Você está na página 1de 14

SIENPA - SISTEMA INTEGRADO DO ENSINO DO PARÁ

RELATÓRIO DE CONCLUSAO DE ESTÁGIO


TÉCNICO DE ENFERMAGEM

ALTAMIRA
2016
SIENPA - SISTEMA INTEGRADO DO ENSINO DO PARÁ

ZENILDA PIMENTEL DA TRINDADE GOMES

RELATORIO DE ESTÁGIO REALIZADO NO HOSPITAL SANTO AGOSTINHO

Relatório apresentado como requisito para


conclusão de Estágio do Curso Técnico em
Enfermagem do Sistema Integrado do Ensino
do Pará - SIENPA

Orientadora: Enfermeira Silvana

ALTAMIRA
2016
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ............................................................................................................ 3
RELATÓRIO DO HOSPITAL SANTO AGOSTINHO .................................................. 4
POSTO DE ENFERMAGEM ....................................................................................... 5
INTERNAÇÃO DE PACIENTE ................................................................................... 6
CLINICA MEDICA MASCULINA ................................................................................ 6
CLÍNICA MÉDICA FEMININA .................................................................................... 6
PEDIATRIA ................................................................................................................. 7
CLINICA CIRÚRGICA ................................................................................................ 7
PREPARO PRÉ-OPERATÓRIO ................................................................................. 7
PREPARO PSICOLÓGICO ........................................................................................ 7
CUIDADOS ............................................................................................................... 10
ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO ............................... 10
NAS HORAS SEGUIDAS ......................................................................................... 11
CME - CENTRAL DE MATERIAL DE ESTERELIZAÇÂO........................................ 11
CONCLUSÃO ........................................................................................................... 12
AGRADECIMENTOS ................................................................................................ 13
3

INTRODUÇÃO

Pode–se considerar que a enfermagem sempre esteve voltada para atender


as necessidades de assistência de saúde da sociedade. Ela originou-se do desejo de
manter as pessoas saudáveis, assim como propiciar conforto, cuidado e confiança ao
enfermo.
A enfermagem como profissão, é a única na medida, em que se dedica
humanista, ás reações dos pacientes e de suas famílias, frente aos problemas reais e
potenciais.
Com objetivo de aprender e aproveitar cada minuto e segundo para nós
sermos um bom profissional bem capacitado e qualificado. O técnico de enfermagem
deve cuidar do paciente e ter muita responsabilidade e total segurança no que está
fazendo e nunca demonstrar medo.
A enfermagem, nada mais é que a arte de cuidar do ser humano, utilizando
de forma autônoma ou em conjunto com outros profissionais da área, técnicas ou
rotinas para promover a recuperação, saúde e prevenção de um determinado
indivíduo.
4

RELATÓRIO DO HOSPITAL SANTO AGOSTINHO

No dia 2 de maio do ano 2016 no período da manhã sob o acompanhamento


da enfermeira Silvana começou o nosso estagio no hospital santo agostinho, um
hospital composto por: posto de enfermagem, clinica medica, clinica cirúrgica, clinica
obstetrícia, pediatria, laboratório, sala de curativo, SME, lavanderia, cozinha, centro
cirúrgico.
Hospital com capacidade para 86 leitos, cada cor da prancheta tem a
identificação para cada medico que deve usar. Tem um carrinho de emergência, ao
usar o carrinho, deve fazer a relação de material utilizado, e deixar na gaveta.
Psicotrópico onde fica as medicações controladas, todo medicamento que sai
do Psicotrópicos deve ter a receita e todos dias são conferidas antes da passagem de
plantão.
Observei que todo dia de manhã sedo as medicações deve ser puxado para
fazer administração do medicamento, todo medicamento que você diluir deve ser
identificado com o nome do paciente, o nome da medicação o leito e o horário da
medicação e depois checar no prontuário.
Sempre na Internação de paciente deve perguntar se ele tem alguma alergia
a algum medicamento e anotar na evolução. Aferir a PA e fazer a evolução do
paciente devemos anotar tudo na evolução, se veio até com outro acesso de outro
hospital você deve anotar.
Todo dia deve fazer o balanço dais medicações para nunca faltar no posto,
sempre ficar atento para este procedimento e nunca esquecer.
Observei uma retirada de pontos cirúrgicos lavar com soro fisiológicos utilizar
a pinça, retirar os pontos intercalado e preciso muita atenção e consciência e o
máximo de atenção no que está fazendo. Rampe onde e colocado todo lençol sujo ou
camisola.
Todo acesso deve ser identificado com o número do gelco, a data, vencimento
e a hora e o nome da técnica. Sempre que o paciente pegar alta levar uma bandeja
pequena com uma bola de algodão e retirar o acesso do paciente, depois devemos
tirar os lençóis sujo e colocar no rampe e fazer assepsia do coxão e nunca esquecer
de usar luva.
Paciente que vai para centro cirúrgico devemos pedir que retire todo adereço
e vestir a camisola e dependendo dá cirurgia fazer a tricotomia do paciente,
5

