Você está na página 1de 69

Como funciona a grade curricular do Curso ASB online?

0
Curso ASB online

O Curso de Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) surgiu há algum tempo para suprir uma demanda do
mercado profissional. Mais recentemente, desde 2009, houve a necessidade dos profissionais,
que atuam como ajudante de dentista, realizarem este curso de formação. Isto devido a
regulamentação da atividade com a aprovação e regulamentação da lei 11.889/2008.

Como em qualquer qualificação, seja educacional ou profissional, o curso de auxiliar de saúde


bucal (ASB) é dividido por temas, as chamadas matérias. Na modalidade online, a divisão da
grade curricular é por meio dos módulos, que são grandes blocos que contem um assunto
macro em comum.

Nas escolas ‘convencionais’, geralmente as matérias são estudadas concomitantemente. No


curso ASB online, a diferença é que os módulos são estudados separadamente. Com a
conclusão de um se dá o início do outro.

Fácil organização
Com a grade curricular do curso ASB online dividida em módulos, a organização dos estudos
pelo aluno pode ser facilitada. Um assunto pode ser estudado por vez, assim a dedicação a
cada tema pode ser igualitária.

Ao final dos estudos de cada módulo uma ‘prova’ é realizada. Após a conclusão da prova e a
obtenção da nota mínima exigida, o aluno pode passar para o módulo seguinte. Desta
maneira, evita-se o acúmulo de matérias. Além disso, os estudos podem ser adaptados à
rotina do aluno. De acordo com o tempo que foi definido para dedicação de cada tema.

Módulos do Curso ASB Online


O curso ASB online é dividido em cinco módulos. Como citamos, cada módulo conta com um
tema amplo que envolve outros tópicos relacionados que o aluno deve aprender. São eles,
gestão em saúde; processo saúde-doença; promoção e prevenção em saúde bucal; e as
especialidades odontológicos – estas com dois módulos de abrangência.

Mas não basta ter passado por todos estes módulos para concluir a grade curricular do curso
ASB online. Ao final dos estudos, por meio do Ambiente Virtual de Aprendizagem, o aluno
deve realizar o estágio supervisionado em um consultório odontológico. É do relatório desta
atividade que irá depender a formação do aluno, e o seu futuro como Auxiliar de Saúde Bucal.

O estágio supervisionado só é permitido após o aluno ter concluído mais de 60% dos módulos
que compõe o curso de formação. Isto porque o aluno deve contar com uma base teórica
adequada para realizar o estágio e auxiliar adequadamente o dentista em seu trabalho,
sabendo da maioria dos procedimentos de um consultório e de sua atuação.

Prazos do curso de formação


O curso ASB online pode ser concluído em um período de seis meses. Um mês para cada um
dos módulos, sendo que o último pode ser dedicado ao estágio supervisionado. Estes período
de seis meses pode ser alterado no caso do aluno não conseguir realizar o estágio.

Após o termino dos módulos, o curso ASB online permite um prazo de até seis meses para que
o aluno realize o estágio supervisionado e conclua a sua formação. Para se tornar um Auxiliar
de Saúde Bucal, o aluno deve ter cursado um mínimo de 300 horas aulas além do estágio. Há
cursos que somam carga horária de 400 horas mais 85 horas de estágio supervisionado.
Como verificamos, o curso ASB online surgiu para facilitar a formação profissional de quem já é
ou pretende ser um Auxiliar de Saúde Bucal. Com ele todos podem ter acesso ao curso e atuar
conforme a legislação em consultórios e clínicas odontológicas.
Como está o mercado para Auxiliar de Saúde Bucal no Brasil? 0

Um dos pontos mais importantes na hora de escolher um curso técnico ou faculdade é saber
como anda o mercado de trabalho para a área. É fácil saber se o mercado já está saturado ou
não, como são os salários e as facilidades para encontrar um emprego na área.

Para ser Auxiliar de Saúde Bucal não é diferente. É preciso fazer uma pesquisa para entender
um pouco essa área tão cheia de particularidades. Onde o profissional é aceito, quais cursos é
preciso fazer e outras informações. Hoje, pensando nisso, separamos alguns pontos de
destaque explicando um pouco como o mercado funciona para esses profissionais tão
importantes. Confira abaixo e tire suas dúvidas!

Quais cursos preciso fazer?


O primeiro passo para entrar nessa área é se informar quais os cursos reconhecidos pelo
mercado de trabalho para certificar o Auxiliar de Saúde Bucal. Eles podem ser presenciais ou
online, cada um atendendo um tipo específico de público.

Quando estiver certo de onde irá estudar, tenha em mente que terá que fazer o estágio
obrigatório, somente assim será possível retirar o certificado de conclusão de curso e trabalhar
regularmente na área.

Onde eu posso trabalhar?


O Auxiliar de Saúde Bucal pode trabalhar em empresas relacionadas a essa área e em
consultórios, ajudando o dentista com procedimentos. Caso queira trabalhar em hospitais e
centros cirúrgicos, é preciso fazer um curso de instrumentação cirúrgica para complemento.

É importante saber que você poderá fazer pequenos procedimentos sob supervisão do
dentista, aumentando a sua participação dentro do consultório.

Há muita concorrência?
Infelizmente o número de alunos desistentes nos cursos de Auxiliar de Saúde Bucal está cada
vez maior. Por diversos motivos, as pessoas têm desistido da área, o que faz com que esteja
faltando profissionais capazes de atender a demanda.

Por isso, não há muita concorrência e se você está interessado na área, pode ser uma ótima
oportunidade para investir e crescer. Não esqueça de garantir que seu estágio também lhe
proporcione uma boa experiência, assim terá mais destaque na hora de procurar um emprego
fixo.

Há mais homens ou mulheres?


Claro que isso não deve influenciar na hora da sua decisão, mas é possível perceber que a
maioria dos profissionais de Auxiliar de Saúde Bucal são mulheres. Muitas que estão atrás de
independência financeira, que estão querendo mudar de área no trabalho partem para os
cursos, que chamam a atenção por ter curta duração e não influenciar tanto em suas vidas
pessoais.

Como é o dia a dia do Auxiliar de Saúde Bucal?


Seu papel será ajudar o dentista nos procedimentos com pacientes. Isso inclui, auxílio no
manejamento dos instrumentos, esterilização dos instrumentos, organização das fichas dos
pacientes, auxílio com o atendimento de crianças, entre outras obrigações.

Por isso, o esperado de um Auxiliar de Saúde Bucal é que ele seja um profissional calmo,
preciso e que saiba lidar com situações de tensão e pressão, para que não entre em desespero
durante algum atendimento.

Esses são apenas alguns dos pontos que mostram como é o mercado para o profissional da
área de saúde bucal. Achou que faltou algum ponto e ainda está com dúvidas? Comente e
compartilhe suas ideias com a gente!

