Você está na página 1de 34

1

HISTÓRIA DA IGREJA ANTIGA

I – Introdução
1. Objeto e método
II - Condições sociopolíticas e religiosas do povo judeu
1. O judaísmo do segundo Templo
1.1. A religiosidade judaica
2. Início do movimento cristão
III – A Igreja apostólica
1. A Igreja da Palestina
2. A Igreja no Império
3. Paulo de Tarso
4. Caracterização da ação evangelizadora de Paulo de Tarso
5. O apóstolo Pedro
5.1 A primazia de Pedro
5.2 A lenta aceitação da primazia romana
IV – O Império romano e a Igreja
1. O espaço geográfico e político das comunidades cristãs
2. Mensagem cristã e processos de conversão
3. Hostilidade do Império à Igreja
4. As perseguições
4.1. O testemunho dos mártires
V – Organização da Igreja nos séc. II – V
1. Caracterização do cristianismo do século II
2. Bispos
3. Presbíteros
4. Diáconos e outros ministérios
5. Organização regional da Igreja (séc. IV e V) – províncias e patriarcados
VI - Controvérsias doutrinais e a elaboração do credo cristão
1. Arianismo
2. Nestorianismo
3. Monofisismo
4. Significado do concílio de Calcedónia
VII - A Igreja com, e após Constantino
1. De perseguida a "obrigatória"
2. A configuração dum cristianismo como "religião" de Estado
2.1 Ambiguidades subsequentes
2.2 Enquadramento do imperador Constantino e posterior poder político
VIII – O quotidiano da vida cristã nos primeiros séculos
IX – O fenómeno do monaquismo
X - Desintegração do Império do ocidente:
início da medievalidade
_______________
Lisboa, 2019- 2020
(David Sampaio Barbosa)
2

HISTÓRIA DA IGREJA ANTIGA


(bibliografia sumária)

AA.VV., La mujer en los orígenes del cristianismo. Bilbao: Desclée de Brouwer,


2005.
AGUIRRE, R., Ensayo sobre los orígenes del cristianismo. Estella: Verbo Divino,
2001.
IDEM, – Del movimiento de Jesús a la Iglesia cristiana.
Estella: Verbo Divino, 2009.
AGUIRRE, Rafael (ed.), Así empezó el cristianismo. Estella: Verbo Divino, 2010.
IDEM, La memoria de Jesús y los cristianismos de los orígenes.
Estella: Verbo Divino, 2015.
AGUIRRE, R.; BERNABÉ, C. ; GIL, Carlos, Qué se sabe de … Jesús de Nazaret.
Estella: Editorial Verbo Divino, 2009.
ALLEGUE, Jaime V. (Coord.), Para comprender los manuscritos del mar muerto.
Estella: Verbo Divino, 2004.
IDEM, Qué se sabe de…Los manuscritos del Mar Muerto, Estella: Verbo Divino,
2014.
ALFOELDY, Géza, Historia social de Roma. Madrid: Alianza Editorial, 1987.
ARBIOL, Carlos Gil, Pablo en el naciente cristianismo. Estella: Verbo Divino, 2015.
IDEM, “La fe de Jesús en el judaísmo de su tiempo”, in Reseña Bíblica, (Estella -
Navarra, España), nº 98 (2018/II), 5-51.
AZEVEDO, Carlos A. Moreira, Moinho da Memória – História, Religião e política,
Lisboa: Paulus, 2019.
BARDY, Gustave, La conversión al cristianismo durante los primeros siglos.
Madrid: Ediciones Encuentro, 1990.
BIHLMEYER, K. - TUCHLE, H., História da Igreja. 3 vol. S. Paulo: Edições
Paulinas, l964/65.
BROWN, Peter, A ascensão do cristianismo no Ocidente. Lisboa: Presença, 1999.
BUENO, D.R., Padres Apostólicos. Madrid: BAC, l985.
CARMEN BERNABÉ / CARLOS GIL (Edit.), Reimagindo los orígenes del
cristianismo. Estella: Verbo Divino, 2008.
CLEMENTE ROMANO, Carta aos Coríntios. Lisboa: Alcalá, 2001.
COLOMBÁS, García M., El monacato primitivo. Madrid: BAC, 2ª Ed. 2004.
COMBY, J., Para ler a história da Igreja. 3 vol. Porto: Perpétuo Socorro, l988.
CROSSAN, John Dominic, O Jesus Histórico. A vida de um camponês judeu do
mediterrâneo. Rio de Janeiro: Imago, 1994.
IDEM , El nacimiento del cristianismo. Santander: Salterrae, 2002.
CROSSAN, J. D. / REED, J.L., En busca de Pablo. El imperio de Roma y el Reino
de Dios frente en una nueva visión de las palabras
y el mundo del apóstol de Jesús. Estella: Verbo
Divino, 2006.
3

DONNELLY, Doris (ed.), Jesús - Un coloquio en Tierra Santa. Estella: Verbo


Divino, 2004.
DUNN, James D. G., El cristianismo en sus comienzos. Jesús recordado, I. Estella:
Ed. Verbo Divino, 2009.
IDEM, El cristianismo en sus comienzos. Comenzando desde Jerusalén, Tom. II/
Volume 2. Estella: Ed. Verbo Divino, 2012.
ECHEGARAY, Joaquín Gonzalez, Los Herodes. Una dinastía real de los tiempos
de Jesús. Estella: Verbo Divino, 2007.
IDEM, Los Hechos de los Apóstoles y el mundo romano, 2ª ed.
Estella: Verbo Divino, 2010.
ESTRADA, J. Antonio, Para comprender como surgió la Iglesia.
Estella: Editorial Verbo Divino, 1999.
EUSEBIO DE CESAREA, Historia Eclesiástica, 2 tom. Barcelona: Edit. Clie, 1988-
89.
FUEYO, Francisco Ramirez (Coord.), Pablo en la cultura. In Reseña Biblica, 64
(2010), 23- 35.
GNILKA, Joachin, Jesus de Nazaré. Lisboa: Edit. Presença, 1999.
GOMEZ, Jesús Alvarez, História de la vida religiosa. Desde los origenes hasta la
reforma cluniacense. Madrid: Instituto Teológico de Vida Religiosa, 1987.
HAMMAN, A., A vida quotidiana dos primeiros cristãos (95-117).
Lisboa: Livros do Brasil, s/d.
IDEM, El martirio en la antiguedad cristiana. Bilbao: Desclée, 1998.
IBAÑEZ, José Alberto Hernández, Patrología didáctica. Estella: Verbo Divino, 2018.
JEDIN, H., Manual de história de la Iglesia. I-II vol.
Barcelona: Herder, l966-l980.
JOSEFO, Flávio, A guerra dos judeus. História da guerra entre judeus e romanos.
Lisboa: Edições Sílabo, 2007.
KELLY, J.N.D., Primitivos credos cristianos.
Salamanca: Ed. Secretariado Trinitario, l980.
KIRSCHBAUM, E., Esplorazioni sotto la confessione de S. Pietro in Vati-
cano, eseguite negli anni l940-l949. 2 vol.
Roma-Vaticano, l952.
LAMELAS, Isidro, Padres da Igreja e pais do monaquismo: na génese da vida
religiosa e da identidade europeia, in José Eduardo FRANCO – Luís
Machado de ABREU (coord.), Para a história das ordens e congregações
religiosas em Portugal, na Europa e no mundo, vol. I, Lisboa: Paulinas,
2014, p. 243-263.
IDEM, As origens do Cristianismo. Lisboa: Paulus, 2016.
LÉMONON, Jean-Pierre, Los judeocristianos: testigos olvidados. Estella: Verbo
Divino, 2007.
LOURENÇO, J. D., O mundo judaico em que Jesus viveu. Lisboa: Universidade
Católica Editora, 2005.
MANZANARES, C.V., El judeo-cristianismo palestino en el siglo I.
Madrid: Ed. Trotta, l995.
MARTIN, T. H., Textos cristianos primitivos. Salamanca: Sigueme, l991.
MEEKS, W.A., Los primeros cristianos urbanos.
Salamanca: Sigueme, l988.
4

MEIER, John P., Un judio marginal. Nueva visión de Jesús histórico.


Tomo I: Las raíces del problema y de la persona.
Estella: Verbo Divino, 1998.
Tomo III: Compañeros y competidores.
Estella: Verbo Divino, 2003.
MOXNES, Halvor, Poner a Jesús en su lugar. Una visión radical del grupo familiar
y el Reino de Dios. Estella: Verbo Divino, 2005.
OPORTO, Santiago Guijarro, Jesús y el comienzo de los evangelios. Estella: Verbo
Divino, 2006.
ORÓSIO, História apologética. O livro 7 das Histórias contra os pagãos e outros
excertos (Ed. de Paulo Farhouse Alberto e de Rodrigo Furtado). Lisboa:
Colibri, 2000.
PADRES DO DESERTO - Palavras do Silêncio. Seleção e Tradução de Isidro LAMELAS. Lisboa:
UCP, 2019.
PAGOLA, José António, Bibliografia básica comentada sobre el Jesús histórico. In
Concilium, 326 (Junho 2008), 481-483.
PAUL, André, Qumrán y los esenios. El estallido de un dogma. Estella: Ed. Verbo
Divino, 2009.
PENNA, R., Ambiente historico-cultural de los orígenes del cristianismo. Bilbao:
Desclée, l994.
PESCH, Rudolf, La primauté dans l’Église. Paris : Cerf, 2002.
PIÑERO, António, Gnosis, cristianismo primitivo y Manuscritos del Mar Muerto,
Madrid: Editorial Tritemio, 2017.
IDEM, Biblia y helenismo. El pensamiento griego y la formación del cristianismo,
Barcelona, Herder, 2017
IDEM, Aproximación al Jesús Histórico". Madrid: Trotta, 2019.
RIUS- CAMPS, J., De Jerusalen a Antioquia. Genesis de la Iglesia
cristiana. Cordoba: Almendro, l989.
RIVAS, Fernando, Qué se sabe de… La vida cotidiana de los primeiros cristianos.
Estella: Verbo Divino, 2011.
ROGIER, AUBERT, KNOWLES, Nova história da Igreja. 5 vol.
Petrópolis: Ed. Vozes, l966/76.
SANDERS, E.P., A verdadeira história de Jesus. Lisboa: Editorial Notícias, 2004.
SANGRADOR, J.J.F., Los orígenes de la comunidad cristiana de Ale-
jandria. Salamanca: Ed. Pont. de Salam., l994.
SCHATZ, Klaus, El primado romano. Su historia desde los orígenes
hasta nuestros dias. Santander: Sal Terrae, l996.
IDEM, Los concilios ecuménicos. Encrucijadas en la historia
de la Iglesia. Madrid: Editorial Trotta, 1999.
SCHENKE, Ludger, La comunidad primitiva. Salamanca: Sigueme, 2000.
SCHILLEBEECKX, E., Por uma Igreja mais humana.
São Paulo: Ed. Paulinas, l989.
SCHUERER, E., Historia del pueblo judio en tiempos de Jesús (l75 a. -l35 d.c.). 2
vol. Madrid: Cristiandad, l985.
SESBOUE, B. – WOLINSKI, J., O Deus da Salvação, I. 2ª Ed., São Paulo: Edições
Loyola, 2005.
SICRE, Jose Luis, El cuadrante. Parte II. La Apuesta. El mundo de Jesús.
Estella: Verbo Divino, l997.
STEGEMANN, E.W./ STEGEMANN, W., Historia social del cristianismo primitivo.
Estella: Verbo Divino, 2001.
5

TANNER, Norman, “Repensar la ortodoxia en Nicea-Constantinopla y Calcedonia”.


