Você está na página 1de 6

Argumento ontológico de Hartshorne

1) Deus pode ser analiticamente concebido sem contradição.


2) Portanto, Deus não é impossível.
3) Por definição, Deus não pode ser contingente.
4) Portanto, Deus é necessário ou impossível.
5) Deus não é impossível (a partir de 2), portanto, Deus é necessário.
6) O que for necessário pela força do teorema modal de Becker deve
necessariamente existir.

A lógica modal real de Hartshorne é assim:

O argumento ontológico de Hartshorne é baseado no segundo argumento de


Anselmo e afirma que a existência de Deus é logicamente necessária. O
argumento de Hartshorne é dado aqui, onde "N (A)" significa "é logicamente
necessário que A," "~ A" significa "não é o caso que A", "->" é implicação
estrita, "v" significa "ou" e "g" significa "Deus existe":

g -> N (g)
N (g) v ~ N (g)
~ N (g) -> N (~ N (g))
N (g) v N (~ N (g))
N (~ N (g)) -> N (~ g)
N (g) v N (~ g)
~ N (~ g)
N (g)
N (g) - g
g

Este argumento é válido. Além disso, dada uma concepção anselmiana de


Deus, as premissas 1 e 5 são sólidas.
A premissa dois é apenas a lei do meio excluído, e a premissa três é uma lei da
lógica modal S5. A premissa nove é obviamente sólida, então isso deixa a
premissa sete como a única premissa a ser questionada. A premissa sete diz
que é logicamente possível que Deus exista.

+ Possibilidade de Deus versus Impossibilidade.

O argumento gira em torno da distinção entre necessidade e contingência, e da


distinção entre a mera possibilidade e a natureza do ser necessário como não
apenas possível. Em outras palavras, Deus é necessário ou impossível. Se
Deus existe, é porque ele é ontologicamente necessário, e ele o é porque ele é
logicamente necessário por definição. Mas se ele não existe, é
ontologicamente impossível que ele exista ou possa vir a existir. Isto é porque
Deus não pode ser contingente, por definição. Uma contingência simplesmente
não é Deus. Então, se Deus é possível, ele não pode ser "meramente possível"
e, portanto, não é impossível, o que significa que ele deve ser necessário.

Deus é concebível em termos analíticos sem contradição:


O universo sem Deus não é concebível em termos analíticos; depende de
princípios que são contingentes. Nada pode vir de uma possibilidade do nada
total; a existência de singularidades e densidade de matéria depende de
observações empíricas e extrapolação. Por definição, essas coisas não são
analíticas e dependem de causas mais altas na cadeia do que o seu ser (note
que o cético nesse ponto provavelmente nega a validade das provas analíticas,
mas inverter o argumento deve aceitar tal prova).

Uma vez que o conceito é coerente e não contraditório e deriva de termos


analíticos, para inverter o argumento, o ateu deve mostrar que Deus é
impossível, já que o ônus da prova é agora sobre o argumento de que um
estado contingente poderia produzir um universo no qual ser tem que ser.

+ Respondendo Objeções:

1) O argumento pode ser revertido:

Os Ateus tentaram reverter o argumento simplesmente dizendo:

1) Deus existe ou não o faz


2) Deus é necessário ou impossível. Necessário se ele existe, impossível se
ele não existir
3) Deus é impossível
4) Portanto, Deus não existe.

Mas é claro que isso é apenas estipulação. Eles assumem que o que o
argumento está fazendo é apenas estipular tudo o que foi dito sobre Deus, mas
na página "Modos de Ser", mostro que cada uma dessas modalidades de
existência são deduções lógicas. Qualquer coisa existe ou não. Pode-se
equivocar sobre o significado do termo "existência", mas aqui eu claramente
quero dizer a existência real concreta no mundo "real". Se uma coisa não
existe, ela pode ou não existir, ou não pode existir porque é uma contradição
conceitual, como círculos quadrados, ou triângulos redondos e assim por
diante.
Portanto, se existe, é que existe contingentemente ou que não é contingente,
mas existe necessariamente (isto é, não poderia deixar de existir sem
contradição). Estes são os quatro modos mais básicos de ser e não podem ser
negados. Eles poderiam ser subdivididos, por exemplo, contingência ficcional,
como Superman, o que seria contingente se tivesse realidade concreta real,
mas é meramente um conceito fictício. Mas os quatro modos são as deduções
lógicas básicas sobre a natureza da existência.

