Você está na página 1de 3

A SÍNDROME DO SAPO FERVIDO

Publicado por admvirtual

Vários estudos biológicos provaram que um sapo


colocado num recipiente com a mesma água de sua
lagoa, fica estático durante todo o tempo em que
aquecemos a água, até que ela ferva. O sapo não
reage ao gradual aumento da temperatura (mudanças
do ambiente) e morre quando a água ferve.
Inchadinho e feliz. No entanto, outro sapo, jogado
nesse mesmo recipiente já com água fervendo, salta
imediatamente para fora, meio chamuscado, porém,
vivo!

Existem pessoas que têm comportamento similar ao do SAPO FERVIDO. Não


percebem as mudanças, acham que está tudo bem, que vai passar, que é só
dar um tempo… e, muitas vezes, fazem um grande estrago em si mesmas,
"morrendo" inchadinhas e felizes, sem, ao menos, ter percebido as
mudanças. Outras, ao serem confrontadas com as transformações, pulam,
saltam, em ações para implementar as mudanças necessárias. Encorajam-se
diante dos desafios, buscam a melhor saída para a solução dos problemas,
tomam atitudes.

Há muitos "sapos fervidos" que não percebem a constante mudança do


ambiente a sua volta e se acomodam, à espera de que alguém resolva tudo
por eles; esquecem-se de que mudar é preciso, principalmente se essa
mudança beneficia toda uma coletividade. Essa teoria encaixa-se em todas
as situações de nossa vida: pessoal, afetiva e profissional.

Devemos ter a consciência de que, além de sermos eficientes (fazer certo as


coisas), precisamos ser eficazes (fazer as coisas certas), criando espaços para
o diálogo, o compartilhamento, o planejamento, o espírito de equipe,
delegando, sabendo ouvir, favorecendo o nosso próprio crescimento e o
daqueles com quem convivemos, seja na família, no trabalho ou na
comunidade em geral.

O desafio maior, nesse mundo de mudanças constantes, está no saber agir.


Precisamos estar atentos para que não sejamos como os Sapos Fervidos.

Pulemos fora, antes que a água ferva. O mundo precisa de nós, meio
chamuscados, mas vivos, abertos para mudanças e prontos para agir.

(Adaptado do texto do Projeto de Qualidade Total da Fundação Christiano Ottoni)

A CIDADE DO ESPAÇO DO SER ESTA EM PÂNICO


Nos dois últimos meses ocorreram situações que deixaram a população
da pacata cidade de cabelos em pé.
Os animais estão sendo atacados por um ser de aparência aterrorizante.
Após o ataque os animais surgem desacordados, com uma parte do pelo
do corpo raspado, e um desenho muiiitooooooooo estranho tatuado na
área sem pêlo.
O mais assustador de tudo, é que nos últimos quinze dias, as mulheres
loiras da região também estão sendo vítimas desta criatura.
O número de mulheres atacadas chega a 34, tendo sido a última vítima
uma senhora muito distinta, a esposa do delegado.
Como acontecia com os animais as mulheres são encontradas
desacordadas, com uma parte da cabeça sem cabelo e o tal desenho
tatuado. Mesmo não havendo nenhum caso de óbito das vítimas, o
delegado pediu ajuda as cidades vizinhas e se organizaram para capturar
este SER que está deixando a Cidade em polvorosa.

O primeiro passo para capturar o animal será fazer o retrato falado.

RETRATO FALADO:

Segundo relatos das vítimas e algumas pessoas que tiveram a


oportunidade ver a criatura, dizem o seguinte:

Que ele tem:

1. Cabeça pequena
2. Orelhas grandes como de um coelho
2. Nariz de porco
3. Olhos bastante grandes e amendoados
4. corpo bastante comprido
5. pernas parecidas com as de um elefante
6. Braços curtos como de um canguru
7. Unhas bastante compridas
6. Bico meio quadrado como de um pato

Você também pode gostar