Você está na página 1de 21

UNIC – UNIVERSIDADES DE CUIABÁ

ENGENHARIA CIVIL

PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO:
ANÁLISE DA VIABILIDADE NO USO DE LAJES PRÉ-
MOLDADAS EM EDIFICAÇÕES DE PEQUENO PORTE

MATHEUS R. SILVA

CUIABÁ - MT
2019
MATHEUS R. SILVA

PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO:
ANÁLISE DA VIABILIDADE NO USO DE LAJES PRÉ-
MOLDADAS EM EDIFICAÇÕES DE PEQUENO PORTE

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado à Universidade de Cuiabá como
requisito parcial para obtenção de título de
graduado em Engenharia Civil.
ORIENTADOR: ANDRÉ MACHADO

CUIABÁ - MT
2019
MATHEUS R. SILVA

PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO:
Análise da Viabilidade no Uso de Lajes Pré-moldadas em Edificações de
Pequeno Porte

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado a Universidade de Cuiabá, como
como requisito parcial para obtenção do título de
graduado em Engenharia Civil.

BANCA EXAMINADORA

________________________________________
Prof. Orientador André Machado

________________________________________
Prof. Avaliador André Machado

Cuiabá, 4 de maio de 2019.


À meu pai Francimar e à minha mãe
Maria dedico este trabalho, com todo amor
e carinho.

CUIABÁ - MT
2019
“É muito melhor lançar-se em busca de
conquistas grandiosas, mesmo expondo-se
ao fracasso, do que alinhar-se com os pobres
de espírito, que nem gozam muito nem
sofrem muito, porque vivem numa penumbra
cinzenta, onde não conhecem nem vitória,
nem derrota.”
(Theodore Roosevelt)

CUIABÁ - MT
2019
SILVA, Matheus. PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO: Análise de Viabilidade
no Uso do Concreto Pré-moldado em Edificações de Pequeno Porte. 2019. 19 folhas.
Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade de
Cuiabá, Cuiabá, 2019.

RESUMO

O concreto pré-moldado é um material de construção fabricado por meio da


colocação de concreto em um molde. Ainda no molde, esse concreto é levado para
ser curado em uma área controlada que irá garantir a qualidade da peça. Basicamente
são peças estruturais moldadas fora da sua localidade definitiva na estrutura. O pré-
moldado é utilizado no que chamamos de construções secas, por evitar o desperdício
de materiais e permitir que a execução seja mais rápida e sustentável em comparação
com os sistemas convencionais de concreto moldado in loco. Ou seja, podem ser
vigas, pilares, lajes ou qualquer outro elemento de concreto que é fabricado fora da
estrutura e depois transportado e instalado no seu local definitivo por causa desses
atributos, o concreto pré-moldado ocupa um espaço cada vez maior no mercado da
engenharia civil. A proposta do trabalho é realizar um estudo sobre a viabilidade no
uso de lajes pré-moldadas em edificações de pequeno porte, mostrando os critérios a
serem adotados na escolha dos tipos de lajes, as vantagens e desvantagens de cada
modelo de laje e como é feito o dimensionamento de uma laje pré-moldada.

Palavras-chave: Concreto pré-moldado. Pré-fabricação. Industrialização da


construção e racionalização. Lajes pré-moldadas.
SILVA, Matheus. PRECAST CONCRETE: Feasibility Analysis on the Use of Precast
Slabs in Small Buildings. 2019. 19 folhas. Trabalho de Conclusão de Curso
(Graduação em Engenharia Civil) – Universidade de Cuiabá, Cuiabá, 2019

ABSTRACT

Precast concrete is used in the particle drying process with the use of high-
performance materials and allows it to be faster and more resilient compared to
conventional cast-in-place concrete systems. For example, pre-cast concrete occupies
an increasing space in the civil engineering market. The proposal of work is to carry
out a study on the feasibility of using precast slabs in small buildings, showing the
selection criteria for the choice of slab types, as advantages and disadvantages of
each slab model and how it is done . the design of a preformed slab.

