deve ater-se ao nível de função e seu des-

dobramento em atividades. O excesso de detalhamento que é oferecido pelo leque de tarefas im- plícitas em cada atividade deve ser evitado, pois foge ao objetivo deste gráfico. As tarefas e opera- ções serão registradas no fluxograma.

FLUXOGRAMAS

São gráficos que procuram representar, de maneira dinâmica e analítica, a sequência lógica das fases, etapas ou passos de um trabalho desenvolvidos dentro de uma organização, por meio de determinada simbologia. Apresentam como finalidade, colocar em evidência a sequência de um trabalho, de modo que haja uma visão clara da execução de suas fases, permitindo assim a análise sobre o mesmo, com o intuito de melhorá-lo, racionalizando procedimentos e recursos humanos e materiais (ROCHA, 1985, P. 95). O fluxograma permite essencialmente, a indicação das tarefas e operações implícitas em casa atividade. Não indica as distâncias, os tempos e os volumes correspondentes a cada operação.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

33

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

Vantagens dos Fluxogramas:

1272774

Permitem verificar como funciona todos os componentes de um sistema, facilitando a análise da sua eficácia;

Facilitam a localização das deficiências apresentadas pelos serviços, pela fácil visualização dos passos, transportes, operações, uso de formulários, planilhas etc.;

Permitem o rápido entendimento de qualquer alteração que se proponha no sistema exis- tente;

É aplicável a qualquer rotina, desde a mais simples às mais complexas;

Permitem a compatibilização de programas de automação, desde que traçados em con- junto pelas instituições participantes;

São úteis para treinamentos de pessoal recém-admitido na organização;

Facilitam o desenho do lay-out, do espaço físico onde se desenvolvem as atividades que descrevem.

Aplicados aos sistemas de informação, os fluxogramas apresentam a vantagem de facilitar sobremaneira a implantação de sua mecanização, pois “troca-em-miúdos”, detalha ao máximo as rotinas de cada função cumprida, o que facilita o diálogo com o analista de sistemas, pois, este passa a ter conhecimento a fundo de cada rotina antes de traçar o desenho de um programa.

Alguns símbolos utilizados para o desenho dos fluxogramas

SÍMBOLO

SIGNIFICADO

AÇÃO

I N Í C I O / F I M O ponto de início ou

INÍCIO/FIM

O ponto de início ou término de um fluxo

 

CONEXÃO

ponto de início ou término de um fluxo   CONEXÃO Uma entrada ou uma saída para

Uma entrada ou uma saída para uma outra parte de um fluxo

PROCESSAMENTOUm grupo de instruções que executam uma função de pro- cessamento do programa

Um grupo de instruções que executam uma função de pro- cessamento do programa

D E C I S Ã O DECISÃO

Alternativas no fluxo para si- tuações variáveis

PROCESSAMENTO PRÉ-DEFINIDO Um grupo de operações ante- riores e não incluídas no fluxo

PROCESSAMENTO

PRÉ-DEFINIDO

Um grupo de operações ante- riores e não incluídas no fluxo

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

34

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

TIPOS DE CONFIGURAÇÃO

A configuração, ou seja, o deslocamento da estrutura de uma biblioteca em divisões ou departamentos, seções e setores, surge em decorrência da necessária organização do trabalho dentro de suas dependências, tendo em vista a qualidade dos serviços prestados, a satisfação da clientela externa e interna e o mínimo de custos. Existem diferentes critérios para se criar depar- tamentos ou divisões, Ramos Simon (1996, p. 522) aponta alguns:

Critérios

Características

Departamentalização por funções

Quando as tarefas são separadas segundo os principais tipos de atividades (produção, marketing, comunicação, documentação, pessoal, finanças etc.). Em bibliotecas este tipo de configuração seria encontrada nas organizações nucleadas em divisões, tais como: seleção e aquisição de documentos, análise documental, referência e divulgação, circulação, computação etc.

Departamentalização por territórios

Quando é necessária a divisão geográfica da própria or- ganização (em diferentes estados, em diferentes cidades, em diferentes bairros etc.). Pode ocorrer esta configuração com as redes de bibliotecas ou sistemas dispersos terri- torialmente.

