Você está na página 1de 35

ABNT/CB-03

PROJETO 03:031.03-010 (IEC 60079-29-4:2009)


AGO 2014

Atmosferasexplosivas
Parte 29-4: Detectores de gás — Requisitos de desempenho de
detectoresdecaminhoabertoparagasesinÀamáveis

APRESENTAÇÃO
1) Este Projeto foi elaborado pela Comissão de Estudo de Equipamentos para Atmosferas
Explosivas com Tipo de Proteção Segurança Aumentada (Ex “e”), Não Acendível (Ex “n”), Requisitos
para Sistemas de Traceamento Elétrico Resistivo e Detectores e Medidores de Gases InÀamáveis
(CE-03:031.03) do Comitê Brasileiro de Eletricidade (ABNT/CB-03), nas reuniões de:

03.10.2013 06.11.2013 16.01.2014

06.02.2014 06.03.2014 03.04.2014

15.05.2014

a) É previsto para ser idêntico à IEC 60079-29-4:2009 Ed 1.0 e Corrigendum 1:2010;

b) Não tem valor normativo.

2) Aqueles que tiverem conhecimento de qualquer direito de patente devem apresentar esta
informação em seus comentários, com documentação comprobatória;

3) Tomaram parte na sua elaboração:

Participante Representante

ALLTEX Alexandre Paruci


CONSULTOR Rüdiger Röpke
HAENKE Alexandre Barion da Silva
MSA DO BRASIL Élcio Del Rey
MSA DO BRASIL Vitor Hugo Moreira
NCC CERTIFICAÇÕES Gustavo Carvalho
NCC CERTIFICAÇÕES Wilson Bonato

© ABNT 2014
Todos os direitos reservados. Salvo disposição em contrário, nenhuma parte desta publicação pode ser modi¿cada
ou utilizada de outra forma que altere seu conteúdo. Esta publicação não é um documento normativo e tem
apenas a incumbência de permitir uma consulta prévia ao assunto tratado. Não é autorizado postar na internet
ou intranet sem prévia permissão por escrito. A permissão pode ser solicitada aos meios de comunicação da ABNT.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

PENTAIR Ben Hur Brasil


PETROBRAS Roberval Bulgarelli
TECHNOHEAT Fábio Isao Yamasaki
TECHNOHEAT Júlio Gomes
TECHNOHEAT Raphael Yuko Yamasaki
TRAMONTINA Benedito Arruda
TRAMONTINA Edmilson Marcos Mitiura
SIEMENS André Di Monte
SEW EURODRIVE Alex Tomas de Campos
UL DO BRASIL Gustavo Castrillo
VOGES Daniel Grigol Trés
WEG Carlos Lourenço
YOKOGAWA Ricardo Zanata

NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

Atmosferasexplosivas
Parte 29-4: Detectores de gás — Requisitos de desempenho de
detectoresdecaminhoabertoparagasesinÀamáveis

Explosive atmospheres
Part 29-4: Gas detectors — Performance requirements of open path detectors for Àammable gases

Prefácio Nacional

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas


Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos
de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE), são
elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas pelas partes interessadas no tema objeto da
normalização.

Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras da Diretiva ABNT, Parte 2.

A ABNT chama a atenção para que, apesar de ter sido solicitada manifestação sobre eventuais direitos
de patentes durante a Consulta Nacional, estes podem ocorrer e devem ser comunicados à ABNT a
qualquer momento (Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996).

Ressalta-se que Normas Brasileiras podem ser objeto de citação em Regulamentos Técnicos. Nestes
casos, os Órgãos responsáveis pelos Regulamentos Técnicos podem determinar outras datas para
exigência dos requisitos desta Norma, independentemente de sua data de entrada em vigor.

A ABNT NBR IEC 60079-29-4 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Eletricidade (ABNT/CB-03),
pela Comissão de Estudo de Equipamentos para Atmosferas Explosivas com Tipo de Proteção
Segurança Aumentada (Ex “e”), Não Acendível (Ex “n”), Requisitos para Sistemas de Traceamento
Elétrico Resistivo e Detectores e Medidores de Gases InÀamáveis (CE-03:031.03). O Projeto circulou
em Consulta Nacional conforme Edital nº XX, de XX.XX.XXXX a XX.XX.XXXX, com o número de
Projeto 03:031.03-010.

Esta Norma é uma adoção idêntica, em conteúdo técnico, estrutura e redação, à IEC 60079-29-4:2009
Ed 1.0, Cor 1:2010, que foi elaborada pelo Technical Committee Equipment for explosive atmospheres
(IEC/TC 31), conforme ISO/IEC Guide 21-1:2005.

Esta parte da ABNT NBR IEC 60079-29 complementa e modi¿ca os requisitos gerais da
ABNT NBR IEC 60079-0. Quando um requisito desta Norma conÀitar com um requisito da
ABNT NBR IEC 60079-0, o requisito desta Norma deve ter precedência.

O Escopo desta Norma Brasileira em inglês é o seguinte:

Scope
This part of ABNT NBR IEC 60079-29 speci¿es performance requirements of equipment for the
detection and measuring of Àammable gases or vapours in ambient air by measuring the spectral
absorption by the gases or vapours over extended optical paths, ranging typically from one metre to a
few kilometres.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

Such equipment measures the integral concentration of the absorbing gas over the optical path in units
such as LEL metre for Àammable gases.

NOTE 1 Actual values of concentration can be deduced only where it can be established that the
concentration is uniform over the optical path, for example in very short optical paths (< 100 mm). In such
cases, the equipment is within the scope of ABNT NBR IEC 60079-29-1.

NOTE 2 This Standard is based upon present absorption techniques using infrared radiation. Other
techniques and applications may require additional test considerations (e.g. pressure test).

Equipment falling within the scope of this standard is classi¿ed by the following types:

— Type 1: an optical transmitter and receiver, located at either end of a path through the atmosphere
to be monitored.

— Type 2: an optical transceiver (i.e. combined transmitter and receiver) and a suitable reÀector,
which may be a topographic feature or a retroreÀector, located at either end of a path through the
atmosphere to be monitored.

This Standard is also applicable when an equipment manufacturer makes any claims regarding any
special features of construction or superior performance that exceed the minimum requirements of this
Standard. All such claims shall be veri¿ed and the test procedures should be extended or supplemented,
where necessary, to verify the claimed performance. The additional tests shall be agreed between the
manufacturer and the test laboratory and identi¿ed and described in the test report.

This Standard does not apply to any of following:

 a) equipment intended to provide range resolution of gas concentration (e.g. Light Direction and
Ranging – LIDAR);

 b) equipment consisting of a passive optical receiver without a dedicated optical source;

  c) equipment intended to measure the local volumetric concentration of gas (point sensors);

 d) equipment intended for the detection of dusts or mists in air;

 e) equipment for cross stack monitoring;

 f) equipment intended for the detection of explosives; and

 g) equipment intended only for the identi¿cation of individual gas or vapour components, (e.g. Fourier
transform infrared spectroscopy (FTIR)).

This Standard is applicable to equipment which is intended for use in hazardous or non-hazardous
areas, or both. Equipment for use in hazardous areas is also required to have explosion protection
(see 4.1.1).

This Standard applies to portable, transportable and ¿xed equipment intended for commercial and
industrial applications.

NOTE 3 This Standard is intended to provide for the supply of equipment giving a level of performance suitable
for general purpose applications. However, for speci¿c applications a prospective purchaser or an appropriate
authority may additionally require equipment to be submitted for particular tests or approval. Such tests or
approval are regarded as additional to and separate from the provisions of the standards referred to above.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

Atmosferasexplosivas
Parte 29-4: Detectores de gás — Requisitos de desempenho de
detectoresdecaminhoabertoparagasesinÀamáveis

1 Escopo
Esta parte da ABNT NBR IEC 60079-29 especi¿ca os requisitos de desempenho de um equipamento
para a detecção e medição de gases ou vapores inÀamáveis em ar, por meio da medição da absorção
espectral em um caminho óptico extenso, variando tipicamente de um metro até alguns quilômetros.

Um equipamento deste tipo mede a concentração integral do gás absorvente no caminho óptico em
unidades como LIE metro para gases inÀamáveis

NOTA 1 Valores reais da concentração somente podem ser obtidos quando se pode estabelecer que a
concentração é uniforme em todo o caminho óptico, como, por exemplo, em caminhos ópticos muito curtos
(< 100 mm). Nestes casos o equipamento está dentro do escopo da ABNT NBR IEC 60079-29-1.

NOTA 2 Esta Norma baseia-se nas técnicas de absorção atuais utilizando radiação infravermelha. Outras
técnicas e aplicações podem requerer considerações adicionais de ensaios (por exemplo, ensaio de pressão)

Equipamentos cobertos pelo escopo desta norma são classi¿cados nos seguintes tipos:

— Tipo 1: um transmissor e um receptor óptico localizado em cada extremidade do caminho através


da atmosfera a ser monitorada.

— Tipo 2: um transceptor óptico (isto é, um transmissor e um receptor combinados) e um reÀetor


adequado, que pode ser um objeto topográ¿co ou um retrorreÀetor em cada extremidade do
caminho através da atmosfera a ser monitorada.

Esta Norma também é aplicável quando um fabricante do equipamento declara quaisquer caracte-
rísticas especiais de construção ou desempenho superior, excedendo os requisitos mínimos desta
Norma. Todas essas reivindicações devem ser veri¿cadas, e os procedimentos de ensaios devem ser,
se necessário, estendidos ou complementados para veri¿car o desempenho declarado. Os ensaios
adicionais devem ser acordados entre o fabricante e o laboratório de ensaio, sendo identi¿cadas e
descritas no relatório de ensaio.

Esta Norma não se aplica a quaisquer dos seguintes casos:

 a) equipamento destinado a fornecer a faixa da resolução da concentração do gás (por exemplo,
determinação remota através de raios de luz – LIDAR – Light Direction and Ranging);

 b) equipamento, que consiste de um receptor óptico passivo sem uma fonte óptica dedicada;

 c) equipamento destinado a medir a concentração volumétrica local de gás (sensores pontuais);

 d) equipamento destinado à detecção de poeiras ou névoas no ar;

 e) equipamento para monitoramento da seção transversal de chaminés;

 f) equipamento destinado à detecção de explosivos; e

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 1/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

 g) equipamento destinado apenas à identi¿cação de componentes individuais de gás ou vapor


(por exemplo, técnica de espectroscopia de infravermelho por transformada de Fourier (FTIR –
Fourier Transform Infrared spectroscopy).