Você trabalha como Auxiliar de Saúde Bucal? Ou pretende começar a carreira nessa área?
Então deve ficar atento as legislações relacionadas a esta carreira. Já conhece a Lei Federal
11.889? Confira os detalhes desta que é responsável pela regularização desta profissão tão
importante na área de odontologia.

Registro obrigatório no CRO


Segundo a Lei Federal 11.889 é obrigatório o registro do ASB no Conselho Federal de
Odontologia e se inscrever também no Conselho Regional de Odontologia, para que ele possa
atuar de maneira legal nessa área. O ASB só pode ser registrado se obter um certificado de
curso em Auxiliar de Saúde Bucal, reconhecido por essas organizações.

Supervisão do Odontologista
É obrigatório que o Auxiliar de Saúde Bucal trabalhe sempre com supervisão de um cirurgião
dentista devidamente registrado no Conselho Regional de Odontologia.

Competências do ASB
O Auxiliar em Saúde Bucal poderá executar apenas as competências descritas nessa lei, não
podendo realizar qualquer atividade que não esteja descrita por ela. Caso isto aconteça, o
profissional pode ser punido e o cirurgião-dentista terá que responder perante o Conselho
Regional de Odontologia por essa atuação irregular.

Ciente disso, é permitido ao Auxiliar em Saúde Bucal:

Organizar e executar atividades de higiene bucal;


Processar filme radiográfico;
Preparar o paciente para o atendimento;
Auxiliar e instrumentar os profissionais nas intervenções clínicas, inclusive em ambientes
hospitalares;
Manipular materiais de uso odontológico;
Selecionar moldeiras;
Preparar modelos em gesso;
Registrar dados e participar da análise das informações relacionadas ao controle
administrativo em saúde bucal;
Executar limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização do instrumental, equipamentos
odontológicos e do ambiente de trabalho;
Realizar o acolhimento do paciente nos serviços de saúde bucal;
Aplicar medidas de biossegurança no armazenamento, transporte, manuseio e descarte de
produtos e resíduos odontológicos;
Desenvolver ações de promoção da saúde e prevenção de riscos ambientais e sanitários;
Realizar em equipe levantamento de necessidades em saúde bucal;
Adotar medidas de biossegurança visando ao controle de infecção.
O que o ASB não pode fazer
A legislação é bem clara em relação às atividades que o Auxiliar em Saúde Bucal não pode
exercer. São elas:

Exercer a atividade de forma autônoma;


Prestar assistência, direta ou indiretamente, a paciente, sem a indispensável supervisão do
cirurgião-dentista ou do Técnico em Saúde Bucal;
Realizar no paciente qualquer procedimento que não esteja incluso no que já mostramos
anteriormente;
Fazer propaganda de seus serviços, mesmo em revistas, jornais ou folhetos especializados da
área odontológica.
Desta forma, o ASB não pode trabalhar por conta própria, oferecendo trabalho no formato
freelancer para os cirurgiões-dentistas. Também não pode fazer qualquer tipo de campanha
publicitária para promover seus serviços. E jamais poderá fazer qualquer tipo de procedimento
sem o acompanhamento do profissional responsável pelo consultório.

Estas são as principais diretrizes que a Lei Federal 11.889 aborda em relação a profissão de
Auxiliar em Saúde Bucal. É sempre importante ficar atento a qualquer lei que possa interferir
na sua profissão e sempre se atualizar, para não correr o risco de atuar de maneira ilegal no
mercado de trabalho.
É Auxiliar de saúde bucal (ASB)? Fique por dentro da Lei Federal 11.889 0

Você trabalha como Auxiliar de Saúde Bucal? Ou pretende começar a carreira nessa área?
Então deve ficar atento as legislações relacionadas a esta carreira. Já conhece a Lei Federal
11.889? Confira os detalhes desta que é responsável pela regularização desta profissão tão
importante na área de odontologia.

Registro obrigatório no CRO


Segundo a Lei Federal 11.889 é obrigatório o registro do ASB no Conselho Federal de
Odontologia e se inscrever também no Conselho Regional de Odontologia, para que ele possa
atuar de maneira legal nessa área. O ASB só pode ser registrado se obter um certificado de
curso em Auxiliar de Saúde Bucal, reconhecido por essas organizações.

Supervisão do Odontologista
É obrigatório que o Auxiliar de Saúde Bucal trabalhe sempre com supervisão de um cirurgião
dentista devidamente registrado no Conselho Regional de Odontologia.

Competências do ASB
O Auxiliar em Saúde Bucal poderá executar apenas as competências descritas nessa lei, não
podendo realizar qualquer atividade que não esteja descrita por ela. Caso isto aconteça, o
profissional pode ser punido e o cirurgião-dentista terá que responder perante o Conselho
Regional de Odontologia por essa atuação irregular.

Ciente disso, é permitido ao Auxiliar em Saúde Bucal:

Organizar e executar atividades de higiene bucal;


Processar filme radiográfico;
Preparar o paciente para o atendimento;
Auxiliar e instrumentar os profissionais nas intervenções clínicas, inclusive em ambientes
hospitalares;
Manipular materiais de uso odontológico;
Selecionar moldeiras;
Preparar modelos em gesso;
Registrar dados e participar da análise das informações relacionadas ao controle
administrativo em saúde bucal;
Executar limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização do instrumental, equipamentos
odontológicos e do ambiente de trabalho;
Realizar o acolhimento do paciente nos serviços de saúde bucal;
Aplicar medidas de biossegurança no armazenamento, transporte, manuseio e descarte de
produtos e resíduos odontológicos;
Desenvolver ações de promoção da saúde e prevenção de riscos ambientais e sanitários;
Realizar em equipe levantamento de necessidades em saúde bucal;
Adotar medidas de biossegurança visando ao controle de infecção.
O que o ASB não pode fazer
A legislação é bem clara em relação às atividades que o Auxiliar em Saúde Bucal não pode
exercer. São elas:

Exercer a atividade de forma autônoma;


Prestar assistência, direta ou indiretamente, a paciente, sem a indispensável supervisão do
cirurgião-dentista ou do Técnico em Saúde Bucal;
Realizar no paciente qualquer procedimento que não esteja incluso no que já mostramos
anteriormente;
Fazer propaganda de seus serviços, mesmo em revistas, jornais ou folhetos especializados da
área odontológica.
Desta forma, o ASB não pode trabalhar por conta própria, oferecendo trabalho no formato
freelancer para os cirurgiões-dentistas. Também não pode fazer qualquer tipo de campanha
publicitária para promover seus serviços. E jamais poderá fazer qualquer tipo de procedimento
sem o acompanhamento do profissional responsável pelo consultório.

Estas são as principais diretrizes que a Lei Federal 11.889 aborda em relação a profissão de
Auxiliar em Saúde Bucal. É sempre importante ficar atento a qualquer lei que possa interferir
na sua profissão e sempre se atualizar, para não correr o risco de atuar de maneira ilegal no
mercado de trabalho.