Departamentalização por produtos

Quando as empresas fabricam e oferecem muitos pro- dutos necessitando diferentes departamentos para cada um deles. Em bibliotecas seriam: seção de livros, periódi- cos, levantamentos documentais, relatórios de pesquisas, audiovisuais, pesquisas on-line etc.

Departamentalização por processos

Seria a divisão do processo contínuo de trabalho em vá- rias fases, de cada uma das quais se encarregando um de- partamento. Em bibliotecas seriam os setores de: gerência de coleções, processamento técnico, referência e circula- ção, busca bibliográfica etc.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

35

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Departamentalização por clientes

É o caso das empresas que estabelecem a sua organização em função dos diferentes grupos de clientes. Nas biblio- tecas, principalmente as públicas, seriam as seções infan- to-juvenis, estudantis, público em geral, deficientes visuais (braile e livro sonoro) etc., onde segmentar a clientela po- de representar maior qualidade no atendimento.

Na prática, a maior parte das organizações, utilizam uma departamentalização combina- da, ou mista aproveitando total ou parcialmente as formas de organização mencionadas acima. Para a escolha da configuração mais adequada Stewart (1980, p. 52) aponta alguns critérios de- terminantes:

- Necessidade de conhecimento especializado para o exercício das atividades ali agru- padas;

- Facilidade na coordenação das atividades. É bom lembrar que o agrupamento por

funções pode isolar os profissionais, dificultando a necessária interação entre eles;

- Custos: observar a eficiência no alcance dos objetivos do grupo, o que inclui, o menor dispêndio de recursos;

- Minimizar conflitos: observar a harmonia das equipes nas diferentes configurações propostas.

Acrescentaríamos a este elenco de critérios as facilidades relativas à informatização dos se- tores, pois as máquinas são um imperativo nas bibliotecas e as possibilidades de comunicação ver- tical e horizontal que o modelo propicia, de modo a facilitar a gerência participativa. A próxima seção esclarece em detalhes as diferentes possibilidades de configuração e de organização do trabalho nas bibliotecas.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

36

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

5. Ano: 2016 Banca: IF-RS Órgão: IF-RS Prova: Bibliotecário/Documentalista Os gráficos de organização podem ser utilizados em biblioteca de forma a ajudar o gestor, sua equipe e até os usuários na visualização dos setores e na organização, bem como no andamento lógico do trabalho da biblioteca. O tipo de gráfico que tenta representar, de forma dinâ- mica e analítica, a sequência lógica das fases e etapas de um determinado trabalho de- senvolvido na biblioteca é o:

a) Funcionograma.

b) Organograma.

c) Gráfico de símbolos.

d) Fluxograma.

e) Gráfico organizacional.

COMENTÁRIO: Conforme vimos na teoria, o gráfico que representa sequência de fases e etapas é o Fluxograma. Resposta: Letra D.

6. Ano: 2016 Banca: IF-PE Órgão: IF-PE Prova: Bibliotecário Documentarista A representa- ção dinâmica e analítica, e a sequência lógica das fases etapas ou passos de um traba- lho desenvolvido dentro de organização por meio de gráficos e determinada simbologia é declarada como

a) organograma.

b) funcionograma.

c) cronograma.

d) fluxograma.

e) organograma funcional.

COMENTÁRIO: Mais uma questão do mesmo ano (2016) que trata do gráfico de sequência de fases e etapas, que é o Fluxograma. Resposta: Letra D.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

37

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

7. Ano: 2014 Banca: FEPESE texto abaixo:

Órgão: MPE-SC Prova: Analista Biblioteconomia Analise o

O

gãos adotantes, tendo como finalidade principal o detalhamento das atividades/tarefas que com- põem uma função, da qual se originou um órgão no

é um gráfico de organização, de uso restrito aos respectivos ór-

Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas do texto.

a)

layout • organograma

b)

layout • funcionograma

c) funcionograma • organograma

d)

organograma • funcionograma

e)

gráfico de processamento • organograma

COMENTÁRIO: O gráfico que detalha as atividades e tarefas de uma função é o Funcionograma, que é originário do Organograma. Resposta: Letra C.