In Revista CONCILIUM, 355 (abril 2014) 191-200.
TAYLOR, Justin, De dónde viene el cristianismo? Estella: Verbo Divino, 2003.
TEJA, R., El cristianismo primitivo en la sociedad romana.
Madrid: Ediciones Istmo, l990.
IDEM, La "trajedia" de Efeso (43l): herejia y poder en la anti-
guedad tardia. Santander: Publicaciones de la Universidad de Cantabria,
l995.
THEISSEN, Gerd; MERTZ, Annette, El Jesús histórico. Salamanca: Ed. Sigueme,
1999.
TILLARD, Jean-Marie-René, El obispo de Roma. Santander : Sal Terrae, 1986.
TRAGÁN, Pius-Ramón (ed.), Los evangelios apócrifos – Origen – Carácter - Valor.
Estella: Verbo Divino, 2008.
VERMES, Geza, Manuscritos do Mar Morto. Lisboa: Ésquilo, 2006.
VOUGA, François, Los primeros pasos del cristianismo. Estella: Verbo Divino,
2001.
WARREN, Carter, El império romano y el Nuevo Testamento. Estella: Verbo Divino,
2011.
WHITE, L. Michael, De Jesús al cristianismo. El Nuevo Testamento y la fe
cristiana: un proceso de cuatro generaciones. Estella: Verbo Divino,
2007.
WILLIAMS, Rowan, Arrio. Salamanca: Ediciones Sígueme, 2010.
__________________

Lisboa, 2019/2020
(David Sampaio Barbosa)
6

OBJECTO E MÉTODO1

I - A forma e a "essência" da Igreja não pode descrever-se nem entender-se sem


um conhecimento da sua história2
1. O estudo crítico sobre o passado ajuda a compreender o presente
2. Modestamente, à base das fontes, perguntaremos o que foi a comunidade cristã
primitiva
II - O cristianismo tem a sua origem na pregação e vida de Jesus de Nazaré 3
1. Os relatos sinópticos apresentam, em clave de fé, textos que testemunham o
projeto de Jesus
2. Alguns textos antigos, produzidos fora do ambiente cristão, referem-nos a
existência histórica de Jesus
III - Com as fontes que possuímos, não nos é possível reconstituir, até ao
pormenor, toda a vida de Jesus de Nazaré
1. De todos os modos, é-nos possível ter uma ideia bastante ampla do seu projeto
e da sua mensagem
2. Situá-lo socialmente e
3. Enquadrá-lo no judaísmo do seu tempo4
IV - A história da Igreja é, pelo seu método, uma ciência histórica
1. Utiliza o mesmo método da história geral
2. Serve-se das várias fontes
3. Propõe somente aquilo que tem suporte documental
4. Averigua da autenticidade e da veracidade das fontes
5. Não se compromete com uma história "objectiva"; bate-se pela imparcialidade
5.1 A verdade histórica e a fé não se opõem necessariamente…

1
AGUIRRE, Rafael (ed.), Así empezó el cristianismo. Estella: Verbo Divino, 2010,
pp. 11-48; JEDIN, H., Chiesa della fede... p. 51-65;VALLIN, Pierre, La naturaleza de la Iglesia
exige dogmas unificados y claros? In CONCILIUM, 271 (1997), 141-150.
2
WEILER, A., La historia eclesiástica como auto-compreensión de la Iglesia, in CONCILIUM, 67
(Julio-Agosto 1971), 5-12; FRIJHOFF, Willem, La historia de la Iglesia sin Dios o sin fe? In
CONCILIUM, 315 (Abril 2006), 75-86.
3
AGUIRRE, R.; BERNABÉ, C. ; GIL, Carlos, Qué se sabe de … Jesús de Nazaret.
Estella: Editorial Verbo Divino, 2009, p. 19-33.
4
OPORTO, Santiago Guijarro, Jesús y el comienzo de los evangelios. Estella: Verbo Divino, 2006, p.
19-35; WHITE, L. Michael, De Jesús al cristianismo. El Nuevo Testamento y la fe
cristiana: un proceso de cuatro generaciones. Estella: Verbo Divino, 2007, p. 125ss.
7

PALESTINA E JUDAÍSMO (séc. I)5


- romanização politica, social e reflexos religiosos

I – O judaísmo do segundo Templo


1. Caraterização6
II - Após a guerra fratricida entre Hircano e Aristóbolo (67-63 a.C.), com a
intervenção de Pompeu7, dá-se a romanização da Palestina
1. Roma tomou medidas, específicas dum ocupante, que desgostaram
profundamente a sensibilidade judaica
2. O reinado de Herodes (37 a. c. – 4 a. c) pautou-se por um domínio e por respeito
por algumas instituições específicas judaicas8
3. Os sucessores de Herodes, incapazes de gerirem uma situação político-religiosa
conflituosa, propiciaram uma presença romana mais centralizadora9
III - Uma parte da população de Israel encontrava-se em situação de diáspora por
todo o Império romano10 - a oriente e a ocidente
1. Razões demográficas, políticas e económicas determinaram a dispersão de
Israel
2. A relação desses grupos emigrados com a Palestina, com ligeiras variantes, foi
uma constante
3. A especificidade étnico-religiosa levou o poder político local a conceder à
população judaica emigrante alguns privilégios sociais
4. As comunidades da diáspora foram de quando em vez hostilizadas pela
população local e administrações regionais
5. As comunidades da diáspora praticaram solidariedade
e exerceram controlo sobre a vida dos seus membros
6. Como a população da Palestina, encontravam na Tora o princípio regulador da
sua vida privada, social e religiosa
6.1 Não se admitia, regra geral, dicotomia entre vida a religiosa e vida aculturado
IV - Após a destruição do segundo Templo (70 d.C.), o proselitismo perde vigor
e as relações com o mundo envolvente serão seriamente repensadas

5
O judaísmo do tempo de Jesus continua a necessitar duma definição mais esclarecida.
Hoje parece ser legítimo falar de diversos judaísmos quando nos referimos ao século
primeiro: o judaísmo a partir de fora, o judaísmo comum e o judaísmo a partir de
dentro (DUNN, James D. G., El cristianiamo en sus comienzos … Tomo I, pp. 311-
340); SICRE, J.L., El quadrante. El mundo… p. 70.
NUEVO COMENTARIO BIBLICO SAN JERÓNIMO... p. 975-981.
6
MORELL, Olga Ruiz, “El judaísmo del segundo Templo”, in Carlos Gil
ARBIOL(coord..), “La fe de Jesús en el judaísmo de su tiempo”, in Reseña Bíblica,
(Estella - Navarra, España), nº 98 (2018/II), 5-15.
7
JOSEFO, Flávio, A guerra dos judeus. História da … p. 47-50
8
DONNELLY, Doris, Jesús. Un coloquio … p. 15-28; LOURENÇO, J. D., O mundo
judaico… p. 26; WHITE, L. Michael, De Jesús al cristianismo. El Nuevo Testamento
y la fe cristiana… p. 36s..; ROITMAN, Adolfo D., Del Tabernáculo al Templo. Sobre
el espacio sagrado en el judaísmo antiguo. Estella: Verbo Divino, 2016, p. 147-152.
9
LOURENÇO, J. D., O mundo judaico… p. 27
10
Ibid., p. 29
8

A RELIGIOSIDADE JUDAICA (séc.I)11

I - O respeito e os privilégios, que o poder estrangeiro concedeu aos judeus,


garantiram uma ampla administração autónoma, enquadrada na ordem
tradicional de Israel (Tora)

II – A religiosidade era mediada por várias instituições: Templo12, Sinédrio e


Sacerdócio13
1. A estruturação do Templo era da responsabilidade sacerdotal e levítica
2. O sumo-sacerdote era a autoridade máxima da comunidade cúltica de Jerusalém
3. O sinédrio, como autoridade máxima em Jerusalém, não teve sempre o mesmo
poder14
4. O sacerdócio confinava-se, regra geral, ao culto praticado no Templo
III – A religiosidade judaica transmitia-se habitualmente no Templo, na Sinagoga,
na família e noutros ambientes informais
1. Nas instâncias referidas, ensinava-se religião e tradição
2. A leitura da Tora dava coesão ao grupo crente

IV - A liderança do religioso passava por vários grupos religiosos


1. As diferenças entre eles não se podem absolutizar
2. Todos faziam, à sua maneira, uma interpretação da Tora
3. Finalidade, conteúdo e prática da Tora, assim como a relação entre a prática e a
finalidade da história ... serão motivo de discórdia e divisões
4. A religiosidade será polarizada até ao ano 70 d.C. por saduceus, fariseus,
zelotas e essénios15
V - Após o ano 70 d.C. impor-se-á uma liderança rabínica
1. A relação entre essa nova sensibilidade judaica e as comunidades cristãs será de
debate e confronto

11
LOURENÇO, J.D., O mundo judaico… p. 41; WHITE, L. Michael, De Jesús al
cristianismo. El Nuevo Testamento y la fe cristiana: un proceso de cuatro
generaciones. Estella: Verbo Divino, 2007, p. 99s.
NUEVO COMENTARIO BIBLICO SAN JERÓNIMO... p. 988-1019
12
ROITMAN, Adolfo D., Del Tabernáculo al Templo. Sobre el espacio sagrado en el
judaísmo antiguo. Estella: Verbo Divino, 2016, p. 147-152
13
LOURENÇO, J.D., O mundo judaico… p. 44
14
“O grande sinédrio era composto por 71 membros, pertencentes à classe sacerdotal,
aos escribas ou doutores da lei e à aristocracia laica”( ECHEGARAY, Joaquín
Gonzalez, Los Hechos de los Apóstoles y el mundo romano. 2ª ed. Estella: Verbo
Divino, 2ª ed., 2010, p. 105-106).
15
ALLEGUE, Jaime V. (Coord.), Para comprender los manuscritos... p. 35; cf. IDEM,
Qué se sabe de…Los manuscritos del Mar Muerto… 211-217.
PAUL, André, Qumrán y los esenios. El estallido de un dogma. Estella: Ed. Verbo
Divino, 2009.
9

INÍCIO DO MOVIMENTO CRISTÃO16


(cristianismo e judaísmo separam-se)

I - Jesus de Nazaré17 desenvolveu a sua ação em Israel e para os israelitas18


1. A vida e a ação de Jesus enquadram-se razoavelmente na história de Israel
2. Jesus, ao anunciar a proximidade do reino de Deus ligado à sua pessoa, torna-se
Independente das sensibilidades religiosas existentes
3. Nas discussões com os líderes dos grupos religiosos, demarca-se de compreensões
tradicionais
II - O cristianismo primitivo no seu primeiro anúncio quis dar uma resposta às
questões colocadas pela população de Israel
1. Atitudes dos seguidores de Jesus19
2. Não pretendeu abandonar o monoteísmo judaico
3. Dinâmicas posteriores irão determinar a especificidade do novo movimento
4. A destruição do Templo consolidará um referencial diferenciador dos dois
monoteísmos
III - Após a destruição do Templo, o conflito conhecerá outros desenvolvimentos
1. O judaísmo como instituição político-religiosa desaparece praticamente
2. O confronto dá-se a nível grupal e não institucional
3. O enfrentamento decisivo desloca-se da Palestina para o mundo da diáspora
IV - No século segundo, rabinismo e cristianismo representam já uma
Convicção diferenciada sobre a compreensão de Israel
1. O rabinismo vê a salvação no seguimento da Tora; o cristianismo na pessoa de
Jesus Cristo
2. Duma tradição comum, partia-se para duas “religiões”
3. A abertura cristã ao mundo gentílico consolidará, sem dúvida, a separação
4. Os dois movimentos passam a reclamar a herança das tradições de Israel;
O esforço teológico percorrerá caminhos diferentes
5. Reflexões posteriores, mormente com São Justino, consolida-se uma separação20