Keywords: Precast concrete. Prefabrication. Industrialization of construction


and rationalization. Precast slabs.
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ........................................................................................... 9

2 ESTRUTURAS PRÉ-MOLDADAS: DEFINIÇÕES .................................... 11

2.1 HISTÓRICO ....................................................................................... 12

2.2 LAJES: DEFINIÇÕES ........................................................................ 14

2.2.1 Lajes maciças ........................................................................................ 15

2.2.2 Lajes lisa e cogumelo ............................................................................ 16

2.2.3 Lajes nervuradas ................................................................................... 17

2.2.4 Lajes pré-fabricadas .............................................................................. 17

3 VANTAGENS E DESVANTAGENS NO USO DE LAJES PRÉ-MOLDADOS


NA CONSTRUÇÃO DE EDIFICAÇÕES DE PEQUENO PORTE .......................... 19

3.1 VANTAGENS ........................................................................................ 20

3.2 DESVANTAGENS ................................................................................. 20

3.3 CONCRETO PRÉ-MOLDADO NO BRASIL .......................................... 20

3.4 OS AVANÇOS DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO NO BRASIL ........... 20

3.5 USO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS NO BRASIL ................................... 20

4 DIMENSIONAMENTO DE UMA LAJE PRÉ-MOLDADA .......................... 20

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS...................................................................... 20

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................. 21


1 INTRODUÇÃO
O pré-moldado é um material de construção fabricado por meio da colocação
de concreto em um molde. Ainda no molde, esse concreto é levado para ser curado
em uma área controlada que irá garantir a qualidade da peça. Ou seja, podem ser
vigas, pilares, lajes ou qualquer outro elemento de concreto que é fabricado fora da
estrutura e depois transportado e instalado no seu local definitivo. Basicamente são
peças estruturais moldadas fora da sua localidade definitiva na estrutura.
Os elementos pré-moldados de concreto são geralmente moldados em uma
fábrica onde passam por um rigoroso controle de qualidade, quando prontos, são
transportados para o canteiro de obras, onde irão ser utilizados. Porém, os pré-
moldados também podem ser feitos no canteiro de obras do próprio empreendimento,
recebendo assim o nome de pré-moldados de canteiro. O pré-moldado e/ou pré-
fabricado oferece um processo mais rápido, seguro e acessível do que o concreto
comum, que é preparado diretamente no local da construção.
No Brasil, a evolução dos métodos construtivos de pequenas construções nos
últimos anos foi muito baixa, quase que majoritariamente, as pesquisas que levam a
evolução e avanço da maneira de se construir são voltadas a edificações de grande
porte, deixando assim de lado as pequenas edificações. A maneira que são feitas as
pequenas obras ainda são muito arcaicas, pois é utilizado um método muito artesanal
para se construir uma edificação de pequeno porte. Em contraponto, em grandes
construções, as tecnologias e métodos aplicados geralmente são os mais modernos
possíveis, ou mesmo sendo um método antigo, mas utilizando novas tecnologias
como é o caso dos pré-moldados de concreto. Sendo assim, no presente trabalho
será feito uma análise da viabilidade do uso de lajes pré-moldadas em edificações de
pequeno porte, e como esse método pode contribuir com o avanço nas obras de
menor porte.
É de conhecimento comum que a área da construção civil há muito tempo
necessitava de um meio de renovação aos métodos construtivos usuais, com todos
os avanços tecnológicos em diversas áreas das ciências e da indústria, os métodos
de se edificar adotados na construção convencional começaram a parecer
ultrapassados, pois a maneira de se construir antes (e até hoje) adotada é uma forma
muito artesanal, onde leva muito tempo e dinheiro, devido termos que encaixar tijolos
por tijolos quando erguemos uma habitação; o que demanda muito tempo e torna o
custo da obra mais elevado.
CUIABÁ - MT
2019
Diante disso surgiu então uma alternativa aos métodos construtivos usuais que
é o concreto pré-moldado, onde é bastante aplicado em obras na Europa e América
do Norte, porém no Brasil, o uso de estruturas pré-moldadas em concreto tem um
espaço significativo apenas em grandes construções como viadutos, pontes e
edifícios com muitos pavimentos, mas em edificações de pequeno porte, não é tão
aproveitada a sua utilização quando comparada a outros países mais desenvolvidos
como Estados Unidos, Japão, Canadá e etc. Por isso, surge a necessidade de um
estudo sobre a viabilidade da aplicação de estruturas pré-moldadas em obras de
pequeno porte.