Curso ASB 3 dicas para aproveitar tudo o que um curso ASB online tem a oferecer

A internet pode oferecer um mundo de descobertas para quem busca o conhecimento. Com a
ferramenta é possível viajar para qualquer lugar do mundo, encontrar pessoas distantes e
também saber de tudo um pouco. Informações sobre química? Tem na rede. Quer saber sobre
as experiências que já foram feitas pelo mundo através da música? É só dar uma busca no
computador.

Estas facilidades são aproveitadas por todo o mundo, e por pessoas das mais diversas idades e
classes sociais. Há algum tempo que as instituições educacionais vêm utilizando a seu favor
estas múltiplas funções encontradas na web. Hoje são milhares de cursos, oficinas, workshops.
Tudo realizado através da internet.

E o que é mais interessante hoje em dia: para isso você não precisa estar sentado em frente ao
computador. Você pode estar em uma viagem de trem e verificar as infinitas funções de seu
celular ou do seu tablet. Até alguns relógios já estão preparados para atender a demanda dos
consumidores, que não ficam mais desconectados.
Mas em meio a uma infinidade de recursos, qual é a melhor maneira de se aproveitar um
curso virtual? A seguir vamos enumerar algumas dicas de como aproveitar tudo do que um
curso ASB online tem a oferecer. E da melhor maneira possível. Vamos lá:

Tente estabelecer uma rotina de estudos


O curso ASB conta com 400 horas aulas e seis meses de duração. Quem escolhe como e onde
estudar é o aluno. Mas para que os conteúdos não fiquem atrasados, o aluno deve manter
uma rotina diária para se dedicar ao curso.

Verifique qual o momento ideal para realizar suas atividades. Passa muito tempo em um
ônibus para chegar ao trabalho? Tem um intervalo considerável de almoço? Esses podem ser
os minutos dedicados ao seu curso ASB.

Otimize seu tempo, assista as aulas e faça as atividades propostas. Não deu tempo de estudar
em um dia, tente compensar no próximo. Estabelecendo uma rotina de estudos, as matérias
serão absorvidas mais facilmente.

Faça de seu tutor do curso ASB um mediador


No curso ASB online, cada matéria ou módulo de estudos conta com um tutor, que pode ser
comparado com o professor das aulas presenciais. É ele que irá tirar suas dúvidas, corrigir suas
atividades e realizar avaliações.

Como já falamos, a internet nos oferece muitas possibilidades nos estudos. Mas, ao mesmo
tempo, ela pode nos desinformar. Há muitas páginas na web em que não se pode confiar nos
conteúdos. Por isso utilize o seu tutor como um mediador. Questione sobre onde e como
achar as melhores informações no ambiente virtual. Há diversos recursos que podem
colaborar, mas devemos filtrá-los.

Aproveite todas as ferramentas


Todos os cursos disponíveis da internet aproveitam das múltiplas funções para o estudo
online. Não entendeu uma atividade proposta? Com certeza há milhares de vídeos para sanar
as suas dúvidas. Palestras são gravadas por profissionais gabaritadas do mundo inteiro e ficam
disponíveis na internet. Basta acessá-las.

O que eu aprendo em um curso ASB online? 0


Se você chegou até esse artigo, é porque já sabe a importância que o tema a regulamentação e
a certificação profissional para atuar na área de Auxiliar em Saúde Bucal tem para esse
profissional. Regulamentada desde 2008, a profissão vêm crescendo bastante no País,
principalmente entre jovens sem formação superior e que buscam uma profissão certificada.
Mas afinal o que faz o Auxiliar em Saúde Bucal?

O ASB, como é conhecida entre os profissionais da área, é responsável por organizar e


preparar a recepção do consultório odontológico, as fichas dos pacientes, antes da abertura e
da chegada do público. O profissional também auxilia na identificação dos pacientes que tem
consulta agendada no dia, faz a limpeza, esterilização, desinfecção e a assepsia das
ferramentas e materiais utilizadas pelo dentista e ajudar na instrumentação diária. Certificado,
o profissional também está apto a preparar modelos de próteses em gesso e fazer o controle
laboratorial e de estoque do dentista.

A capacitação, regulamentada e certificada da profissão, junto ao Conselho Regional de


Odontologia, dá ao profissional salários mais altos e garantia de benefícios, como férias, horas
extras, décimo terceiro salário, entre outros. Por isso, é bastante comum ver jovens
procurando esse curso de formação para garantir o seu futuro profissional. Mas muitos deles
esbarram em uma barreira na hora de procurar o curso ideal. Onde fazer? O que vou
aprender? Quais instituições estão realmente capacitadas para ensinar a profissão. Enfim, são
muitos os obstáculos.

Para quem procura regularizar sua profissão, mas tem pouco tempo para isso, existe uma
opção para realizar um curso ASB online. Com o curso, você fica bem mais preparado para
buscar sua 1ª oportunidade, ou até mesmo melhorar a sua condição financeira e profissional.

Se você ainda está inseguro em optar por essa alternativa, confira o que você aprende em um
curso ASB online!

O curso ASB online é reconhecido pelo CFO


Mais de 8.000 alunos dos 26 estados do Brasil e do DF já estudaram ou estão matriculados no
curso ASB online, para poder regularizar sua atuação como Auxiliar em Saúde Bucal. Esse é um
curso reconhecido pelo Conselho Federal de Odontologia e conta com corpo docente
qualificado, com mestres e doutores em odontologia, formados ou com passagens pelas mais
conceituadas instituições de ensino do País.

Garantia de praticidade na hora de estudar


O curso ASB online tem duração que pode variar entre 300 a 400 horas de aula, com a
vantagem de você poder estudar de onde estiver. Nos tempos de hoje, com o corre-corre
diário, principalmente das grandes capitais, a praticidade de você poder estudar online, de
onde estiver, pode significar mais tempo e, consequentemente, mais dinheiro.

As aulas são transmitidas ao vivo, porém você pode assistir a gravação do conteúdo a qualquer
momento. Dúvidas, opiniões e sugestões podem ser enviadas diretamente para os
professores, através da plataforma digital online.

Conteúdo divulgado no curso ASB online


O conteúdo do curso ASB online é bastante abrangente e bem familiar ao profissional que atua
em consultórios odontológicos. O curso é dividido em cinco módulos:

Gestão em Saúde;
Processo Saúde-Doença;
Promoção e Prevenção em Saúde Bucal;
Especialidades Odontológicas I;
Especialidades Odontológicas II.
O curso também oferece um estágio supervisionado, realizado logo antes de obter a
certificação.

Para o profissional que quer regularizar a sua profissão e impulsionar a sua carreira, mas que
não tem tempo para estudar, o curso ASB online é a melhor opção. Com conteúdo de
qualidade, ele é a garantia de que você vai ter um certificado de sucesso na hora de atuar
como ASB em qualquer lugar do país.