8. Ano: 2016 Banca: FCC Órgão: AL-MS Prova: Biblioteconomista. Considere o organogra- ma abaixo.

Prova: Biblioteconomista. Considere o organogra- ma abaixo. Uma das vantagens do tipo de estrutura organizacional

Uma das vantagens do tipo de estrutura organizacional representada é a de

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

38

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

a) integrar órgãos e atividades relacionadas.

b) favorecer a centralização nas decisões.

c) garantir uma autoridade única.

d) ser indicada para utilização em pequenas organizações.

e) possibilitar maior ponderação nos processos decisórios.

COMENTÁRIO: Esse tipo de relação em organogramas é aquele que integra órgãos e atividades relacionadas. Resposta: Letra A.

9. Ano: 2015 Banca: FCC Órgão: TRT - 3ª Região (MG) Prova: Analista Judiciário - Bibliote- conomia Analise os dois agrupamentos abaixo, relacionando, respectivamente, a concei- tos correntemente utilizados em administração e suas definições:

I. Organização formal.

II. Organização informal.

III. Cultura organizacional.

IV. Clima organizacional.

1. formação de grupos espontâneos de pessoas que têm afinidades ou interesses ou conhecimen-

tos comuns.

2. conjunto de hábitos, valores e crenças adotados pela organização.

3. sentimentos manifestos pelas pessoas numa organização.

4. normas, regulamentos, procedimentos, organogramas etc.

A correlação correta entre os dois grupos é:

a) I-3, II-2, III-1, IV-4

b) I-1, II-3, III-4, IV-2

c) I-2, II-4, III-3, IV-1

d) I-4, II-1, III-2, IV-3

e) I-1, II-2, III-3, IV-4

COMENTÁRIO: A organização formal é o conjunto de normas, regulamentos, pro- cedimentos, organogramas. A organi- zação informal é formação de grupos espontâneos de pessoas que têm afini- dades ou interesses ou conheci-mentos comuns. Cultura organizacional é con- junto de hábitos, valores e crenças ado- tados pela organização. Clima organiza- cional são os sentimentos mani-festos pelas pessoas numa organização. Res- posta: Letra D.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

39

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

A ORGANIZAÇÃO INFORMAL

1272774

É pautada pela espontaneidade. A Organização Informal está ligada a questões de ordem

social, ideias e costumes que os membros da empresa levam consigo e compartilham no ambiente de trabalho. A Organização Informal engloba as relações pessoais pautadas pela afinidade, o coo- perativismo espontâneo e as relações pautadas pelo status. Por ser um tipo de organização cons-

truída de maneira espontânea, a Organização Informal possui algumas características que a dife- rem da Organização Formal. Eis aqui alguns exemplos:

A Organização Informal é construída pelos colaboradores

Esta organização ultrapassa as fronteiras de departamentos e pode acontecer entre cola- boradores de áreas distintas

Muitas vezes, este tipo de organização acontece com base na empatia e simpatia que os colaboradores despertam entre si.

Aqui, os grupos definem os comportamentos que são positivos, assim como as atitudes que são saudáveis e benéficas para o grupo

A organização informal designa o conjunto de relações ou interações que surgem esponta-

neamente entre os seus membros e que não são previstas ou formalizadas pela organização for- mal. Alguns exemplos são os grupos das cartas, da caça ou da pesca ou ainda o grupo que normal- mente almoça junto e cujos membros se relacionam entre si informalmente qualquer que seja a sua posição hierárquica no interior da organização.

MISSÃO, VISÃO E VALORES.

Como distinguir missão, visão, valores e fatores críticos de sucesso? A missão sempre esta-

porém, apresenta um posicionamento formal, e não

estratégico (VISÃO), da realidade da organização. A missão aparece nos regimentos, regulamentos e documentos gerenciais. A missão é um instrumento formal que caracteriza a atividade organiza- cional para fins fiscais, tributários, trabalhistas, etc. A visão também pode apresentar um verbo no infinitivo, mas logo apresentará metas e objetivos implicados na oração. É a materialização da es-

rá com um verbo no infinitivo: ATENDER

tratégia e posicionamento no mercado. Dificilmente, uma organização com alta competitividade irá expressar abertamente sua estratégia de negócio na missão. Ela vai fazer isso na sua visão do

A visão estratégica é o rumo que

negócio. É aquela máxima, “não entregar o ouro de primeira”

se deve tomar para crescer e se diferenciar em valor ao cliente. “O céu é o limite” neste caso. Ima- gine a visão de negócio da Garoto e da Kopenhagen? As duas podem apresentar missões muito

parecidas relacionadas a produtos alimentícios, porém a visão de mercado das duas são comple- tamente diferentes:

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

40

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Garoto é uma commoditie; Kopenhagen é um presente.