O objetivo do trabalho é analisar a viabilidade no uso de lajes pré-moldadas em


edificações de pequeno porte. Mais especificamente, estabelecer os conceitos que
definem esse tipo de estrutura, compreender os processos executivos necessários
para a sua construção, mostrar as vantagens e desvantagens em relação a outras
estruturas moldadas in loco, e demonstrar como é feito o dimensionamento dessa
estrutura.

Para atingir o objetivo desejado foram feitas pesquisas e reunidas informações


sobre o tema, onde se procurou analisar criticamente as referências encontradas,
organizando-se de forma coerente os conceitos e informações obtidos de interesse,
pelo uso de um modelo consistente de apresentação das informações do objetivo
definido. No processo de procura das informações, foram realizadas pesquisas de
artigos com filtros nos períodos de 2000 até 2019 relacionados ao concreto pré-
moldado e lajes pré-moldadas. Algumas das principais referências utilizados
constituíram trabalhos de autores como El Debs, Fusco, Van Acker e Mamede.
Porém, também foram utilizados diversos outros documentos, como manuais, livros,
entrevistas, referenciais normativos e a produção acadêmica tradicional.

CUIABÁ - MT
2019
2 ESTRUTURAS PRÉ-MOLDADAS: DEFINIÇÕES
É de conhecimento comum que a área da construção civil há muito tempo
necessitava de um meio de renovação aos métodos construtivos usuais, com todos
os avanços tecnológicos em diversas áreas das ciências e da indústria, os métodos
de se edificar adotados na construção convencional começaram a parecer
ultrapassados, pois a maneira de se construir antes (e até hoje) adotada é uma forma
muito artesanal, onde leva muito tempo e dinheiro, devido termos que encaixar tijolos
por tijolos quando erguemos uma habitação; o que demanda muito tempo e torna o
custo da obra mais elevado.
El Debs (2000, p. 3), fala: “A construção civil tem sido considerada uma
indústria atrasada quando comparada a outros ramos industriais. A razão disso está
no fato de ela apresentar, de uma maneira geral, baixa produtividade, grande
desperdício de materiais, morosidade e baixo controle de qualidade”.
Foram diversas etapas que levaram a evolução da construção civil, cada uma
caracteriza-se por suas diversas tecnologias, métodos e arquiteturas próprias. Hoje
em dia, os métodos construtivos de alguns subsetores utilizam-se de modernos
processos de gestão industrial. Em meio a estes sistemas, um ganhou bastante
destaque por sua agilidade na hora de se construir: os pré-moldados ou pré-fabricados
em concreto armado.
El Debs (2000, p. 3) define a pré-moldagem sendo “[...] um processo de
construção em que a obra, ou parte dela, é moldada fora de seu local de utilização
definitivo. Frequentemente, a pré-moldagem é relacionada a outros dois termos: a pré-
fabricação e a industrialização da construção”.
Já segundo o autor Revel (1973, p. 15):
O termo pré-fabricação no campo da construção significa: fabricação antes
da colocação na obra. Em seu sentido mais geral, esta denominação se
aplica a toda fabricação de elementos de construção em uma fábrica, a partir
de matérias-primas ou de semi-produtos cuidadosamente escolhidos e
utilizados, sendo em seguida estes elementos transportados para a obra
onde ocorre a edificação do trabalho.
A definição dada pela NBR 9062:2006 – Projeto e execução de concreto pré-
moldado, é que o concreto pré-moldado é um elemento executado fora do seu local
ultimo de utilização e produzido em condições com menor teor de rigorosidade no
controle de qualidade e que é inspecionado individualmente ou por lotes, podendo ser
pelo próprio construtor, pelo proprietário ou por organizações especializadas, não
necessitando de controle no laboratório ou outras instalações de mesmo caráter.

