Você está na página 1de 3

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS


7ª Promotoria Criminal de Taguatinga/DF
____________________________________________________________________________________________________________________________
EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA 2ª VARA
CRIMINAL DA CIRCUNSCRIÇÃO JUDICIÁRIA DE TAGUATINGA/DF

Autos n.º 2015.07.1.021165-9


APF/IP nº 490/2015 e 528/2016 – 12ªDP

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E


TERRITÓRIOS, por sua Promotora de Justiça que a esta subscreve, no uso de suas
atribuições constitucionais e legais, vem propor

AÇÃO PENAL PÚBLICA

por meio de denúncia em desfavor de

LUÍS CLÁUDIO FERNANDES MIRANDA, brasileiro,


casado, deputado federal, nascido aos 27 de março de 1980,
natural de Brasília/DF, filho de Maria Euranice Fernandes e José
Antenor de Castro Miranda, portador da RG n. 1.681.704
SSP/DF e CPF nº 902.186.471-15, com endereço na QE 36,
Bloco I, apartamento102, Guará 2/DF; ou QE 36, conjunto D,
casa 05, Guará/DF;

HALISON RIBEIRO VITORINO, brasileiro, convivente,


nascido em 25/04/1975, natural de Goianésia/GO, filho de Alaor
Vitorino e Dora Lúcia Ribeiro Vitorino, titular do RG nº
4.313.508 DGPC/GO, CPF nº 791.143.931-15, com endereço na
quadra 107, Rua E, lote 03, apartamento 1302, Residencial
Uberlândia, Águas Claras/DF; e

EURICO CANDIDO DE MIRANDA, brasileiro, solteiro,


advogado, nascido em 25/03/1967, natural de Brasília/DF, filho
MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO
MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS
7ª Promotoria Criminal de Taguatinga/DF

de Euclides Miranda de Souza e Maria Candida de Miranda,


titular do RG nº 821.166 SSP/DF, CPF nº 334.006.871-20, com
endereço na rua Caiena, Nova Cidade, Manaus/AM; ou Rua das
Araras, 44, Ponta Negra, Manaus/AM, em razão das práticas
delituosas abaixo aduzidas.

No dia 15 de julho de 2010, na C-12, bloco J, lotes 1/7, salas 201/204,


edifício Techmeir, no interior do estabelecimento denominado Salão de Cobrança, nesta
cidade de Taguatinga/DF, os denunciados, consciente, voluntariamente e em unidade de
desígnios entre todos, obtiveram vantagem ilícita para o grupo, em prejuízo da vítima Salão
de Cobrança LTDA., induzindo-a a erro, mediante ardil e outros meios fraudulentos.

Consta dos autos que os denunciados LUÍS CLÁUDIO FERNANDES


MIRANDA e HALISON RIBEIRO VITORINO, entabularam com a vítima Salão de
Cobrança LTDA. contrato de aluguel de imóvel localizado na C 01, lotes 01/12, salas 1009 e
1010, Edifício Taguatinga Trade Center, no qual contava como locatário o denunciado
HALISON RIBEIRO VITORINO, enquanto o denunciado LUÍS CLÁUDIO
FERNANDES MIRANDA figurava como fiador.

Durante a vigência contratual os denunciados LUÍS CLÁUDIO e


HALISON restaram inadimplentes, o que motivou a vítima, Salão de Cobrança LTDA., a
ingressar com ação de despejo nº 2010.07.1.016632-4. No curso do processo, o representante
da empresa vítima, Decio Afrânio de Oliveira, foi procurado pelo denunciado EURICO
CANDIDO DE MIRANDA, por ordem dos denunciados LUÍS CLÁUDIO e HALISON, na
tentativa de uma composição amigável.

Após as tratativas, foi entabulado acordo para o pagamento da dívida,


ocorrendo a entrega, a Decio, de duas cártulas de cheques. Sendo a primeira cártula nº 3625,
agência 1086-3, conta 23715-9, do banco Bradesco, em nome de Geovani dos Santos e
Adevaldo Manoes da Silva, no valor de R$ 7.000,00 (sete mil reais), cheque este avalizado
pelo denunciado EURICO CANDIDO DE MIRANDA. A segunda cártula, por sua vez, nº
851113, agência 1339-0, conta 14183-6, do Banco do Brasil, em nome de FITCORPUS
MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO
MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS
7ª Promotoria Criminal de Taguatinga/DF

ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA. (empresa ligada aos denunciados LUÍS CLÁUDIO e


HALISON), no valor de R$ 4.500,00 (quatro mil e quinhentos reais).

Destarte, a primeira cártula apresentada pelos denunciados era falsa, eis que,
não obstante estarem corretos o número da conta e agência de Geovani dos Santos, todas as
demais informações estão erradas, tais como, existência de uma conta conjunta, data de
abertura de conta, número do cheque e do documento de identidade. O que levou a instituição
financeira a devolver o cheque pelo motivo nº 35 (fraude).

A segunda cártula de cheque, por sua vez, também foi devolvida pela
referida instituição financeira por insuficiência de fundos.

Por tais ações, restou nítido que os denunciados agiram em conluio para
obterem vantagem ilícita, em prejuízo da vítima, mantendo-a em erro, mediante artifício
fraudulento, uma vez que tinham pleno conhecimento do falso e da ausência de fundos para
pagar o cheque.

Ante o exposto, o Ministério Público denuncia LUÍS CLÁUDIO


FERNANDES MIRANDA, HALISON RIBEIRO VITORINO e EURICO CANDIDO
DE MIRANDA, como incursos nas penas do artigo 171, caput, do Código Penal, devendo
serem processados e, ao final, julgados, conforme a lei.

Taguatinga-DF, 26 de setembro de 2019.

ANA CAROLINA MARQUEZ


Promotora de Justiça
Rol de testemunhas:
1. Decio Afrânio de Oliveira – representante da vítima (fl. 117);
2. Geovani dos Santos – testemunha (fl. 121); e
3. Adevaldo Manoel da Silva – testemunha (fl. 125).