16
AGUIRRE, Rafael (ed.), Así empezó el cristianismo. Estella: Verbo Divino, 2010;
IDEM, Del movimiento de Jesús... p. 28-35; ARBIOL, Carlos Gil , “La fe de Jesús en el
judaísmo de su tiempo”, in Reseña Bíblica, (Estella - Navarra, España), nº 98
(2018/II), 16-24;ROSA, J.M. da Silva, Cultura clássica e cristianismo nascente. In COMMUNIO, 6
(1998), 506; SICRE, J.L., El quadrante... p. 67;
VAWTER, B., Universalismo en el Nuevo Testamento. In CONCILIUM, 121 (1977), 89-96
17
Quando se fala de Jesus, convém ter presente o seguinte: o Jesus narrado pelos evangelhos, o Jesus
histórico, o Jesus real e o Cristo do dogma (Cf. Rafael, AGUIRRE, La memoria de Jesús y los
cristianismos de los orígenes. Estella: Verbo Divino, 2015, p. 120-123).
18
WHITE, L. Michael, De Jesús al cristianismo. El Nuevo Testamento y la fe
cristiana… p. 21s.
19
ARBIOL, Carlos Gil, “Seguidores de Jesús: el judaísmo del siglo I en crisis”, in
Carlos Gil ARBIOL(coord..), “La fe de Jesús en el judaísmo de su tiempo”, in Reseña
Bíblica, (Estella - Navarra, España), nº 98 (2018/II), 25-33.
20
RIBAS, Fernando, “San Justino en el processo de separación entre judaísmo y cristianismo”, in
Carlos Gil ARBIOL , “La fe de Jesús en el judaísmo de su tiempo”, in Reseña Bíblica,
(Estella - Navarra, España), nº 98 (2018/II), 43-51.
10

A IGREJA DA PALESTINA21 (Jerusalém)

I - A aproximação histórica à primitiva comunidade cristã deve fazer-se através


das fontes: romanas, judaicas e cristãs
1. Dos autores romanos colhe-se a informação que o cristianismo,
maioritariamente judaico, não era popular em Roma
2. As fontes judaicas aproximam-se bastante das referências cristãs
3. Os textos cristãos refletem o significado da pessoa de Jesus como Messias
II – O processo e a morte de Jesus provocou um golpe emocional e espiritual nos
seus primeiros seguidores
1. Após um ocultamente passageiro, produz-se no grupo do cenáculo uma mudança
radical – acredita-se que o “morto” está vivo
2. O grupo inicial mantém-se ligado ao Templo e às tradições judaicas
3. Posteriormente, por razões óbvias, dá-se um enfrentamento com um sinédrio
dividido
Ill - Aquando da morte de Estêvão, fica-se com a sensação que o judaísmo
institucional pretendeu acabar com a comunidade cristã
1. Nesse propósito uniram-se saduceus e fariseus
IV - Dessa primeira hostilização resultará uma expansão missionário considerável
1. O acontecimento significou o êxodo dos helenistas e a permanência dos doze
em Jerusalém; com essa divisória, criaram-se os pressupostos para a configuração
duma comunidade cristã em Jerusalém composta globalmente por judeus
2. A chegada dos cristãos helenistas a Antioquia e o subsequente anúncio à
população nativa propiciará uma nova dinâmica no cristianismo nascente
V - A comunidade cristã de Jerusalém conhecerá um incremento considerável até
à morte de Tiago Maior
1. A política de Herodes Agripa foi, de facto, desfavorável à comunidade cristã
2. A morte inesperada do monarca teve leituras diferentes
VI - A expansão do cristianismo na Ásia Menor, com aderências gentílicas
significativas, colocou sérios problemas à comunidade de Jerusalém
1. Como introduzir práticas judaicas nos crentes provenientes de outras culturas?
2. O "concílio” de Jerusalém contemporizará com as duas sensibilidades
3. O “incidente” de Antioquia ajudará a clarificar ainda mais essa situação
4. A atividade de Tiago Menor marcará sobremaneira a comunidade
de Jerusalém
Vll - A Igreja da Palestina, no seu itinerário histórico, terá influências decisivas na
configuração doutras comunidades cristãs nos anos seguintes
1. Foi sensível à universalidade; em termos sociológicos, foi de uma abertura
exemplar
VIII - Após o século IV, os cristãos judeus, ainda ligados aos costumes judaicos,
serão confrontados com uma crise considerável
1. São afastados dos concílios e
2. Despojados dos lugares de culto em Jerusalém
3. Finalmente, afastados da comunhão eclesial, e hostilizados pelos dois centros
espirituais, ortodoxia e judaísmo, acabam por desaparecer

21
BROX, N., Perfiles del cristianismo en su período más antiguo, in CONCILIUM, 67 (Julio-Agosto
1971), 31-49; KOERTNER, Ulrich, Un fragmento perdido: el judeocristianismo. In CONCILIUM, 271
(1997), 71-80; LÉMONON, Jean-Pierre , Los judeocristianos… p. 5 ss.; MANZANARES, C.V., El
judeo-cristianismo...p. 133-135; 150-161; 340; DUN, James D. G., Castástrofe en Judea. In El
cristianismo en sus comienzos. Comenzando desde Jerusalén… pp. 1229-1254; p. 171.
11

A IGREJA NO IMPÉRIO22
(Paulo de Tarso)

I - A Igreja primitiva encontrou-se desde o primeiro momento da sua expansão


em contacto com um poder político que em matéria religiosa não exigia, nem
impunha um culto único para todo o império
1. Posteriormente veio a impor-se o culto imperial (Augusto)
2. Os cristãos por razões óbvias entraram em conflito com algumas práticas
vigentes no império romano
II - Os primeiros passos para o mundo pagão tinham sido dados pela comunidade
de Jerusalém
1. Tiveram papel preponderante os judeus-cristãos helenistas
2. A evangelização em Antioquia foi um momento decisivo para a evangelização
futura no império; a ação de Paulo de Tarso redundou na libertação da
comunidade cristã do peso da lei judaica
3. Liberta dessas tradições, a nova fé entrou praticamente em todo o império
III - A ação evangelizadora de Paulo teve um impacto grande na Igreja primitiva;
não se livrou, contudo, duma campanha que contestava a sua legitimidade
apostólica
1. O modo como Paulo reagiu, dá-nos do ponto de vista histórico a possibilidade
de avaliar quão importante era para ele ser ou não ser “apóstolo”
IV – Especificidade da missão paulina23
1. Assume um mundo sem fronteiras (universalismo)24
2. Propõe-se, em tese, transformar o império num espaço cristão25
3. Privilegia a cidade26 e respeita o ordenamento social romano27
V - Fatores que favoreceram a difusão do cristianismo28
1. Unidade política do império; prosperidade económica; pluralismo de
pensamento e de religião; facilidade de intercâmbio cultural;
2. O religioso unificador e estruturador de toda a vida humana29

22
AGUIRRE, R., La Iglesia del Nuevo Testamento y preconstantiniana. Madrid: Fundación Santa Maria,
1983; MARROU, H.I., La Iglesia en el marco de la civilización helenística y romana. In CONCILIUM,
67 (1971), 50-64
23
CARMEN BERNABÉ / CARLOS GIL (Edit.), Reimagindo los orígenes del cristianismo.
Estella:Verbo Divino, 2008, p. 283-293; “Paulo não foi certamente o fundador do cristianismo, mas sim
o criador do cristianismo urbano… “ cf. Miguel Salvador GARCIA, “As comunidades paulinas e a sua
influencia na configuração do cristianismo primitivo”, in A Actualidade Biblica, Difusora Biblica, 16
(maio 2008), 39-43.

24
ARBIOL, Carlos Gil, Pablo en el naciente cristianismo. Estella: Verbo Divino,
2015, p. 266
25
Ibidem, p. 262
26
“De hecho el cristianismo, que nace como un movimento eminentemente rural en Palestina, desde muy pronto se va
insertar en las ciudades del Imperio, adaptándose perfectamente a las estruturas cívicas, (…)”(cf. Fernando RIVAS, Qué
se sabe de… La vida cotidiana de los primeiros cristianos. Estella: Verbo Divino, 2011, p. 157).
27
CROSSAN, J. D. / REED, J.L., En busca de Pablo. El imperio de Roma y el Reino de Dios frente en
una nueva visión de las palabras y el mundo del apóstol de Jesús. Estella: Verbo Divino, 2006, p. 136-
157; CARMEN BERNABÉ / CARLOS GIL (Edit.), Reimagindo los orígenes del cristianismo.
Estella:Verbo Divino, 2008, p. 272-282.
28
PADOVESE, L., Introducción a la teologia patristica. Esella: Verbo Divino, p. 246-248
12

INSTITUCIONALIZAÇÃO DA IGREJA30

I - No período pós-apostólico observa-se um pendor de institucionalização dentro


das comunidades cristãs
1. Esse processo observa-se tanto a nível local como na Igreja em geral
2. Os cristãos de uma cidade ou de um determinado lugar estão adstritos a uma
igreja local; a preocupação por uma igreja unida sente-se por toda a parte;
3. A defesa da unidade não evitou, de facto, divisões ou dissidências
4. O cisma e a heresia passam a ser os inimigos temidos da unidade

II - Na época pós-apostólica vários escritos fazem referência a essas tendências


dissidentes...
1. Não se pode, no entanto, falar ainda de divisões explícitas
2. Muitas dessas atitudes questionadoras da unidade resultavam de ambições,
invejas ou outras atitudes pouco cristãs
3. Perante os heréticos, a comunidade cristã toma duas atitudes: evita o contacto e
desenvolve esforços para conseguir a unidade
III - No período pós-apostólico encontramos à frente das principais comunidades
dois grupos de pessoas31
1. Presbíteros ou bispos
2. Diáconos
3. Alguns escritos mencionam apenas bispos e diáconos; Policarpo faz referência
a presbíteros e diáconos; depois do ano 150 o episcopado hierárquico institui -
se por toda a parte
IV - Os padres apostólicos desenvolveram uma teologia do ministério eclesial
1. Cristo deu o mandato aos apóstolos...
2. Os apóstolos constituíram bispos e diáconos (e outros ministérios)
3. Os bispos, por sua vez, conferiram os seus poderes aos seus sucessores
4. Posteriormente, a teologia do ministério episcopal é aperfeiçoada (Inácio de
Antioquia); acentuam-se alguns pontos importantes:
4.1 A necessidade absoluta de união entre o bispo e a comunidade
4.2 A comunidade deve estar ligada ao seu bispo no pensar e no agir