CUIABÁ - MT
2019
2.1 HISTÓRICO
O sistema pré-moldado e/ou pré-fabricado teve seu salto evolutivo junto à
história da industrialização, ou seja, seu desenvolvimento se deu junto a evolução das
máquinas, ferramentas e métodos para produção em larga escala de bens de
consumo. Como no ciclo evolutivo natural, onde quem melhor se adapta vence, nas
atividades exercidas pelo homem não é diferente, de forma gradual serviços antes
feitos com máquinas foram sendo substituídas por mecanismos onde facilitam e
otimizam a execução das mesmas.
Segundo Vasconcelos (2002), não é possível se saber com precisão, quando
se começou a usar a fabricação pré-moldada do concreto, já que o próprio nascimento
do concreto armado ocorreu com a pré-moldagem de elementos fora do local de seu
uso. Sendo assim, pode-se afirmar que a pré-moldagem começou com a invenção do
concreto armado.
Ainda segundo Vasconcellos (2002), acredita-se que a primeira aplicação de
elementos pré-moldados como conhecemos hoje em estruturas de edificações foi
realizada na França, em 1981, utilizando-se vigas pré-moldadas na construção do
Cassino de Biarritz.
Vasconcelos (2002) cita que o período correspondente ao final do século XIX
e início do século XX foi marcado pelo grande incremento do emprego do concreto
armado na Construção Civil. Dessa época até o final da IIª Guerra Mundial em 1945,
o desenvolvimento da pré-moldagem acompanhou o desenvolvimento do concreto
armado e protendido, havendo exemplos notáveis principalmente na construção de
galpões. Porém, após o final deste conflito, foi que ocorreu o grande impulso das
aplicações do concreto pré-moldado na Europa, principalmente em habitações,
galpões e pontes. As principais razões desse impulso foram a necessidade de
construções em larga escala, a escassez de mão-de-obra e o desenvolvimento da
tecnologia do concreto protendido. Esse desenvolvimento concentrou-se inicialmente
na Europa Ocidental e depois na Europa Oriental

Salas (1988, p. 4) divide os períodos de uso do concreto pré-fabricado da


seguinte forma:

De 1950 a 1970 – período em que a falta de edificações ocasionadas


pela devastação da guerra, houve a necessidade de se construir diversos
edifícios, tanto habitacionais quanto escolares, hospitais e industriais. Os
edifícios construídos nessa época eram compostos de elementos pré-

CUIABÁ - MT
2019
fabricados, cujos componentes eram procedentes do mesmo fornecedor,
constituindo o que se convencionou de chamar de ciclo fechado de produção.

De 1970 a 1980 – Período em que ocorreram acidentes com alguns


edifícios construídos com grandes painéis pré-fabricados. Esses acidentes
provocaram, além de uma rejeição social a esse tipo de edifício, uma
profunda revisão no conceito de utilização nos processos construtivos em
grandes elementos pré-fabricados. Neste contexto teve o início do declínio
dos sistemas pré-fabricados de ciclo fechado de produção.

Pós 1980 – Esta etapa caracterizou-se, em primeiro lugar, pela


demolição de grandes conjuntos habitacionais, justificada dentro de um
quadro crítico, especialmente de rejeição social e deterioração funcional. Em
segundo lugar, pela consolidação de uma pré-fabricação de ciclo aberto, à
base de componentes compatíveis, de origens diversas.

Um dos modelos de lajes mais conhecidos e utilizados atualmente que são as


lajes maciças em concreto armado surgiram no século XIX com o inglês William
Boutland Wilkinson (1819-1902) que era fabricante de gesso e argamassa de
Newcastle-upon-Tyne. A partir dessa desse modelo, surgiram os demais exemplos
conhecidos hoje como lajes alveolares, lajes lisas, lajes pré-fabricadas, etc.
Segundo VASCONCELLOS (2004, p.34) Wilkinson:
[...] foi o primeiro a patentear um “sistema” de lajes em concreto armado em
1854. Ele construiu, com este esquema, uma casa de campo com dois
pavimentos de alvenaria em que reforçou os planos de concreto (pisos e
telhado) com barras de ferro e arames. A patente de Wilkinson foi classificada
como “melhorias na construção à prova de fogo em moradias, armazéns e
outros edifícios”. Este registro oficial é a descrição mais antiga em termos da
efetiva utilização do concreto armado em estruturas de edificações.

