Você está na página 1de 14

EUROCÓDIGOS

ESTRUTURAIS
EUROCÓDIGO 7
PROJECTO GEOTÉCNICO

MMC; DEG; ISEP 1


EUROCÓDIGOS ESTRUTURAIS
A CE apresenta normas relativas ao projecto estrutural e
geotécnico de edifícios e obras de Engenharia
g g Civil nos
Eurocódigos Estruturais:
– Eurocódigo 1 – Bases de projecto e acções em estruturas
– Eurocódigo 2 – Projecto de estruturas de betão
– Eurocódigo 3 – Projecto de estruturas de aço
– Eurocódigo 4 – Projecto de estruturas de mistas aço-betão
– Eurocódigo 5 – Projecto de estruturas de madeira
– Eurocódigo
E ódi 6 – Projecto
P j t de d estruturas
t t de
d alvenaria
l i
– Eurocódigo 7 – Projecto geotécnico
– Eurocódigo 8 – Disposições para projecto de estruturas sismo
sismo-
resistentes
– Eurocódigo
g 9 – Projecto
j de estruturas de alumínio
MMC; DEG; ISEP 2
EUROCÓDIGO 7
• Abrange:
– Fundações superficiais
– Fundações em estacas
– Estruturas de suporte
– Aterros e taludes
• Confere:
– Particular atenção à Caracterização Geotécnica
– Supervisão da construção
construção, observação e manutenção
– Rebaixamentos e melhoramentos do terreno
• No eurocódigo 7 são apresentados:
– Princípios:
• disposições gerais e definições que não admitem alternativa;
• requisitos e modelos analíticos para os quais não se admitem
• alternativas excepto quando expressamente indicadas.
– Regras de Aplicação:
• exemplos de métodos e procedimentos reconhecidos como adequados

MMC; DEG; ISEP 3


EUROCÓDIGO 7- CATEGORIAS GEOTÉCNICAS
Os Requisitos do Projecto Geotécnico são estabelecidos em função das
Categorias geotécnicas.
Estão definidas 3 Categorias
g Geotécnicas:
Categoria geotécnica 1
Engloba estruturas pequenas e relativamente simples para as quais se pode
assegurar que:
– são satisfeitos os requisitos fundamentais apenas com base na experiência e
em estudos de caracterização geotécnica de natureza qualitativa;
– com riscos desprezáveis para bens e vidas;
– existe experiência comparável que comprove que as condições do terreno são
suficientemente simples para que seja possível usar métodos de rotina no
projecto.
• Exemplos:
– edificações simples de 1 e 2 andares; carga máxima de cálculo de 250kN nos
pilares e 100kN/m nas paredes; tipos habituais de sapatas e estacas;
– muros de suporte de terras e contenções para desníveis até 2m;
– pequenas escavações para trabalhos de drenagem, tubagens etc

MMC; DEG; ISEP 4


EUROCÓDIGO 7- CATEGORIAS GEOTÉCNICAS
Categoria geotécnica 2
Engloba tipos convencionais de estruturas e fundações que não envolvam
riscos fora do comum ou condições
ç do terreno e de carregamento
g
invulgares ou particularmente difíceis.
• Requer a quantificação e análise dos dados geotécnicos.
• Obriga
Ob i a uma análise
áli quantitativa
tit ti que assegure que os requisitos
i it
fundamentais são satisfeitos.
• Podem ser usados procedimentos de rotina nos ensaios de campo e
laboratório, bem como na elaboração do projecto e na sua execução.
• Exemplos:
– fundações superficiais,
superficiais ensoleiramentos e fundações em estacas;
– muros, estruturas de contenção e escavações;
– pilares e encontros de pontes;
– aterros e movimentos de terras;
– ancoragens;
– túneis em rocha resistente e não fracturada.

MMC; DEG; ISEP 5


EUROCÓDIGO 7- CATEGORIAS GEOTÉCNICAS
Categoria geotécnica 3
Engloba estruturas não abrangidas pelas categorias geotécnicas 1 e 2:
– estruturas de grande dimensão ou pouco comuns; com riscos fora do
comum; com condições do terreno e de carregamento invulgares
– estruturas em áreas de sismicidade elevada.
Deve verificar-se que não é excedido nenhum estado limite relevante
através de:
– uso de cálculos;
– adopção de medidas prescritivas;
– uso de modelos experimentais e ensaios de carga;
– uso de um método observacional.
– relatório geotécnico
Estas metodologias podem ser empregues de forma combinada.

MMC; DEG; ISEP 6


ESTUDOS DE CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA
Deverão incluir:
– estudos preliminares
preliminares,
– estudos para o dimensionamento,
– determinação dos parâmetros geotécnicos e
– elaboração do relatório geotécnico de síntese.

Categoria Geotécnica 1
Os estudos de caracterização geotécnica devem incluir
uma inspecção visual do local da obra e também a
execução de poços pouco profundos
profundos, ensaios de
penetração ou furos com trado.

