Você está na página 1de 52

Você sabe o

que é Marca
Pessoal?
Quando falamos de branding pessoal ou personal branding,
falamos sobre fazer a gestão da imagem (marca) pessoal,
com o objetivo de construir uma figura de destaque que
seja lembrada.

Esse conceito é um pouco mais amplo do que apenas um


gerenciamento estratégico, já que está também ligado a
quem você é e a tudo aquilo que te torna único. Ele repre-
senta a maneira pela qual você se posiciona e se relaciona
com o mundo ao seu redor, com as promessas que faz e
com entregas que realiza por meio de suas ações.

Um branding que transmite verdade é aquele que pensa


em todos os passos da comunicação, que começa com a
linguagem utilizada, passa pela imagem pessoal e vai até
as fotos que são compartilhadas nas redes sociais. Todo o
trabalho é realizado com o objetivo de tornar a sua marca
mais conhecida, mais desejada, mais positiva na mente e no
coração dos seus consumidores. Ele pede por funções de
investigação, estratégias, criações, design e a gestão cons-
tante da marca. E ainda que você não tenha uma empresa,
a sua imagem faz de você uma marca.

Para que você possa compreender melhor do que estamos


falando, separamos alguns pontos que são cruciais no de-
senvolvimento de uma marca pessoal memorável.
A ideia de que você
é uma marca
Pode parecer confuso no início associar os concei-
tos de marca e pessoa para entender que, sim, pessoas
são marcas - e que esse papel não é só desempenha-
do por empresas. Esse é um sentimento que está mui-
to ligado à sua presença e ao que ela causa nas pessoas
ao seu redor. Você é sim uma marca e esse é o primeiro
passo para começar a entender sobre Branding Pessoal.

A autenticidade
da sua Imagem
A sua marca pessoal é formada basicamente pela sua
imagem. E essa imagem precisa ser autêntica. Você é úni-
co. Somente você tem o poder de comunicar o que você
comunica, do seu jeito, entregando a sua personalidade,
verdade e quem é. Uma marca pessoal não tem sucesso
apenas porque é muito boa em estratégias, mas sim por-
que é, principalmente, fiel à sua autenticidade. Até por que
quanto mais tentamos somente agradar o público e criar
uma pessoa que não existe, mais difícil fica segurar uma
imagem irreal.çar a entender sobre Branding Pessoal.
A autoridade que
você transmite
Uma marca de relevância é também formada pela au-
toridade que ela tem. Todos os seu conhecimentos,
aqueles assuntos que você domina, constroem e forta-
lecem a sua marca. Você poderá ser conhecido justamen-
te pela autoridade que possui na sua área de atuação.

A sua presença
nas redes sociais
Quem não é visto, não é lembrado. Pois é, essa frase é real.
As pessoas que te inspiram são pessoas que tiveram co-
ragem de aparecer, mostrar o que realizam. Nesse caso,
as redes sociais são fortes aliadas para a consolidação da
sua marca e para a disseminação das suas ideias e ideais.

Uma rede de
contato apoiadora
São os nossos contatos que nos levam muito além.
Todas as pessoas que passam por nossa vida podem
nos ajudar de alguma maneira, e para isso você pre-
cisa treinar um olhar atento às oportunidades para
criar relacionamentos duradouros e fortificados,
que irão consolidar ainda mais sua marca pessoal.
E como
como
criar uma
marca
pessoal
forte?
E existe uma outra coisa que queremos esclarecer antes de
apresentar grandes cases à você.

Uma marca pessoal de sucesso está diretamente ligada a


interesse. Todas as pessoas que chegaram a algum lugar
tiveram sua curiosidade e interesse despertados. O interes-
se de aprender, ensinar, interagir, buscar. O interesse de não
permanecer no mesmo lugar.

Marcas não são construídas do nada, e as relações que te-


mos com o mundo a nossa volta têm um papel muito im-
portante nesse processo.

Você constrói as relações e também uma marca simultane-


amente, não a marca e depois as relações.

E isso faz sentido porque a construção de marca pessoal não


é pautada apenas na forma como você comunica o que faz,
mas também em como você verdadeiramente faz o que faz.

Mas como investir na construção de uma Marca Pessoal de


sucesso? O primeiro passo é se dedicar ao autoconheci-
mento. Sabendo quem você é, também saberá o que e com
quem deseja se comunicar.