Saiba o que um curso de ASB precisa ter 0


auxiliar de saúde bucalA rotina de um Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) pode ser bastante variada,
seja no trabalho nos consultórios e clínicas odontológicas, em ambientes hospitalares ou no
Sistema Único de Saúde (SUS), fazendo parte das equipes de saúde bucal. Mas como isso afeta
a grade curricular de um curso de ASB?
Em cada um desses locais de trabalho serão exigidos conhecimentos e habilidades específicas
do profissional; e tudo isso deve ser aprendido no momento em que o Auxiliar está se
preparando para exercer a atividade no mercado de trabalho, no caso do ASB, no curso
profissionalizante.

Desde 2008, são exigidos deste profissional os conhecimentos repassados em cursos de


educação profissional, com carga horária específica – com mínimo de 300 horas – exigida por
meio de legislação que regula a atividade do Auxiliar e do Técnico de Saúde Bucal, a lei
11.889/2008.

Devido à diversidade e importância das atividades que o profissional deve desenvolver, há a


necessidade do curso de Auxiliar de Saúde Bucal abranger tudo o que será útil em suas funções
no mercado de trabalho. É por esse motivo que a legislação especifica um mínimo de carga
horária, já que em um menor tempo, não seria possível passar tantos conhecimentos.

Neste artigo, vamos falar sobre o que um curso de ASB precisa ter e quais os conhecimentos
básicos necessários para que o profissional possa exercer com competência suas atividades e
ajudar o cirurgião dentista a melhor atender seus pacientes.

1. Promoção à Saúde Bucal


Uma das funções básicas do Auxiliar de Saúde Bucal é quanto ao desenvolvimento de ações de
promoção da saúde e prevenção de riscos ambientais e sanitários.

Portanto, este profissional deve saber tudo o que envolve os cuidados quanto a saúde bucal
dos pacientes: a melhor maneira de realizar a higiene bucal, doenças relacionadas, como cáries
e doenças periodontais, cuidados com os dentes. Tudo isso deve fazer parte das modalidades
ensinadas no curso de ASB.

Desta maneira, o auxiliar poderá passar informações de qualidade – e com responsabilidade –


aos pacientes; ajudando na promoção da saúde bucal e ressaltando a importância da
Odontologia preventiva, e não somente da curativa.

2. Curso de ASB deve ensinar sobre anatomia da cavidade bucal


Mesmo não estando dentro das funções do auxiliar de saúde bucal o contato direto com a
cavidade bucal dos pacientes, o curso de ASB deve abranger a sua anatomia. Para melhor
atender as necessidades do cirurgião dentista, o ASB deve ter conhecimento sobre todas as
estruturas da cavidade bucal.

3. Biossegurança e primeiros socorros na odontologia


Executar limpeza, assepsia, desinfeção e esterilização do instrumental, equipamentos
odontológicos e do ambiente de trabalho; e adotar medidas de biossegurança visando ao
controle de infecção. Estas funções estão especificadas na legislação que disciplina as
atividades do ASB e devem constar nas disciplinas do curso de ASB.

O auxiliar de saúde bucal exerce função primordial quanto a biossegurança, já que é dele a
responsabilidade da assepsia do local e dos materiais utilizados. Lembrando que, se não for
executada da maneira correta, a biossegurança tanto dos pacientes quanto dos profissionais
envolvidos pode ficar comprometida, e suscetível a doenças e processos infeciosos.
Qual a relação do ASB com o SUS? 0
SUS
Muitos profissionais que atuam como Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) estão trabalhando no
Sistema Único de Saúde (SUS). Além de médicos e demais profissionais da saúde, há dentistas,
Técnicos de Saúde Bucal (TSB) e ASB que atuam em Programas Saúde da Família que cuidam
da comunidade como um todo através do SUS.

Nos Programas Saúde da Família, os Auxiliares de Saúde Bucal realizam um trabalho


importantíssimo de promoção da saúde bucal e prevenção de doenças, das mais comuns,
como a cárie dentária, até as doenças periodontais. Eles atuam junto aos Postos de Saúde
Municipais e ficam a disposição da população que necessita de atendimento.

Programa Federal de Saúde Bucal disponível no SUS


O programa Saúde da Família do SUS conta com outro voltado especificamente para a Saúde
Bucal dos pacientes. É o Brasil Sorridente que, desde 2006, atende a população com foco,
sobretudo, na prevenção das doenças bucais.

O Brasil Sorridente foi criado após a realização de uma pesquisa do Ministério da Saúde que
apontou altos índices de cáries dentárias no país. As cáries dentárias não se apresentavam
somente em um grupo específico da população, elas acometiam desde crianças até idosos.

Hoje, após mais de dez anos de funcionamento pelo SUS, o Brasil Sorridente já apresenta
grandes resultados, com uma diminuição significativa das cáries dentárias na população
brasileira.

Estados realizam ações diferenciadas


Além do programa proposto pelo Governo Federal, os estados brasileiros realizam ações
diferenciadas. Isso de acordo com o seu perfil populacional. Pesquisas apontam diferentes
situações em cada região ou estado brasileiro. Com base nessas pesquisas, as Secretarias de
Saúde estaduais propõem ações de promoção e prevenção que ficam disponíveis no SUS.

No Brasil Sorridente ou em programas específicos estaduais, o ASB, junto com o Técnico de


Saúde Bucal, está apto a dar todas as informações e realizar campanhas em prol da
higienização da cavidade bucal, e assim evitar problemas futuros. Dessa maneira, evita que
uma situação simples se torne uma doença difícil de tratar, e que cause transtorno aos
pacientes.

ASB em prol da Saúde Bucal


Os cuidados com a Saúde Bucal disponíveis para toda a população através do SUS é de suma
importância, já que os serviços não ficam disponíveis somente para uma pequena parte da
população que conta com condições de pagar um dentista particular.

Além disso, com um acompanhamento frequente dos profissionais da saúde, o Governo


Federal ou os estaduais cortam gastos desnecessários com o tratamento de doenças, evitadas
por meio da prevenção. Situação importantíssima para a saúde financeira dos governos e para
a saúde da população.

Devemos lembrar que a prevenção não ocorre somente com a correta higienização feita pelos
pacientes. Apesar de ser importantíssima, ela deve ser aliada a visitas periódicas ao dentista,
que realiza limpezas mais profundas além de investigar possíveis acometimentos. As visitas ao
profissional da Odontologia são recomendadas a cada seis meses.

Como destacamos, o ASB atua diretamente no SUS e com atendimento a população como um
todo em programas voltados a promoção da saúde bucal. É ele que realiza campanhas que
ensinam a higienização correta dos dentes, com a escovação, o uso do fio dental e de
enxaguantes bucais. Isso aliado às visitas periódicas ao dentista.

