Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL C


Química Tecnológica
Professor: Luiz Otávio Amaral
Alunos: Júlia Soares e Rafael da Gama
Data de Entrega: 07 de julho de 2015

Obtenção, dosagem e solubilidade do Iodo

Belo Horizonte
1º semestre de 2015
1. Introdução

O iodo (do grego iodés, cor violeta) é um elemento químico de massa atômica 126,9 g.
À temperatura ambiente, o iodo encontra-se no estado sólido, embora se tenha descoberto iodo
livre na água. Geralmente, ele é encontrado em forma de compostos (iodetos e iodatos de sódio).
Seu sólido tem cor cinzenta e seus vapores são violeta, bem como sugere seu nome. Em
condições normais, sofre sublimação. É praticamente insolúvel em água, mas solúvel em solução
de iodeto e em muitos solventes orgânicos.
Trata-se de um elemento com diversas aplicações, com destaque para aquelas na
medicina, onde pode atuar como germicida e antisséptico. Possui ainda utilização na indústria
de couros, corantes e produtos farmacêuticos.
O iodo pode ser obtido a partir dos iodetos, I-, presentes na água do mar e nas algas.
Também pode ser obtido a partir dos iodatos, IO3- existente nos nitratos de Chile, separando-os
previamente destes. Em laboratório, é obtido através da reação entre ácido sulfúrico, dióxido de
manganês e iodeto de potássio:[1]

2 KI(s) + MnO2(s) + 2H2SO4(aq) →I2(g) + MnSO4(aq) +K2SO4(aq) + 2H2O(l)

2. Objetivos
Realizar a obtenção, a dosagem e testes de solubilidade do iodo.

3. Materiais
 Balão de destilação de  Proveta de 5 mL
250 mL  Funil comum de colo
 Balão de 250 mL de longo
fundo redondo  Funil comum de colo
 Balão volumétrico de 250 curto
mL  Proveta de 100 mL
 Béqueres de 100 mL e 50  Materiais para sistema de
mL destilação simples
 Bureta de 50 mL  Balança
 Erlenmeyers de 250 mL  4 tubos de ensaio
 Pipeta volumétrica de 20  Frasco para resíduo
mL
4. Procedimentos

Experimento (i) Obtenção do Iodo:

 Montou-se o sistema para obtenção do iodo em destilação simples.


 Enquanto a manta aquecedora pré-aquecia, em um gral misturou-se e triturou-
se 0,5g de KI e 0,35g de MnO2.
 Colocou-se a mistura de sólidos triturada no balão A (de destilação) e
adicionou-se 5 mL da solução de H2SO4 1:1
 Arrolhou-se o balão A e encaixou-o no sistema de destilação, iniciando o
processo.
 Observou-se a sublimação do iodo, a cor dos seus vapores e a cor do sólido
que era obtido no balão B.
 Terminado o desprendimento de vapores, desligou-se a manta aquecedora e o
sistema foi devidamente desmontado após resfriamento.

Experimento (ii) Preparo da solução de iodo/iodeto:

 Adicionou-se 50 mL de água ao balão B (no qual estava o iodo sólido obtido).


 Em seguida, também ao balão B foi adicionado água e KI até observar-se a
dissolução do sólido.
 Colocou-se a solução do balão B em um balão volumétrico de 250 mL, bem
como transferiu-se quantitativamente a água de lavagem.
 Adicionou-se água destilada até completar-se o volume e agitou-se a solução.

Experimento (iii) Ensaios de Solubilidade:

 Transferiu-se 1 dedo da solução de iodo para um tubo de ensaio, no qual


também foi adicionado a mesma quantidade de hexano. Agitou-se.
 Em outros três tubos de ensaio foi adicionado a cada um deles um pequeno
cristal de iodo. Cada um dos tubos recebeu um dos seguintes reagentes:
hexano, acetona e etanol.
 Os resultados foram observados e anotados.

Experimento (iv) Dosagem do iodo:

 Pipetou-se 20 mL da solução de iodo e transferiu-a para um erlenmeyer. Em


seguida, adicionou-se 30 mL de água destilada para diluição.
 A titulação foi processada com a solução padronizada de Na2S2O3 a 0,0100
mol/L, colocada em uma bureta ambientada de 50,00 mL.
 A solução foi adicionada lentamente até aparecimento de uma coloração
amarelo pálida na solução do erlenmeyer. Em seguida, adicionou-se 2 mL de
dispersão de amido. Prosseguiu-se a adição da solução da bureta até ocorrer o
descoramento na solução do erlenmeyer.
 Todo o procedimento foi repetido mais uma vez e a média dos resultados foi
obtida.