Os valores estão materializados em adjetivos e locuções adjetivadas: COERÊNCIA, VERDADE, UNIÃO, FRATERNIDADE, etc. Os fatores críticos de sucesso são linhas mestras que apresentam ob- jetivos no particípio ou gerúndio: “monitoramento do mercado de informação”, “alinhamento de informações externas e internas”, etc. Muito semelhante às locuções que representam as ativida- des de um projeto.

ATENÇÃO: veja a questão a seguir sobre as funções administrativas.

10. (TRF/FCC/2014) O gerente da biblioteca desenvolve cotidianamente atividades como a tomada de decisão, a comunicação com os subordinados, superiores e pares, a obtenção, motivação e desenvolvimento de pessoal. Ao fazer isso, ele está exercendo a função de:

A) Avaliação.

B) Controle.

C) Organização.

D) Planejamento.

E) Direção.

Resposta: alternativa E.

Observe que comando é um sinônimo para direção; quando se têm uma liderança ninguém está desgovernado; descoordenado; ou a ’tropa está sem comando’. Veja que existe uma alta recorrência das questões de situações hipotéticas para distinguir as funções básicas da administração.

---

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

41

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

1.3. AS GRANDES ÁREAS FUNCIONAIS DA BIBLIOTECA.

Funções biblioteconômicas: 1. Formação, desenvolvimento e organização das coleções; 2. Dinamização do uso das coleções; 3. Funções gerenciais (MACIEL; MENDONÇA, 2006).

Nós já estudamos as funções gerenciais anteriormente agora vamos às duas primeiras:

Entenda-se como tomada de decisão o processo de identificação de um problema específi- co e a seleção de uma linha de ação para resolvê-lo ou para aproveitar uma oportunidade. Todo gerente precisa desenvolver a habilidade de tomar decisões e resolver problemas. O termo decisão designa o momento de opção, de escolha, de seleção de uma alternativa. Segue o esquema pro- posto por Ferreira (1977 apud MACIEL; MENDONÇA, 2005), que agrupa as funções biblioteconô- micas em três coerentes blocos:

Formação, desenvolvimento e organização das coleçõesfunções biblioteconô- micas em três coerentes blocos : Dinamização do uso das coleções Funções gerenciais

Dinamização do uso das coleções: Formação, desenvolvimento e organização das coleções Funções gerenciais Funções na fase de formação,

Funções gerenciaisdas coleções Dinamização do uso das coleções Funções na fase de formação, desenvolvimento e

Funções na fase de formação, desenvolvimento e organização de coleções

Constitui a fase em que se desenvolvem as operações relacionadas com a formação, de- senvolvimento e organização das coleções para fins de acesso e utilização. Estas são identificadas normalmente como funções operacionais meio ou serviços meio em bibliotecas, aqueles que ofe- recem a necessária base e suporte informacional para o desenvolvimento dos serviços fim e ao oferecimento de produtos pela biblioteca.

O processo de formação, desenvolvimento e organização de coleções, de um modo geral, deve ser encarado e equacionado como uma atividade de planejamento, onde o reconhecimento da comunidade a ser servida e suas características culturais e informacionais, oferecerá a base necessária e coerente para o estabelecimento de políticas de seleção, para as decisões relativas ao processamento técnico dos documentos e ao seu adequado armazenamento.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

42

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

Processo de formação e desenvolvimento de coleções.