Figura 1: Sistema de Lajes Armadas com Ferro (VASCONCELLOS, 2004,


p.34)
A construção civil passou por grandes avanços ao longo das décadas, e com
as lajes não poderia ser diferente. Atualmente, temos diferentes tipos de lajes que
atendem a necessidades específicas de cada projeto, sendo algumas delas citadas a
seguir.

CUIABÁ - MT
2019
2.2 LAJES: DEFINIÇÕES
Laje é um elemento plano, bidimensional, cuja função principal é servir de piso
ou cobertura nas construções, e que se destina geralmente a receber as ações
verticais aplicadas, proveniente da utilização da laje em função da sua finalidade
arquitetônica, como de pessoas, móveis, pisos, paredes, e de outros mais variados
tipos de carga que podem existir.
Segundo a ABNT 6118:2003, item 14.4.2.1, tem-se a definição estrutural que
lajes são “elementos de superfície plana sujeitos principalmente a ações normais a
seu plano. As placas de concreto são usualmente denominadas de lajes”. Também
podemos ter uma definição estrutural, que diz que a laje se define em projeto como “a
concepção de espaço, este definido por um plano de apoio – a laje – sobre a qual
iremos construir e elaborar este espaço” (BARROSO, 2011).

Figura 2-1 – Representação de uma laje [FUSCO]


As lajes em um sistema estrutural estão na maioria das vezes apoiadas em
vigas, podendo também, em certos casos estarem apoiadas diretamente sobre os
pilares.

CUIABÁ - MT
2019
Existem vários tipos de laje, a mais utilizada é a laje maciça; a laje maciça é
feita in loco, onde monta-se as formas de madeira, coloca-se as armaduras metálicas
e depois joga-se o concreto.

2.2.1 Lajes maciças


Lajes maciças são aquelas com a espessura totalmente preenchida com
concreto sem vazios, contendo armaduras embutidas no concreto, e apoiadas ao
longo ou parte do perímetro.
As lajes maciças de concreto são comuns em edifícios de pavimentos e em
construções de grande porte, como hospitais, industrias, escolas, pontes, etc.
CUIABÁ - MT
2019
2.2.2 Lajes lisa e cogumelo
Lajes-cogumelo são lajes apoiadas diretamente em pilares com capitéis,
enquanto lajes lisas são apoiadas em pilares sem capitéis.
Num pavimento apresentam eliminação de grande parte das vigas, embora por
outro lado tenham maior espessura. São usuais em todo tipo de construção de médio
e grande porte, inclusive edifícios relativamente altos.
Apresentam como vantagens custos menores e maior rapidez de construção.
No entanto, são suscetíveis a maiores deformações verticais.

CUIABÁ - MT
2019
2.2.3 Lajes nervuradas
Lajes nervuradas são as lajes moldadas no local ou com nervuras pré-
moldadas, cuja zona de tração para momentos positivos está localizada nas nervuras
entre as quais pode ser colocado material inerte. Existem também lajes nervuradas
moldadas no local sem material de enchimento, construídas com moldes plásticos
removíveis.

2.2.4 Lajes pré-fabricadas


Lajes pré-fabricadas do tipo treliçada são vigotas treliçadas pré-moldadas em
concreto, tendo a base 3 cm de altura e 12,5 cm de largura, combinadas com
elementos intermediários de cerâmica ou isopor (EPS). Menos comuns, as lajes
mistas empregam uma base em cerâmica e uma placa complementar em EPS.
A armação treliçada e os elementos médios podem ter diversas alturas, que
somados à capa de concretagem resultam em diferentes alturas finais. Os materiais
inertes geralmente têm 30 cm de largura, no caso da cerâmica e 37 cm no caso do
EPS. Além disso, as lajes podem ser armadas em uma (unidirecional) ou mais
direções (bidirecional). Desta forma, todas essas características combinadas formam
variações deste produto, que atenderão necessidades específicas dos projetos.
Basicamente a definição de qual laje usar (h12, h14, h16, ...) vai depender de duas
informações essenciais: a sobrecarga por m² que será submetida a laje e o
comprimento do vão sobre a qual será inserida.