O que você tem a ensinar? O que te motiva? Quais são os


seus sonhos? Em que você é verdadeiramente bom? Por
que você faz o que faz?

E assim você poderá partir para parte do planejamento. Que


nada mais é do que pensar e estruturar caminhos e formas
que possam ser efetivos para construir um relacionamento
com o seu público alvo.
Planejamento
também é
autoconhecimento.
Muitos podem dizer que se preocupar com sua marca pes-
soal é futilidade, ou que, na realidade, pessoas não são mar-
cas. Mas isso não é verdade. Pessoas são marcas, do mes-
mo modo como marcas são formadas por pessoas. O que
falta muitas vezes é o entendimento de que essa marca não
é inventada ou moldada para agradar as pessoas. Uma mar-
ca pessoal é reflexo de quem você é. E estudar as melhores
maneiras de mostrar e projetar isso é justamente pensar em
como evitar ruídos.

Se pensarmos e nos atentarmos bem a todas as mudanças


que acontecem no mundo ao nosso redor, perceberemos
claras transformações nos hábitos de consumo.

Nós estamos caminhando para um mundo muito mais cons-


ciente. Consciente nas relações, no consumo, na alimenta-
ção, na forma como nos projetamos - mais conscientes das
consequências das nossas ações. E essa consciência adqui-
rida é algo positivo, pois ter a compreensão de quem somos
nos transporta para um novo universo de entendimento.
Passamos a perceber que trabalhar a marca pessoal não é
negativo, pois passamos a enxergá-la como de fato ela é.
SUA MARCA
PESSOAL
É UM
DESPERTAR
Mas por que o Branding Pessoal é assim tão importante?
Ele vai te oferecer ferramentas que te ajudarão a planejar e
ter resultados. Será um guia para saber como e de onde os
resultados estão surgindo.

Saber que você é uma marca naturalmente te leva a um


planejamento, que também é um processo de consciência
sobre o que você comunica e sobre quem você é.

É um processo libertador, que traz luz à sua mente e te faz


perceber que não precisa se punir por ser como é, por não
ser perfeito, por errar, por ter medo às vezes.

Nossa mania de não querer admitir quando erramos faz


com que queiramos criar uma imagem perfeita que é irreal,
e não é isso que as pessoas estão buscando. A sociedade
vive um momento no qual as pessoas têm sede de reali-
dade. As empresas devem ser cada vez mais humanizadas,
pois são feitas por e para pessoas, e você é uma pessoa e
uma marca.

Nosso orgulho muitas vezes não nos permite mudar de


ideia ou pelo menos admitir que mudamos. Acabamos nos
segurando em alicerces que, ao invés de firmar nossa ima-
gem, a tornam cada vez mais frágil. Mudar não significa ser
fraco. Mudar tem a ver com amadurecimento e abertura
para entender a complexidade do mundo a nossa volta.

Afinal, nós só construímos a nossa individualidade olhando


para o outro, percebendo que as pessoas são um conjunto
de experiências e de sentimentos. E é ao olhar para o outro
que entendemos o que nos representa ou não. O que nos
falta, o que nos sobra, e o que é preciso transformar.

E ter essa consciência e iniciativa para trabalhar nessa es-


fera é o que pode estar te impedindo de contribuir de fato
com o que você deseja.
Agora que você já entendeu
um pouco mais sobre o que
é Personal Branding, tendo
uma ideia de como ele se
aplica no contexto de você
como marca, chegou a hora
de conhecermos alguns
cases de marcas pessoais
que são de fato inspiradores.
1.
Marie
Kondo
O que tornou @mariekondo uma das pessoas mais influen-
tes do mundo?

Marie Kondo é especialista em organização pessoal, escri-


tora e empreendedora. Escreveu quatro livros sobre o tema
que venderam milhões de cópias e foram traduzidos do ja-
ponês para mais de 40 idiomas.

E qual o segredo para Kondo ser considerada, segundo a re-


vista Time, uma das cem pessoas mais influentes do planeta?

✔Ela acredita no sentido do seu trabalho;✔


Ela se enxerga como uma marca;✔
Ela comunica seu propósito;
E✔ la não tem medo de expor quem é, o que faz e como faz.