Esta Norma é aplicável aos equipamentos que se destinam a utilização em áreas classi¿cadas ou
não, ou em ambas as áreas. Também é necessário que equipamentos para utilização em áreas
classi¿cadas possuam um tipo de proteção adequado (ver 4.1.1).

Esta Norma é aplicável aos equipamentos portáteis, transportáveis e ¿xos, destinados a aplicações
comerciais e industriais.
NOTA 3 Esta Norma tem como objetivo especi¿car os requisitos para o fornecimento de equipamentos com
um nível de desempenho adequado para aplicações de uso geral. No entanto, para aplicações especí¿cas, um
comprador potencial ou uma autoridade competente podem adicionalmente requerer que o equipamento seja
submetido a ensaios especí¿cos ou certi¿cação. Tais ensaios ou certi¿cações são considerados adicionais e
separados dos requisitos das normas acima indicadas.

2 Referências normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para referên-
cias datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se as
edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas).

IEC 60079 (all parts), Explosive atmospheres

NOTA BRASILEIRA No Brasil devem ser utilizadas todas as partes da série ABNT NBR IEC 60079 em vigor.

ABNT NBR IEC 60079-0, Atmosferas explosivas – Parte 0: Equipamentos – Requisitos gerais

ABNT NBR IEC 60079-29-1, Atmosferas explosivas – Parte 29-1: Detectores de gases – Requisitos
de desempenho de detectores de gases inÀamáveis

IEC 60825-1, Safety of laser products – Part 1: Equipment classi¿cation and requirements

IEC 61000-4-1, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4-1: Testing and measurement techniques
– Overview of IEC 61000-4 Series

ABNT NBR IEC 61000-4-3, Compatibilidade eletromagnética (EMC) – Parte 4-3: Ensaios e técnicas
de medição — Ensaio de imunidade a campos eletromagnéticos de radiofrequências irradiados

3 Termosede¿nições
Para os efeitos deste documento, aplicam-se os termos e de¿nições das ABNT NBR IEC 60079-0 e
ABNT NBR IEC 60079-29-1, e os seguintes.
NOTA De¿nições adicionais aplicáveis às atmosferas explosivas podem ser encontradas na
ABNT NBR IEC 60050-426.

3.1 Equipamento

3.1.1
equipamento somente de alarme
equipamento que gera um sinal alarme, mas não possui um medidor ou uma saída que forneça a
medição da concentração integral

2/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

3.1.2
equipamento¿xo
equipamento instalado em um suporte ou ¿xado de outra maneira em um local especí¿co

3.1.3
equipamento transportável
equipamento não destinado a ser carregado por uma pessoa nem destinado a instalações ¿xas

3.1.4
equipamento portátil
equipamento destinado a ser carregado por uma pessoa

NOTA Tipicamente, o equipamento portátil é utilizado como um equipamento para leitura pontual.

3.2 Alarmes

3.2.1
ponto de ajuste de alarme
parâmetro ¿xo ou variável do equipamento, que é destinado a pre¿xar o valor da concentração integral
no qual o equipamento automaticamente inicia uma indicação, alarme ou outra função de saída

3.2.2
sinal de alarme
sinal sonoro, visual, eletrônico ou outro sinal gerado pelo equipamento, quando é detectada uma
concentração integral do gás excedendo um valor predeterminado

3.2.3
alarme retido
alarme que, uma vez ativado, exige uma ação deliberada para desativá-lo

3.3 Sinaiseindicações

3.3.1
sinal de falha
sinal audível, visual ou outro tipo de saída, que fornece, direta ou indiretamente, um alerta ou uma
indicação de que o equipamento está com defeito

3.3.2
sinaldefeixebloqueado
sinal audível, visual ou outro tipo de saída, que fornece, direta ou indiretamente, um alerta ou uma
indicação de que o caminho óptico está obstruído, ou que o sinal detectado é fraco demais para
permitir o funcionamento normal do equipamento

3.3.3
sinaldeinibição
sinal audível, visual ou outro tipo de saída, que fornece, direta ou indiretamente, um alerta ou uma
indicação de que o funcionamento normal foi suspenso

3.3.4
dispositivosdeindicação
meios para a exibição de valores ou condições de forma analógica ou digital

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 3/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

3.3.5
modo especial
modo do equipamento diferente daqueles nos quais a monitoração da concentração de gás é realizada

NOTA Por exemplo, preaquecimento, modo de calibração ou condição de falha.

3.4 Atmosferas de gases

3.4.1
ar ambiente
atmosfera na área monitorada pelo equipamento

3.4.2
ar limpo
ar livre de gases ou vapores (inÀamáveis, tóxicos ou gases nocivos ao meio ambiente), para os quais
o equipamento é sensível ou que inÀuenciam no seu desempenho

3.4.3
atmosferaexplosiva
mistura com ar, sob condições atmosféricas normais, de substância inÀamável em forma de gás,
vapor ou névoa, na qual, após ignição, a combustão se propaga por meio da mistura não consumida

NOTA 1 Esta de¿nição particularmente exclui poeiras e ¿bras em suspensão no ar. Névoas, apesar de
incluídas na de¿nição, não são cobertas por esta Norma.

NOTA 2 Embora uma mistura que possua uma concentração acima do limite superior de explosividade não
seja uma atmosfera explosiva, existe o risco da formação de uma atmosfera explosiva pela diluição.

NOTA 3 Condições atmosféricas normais incluem variações acima e abaixo dos níveis de referência de
101,3 kPa (1 013 mbar) e 20 °C, desde que as variações tenham efeitos desprezíveis nas propriedades de
explosividade dos materiais inÀamáveis.

NOTA 4 Para efeito desta Norma, os termos “explosivo”, “combustível” e “inÀamável” são considerados sinônimos.

3.4.4
gásinÀamável
gás que, quando misturado com ar em determinadas proporções volumétricas, forma uma atmosfera
explosiva

3.4.5
concentraçãointegral
integral matemática da concentração do gás ao longo do caminho óptico

NOTA 1 A concentração integral é expressa em unidades de concentração, multiplicada pela distância,


por exemplo, LIE.metro para gases inÀamáveis ou ppm.metro para gases tóxicos

NOTA 2 100 % LIE × 1 metro = 1 LIE.metro;

10 % LIE × 10 metros = 1 LIE.metro

3.4.6
limiteinferiordeexplosividade
LIE
relação volumétrica de gás ou vapor inÀamável em ar, abaixo da qual uma atmosfera explosiva de gás
não é formada

4/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

3.4.7
limitesuperiordeexplosividade
LSE
relação volumétrica de gás ou vapor inÀamável em ar, acima da qual uma atmosfera explosiva de gás
não é formada

3.4.8
tipodeproteção
medidas aplicadas na construção do equipamento elétrico, para evitar que tal equipamento cause a
ignição da atmosfera explosiva que o envolve

3.4.9
gástóxico
gás que pode ser prejudicial para a saúde humana ou para o desempenho de pessoas, devido às suas
propriedades físicas ou físico-químicas

3.5 Equipamentoóptico

3.5.1
caminho aberto
distância no espaço que atravessa a área (ou parte da área), na qual a atmosfera está sendo monitorada
e na qual os gases na atmosfera podem se movimentar livremente

3.5.2
eixoóptico
linha central no caminho óptico

3.5.3
caminhoóptico
caminho percorrido por radiação óptica de um transmissor óptico até um receptor óptico
NOTA A radiação pode percorrer o caminho aberto uma, duas ou muitas vezes, dependendo do arranjo
do instrumento.

3.5.4
radiaçãoóptica
regiões ultravioleta, visível ou infravermelha do espectro eletromagnético

3.5.5
albedo
proporção de luz incidente, reÀetida a partir de uma superfície

3.5.6
transmissor
conjunto no qual o(s) elemento(s) transmissor(es) óptico(s) está(ão) alojado(s), e que pode conter
componentes ópticos e elétricos associados

3.5.7
transceptor
conjunto no qual o(s) elemento(s) receptor(es) óptico(s) e os elemento(s) transmissor(es) óptico(s)
estão alojados, e que pode conter componentes ópticos e elétricos associados

3.5.8
receptor
conjunto no qual o(s) elemento(s) receptor(es) óptico(s) está(ão) alojado(s), e que pode conter com-
ponentes ópticos e elétricos associados

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 5/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

3.5.9
retrorreÀetor
arranjo individual ou múltiplo de cantos reÀetivos de cubos, dispostos de maneira que a luz seja reÀe-
tida de volta paralelamente à sua trajetória incidente

3.5.10
célula de gás
invólucro selado (capaz de ser preenchido com gases de ensaio) e que tem extremidades transparentes

3.6 Características de desempenho

3.6.1
desvio
variação com o tempo, na indicação do equipamento, sob condições normais, quando monitorando
uma distribuição ¿xa da concentração de gás no caminho óptico

3.6.2
tempo de resposta
tx
intervalo de tempo, com o equipamento estabilizado, entre o tempo quando uma variação instantânea
na concentração integral é produzida no caminho óptico e o tempo no qual a indicação atinge uma
determinada porcentagem (x) do seu valor ¿nal

4 Requisitos gerais
4.1 Equipamentosdedetecção
4.1.1 Componentes

Todas as partes do equipamento de detecção de gás do tipo caminho aberto, destinado à utilização
em atmosferas explosivas, devem estar de acordo com os requisitos adequados de tipos de proteção Ex.

Os limites de temperatura de operação e armazenamento desta Norma podem, para determinados


tipos de equipamento, exceder os limites de temperatura de outras partes da série ABNT NBR IEC 60079.
Neste caso, as avaliações e ensaios dos tipos de proteção utilizados para o equipamento devem
ser estendidos para abranger a faixa de temperatura. Se esta extensão não for possível devido aos
requisitos dos tipos de proteção utilizados, então a faixa de temperatura desta Norma deve ser reduzida
para a faixa especi¿cada para o(s) tipo(s) de proteção.

4.1.2 Conjuntos e componentes elétricos

Conjuntos e componentes elétricos devem estar de acordo com os requisitos de construção e ensaios
de 4.2 e da Seção 5, respectivamente.

4.1.3 Radiaçãoóptica

A radiação óptica gerada pelo equipamento deve estar de acordo com os requisitos da IEC 60825-1.

4.2 Construção

4.2.1 Generalidades

Os equipamentos de detecção de gás devem ser projetados e fabricados de modo a evitar danos
físicos ou outras lesões que possam ser causadas pelo contato direto ou indireto.