29
“ O religioso não deixava espaço praticamente para o “secular”, o “civil”; era praticamente transversal
a tudo”( FUEYO, Francisco Ramirez (Coord.), Pablo en la cultura. In Reseña Biblica,
64 (2010), 24).
30
Cf. Cartas Pastorais : 1ª e 2ª a Timóteo e carta a Tito (nelas são referidas as funções atribuídas a bispos,
presbíteros e diáconos; essa organização tinha muito a ver se os conversos procediam de judeus
convertidos ou de pagãos; nas igrejas formados na área pagã, temos bispos e diáconos, e não presbíteros;
igrejas formadas na área judaica, os presbíteros são a estrutura dominante); DICCIONARIO
TEOLÓGICO DE LA VIDA CONSAGRADA. Madrid: Publicaciones Claretianas, 1989, p. 1030 e ss.;
PLÍNIO. Epist. 96,7-8; DANIELOU, HONORÉ, POUPARD, Ayer y mañana del catolicismo. Madrid:
Narcea, 1976, p. 32s.
31
WHITE, L. Michael, De Jesús al cristianismo. El Nuevo Testamento y la fe cristiana: un proceso de
cuatro generaciones. Estella: Verbo Divino, 2007, p. 464s.
13

O APOSTOLO PEDRO
- a questão da primazia32

I - Sobre Pedro temos menos informação que sobre o apóstolo Paulo33


1. Os Actos dos Apóstolos falam dele nos primeiros capítulos: (Act 1-12,17)
2. A pregação no dia de Pentecostes (Act 2,14-36)
3. A cura do coxo à entrada do Templo (Act 3, 4-10)
4. A pregação na Samaria e na Judeia (Act 10, 1-48)
5. Depois do ano 42 (ano da sua prisão e libertação) o autor dos Actos não refere
com exatidão o seu campo de evangelização (Act 12, 17)

II - A presença do apóstolo Pedro em Roma, de quando em vez, tem sido


contestada por alguns historiadores de sensibilidade protestante34
1. Essa contestação, após estudos arqueológicos, diminuiu consideravelmente
2. A tradição da presença e do martírio do apóstolo Pedro em Roma foi sempre
muito viva na Igreja católica
3. Há documentação escrita e arqueológica
III – A par da sua ação apostólica e locais da sua presença, tem havido interesse
em saber da sua função no grupo dos apóstolos e na comunidade primitiva
1. O problema é complexo
2. De facto, uma associação de homens, uma comunidade supõe a existência
duma autoridade
3. Pensam alguns que a comunidade primitiva viveu em volta de Jesus e de Pedro
IV - Poderá percecionar-se na prática da Igreja primitiva uma aceitação de
primazia na pessoa do apóstolo Pedro?35
1. A crítica não é unânime no referente a este pormenor…
2. A posição protestante pensa que o discurso da "rocha" é estritamente pessoal e,
portanto, não pode ser transmitido aos seus sucessores
3. A exegese católica insiste sobretudo na mudança do nome de Simão; isso teria
o valor dum chamamento e duma missão especial no plano da salvação
4. Rocha significaria o alicerce sobre o qual se apoiaria o edifício
5. A função de rocha continuaria depois da morte de Simão, através dum
sucessor; a rocha ... essa nunca poderia faltar

32
JEDIN, H., Manual de historia...., I, p. 186-193; RIGAUX, Béda, S. Pedro e a exegese contemporânea.
In CONCILIUM, 7 (1967), p. 126- 153; BENOIT, Pierrre, La primauté de Pierre selon le Nouveau
Testament. In Exégèse et théologie, Paris, 1961, II vol. p. 268-269
33
DUNN, James D. G., Silencio en torno a Pedro. In El cristianismo en sus comienzos. Comenzando
desde Jerusalén, Tom. II / Volume 2. Estella: Ed. VerboDivino, 2012, pp. 1207-1228.
34
IRENEU, Adv. Haereses, 3,3,2 (CF. A. BERARDINO, Caminos de Koinonia... In CONCILIUM, 291
(2001), 53
35
PESCH, Rudolf, La Primauté dans l’Église. Paris: Cerf, 2002
14

PRIMAZIA ROMANA36

I - Não podemos estabelecer com exatidão o momento em que um bispo de Roma


tivesse reclamado formalmente o poder de primazia
1. No século III, dois bispos se opuseram a qualquer tipo de supremacia exterior:
1.1.Cipriano de Cartago 37e Firmiliano de Cesareia38
2. Se havia oposição... é porque alguém a pretendia... Quem?39
II – Um debate sobre a validade do batismo administrado por heréticos opôs o
bispo de Roma, Estêvão I (257-259), ao bispo de Cartago, S. Cipriano
1. No decurso do debate (confronto), a questão da primazia da igreja romana e do
seu bispo foi invocada.
2. À reivindicação de primazia reclamada por Estêvão, responde S. Cipriano com
argumentos de natureza teológica; não pode aceitar uma autoridade exterior à sua
comunidade40
III - A igreja do norte de África, reunida em Concílio em 258 (?), sob a direção de
Cipriano, pensa que cada bispo é (deve ser) livre de atuar na sua diocese... não
pode impor nem receber normas de outras sedes episcopais41
1. O pronunciamento do concílio de Cartago deve ser contextualizado...
2. Não se aceita, de facto, uma primazia romana que, possivelmente, ainda não era
clara e aceite por todas as igrejas
3. Ter-se-á dado, por aqueles anos uma quebra de autoridade quanto à primazia da
sede de Roma e seus bispos?

36
CABRAL, Roque, Repensar o Primado do Papa. In BROTÉRIA, 151, 3 (2001), 231-237; RICCA,
Paolo, El primado a debate. Esperanzas y perspectivas para el tercer milenio. In SELECCIONES DE
TEOLOGIA, 152/ vol 38 (1999), 317-322; MC CUE, J.F., El primado romano en los tres primeros
siglos. In CONCILIUM, 64 (1971), 31-40
37
CIPRIANO DE CARTAGO, Epistulae 69-75 (Corpus Christianorum, Series Latina III/C p. 469-604;
ELEUTÉRIO, João, O baptismo fora da Igreja. Implicações do diálogo entre católicos e ordodoxos.
DIDASKALIA, VOL. XXXVI, FASC. 1 (2006), 102 ss.
38
SCHATZ, Klaus, El primado romano. Su historia desde los orígenes hasta nuestros dias. Santander:
Sal Terrae, l996, p. 38.
39
“Estêvão ameaçara, entretanto, excomungar os que não acatassem sua orientação” (cf. Cipriano, Ep. 74;
Firmiliano, Ep. 75; cf. Isidro LAMELAS, A experiência sinodal na igreja pré-nicena, in DIDASKALIA,
XLV, fasc. 1 (2015) 78, nota 237).
40
No seio do episcopado ou colégio dos bispos, o bispo de Roma tem um lugar proeminente, na medida
em que ocupada a sede de Pedro (…) Isto não confere, porém, à sede romana uma autoridade de tipo
jurídico sobre as demais igrejas e seus respetivos pastores” (Cipriano) (cf. Ibidem, p. 62-63). “Por isso
reprova o papa Estêvão (Cipriano) por retirar de Mt 16,18 justificação para uma autoridade superior que
nem a Escritura nem a tradição lhe garantem, cf. Ep. 71,3,1. Poderíamos resumir o pensamento do bispo
de Cartago nestes termos (Isidro LAMELAS): assim como a cada apóstolo foi confiado a plenitude da
episkopê todos participavam do mesmo poder e honra, permanecendo na unidade da única Igreja fundada
sobre Pedro, e tendo esta como critério primeiro e último, cada bispo participa do mesmo poder e
responsabilidade que Jesus confiou a Pedro. A sucessão apostólica perpetua esse poder e communicatio
(intercomunhão) ao longo dos séculos” (Ibidem, 62, nota 138).
41
Cf. Isidro LAMELAS, A experiência sinodal na igreja pré-nicena, in DIDASKALIA, XLV, fasc. 1
(2015) 76-81.
15

IMPERIO ROMANO42
espaço geográfico e político da Igreja43

I – O império romano conserva as suas fronteiras sem alteração desde o ano 30


a.C. até ao fim do séc. III
1. Compreende a Europa continental (confinando a Leste com o Reno e o Danúbio
e a Oeste com a Inglaterra), a África do Norte, o Médio Oriente e a Ásia Menor
II - Até ao ano 180 o império apresenta-se como uma monarquia moderada,
coexistindo com um poder local quase autónomo
1. Lentamente, a república (aristocrática - senado) vê o poder deslocar-se para a
pessoa do prínceps (o principal), depois imperador (imperador) que acaba por
intitular-se de Augusto (a partir de Octaviano – 29 a. c. a 14 d.C.)
2. A monarquia acaba por impor-se; os seus colaboradores começam a fazer parte
da administração pública, daí a génese da burocracia imperial
3. Por razões várias, essa monarquia não foi hereditária
4. O senado como força intermédia evitou bastas vezes a arbitrariedade
5. Socialmente há uma desigualdade profunda entre a população:
5.1.Escravos sem direitos
5.2. "Livres" sem cidadania
5.3.Cidadãos romanos (nobres e não nobres)
III - A partir de 180 até ao ano 284 foi-se impondo a monarquia militar,
alternando com períodos de anarquia generalizada
1. A insegurança nas fronteiras e a estagnação económica coincidem com
imperadores pouco dinâmicos
2. A situação foi obviada por um meio perigoso - o regime militar
IV - Com Diocleciano (284) termina a anarquia e procede-se a uma reforma
institucional
1. O imperador torna-se um monarca absoluto
2. Os cidadãos passam a ser considerados súbditos
3. Procede-se a uma divisão administrativa e militar
4. Implementa-se a tetrarquia (2 augustos e 2 césares)

42
“ El imperio romano era un imperio aristocrático (…). (…) un imperio agrario (…). (…) era también
un imperio legionario” (WARREN, Carter, El império romano y el Nuevo Testamento. Estella: Verbo
Divino, 2011, pp. 14-15).
43
SHERWIN-WHITE, Adrian, O fundo romano do primitivo cristianismo. In CONCILIUM, (Setembro
1967), p. 7-15; ECHEGARAY, J.G., Los Hechos de los Apóstoles....p. 43 – 58.
16

PROPOSTA CRISTÃ E
PROCESSOS DE CONVERSÃO44

I – A conversão, como hoje a entendemos, teve um impacte muito restrito na


cultura greco- romana
1. Os laços familiares e cívicos eram indissociáveis dos valores tradicionais
daquelas culturas
2. Os indivíduos podiam cultuar em privado todos os deuses que quisessem, desde
que permanecessem fiéis às divindades cultuadas na cidade
3. Não estavam dispensados das cerimónias legalmente obrigatórias: deixar a
religião era igualmente deixar de ser cidadão
II – O mundo greco-romano “grosso modo”, no seu percurso histórico, não se
converteu de forma massificada a uma das religiões orientais, ou qualquer
outro movimento filosófico
1. A conversão lenta ao cristianismo constituiu praticamente uma exceção
2. O fenómeno tem tido as mais variadas explicações
3. Apologistas e homens da patrística acentuam valores que estiveram nalguns
processos de conversão - “ a verdade”, “o amor à verdade”, “à escola de Deus”
(Sto. Agostinho, S. Justino, Taciano, etc.)
4. A mensagem cristã, como proposta de libertação, teria tido também bom
acolhimento por pessoas ou grupos (judeus e romanos)
III – Até ao decreto de liberdade religiosa emanado pelo imperador Constantino,
em 313, persistiu nas comunidades cristãs um pendor muito grande para o
rigorismo (religioso e ético) quanto ao comportamento a assumir pelos neófitos
1. A lista de imposições que se encontra na Traditio apostolica (Hipólito)
possivelmente não teria sido aplicada “ totaliter” nas igrejas do ocidente e
oriente
1.1 As suas referências são, no entanto, emblemáticas para percebermos a
pedagogia da fé utilizada nos percursos catecumenais
2. Causava, então, particular dificuldade a subestima que se percepcionava nas
comunidades cristãs referente à pessoa do imperador; a obrigatoriedade do
serviço militar45 também não era questão pacífica
3. A expressão celebrativa da fé, obrigada pelas circunstâncias a um anonimato
forçado, pouco contribuiu para uma aderência popular que tanto prezava a
exuberância celebrativa
4. Já numa fase posterior, e com outros meios e recursos, transportar-se-á para o
ambiente cristão esse ritmo de celebração tanto ao gosto das massas populares