Desde sua infância, percebeu um interesse por organização


e arrumação, já que enquanto as outras crianças estavam
brincando ela preferia organizar a estantes de livros da es-
cola. E ela conseguiu construir um universo de significado
em cima daquilo que a motivava.

Com apenas 19 anos, fundou sua empresa de consulto-


ria em organização pessoal. E aos poucos consolidou o
seu método de organização, conhecido como o método
KonMari. E 2019 foi um grande ano para ela! A Netflix es-
treou a série Ordem na Casa com Marie Kondo, na qual ela
põe em prática as dicas dadas em seus livros.

Fizemos uma rápida análise do seu perfil no Instagram. Per-


ceba como logo na primeira impressão, conseguimos as-
similar do que se trata seu conteúdo. Já pensou se o feed
fosse todo bagunçado ou não planejado? Definitivamente,
não transmitiria a real imagem de Kondo.
Marie Kondo é um exemplo da
importância da gestão da sua marca
pessoal e posicionamento no Instagram.
2.
Jessica
Alba
O que tornou a transição da carreira de Jessica Alba tão
bem sucedida?

@jessicaalba é famosa por suas atuações em grandes su-


cessos de bilheteria, como o Quarteto Fantástico, da Marvel.
Após se tornar mãe, ela resolveu mudar totalmente o rumo
da sua carreira e empreender.

Preocupada com tudo o que oferecia à primogênita Honor,


a atriz não encontrou no mercado produtos sem substân-
cias tóxicas e químicas. Foi então que percebeu uma opor-
tunidade de negócio.

O fato de ser um dos nomes mais conhecidos de Hollywood


não facilitou o processo para Jessica, que ouviu muitos
“nãos” de grupos de investidores. Eles não acreditavam na
ideia de uma linha de produtos ecológicos e naturais para
lares e bebês.

Em 2012, lançou sua marca, a @honest. Em 2017, sua com-


panhia foi avaliada em US $ 1 bilhão.

Recentemente, lançou a @honest_beauty, sua linha de


cosméticos naturais e orgânicos.
Qual o segredo para Jessica Alba

ser considerada uma das mulheres

mais bem sucedidas da América, se-

gundo a revista Forbes?

✔Ela cria oportunidades;

✔Ela se enxerga como uma marca;

✔Ela comunica seu propósito;

✔Ela não tem medo de expor seus


objetivos, o que faz e como faz.

Constantemente, Jessica faz apari-

ções AO VIVO demonstrando produ-

tos por meio das suas redes sociais,

para fortalecer sua imagem como

empreendedora de forma intencio-

nal e inteligente.
3.
Serena
Williams
@serenawilliams é mais que uma estrela esportiva. Tenista,
campeã de grand slams vinte e três vezes, incluindo onze
troféus individuais em Wimbledon, ela também detém um
título que a leva além das quadras: uma marca memorável.

Empresas gigantes como Nike, Pepsi e Gatorade querem


estar associadas à impecável imagem de Serena Williams.

A tenista faz parte de um seleto grupo de pessoas: aquelas


que são reconhecidas por conquistar nossas mentes e nos-
sos corações.

Já escreveu dois livros, um com sua irmã e o outro é uma


autobiografia intitulada ‘On The Line’. Participou de diversos
episódios de séries para a televisão e tem sua própria linha
de roupas, que leva o seu nome: serenawilliams.com

É um exemplo da importância da gestão da sua marca pes-


soal e posicionamento digital.

Fizemos uma rápida análise da sua conta no Instagram e,


notavelmente, ela transmite sua essência.
O que fez Serena Williams se tornar a 1ª atleta a entrar na
lista das mulheres mais ricas do mundo?

✔Acredita em si mesma;
Se enxerga como uma marca;
✔Comunica seu propósito;✔
Investe na representatividade cultural;✔
Não tem medo de expor quem é, o que que faz e como faz.

“O que outros marcaram como falhas ou desvantagens so-


bre mim – minha raça e meu gênero – eu abracei como um
combustível para o meu sucesso. Eu nunca deixei nada nem
ninguém definir a mim ou o meu potencial“
4.
Maurício
de Sousa
O que faz dele um dos maiores nomes da arte em quadri-
nhos do mundo, além de ter seus produtos licenciados em
40 países?