6/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

Todas as partes do equipamento devem ser adequadas para a sua utilização pretendida. O equipamento
deve ser capaz de suportar, sem dano ou prejuízo de desempenho, os efeitos da vibração, poeira,
meios corrosivos e condições climáticas que podem ser previstas durante a utilização em ambientes
para os quais o equipamento é pretendido para ser utilizado.

O ajuste ¿no da direção do feixe óptico deve ser possível, e uma indicação deve existir para con¿rmar
se o alinhamento satisfatório do feixe óptico foi atingido. Este dispositivo de ajuste ¿no não necessita
fazer parte permanente do equipamento.

Todos os equipamentos devem ser construídos para facilitar, quando aplicável, veri¿cações regulares
funcionais, de serviço e da calibração.

4.2.2 Dispositivosdeindicação

4.2.2.1 Indicaçõesesinaisdesaída

Uma indicação ou sinal de saída deve ser fornecido para demonstrar que o equipamento está ligado.

A indicação ou sinal de saída deve ser uma medida da concentração integral atual ao longo do caminho
aberto.

NOTA O caminho aberto é independente do número de vezes que a radiação óptica o atravesse.

Se o equipamento entrar em um modo especial (por exemplo, inibição, bloqueio de feixe ou uma
falha), um sinal deve ser fornecido. Para equipamento ¿xo, este deve incluir um contato ou outro
sinal de saída transmissível. Se estas condições forem indicadas separadamente, estas devem ser
claramente identi¿cadas.

Dispositivos indicadores ou controladores, quando fornecidos, não necessitam ser parte integrante do
equipamento.

Quando o equipamento é destinado somente para alarme, os fabricantes devem fornecer ou identi¿car
os pontos adequados para conexão de um dispositivo de indicação ou de registro, para ensaios da
conformidade dos equipamentos com esta Norma.

4.2.2.2 Lâmpadas indicadoras individuais

Quando as lâmpadas indicadoras individuais são incorporadas ao equipamento, estas devem seguir
a seguintes cores:

 a) indicadores de alarme devem ser na cor VERMELHA;

 b) indicadores de falha, inibição e bloqueio de feixe devem ser na cor AMARELA;

 c) Indicadores de alimentação e indicadores de operação normal devem ser na cor VERDE.

4.2.2.3 Marcaçãodelâmpadasindicadoras

Adicionalmente aos requisitos de cor, as lâmpadas indicadoras devem ser adequadamente rotuladas
para identi¿car suas funções.

4.2.3 Alarmeoufunçõesdesaída

Quando dispositivos sem bloqueio de alarme, contatos de saída ou sinais de saídas são disponibilizados
para indicar que a detecção da concentração integral de gás excedeu um nível de alarme prede¿nido,
isto deve ser claramente indicado, de forma destacada no manual de instruções.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 7/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

A operação de quaisquer outras funções de saída deve ser claramente descrita no manual.

4.2.4 Sinais de falhas

Os equipamentos devem fornecer um sinal de falha, se ocorrer (no mínimo) qualquer uma das seguin-
tes condições:

 a) sob a faixa de indicação (abaixo do ponto zero) entre zero e - 10 % do fundo de escala equivalente;

 b) bloqueio do feixe;

  c) indicação de bateria fraca, se aplicável;

 d) um curto-circuito ou circuito aberto nas conexões de qualquer sensor remoto, se aplicável.

Tais sinais devem ser diferenciados de quaisquer outros alarmes.

4.2.5 Ajustes

Todos os meios de ajustes devem ser projetados de forma a impedir a interferência não autorizada
com o equipamento.

Equipamentos com tipo de proteção instalados em invólucros à prova de explosão devem ser projetados
de modo que, se houver a necessidade da realização de quaisquer serviços de rotina de ajustes e de
recalibração e para reinicialização, estas funções devem estar acessíveis externamente. Os modos
para realizar os ajustes não podem invalidar o tipo de proteção do equipamento.

4.3 Equipamentos controlados por software

Durante o projeto de equipamentos controlados por software, devem ser considerados os riscos
decorrentes de falhas no programa.

4.3.1 Errosdeconversão

A relação entre o valor analógico correspondente e os valores digitais deve ser inequívoca. A faixa de
saída deve ser capaz de reproduzir toda a faixa de valores de entrada, dentro da especi¿cação do
instrumento. Uma indicação clara deve ser apresentada se a faixa de conversão for excedida.

O projeto deve levar em consideração os erros máximos possíveis das conversões analógico-digital,
computacional e digital-analógica. O efeito combinado de erros de digitalização não pode ser maior
que o menor desvio de indicação requerido por esta Norma.

4.3.2 Software

Os componentes que possuam software devem atender ao seguinte:

 a) Deve ser possível para o usuário identi¿car a versão do software instalado, por exemplo, gravado
na memória instalada no componente (se acessível) ou no equipamento, ou pela visualização no
visor durante a energização ou ao comando do usuário.

 b) Não pode ser possível para o usuário modi¿car o código do programa.

  c) Parâmetros de con¿gurações devem ser veri¿cados quanto à validade. Entradas inválidas devem
ser rejeitadas. Uma barreira de acesso deve ser fornecida para evitar a alteração dos parâmetros
por pessoas não autorizadas, por exemplo, pode ser integrado um código de autorização no

8/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

software ou pode ser realizado através de uma trava mecânica. Os parâmetros de con¿guração
devem ser preservados após a remoção da alimentação e ao entrar em modo especial. Todos os
parâmetros de usuário editáveis e suas faixas válidas devem ser indicadas no manual.

 d) O software deve possuir um projeto estruturado para facilitar os ensaios e a manutenção.
Se utilizados, os módulos de programação devem possuir interfaces claramente de¿nidas com
outros módulos.

 e) A documentação do software deve ser incluída na documentação técnica do produto. Esta deve
incluir:

 1) o equipamento para o qual o software pertence;

 2) identi¿cação inequívoca da versão do programa;

 3) descrição funcional;

 4) estrutura de software (por exemplo, Àuxograma, diagrama de Nassi-Schneidermann);

 5) qualquer modi¿cação do software fornecido, com a data da mudança e os novos dados de
identi¿cação.

4.3.3 Transmissãodedados

A transmissão digital de dados entre os componentes ¿sicamente separados dos equipamentos deve
ser con¿ável. Atrasos resultantes de erros de transmissão não podem ultrapassar o tempo de resposta
t90 ou o tempo de alarme para equipamentos somente de alarme por mais de um terço. Se isto ocorrer,
o equipamento deve passar para um modo especial de¿nido. O modo especial de¿nido deve ser
documentado no manual de instruções.

NOTA A veri¿cação da con¿abilidade da transmissão de dados pode incluir, mas não ser limitada a erros
de transmissão, repetição, exclusões de inserção, ressequenciamento, corrupção, atraso e mascaramento.

4.3.4 Rotinas de autoteste

Unidades digitais computadorizadas devem incorporar rotinas de autoteste. Na detecção de falha,


o equipamento deve passar para um modo especial de¿nido. O modo especial de¿nido deve ser
documentado no manual de instruções.

Os seguintes testes mínimos devem ser realizados pelo equipamento:

 a) a fonte de alimentação de unidades digitais deve ser monitorada em intervalos de tempo de no
máximo dez vezes o tempo de resposta t90 ou tempo de alarme para equipamentos somente para
alarme;

 b) todas as funções de saída visuais e audíveis disponíveis devem ser testadas. O teste deve ser
realizado automaticamente após o início da operação, ou pelo comando do usuário. O resultado
deve poder ser veri¿cado pelo usuário;

 c) o equipamento de monitoração, com a sua própria base de tempo (por exemplo, sistema de
autoveri¿cação) deve funcionar de forma independente e em separado dos componentes
da unidade digital, que realizam o processamento de dados. Se uma falha for detectada pelo
equipamento de monitoração, o equipamento deve entrar em um modo especial;

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 9/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

5.2 Requisitos gerais para ensaios

5.2.1 Amostras e sequência de ensaios

Os ensaios de tipo devem ser realizados em uma amostra do equipamento, embora uma amostra
adicional do equipamento, possa ser utilizada para ensaios de estabilidade de longa duração.

O equipamento deve ser submetido a todos os ensaios aplicáveis para o tipo de equipamento, conforme
descrito em 5.4. Os ensaios estão agrupados na lista a seguir, mas a sequência em que os ensaios
serão realizados deve ser acordada entre o organismo de certi¿cação de produto e o fabricante.

 a) Preparações iniciais e procedimento (5.4.1)

 b) Armazenamento desenergizado (5.4.2)

 c) Preparação e veri¿cação de alarmes

— Curva de calibração (5.4.3)

— Con¿abilidade de alarme (5.4.5)

— Tempo de resposta (5.4.11)

— Tempo mínimo de operação (5.4.12)

— Equipamento de veri¿cação em campo (Seção 6)

 d) Estabilidade (5.4.4)

 e) Ensaios ambientais

— Variação de temperatura (5.4.6)

— Interferência de vapor de água (5.4.7)

— Radiação solar direta (5.4.21)

 f) Ensaios de feixes ópticos

— Alinhamento (5.4.10)

— Falha de bloqueio de feixes (5.4.18)

— Obscurecimento parcial (5.4.19)

— Operação em longo alcance (5.4.20)

 g) Ensaios elétricos

— Capacidade da bateria (5.4.13)

— Variações na alimentação (5.4.14)

— Interrupções no fornecimento de energia e transientes (5.4.15)

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 11/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

— Recuperação após interrupções do fornecimento de energia (5.4.16)

— Compatibilidade eletromagnética (EMC) (5.4.17)

 h) Ensaios mecânicos

— Vibração (5.4.8)

— Ensaios de queda para equipamentos portáteis e transportáveis (5.4.9)

5.2.2 Veri¿caçõesconstrutivas

O equipamento deve ser veri¿cado para garantir que os requisitos de construção de 4.2 sejam
atendidos.

5.2.3 Preparaçãodasamostras

A amostra do equipamento, assim que possível, deve estar preparada e montada para operação
típica, utilizando suportes e acessórios do fabricante, incluindo todas as interligações necessárias e
ajustes iniciais, e de acordo com as instruções descritas pelo fabricante.

No caso dos equipamentos do tipo 2 projetados para serem utilizados com uma característica
topográ¿ca natural, como um reÀetor, as características devem ser representadas por um plano de
superfície difusor de¿nido perpendicularmente ao eixo óptico do volume medido.