Como o curso ASB pode te ajudar a entrar no mercado de trabalho? 0


Compartilhar
188
Twittar
+1
mercado de trabalho

Quatorze milhões de brasileiros desempregados. A taxa de desemprego no Brasil ficou em


13,7% no primeiro trimestre desse ano de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE). Entre os jovens, a situação é ainda pior, 28% deles estão fora do mercado de
trabalho, isso significa um em cada quatro jovens de 14 a 24 anos.

O paradoxo dessa situação é que enquanto há milhares em busca de uma vaga, há inúmeras
empresas que não conseguem preencher suas posições de trabalho. E os profissionais mais
requisitados e que não estão sendo encontrados por aí são os de nível técnico.

Isso porque no Brasil ainda não é comum os jovens irem em busca de cursos técnicos ou
profissionalizantes ao invés de vislumbrar os cursos de graduação, o índice é de somente 11%
dos jovens que escolhe pela educação profissional.

Em países em que o desemprego não aparece como um grande problema, estes cursos são
bastante procurados. N a Áustria, por exemplo, 78,6% dos jovens buscam pelos cursos
profissionalizantes.

Curso ASB é de formação profissionalizante


Entre os cursos profissionalizantes que podem garantir a entrada dos jovens no mercado de
trabalho, o Curso ASB de Auxiliar de Saúde Bucal aparece como alternativa. E uma alternativa
viável para todos os jovens que já concluíram o ensino fundamental e pretendem atuar na
área da Odontologia.

Viável para todas as classes, já que conta com preços acessíveis com uma formação para o
mercado de trabalho. Preços acessíveis e de uma qualificação que forma um profissional em
um período curto de tempo. Com o Curso ASB, em seis meses é possível o estudante ser
inserido e contar com uma profissão com carteira assinada.

Qualificação para o mercado de trabalho


O período de duração do Curso ASB é mais curto que outras qualificações profissionais, como
as técnicas, por exemplo, que duram de um a dois anos. Por isso que esta capacitação foca
exclusivamente nas atividades práticas deste profissional da saúde bucal.

É justamente o foco na experiência que garante altos índices de empregabilidade entre os


cursos de formação profissional, como o Curso ASB. Este conta ainda com a questão da
realização do estágio obrigatório, que pode vir a ser a porta de entrada do jovem para o
mercado de trabalho.

Ao realizar um bom trabalho ao lado do cirurgião dentista, este poderá manter o estagiário do
Curso ASB como colaborador após o período de estágio, e após o estudante garantir o
certificado de Auxiliar de Saúde Bucal e a carteira profissional junto ao Conselho Regional de
Odontologia (CRO) de seu estado, requisito obrigatório para se exercer a atividade de Auxiliar
de Saúde Bucal.

Mercado de trabalho amplo de atuação


Vale destacar que o número de cirurgiões dentistas no Brasil ainda é bem maior que o de
profissionais que atuam como Auxiliares de Saúde Bucal. Além de ser inferior, pesquisas
indicam que cirurgiões-dentistas que contam com mais de um auxiliar melhoram e muito o
atendimento aos pacientes.

Terminou o ensino médio? Que tal atuar como ASB? 0


Compartilhar
336
Twittar
+1
Atuar como ASB

Por necessidade, para garantir uma renda ou aquela tão desejada experiência no mercado de
trabalho. Hoje muitos jovens que finalizam o ensino médio já estão em busca de uma
profissão.

Pela falta de ‘conhecimentos específicos’ que um curso ou uma graduação trazem, as vagas
almejadas e conseguidas por eles geralmente são funções genéricas, que não contam com
habilidades diferenciadas.

Vendedores, atendentes, garçons. Todas as opções são válidas e devem ser analisadas pelos
jovens. A idade pode ser pouca, mas as habilidades e preferências já são notáveis e devem ser
levadas em conta, mesmo que a busca pelo mercado de trabalho esteja acompanhada de uma
urgente necessidade de renda.

É claro que dinheiro é importante, mas se você não é comunicativo e não gosta de se ver
rodeado de pessoas, as opções que citamos acima – vendedor, atendente ou garçom -, com
certeza não serão as mais adequadas pra você.

Preparamos este artigo para os jovens que finalizaram o ensino médio e gostam de cuidar de
pessoas. Para encarar a área da saúde este é um dos requisitos essenciais, zelar pelo bem estar
alheio.

A maioria das pessoas pensa que para entrar nesta área os jovens devem primeiro passar pelas
faculdades de Medicina, Enfermagem ou Odontologia. A saúde não é uma área compreendida
somente por médicos, enfermeiros ou dentistas.

São centenas de profissionais envolvidos que atuam nos ambientes de saúde e fazem toda a
engrenagem de consultórios e hospitais funcionarem. E isso que só estamos levando em conta
os profissionais que atuam diretamente no atendimento ao paciente. Se ampliarmos outras
questões haverá ainda outra infinidade de profissionais.

Mesmo sem graduação o jovem pode contar com conhecimento específico e atuar como ASB
Como dissemos não são todos os profissionais da saúde que passaram pelas graduações. Mas
isso não quer dizer que os demais integrantes da equipe não têm conhecimento específico
para exercerem seus cargos.
Há uma infinidade de cursos técnicos e de formação que deixam os profissionais prontos para
o mercado de trabalho. São capacitações feitas para formar pessoas que estavam faltando no
campo profissional.

É o caso do curso de Auxiliar de Saúde Bucal (ASB), profissional que atua ao lado do cirurgião
dentista nos consultórios ou durante atuação hospitalar. Para atuar como ASB, o jovem que
finalizou o ensino médio pode procurar por uma instituição que ofereça o curso e a
qualificação profissional com certificação. E para se tornar um profissional da área um período
de seis meses de estudo é o que basta.

Ampla experiência na área da saúde bucal


Ao fazer um curso de formação, o jovem não está deixando de lado o sonho de uma graduação
e suas pós-graduações. Como ASB o profissional pode estar subindo o primeiro degrau rumo a
uma carreira de sucesso na Odontologia. Esta experiência será importantíssima para o jovem
se certificar que realmente a área da saúde bucal é a escolhida para seu futuro.

Uma pesquisa realizada pela Universidade Paulista Anhembi Morumbi em 2013 apontou que
46% dos jovens que terminaram o ensino médio e já tinham se decidido pela profissão não
tinham conhecimento sobre ela. Esta falta de informações pode acarretar uma frustração
profissional.

Ao atuar como ASB, o profissional terá amplo conhecimento sobre a área da saúde bucal e terá
propriedade para decidir-se ou não por ela.

Auxiliar de Odontologia: O que preciso fazer para ser um? 0


Compartilhar
257
Twittar
+1
auxiliar de odontologiaA Odontologia é uma área que conta com diversos profissionais
atuando no mercado. Ela não se resume aqueles profissionais que passaram por uma
graduação. Isso porque a área exige diversos tipos de profissionais, que formam uma rede em
prol da saúde bucal.

