Você está na página 1de 2

Resenha: Educação e desenvolvimento econômico no Brasil

A relação que ocorre entre educação e desenvolvimento econômico não é algo


simples, e para levar essa discussão adiante deve-se entender algumas
considerações iniciais.

Durante muito tempo, o trabalho doméstico não foi considerado produtivo, pois
no século XIX, os trabalhadores passavam mais tempo nas fabricas do que fora
delas. O trabalho escolar também não era uma atividade considerada, pois no
início do capitalismo, havia pouca importância na formação dos trabalhadores.

Após as lutas travadas pelos trabalhadores no final do século XIX e inicio do


século XX, os capitalistas começaram a usar as maquinarias, o que resultou em
mais tempo livre para os trabalhadores.

Para controlar esse tempo livre, o trabalho doméstico e o escolar passaram por
reorganizações sucessivas.

Atualmente, o grande desafio do capitalismo é tornar o trabalho um controle


social, levando em conta que o uso intensivo da maquinaria, da ciência e da
tecnologia são redutores da mão de obra, aumentando o desemprego.

Nesse sentido, a educação teve de ser reformulada, sendo assim, a pedagogia


das competências é a forma atual de subordinar as aprendizagens as
necessidades do capital. O conhecimento transmitido as novas gerações devem
ser instrumentalizadas, para que o aluno saiba colocar o colocar o conhecimento
em prática no trabalho.

Apesar das novas condições de trabalho exigirem mais anos de escolaridade e


conhecimentos mais complexos, essa produção está longe de incluir o domínio
de um pensamento crítico e investigativo, ao contrário, trata-se apenas de um
conhecimento instrumental.

Ser qualificado, na visão do capitalismo, é possuir capacidade de trabalho


passível de ser utilizada na produção de valor (mais-valia). Ou seja, passa a ser
uma mercadoria produzida pelos trabalhadores.
Já para o trabalhador sua capacidade de trabalho, é valor de troca e também
valor de uso, por exemplo: quando ele se organiza para lutar contra a exploração,
por melhores condições de trabalho e de vida; quando utiliza sua capacidade de
pensar e de se organizar em seu próprio benefício.

O controle do capitalismo sobre a formação escolar é maior hoje do que o foi há


trinta anos. Esse aumento pode ser visto e sentido pelos alunos e professores.
Isso se ocorre pelo aumento do uso de tecnologia digital, maior produção de
material didático padronizado, as avaliações recorrentes, assim como a
produção em massa de professores com nível superior, em tese, capazes de
trabalho mais complexo, visam reduzir o valor da força de trabalho em processo
de formação.

A relação entre investimentos em educação e desenvolvimento econômico,


estabelecida pela Teoria do Capital Humano, fica comprometida na base da
própria forma em que se apresenta. Para compreendermos essa relação, é
necessário considerar a dimensão política da educação.

Referência:

BRUNO, L. Educação e desenvolvimento econômico no Brasil. Rev. Bras. Educ.


vol.16 no.48 Rio de Janeiro Sept./Dec. 2011. Disponível em: <
http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782011000300002> Acesso em: 23. Out.
2019.