A superfície deve ser su¿cientemente grande para interceptar totalmente o volume medido, e seu
albedo deve situar-se entre 0,1 e 0,3, durante o intervalo de comprimento de onda utilizado pelo
equipamento.

Para o equipamento sem indicação da medição, por exemplo, em equipamentos somente com alarme,
a saída do equipamento para o ponto de ensaio, deve estar conectada a um dispositivo de exibição
de saída de registro contínuo.

5.2.4 Equipamentoparacalibraçãoeensaio

5.2.4.1 Utilizaçãodecélulasdegás

Os dispositivos de ensaio devem ser projetados de tal forma que o gás de ensaio em células individuais
possa ser alterado quando utilizar o equipamento, assim como demonstrado na Figura 1; as células
podem ser trocadas de forma su¿cientemente rápida, de modo que obscurecimentos transitórios
durante a troca ou pelas paredes das janelas de estrutura de retenção não possam criar condições
de “feixe bloqueado”. A dimensão transversal das células deve ser su¿cientemente grande para não
causar o bloqueio parcial do feixe.

NOTA 1 Os ensaios descrito em 5.4.8 e 5.4.21 podem requerer células de grandes dimensões ou a utilização
de um ¿ltro alternativo para simulação de gás.

As células devem estar o mais próximo possível da abertura de recepção do equipamento, levando
em conta a minimização dos efeitos indesejados sobre reÀexões do equipamento a partir da célula do
receptor, e as células não podem causar o bloqueio parcial do feixe.

As características (por exemplo, material, espessura e planicidade) e a inclinação das janelas das
células devem ser escolhidas de forma a minimizar os efeitos de reÀexão, distorção e atenuação do

12/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

feixe sobre a largura de banda efetiva de radiação de medição. Erros de sinais que surgem a partir
das variações de atenuação com o comprimento de onda no material da janela devem ser incluídos
na tolerância de medição para os ensaios especí¿cos.

O comprimento axial das células pode ser escolhido em função da concentração do gás de enchimento
das células para fornecer valores normalizados de concentração integral de gás para utilização na
calibração.

As células podem ser preenchidas com gases de ensaio, incluindo, por exemplo, ar limpo (para ajuste
do zero) e o gás a ser medido. As células utilizadas para ajuste do zero devem ter efeito mínimo sobre
a calibração do equipamento. A diferença da leitura no ar ambiente, com a célula de gás preenchido
com ar limpo, deve ser inferior a ± 2 % da faixa de medição.

O aquecimento pode ser aplicado às células para assegurar que o vapor, condensável à temperatura
ambiente, pode ser mantido no estado gasoso.

NOTA 2 A ¿m de evitar o uso de grandes volumes de gás inÀamável e de misturas de ar, o comprimento
apropriado das células preenchidas com gás de ensaio de concentração substancialmente menor do que
100 % LIE pode ser utilizado em pequenas concentrações, integrais de caminho (por exemplo, 0,5 × LIE × 1 m)
e 100 % V/V de gás inÀamável, ou misturas de gás inÀamável e inerte podem ser utilizadas para concentrações
integrais maiores.

Para o ensaio de interferência de vapor de água em 5.4.7, a célula deve ser de 2 m de comprimento
e capaz de conter vapor de água com uma pressão parcial de 50 kPa. Para evitar a condensação, as
paredes das células e janelas devem ser aquecidas até uma temperatura apropriada.

As células de gás para ensaios com gases inÀamáveis devem ser construídas de tal forma que erros
de medição decorrentes das variações de atenuação com comprimento de onda nas janelas das
células sejam inferiores a 2 % do intervalo de medição ou 5 % do valor de medição, o que for maior.
Retrorrefletor
Células de gás padrão que
podem ser alternadamente
rotacionadas em seu eixo do
Transmissor feixe de medição
Transceptor utilizado com
retrorrefletor ou receptor utilizado
com um transmissor

Figura 1 – Equipamentosdeensaioparacalibraçãodegásevelocidadederesposta

5.2.4.2 Máscaraparaatenuaçãodofeixe

A atenuação produzida por precipitação de névoa ou poeira no caminho ótico, e material depositado
nas superfícies óticas, deve ser simulada por uma máscara na forma de uma grade opaca inserida no
feixe, próximo (por exemplo, menos que 100 mm) da abertura de recepção do equipamento.

A máscara deve ser em forma de uma malha com superfícies em preto fosco e, para os ensaios descritos
em 5.4.16, com proporções escolhidas para transmitir (10 ± 1) % do feixe incidente. O espaçamento

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 13/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

da malha deve ser pequeno em comparação com a abertura de recepção do equipamento e grande
em comparação com o comprimento de onda da radiação de medição. Para o equipamento com um
único comprimento de onda, um ¿ltro pode ser utilizado para atingir a mesma atenuação.

Para equipamento que utiliza fontes de luz coerente, a máscara deve ser escolhida de forma que não
crie interferência. O fabricante pode fornecer um atenuador apropriado.

Se o equipamento for sensível às variações de temperatura, a temperatura deve ser registrada entre
± 2 °C, e os resultados corrigidos apropriadamente.

5.2.4.3 Obturador para ensaios de bloqueio

Para ensaiar a resposta do equipamento para o bloqueio controlado do feixe como em 5.4.18, um
obturador opaco, su¿cientemente grande para interceptar toda a radiação de medição, com as
superfícies absorventes em preto fosco e uma borda principal reta, deve ser capaz de ser movimentado
através da radiação de medição, a uma velocidade uniforme de cerca de 10 cm/s ± 5 cm/s, até
bloquear completamente o feixe, e então retirado na mesma velocidade, até que o obturador ¿que
completamente afastado.

Para o ensaio descrito em 5.4.18.2, o recurso de movimentação a 10 cm/s não é exigido.

5.2.4.4 Ensaios ambientais

Para os ensaios relativos a variações de temperatura (ver 5.4.6), partes individuais do equipamento,
por exemplo, transmissor, receptor, transceptor, reÀetor ou unidade de controle, podem ser colocados
em uma câmara climática ou câmaras equipadas com uma janela ou abertura, de modo que o
equipamento possa ser mantido em funcionamento com uma trajetória ótica essencialmente externa
à câmara ou câmaras climáticas.

As janelas devem ser projetadas e inclinadas para o eixo óptico do equipamento, para minimizar o
efeito de distorção de reÀexão e atenuação do feixe sobre a largura de banda efetiva da radiação de
medição.

A temperatura e a umidade devem ser controláveis dentro da(s) câmara(s) climática(s) sobre a faixa
requerida para os ensaios individuais. Alterações da temperatura e umidade devem ser controladas
para assegurar que não ocorra condensação nas janelas durante os ensaios.

5.2.4.5 Espelho plano

As calibrações e ensaios podem ser realizados utilizando um espelho plano metalizado frontal para
dobrar o percurso do feixe, para minimizar o espaço necessário. As características (por exemplo,
material e planicidade) do espelho devem ser escolhidas para minimizar a distorção e atenuação do
feixe sobre a largura de faixa efetiva de radiação de medição. A alteração na intensidade do sinal
provocada pela introdução do espelho não pode exceder 5 %.

5.2.4.6 Filtro simulador de gás

Para os ensaios descritos em 5.4.8 e 5.4.21, como uma alternativa a uma célula de gás, é permitida
a utilização de um ¿ltro de simulação de gás constituído por uma folha ¿na de material apropriado,
por exemplo, polipropileno, para produzir uma atenuação do feixe equivalente a 30 % a 70 % da
concentração de gás na escala completa. As dimensões do ¿ltro devem ser maiores do que as
dimensões máximas transversais do feixe ótico.

14/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

Filtros de ensaio não podem ser utilizados para valores de medição. O ¿ltro de ensaio deve ser utili-
zado apenas como um valor de repetibilidade. No início do ensaio, o ¿ltro de ensaio deve ser inserido
no caminho do feixe. A leitura inicial indicada deve ser registrada. Leituras subsequentes devem ser
referenciadas à leitura de indicação inicial.

5.3 Condiçõesnormaisparaensaios

5.3.1 Generalidades

As condições de ensaio especi¿cadas em 5.3.2 a 5.3.12 devem ser utilizadas para todos os ensaios,
a menos que declarado em contrário.

5.3.2 Distânciadeoperaçãoparaensaiosdelaboratório

A distância entre a fonte e um receptor ou transceptor e entre o reÀetor para todos os ensaios deve
estar na faixa de 5 m a 20 m, ou distância máxima, se esta for inferior. Para os equipamentos com
uma distância mínima de operação superior a 20 m, pode ser utilizado um atenuador para reduzir a
intensidade do feixe, ou a distância de operação que seja acordada entre o fabricante e o laboratório
de ensaio.

5.3.3 Gases de ensaio

O procedimento de ensaio deve ser realizado com um gás de ensaio padrão, e as curvas de calibração
devem ser ensaiadas para todos os outros gases, para os quais é requerida conformidade com esta
Norma. Na faixa destes gases, o gás para o qual a sensibilidade do equipamento for mínima deve ser
tomado como o gás padrão de ensaio (este será, normalmente, metano ou etileno para os detectores IR).

5.3.4 Concentraçõesintegraisdegásdeensaio

5.3.4.1 Concentraçãointegralintermediária

O gás padrão de ensaiodeve ser o gás ou vapor para o qual é requerida a conformidade do equipamento
com esta Norma. A sua concentração na célula deve ser escolhida de modo a proporcionar uma
concentração integral equivalente a um valor no meio da faixa de medição instrumental do equipamento
e conhecida com precisão de ± 5 % do valor nominal.

5.3.4.2 Outrasconcentraçõesdecaminhointegral

Outros valores de concentração padrão de caminho integral, conforme exigido para calibração (ver 5.4.3)
e con¿abilidade do alarme (ver 5.4.5), são especí¿cos para a faixa de medição do instrumento e as
con¿gurações de alarme de instrumentos individuais. Para cada concentração integral do gás, deve
ser conhecido o valor nominal de ± 5 %.

NOTA A mistura de gás pode ser preparada por qualquer método adequado, por exemplo, em conformidade
com os métodos descritos nas ISO 6142, ISO 6144 e ISO 6145.

5.3.5 Tensão

Equipamentos alimentados por rede elétrica devem ser operados a ± 2 % da tensão nominal de
alimentação e frequência, exceto para ensaios que requerem mudanças de tensão, como em 5.4.14
e 5.4.15.