O processo de desenvolvimento de coleções deverá contar com o bibliotecário como coor- denador, figura central do processo, que poderá, com muita valia, ser assessorado por membros da comunidade envolvida. Tomando por base o citado modelo de Evans e também outros modelos teóricos encontrados na literatura especializada (COGSWELL; EDELMAN; RYLAND apud VERGUEI- RO, 1993), optamos por identificar as seguintes funções subjacentes ao processo de formação e desenvolvimento de coleções:

Planejamento e elaboração de políticas;ao processo de formação e desenvolvimento de coleções : Seleção; Aquisição; Avaliação de coleções;

Seleção;de coleções : Planejamento e elaboração de políticas; Aquisição; Avaliação de coleções; Desbastamento e

Aquisição;: Planejamento e elaboração de políticas; Seleção; Avaliação de coleções; Desbastamento e descarte de

Avaliação de coleções;e elaboração de políticas; Seleção; Aquisição; Desbastamento e descarte de coleções. Planejamento e

Desbastamento e descarte de coleções.Seleção; Aquisição; Avaliação de coleções; Planejamento e elaboração de políticas. Perpassando pelo

Planejamento e elaboração de políticas.

Perpassando pelo estudo da comunidade de usuários, deverá ser elaborado um diagnóstico apresentando um perfil dos usuários, ou seja, suas principais características, seus desejos e neces- sidades informacionais, seus hábitos de leitura e frequência à biblioteca e tudo o mais que for con- veniente ao sistema conhecer. De posse do diagnóstico, a segunda fase do planejamento será a determinação das políticas que nortearão todo o processo de formação e desenvolvimento de co- leções. O produto final desta função será um documento administrativo, oficializado junto à cú- pula da instituição, denominado “Políticas para formação e desenvolvimento do acervo da Biblio- teca X.”

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

43

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

POLÍTICA DO ACERVO

e Organização de Bibliotecas. 1272774 POLÍTICA DO ACERVO TOMADAS DE DECISÃO NO DOCUMENTO (POLÍTICAS DE ACERVO):

TOMADAS DE DECISÃO NO DOCUMENTO (POLÍTICAS DE ACERVO):

Cabe ao bibliotecário (direção da biblioteca).

• INDICAÇÃO do responsável pelo processo de seleção;

• INDICAÇÃO do tipo de material que irá compor o acervo;

• DEFINIÇÃO dos assuntos que farão parte da coleção;

• ESTABELECIMENTO de critérios e prioridades de todo o processo;

• ESTABELECIMENTO de diretrizes para avaliação de coleções;

• INDICAÇÃO do número de exemplares por título para uso corrente;

• ESTABELECIMENTO de diretrizes para preservação e conservação;

• INDICAÇÃO de alternativas para obtenção de recursos;

• INDICAÇÃO de prazos para revisão das políticas adotadas.

A FUNÇÃO SELEÇÃO

para revisão das políticas adotadas. A FUNÇÃO SELEÇÃO A função seleção implementa o que está formalizado

A função seleção implementa o que está formalizado na política do acervo. É uma das fun- ções responsáveis pela formação e desenvolvimento das coleções que irão compor o acervo: quan- to à forma periódicos, livros, etc.; como o conteúdo assuntos de interesse, nível de cobertura, etc.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

44

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

TOMADAS DE DECISÃO no processo de seleção:

Cabe ao bibliotecário (dono do processo de seleção).

• ESCOLHA dos instrumentos (auxiliares) adequados para seleção;

• ESTABELECIMENTO de prioridades para aquisição das coleções;

• ESCOLHA de critérios para cobertura de assuntos e níveis de assuntos;

• PRIORIDADES em relação ao idioma e atualização do material;

• INDICAÇÃO do número de exemplares necessários (quantitativas);

• INCORPORAÇÃO de documentos doados.

REQUISITOS indispensáveis ao processo de SELEÇÃO:

Cabe ao bibliotecário (dono do processo de seleção).

• AMBIÊNCIA EXTERNA de fatores culturais, sociais, econômicos, etc.;

• REFLEXÃO sobre o processo de produção do conhecimento na área;

• ACUMULAÇÃO ou SUBSTITUIÇÃO?