44
BARDY, G., La conversión... p. 13-20; ROUGIER, L., O conflito entre o cristianismo primitivo e a
civilização antiga. Lisboa: Vega, 1996. 89 e ss.
45
FONTAINE, J., Os cristãos e o serviço militar na Antiguidade. In CONCILIUM (Setembro 1965), p.
86.
17

PERSEGUIÇÕES
nota preliminar46

I – O império romano, como em geral todos os estados antigos, considerava a


religião47 como uma instituição pública, à qual todos os cidadãos deveriam
aderir externamente48
1. Permitia liberdade de consciência e o exercício de outros cultos, para além do
oficial
2. As religiões pagãs aproveitaram dessa circunstância
3. Sorte diversa estava reservada àquelas que se reclamavam dum culto exclusivo e
se arrogavam de ter o monopólio da verdade
4. O caso judaico explica-se até certo ponto... apresentava-se como uma religião
estreitamente ligada à vida de um povo; não aspirava a um verdadeiro
universalismo; dirigia-se, no geral, a um pequeno grupo...
5. O cristianismo, ao apresentar-se com características diversas, cedo conhecerá
uma suspeição e hostilização
II - Dois factores geraram e fomentaram a hostilidade do mundo romano contra os
cristãos
1. Um de natureza política ( a rejeição do estado em assuntos religiosos)
2. Um outro... mais vago, mas não menos eficaz - o da antipatia popular
III - Os cristãos introduziram, de facto, uma distinção na civilização antiga entre a
política e a religião
1. Não reconheciam o imperador como chefe da sua religião49
2. Defendiam a liberdade de consciência e a “laicidade” do Estado
IV - O fenómeno "perseguição romana" será o resultado dum processo moroso
1. O cristianismo primitivo desenvolveu uma série de formas ou modelos de se
relacionar com o império; no geral, observou-se uma atitude mais radical e
outra mais moderada50
2. Só no início do século III é que a legislação romana se tornará mais clara em
relação ao estatuto legal dos cristãos no império

46
BARBOSA, D. S., O testemunho dos mártires. Ontem e hoje. In COMMUNIO, 5 (1998), 421-433.
47
CROSSAN, J. D. / REED, J.L., En busca de Pablo. El imperio de Roma y el Reino de Dios frente en
una nueva visión de las palabras … p. 303-304; ECHEGARAY, Joaquín González, Los Hechos de los
Apóstoles y el mundo romano. Estella: Verbo Divino, 2010, p. 239-260.
48
. WHITE, L. Michael, De Jesús al cristianismo. El Nuevo Testamento y la fe cristiana: un proceso de
cuatro generaciones. Estella: Verbo Divino, 2007, p. 66s.
49
“(…) a expressão “culto imperial” pode ser enganadora: não havia um só” (FALCÃO, Pedro Braga,
Primeiras comunidades cristãs vistas por um pagão. In COMMUNIO, 2 (2013) 163-164).
50
Cf. Fernando RIVAS, Qué se sabe de… La vida cotidiana de los primeiros cristianos. Estella: Verbo
Divino, 2011, p. 166-180).
18

PERSEGUIÇÕES
Um percurso sinuoso e doloroso51

I - Até ao ano 64, os cristãos tiveram liberdade de praticar a sua religião


1. Por muito tempo a autoridade imperial viu nos seguidores de Cristo uma seita
judaica
2. Paulo durante a sua primeira prisão pode desenvolver uma atividade quase
normal de pregação; aquando da sua segunda prisão, estaria já o apóstolo diante
de um elemento novo? Estaria já esclarecida a situação jurídica dos cristãos no
império romano?
3. A ocasião que se ofereceu para a mudança foi, certamente, o incêndio de Roma
4. Por um decreto imperial, Nero determina proscrita a religião cristã no império (l
Pedro)
4.1 Pedro exorta os cristãos a não recearem os tribunais por causa da fé que
professam
4.2 Devem evitar serem chamados a responder por delitos comuns
5. A responsabilidade das perseguições é atribuída pelos escritores cristãos aos
imperadores, nunca ao senado
a) dado que os éditos imperiais cessavam com a morte do autor, aconteceu que a
perseguição não se processou com igual intensidade nos reinados seguintes
II - No fim do primeiro século, foi reconhecida validade permanente para a
legislação imperial
1. Foi, então, que a profissão do cristianismo foi abolida definitivamente por via
legal (cf. carta de Plínio ao imperador Trajano)
2. A proscrição do cristianismo por meio duma lei especial é-nos relatada por
vários autores (1 de Pedro, Melitão de Sardes e Tertuliano)
3. Os autores que não concordam com a tese da lei especial, baseiam-se no
propósito questionável dos escritos de Tertuliano:
3.1 O autor tem preocupações claramente apologéticas
3.2 Quer provar a todo o custo que a proibição do cristianismo foi obra de
imperadores perversos
III - No século III, as relações entre império e cristianismo assumem um carácter
diferente
1. A perseguição deixa de ser ocasional - é intencional
2. O império dá-se conta que a Igreja é um grande movimento
2.1 Septímio Severo (l93-211) proíbe a conversão ao cristianismo (no ano 202)
2.2 O período mais crucial foi o de Décio (249-251)
3. A perseguição aos cristãos terminará praticamente no ano 305

51
JEDIN, H., Manual de historia... I, p. 203-214; 521-558
19

O TESTEMUNHO
DOS MÁRTIRES52

I – Neste capítulo, a historiografia tradicional apontou sempre para números


elevados; a preocupação apologética confundiu-se muitas vezes com a
objetividade histórica
1. A ordem dos "milhões" foi há muito superada...
2. De facto, os martirológios apontam para números mais reduzidos
3. Eusébio na sua História Eclesiástica menciona poucos mártires
4. Ultimamente a questão tem sido reposta; a crítica continua a ser comedida nas
afirmações e nos números; oscila de autor para autor
II - Em face dos resultados das investigações até ao momento realizadas, é de
grande importância conhecer a metodologia seguida no apuramento dos
factos; têm-se privilegiado as referências
1. Diretas: descrições histórico-literárias das fontes e as
2. Indiretas: conhecimento apurado por via arqueológica
3. Nesse sentido é de interesse conhecer o culto que lhes foi prestado logo após o
martírio
4. Hoje prestamos culto a cerca de mil mártires, dos quais possuímos alguma
documentação ou tradição sólida
III - O valor do número dos mártires não é absoluto para a compreensão do
significado histórico da chamada “perseguição romana”
1. De facto, para além dos mártires conhecidos, devemos valorizar todo o outro
sofrimento que um grande número de cristãos teve de suportar, testemunhando
a sua fé, naquele período particularmente difícil

52
MARTINA, G., Storia della Chiesa. Roma: Ut unum sint, 1980, p. 29-47; PIERINI, F., La Idad
Antigua. Madrid: San Pablo, 1996, p. 167 e ss.
20

ORGANIZAÇÃO ECLESIAL
NOS SÉCULOS III – IV
- O bispo 53

I - No século III, dá-se uma significativa evolução na organização eclesial


1. Para além dos três graus da hierarquia, aparecem outros de grau inferior
2. Formam-se as províncias eclesiásticas no Oriente
3. Consolida-se a instituição sinodal
4. Aceita-se (entre consensos e disputas) a primazia da igreja romana e dos seus
bispos
II - A função do bispo passa a ter uma nova compreensão teológica e
administrativa
1. A problemática emergente (heresias, perseguições, desvios doutrinais),
consolida um episcopado hierárquico
2. O bispo é o primeiro responsável pela comunidade cristã
3. Para além do mais, desempenha um importante elo de ligação entre a igreja local
e a Igreja universal

III - Em face da função "sagrada" do bispo que está no centro da vida eclesial e da
consciência dos fiéis
1. Aprofundam-se compreensões teológicas sobre o ministério episcopal (Orígenes
e Cipriano)
IV – Em virtude da importância dada à função episcopal, a escolha do bispo
passou a ser assegurada por um sistema de eleição alargada 54
1. A participação da comunidade torna-se indispensável55
2. Os bispos vizinhos devem seguir de perto a eleição
a) Sobre esses recai o direito de consagrar o eleito
V - A dignidade episcopal é tida por esse tempo em alta consideração
1. Ocupa o lugar de Deus
2. É imagem de Deus
3. Serve de mediador entre Deus e os homens
4. Deve ser uma pessoa dotada e culta

53
Cf. As Castas Pastorais: 1ª e 2ª a Timóteo e a carta a Tito (no final das cartas pastorais dá-se a fusão das
duas organizações iniciais prevalecentes nas comunidades de proveniência judaica ou de proveniência
gentílica; o episcopo (bispo) aparece aos poucos a substituir a figura do “apóstolo” fundador, esse
dinamismo em curso chamar-se-á mais tarde “sucessão apostólica” (cf. Comentário de Bento XVI no dia
28 de Janeiro de 2009, na audiência de quarta-feira, in Zenit de 29/01/2009);BERARDINO, A., Caminos
de Koinonia en los primeros siglos cristianos. In CONCILIUM, 291 (2001), 55-57; SCHATZ, K.,
Eleccición de obispos: historia y teologia. In SELECCIONES DE TEOLOGIA, 118 (1991), 103-113;
SCHILLEBEECKX, E., Por uma Igreja mais humana. São Paulo: Paulinas, 1989, p. 166 e ss;
STOCKMEIER, P., La elección de obispos en la Iglesia antiga. In CONCILIUM, 157 (1980), 8-18; o
processo de eliçãoque veio até aos nossos dias (cf. MAZZOTTI, Stefano, Normativa canónica para a
nomeação dos bispos. In SINTESE, nº 206 / Jan / Fev (2011), 25-30).
54
VILELA, Albano, A eleição episcopal nos primeiros séculos, in Igreja e Missão, 53 (1972) 52-65;
MESLIN, Michel, Instituições Eclesiásticas e clericalização na Igreja Antiga (Séc. II-V). In
CONCILIUM , 7 (1969), 36-38;cf. SCHILLEBEECKX, E., Por uma Igreja mais humana. São Paulo:
Paulinas, 1989, p. 201 e ss.
55
“O consensus dos crentes (consensos plebis) é requerido e posto em prática antes de mais para a eleição
dos bispos (…)” (cf. Ciprinao, Ep. 67, 4,1); cf. Isidro LAMELAS, A experiência sinodal na igreja pré-
nicena, in DIDASKALIA, XLV, fasc. 1 (2015) 67-68..
21