Equipamento com alimentação c.c. deve ser operado a ± 2 % da tensão recomendada pelo fabricante,
exceto para o ensaio de sobretensão e subtensão de 5.4.14 e 5.4.15.3.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 15/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

Equipamento operado por bateria, para ensaios de curta duração, deve ser equipado com baterias
novas ou totalmente carregadas no início de cada série de ensaios. Para os ensaios de longa duração,
é permitido alimentar o equipamento a partir de uma fonte de alimentação estabilizada.

5.3.6 Temperatura ambiente

O ar ambiente deve estar a uma temperatura constante de ± 2 °C dentro da faixa de 15 °C a 25 °C ao


longo da duração de cada ensaio, exceto para o ensaio de armazenamento desenergizado (5.4.2),
ensaio de desvio de longa duração (5.4.4.2), ensaio de variação de temperatura (5.4.6), ensaio de
longo alcance de operação (5.4.20) e ensaio de radiação solar direta (5.4.21).

5.3.7 Umidade ambiente

Os ensaios devem ser realizados em ar ambiente, com uma umidade relativa (u.r.) dentro da faixa
de 20 % a 80 % ao longo da duração de cada ensaio, com exceção do ensaio de armazenamento
desenergizado (5.4.2), ensaio de desvio de longa duração (5.4.4.2), ensaio de variação de temperatura
(5.4.6) e ensaio de interferências de vapor de água (5.4.7).

5.3.8 Atmosfera ambiente

Durante os ensaios, a pressão da atmosfera ambiente dentro do caminho óptico no exterior da célula
de ensaio deve estar dentro da faixa de 86 kPa a 108 kPa. A composição da atmosfera ambiente deve
estar em conformidade com os requisitos de¿nidos nas partes subsequentes desta Norma.

A con¿guração do ensaio deve garantir que a atmosfera ambiente permaneça uniforme por todo o
caminho ótico e sem inÀuenciar signi¿cativamente o valor medido.

5.3.9 Preparaçãodoequipamento

Antes do início de qualquer ensaio, o equipamento sob avaliação deve ser preparado de acordo com o
procedimento recomendado pelo fabricante, mas, uma vez que o ensaio tenha sido iniciado, nenhum
ajuste deve ser feito, salvo se expressamente permitido pelo procedimento do ensaio especí¿co.

5.3.10 Estabilização

Para efeitos dos ensaios de 5.4, quando o equipamento está sujeito a alterações na condição do
ensaio, deve-se permitir que o equipamento estabilize sob estas novas condições antes de efetuar as
medições, para efeito de comparação.

O equipamento deve ser considerado estabilizado quando três medições sucessivas de uma
concentração ¿xa de gás, tomadas em 5 × t90 do equipamento, não indicarem variações maiores do
que 1 % da faixa de medição.

5.3.11 Opçõesdecomunicação

Para equipamentos com opções de comunicação serial ou paralela utilizados durante a operação
normal de detecção de gás, os ensaios de 5.4.3, 5.4.6 e 5.4.11 devem ser realizados com todas
as portas de comunicação conectadas. Devem ser empregados a máxima taxa de transação, as
características de cabeamento e o nível de atividade, especi¿cados pelo fabricante do instrumento.

5.3.12 Equipamentodedetecçãodegáscomopartedesistemas

Para equipamentos de detecção de gás que são parte de sistemas, os ensaios de 5.4.3, 5.4.6, 5.4.11
e 5.4.14 devem ser realizados com a máxima taxa de transação de comunicação e nível de atividade.
Esta deve corresponder à maior con¿guração e ao mais complexo sistema permitido pelo fabricante.

16/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

5.4 Métodos de ensaio

5.4.1 Preparaçãoinicialeprocedimento

O equipamento deve ser ligado e veri¿cado para o efetivo funcionamento utilizando ar limpo e a
concentração intermediária da faixa, como em 5.3.4.1, do gás de ensaio padrão, como em 5.3.3, em
células de gás inseridas sucessivamente no feixe.

Se necessário, ajustes devem ser efetuados para obter leituras corretas, de acordo com as instruções
do fabricante.

O equipamento deve ser calibrado utilizando o kit de calibração do fabricante e os procedimentos de


calibração especi¿cados.

5.4.2 Armazenamento desenergizado

Todas as partes do equipamento a serem ensaiadas somente devem ser expostas sequencialmente
às seguintes condições em ar limpo:

 a) uma temperatura de (- 25 ± 2) °C por pelo menos 24 h;

 b) uma temperatura de (20 ± 5) °C por pelo menos 24 h;

 c) uma temperatura de (60 ± 2) °C por pelo menos 24 h;

 d) uma temperatura de (20 ± 5) °C por pelo menos 24 h.

As partes do equipamento devem então ser submetidas aos métodos de ensaio apropriados, dados
em 5.4.3 a 5.4.21.

5.4.3 Curvadecalibração(nãoaplicávelaosequipamentossomentedealarmecomajustes¿xos)

O equipamento deve ser calibrado para cada um dos gases especi¿cados pelo fabricante para os
quais o equipamento é adequado e para os quais a conformidade do equipamento com esta Norma
é requerida, como em 7.2 f) 1).

O equipamento deve ser exposto para cada gás a 10 % da faixa e três valores selecionados da
concentração integral no caminho, uniformemente distribuídos ao longo do intervalo de medição
(por exemplo, 25 %, 50 % e 75 % da faixa) ou, no caso dos instrumentos com pontos de alarme
ajustáveis, dentro da faixa coberta pelos alarmes. Deve ser utilizado equipamento de acordo com 5.2.4.1.

As medições devem ser realizadas utilizando uma célula ou células preenchidas com o valor
selecionado de concentração integral do gás de calibração para cada valor selecionado a partir do
menor, e terminando com o mais elevado. O procedimento deve ser realizado três vezes para cada gás.

Os valores medidos de concentração integral para cada gás não podem divergir dos valores nominais
por mais de ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

NOTA Quando o equipamento não for provido de medidor ou outro indicador de dados, as leituras podem
ser tomadas utilizando um indicador externo conectado a um ponto de ensaio apropriado (ver 5.2.3).

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 17/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

5.4.4 Estabilidade

5.4.4.1 Aumento lento da relação de volume de gás (somente para equipamento com
compensaçãoautomáticadedesvio)

Aquecer o equipamento por 1 h em ar limpo. Em seguida, submeter o equipamento ao gás de ensaio a


uma razão de 1 % da faixa de medição de volume, durante 15 min. Aumentar a proporção em volume
de gás de ensaio a cada 15 min, em intervalos de 1 % da faixa de medição até ao volume ¿nal de
10 % da faixa de medição. O desvio de leitura ao longo do ensaio deve ser inferior a 5 % da faixa de
medição.

5.4.4.2 Estabilidadealongoprazo(regimecontínuocomalimentaçãoc.a.ouc.c.)

O equipamento deve ser operado em ar ambiente durante um período de ensaio de oito semanas.
Em intervalos de aproximadamente uma semana, durante este período, e no ¿nal do ensaio, uma
célula preenchida com o gás de ensaio para proporcionar a concentração integral padrão do meio
da faixa, como indicado em 5.3.4.1, deve ser colocada no caminho óptico durante 3 min e as leituras
devem ser registradas.

Os valores medidos de concentração integral para cada gás não podem divergir dos valores nominais
por mais de ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

5.4.4.3 Estabilidadealongoprazo(regimecontínuocomalimentaçãoporbateria)

O equipamento deve ser operado em ar limpo continuamente por um período de 8 h por dia ao
longo de um total de 20 dias de ensaio. O equipamento deve ser exposto ao gás padrão de ensaio
até estabilizar, uma vez em cada período de operação. As indicações devem ser tomadas antes da
aplicação, após a estabilização, e antes da remoção do gás de ensaio padrão.

Os valores medidos de concentração integral para cada gás não podem divergir dos valores nominais
por mais de ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

5.4.4.4 Estabilidade(somenteparaequipamentodeleiturapontual)

O equipamento deve ser exposto ao ar limpo por 1 min, seguido pelo gás padrão de ensaio por 1 min.
A operação deve ser repetida 200 vezes dentro de um período de 8 h. A leitura deve ser registrada no
¿nal de cada operação.

Os valores medidos de concentração integral para cada gás não podem divergir dos valores nominais
por mais de ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

NOTA Para esses ensaios, o equipamento alimentado por bateria necessita ser alimentado pelas baterias
internas sempre que possível; caso contrário, pode ser utilizada uma fonte externa.

5.4.5 Con¿abilidadedealarme

5.4.5.1 Generalidades

O alarme deve operar durante cada ciclo de ensaio indicado em 5.4.5.2 ou 5.4.5.3. Se o equipamento
possuir um alarme com travamento, a operação e a ação de rearme manual devem ser veri¿cadas a
cada ciclo.

18/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

5.4.5.2 Equipamento com alarme pré-ajustado

Equipamentos que incorporam alarmes pré-ajustados simples ou múltiplos devem ser ensaiados para
cada con¿guração de alarme por meio da inserção no caminho óptico de uma célula que contém o gás
de ensaio, para que o equipamento seja calibrado. Cada célula deve conter uma concentração integral
de 120 % do valor nominal do respectivo ponto de ajuste de alarme.

A duração da exposição ao gás de ensaio deve ser pelo menos duas vezes o t90 do tempo de resposta
do equipamento, e deve ser seguida por igual tempo de exposição ao ar limpo.

O procedimento deve ser repetido por cinco vezes. O alarme deve ser rearmado manual ou
automaticamente, como aplicável, a cada exposição ao ar limpo.

5.4.5.3 Equipamento com alarme ajustável

O(s) ponto(s) de ajuste deve(m) ser calibrado(s) para operar no meio da faixa de ajuste (aproximadamente
40 % a 60 % da faixa). O procedimento de ensaio, como de¿nido em 5.4.5.2, deve ser então aplicado.