principalmente quando e cesariana.


Observei que toda gestante antes de entra no centro cirúrgico temos que
auscultar o BCF, verificar sinais vitais e fazer a evolução e sempre perguntar se ela
fez a tricotomia e depois pedir para dar uma olhada e ter certeza que ela fez mesmo,
levar a paciente até o centro cirúrgico.
Toda retirada de sonda devemos colocar uma seringa na sonda para retira
todo liquido e depois tira a sonda, e só pode tirar depois que o médico autorizar.

POSTO DE ENFERMAGEM

No posto de Enfermagem, onde e feito a admissão dois pacientes e a diluição


de todos medicamentos. No posto de enfermagem e tudo bem organizados,
medicamentos identificados na parte de baixo fica todos medicamentos injetáveis,
seringas, polifixo, soro fisiológicos e glicosado E MEDICAMENTOS EM PÒ.
Diluição de medicamento.
Concentrar atenção no trabalho, evitar conversas e outras atividades.
Utilizar sempre prescrições medicas para a identificação e preparo, nunca
esquecer de limpar a bandeja com álcool antes do preparo e depois.
Sempre na diluição de medicamentos deve identificar todo o material (nome
leito, dose, via, data, hora) SEMPRE QUE EU IA ADMINISTRAR OS
MEDICAMENTOS EU SEMPRE LIA ROTULO DOIS MEDICAMENTOS.
TODO DIA EU ORGANIZAVA O LOCAL DE PREPARO DA MEDICAÇÃO
ANTES E DEPOIS, NUNCA DEICHAR BANDEJA DE MEDICAMENTOS NO LEITO
DE PACIENTES.
TODO MEDICAMENTO QUE VOÇÊ VAI DILUI DEVEMOS SEMPRE
ULTILIZAR AGUA PARA INJEÇÃO, NÃO PODE SER DIRETO NA VEIA CONFORME
A PRESCRIÇÃO MEDICA.SEMPRE NA ADMINISTRÇÃO DE MEDICAMENTOS EU
ULTILIZAVA AS CINCO REGRAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS;
MEDICAMENTO CERTO.
VIA CERTO.
HORA CERTA.
PACIENTE CERTO.
DOSE CERTA.
6

No preparo da diluição de medicamentos primeiramente tinha que tira os


nomes dais medicações do prontuário e identificar na seringa ou no copo pequeno
separa os medicamentos si fosse um medicamento oral tinha que colocar no copo e
sua identificação, dipirona sempre na seringa de dez com agua para injeção conforme
a PM. Depois de administra os medicamentos lavar a mão.

INTERNAÇÃO DE PACIENTE

Sempre na admissão de paciente eu perguntava si tinha alguma alergia algum


medicamento, verificava sinais vitais preparava a bandeja de punção e bandeja de
medicamento quando estava prescrito pelo médico. Puncionava, fazia a medicação e
checava na P.m. do prontuário e já fazia a evolução. Todo paciente masculino ficava
na clínica médica masculina.
Todo paciente que eu administrava as medicações eu explicava sobre a
medicação, procedimento a ser realizado.