Além das equipes que atuam nas clínicas e consultórios dentários, há os profissionais que
executam outros serviços, essenciais para o bom funcionamento dentro dos consultórios e da
relação dentista – paciente. Neste caso podemos citar os técnicos de próteses dentárias e os
de equipamentos médico-ortodônticos, por exemplo.

Assim como há profissionais que atuam de fora da relação dentista – paciente, há aqueles que
atuam justamente para facilitar e otimizar esta relação. Aqui podemos citar o auxiliar de
odontologia, conhecido no mercado como Auxiliar de Saúde Bucal (ASB).

Todos estes que citamos são essenciais na rede da Odontologia e não passaram pelas
Universidades. E sim, tiveram outros tipos de formação para executar as suas funções. Neste
artigo vamos contar o que é preciso para ser um auxiliar de odontologia. Acompanhe:

Escolha pela área


A primeira questão a se ater antes da escolha profissional é quanto as características pessoais
do profissional. Quais suas habilidades, seus gostos. Para ser um auxiliar de odontologia é
preciso gostar de lidar com pessoas, ter propensão para a área.
A pergunta sobre a preferência entre as ciências humanas, exatas ou biológicas costuma
compor os famosos testes de aptidões realizados por jovens ates da escolha profissional. E não
é a toa.

Nas exatas, cálculos e números. Humanas, a relação do homem com a sociedade. E a biológica,
o estudo do corpo humano e suas partes. A maioria dos profissionais da odontologia terá
como foco o estudo da saúde bucal dos pacientes, portanto farão parte das ciências biológicas.

Procurando um Curso de formação para ser um Auxiliar de Odontologia


Tem certeza que a Odontologia é a sua área e quer iniciar como auxiliar? Então o segundo
passo é buscar um curso de formação profissional. Ele é requisito obrigatório para que o
auxiliar de odontologia entre no mercado de trabalho.

Com o certificado do Curso ASB em mãos, este profissional pode seguir até o Conselho
Regional de Odontologia (CRO) de seu estado e retirar a sua carteira profissional. Desta
maneira poderá atuar em qualquer clínica ou consultório e também no Sistema Único de
Saúde (SUS), se optar por realizar concursos públicos ao invés do setor privado.

Estágio supervisionado pode ser entrada no mercado de trabalho


Antes mesmo de contar com o registro profissional em mãos, o candidato a uma vaga como
auxiliar de odontologia deve procurar por um local onde possa realizar a prática profissional.
Isso porque para a conclusão do Curso ASB o aluno deve realizar o estágio supervisionado.

Este estágio, se bem realizado, pode significar uma futura colocação no mercado de trabalho
para o auxiliar de odontologia. A disciplina do Curso ASB pode virar profissão. Basta o aluno
mostrar a importância de seu trabalho dentro do consultório e realizar todas as atividades
propostas da melhor maneira possível.

Como vimos, são poucos os passos para se tornar um auxiliar de odontologia e conquistar uma
vaga no mercado de trabalho. Temos que lembrar que para realizar o Curso ASB o candidato
deve ter mais de 18 anos. Sua

Depois de fazer o curso online Auxiliar de Saúde Bucal (ASB), quanto tempo levo para tirar o
CRO? 0
Compartilhar
414
Twittar
+1
ASB-Depois-de-fazer-o-curso-online-Auxiliar-de-Saude-Bucal-ASB-quanto-tempo-levo-para-
tirar-o-CRO

A procura pelo curso de Auxiliar de Saúde Bucal tem aumentado muito nos últimos tempos.
Após a regulamentação da profissão e obrigatoriedade do curso de formação, dada em 2009,
muitos profissionais que atum na área têm buscado pelas instituições que oferecem o curso.
Mas após a feitura do curso, qual o próximo passo? Como se regulamentar? O que é preciso
fazer para tirar o registro profissional?

O texto a seguir visa esclarecer essa e muitas outras dúvidas sobre o que o profissional precisa
fazer para tirar o CRO, o documento que regulariza e regulamenta o profissional perante ao
Conselho Regional de Odontologia. Afinal, ter o certificado de Auxiliar de Saúde Bucal, não é
mais uma opção, mas sim uma obrigação legal. Leia o texto com atenção e descubra o passo a
passo de cada etapa para tirar o CRO e conseguir o seu registro como Auxiliar de Saúde Bucal!
Qual o tempo do curso?
Existem algumas instituições que oferecem o curso no mercado, porém, o tempo para a
conclusão do mesmo tende a ser parecido e comum entre elas. Os cursos de Auxiliar de Saúde
Bucal, presencial ou on-line, podem ser concluídos em até 400 horas. Período já inclui as
atividades práticas e o tempo de estágio obrigatório. Normalmente, as escolas que oferecem
esses cursos em plataformas on-line costumam dividir a carga horária em até seis meses. No
curso presencial, essa carga pode ter até 1 ano de duração.

Tirar o CRO é fácil?


Após concluir o curso, a próxima etapa é ir atrás do CRO, documento que regulamenta o
profissional para o exercício da função de Auxiliar de Saúde Bucal. Desde 2009, a lei federal Nº
11.889 obriga todo Auxiliar de Saúde Bucal a se registrar no Conselho Federal de Odontologia.
A lei também obriga que o profissional se inscreva no órgão regulador para o exercício da
função, o Conselho Regional de Odontologia.

Após a conclusão do curso, o profissional deve ir pessoalmente ao Conselho Regional de


Odontologia para dar entrada no seu registro. Aqui, fica um lembrete fundamental: não é todo
curso que permite ao profissional tirar o CRO. O curso de Auxiliar de Saúde Bucal precisa ser
certificado e reconhecido pelo CFO para permitir o registro do profissional no órgão.

E os documentos? O que preciso para tirar o CRO?


Antigamente, quando a profissão não era regulamentada, era permitido o registro profissional
no órgão apenas com a declaração de aptidão assinada pelo dentista empregador. Porém, com
a regulamentação, em 2009, passou a ser necessário apresentar uma série de documentos.
Hoje, o profissional que quer tirar o CRO precisa de uma cópia autenticada do diploma ASB,
uma cópia da certidão nascimento ou de casamento, uma cópia do comprovante do ensino
fundamental, cópia do RG, título de eleitor, CPF, carteira de reservista, comprovante de
residência e duas fotos 3×4.