5.4.6 Variaçãodatemperatura

O equipamento deve ser exposto a temperaturas especi¿cadas, utilizando uma câmara climática
capaz de manter a temperatura especi¿cada dentro de ± 2 °C. Quando o equipamento (ou a parte sob
ensaio) atingir a temperatura especi¿cada nesta subseção, o equipamento deve ser exposto ao ar
limpo e ao gás de ensaio padrão, utilizando a célula de gás. Em cada temperatura, deve ser permitida
a estabilização do equipamento durante 3 h ou até estabilizar entre ± 2 °C, durante um mínimo de 1 h.
Se o equipamento na câmara incluir uma compensação de temperatura, a célula de gás deve ser
exposta à mesma temperatura do equipamento. Caso contrário, a célula de gás deve estar localizada
fora da câmara.

 a) O transmissor ou transceptor energizado deve ser colocado em uma câmara climática. O reÀetor
ou receptor deve estar à temperatura ambiente. O ensaio deve ser realizado a – 25 °C, + 20 °C
e + 55 °C. Na sequência, o receptor energizado, se aplicável, deve ser colocado em uma câmara
climática. O transmissor deve estar à temperatura ambiente. O ensaio deve ser realizado a
– 25 °C + 20 °C e + 55 °C.

 b) Alternativamente para a), tanto o transmissor como o receptor devem ser colocados juntos
na câmara. Podem ser utilizados, se necessário, tanto a atenuação do sinal pela redução da
distância, como espelho(s) interno ou externo. O ensaio deve ser realizado a – 25 °C, + 20 °C e
+ 55 °C. Na sequência, o transmissor energizado deve ser colocado em uma câmara climática.
O receptor deve estar à temperatura ambiente. O ensaio deve ser realizado à temperatura ambiente
mais 20 K e à temperatura ambiente menos 20 K. Na sequência destes ensaios, o receptor deve
ser colocado na câmara climática e o transmissor deve ser colocado à temperatura ambiente.
O ensaio deve ser realizado à temperatura ambiente mais 20 K e à temperatura ambiente menos 20 K.

 c) Se o indicador ou a unidade de controle for normalmente montada separadamente do transmissor


e receptor, por exemplo, em uma sala de controle, a temperatura do indicador ou da unidade de
controle deve ser mantida a + 5 °C, + 20 °C e + 55 °C, enquanto que o transmissor e receptor são
mantidos a + 20 °C, durante o ensaio.

 d) Para equipamento operado por bateria, o equipamento deve ser colocado em uma câmara
climática, operado normalmente e ensaiado ao ¿m do tempo de estabilização. O reÀetor deve
estar à temperatura ambiente. O ensaio deve ser realizado a - 10 °C, + 20 °C e + 40 °C.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 19/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

Não pode haver perda de função, e qualquer variação do valor medido em relação ao valor medido
a + 20 °C não pode exceder ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

5.4.7 Interferência de vapor de água

As células descritas em 5.2.4.1, uma preenchida com ar limpo e seco sob pressão atmosférica, e a
outra com vapor de água na pressão parcial de 50 kPa, devem ser introduzidas sucessivamente no
caminho do feixe ótico.

Para equipamentos somente para alarme, o alarme não pode ser atuado pelo gás de ensaio de 14 %
a 16 % da concentração de fundo de escala, e deve ser atuado pelo gás de ensaio de 24 % a 26 % da
concentração de fundo de escala, durante a exposição em ambos os extremos de umidade.

Os valores medidos de concentração integral para cada gás não podem divergir dos valores nominais
por mais de ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

NOTA 1 Recomenda-se que sejam tomadas precauções para evitar a formação de condensação de umidade
na janela da célula.

NOTA 2 O Anexo A apresenta um exemplo para a con¿guração do ensaio.

5.4.8 Vibração

5.4.8.1 Equipamento de ensaio

A máquina de ensaio de vibração deve consistir em uma mesa vibratória capaz de produzir frequências
e picos de aceleração variáveis, montada de acordo com os procedimentos de ensaio a seguir.

5.4.8.2 Procedimentos

5.4.8.2.1 Generalidades

O transmissor e o receptor ou transceptor devem ser vibrados individualmente em ar limpo, em cada


um dos três planos paralelos para cada um dos três eixos do equipamento.

O alarme deve ser ajustado a 20 % do fundo de escala.

Antes e no ¿nal do ensaio, o equipamento deve ser exposto ao ar limpo, seguido por uma exposição
que represente o valor médio da faixa de medição.

O equipamento deve ser montado na mesa de vibração da mesma maneira como previsto para uso,
incluindo qualquer dispositivo de montagem ¿xa, transporte ou suporte, que são componentes padrão
do equipamento.

O equipamento deve ser vibrado em toda a faixa de frequência especi¿cada na excursão ou pico de
aceleração constante especi¿cado, pelo período de 1 h em cada um dos três planos mutualmente
perpendiculares. A taxa de variação de frequência deve ser de 10 Hz/min ± 2 Hz/min.

5.4.8.2.2 Procedimento 1

Para equipamentos portáteis e transportáveis, sensores remotos e controladores onde o sensor é


integral ou diretamente acoplado no controlador, a vibração deve obedecer aos seguintes parâmetros:

— 10 Hz a 30 Hz, excursão total de 1,0 mm;

— 30 Hz a 150 Hz, 19,6 m/s2 pico de aceleração.

20/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

5.4.8.2.3 Procedimento 2

Para unidades de controle previstas para instalação remota do sensor, a vibração deve seguir os
seguintes parâmetros:

— 10 Hz a 30 Hz, excursão total de 1,0 mm;

— 30 Hz a 100 Hz, 19,6 m/s2 pico de aceleração.

— O equipamento não pode sofrer qualquer perda de função. Não podem ocorrer alarmes falsos,
falhas de sinal ou danos que resultem em perigo. Os valores medidos de concentração integral
de cada gás não podem diferir dos valores nominais por mais que ± 10 % da faixa de medição ou
± 20 % do valor medido, o que for maior.

5.4.9 Ensaio de queda para equipamentos portáteis e transportáveis

Este ensaio é aplicável aos equipamentos portáteis e transportáveis. Se o fabricante recomenda que
o instrumento seja utilizado em sua maleta de transporte, o ensaio deve ser conduzido com a maleta.

NOTA Se os componentes do equipamento ¿xo puderem ser utilizados como equipamento portátil
ou transportável, de acordo com o manual de instruções, recomenda-se que estes componentes sejam
considerados portáteis ou transportáveis para este ensaio.

Antes e no ¿nal do ensaio, o equipamento deve ser exposto ao ar limpo, e em seguida ao gás de
ensaio padrão.

O equipamento portátil, em operação, deve cair em queda livre de uma altura de 1 m sobre uma
superfície de concreto.

O equipamento transportável, com massa inferior a 5 kg, desligado, deve cair em queda livre de uma
altura de 0,3 m sobre uma superfície de concreto.

Demais equipamentos transportáveis devem cair em queda livre, desligados, de uma altura de 0,1 m
sobre uma superfície de concreto.

O ensaio acima deve ser realizado três vezes, sendo o equipamento portátil liberado cada vez com um
lado diferente (superfície) voltado para baixo no momento da liberação e o equipamento transportável
em uma orientação normal de transporte.

O equipamento deve ser considerado reprovado neste ensaio se, após o ensaio, houver uma perda
de função (por exemplo, alarmes, controles, indicador). Não podem ocorrer alarmes falsos, sinais
de falha, ou danos resultando em perigo. Os valores medidos de concentração integral de cada gás
não podem diferir dos valores nominais por mais de ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor
medido, o que for maior.

5.4.10 Alinhamento

Após a preparação inicial do equipamento conforme 5.4.1 e calibração para o gás a ser detectado
conforme 5.4.3, uma célula de gás contendo o gás padrão de ensaio deve ser introduzida no feixe e a
indicação da concentração integral do gás deve ser registrada.

Com o transmissor ou reÀetor, permanecendo na sua posição ideal, o receptor ou transceptor deve
então ser inclinado em relação aos dois eixos ortogonais, perpendiculares ao eixo do feixe até o
limite máximo da estabilidade especi¿cado pelo fabricante (7.2 c) e, em cada caso, a indicação da
concentração integral do gás deve ser registrada.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 21/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

Com o receptor ou transmissor recolocado à sua posição ideal, o transmissor ou o reÀetor deve
então ser inclinado em relação aos dois eixos ortogonais, perpendiculares ao eixo do feixe até o
limite máximo da estabilidade especi¿cado pelo fabricante (7.2 c) e, em cada caso, a indicação da
concentração integral do gás deve ser registrada.

O equipamento não pode gerar qualquer alarme falso, e os valores medidos da concentração integral
de cada gás não podem diferir dos valores nominais por mais de ± 10 % da faixa de medição ou
± 20 % do valor medido, o que for maior.

5.4.11 Tempo de resposta

5.4.11.1 Equipamentodemedição

Utilizando o equipamento de medição projetado e operado de acordo com 5.2.4, uma célula contendo
a concentração integral do meio da faixa, conforme 5.3.4.1, do gás de ensaio padrão, conforme 5.3.3,
deve ser inserida rapidamente no feixe óptico.

O tempo (t90) necessário para atingir 90 % da leitura ¿nal da concentração integral no caminho do gás
padrão de ensaiodeve ser registrado.

Deve ser alcançado um valor medido de 90 % do valor ¿nal em um tempo não superior a 10 s.

A sequência deve ser repetida, exceto se a célula contendo o gás de ensaio for rapidamente trocada
por célula de mesma dimensão contendo ar limpo. O tempo de recuperação para o sinal cair até 10 %
da leitura do gás de ensaio deve ser registrado.

Em um tempo não superior a 10 s, o valor medido deve indicar 10 % do valor ¿nal anterior.

5.4.11.2 Equipamento somente para alarme

Utilizando o equipamento de medição projetado e operado de acordo com 5.2.4, uma célula que
contenha gás de ensaio com a concentração integral de (120 ± 10) % do valor da concentração do
nível de alarme deve ser exposta rapidamente no feixe óptico. O intervalo de tempo entre a introdução
da célula no feixe e o disparo do alarme deve ser registrado.

O procedimento deve ser repetido para outros níveis de alarme estabelecidos.

Para equipamentos com alarmes reguláveis, os pontos de níveis de alarme devem ser ajustados para
operar no meio da faixa, aproximadamente 40 % a 60 % da faixa de ajuste.

O tempo necessário para alarme não pode exceder 10 s após a alteração crescente da concentração
integral.

5.4.12 Tempomínimodeoperação(equipamentosdeleiturapontual)

A célula de gás padrão de ensaio deve ser inserida no caminho óptico e o procedimento de medição
deve ser iniciado.

A célula de gás padrão de ensaio deve então ser removida do caminho óptico e o procedimento de
medição é iniciado.

Uma variação de 90 % na leitura em ambas as direções deve ser alcançada em menos de 30 s.

22/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

5.4.13 Capacidade da bateria

5.4.13.1 Equipamento portátil de uso contínuo alimentado por bateria

5.4.13.1.1 Descarregamento da bateria

A bateria deve estar totalmente carregada no início do ensaio. Os valores iniciais com ar limpo e com
o gás padrão de ensaio devem ser registrados.