ORGANIZAÇÃO ECLESIAL
NO SÉCULO II - IV
- presbíteros, diáconos e outros ministérios56

I - Já bem dentro do século III, aparecem os presbíteros com competências


bastante definidas
1. São, inicialmente, os conselheiros e os assistentes do bispo
2. Exercem ministério em lugares onde não existe um bispo local
2.1 Passam a ter faculdade de poder celebrar a eucaristia
2.2 As suas competências alargam-se em situações de emergência
2.3 No tempo de perseguição ou outras calamidades
II - Os cristãos que se encontravam na periferia das grandes cidades eram por esse
tempo atendidos por presbíteros "visitadores"
1. A evolução dessa preocupação pastoral dará origem à paróquia57
III -Função singulares tiveram os diáconos durante este período histórico...58
1. Eram os colaboradores próximos do bispo:
a) Na assistência aos pobres e na administração dos bens da comunidade
b) Tinham uma relação direta e frequente com as pessoas da comunidade
IV - As crescentes necessidades das igrejas do século III determinaram o
aparecimento doutros graus na hierarquia; todos, no entanto, abaixo do
ministério do diácono; nalgumas comunidades são instituídas pessoas para
vários ministérios…, a saber:
1. Subdiáconos, acólitos, leitores, exorcistas, ostiários - todos ao serviço da
comunidade
2. A escolha para esses ministérios (assim como para presbítero e diácono) era de
exclusiva competência do bispo
3. Com o aparecimento das várias ordens e ministérios, os eclesiásticos
(começando por ordens menores) podiam ascender a ordens superiores mediante
provas de maturidade e preparação intelectual

56
SCHILLEBEECKX. E., Por uma Igreja…, p. 190 e ss; cf. Edward Schillebeeckx Collected Works (11
volumes), em língua inglesa (trata-se do 9 volume; está na nossa biblioteca); MESLIN, Michel,
Instituições eclesiásticas e clericalização na Igreja Antiga (séculos II-V). In CONCILIUM, 7 (1969), 35-
47; D’ERCOLE, Giuseppe, Os colégios presbiterais no período das origens cristãs. In CONCILIUM, 7
(1966), p. 20-31.
57
DUCOS, Marcel, Gobierno y eficacia en la Iglesia. Estellla: Ed. Verbo Divino, 1971, p. 59 ss.
58
MESLIN, Michel, Instituições Eclesiásticas e clericalização na Igreja Antiga (Séc. II-V). In
CONCILIUM , 7 (1969), 38.
22

ORGANIZAÇÃO REGIONAL DA IGREJA - séc. IV - V59

I – O dinamismo da igreja local veio a dar origem à província eclesiástica; para


que isso tivesse acontecido, foram decisivas várias dinâmicas de testemunho
cristão
1. A preocupação pela evangelização da grande cidade
2. O anúncio posterior a zonas periféricas
3. A ascendência da igreja-mãe sobre outras comunidades
a) A aceitação natural do bispo metropolita
b) A instituição nesses territórios (Prov. eclesiásticas) da instituição sinodal
II - No Ocidente latino só mais tarde se dará o processo de várias igrejas se
unirem numa organização mais ampla
1. O processo como tal atingiu proporções maiores...
a) Todo o Norte d'África se veio a encontrar sob a direcção do bispo de
Cartago
b) A Itália (centro e sul) aceita com naturalidade a direcção do bispo de
Roma
c) Portanto, Roma e Cartago passam a ser dois centros eclesiásticos cuja
importância supera, de facto, uma simples igreja metropolita oriental
III - No decorrer do século III, duas sedes do Oriente ganham particular
visibilidade - Antioquia e Alexandria
1. Em Antioquia celebram-se sínodos que chegam a reunir bispos de várias
províncias
2. No concílio de Niceia (325) decidiu-se responsabilizar o bispo de Alexandria por
todos os bispos do Egipto
3. Assim, os responsáveis por essas duas sedes são reconhecidos como
“supermetropolitas”
4. E esses serão, de facto, os pressupostos históricos para a criação dos futuros
patriarcados
IV - Para o reconhecimento dos patriarcados prevaleceu o princípio da origem
apostólica; Roma bateu-se por esse princípio
1. O concílio de Calcedónia (451) reconheceu a sede de Jerusalém também como
sede patriarcal
2. Para o reconhecimento do patriarcado de Constantinopla houve algumas
dificuldades...
3. Veio a prevalecer a tese de se estar perante a sede herdeira de Éfeso
4. Lentamente, faz caminho a teoria da PENTARQUIA segundo a qual a Igreja,
por vontade do Espírito, deveria ter uma liderança patriarcal
V - Os patriarcados orientais representaram (e representam), sem dúvida, um
elemento de pluralismo na estrutura orgânica da Igreja
1. Roma, "grosso modo", entre tensões e conflitos, tem respeitado esse pluralismo
2. As cinco Igrejas patriarcais foram, implicitamente, reconhecidas pelo concílio
de Calcedónia; mais tarde constituir-se-ão outros patriarcados por concessão60
59
BARBOSA, D. S., Patriarcado. In Dicionário de História Religiosa de Portugal.... p. 393-395;
SALACHAS, Dimitri, La Iglesia local en la comunión universal de las Iglesias según la legislación
canónica. In CONCILIUM, 291 (2001), 23-35.; SCHATZ, K., El primado del papa... p.48-49; VRIES,
W. De, O “colégio dos Patriarcas”. In CONCILUM, 8 (1965), 52-65
60
Para o patriarcado de Lisboa, seculo XVIII, cf. Carlos A. Moreira AZEVEDO, Moinho da Memória –
História, Religião e política, Lisboa: Paulus, 2019, p. 57-83.
23

A R I A N I S M O61
controvérsia trinitária

I – Após a entrada de Constantino em Nícomédia (323)... apercebe-se da existência


dum conflito doutrinal provocado pelas ideias teológicas de Ario. Retomava-se
um velho problema discutido já no século precedente...
1. Ario ensinava que o Verbo era uma criatura de Deus...
2. O não-gerado (agénetos) que é Deus (o Pai) devia ser de alguma maneira
anterior ao Verbo
3. O Filho de Deus seria apenas uma criatura excecional
4. A "filiação" do Filho não foi natural, mas adotiva
II - Bem cedo Ario encontrou oposição...; ao lado da oposição eclesiástica, tomou
também partido o poder político...
1. Em primeiro lugar, pronuncia-se contra a doutrina de Ario o bispo de
Alexandria
2. A um nível mais alargado, um Sínodo reunido em Antioquia, pronuncia-se
igualmente contra
3. Constantino, após medidas iniciais62,na mira duma unidade política e eclesial,
convoca um concílio63
para a cidade de Niceia (Iznik) (325)

III - No debate conciliar chegou-se (não sem dificuldade) a um consenso por meio do
qual se recusava a doutrina de Ario
1. A "consubstancialidade" do Pai e do Filho, "HOMOOUSIOS", assume-se como
doutrina da Igreja
2. Considerou-se como fação heterodoxa aquela que defendia o "HOMOIOS", isto
é, que o Pai e o Filho eram apenas semelhantes
3. Aceita-se por unanimidade o credo de Niceia64

61
IBAÑEZ, José Alberto Hernández, Patrología didáctica. Estella: Verbo Divino,
2018, p. 168-180; SESBOUE, B. – WOLINSKI, J., O Deus da Salvação, I. 2ª Ed.,
São Paulo: Edições Loyola, 2005, p. 201-223. 250-256; SIMONETTI, Manlio, La crisi
arriana del IV secolo. Roma: Institutum Patristicum Augustinianum, 1975, p. 25-95;
WILLIAMS, Rowan, Arrio. Salamanca: Ediciones Sígueme, 2010.
62
Perante uma fragmentação religiosa, Constantino envia o bispo Ósio, seu conselheiro,
a Alexandria para fazer de mediador entre Ario e Alexandre (cf. Rowan WILLIAMS,
Arrio. Salamanca: Sigueme, 2010, p. 43-63).
63
ROUTHIER, Pilles, El sueño de un nuevo concilio. In Selecciones de Teologia, vol.
45, nº117 (2006), 57-71
64
O credo de Niceia- constantinopolitano tem 28 afirmações; é o mais antigo, o que
gozou de maior autoridade entre as igrejas e teve a maior aceitação ; foi aceite por
quase todas as comunidades cristãs; na sequência disso, aceite pelo Ocidente, pela
Igreja Ortodoxa e mais tarde pelas Igrejas protestantes(cf. Norman TANNER,
Repensar la ortodoxia en Nicea-Constantinopla y Calcedonia. In Revista
CONCILIUM (355- abril 2014) 194-195.
24

NESTORIANISMO
(Conflito entre Cirilo e Nestório)

I – Nestório, após a sua nomeação para bispo de Constantinopla (428), deu-se


conta da existência na sua comunidade duma discussão sobre Maria: teria sido
mãe de Deus (teotokos) ou mãe do homem (antropotokos)?
1. Na procura duma unidade, e de acordo com uma reflexão teológica, propôs o
título de "mãe de Cristo" como o mais apropriado
2. A reação não se fez esperar...65
II - Em 428 eram já conhecidas em Alexandria as posições de Nestório …
1. Cirilo, preocupado, envida esforços para defender o "teotokos"
2. Posteriormente, Cirilo pede a Nestório explicação das posições assumidas…66
3. A resposta... não veio; abre-se assim um contencioso entre os dois bispos
a) Para além das questões de fundo - teológicas e religiosas - mostrou-se
altamente negativa a paixão com que esses dois protagonistas debateram
aquelas questões cristológicas
III – Em Agosto de 430, o papa Celestino, num sínodo romano, à base da
informação que possui (a maior parte enviada por Cirilo 67), condena Nestório
1. O papa procurou informar rapidamente Nestório, o clero e os fiéis de
Constantinopla da decisão sinodal romana
2. Pedia num prazo de 10 dias uma retratação, a partir do qual a condenação teria
valor formal
3. Encarregou Cirilo de dar cumprimento à decisão romana
4. Tal encargo teve consequências desagradáveis...
5. Um texto com doze anátemas 68, aprovado em Alexandria (430) teve
consequências funestas
IV - Em 431, Teodósio II convoca um concílio (sínodo alargado) para a cidade de
Éfeso
1. Foram convidados os metropolitas do Oriente, o bispo de Hipona e o de Roma
2. O papa nomeou Cirilo como seu representante conciliar
3. Cirilo sentiu-se verdadeiro senhor da assembleia
4. Os métodos por ele seguidos não foram os mais adequados...
V - Muito embora pesassem mesquinhos interesses e métodos pouco corretos, o
concílio de Éfeso teve, no entanto, um significado importante...
1. Todos aceitaram a fórmula de Niceia... e reconheceram o título de "teotokos"
para Maria
2. Infelizmente, faltou uma discussão objetiva e serena entre Nestório, Cirilo
e outros padres conciliares 69.
65
TEJA, R., La "trajedia" de Efeso (43l): herejia y poder en la antiguedad tardia. Santander:
Publicaciones de la Universidad de Cantabria, l995, p. 44.
66
DENZINGER – HÜNERMANN, Enchiridium Symbolorum Definitionum et Declatationum de rebus
Fidei et Morum. Barcelona: Herder, 2000, nº 250-251 (1ª e 2ª cartas), p. 144-147.
67
TEJA, R., La “trajedia” de Éfeso…, p. 59
68
DENZINGER – HÜNERMANN, Enchiridium Symbolorum Definitionum et Declatationum de rebus
Fidei et Morum. Barcelona: Herder, 2000, nº 252-263 / p. 148-149.
69
Assistiu-se, mais uma vez, a debates ásperos entre os participantes nos concílios (cf. a Epist. 130, de
Gregório de Nazianzo, em 382, escrita a Procópio: “Esta é a minha ideia… fugir de todas as assembleias
de bispos, pois nunca vi nenhum concílio que tivesse um final feliz (… ) apenas confrontos e lutas pelo
poder; …entregam-se mais a acusar a maldade dos outros que a corrigir a própria”); TEJA, R., La
“trajedia…p. 87.
25

MONOFISISMO
"latrocínio de Éfeso"

I - Em 446 surgem novas questões de natureza cristológica...


