Você está na página 1de 9

Tecnologia de Sistemas

Distribuídos
Capítulo 8: Sistemas de
Ficheiros Distribuídos
Paulo Guedes
Paulo.Guedes@inesc.pt
Alves Marques
jam@inesc.pt

INESC/IST
Tecnologia de Sistemas Distribuídos 1
7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Sistema de Ficheiros
Distribuídos
Permite a um processo aceder a ficheiros
situados noutras máquinas, de uma forma
quase idêntica aos ficheiros locais
– Mecanismo que se adiciona ao sistema operativo local
para permitir o acesso remoto aos sistemas de ficheiros
já existentes na máquina;
– Sistema de ficheiros separado que pode ser acedido
através da rede por todas as máquinas.

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 2


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Page 1
1
Exemplo: Cada Máquina
Exporta o seu Sistema de
Ficheiros Local

Máquina X Máquina Y

Máquina Z

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 3


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Exemplo: Sistema com


Servidores Dedicados
Cliente
Cliente

Cliente

Cliente

Servidor X Servidor Y
Cliente

Cliente
Servidor Z

Cliente
Cliente

Cliente Cliente

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 4


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Page 2
2
Problemas Técnicos

• Desempenho
– Termo de comparação dos utilizadores é o mesmo
sistema de ficheiros centralizado
– Solução: cache
• Espaço de nomes
– Âmbito dos nomes de ficheiros: locais à máquina, ou
globais em todo o SFD
– Pureza do nome - o nome da máquina ou do dispositivo
físico onde está o ficheiro faz ou não parte do espaço de
nomes;
– Heterogeneidade - como juntar no mesmo espaço de
nomes sistemas de ficheiros com regras diferentes de
produção dos nomes.
– Solução: pontos de montagem
Tecnologia de Sistemas Distribuídos 5
7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Problemas Técnicos

• Compatibilidade com a interface de


programação
– Interface está normalmente estabelecida pelo sistema
centralizado
– Serviço sistema, qualquer modificação tem que ser
realizada no núcleo do sistema operativo
– Solução: adaptação do SFD à interface existente
• Integridade na presença de falhas
– Fontes adicionais de falhas: mensagens perdidas, falhas
no servidor
– Solução: protocolo cuidadoso de cache, protocolo de
recuperação no servidor

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 6


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Page 3
3
Problemas Técnicos

• Controlo de concorrência
– Problema semelhante ao caso centralizado
• Segurança
– SFD constitui um dos recursos cruciais do ponto de vista
da segurança
– Autenticação: soluções baseadas em canais seguros (ex:
Kerberos)
– Controlo de acessos: solução convencional
– Privacidade: normalmente não oferecida

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 7


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Problemas Técnicos

• Localização
– Localizar o servidor responsável pelo ficheiro a que se
quer aceder
– Solução: agrupar ficheiros em volumes interligados por
pontos de montagem
• Mapeamento dos dispositivos físicos
– Acesso a dispositivos remotos passa a ser feito através
do SFD
• Disponibilidade
– Problema agudizado pela concentração de todos os
ficheiros num pequeno número de servidores
– Solução: protocolo de recuperação de falhas do servidor
– Solução: replicação de ficheiros em vários servidores
Tecnologia de Sistemas Distribuídos 8
7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Page 4
4
Estudos das Características
dos Acessos a Ficheiros
• Utilização com picos
– Pequena largura de banda média (64 Kbps)
– Picos intensos (3-4 Mbps em 10mn, 8 Mbps em 10 segs)
– Separados por periodos de pouco tráfego
• Maioria dos ficheiros acedido em bloco
– Ficheiros abertos durante pouco tempo (70% menos que
250 msegs)
• Maioria dos ficheiros são temporários
– 70% dos ficheiros são apagados no 6 segs seguintes
– 70% da informação é apagada nos 6 mn seguintes

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 9


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Estudos das Características


dos Acessos a Ficheiros
• Maioria dos ficheiros são só lidos ou só
escritos
– 80-90% só para leitura
– Só 1% para leitura e escrita
• Acessos em grandes blocos
– 70-80% transferem o ficheiro todo
– 20-30% transferem grandes blocos
– Os outros são os ficheiros abertos para leitura e escrita
• Ficheiros normalmente pequenos
– 40% dos acessos são a ficheiros menores que 1 Kb
• Maioria dos octetos transferidos é de/para
ficheiros grandes
– Maiores que 1 Mb
Tecnologia de Sistemas Distribuídos 10
7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Page 5
5
Arquitectura dos Sistemas de
Ficheiros Distribuídos
• Arquitectura do cliente
• Arquitectura do servidor

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 11


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Arquitectura do Cliente

• Parte integrante do núcleo do SO


• Cliente valida a chamada sistema
• Cliente agulha para o sistema de ficheiros
local ou remoto
– Agulhamento para o servidor pode ser em 3 níveis
diferentes:
» Logo no ínicio , por exemplo, nas rotinas de interface
ou nas funções sistema correspondentes;
» No fim, na fase de acesso ao disco, correspondendo
basicamente a um acesso remoto a disco;
» Algures a meio, num ponto onde seja possível
uniformizar várias chamadas sistema e obter o
melhor desempenho possível.

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 12


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Page 6
6
Arquitectura do Cliente

Núcleo SO
Processamento genérico da chamada sistema
Agulhagem para o sistema de ficheiros

Sistema de Sistema de ficheiros


ficheiros local distribuído (cliente)

Acesso via rede ao Servidor


Remoto

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 13


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Arquitectura do Servidor

• Processo sistema que:


– Recebe as mensagens com os pedidos
– Serve-os acedendo aos sistemas de ficheiros locais
– Envia as mensagens de resposta
• Normalmente executa-se no núcleo do SO por
razões de desempenho

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 14


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Page 7
7
Arquitectura do Servidor

Núcleo SO

Sistema de ficheiros
distribuído (servidor)

Sistema de
ficheiros local

Pedidos vindos dos


clientes via rede

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 15


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Soluções Técnicas

• Nomes e localização
• Cache
• Escalabilidade
• Segurança
• Disponibilidade e tolerância a faltas
• Heterogeneidade
• Administração

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 16


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Page 8
8
Nomes e Localização

• Espaços de nomes são compostos com base em


pontos de montagem:
– Associado ao directório onde é efectuada a montagem
– Directório fica marcado como tendo um ponto de montagem, e
• Ao ponto de montagem fica associado
– O identificador do sistema de ficheiros montado
» Identificador puro, tem que ser traduzido num servidor de nomes
» Identificador impuro, p.e. endereço IP do servidor
– Um fhandle, que identifica a raiz do sistema de ficheiros remoto
» Normalmente opaco para os clientes
» No servidor permite identificar o ficheiro
• Localização de ficheiros
– Efectuada por navegação no espaço de nomes
– Pontos de montagem remotos ligam os vários sistemas de
ficheiros distribuídos

Tecnologia de Sistemas Distribuídos 17


7. Tolerância a Faltas PJG 98 17-03-2000 2:06

Page 9
9