5. Resultados e discussões

Experimento (i) Obtenção do Iodo:

Para a obtenção do iodo, ocorreu no balão “A” a reação 1. O balão onde a reação
ocorreu estava sob aquecimento, visto que o ponto de sublimação do iodo é baixo. Sendo assim,
os vapores violáceos caminharam do balão “A” até o balão “B” que estava sob-resfriamento.
Em contato com a parede fria do segundo balão, o iodo sublimava e era obtido solidificado. Os
vapores apresentavam coloração roxa, enquanto o iodo obtido no outro balão era de cor escura,
meio acinzentada.

Reação 1:

2 KI(s) + MnO2(s) + 2H2SO4(aq) →I2(g) + MnSO4(aq) +K2SO4(aq) + 2H2O(l)

Experimento (ii) Preparo da solução de iodo/iodeto:

A adição de água ao balão B produz uma solução marrom-amarelada mas com sólido
no fundo. Isso porque o iodo é uma molécula apolar, logo, não se dissolve em água. Porém, ao
se adicionar KI, solução aquosa, é liberado iodeto, que é capaz de se unir ao I2 através da
interação íon-dipolo induzido e formar triiodeto, solução polar solúvel em água. Dessa forma,
obteve-se a solução homogênea de iodo/iodeto.

Experimento (iii) Ensaios de Solubilidade:

No tubo I, percebe-se a formação de duas fases. Uma fase contém hexano e a outra,
parte do I² que estava presente na solução. Como o iodo é solúvel em hexano, parte da solução
se tornou violeta e outra parte se tornou alaranjada, pois continha água e iodeto. Após agitação,
as cores das duas fases ficaram um pouco mais intensas.

No teste com etanol a solução se tornou acastanhada, porém, mais clara do que no
tubo com acetona, visto que o etanol tem uma polaridade maior. O iodo apresenta, então, uma
maior afinidade pela acetona.
Figura 1 - Testes com acetona, etanol e hexano, respectivamente. O flash prejudicou um pouco as
cores reais dos conteúdos dos tubos.

Experimento (iv) Dosagem do iodo:

2Na2S2O3(aq) + I2(aq) →Na2S4O6(aq) + 2NaI(aq)

A adição de dispersão de amido faz-se necessária para a aquisição de coloração azul


na solução do erlenmeyer, resultado da reação com o iodo. Assim, fica mais perceptível a perda
de cor necessária para parar de adicionar a solução da bureta.

Para encontrar a concentração em quantidade de matéria do iodo preparado, foram


utilizados os seguintes cálculos:

Volume da solução titulante/Concentração da solução titulante:

-1ª tentativa: 18,10 mL 0,0100 mol/L

-2ª tentativa: 17,60 mL 0,0100 mol/L

-Média: 17,85 mL 0,0100 mol/L

Pela estequiometria da equação temos que CxV (Na2S2O3) = 2xCxV (I2)

Conhecemos os dois volumes e conhecemos a concentração de Na2S2O3.


Substituindo-se na equação, pode-se encontrar a concentração do iodo:

0,0100 x 0,01785 = 2x0,020xC(I2)


C(I2) = 0,0100 x 0,01785/0,040 = 0,004462 mol/L

Concentração: 0,004462 mol/L

Para calcularmos a massa presente na solução, basta fazermos uma regra de 3:

1 L = 0,004462 mol

0,250 L = x

x = 0,0011 mol = 0,283 g

-Rendimento: Pela reação pata obtenção do iodo temos que a massa teórica esperada
para um rendimento de 100% seria de 0,382g. Para sabermos o rendimento da solução
produzida, dividimos a massa obtida pela massa esperada e multiplicamos por 100%:

(0,283/0,382) x 100% = 74%

7. Conclusão
O iodo foi devidamente obtido, mas, o rendimento da reação não foi de 100%. Isso
pode ter ocorrido devido à presença de impurezas na substância, bem como vapor perdido
durante o processo de obtenção, entre outros. Os outros procedimentos realizados obtiveram
resultados esperados, o que indica que foram feitos de maneira correta. A prática colaborou,
portanto, para agregar conhecimento acerca de obtenção do iodo (uma importante substância),
suas técnicas, preparo de solução e titulação.

8. Referências
[1] Química Geral. UFMG 2014