Sua série, Turma da Mônica, começou com tirinhas em um


jornal e hoje é um grande império da literatura e do entrete-
nimento. O conjunto de obras e empreendimentos contém
desde animações, games e apps, até parques temáticos e
os mais diversos tipos de produtos licenciados. Sua empre-
sa Maurício de Sousa Produções é um grande nome dos
negócios do nosso país.

Seus personagens fizeram parte da infância de muitas pes-


soas e, em 2019, houve o lançamento do primeiro live ac-
tion da Turma da Mônica. A nova aventura da turminha mais
famosa do Brasil vai deixar uma marca nessa e em todas
as gerações que foram e serão cativadas pelas histórias de
Maurício de Sousa.

Criatividade, sem dúvida, é um atributo importante para


essa marca de sucesso do cartunista, empresário e escritor
brasileiro. Mas ser criativo não é suficiente. Qual o segredo
de Maurício de Sousa?

✔Ele sempre se enxergou como uma marca;✔


Ele sabe se reinventar;✔
Ele conta a sua e outras histórias;✔
Ele transmite sua essência;✔
Ele cria oportunidades;
Ele não tem medo de expor quem é,
o que faz e como faz.
“ Eu faço
histórias
para
contar
histórias”
MAURICIO D E SOU SA
5.
Virgil
Abloh
O que podemos aprender com @virgilabloh, o estilista que
não passou por nenhuma escola de moda e chegou à Louis
Vuitton?

Filho de imigrantes ganeses e o primeiro negro a ocupar o
posto, Virgil é considerado uma das 100 pessoas mais in-
fluentes do planeta, segundo a revista Time. Ele defende
que sua posição é icônica para as novas gerações, e afirma
que “nem todas as pessoas em uma posição similar têm
que seguir um único modelo.”

Formado em Engenharia Civil e Arquitetura, começou na
moda como assistente em um estágio na @fendi, onde co-
nheceu o amigo e apoiador Kanye West, que o convidou
para trabalhar em sua turnê como consultor artístico. Isso
que é network!

Super hábil no Instagram, ele soma mais de 4 milhões de
seguidores na rede. É por lá que ele divulga o streetwear
agora presente na Louis Vuitton e faz todo o marketing da
marca própria, a @off____white.

A bandeira da representatividade está sempre muito pre-
sente em seus desfiles, não só nas passarelas, mas também
entre os convidados. Amigos, como jogadores de basquete
e rappers, a maioria composta de negros, sempre compõe
a primeira fila. Além de fazerem parte da vida de Virgil, são
essas pessoas que representam a nova era da Louis Vuitton
e se encaixam no estilo apresentado pelo estilista.

Mas além de fashionista e empresário visionário, o que faz


de Virgil o estilista que vem revolucionando não só a Louis
Vuitton, mas todo o mundo da moda?
Ele é autêntico;

✔Ele Sabe fazer network;

✔Ele se preocupa com


posicionamento digital;

✔Ele projeta coerência entre a


marca, sua comunicação e quem
a representa;

✔Ele não tem medo de expor quem


é, o que que faz e como faz.
6.
Nátaly
Neri
O reposicionamento da Nátaly Nery

Essa é a única análise de rebranding desse e-book e escolhemos


o case da empreendedora e produtora de conteúdo Nátaly
Nery. As fontes da pesquisa foram retiradas das entrevistas
de Nátaly para o podcast “O podcast” e dos seus conteúdos
digitais autorais disponíveis em seus canais oficiais.

Como Nátaly Nery fortaleceu sua marca pessoal?

Nátaly conta que sua percepção sobre o mundo ganhou


um novo sentido ao iniciar a vida universitária no curso de
Ciências Sociais. Neste período de descobertas nasceu o
canal no Youtube ‘Afros e Afins’ para promover discussões
sobre consumo consciente e empoderamento feminino
negro. Ela passou a ser uma referência nessas pautas e em
2017 palestrou no TEDxSaoPauloSalon.
Em 2018 se tornou embaixadora do programa Creators for
Change do YouTube (um apoio da plataforma no Brasil, para
o fomento de produções audiovisuais que tenham impactos
sociais) ao lado de outros 50 youtubers do mundo todo.