CLINICA MEDICA MASCULINA

Na clínica medica masculina somente e internado paciente masculino, todos


os dias eu fazia administração de medicamentos trocava os lençóis e retirava os
lençóis sujo colocava no rampe, verificava se tinha algum acesso vencido por que só
vale quatro dias. Quando tinha algum acesso vencido eu tinha que trocar e puncionar
em outra veia e identificar o acesso. Verificava sinais vitais, levava para fazer
nebulização. Nunca devemos aferi a PA de paciente com acesso no mesmo membro
com acesso.
Na clínica medica masculina eu sempre observava se tinha acabado o soro
fisiológico, prestava bastante cuidados ao paciente.

CLÍNICA MÉDICA FEMININA

Na clínica medica feminina, todos os dias eu administrava medicamentos,


puncionava, verificava se tinha algum acesso vencido, trocava acesso vencido,
retirava os lençóis sujo e colocava no rampe, quando pegava alta eu retirava o acesso,
e todos os dias tinha que aferir os sinais vitais e fazia evolução.
7

PEDIATRIA

Na pediatria eu sempre visualizava as meninas fazer os procedimentos,


avaliava o quadro clinico, fazia evolução escrita em prontuário, fazia diálogo com os
colegas durante a troca de plantão sobre os pacientes, ocorrido, intercorrência,
dificuldades do mesmo, queixas etc. Observava a diluição de medicamentos.

CLINICA CIRÚRGICA

E um setor destinado ao atendimento pré e pós-operatório, ou seja, recebem


os pacientes que irão fazer a cirurgia.

PREPARO PRÉ-OPERATÓRIO

O preparo pré-operatório tem início com a internação estendendo-se até o


momento da cirurgia.
Objetivo levar o paciente as melhores condições possíveis para cirurgia, para
garantir-lhe menores possibilidades de complicações. Cada paciente deve ser tratado
e encarado individualmente.
Dependendo da cirurgia a ser realizada, o preparo pré-operatório poderá ser
feito em alguns dias ou até mesmo em minutos. A s cirurgias que exigem um rápido
preparo são as cirurgias de emergência estas devem ser realizadas sem perda de
tempo a fim de salvar a vida do paciente.

PREPARO PSICOLÓGICO

Tem como objetivo assegurar confiança e tranquilidade mental ao paciente.


A internação para o paciente pode significar reclusão, afastamento dos
familiares e o paciente podem ficar ansioso e cheio de temores. O trabalho, a vida
diária do paciente é momentaneamente paralisada e o desconhecimento do
tratamento a que será submetido, tudo isso gera stress, insegurança, desassossego
e medo.
Estes estados psicológicos quando não reconhecidos e atendidos pode levar
8

o paciente a apresentar vômitos, náuseas, dor de cabeça, não cooperando para a


recuperação pós-cirúrgicas, levando-o a complicação respiratórias, agitação e outros
problemas.
Para auxiliar o paciente a enfermagem deve ser calma, otimista,
compreensiva, e saiba como desenvolver confiança.
Inteirados da aflição do paciente a enfermeira chefe deve ser notificada para
que tome a melhor medida.
Muitas vezes o paciente tem medo da morte, durante ou após a cirurgia, tem
medo de não acordar da anestesia, tem medo de perder qualquer parte do corpo ou
de sentir dor durante a cirurgia.
Dependendo da necessidade, a enfermeira solicitara a presença do cirurgião
ou anestesista para esclarecer o paciente.
Portanto a enfermagem, embora solicitando outros profissionais para atender
o paciente em suas necessidades psicológicas, é principalmente a pessoa que ouve,
compreende, ampara e conforta.
Preparo inicial é quando o paciente vai ser submetido a exames laboratoriais
(exames pré-operatórios) que vão assegurar a viabilidade ou não da cirurgia.
Nesta fase, a atuação da enfermagem no preparo se relaciona:
 Ao preparo do paciente, explicando os procedimentos a serem
realizados.
 A coleta e encaminhamento dos materiais para exames.
 A manutenção do jejum quando necessário.
 A aplicação de medicamentos, soro e sangue.
 A realização de controles.
 Sinais vitais.
 Diurese.
 Observação de sinais e sintomas.
 Anotação na papeleta.
Preparo físico na véspera da cirurgia tem por objetivo remover toda a fonte
de infecção, através da limpeza e desinfecção conseguida com um mínimo de
esgotamento do paciente.
Essa segunda etapa se processa assim:
 Verificar lista de cirurgia quais os pacientes que serão operados, nome
da cirurgia, horário, se há pedido de sangue, preparos especiais ou de
9