Após da entrada no processo, quanto tempo eu levo para receber a carteirinha e o registro?
Essa pode ser considerada a etapa mais simples do processo. Desde a regulamentação da
profissão de Auxiliar de Saúde bucal, o registro vem ocorrendo de forma rápida e
descomplicada. Após apresentar todos os documentos e pagar as taxas exigidas pelo órgão
regulador, o aluno recém-formado já consegue tirar uma cédula provisória do CRO. Ela
permite que o profissional atue como Auxiliar de Saúde Bucal pelo prazo de dois anos. O prazo
para o recebimento da carteirinha definitiva varia de acordo com cada região, mas não
costuma demorar mais que os dois anos de validade da carteira provisória.

É Auxiliar de saúde bucal (ASB)? Fique por dentro da Lei Federal 11.889 0
Compartilhar
767
Twittar
+1
Você trabalha como Auxiliar de Saúde Bucal? Ou pretende começar a carreira nessa área?
Então deve ficar atento as legislações relacionadas a esta carreira. Já conhece a Lei Federal
11.889? Confira os detalhes desta que é responsável pela regularização desta profissão tão
importante na área de odontologia.

Registro obrigatório no CRO


Segundo a Lei Federal 11.889 é obrigatório o registro do ASB no Conselho Federal de
Odontologia e se inscrever também no Conselho Regional de Odontologia, para que ele possa
atuar de maneira legal nessa área. O ASB só pode ser registrado se obter um certificado de
curso em Auxiliar de Saúde Bucal, reconhecido por essas organizações.

Supervisão do Odontologista
É obrigatório que o Auxiliar de Saúde Bucal trabalhe sempre com supervisão de um cirurgião
dentista devidamente registrado no Conselho Regional de Odontologia.

Competências do ASB
O Auxiliar em Saúde Bucal poderá executar apenas as competências descritas nessa lei, não
podendo realizar qualquer atividade que não esteja descrita por ela. Caso isto aconteça, o
profissional pode ser punido e o cirurgião-dentista terá que responder perante o Conselho
Regional de Odontologia por essa atuação irregular.

Ciente disso, é permitido ao Auxiliar em Saúde Bucal:

Organizar e executar atividades de higiene bucal;


Processar filme radiográfico;
Preparar o paciente para o atendimento;
Auxiliar e instrumentar os profissionais nas intervenções clínicas, inclusive em ambientes
hospitalares;
Manipular materiais de uso odontológico;
Selecionar moldeiras;
Preparar modelos em gesso;
Registrar dados e participar da análise das informações relacionadas ao controle
administrativo em saúde bucal;
Executar limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização do instrumental, equipamentos
odontológicos e do ambiente de trabalho;
Realizar o acolhimento do paciente nos serviços de saúde bucal;
Aplicar medidas de biossegurança no armazenamento, transporte, manuseio e descarte de
produtos e resíduos odontológicos;
Desenvolver ações de promoção da saúde e prevenção de riscos ambientais e sanitários;
Realizar em equipe levantamento de necessidades em saúde bucal;
Adotar medidas de biossegurança visando ao controle de infecção.
O que o ASB não pode fazer
A legislação é bem clara em relação às atividades que o Auxiliar em Saúde Bucal não pode
exercer. São elas:

Exercer a atividade de forma autônoma;


Prestar assistência, direta ou indiretamente, a paciente, sem a indispensável supervisão do
cirurgião-dentista ou do Técnico em Saúde Bucal;
Realizar no paciente qualquer procedimento que não esteja incluso no que já mostramos
anteriormente;
Fazer propaganda de seus serviços, mesmo em revistas, jornais ou folhetos especializados da
área odontológica.
Desta forma, o ASB não pode trabalhar por conta própria, oferecendo trabalho no formato
freelancer para os cirurgiões-dentistas. Também não pode fazer qualquer tipo de campanha
publicitária para promover seus serviços. E jamais poderá fazer qualquer tipo de procedimento
sem o acompanhamento do profissional responsável pelo consultório.

Estas são as principais diretrizes que a Lei Federal 11.889 aborda em relação a profissão de
Auxiliar em Saúde Bucal. É sempre importante ficar atento a qualquer lei que possa interferir
na sua profissão e sempre se atualizar, para não correr o risco de atuar de maneira ilegal no
mercado de trabalho.

Conheça 3 dicas para cuidar de sua saúde bucal 0


Compartilhar
218
Twittar
+1
saúde bucal

Geralmente a primeira característica que observamos nas pessoas são seus dentes. A saúde
bucal pode alterar completamente a visão que temos de determinado indivíduo. A pessoa
pode ser bonita fisicamente, mas se ao sorrir os dentes não estiverem bem cuidados tendemos
a mudar de opinião na mesma hora.

Mas a beleza não é a única característica que os dentes alteram nas pessoas. A saúde bucal
pode acarretar doenças não só dentárias, mas no organismo como um todo. Mais um motivo
para cuidarmos dela corretamente. Devemos ressaltar que os cuidados com a saúde bucal são
diários, não se pode descuidar um único dia.

Para lhe ajudar a manter a saúde bucal em dia vamos elencar alguns cuidados que devemos
ter. Confira:

Cuidados básicos da saúde bucal


Vamos iniciar com aqueles cuidados básicos que devemos ter diariamente para manter a
saúde bucal. Escovação correta, uso do fio dental e de enxaguantes bucais. A escovação deve
ser realizada no mínimo três vezes ao dia. A dica é após as refeições para se evitar que os
restos de alimentos permaneçam nos dentes.

Já o uso do fio dental e de enxaguantes bucais deve ter frequência diária. Geralmente estes
cuidados são feitos a noite, quando as pessoas contam com um tempinho a mais.

A escolha pela fita ou fio dental e pelos diversos usos de enxaguantes existentes no mercado é
individual, mas vale uma conversa com o dentista para verificar qual o melhor opção para cada
pessoa.

Escolha de alimentos e a mastigação


Desde crianças aprendemos que o açúcar em demasia é prejudicial aos dentes. E isto não é
somente conversa para que os pequenos não abusem dos doces. Os açúcares tendem a
acelerar o processo de mineralização do biofilme dentário, formando assim as placas.
Lembrando ainda que as cáries são doenças resultantes do acúmulo das placas.

Não estamos dizendo que as pessoas devem abolir o açúcar da alimentação diária, mas sim
evitar seu consumo exagerado para garantir uma boa saúde bucal. Além disso, optar pelo
consumo logo após as refeições quando teremos a escovação. Evitar ficar com os dentes
expostos aos açúcares por um longo período pode evitar a formação das cáries.

Além dos cuidados com a alimentação , uma boa mastigação dos alimentos também pode
interferir na saúde bucal. A mastigação incorreta pode acarretar alterações na arcada dentária
das pessoas, além de doenças, não somente as bucais.
Uma mastigação correta inclui fazer o uso de todos os dentes, já que cada um tem sua função.
Também deve ser bilateral, ou seja, feita dos dois lados da boca. Os alimentos devem ser
triturados corretamente, formando o bolo alimentar antes de ser engolido para evitar
problemas digestivos.