Mas afinal, com uma marca fortalecida, qual a necessidade


de um novo posicionamento?

Para começar, o processo de gestão de marca é uma


constante. É preciso sempre avaliar a forma de comunicar.
Ao se auto avaliar, Nátaly concluiu que seu público tinha
dificuldades de entender suas questões pessoais pelo
simples fato dela não mostrá-las ou não falar sobre. “Sabia
que precisava melhorar a minha comunicação” afirma
Nátaly em entrevista para “O podcast”.
Por se
posicionar
sempre
no plural,
ninguém
enxergava o
singular.
Mas como as pessoas poderiam pensar diferente e
construir em suas mentes uma imagem diferente se não é
isso que chega a elas? Devemos lembrar que o público faz
conclusões com base no que é transmitido.

Segundo Nátaly, a persona política que ela apresentava era


apenas uma parte dela. Essa forma de comunicar a afetou
de maneira pessoal pois a intensidade dessa persona
ganhou mais relevância que suas questões individuais.

A partir desse ponto, ela traçou uma nova estratégia para se


apresentar de forma mais alinhada com seu estilo de vida
atual. É importante lembrar que o processo de branding
pessoal é constante pois nós estamos em constante
evolução e amadurecimento. É como ajustar o calibre e
alinhar expectativas. Por tanto, o rebranding faz parte do
processo de gestão de marca.

A evolução não é linear, e entender isso é um presente.

Novo conteúdo, novas visões

Nery estudou e preparou por mais de seis meses novas


pautas sobre autoconhecimento, autocuidado e saúde
mental sem desconsiderar seu contexto, seu público e
sua identidade. As poucos, introduziu novos conteúdos
como vlogs/stories relatando suas experiências e passou
a apresentar outras particularidades que - até então - não
eram de conhecimento público.

Uma das ações foi criar um vídeo “suposições sobre mim”


dessa forma, é possível compreender o que o público
supõe sobre você e esclarecer quem realmente você é.
Toda mudança gera estranhamento inicial, mas quando se
conversa sobre, sua transição passa a ser mais natural e
leve. É importante que o público perceba a verdade na sua
intenção.

Nátaly conta que durante a introdução sobre o tema de


aromaterapia, por exemplo, mostrou ao público as etapas
de preparo e estudo do conteúdo, mas não mostrou com
clareza o uso dos produtos. O público mudou a percepção
desse novo conteúdo quando viu o resultado real em uma
ocasião espontânea onde relatou os resultados das terapias.
Isso impactou diretamente no acolhimento do público ao
novo conteúdo.

Hoje ela acredita que a responsabilidade política não


pode ganhar maior peso que a responsabilidade por você
mesmo, isso certamente te deixará doente emocionante e
fisicamente. Sua nova fase é estimular o pensamento crítico
mas também a estima individual de forma mais equilibrada.

Nátaly traz uma reflexão sobre o peso em pressionar


alguém para ser a sua voz. Cobrar que alguém se posicione
sobre tudo o tempo todo desconsidera a fragilidade e
vulnerabilidade que essa pessoa possui em suas questões
íntimas e pessoais como sua saúde física e mental,
sua segurança (especialmente pessoas públicas), suas
incertezas e seus próprios medos. Ninguém tem uma
opinião formada sobre tudo o tempo todo. Ninguém está
100% conectado ou informado. Isso também tem a ver com
preservação e privacidade, um direito humano primordial.
A questão da representatividade

Fulano “me representa”. Quem nunca disse ou já ouviu essa


expressão?

Embora existam líderes que nos inspiram ou que façamos


parte de diferentes comunidades com valores ou crenças
nas quais nos identificamos, cada pessoa dessa comunidade
possui uma história única. Portanto, a história de uma única
pessoa não irá contemplar todas as dores individuais de
cada ser. É por isso que nos relacionamos e nos conectamos
com diferentes pessoas e diferentes coletivos.

Vivemos em tempos onde você não precisa de alguém


que te “represente”, você pode se representar. E aqui está
a grande oportunidade da 1ª pessoa, a força da marca
pessoal. Graças aos espaços digitais, hoje existem inúmeras
possibilidades de ser e existir.