rotina.
 Providenciar material e colher a amostra de sangue para tipagem
sanguínea.
 Observar sintomas como tosse, coriza, febre, variação de PA e outros.
Proceder à limpeza e preparar a pele para cirurgia da seguinte forma:
 Tricotomia da região a ser operada, bem ampla.
 Banho completo, incluindo cabeça e troca de roupa.
 Limpeza e corte das unhas, remover esmaltes (pés e mãos) para poder
observar a coloração durante a cirurgia.
 Dieta leve no jantar.
 Lavagem intestinal ou gástrica, de acordo com a prescrição medica.
 Jejum após o jantar, orientar o paciente.
 Promover ambiente tranquilo e repousante.
Preparo físico no dia da cirurgia.
Verificar se o jejum continua sendo mantido.
Verificar se todos os cuidados da véspera foram feitos.
Remover maquiagem, próteses e joias. As joias e próteses serão enroladas e
guardadas conforme rotina do local.
 Controlar pulso, temperatura, respiração e P.A.
 Urinar meia hora antes da cirurgia.
 Checar a medicação pré-anestésica dada. Ela acalma o paciente.
 Fazer anotação na papeleta.
Os cuidados de enfermagem no pós-operatório são aqueles realizados após
a cirurgia até a alta.
Visam ajudar o recém operado a normalizar suas funções com conforto e da
forma mais rápida e segura. Incluímos nesses cuidados o preparo da unidade para
receber o paciente internado.
Observação: nos hospitais que possuem no centro cirúrgica sala de
recuperação, pós-anestésica, recebem os pacientes nestes locais imediatamente
após a cirurgia dando-lhes assistência até a normalização de reflexos e sinais vitais.
Só posteriormente esse paciente é encaminhado a unidade onde estão internados.
Cuidados no preparo da unidade visa equipa-la para o recebimento do
paciente operado, a fim de proporcionar-lhe conforto, segurança e rápido atendimento.
10

CUIDADOS

Promoção da limpeza e ordem de todo o ambiente.


Arrumação da cama “tipo operado.
Limpeza e arrumação da mesa de cabeceira.
Trazer suporte de soro e colocá-lo ao lado da cama.

ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO

Ao receber o paciente no quarto.


 Transporta-lo da maca para a cama com o auxílio de outros
funcionários manter a cama em posição horizontal.
 Cobri-lo e agasalha-lo de acordo com a necessidade
verificar na papeleta as anotações do centro cirúrgico. Se foi feita a
anestesia raque deixar o paciente sem travesseiro e sem levantar pelo
o menos 12 horas.
 Enquanto estiver semiconsciente, mantê-lo sem travesseiro com a
cabeça voltada para o lado.
 Observar o gotejamento do soro ou de sangue.
 Observar estado geral e nível de consciência.
 Verificar o curativo colocado no local operado, se está seco ou com
sangue.
 Restringi-lo no leito com grades para evitar que caia.
 Se estiver confuso, restringir os membros superiores para evitar que
retire soro ou sondas.
 Observar sintomas como: palidez, sudorese, pele fria, lábios e unhas
arroxeados, hemorragia, dificuldade respiratória e outros, porque
podem ocorrer complicações respiratórias e circulatórias.
Controlar, pulso, temperatura, respiração e pressão arterial.
Fazer anotação na papeleta.
 Ler a prescrição medica, providenciando para que seja feita.
 Qualquer sintoma alarmante deve ser comunicado imediatamente.
11

NAS HORAS SEGUIDAS

Periodicamente, controlar sinais vitais e funcionamento de soro e sondas.


