Você está na página 1de 8

Senac São Paulo - Todos os Direitos Reservados 1

SUMÁRIO

1. DO QUE TRATA A MACROECONOMIA...............................................3

2. METAS MACROECONÔMICAS..............................................................3

3. INSTRUMENTOS DE POLÍTICA ECONÔMICA..................................5

CONSIDERAÇÕES FINAIS...........................................................................7

REFERÊNCIAS..................................................................................................8

Senac São Paulo - Todos os Direitos Reservados 2


AULA 2 – INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

Vimos que a Economia pode ser dividida em Macroeconomia e a Microeconomia. A Microeconomia


estuda o comportamento individual dos agentes econômicos, é como se estivéssemos olhando “de perto”. Já
a Macroeconomia estuda o comportamento dos agregados econômicos, é como se estivéssemos olhando “de
longe”.

Qual é a melhor visão? Depende do que se quer fazer. Se quisermos entender um mercado específico,
precisamos da visão detalhada da microeconomia, mas se quisermos entender a economia como um todo,
precisamos da visão mais ampla proporcionada pela Macroeconomia.

O processo de tomada de decisão envolve o conhecimento das variáveis agregadas. Afinal, é preciso entender
como a taxa de juros pode interferir no seu negócio; se parte da minha produção é exportada, preciso analisar o
efeito das variações cambiais sobre o meu faturamento. Esse tipo de análise é proporcionado pela Macroeconomia.

O objetivo desta aula é entender melhor o campo da Macroeconomia.

1. DO QUE TRATA A MACROECONOMIA

Ao percorrer os jornais e noticiários de economia, deparamos com assuntos como taxa de juros, taxa de câmbio,
crescimento econômico, inflação, desemprego, tributação, quantidade de dinheiro disponível, exportações,
importações, consumo, investimento, gastos públicos e outras variáveis estudadas pela macroeconomia.

Para compreender algumas dessas questões iniciais, tratadas pela Macroeconomia, convidamos você à leitura:

Biblioteca digital
Acesse a Biblioteca Digital e leia as páginas 2 a 8 do livro “Macroeconomia”, de Abel, Bernanke e
Croushor

2. METAS MACROECONÔMICAS

Após a leitura do texto, compreendemos as questões fundamentais abordadas pela macroeconomia, porém, para
estudá-las, é preciso entender que o tratamento correto de um problema econômico envolve três níveis de análise:

Senac São Paulo - Todos os Direitos Reservados 3


Quadro 1 - Níveis de análise macroeconômica

Fonte: Baseado em Passos e Nogami (2012, p.365)

Com base nesses níveis de análise e nas questões fundamentais apresentadas no texto para leitura é possível
identificar cinco objetivos principais da Macroeconomia:

a. Crescimento da produção e do emprego: O crescimento econômico é a meta mais importante a


ser perseguida pelos formuladores da política econômica. O crescimento econômico refere-se à expansão
da produção do país e seu principal indicador é o Produto Interno Bruto (PIB). O aumento da produção é
importante para a melhoria da renda, pois existe uma relação direta entre produção e emprego e por isso, com
crescimento, tende-se a aumentar automaticamente o nível de emprego da economia e consequentemente
a renda das pessoas.

b. Estabilidade de preços (controle da inflação): A preocupação em manter a inflação controlada, ou


seja, manter controlada a velocidade de crescimento dos preços de uma economia se justifica pelas distorções
causadas por este fenômeno: fortes aumentos nos preços afetam negativamente a renda (“corroem” o poder
de compra) e distorcem as decisões econômicas das empresas e famílias, impedindo uma alocação eficiente
dos recursos.

c. Equilíbrio das contas internas: A diferença entre as receitas públicas e os gastos do governo é um
indicador do grau de equilíbrio (ou desequilíbrio) da atuação do setor público. Quando essa diferença é
negativa, denomina-se déficit público. Quando esse déficit é elevado, também são altas as necessidades
financeiras do governo. Afinal ele precisa “cobrir” a falta de caixa e geralmente recorre ao mercado para isso,
o que pressiona para cima os juros da economia, afetando negativamente os investimentos privados. Manter
as contas equilibradas é, portanto, uma preocupação da política econômica.

d. Equilíbrio das contas externas: Um país mantém relações comerciais e financeiras com outros países.
O registro contábil dessas relações compõe o Balanço de Pagamentos. É importante manter o Balanço de
Pagamentos equilibrado para evitar dificuldades, já que déficits (saldos negativos) elevados podem limitar

Senac São Paulo - Todos os Direitos Reservados 4


a capacidade de importar devido ao baixo estoque de reservas internacionais, além de exigir recursos para
cobrir esse saldo negativo; e superávits (saldos positivos) elevados representam a entrada excessiva de
moeda estrangeira no país, o que afeta a taxa de câmbio (que tende a cair), podendo prejudicar a receita
dos exportadores.