MMC; DEG; ISEP 7


ESTUDOS DE CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA
Categorias Geotécnicas 2 e 3
• Estudos preliminares:
– Avaliar, de uma forma geral,
Avaliar geral a adequação do local
– Comparar locais alternativos, quando relevante
– Estimar o impacte que a construção da obra possa causar
– Planear os estudos g geotécnicos para o dimensionamento e para o controlo do
comportamento
– Identificar zonas de empréstimo, quando relevante
• Estudos para o dimensionamento
– Obter a informação
Obt i f ã necessária
á i para o dimensionamento;
di i t
– Obter a informação necessária para a construção
– Identificar quaisquer dificuldades que possam surgir durante a construção
– Identificar de modo fiável a disposição e as propriedades de todos os terrenos interessados
pela estrutura projectada ou afectados pelos trabalhos propostos
– Obter os parâmetros do terreno susceptíveis de afectar a capacidade da estrutura para
cumprir os seus requisitos de comportamento devem ser identificados antes do início do
di
dimensionamento
i t fi
finall
• Estudos de verificação das condições do terreno

MMC; DEG; ISEP 8


ESTUDOS DE CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA
O EC7 refere ainda um conjunto de aspectos a ter em atenção durante os estudos
de caracterização geotécnica.
• Aspectos de natureza geológica
– Existência de cavidades
– Degradação das rochas, solos ou materiais de aterro
– Efeitos hidrogeológicos
g g
– Falhas, diaclases e outras superfícies de descontinuidade
– Solos ou maciços rochosos sujeitos a fenómenos de dilatância
– Solos e rochas expansíveis e colapsáveis
– Presença de resíduos ou materiais manufacturados
• Reconhecimento e trabalhos de prospecção
– Os estudos devem abranger pelo menos as formações que se considere relevantes para o
projecto
– A distância entre os pontos de prospecção e ensaio, bem como a profundidade a atingir,
devem ser escolhidas com base:
• na informação sobre a geologia da área,
• nas condições do terreno,
• nas dimensões do local e
• no tipo de estrutura

MMC; DEG; ISEP 9


RECONHECIMENTO E TRABALHOS DE PROSPECÇÃO
Função da Categoria Geotécnica e também do tipo e dimensão das obras
a implantar surgem recomendações relativas aos níveis mínimos a
atingir com o Reconhecimento e os Trabalhos de Prospecção.
Prospecção

Para a Categoria Geotécnica 2 é recomendado:


• Obras que cobrem uma grande área
– Os pontos de prospecção podem ser dispostos segundo uma malha com
distâncias entre 20 e 40m.
– Em terrenos uniformes os furos ou poços de sondagem podem ser parcialmente
substituídos por ensaios de penetração ou sondagens geofísicas
• Sapatas isoladas ou contínuas:
– A profundidade das sondagens abaixo do nível previsto para a fundação deve
variar entre 1 a 3 vezes a largura dos elementos da fundação
• Ensoleiramentos:
– A profundidade das sondagens deve ser superior ou igual à largura da fundação

MMC; DEG; ISEP 10


RECONHECIMENTO E TRABALHOS DE PROSPECÇÃO
Para a Categoria Geotécnica 2 é recomendado:
• Obras de aterro:
– Para identificar os estratos compressíveis susceptíveis de contribuir
para o assentamento (.s=10%); a distância entre pontos de prospecção
deve variar entre 100 a 200m.
• Fundações por estacas:
– A profundidade das sondagens abaixo da ponta das estacas deve ser
de 5 vezes o diâmetro previsto.
p
– Para grupos de estacas a profundidade deve ser maior do que a largura
de grupo, ao nível das respectivas pontas
• Devem ainda:
• ser determinadas as pressões da água no terreno;
• ser identificados os níveis extremos de eventuais águas livres
• determinar-se
d t i a llocalização
li ã e a capacidade
id d dde poços d
de d
drenagem ou d
de
bombagem eventualmente existentes na vizinhança do local

MMC; DEG; ISEP 11


RECONHECIMENTO E
TRABALHOS DE PROSPECÇÃO
Para a Categoria Geotécnica 3 é recomendado:
– A realização de estudos geotécnicos que permitam
atingir, no mínimo, os requisitos das categorias
geotécnicas
té i iinferiores
f i
– Realizar todos os estudos complementares de
caracterização geotécnica de natureza mais
especializada que se revelarem necessários
– Sempre que sempre que se recorra a ensaios
especiais, os procedimentos de ensaio e os métodos
p ç devem ser documentados,, devendo
de interpretação
além disso ser indicadas referências relativas aos
ensaios

MMC; DEG; ISEP 12


DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS GEOTÉCNICOS

São inúmeros os factores que interferem na quantidade e


qualidade dos parâmetros geotécnicos obtidos nas
diferentes fases de estudo e projecto:
– Os parâmetros geotécnicos devem ser obtidos através de ensaios de
campo e laboratoriais; a interpretação dos resultados deve ser feita de
forma adequada ao estado limite em consideração.
– Muitos parâmetros não são constantes “verdadeiras”
verdadeiras , já que dependem
de factores tais como o nível de tensão, o modo de deformação, etc..
– Informação publicada em condições de terreno semelhantes
– Número de ensaios; variabilidade
– Experiência local e geral; correlações entre parâmetros
– Resultados de obras experimentais e/ou em obras reais
– Correlações entre os resultados de mais de um tipo de ensaios

MMC; DEG; ISEP 13


DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS GEOTÉCNICOS
Identificação do terreno (solos e rochas):
– Peso volúmico (solos e rochas)
– Qualidade e propriedades de rochas e maciços rochosos
– Compacidade relativa (solos incoerentes)
– Compactação relativa
– Compactabilidade (aterros)
– Resistência ao corte não drenada de solos coesivos
– Resistência ao corte dos solos em tensões efectivas
– Deformabilidade dos solos
– Parâmetros de permeabilidade e de consolidação
– Resistência à p
penetração
ç estática ((CPT))
– Número de pancadas em ensaios (SPT)
– Parâmetros pressiométricos
– Parâmetros dilatométricos
entre outros.

MMC; DEG; ISEP 14

Você também pode gostar