CUIABÁ - MT
2019
As lajes treliçadas, onde a armadura tem a forma de uma treliça espacial, vem
ganhando maior espaço na aplicação em construções residenciais de pequeno porte
e até mesmo em edifícios de baixa altura, principalmente devido ao bom
comportamento estrutural e facilidade de execução.
Existem também as lajes onde as nervuras pré-fabricadas são protendidas, e
com preenchimento de blocos cerâmicos entre as nervuras. Há longos anos também
existem as lajes alveolares protendidas, largamente utilizadas nas construções de
concreto pré-moldado.
No presente trabalho será abordado o tema sobre lajes pré-moldadas (ou pré-
fabricadas) do tipo treliçada unidirecional, o exemplo a ser utilizado para
dimensionamento na laje será desse mesmo tipo de estrutura.

CUIABÁ - MT
2019
3 VANTAGENS E DESVANTAGENS NO USO DE LAJES PRÉ-MOLDADOS
Lajes são compostas por concreto e aço, entretanto, esses dois materiais
trabalham de maneira diferente, onde o concreto é bem resistente às forças de
compressão, mas não tão efetivo à tração, já o aço é resistente tanto tração quanto a
compressão. Porém, nas lajes o aço é colocado na parte inferior da estrutura para
resistir aos esforços de tração. Sendo assim, as lajes são compostas de materiais que
são resistentes tanto aos esforços de tração, quanto aos de compressão. Quando as
lajes recebem uma sobrecarga, elas sofrem uma deformação, a parte superior se
comprime, e a parte inferior traciona-se, por isso, quando é feita uma laje coloca-se a
armadura na parte inferior, para evitar que a laje se rompa e danifique a estrutura.
Apesar de ser comumente utilizada em obras de grande porte como pontes,
grandes edifícios e viadutos, o tamanho das edificações que utilizam lajes pré-
moldadas não tem limitação, pode ser desde uma casa térrea até um edifício de
múltiplos pavimentos. O material está cada vez mais presente em projetos menores,
como casas pré-moldadas ou edifícios pequenos. O uso das lajes pré-moldadas
também é muito comum, por exemplo, na construção de estacionamentos, escritórios
e escolas.
Uma das grandes vantagens do uso de estruturas pré-moldadas é sua
sustentabilidade. No processo de construção de uma laje pré-moldada não existe
desperdício significativo de materiais, dentro da fábrica no processo de construção
das peças ou no canteiro de obras, os materiais utilizados, ou seja, a matéria-prima
dos pré-moldados são areia, pedra, aço e cimento, então não existe quantidades
excessivas de resíduos desses quatro materiais.
Alguns fatores tornam esse método construtivo um dos mais sustentáveis e
viáveis atualmente, podemos citar como exemplo o reuso de suas formas, a
considerável redução de desperdício (que traz economia e sustentabilidade ao meio
ambiente), a sua rapidez de execução, a maior facilidade no controle de qualidade
nos canteiros de obras e a industrialização na construção civil.

CUIABÁ - MT
2019
20

3.1 VANTAGENS
3.2 DESVANTAGENS
3.3 CONCRETO PRÉ-MOLDADO NO BRASIL
3.4 OS AVANÇOS DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO NO BRASIL
3.5 USO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS NO BRASIL
4 DIMENSIONAMENTO DE UMA LAJE PRÉ-MOLDADA
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

CUIABÁ - MT
2019
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14859-1: lajes pré-


fabricadas – requisitos parte 1 – lajes unidirecionais. Rio de Janeiro, 2002a.

BRUMATTI, D. O. Uso de pré-moldados: estudo e viabilidade. 2008. 54 f. Trabalho de


Diplomação (Graduação em Engenharia Civil) – Departamento de Engenharia Civil,
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008. Disponível em:
<http://www.cecc.eng.ufmg.br/trabalhos/pg1/Monografia%20Dioni%20O.%20Brumatt
i.pdf>. Acesso em: 07 mar. 2019.

MAMEDE, F. C. Utilização de pré-moldados em edifícios de alvenaria estrutural. 2001.


187 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – Escola de Engenharia de São Carlos,
Universidade de São Paulo, São Carlos, 2001. Disponível em:
<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18134/tde-06062006-162432/pt-
br.php>. Acesso em: 07 mar. 2019.

SOUZA, V.C.M.; CUNHA, A.J.P. Lajes em Concreto Armado e Protendido. Niterói, Ed.
da Universidade Federal Fluminense, 1994.