• HÁBITO de leitura do profissional bibliotecário;

• ESTABELECIMENTO de uma rotina, fluxo de trabalho e agilidade;

Cabe ao Técnico de Biblioteca e Arquivo auxiliar no(a):

• MANUTENÇÃO de catálogos (instrumentos auxiliares);

• MANUTENÇÃO e ATUALIZAÇÃO do “fichário de sugestões” dos usuários;

• ACOMPANHAMENTO do movimento editorial das áreas da biblioteca;

• LAYOUT agradável para o setor (mobiliário e equipamentos);

• CONTROLE estatístico das atividades para planejamento e avaliação.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

45

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

AQUISIÇÃO

e Organização de Bibliotecas. 1272774 AQUISIÇÃO Considerada como o processo que implementa as decisões da

Considerada como o processo que implementa as decisões da seleção, a função de aquisi- ção inclui todas as atividades inerentes aos processos de compra, doação e permuta de documen- tos. O controle patrimonial do acervo o registro das coleções também é de sua alçada.

TOMADAS DE DECISÃO no processo de aquisição:

Cabe ao Técnico de Biblioteca e Arquivo auxiliar no(a):

• APLICAÇÃO e DISTRIBUIÇÃO equitativa de recursos financeiros;

• ESCOLHA de fornecedores: livrarias, editoras, agências, etc.;

• DECISÃO sobre o processo de aquisição (direto e indireto);

• DECISÃO sobre suas modalidades, convite, licitação, etc.;

• ALTERAÇÃO de critérios de distribuição face às mudanças de demandas;

• ADOÇÃO de recursos para o controle da aquisição em diversa captação;

• IMPLANTAÇÃO do serviço de permuta e recebimento de doações;

• ADOÇÃO de critérios para o registro das coleções;

• PARTICIPAÇÃO em planos ou programas de aquisição cooperativa;

• ADOÇÃO de programas para o controle automatizado dos processos.

REQUISITOS indispensáveis no processo de aquisição:

Cabe ao Técnico de Biblioteca e Arquivo realizar:

• RECEBIMENTO de recursos financeiros compatíveis com a demanda;

• ACOMPANHAMENTO, SUPERVISÃO e AVALIAÇÃO constante;

• ORGANIZAÇÃO de documentos com registros administrativos;

• ACOMPANHAMENTO direito do trâmite dos processos;

• CONHECIMENTO e ACESSO a todas as fontes de investimento;

• ORGANIZAÇÃO e MANUTENÇÃO de cadastros;

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito

46

140

Janaina Costa

Prof.ª JANAÍNA COSTA.

Aula 15

Aula 15 Administração e Organização de Bibliotecas.

1272774

• MANUTENÇÃO dos programas e outros recursos;

• ORGANIZAÇÃO de banco de dados das falhas na coleção;

• CRIAÇÃO de um layout agradável para a equipe;

• ESTABELECIMENTO de fluxos de trabalho;

• PROMOÇÃO e MANUTENÇÃO do controle.

AVALIAÇÃO

• PROMOÇÃO e MANUTENÇÃO do controle. AVALIAÇÃO É uma avaliação qualitativa e, para que aconteça, é

É uma avaliação qualitativa e, para que aconteça, é necessário o estabelecimento de crité- rios que expressem aquilo que realmente se pretende avaliar. Existem metodologias diferentes para se proceder à avaliação de coleções destacando-se:

Quantitativas baseadas em dados estatísticos, principalmente sobre: tamanho da co- leção, assunto, idade, clientela etc.

Qualitativas preocupadas com o conteúdo do acervo. Podem ser realizadas através do julgamento de especialistas, através de comparação com bibliografias publicadas ou mesmo elaboradas pelo uso real da coleção.

Neste aspecto, o técnico de biblioteca e arquivo auxilia no inventário do acervo.

DESBASTAMENTO

e arquivo auxilia no inventário do acervo. DESBASTAMENTO O QUE É DESBASTAMENTO: Depreende-se então que existe

O QUE É DESBASTAMENTO: Depreende-se então que existe uma diferença entre desbasta- mento e descarte. O desbastamento consiste na retirada de documentos pouco utilizados pelos usuários, de uma coleção de uso frequente para outros locais os depósitos especialmente criados para abrigar este material de consultas eventuais Já o descarte, consiste na retirada definitiva do material do acervo da biblioteca, com a correspondente baixa nos arquivos de registro da mesma.

Biblioteconomia p/ Senado Federal (Analista Legislativo - Biblioteconomia) - 2019

ANALISTA LEGISLATIVO - BIBLIOTECONOMIA

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br

00287239373 - Marcia Brito