O equipamento deve ser operado em ar limpo, por um período total de:

 a) 8 h, se equipado com chave liga/desliga operada pelo usuário;

 b) 10 h, se não for assim equipado; ou

 c) qualquer tempo maior, conforme especi¿cado pelo fabricante.

No ¿nal deste período especí¿co, o equipamento é exposto ao ar limpo e, em seguida, ao gás padrão
de ensaio. Os valores medidos de concentração integral para cada gás não podem diferir dos valores
iniciais em mais de ± 5 % da faixa de medição ou ± 10 % do valor medido, o que for maior.

5.4.13.1.2 Duraçãodebateriafraca

O equipamento deve continuar a operar em ar limpo até que uma indicação de condição de bateria
baixa seja atingida. O equipamento deve continuar a operar durante 10 min adicionais e, no ¿nal
destes, deve ser feita uma leitura com ar limpo e uma leitura com o gás padrão de ensaio. Os valores
medidos de concentração integral para cada gás não podem diferir dos valores iniciais em mais de
± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

5.4.13.2 Equipamento portátil de leitura pontual alimentado por bateria

5.4.13.2.1 Descarregamento da bateria

A bateria deve estar totalmente carregada no início do ensaio. Os valores iniciais com ar limpo e com
o gás padrão de ensaio devem ser registrados.

O equipamento deve ser operado em ar limpo por 200 vezes. A duração de cada operação deve ser
igual ao tempo mínimo de operação; 1 min deve decorrer depois de cada operação.

No ¿nal das 200 operações, o equipamento deve ser exposto ao ar limpo e, em seguida, ao gás
padrão de ensaio. Os valores medidos de concentração integral para cada gás não podem diferir dos
valores iniciais em mais de ± 5 % da faixa de medição ou ± 10 % do valor medido, o que for maior.

5.4.13.2.2 Duraçãodebateriafraca

O ciclo de operação deve continuar em ar limpo até que uma indicação de condição de bateria baixa
seja atingida. O equipamento deve operar por mais 10 vezes, e, após isso, deve ser registrada uma
leitura com ar limpo e uma leitura com o gás padrão de ensaio. Os valores medidos de concentração
integral para cada gás não podem diferir dos valores iniciais em mais de ± 10 % da faixa de medição
ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

5.4.14 Variaçõesnaalimentaçãodeenergia(equipamentoalimentadoexternamente)

O equipamento deve ser con¿gurado em condições normais (ver 5.3), em tensão nominal de alimentação
e, quando apropriado, na frequência nominal. O equipamento deve, em seguida, ser submetido aos
seguintes ensaios. Os ensaios devem ser realizados utilizando a condição de concentração do meio
da faixa.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 23/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

A calibração do equipamento deve ser veri¿cada em 115 % e 80 % da tensão nominal de alimentação.

Quando o fabricante do equipamento especi¿ca uma faixa de tensão diferente da acima referida,
os equipamentos devem ser ensaiados nos limites superior e inferior da tensão de alimentação
especi¿cada.

Deve ser veri¿cado, no limite inferior da tensão de alimentação, se todas as funções de saída estão
operando corretamente, mesmo em condições de carga máxima.

NOTA 1 Isto inclui ensaiar as saídas analógicas na carga e corrente máximas.

NOTA 2 Isto inclui ensaiar que os relés são capazes de operar em tensão mínima de alimentação.

Qualquer variação do valor medido a partir do valor na tensão nominal de alimentação não pode
exceder ± 5 % da faixa de medição ou ± 10 % do valor medido, o que for maior.

5.4.15 Interrupçõesetransientesnaalimentaçãoelétrica

5.4.15.1 Generalidades

Equipamento de alarme ajustável deve ser con¿gurado de modo que o nível de alarme mais baixo seja
de 20 % da faixa de medição calibrada.

O equipamento deve ser con¿gurado em condições normais, de acordo com 5.3, e deve, então, ser
submetido aos ensaios especi¿cados em 5.4.15.2 e 5.4.15.3 somente com ar limpo. A indicação do
equipamento e os alarmes devem ser monitorados durante os ensaios.

Durante os ensaios, o equipamento não pode gerar inibições espúrias, falhas ou sinais de alarme.
O equipamento deve operar em todos os ensaios com a degradação de desempenho permitida. Não
é permitida mudança de estado operacional real ou dados armazenados.

Após o ensaio, o equipamento deve continuar funcionando como pretendido. O valor medido deve
retornar ao valor original com tolerância de ± 2 % da faixa de medição.

5.4.15.2 Curtainterrupçãodaalimentaçãodeenergia

A alimentação de energia deve ser interrompida por 10 ms, repetindo por dez vezes em intervalos de
tempo aleatórios possuindo um valor médio de 10 s.

5.4.15.3 Mudançasdiscretasdetensão

Para equipamentos alimentados pela rede elétrica e c.c., a tensão de alimentação deve ser aumentada
em 10 % e mantida neste valor até estabilizar, e então reduzida a 15 % abaixo da tensão nominal.
Cada etapa de mudança deve ocorrer dentro de 10 ms.

5.4.16 Recuperaçãodeinterrupçãonaalimentaçãodeenergia

O equipamento deve ser calibrado conforme 5.4.1 e, em seguida, operado com uma célula de
gás no feixe contendo uma concentração integral de 25 % da faixa de medição do gás de ensaio.
A alimentação deve ser desligada por 30 min e a célula de gás substituída por uma célula óptica
equivalente contendo uma concentração integral de 50 % da faixa de medição. A alimentação de
energia deve ser restaurada e, após a estabilização da leitura, a concentração integral medida deve
ser registrada.

24/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

A concentração integral medida após o restabelecimento da energia deve estar dentro de ± 20 % do


valor nominal. Alternativamente, o equipamento deve indicar uma condição de inibição retida.

NOTA O requisito deste ensaio assegura o funcionamento inicial adequado quando o gás está presente.

5.4.17 Compatibilidadeeletromagnética(EMC)

O equipamento deve ser submetido ao método de ensaio utilizado na realização de ensaios de


imunidade irradiada de EMC, de acordo com as IEC 61000-4-1 e ABNT NBR IEC 61000-4-3. O ensaio
deve ser realizado com ar limpo.

Os requisitos do ensaio devem ser considerados com nível 2 de severidade e campo de força 3 V/m.

NOTA 1 Parâmetros mais severos de ensaio de imunidade eletromagnética podem ser necessários para
aplicações especí¿cas ou regulamentações locais.

Equipamento de alarme ajustável deve ser con¿gurado de modo que o nível de alarme mais baixo seja
de 20 % da faixa de medição calibrada.

Se houver uma unidade de controle separada destinada à montagem em rack de aplicação geral, ou
seu equivalente, a unidade de controle deve ser submetida aos ensaios no alojamento fornecido pelo
fabricante. O manual de instruções deve informar ao usuário de que tal unidade de controle deve ser
utilizada com o mesmo alojamento, para evitar efeitos eletromagnéticos adversos.

Durante os ensaios, o equipamento deve operar como pretendido e não pode gerar inibições espúrias,
falhas ou sinais de alarme. Os valores medidos de concentração integral de cada gás não podem
diferir dos valores nominais por mais de ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o
que for maior.

NOTA 2 Para este ensaio, a distância de operação pode ser Àexibilizada para atender aos requisitos da
instalação do ensaio EMC.

NOTA 3 Requisitos de emissões eletromagnéticas podem ser exigidos por outras normas.

5.4.18 Falhanofeixeóptico

5.4.18.1 Alarmes espúrios

Equipamento de alarme ajustável deve ser con¿gurado para o menor nível de alarme ou 10 % da
concentração do gás de fundo de escala, o que for maior.

Com o equipamento operando com ar, o obturador opaco, conforme descrito em 5.2.4.3, deve ser
introduzido através da radiação de medição, a uma velocidade uniforme de 10 cm/s ± 5 cm/s, até que
o feixe seja completamente bloqueado e, em seguida, completamente retirado na mesma velocidade.

O obturador deve ser introduzido, sucessivamente, em cada um dos quatro lados, em intervalos de 90°,
em um plano perpendicular ao eixo da radiação de medição e nas seguintes posições:

 a) para equipamento contendo um transmissor e um receptor separados, as posições devem ser
próximas (por exemplo, inferior a 100 mm) para o transmissor e o receptor;

 b) para o equipamento contendo um transceptor e reÀetor, as posições devem estar próximas
(por exemplo, menos de 100 mm) para o transceptor e reÀetor.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 25/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

O equipamento deve continuar operando sem gerar sinais de alarme espúrios até que um feixe
bloqueado ou sinal de inibição seja produzido. Na retirada do obturador, a partir da posição de “feixe
bloqueado” ou “inibição” até a completa remoção, o equipamento deve operar novamente sem gerar
sinais de alarme espúrios.

5.4.18.2 Recuperação

Com o equipamento operando em ar ambiente, introduzir uma célula de gás padrão com concentração
no meio da faixa e registrar a leitura após a estabilização. Remover o gás padrão com valor médio; o
obturador opaco deve ser inserido rapidamente dentro do feixe em qualquer direção até que um sinal
de inibição devido ao bloqueio do feixe seja produzido.

Enquanto a condição do feixe bloqueada estiver sendo indicada, a célula de gás padrão, com
concentração no meio da faixa, deve ser introduzida na posição do feixe e o obturador deve então ser
removido rapidamente. A indicação ou sinal de saída atingido dentro de 30 s da remoção do obturador
não pode diferir do valor de concentração inicial na célula de ensaio mais que ± 10 %.

5.4.19 Obscurecimento parcial

Equipamento de alarme ajustável deve ser ajustado para o menor nível de alarme ou 10 % da
concentração do fundo de escala, o que for maior.

As leituras devem ser tomadas com o ar limpo e gás padrão de ensaio.

Com o equipamento operando em ar, uma máscara de obscurecimento deve ser introduzida de tal
modo que 50 % da abertura de receptor seja obscurecida. Realizar o ensaio em cada uma das quatro
direções, em intervalos de 90°, em um plano perpendicular ao eixo da radiação de medição, a uma
distância inferior a 100 mm, iniciando na posição vertical. Em cada orientação ortogonal, introduzir ar
limpo e gás padrão de ensaio.