1. Em Antioquia, temos Domno; em Alexandria, Dióscoro; em Constantinopla,
Flaviano
2. Eutiques, abade em Constantinopla, faz afirmações discutíveis de natureza
cristológica; defende uma só natureza em Cristo
3. A sua influência entre o monacato local era grande; para além do mais, gozava
de razoável influência na corte imperial
4. Em 448, o sínodo (permanente) de Constantinopla, da responsabilidade de
Flaviano, em face de afirmações não retractadas, depõe Eutiques do cargo de
abade e do sacerdócio, acabando por excomungá-lo
II - Eutiques faz da sua questão um "caso"...
1. Expôs por escrito a sua situação aos metropolitas e ao papa Leão I
2. Pela influência que goza na corte, trabalha a ideia dum concílio…
III - De facto, no dia 30 de Março de 449, um decreto imperial fixava a abertura
dum concílio para o início de Agosto desse ano, na cidade de Éfeso
1. Proibiu-se a entrada no concílio a Teodoreto de Ciro, o principal opositor de
Eutiques
2. Tudo indicava que se pretendia reabilitar Eutiques e eliminar Flaviano
IV - O papa depois de fazer o possível para que tal reunião não se celebrasse,
acabou por enviar os seus delegados
1. Em 449 o imperador confia a presidência do concílio a Dióscoro
2. Vive-se (dentro e fora) uma insegurança muito grande
3. Dióscoro passou a dirigir despoticamente a assembleia: permitiu apenas que
Eutiques tomasse a palavra
4. Os factos foram deturpados e... Eutiques, por meio duma votação, é reabilitado
V - Alegando que o sínodo (permanente) de Constantinopla (448) tinha
transgredido o cânon 7º do concílio de Éfeso que proibia retocar ou mudar
qualquer pormenor do que fora decidido em Niceia, dão-se acusações e
condenações
1. Flaviano e Eusébio são acusados de transgressões graves
2. Pedia-se à assembleia a destituição e a condenação de Flaviano e Eusébio de
Dorileia; Flaviano, assim como outros bispos protestaram...
3. Em face duma indecisão que se criou, Dióscoro favorece uma situação de terror
e ameaças
4. Amedrontados os bispos,... assinam a deposição de Flaviano e Eusébio
4.1 Numa reunião posterior, por métodos idênticos, Dióscoro consegue depor
outros bispos, entre os quais Domno de Antioquia
5. Com essas decisões, a corrente monofisita conseguiu, de momento, um sucesso
enorme
6. O papa Leão I, ao ser informado pelo seu delegado do modo como tinham
decorrido as reuniões, classificou a ação do concílio de” Latrocínio” (roubo)
26

OCONCÍLIO
de Calcedónia (Kadikoy) (451)70

I - As decisões tomadas em Éfeso em 449, assim como os métodos ali seguidos...


tinham preocupado profundamente o papa Leão I
1. Na mira de rever posições tomadas,... procura convocar um grande sínodo em
Itália
2. O imperador mostrou-se pouco entusiasmado com a ideia
2.1 posteriormente,... circunstâncias políticas favoreceram o papa71
3. De acordo com o novo imperador, Marcião, e sua mulher, a imperatriz
Pulquéria 72, é convocado um concílio para Calcedónia para o Outono de 451
II - Desde o início, teve-se consciência de se estar perante um concílio ecuménico
1. A presidência do concílio ficou a cargo dos representantes do bispo de Roma
2. Por vontade expressa do papa, o concílio entre outras coisas deveria reabilitar
os bispos condenados em Éfeso (449)
3. Logo no início dos trabalhos abriu-se o processo ao bispo Dióscoro
4. Na parte final, a questão teológica mereceu demorada atenção por parte dos
padres e do imperador
III – Superadas dificuldades de vária ordem, avançou-se, de facto, para uma nova
fórmula de fé, um credo. O Credo de Niceia e o de Calcedónia passaram a ser
os textos mais importantes da tradição cristã73
1. Nessa fórmula, era assegurada a verdadeira fé em Jesus Cristo: verdadeiro Deus
e verdadeiro homem
2. Era igualmente restabelecida a unidade na Igreja do Oriente e do Ocidente
3. Ao inverso do Credo de Niceia, o de Calcedónia acabou por ter a oposição de
algumas igrejas74

70
SIEBEN, H.J., Relación entre Papa y Concilio hasta mediados del siglo V. In CONCLIUM, 187
(1983), 31-39
71
UBIETA, Carmen Bernabé, Mujeres con autoridad en el cristianismo antiguo. Estella: Verbo Divino,
2007, p. 169-172
72
“Foi notório o protagonismo de Pulquéria na convocação e celebração do concílio de Calcedónia” (cf.
Ramón TEJA, Emperadores, obispos, monjes y mujeres. Protagonistas del cristianismo antiguo. Madrid:
Editorial Trotta, 1999, p. 220.
73
cf. Norman TANNER, Repensar la ortodoxia en Nicea-Constantinopla y Calcedonia. In Revista
CONCILIUM (355- abril 2014) 197).
74
As Igrejas copta, a da Abissínia, a síria-ortodoxa (também chamada jacobita) nunca aceitam
pelanamente a doutrina “diofisita” do Concílio; isto é, a doutrina das duas naturezas em Cristo (cf.
Norman TANNER, Repensar la ortodoxia en Nicea-Constantinopla y Calcedonia. In Revista
CONCILIUM , 355 (Abril 2014) 197.
27

C R I S T I A N I S M O como
"religião" de Estado75

I - Foram várias as fases pelas quais passou a Igreja - de perseguida a obrigatória


1. Pelo édito de Sárdica de 311 (Galério) dava-se tolerância à comunidade cristã
2. Pelo édito de Milão de 31376 (Constantino) atribuía-se-lhe completa liberdade
de culto
3. Pelo édito de 324, Constantino deu clara preferência pelo cristianismo
o édito de Tessalónica77 (para a parte oriental do império) de 380 (Teodósio, o
grande) determinava já a obrigação de abraçar o cristianismo
4. Pelo édito de 392 (Teodósio), o cristianismo é declarado única religião no
império
II - Ao ser declarada religião oficial, a Igreja irá perder muitas vezes, em face do
império, a liberdade que lhe é própria
1. Imperou por vezes a prudência diplomática em vez da denúncia profética
2. A instituição sinodal (conciliar) funcionou bastantes vezes como instituição
imperial
2.1 Igreja e império associavam-se “perigosamente”
III - Aos poucos o cristianismo foi adquirindo o aspeto externo de "religião" ao
aceitar alguns modelos do conceito tradicional romano de "religio"
1. A vida sacraliza-se com símbolos e formas cristãs
2. O ano civil passa a girar à volta das grandes festas cristãs78
3. Sacraliza-se o tempo, o espaço (templo), os objectos e as pessoas ligadas a
esses espaços
4. "Sagrado" passa a significar um estatuto de privilégio
5. O clero “sacralizado” passa a gozar de privilégios e dum estatuto social 79
6. O cristianismo passa a dar forma a um mundo sagrado pelo facto de dispor de:
6.1 Ritos especiais (culto)
6.2 Lugares especiais (templos)
6.3 Pessoas especiais que presidem a esse culto (clero)
7. No século que se seguiu a Constantino, vive-se um cristianismo de triunfo80

75
MARROU, H.I., La Iglesia en el marco de la civilización helenística y romana. In CONCILIUM, 67
(1971), 50-64; MESLIN, M., Instituições eclesiásticas e clericalização na Igreja Antiga (século II-V). In
CONCILIUM, 7 (1969), 46
76
O texto encontra-se em Lactâncio (A morte dos perseguidores, cap. 48) e por Eusébio (História, X, 5,
2-14).
77
Para este documento, e toda a legislação, cf. Albert BARSANN, o cristianismo nas leis da Roma
Imperial, ed. Pauline, Milão 1996;o texto citado está na p. 228.
78
TEJA, R., El cristianismo primitivo... p. 160.
79
MESLIN, Michel, Instituições Eclesiásticas e clericalização na Igreja Antiga (Séc. II-V). In
CONCILIUM , 7 (1969), 39-41.
80
BROWN, Peter, A Ascensão do cristianismo no Ocidente. Lisboa: Editorial Presença, 1999, p. 53.
28

ALGUNS ASPECTOS DA VIDA CRISTÃ:


vida sacramental e moral (séc. I-IV)

I - Dois sacramentos balizaram a vida da Igreja neste período: baptismo e


eucaristia

1. A administração do baptismo não aconteceu sempre da mesma maneira


2. Para além dum baptismo imediato após a conversão81, introduziram-se outras
práticas
3. Privilegiaram-se dias para a administração do baptismo e determinou-se quais os
agentes a efectuar tal ministério (bispos e presbíteros)
4. Adiamento do baptismo e preparação para o mesmo foram realidades
observáveis82
5. O cerimonial do rito foi-se enriquecendo com várias práticas83
6. Com os cismas e correntes heréticas se colocou a questão da validação do
baptismo

II – Eucaristia

1. A prática da celebração da eucaristia teve também o seu ritmo


2. Inicialmente esteve ligada a uma refeição, vindo-se a separar posteriormente84
3. Os domingos foram os dias de celebração eucarística; avançou-se depois para
outros dias
4. A comunhão, inicialmente sob as duas espécies, veio a ter frequência variada
5. A celebração eucarística deixou de ser apenas uma para toda a comunidade
(cidade) a partir de Leão Magno

III – Até ao século III falta-nos uma liturgia para a celebração do matrimónio

1. Procurou-se, no geral, a bênção do bispo ou dos presbíteros 85


IV – A moralidade cristã fez caminho numa sociedade inspirada em princípios
frequentemente opostos
1. Colocou-se a questão de os cristãos puderem ou não entrar nas profissões mais
correntes no império romano
2. A fidelidade conjugal e o ordenamento familiar mereceram muita atenção por
parte da Igreja
3. Não se aceitou a prática das relações pré-matrimoniais; condenou-se o aborto e o
infanticídio – práticas então frequentes
4. A indissolubilidade do matrimónio foi orientação insistente de bispos e pastores;
deve reconhecer-se que só muito mais tarde esse imperativo cristão acabou por
ter alguma expressão
5. As correntes rigoristas cristãs enfrentaram-se com outras posições mais
contemporizadoras
V – A prática da caridade foi sempre considerada uma dimensão constitutiva da
Igreja86
81
Act 8,37;16,33
82
Cf. Catequeses de São Cirilo de Jerusalém e Santo Ambrósio
83
São Justino, Apologia; Traditio Apostolica; Didaskalia, etc.
84
Plinio, Epist. a Trajano
85
Inácio de Antioquia, Carta à Igreja de Esmirna, V,2
86
RIVAS, Fernando, Qué se sabe de … La vida cotidiana…pp. 62-141
29

1. Tratou-se no geral duma prática comunitária


2. O registo dos pobres da comunidade e o cuidado de órfãos foram preocupações
contínuas das comunidades
3. Essas práticas estendiam-se também aos não cristãos87
VI – A prática esclavagista não foi formalmente denunciada pela Igreja88
1. Tudo leva a crer que uma revolução social nesse sentido seria prejudicial para os
próprios interessados
2. Não condenou, de facto, a escravidão, mas esvaziou-a de significado,
proclamando a igualdade de todos perante Deus.