Para saber mais


Você sabe o que é déficit? E superávit?

O exemplo destaca o esforço francês para equilibrar as contas internas, ou seja, ajustar o orçamento
público a fim de reduzir o déficit. Quando tratamos do orçamento público, assim como o orçamento
empresarial e o pessoal, precisamos calcular todas as receitas (entradas de caixa) e descontar todas
as despesas/custos (saídas de caixa). No caso do orçamento público, quando o saldo for positivo, ou
seja, as receitas são superiores aos gastos, temos uma situação de superávit; e, quando o saldo entre
receitas e gastos for negativo, temos uma situação de déficit.

e. Distribuição de renda: É preocupação dos formuladores da política econômica a melhoria da qualidade


de vida e a diminuição das desigualdades. Esse objetivo não é percorrido no curto prazo, demanda tempo
e grande esforço.

Na prática
As medidas de política econômica tentam alcançar esses objetivos da forma mais harmoniosa
possível, porém, na prática, podem existir conflitos, já que cada objetivo não é independente. Por
exemplo, as medidas para conter o aumento dos preços podem levar à redução da demanda, das
vendas e a um aumento no nível de desemprego e a uma redução do ritmo de crescimento do país.
Assim, o desafio da política econômica é manter todos os objetivos sob controle.

3. INSTRUMENTOS DE POLÍTICA ECONÔMICA

Para atingir as metas macroeconômicas, o governo dispõe de um conjunto de instrumentos de política


econômica. São eles:

a. Política fiscal: refere-se à condução de duas políticas, a tributária (os impostos são a principal receita do

Senac São Paulo - Todos os Direitos Reservados 5


governo) e a dos gastos públicos. O orçamento público e seu saldo (déficit ou superávit) é uma preocupação
da política fiscal.

b. Política monetária: refere-se às decisões para o controle da oferta de moeda de uma economia por
parte do Banco Central (disponibilidade de crédito, taxas de juros, condições do crédito, quantidade de
moeda em circulação, entre outros). Essas decisões afetam o consumo e o investimento da economia e
consequentemente o crescimento econômico e o nível de preços.

c. Política cambial e de comércio exterior: a política cambial refere-se às ações do governo que atingem
diretamente as transações internacionais do país, por meio do valor do câmbio e do volume de reservas. Já
a política de comércio exterior diz respeito às decisões do governo quanto às exportações e importações.

d. Política de rendas: refere-se ao estabelecimento de critérios para reajuste dos preços e salários.
Podemos considerar que, desde o Plano Real, não temos uma política de rendas explícita, pois os preços
são livres (determinados pela oferta e demanda) e, em relação aos salários, temos a livre negociação entre
os trabalhadores e empregadores.

Uma visão sintética da Macroeconomia:

Figura 1- Visão sintética da Macroeconomia

Fonte: Baseado em Mochón, 2006, p.247.

Senac São Paulo - Todos os Direitos Reservados 6


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Nesta aula estudamos as principais preocupações abordadas pela Macroeconomia, seus objetivos e os
instrumentos existentes para a correção dos desequilíbrios. A partir da próxima aula estudaremos os principais
agregados macroeconômicos e aprofundaremos o conhecimento sobre os instrumentos de política econômica.
Esperamos você lá!

Senac São Paulo - Todos os Direitos Reservados 7


REFERÊNCIAS

ABEL, A. B.; BERNNKE B. S. CROUSHORE, D.; Macroeconomia. 6 ed. São Paulo, Pearson Addison Wesley, 2008.

MOCHÓN, F. Economia: Teoria e Prática. São Paulo: McGraw Hill, 2006.

PASSOS, C. R. M. & NOGAMI, O. Princípios de Economia. 6 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2012.

Senac São Paulo - Todos os Direitos Reservados 8