O equipamento deve continuar a operar sem gerar alarmes falsos. Em cada orientação se não for
acionado um sinal de falha, a variação dos valores medidos a partir dos valores iniciais devem estar
dentro ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

5.4.20 Operaçãodelongoalcance

O equipamento deve ser operado na distância máxima de funcionamento, conforme as instruções do


fabricante 7.2 f) 3), com o ar ambiente e células preenchidas com ar limpo no caminho óptico.

A máscara de atenuação do feixe (5.2.4.2) deve então ser inserida no feixe para atenuar a radiação
pelo menos em 90 % (com a inclusão da atenuação da célula de gás). A célula de gás deve então ser
preenchida com o gás padrão de ensaio.

O instrumento deve continuar a operar e não pode gerar sinais de inibição ou sinais de falha ou
alarmes falsos, quando exposto ao ar limpo. Embora a atenuação possa produzir uma leitura mais
instável, qualquer mudança no valor médio medido da concentração de gás na inserção integrante da
máscara não pode exceder ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

5.4.21 Radiaçãosolardireta(aplicávelparaequipamentosdestinadosaousoaoarlivre)

O transmissor e o receptor devem ser preparados conforme 5.4.1, montados conforme indicado em
5.2.3 e posicionados conforme de¿nido em 5.3.2.

26/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

A radiação do sol deve ser reÀetida de um espelho com superfície plana frontal ou composto de
arranjo de espelhos na direção da abertura da entrada do equipamento. Uma íris deve ser inserida
no feixe para garantir que apenas a radiação a partir do disco solar seja reÀetida em direção à
abertura do receptor. A intensidade da radiação medida na frente da abertura do receptor deve ser
de 800 W/m2 ± 50 W/m2. Valores maiores de intensidade de radiação podem ser acordados entre o
fabricante e o laboratório de ensaios.

NOTA 1 Uma máscara apropriada pode ser usada para atenuar a radiação.

NOTA 2 Uma inclinação superior a 30° acima do horizonte é geralmente necessária para conseguir uma
intensidade de luz de 750 W/m2.

A intensidade da radiação a partir do transmissor, medida na entrada da abertura do receptor, deve ser
atenuada para o valor veri¿cado, quando se opera sobre o alcance máximo.

Uma célula de gás padrão com concentração no meio da faixa ou ¿ltro de simulação de gás, conforme
descrito em 5.2.4.6, deve ser inserida no feixe próximo do transceptor ou do receptor, e deve ser de
tamanho su¿ciente para garantir que não exista qualquer obstrução do feixe de radiação reÀetido.

O espelho deve ser orientado de modo que a inclinação da radiação solar reÀetida para o eixo óptico
do equipamento seja ¿xada sucessivamente em + 10°, + 3°, - 3° e - 10° em dois planos perpendiculares
entre si, com tolerância angular de ± 1° em cada caso.

NOTA 3 Quando for possível girar um receptor ou transceptor em torno do seu eixo óptico, uma disposição
alternativa é colocar o espelho sucessivamente em apenas duas posições para fornecer radiação incidente
a 10° ± 1° e 3° ± 1° em relação ao eixo óptico, de tal modo que o receptor ou transceptor seja rotacionado
em torno do seu eixo óptico em 0° ± 1°, 90° ± 1°, 180° ± 1° e 270° ± 1° em cada um dos casos.

Em cada inclinação, deve ser permitido que o equipamento estabilize antes que as medições da
concentração do meio da faixa sejam registradas.

Durante todo o ensaio, o equipamento deve continuar a operar e não pode gerar inibição por falha
ou sinais de alarme. O sinal medido após a estabilização em cada um dos ângulos de inclinação não
pode ultrapassar ± 10 % da faixa de medição ou ± 20 % do valor medido, o que for maior.

6 Veri¿caçõesdeequipamentosnocampo
Quando o equipamento for equipado com um dispositivo para veri¿cação em campo destinado a facilitar
as veri¿cações periódicas do desempenho do equipamento, a e¿cácia deste tipo de equipamento
deve ser submetida aos seguintes procedimentos de ensaio:

 a) calibrar o equipamento de acordo com 5.4.1, utilizando as condições de ensaio conforme 5.3;

 b) utilizar o equipamento para veri¿cação em campo em conformidade com as instruções do


fabricante.

O valor medido ou o sinal de saída observado durante o uso do equipamento para veri¿cação em
campo em conformidade com as instruções do fabricante não podem diferir da resposta esperada,
conforme especi¿cado pelo fabricante em mais de ± 15 % da faixa de medição.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 27/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

7 Informaçõesparautilização
7.1 Marcação

O equipamento deve estar em conformidade com os requisitos de marcação da ABNT NBR IEC 60079-0.

NOTA O equipamento elétrico que não atenda plenamente às partes pertinentes da ABNT NBR IEC 60079-0,
quando a segurança equivalente for declarada, deve ser marcado com o símbolo “s”.

NOTA BRASILEIRA Os requisitos para marcação “s” estão de¿nidos na IEC 60079-33 – Explosive
Atmosphere – Part 33 Equipment protection by special protection “s”, publicada em 27/09/2012.

Além disso, o equipamento também deve ser marcado:

 a) “ABNT NBR IEC 60079-29-4” (para indicar a conformidade com esta Norma de desempenho);

 b) ano de fabricação (podem ser codi¿cados dentro do número de série).

7.2 Manualdeinstruções
Cada equipamento de detecção de gás ou cada lote de equipamentos devem ser acompanhados de
instruções, como exigido pela ABNT NBR IEC 60079-0, incluindo os seguintes elementos adicionais
especí¿cos:

O manual de instruções deve conter instruções completas, claras e precisas, desenhos e diagramas
para uma operação, instalação e manutenção segura e adequada do equipamento. Deve incluir as
seguintes informações:

 a) detalhes de todas as precauções de segurança que devem ser observadas durante o manuseio,
instalação, operação, calibração, manutenção e armazenamento dos equipamentos, peças
associadas, acessórios e consumíveis e também instruções para descarte de qualquer item
perigoso ou tóxico;

 b) características relevantes de cabos de interconexão e de quaisquer requisitos de blindagem ou


proteção da ¿ação;

  c) instruções completas para instalação e início de funcionamento, incluindo a operação de itens


auxiliares de alinhamento e os requisitos para precisão e estabilidade do alinhamento;

 d) instruções de operação e ajustes;

 e) instruções para a veri¿cação ou calibração do equipamento de forma rotineira, incluindo instruções
para o uso de qualquer equipamento para veri¿cação em campo que possa ser fornecido;

 f) detalhes de limitações operacionais, incluindo, quando aplicável, o seguinte:

 1) os gases e faixas de concentrações integrais para as quais o equipamento é adequado e


para os quais a conformidade do equipamento com esta Norma é declarada, e, no caso de
equipamentos de alarme prede¿nido, o valor do alarme de¿nido;

 2) o caminho da concentração mínima integral que pode ser determinada;

 3) comprimentos operacionais máximos e mínimos do caminho aberto;

 4) limites de temperatura ambiente e detalhes de quaisquer correções de temperatura aplicadas;

28/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

 5) qualquer inÀuência da composição atmosférica, incluindo umidade;

 6) limites de pressão ambiente e detalhes de eventuais correções de pressão aplicadas;

 7) faixa de tensão de alimentação elétrica e de frequência no caso de corrente alternada (c.a.);

 8) efeitos e eventuais limitações operacionais de fontes ópticas adversas (por exemplo, luz do
sol, operações de soldagem etc.);

 9) condições ambientais inadequadas (por exemplo, uso marítimo);

 10) resposta ao aumento muito lento no caminho de concentração integral;

 11) advertência sobre qualquer limitação na medição de concentrações de caminho integral de


gás que possam acumular durante um período de interrupção da alimentação elétrica.

 g) as características de resposta do equipamento para cada um dos gases ou vapores para os quais
o equipamento é destinado;

 h) a resposta relativa de gases ou vapores que possam interferir na detecção de cada um dos gases
para os quais o equipamento é destinado;

 i) informações sobre os efeitos adversos de contaminação ou outras substâncias, como chuva,
neve, neblina, fumaça, poeira e outras partículas

 j) signi¿cado de todas as indicações e sinais de saída;

 k) os detalhes de qualquer método para determinar as possíveis fontes de um mau funcionamento
e de quaisquer procedimentos corretivos e informações adicionais apropriadas para facilitar a
manutenção (por exemplo, endereço do importador, reparador etc.);

 l) declaração de que dispositivos de alarme ou contatos de saída são de tipos com ou sem
travamento;

 m) uma lista de peças de reposição recomendadas e dos consumíveis;

 n) o tempo e condições de armazenamento recomendados para o equipamento, peças de reposição,


acessórios e consumíveis;

 o) a lista de acessórios opcionais disponíveis (por exemplo, para proteção contra intempéries)
e uma indicação dos efeitos que estes produzem sobre as características do instrumento;

 p) procedimentos recomendados para a limpeza de superfícies ópticas e de substituição de compo-


nentes ópticos, quando aplicável;

 q) qualquer condição especial de serviço;

 r) para o equipamento operado por bateria, instruções para a instalação, manutenção, descarte de
forma segura e, quando aplicável, como recarregar as baterias, juntamente com uma declaração de
tempo de funcionamento esperado entre as recargas ou, no caso das baterias não recarregáveis,
antes da substituição da bateria;

 s) o tempo necessário para o equipamento operar dentro da especi¿cação, depois de ligar;

 t) limitações de EMC do equipamento (por exemplo, a instalação da unidade de controle em um


invólucro especial).

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 29/31


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

AnexoA
(normativo)

Equipamento para ensaio de vapor de água

Legenda

O equipamento de ensaio de vapor de água inclui os seguintes elementos:


1 Um tubo de 2 m com janela de material de quartzo e uma junta em cada extremidade. Tubo de dreno em
cada extremidade e entrada de termopar.
2 Recipiente de água destilada e tubos.
3 Aquecedor elétrico para água.
4 Fita de aquecimento com controle de temperatura.
5 Suporte ou apoio para instalação de ensaio.

30/31 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO03:031.03-010(IEC60079-29-4:2009)
AGO 2014

Bibliogra¿a

ABNT NBR IEC 60050-426, Vocabulário eletrotécnico internacional – Parte 426: Equipamentos para
atmosferas explosivas

ISO 6142, Gas analysis – Preparation of calibration gas mixtures – Gravimetric method

ISO 6144, Gas analysis – Preparation of calibration gas mixtures – Static volumetric method

ISO 6145 (all parts), Gas analysis – Preparation of calibration gas mixtures using dynamic volumetric
methods

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 31/31