87
São Cipriano, Epist. 61.
88
RIVAS, Fernando, Qué se sabe.., p. 49
30

ORIGENS
da vida monástica89

I – Estudos a partir da patrística, estão em crer que a escola “bíblica” de Orígenes


preparou terreno para germinar uma espiritualidade inspiraradora das
diversas formas de vida monástica90
1. A sua forma de vida e a sua doutrina espiritual e ascética teriam contribuído muito
para monaquismo cristão91
II - A história não pode precisar com exactidão o nome de alguém que, pela
primeira vez, com o seu exemplo e a sua palavra, desse início ao que
historicamente conhecemos por monacato
1. Apenas temos conhecimento que, pelo século III, alguns cristãos (na Síria e no
Egipto,92 talvez independentes uns dos outros) retiraram-se para uma solidão
absoluta para levarem uma vida de pobreza e castidade à "imitação de Cristo"
a) Iniciou-se assim, com esse gesto, a história de um fenómeno da vida interna
da Igreja que irá ter profundas repercussões no cristianismo
b) Em poucas décadas, estabelecem-se numerosos anacoretas em zonas
desérticas
c) Outros, ... deixando-se guiar por um guia espiritual, formaram os primeiros
grupos de anacoretas
2. A crítica histórica, admirando Sto. Antão, está em crer que não foi ele o primeiro
dos anacoretas
II - Os investigadores deste período, numa tentativa de melhor clarificar o
fenómeno monacal, têm pesquisado outros modelos de vida similar fora do
âmbito do cristianismo

89
DICCIONARIO TEOLÓGICO DE LA VIDA RELIGIOSA. Madrid: Publicaciones Claretianas , 1989,
p. 1123-1154; PADRES DO DESERTO - Palavras do Silêncio. Seleção e Tradução de Isidro
LAMELAS. Lisboa: UCP, 2019,17-20; TEJA, Ramón, Emperadores, obispos, monjes y mujeres –
protagonistas del cristianismo antigo. Madrid: Editorial Trotta, 1999, p. 149-173
90
LAMELAS, Isidoro, Padres da Igreja e pais do monaquismo: na génese da vida religiosa e da
identidade europeia, in José Eduardo FRANCO – Luís Machado de ABREU (coord.), Para a história das
ordens e congregações religiosas em Portugal, na Europa e no mundo, vol. I, Lisboa: Paulinas, 2014, p.
251.
91
Ibidem, p. 253.
92
ALONSO, Maria Luz Mangado, El Nilo Cristiano. Relaciones y tradiciones orientales en el
cristianismo ocidental. Estella: Verbo Divino, 2012, pp. 53-82.
31

VIDA MONÁSTICA
Oriente - Ocidente

I - No Oriente, podem tipificar-se três períodos de vida monástica, animados por


três guias espirituais
1. O período inicial de vida anacoreta (251 - 356?) foi animado por Sto. Antão93
2. A periodização subsequente, marcadamente cenobítica, muito deveu a S.
Pacómio 94
3. O terceiro período, na linha do precedente, apresenta-se já mais ordenado, onde
a regra atribuída a S. Basílio95 passou a ser um referencial importante
II - No Ocidente, prevaleceu inicialmente a prática ascética nalgumas comunidades
cristãs, independentemente do que já se experimentava no oriente
1. O intercâmbio com o Oriente (peregrinações, viagens, etc.) contribuiu
decisivamente para a formação das primeiras comunidades monásticas
2. No século IV, encontramos já referências de fundações monásticas no Ocidente
2.1 Em Roma e Milão, as comunidades vivem retiradas do centro da cidade
2.2 Em França (Gália), encontramos comunidades organizadas por Martinho de
Tours, Cassiano (em Marselha) e Cesário (em Arles)
3. Na África do Norte, graças a Agostinho de Hipona96, organiza-se também a vida
regular
4. O monacato beneditino, impulsionado por Bento de Núrsia97, irá ter um impacto
profundo em toda a Europa

93
LAMELAS, Isidoro, Padres da Igreja e pais do monaquismo: na génese da vida religiosa e da
identidade europeia, in José Eduardo FRANCO – Luís Machado de ABREU (coord.), Para a história das
ordens e congregações religiosas em Portugal, na Europa e no mundo, vol. I, Lisboa: Paulinas, 2014, p.
251.
93
Ibidem, p. 252.
94
Ibidem, p. 253.
95
Ibidem.
96
Ibidem, p. 254
97
Ibidem, p. 260.
32

CENOBITISMO
(Pacómio)

I - Pacómio, por muito tempo eremita,... aos poucos reconhece na forma de vida
cenobítica uma via mais perfeita no seguimento de Cristo...
1. A vida em comum... suporia (necessariamente) o apoio dos irmãos e a presença
contínua dum guia espiritual
II – Foi assim que no início do século IV funda uma comunidade no Egipto com
regra própria onde se pratica a vida em comum
1. Pacómio torna-se assim o animador do cenobitismo que, desde então, tem
permanecido até aos nossos dias
1.1 O mosteiro “pacomiano” passou a ter uma estrutura externa e um conjunto de
cómodos que lhe permitiu um ideal de vida própria:
1.2 Uma cerca como sinal de separação
1.3 Uma igreja para a oração e celebração litúrgica
1.4 Lugares apropriados para o trabalho manual do qual tiravam sustento98
2. O ideal de vida proposto por Pacómio conheceu rapidamente alguns
inconvenientes
2.1 A massificação do convento aconteceu e a crescente acumulação de bens
produziu ambiguidades descaractizadoras do ideal inicial
III - Pode dizer-se que na fundação de Pacómio há, acima de tudo, a preocupação
por organizar uma comunidade fraterna a exemplo das comunidades
primitivas
1. Para isso procurou-se um ideal de igualdade a observar a todos os níveis:
teve particularmente expressão na roupa (hábito), local de habitação (cela),
trabalho, ascese espiritual, etc.
2. O ideal de igualdade propunha-se por meio da:
2.1 Renúncia a dispor de qualquer tipo de propriedade e pela
2.2 Obediência ao superior da comunidade

98
O movimento monástico, desde o princípio integrou o trabalho manual no seu estilo
de vida, a fim de não sobrecarregar pessoas alheias ao cenóbio para proverem às suas
necessidades; para além do sustento próprio, entregaram-se com os bens produzidos à
partilha fraterna (cf. Giuseppe LAITI, São Basílio e a prática da caridade. In
COMMUNIO, XXVI (2009/2) 162-163).
33

DESINTEGRAÇÃO DO IMPÉRIO ROMANO do Ocidente … início da


medievalidadel99

I – A partir do século III, a pobreza, a falta de liberdade e a opressão generalizam-


se pelo Império, incluindo estratos da população anteriormente bem-sucedida
1. As tensões sociais sucedem-se... “Quem entre os poderosos não se esforça por
despojar o pobre dos seus escassos haveres, por expulsar o necessitado da
parcela de terra que herdou?...Diariamente são mortos os pobres” (Sto.
Ambrósio, De Nabuthae historica, 1)
2. A tributação fiscal origina uma resistência do campo à Administração central
3. Dão-se revoltas em Espanha e Gália, animadas algumas pelos Circumcelliones
(trabalhadores sazonais, também conhecidos pelas suas ligações aos donatistas
(Sto. Agostinho, Ep. 185,7,30)
4. O poder central reprime com dureza essas revoltas (por ex. Teodósio manda
passar ao fio da espada 3.000 habitantes da cidade de Tessalónica)
II – Esse mal-estar abalou profundamente o Império...; a sua desintegração dar-se-
á fatalmente por um afastamento progressivo da sociedade
1. Por esse tempo muitos latifundiários retiram-se para as suas propriedades
rústicas
2. O perigo das incursões dos bárbaros obriga esses proprietários a fortificar esses
imóveis rústicos; essas medidas de recurso revelavam ausência de Estado na
proteção às populações
3. Decorrente disso, dá-se a tendência de recorrer a esses senhores na procura
duma proteção (patrocinium) “Entregavam-se aos ricos como seus servos e
ficavam expostos ao seu poder e ao seu arbítrio “ (Salviano, De Gub. Dei,
5,38); a esses “poderosos”, em troca de protecção, entregavam géneros ou
dinheiro; inicialmente a título de oferta, depois como tributo regular
4. Num primeiro momento, o Império procurou esvaziar aqueles grupos de
interesses; posteriormente deu-lhes cobertura legal (415 – Codex Theod.
11,24,6).
III- A extensão dos patrocínios teve consequências mais corrosivas que as revoltas
populares
1. A tributação entra em declínio;
2. Em contrapartida pressiona-se a tributação sobre as cidades e os territórios
dependentes do Imperador; o reflexo do descontentamento foi inevitável

IV – Muitos desejavam já o sistema organizativo e social dos povos bárbaros


1. Preferia-se a dominação bárbara que não assentava num poder sufocante de
forte carga fiscal; a “feudalidade” parecia ser um mal menor
2. Salviano é perentório: “buscam entre os bárbaros a humanidade dos romanos,
porque não podem suportar a desumanidade dos bárbaros reinantes entre os
romanos” (De Gub. Dei, 7,6;5,21)
99
ALFOELDY, G., História social de Roma...p 37; 280-290; SZYMUSIAK, Jan-Maria, O ocidente
cristão e a invasão dos bárbaros. In CONCILIUM, (Setembro 1967), p. 16-25.
34

3. Muitas populações deslocam-se para evitar a tirania do Estado e a pressão fiscal


(... ) “ A morte era um destino não só partilhado pelos homens, mas também
pelas cidades e localidades rurais...” (Sto. Ambrósio, Ep. 39,3)
V – A decadência do império não fez parte da estratégia do cristianismo
1. O patriotismo cristão não foi inferior ao dos romanos em geral
2. Indirectamente, a forma de ser cristão, constituiu, de facto, factor de
perturbação na tradição romana, dada a aceitação indiscriminada de romanos e
bárbaros nas suas comunidades; fragmentava-se, de facto, a ancestral
identidade romana que assentava no “mos maiorum”, através da qual se fazia a
fronteira entre a romanidade e a “barbaridade”
3. Os bárbaros cristianizados deixavam de ser “hostes” para se converterem em
“fratres” (Orósio, Hist. Adv. Paganos, 7,32,9)
4. Outrora,... sobre as ruínas da República, levantou-se uma forma de Estado
genuinamente romano; no caso presente, tudo indicava que seriam os novos
povos a assumir o papel anteriormente desempenhado pelo Império (e Estado)
romano ocidental