A ideia de que o argumento pode ser invertido apenas mudando as linhas e


declarando que Deus é impossível, simplesmente levanta a questão. Deus é
realmente impossível só porque podemos pronunciar essas palavras? Deus é
logicamente necessário apenas porque podemos expressar essas palavras? .
Não, mas não é isso que está sendo dito. Deus é logicamente necessário como
um conceito. Essa é a natureza do conceito de Deus, essa é a ideia de Deus.
Negar isso seria como dizer "como você sabe que as mesas são coisas para
colocar as coisas?" Ou "como você sabe que os triângulos têm três lados?"
A questão é de realidade, então se é possível que Deus exista, logo, diz-se que
Deus é ontologicamente necessário e, portanto, tem real existência concreta
porque, como Deus não é contingente, não pode ser que Deus seja
"meramente possível". Se é possível que Deus exista, não é impossível. Para
mostrar que o argumento pode verdadeiramente ser invertido, o ateu deve
mostrar por que Deus é impossível, e para fazer isso ele deve mostrar que
Deus não pode ser entendido analiticamente sem contradição; E para invalidar
Deus analiticamente ele terá nega-lo, logo, concebe-lo, logo, torna-lo possível.

Outra tentativa de reverter o argumento, que é sempre usado seria dizer: - "É
possível que deus não exista." - A premissa é que eles não precisam provar
que Deus é possível, mas apenas que a possibilidade de Deus não existir
reverte o argumento.

O problema é que a premissa é falsa. Se Deus não é analiticamente impossível


(contraditório), então Deus deve existir. Assim, não é verdade que é possível
que Deus não exista. A lógica funciona assim:

(1) Se Deus é possível, o Deus não pode ser impossível.

(2) dizer que Deus não é possível é o mesmo que dizer que deus é impossível.

(3) se algo é possível, não pode ser impossível.

(4) você deve mostrar porque Deus é impossível.

(5) Eu mostrei porque Deus é possível, porque Deus é concebível sem


contradição.

(6) antecipando a resposta sobre entidade e consciência, a consciência não é


uma qualidade primária de Deus. Outras coisas são consciência, isso não é
algo que unicamente estabelece Deus como Deus, a necessidade lógica é tal
coisa.

(7) Se Deus é possível, e não pode ser impossível, e não pode ser contingente,
então ser possível para Deus é ser logicamente necessário. Assim, não
funciona dizer que Deus não é possível porque não é verdade, por isso é uma
falsa premissa.

Para compensar qualquer reversão, eles devem mostrar uma contradição no


conceito de Deus. Para isso, eles sempre retrucam "bem, você não pode
provar que Deus não é contraditório". Mas eu não tenho que provar isso. Pode-
se supor que, se não há contração, não é contraditório. Eles são os que
procuram fazer a reversão, então é o ônus da prova. Mas, para provar que
Deus é possível, tudo o que uma pessoa precisa é conciliar deus
analiticamente sem contradição. o que mais se poderia fazer para provar uma
possibilidade?
2) A suposição de que estamos apenas carregando o conceito com termos que
o tornam necessário, ou que a definição de Deus como necessária é arbitrária.

Este é realmente o mesmo argumento que se deve fazer para reverter o


argumento do ser necessário. É isso que os ateus sempre discutem. A primeira
coisa que eles dizem sobre isso é que estamos apenas permanecendo
arbitrariamente no termo "necessário" e jogando jogos de palavras. Alguns
chegam ao ponto de tentar demonstrar isso colocando o termo necessário em
outras coisas, como "vaca roxa" ou qualquer coisa em que pensem, e isso
deve mostrar o que estamos fazendo. Eu considero este movimento como
nada mais do que uma demonstração de que eles não entendem os conceitos.
A necessidade da necessidade e porque ela deve ser aplicada a Deus é
demonstrada no "Além disso, esse movimento nada mais é do que o
argumento da ilha perfeita. Não pode funcionar porque apenas entroniza
contingências. Nossa razão para dizer que Deus é necessário é muito mais
lógica e orgânica e é muito mais do que um mero jogo de palavras.

Embora seja verdade que Deus como sendo ele mesmo é um postulado pré-
determinado e é independente da prova porque é parte da definição de Deus, a
percepção de que o ser não significa que esse deve ser o caso.

3) A suposição de que estamos emprestando existência a um ser fictício.

Isso é meramente uma suposição. A existência necessária de Deus está


implícita na possibilidade da existência de Deus e na percepção de que a única
alternativa é a impossibilidade. Deus é possível e, portanto, necessário. Alguns
tentaram argumentar que estão dividindo as quatro categorias com um quinto
não visto, o de "ficcional", mas que se aplica à categoria 4 de contingência não
existente.

4) Equivocar entre os tipos de necessidade.

O argumento diz que dizer que Deus é necessário como um postulado de


definição é falar de necessidade ontológica, do que afirmar que a realidade
dela está se movendo da necessidade lógica para a ontológica.

Dizer que uma coisa é logicamente possível é dizer que ela pode ter existido no
passado ou existir no futuro. Mas para Deus existir ele deve sempre ter
existido; no passado, no futuro ou em todo o tempo. Dada a necessidade
lógica, a possibilidade lógica da não existência de Deus é impossível. Portanto,
a necessidade ontológica implica necessidade lógica. Um implica o outro e é
um movimento racional de um para o outro.

Esse argumento pode parecer meramente um truque de palavras, e a lógica


modal pode parecer ser controversa, mas gira em torno de uma lógica muito
básica, como o modus tolens ou o modus ponens, que é aceito por todos os
lógicos.