Simultaneamente, precisamos gerenciar nossa


comunicação de tal forma que ela transpareça nossa
essência mas sem expor e comunicar tudo em absoluto -
até porque - tecnicamente - isso não é possível. É saudável
medir o que transmitir e como transmitir. E é aqui está a
grande complexidade da gestão de marca. Encontrar o
equilíbrio sem depor de forma contrária a sua identidade.
“Existem momentos de
grandes transformações na
nossa vida, momentos estes
que em que a gente escolhe
outros caminhos e tudo acaba
mudando um pouco de tom. E
aí você acaba se enxergando
de formas diferentes.”
Nátaly Neri

Antes do rebranding, sua comunicação aproximava


um público mas afastava outro. Hoje ela consegue se
comunicar com ambos sem perder o que existe de mais
valioso: sua autenticidade. E o que a torna uma mulher de
grande influência?

✔Ela acredita no compartilhamento


✔do amadurecimento pessoal;
Ela defende aquilo que acredita;
Ela cria conexões verdadeiras;
✔Ela não tem medo de expor quem é,
o que que faz e como faz.
7.
Lu
Agora queremos propor um olhar diferente sobre o bran-
ding pessoal. Será que uma persona virtual seria capaz de
projetar uma imagem real e conversar efetivamente com o
seu público?

Nós trouxemos um case que achamos incrível para ilustrar


isso. Você já ouviu falar sobre a Lu? A especialista digital do
Magazine Luiza? O trabalho que a marca faz é tão fantástico
que a Lu acabou ganhando um espaço muito importante
para os consumidores da empresa. Ela virou a Marca Pesso-
al/cara do Magazine Luiza.

Esse case da Lu, influenciadora digital da empresa, é um
exemplo de estratégia de Marketing de Conteúdo, Marke-
ting de Influência, Storytelling e também de PERSONAL
BRANDING. Sim, afinal, influenciar pessoas tem tudo a ver
com ser uma marca e saber como se portar a partir disso.

A influenciadora digital do Magalu, criada para facilitar a ex-


periência do usuário no Magazine, tem como objetivo ajudar
os clientes a escolherem melhor os produtos e descompli-
car a tecnologia.

A Lu é muito mais que uma porta voz virtual, é uma persona


com voz, expressão e personalidade própria, que faz toda a
diferença na relação dos consumidores com a marca.

Seu lançamento aconteceu em 2003, visando a inclusão di-


gital. Em 2017 ela já contribuiu para um aumento de 56%
das vendas online. E o seu canal no YouTube, Canal da Lu,
já conta com mais de 1 milhão de inscritos.

