Você está na página 1de 7

MÉTODOS E TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO DA SOCIOLOGIA

Quando nos propomos a realizar uma investigação qualquer que


seja a sua natureza, o 1º passo é decidir o modo como irá ser
realizada. Para isso definimos estratégias:
Estratégia de investigação- Conjunto de procedimentos que
orientam a pesquisa cientifica, incluindo a selecção de técnicas,
o seu controlo e a integração dos resultados obtidos.
Esta estratégia permite-nos orientar a investigação respondendo
assim à pergunta “como vamos fazer?” seguida de “quem
vamos incluir” definindo assim o público-alvo.
O filósofo francês Gaston Bachelard, resumiu o processo
científico numa frase “O facto científico é conquistado,
construído e verificado”

 Conquistado sobre os preconceitos


 Construído pela razão
 Verificado nos factos
Assim o processo divide-se em 3 fases, na primeira fase o
cientista deve eliminar os preconceitos e falsas evidências da
realidade social, como 2ª fase deverá criar um modelo de estudo
constituindo o quadro teórico (construção), por último todos os
factos para análise têm de ser verificados ou experimentados.
Entre as principais estratégias de investigação encontram-se: a
de investigação intensiva, a investigação extensiva e
investigação-acção.
Estratégia de investigação intensiva, consiste no estudo em
profundidade de um fenómeno social. Assim o objectivo desta é
obter o maior número de informações, através da análise e
observação de situações reais.

Uma estratégia de investigação deve ser de carácter intensivo


quando o universo a estudar é de pequena dimensão, pois só
desta forma é que o sociólogo pode recorrer a uma
multiplicidade de técnicas que lhe permitam estabelecer um
contacto directo com a população em estudo.

Estratégia de investigação extensiva


Neste tipo de investigação, utilizada em estudos que analisam
grupos de dimensão muito grande, tem de se formar e aplicar
um inquérito por questionário a uma amostra representativa do
universo – devido à sua grande dimensão que não permite o
contacto directo com toda a população do universo do estudo –,
permitindo a generalização das suas conclusões ao mesmo. Para
além disto, recorre-se preferencialmente a técnicas
quantitativas.
Uma estratégia de investigação não pode ser de carácter
intensivo quando o universo a estudar é de grande dimensão,
porque, sendo a população muito numerosa, o investigador não
consegue ter contacto directo com todos os seus elementos.
Para resolver este problema há que se optar por um carácter
extensivo, constituindo-se um subgrupo representativo da
população a estudar que seja representativa do universo de
estudo, isto é, que apresente uma composição e características
idênticas a ele – amostra. Após a recolha e tratamento das
informações recolhidas, os resultados poderão ser generalizados
ao universo do estudo. Investigação-acção – neste tipo de
investigação, o investigador é simultaneamente actor, pois
envolve-se directamente com o grupo que vai analisar, aplicando
directamente os conhecimentos produzidos. Para além disto,
podem utilizar-se tanto as técnicas quantitativas como as
qualitativas.

Definição do público-alvo da investigação

Universo e amostra
À totalidade dos indivíduos que constituem o nosso público-alvo
chama-se universo. Nas investigações extensivas a investigação é
feita por amostragem, ou seja, usando um subconjunto do
universo.

Uma amostra representativa apresenta as mesmas


características que o universo, relativamente a um conjunto de
critérios ou variáveis que o investigador considera significativas
para a investigação. Para obter uma amostra representativa do
universo devemos percorrer 2 etapas: Determinar as pessoas
que irão constituir e medir-lhes a representatividade.

Esta a amostra que deverá representar as características do


universo pode ser determinada segundo dois processos mais
comuns:

 Método aleatório que consiste em tirar ao acaso do


universo o subconjunto que irá representar a totalidade;
 Método das quotas pretende construir uma amostra que
seja um modelo do universo.
Modos de produção da informação em sociologia

Em sociologia utilizam-se dois processos para obter informação


sobre os fenómenos em estudo e para produzir nova informação.
1. Documentação: depois de feita a pesquisa documental, cabe
ao investigador estudar, analisar, interpretar e encontrar um
sentido na informação recolhida;
2. Observação: é o conjunto de operações que confronta o
modelo de análise com os dados observáveis.
2.1. Observação participante é uma técnica que se baseia
na recolha de elementos realizada por investigador que se
encontra dentro do grupo a observar;
2.2. Observação indirecta recorre à recolha de informação
sem a necessidade de o investigador estar inserido no
grupo a observar.

A observação indireta pode ser dividida em duas técnicas: a


entrevista e o inquérito por questionário.

Entrevista: Esta técnica consiste na recolha de informações


através do diálogo, individual ou em grupo. As entrevistas
podem ser classificadas como estruturadas ou diretivas,
semiestruturadas ou semidiretivas e não estruturadas ou não
diretivas
As entrevistas estruturadas são aquelas de “resposta direta”, ou
seja, em que o entrevistado não desenvolve a resposta e pode
apenas responder positiva ou negativamente. Estas perguntas
são geralmente previamente fixadas e o entrevistador deve
respeitar o esquema integralmente.
As entrevistas não estruturadas são mais flexíveis e podem ser
orientadas consoante as respostas do entrevistado sendo
convenientes. São questões abertas em que é dada a
possibilidade de justificar a resposta.

Os inquéritos por questionário são aplicados a um maior


número de pessoas e dividem-se em etapas.

1º: Definição do objetivo do inquérito;

2º: Inventário dos meios materiais postos à disposição dos


realizadores do inquérito;

3º: Investigações prévias;

4º: Determinação dos objetos e hipóteses de trabalho;

5º: Determinação da população do inquérito;

6º: Cálculo da dimensão e tiragem da amostra;

7º: Redação do projeto do questionário;

8º: Testagem do projeto do questionário;

9º: Redação do questionário definitivo;

10º: Formação dos inquiridores;

11º:Realização de material do inquérito;

12º: Codificação dos questionários;

13º: Apuramento dos questionários;

14º: Validação da amostra e análise dos resultados;

15º: Redação do relatório.