Medica-lo para dor, quando necessário.
Movimenta-lo no leito, de decúbito.
Verificar e estimular a aceitação da dieta
Sempre quando tinha cirurgia tinha que fazer este procedimento certo para
dar tudo certo.

CME - CENTRAL DE MATERIAL DE ESTERELIZAÇÂO

A Central de Material e Esterilização (CME) é a área responsável pela limpeza


e processamento de artigos e instrumentais médicos hospitalares. É na CME que se
realiza o controle, o preparo, a esterilização e a distribuição dos materiais hospitalares.
Tem três salas, a primeira sala onde lava todos os materiais contaminados, a segunda
sala onde e feito a identificação onde tem todo o preparo para ser esterilizado, a
terceira sala onde fica a autoclave onde fica todo o material esterilizado.
As compressas eu escovava para retira os excessos de fios soltos e
identificava a validade e o vencimento. Os capotes têm uma técnica de dobrar.
A máscara tem um processo de lava-las com água e sabão e detergente
enzimático deixar as máscaras e chicotes de molho (imerso) por 30 minutos, enxaguar
com agua corrente, deixar escorrer e colocar em um balde com agua quente e depois
colocar quiboa e tira o excesso e secar. Todo os dias eu fazia isto no cme quando as
meninas levavam mascara Todo o material deve ser identificado o dia que esterilizou
e o vencimento.
Sempre que as meninas do centro cirúrgico pediam material tinha que dar o
material certo e tudo muito rápido.
Os materiais tinham que lavar com escova para retirar todo excesso de
sangue e depois passa a bucha e depois tinha que colocar álcool, tudo tinha que ser
muito bem feito, para não ocorre o risco de infecção hospitalar.
12

CONCLUSÃO

O Estagio supervisionado pela Enfermeira Silvana nos deu a oportunidade de


aprender com qualidade e responsabilidade. Permitindo o cumprimento de atividades
diversas, como por exemplo a passagem de plantão, cumprimento de escala,
atendimento direto ao paciente, diluição de medicamentos, admissão de paciente,
então houve uma preparação completa para nos técnico de enfermagem atuar
futuramente no mercado de trabalho, principalmente o carinho e toda a minha
dedicação de cuidar do paciente com total responsabilidade.
13

AGRADECIMENTOS

Percorremos um longo trajeto. A partir de agora cada um trilhará seu caminho.


Entre nós ficará a lembrança de nossos encontros e desencontros, lutas e decepções.
Fica a certeza de que cada um de nós contribuiu para o crescimento do outro.
Todos devem ser unidos na busca de um objetivo profissional, no período em
que eles se encontravam em seus estudos acadêmicos. A partir do momento em que
eles se formaram, cada um deve seguir seu caminho profissional independente do
outro.
Isso não quer dizer que amizade de uma fase tão importante quanto essa da
universidade, deve ser deixada para trás, muito pelo contrário deve continuar e se
fortalecer ainda mais para aqueles que fizeram amigos verdadeiros nesse período.
Porém, no momento em que se tornam profissionais, devem lutar pelos seus
ideais e lembrar sempre de todos os bons momentos que eles estiverem juntos e a as
dificuldades pelas quais passaram quando ainda estavam na graduação e com a
cabeça repleta de sonhos.
A Enfermeira Silvana com total dedicação para nos ensinar e sempre
prestativa, todos os funcionários nos deu total apoio e foram muito prestativos.
O curso foi excelente, proveitoso, rendeu bons frutos inigualáveis, de
conhecimento, satisfação, agradecimento e muita saudade.
Agradeço toda equipe do hospital santo agostinho com maior orgulho e prazer
de aprender com vocês.