Todo o sucesso da Lu é percebido no desejo que a empresa


tem de garantir um ótima experiência para os clientes, com
o objetivo de estreitar a relação entre o online e offline.
E para que você
possa entender
melhor como o
Magazine Luiza
conseguiu fazer da
Lu uma estratégia
de grande sucesso
separamos alguns
tópicos:
1. Busque
referências fora
do seu segmento;
O Magazine como uma marca de varejo pensou “fora da
caixa” e buscou inovar no seu segmento. Nesse caso, para
que pudesse oferecer um serviço diferenciado por meio
da Lu, sua linha de referência foram influencers virtuais.
Pesquisando mais sobre influenciadores digitais, puderam
embasar a persona da Lu e criar uma personagem com
características reais, que de fato pudesse se aproximar
e gerar uma conexão com o seu público. Eles souberam
pensar no contexto geral que pretendiam alcançar.
2. Mostre
vulnerabilidade;
Mostrar quem você é de verdade é parte fundamental
no processo da construção de um marca pessoal. Como
isso é possível? Mostrando as suas fragilidades, seus
medos, seus sonhos, desejos, inseguranças e objetivos.
A Lu, por exemplo, durante a Copa do mundo postou
uma foto chorando. Isso tem a ver com gerar empatia,
reconhecimento e união. Afinal, muito do que você sente e
vive, outras pessoas também sentem e vivem. E está tudo
bem você compartilhar esses momentos.
Na estratégia de storytelling, uma boa história precisa de
altos e baixos, de um clímax, e mostrar fraquezas, humanizar
a marca, é ótimo.
Muitos ficam na dúvida se devem mostrar quando mudam
de opinião, mas é justamente o dividir de amadurecimento,
o admitir nossos erros e mudanças que constrói a força da
nossa marca pessoal.
3. Dê qualidades e
talentos invejáveis para
o seu personagem;
O que torna uma pessoa admirável? Nós acreditamos que
sejam as suas atitudes e suas opiniões, ou melhor, a maneira
de se colocar no mundo. Uma qualidade e talento invejável
é a liberdade, assim como a capacidade de promover um
diálogo com respeito, ou seja, que respeite as diferenças
de opiniões, mas que acima de tudo, seja capaz de ampliar
perspectivas.
As pessoas vão esperar que você defenda uma causa,
um lado, um nome, mas você pode optar por defender o
respeito e a liberdade individual de todos.
Lembre-se de que mostrando a sua opinião você mostra
quem é. E a Lu sempre se posiciona mostrando aquilo em
que acredita.
4. Escute sua
comunidade para se
mostrar acessível;
Uma marca é feita de seu propósitos, seus produtos e
serviços, mas também de seu público. O que isso quer dizer?
Que aquilo que a sua audiência pensa, deseja e precisa deve
sempre ser levado em consideração, afinal, é para eles que
você está criando e fazendo o que faz. Por isso, estar atento
ao que o seu público está falando tem papel fundamental
nesse processo.
A Lu, por exemplo, percebeu que estava havendo uma grande
mobilização e comentários relacionados à série Game of
Thrones, e então começou a participar desse debate.
5. Esteja atento ao
timing das coisas;
No mundo existem um milhão de coisas acontecendo ao
mesmo tempo e precisamos estar atentos. O que está
acontecendo hoje que é relevante? E amanhã? Um exemplo
muito legal que podemos dar aqui foi uma ação de dia dos
namorados elaborada pela empresa.
No Dia dos Namorados de 2017, foi criada uma conta no
Tinder — aplicativo de relacionamento — para a Lu. O bacana
foi que em menos de 12 horas, o perfil havia registrado mais
de 150 mil matches (combinação entre casais) e quem desse
esse “match” com a especialista digital ganhava descontos
especiais no aplicativo do Magazine Luiza.
Eles aproveitaram um tema e uma data que sem dúvida seria
comentada para promover os seus produtos e serviços, e
isso foi muito inteligente.
6. Seja consistente.
Esse é o tópico mais simples e o mais importante. Marca
pessoal tem a ver com individualidade. Nós somos únicos,
logo nossa marca única, e é nesse detalhe que mora a receita
de um branding pessoal impecável. Só seja quem você é.
A Lu do Magazine Luiza é única, não importam as outras
empresas, ou outros avatares que possam ser criados.
O diferencial está em você ser você e conquistar um
público a partir disso.
E então? O que você pode aprender com esses cases de
marca pessoal?
Você já conhecia um pouco sobre o universo do personal
branding?

Nós estamos sempre estudando muito sobre isso e


aprendendo muito mais. E é por isso que, se você gostou
desse e-book e de saber mais sobre esse assunto, precisa
estar preparado para se aprofundar ainda mais nessa
estratégia tão importante. ⠀

Preparamos uma semana inteirinha para compartilhar


grandes conteúdos relacionados à branding pessoal.

Prepare-se para a Semana da Marca Pessoal (SEMAP).


100% online e 100% gratuita!

Nela, você terá acesso à aulas incríveis, com talks e cases


inspiradores sobre como fazer da sua imagem uma marca
memorável.

Para participar é muito simples. Basta se cadastrar AQUI:

QUERO TER UMA MARCA


PESSOAL MEMORÁVEL
Lembre-se de que o processo de branding pessoal vai muito
além da estética, do visual e das ferramentas estratégicas:
está relacionado a junção disso tudo ao autoconhecimento.

Muitas vezes, com o passar do tempo, podemos sentir um


ruptura muito grande em quem éramos no passado e quem
somos hoje, mas isso não é um problema, isso é real, isso
faz parte do processo.

Estar em um lugar diferente do qual estivemos antes não é


necessariamente ruim e pode ser uma grande oportunidade.

Quando entendemos de fato que as relações que temos e as


conexões que geramos são responsáveis pela construção
de quem somos, a nossa comunicação fica muito mais fácil,
leve e livre de ruído.

Que imagem você


tem projetado para
o mundo?
Ela representa quem
de fato você é?

Você também pode gostar