Acompanhamento de dentistas
Hoje a falta de recursos financeiros não pode justificar o não comparecimento ao dentista.
Além das consultas particulares, todas as pessoas podem contar com atendimento de equipes
odontológicas por meio dos Postos de Saúde que contam com equipes do Programa Brasil
Sorridente.

E para garantir uma boa saúde bucal, as visitas periódicas ao dentista são essenciais. Eles
podem detectar problemas não visíveis para as pessoas e evitar o aparecimento de doenças.
Além disso, as limpezas feitas por estes profissionais também são importantes.
4 maneiras de prevenir as doenças bucais 0
Compartilhar
262
Twittar
+1
doenças bucais

Cuidados básicos da higiene bucal são essenciais para se prevenir doenças. Pessoas saudáveis,
que não têm uma predisposição a desenvolver algumas enfermidades, podem ficar livres das
doenças bucais mais comuns.

E em todos os casos, a prevenção é o melhor remédio. Com a saúde bucal não é diferente.
Cáries dentárias, doenças periodontais e a halitose, por exemplo, são doenças inflamatórias
facilmente combatidas. Bastam alguns cuidados diários.

Neste post vamos dar algumas dicas de como as pessoas podem agir para prevenir as doenças
bucais. E as que contam com alguma predisposição devem redobrar esses cuidados para ficar
longe delas.

1. Escovação correta e com a frequência adequada


É básico demais? Mas vale a dica, não é? Escovar os dentes no mínimo duas vezes ao dia. O
mais recomendado é sempre após as refeições, mas há quem se refira ao mínimo de vezes que
devemos escovar nossos dentes diariamente.

Como já citamos em nosso blog, doenças bucais como a cárie dentária e as doenças
periodontais se desenvolvem devido ao acúmulo do biofilme dentário. E esse acúmulo se deve
à falta de higienização da boca.

Vale lembrar que o biofilme dentário é formado com a junção das bactérias e da saliva da
cavidade bucal. Essas bactérias são comuns na cavidade, mas tendem a aumentar ao
ingerirmos alguns tipos de alimentos, como doces, por exemplo. Por isso é que a escovação
após as refeições é recomendada.

Além da escovação, a dica é evitar ingerir os alimentos que mais provocam cáries entre as
refeições, já que tendemos a não escovar os dentes nesse período.

E quando citamos a escovação nos referimos a uma correta escovação. Inclusive com uma
escova adequada.
2. Uso do fio dental
O esquecimento é o principal motivador da falta de uso do fio dental. Mas ele faz uma falta na
higienização. Isso porque há locais da cavidade bucal impossíveis de serem alcançados
somente com a escova de dente. A frequência indicada é uma vez ao dia. Assim como a
escovação o fio dental é aliado para prevenir as doenças bucais.

Apesar de ser importante, uma pesquisa feita pelo Instituto Datafolha, encomendada pelo
Conselho Federal de Odontologia (CFO) em 2014 apontou que apenas 57% dos brasileiros
faziam uso do fio dental.

3. E o enxaguante bucal?
Esta é uma etapa importante da higienização, e também necessária para evitar as doenças
bucais. Mas cuidado para não exagerar na dose dos enxaguantes. Quando usados em excesso
eles podem causar o ressecamento da boca e até problema nos dentes.

Os dentistas destacam a importância dos enxaguantes, pois estes contêm substâncias que
ajudam a proteger os dentes e gengivas. Fique de olho na composição, alguns contém
somente flúor, outros tipos de álcool e também os chamados colutórios.

Para saber sobre qual produto mais indicado para finalizar a higiene bucal após o uso do fio
dental, converse com seu dentista.

4. Ajuda profissional para evitar as doenças bucais


Cuidados diários e visitas periódicas aos dentistas podem evitar o aparecimento das doenças
bucais, ou deixar os tratamentos mais fáceis, caso as alterações sejam percebidas no seu início.

Vale ressaltar que mesmo com a higienização diária, é recomendado a limpeza mais profunda
realizada nos consultórios dentários. Esta deve ser feita pelo dentista a cada seis meses e ajuda
a evitar o aparecimento das placas dentárias e tártaros.

Ao aliar todos esses cuidados, os pacientes podem evitar o aparecimento de muitas doenças
bucais. Converse com seu dentista sobre seus cuidados diários e verifique se está realizando
corretamente. Assim estará ajudando a manter sua saúde dental em dia. Para saber mais
sobre cuidados e doenças bucais acesse nosso blog.

Cárie dentária: Sintomas e tratamentos 0


Compartilhar
161
Twittar
+1
Curso-ASB-Quais-os-requisitos-para-fazer-curso-online-de-Auxiliar-de-Saúde-Bucal-ASB

A cárie dentária é a doença bucal que mais acomete as pessoas. Apesar do Brasil já ter
diminuído significativamente os casos, ainda temos muitas pessoas com este problema. Como
já abordamos em nosso blog, a cárie dentária aparece devido à perda de minerais dos dentes –
a chamada desmineralização -, e do seu posterior contato com os ácidos dos alimentos.

Esse contato dos ácidos, com a saliva e com as centenas de bactérias que temos em nossas
bocas – conhecido como biofilme dentário ou placa – pode acarretar a cárie dentária, se não
houver os devidos cuidados com a higiene bucal. Cuidados simples, como a escovação bucal e
o uso de fio dental, dificultam o aparecimento da doença.
Neste artigo vamos nos dedicar na abordagem dos sintomas e tratamentos da cárie dentária.
Acompanhe:

Sintomas em estágios mais avançado da cárie dentária


Geralmente, os sintomas da cárie dentária aparecem somente quando ela se encontra em um
estágio mais avançado, quando atingiu maior profundidade na estrutura dos dentes. A dor e a
sensibilidade ao consumir determinados alimentos são alguns destes sintomas. Eles aparecem
quando a doença bucal atinge ou fica próxima do nervo dos dentes.

Além da dor e da sensibilidade, sintomas como o mau hálito, fratura nos dentes, até abscessos
ósseos e perdas dos dentes podem aparecer caso a cárie dentária não contar com o devido
tratamento. Os abscessos aparecem quando a inflamação se transforma em infecção, o que
acarreta o acúmulo de pus.

Tratamentos iniciais tendem a ter resultados mais rápidos


A ‘falta’ de sintomas no início do aparecimento da cárie dentária é um dos motivos do
acompanhamento dos dentistas ser indicado a cada seis meses. Esses profissionais conseguem
identificar durante as consultas e também por meio de radiografias o seu aparecimento. E um
tratamento precoce pode evitar transtornos futuros, e também os sintomas mais incômodos.

O que pode identificar a cárie dentária, além dos sintomas já citados, é a coloração dos dentes,
que pode vir a ficar mais escura. Mas não são em todos os casos. Pontos pretos nos dentes, ou
fendas, também escurecidas, podem indicar a doença bucal.

O que fazer após detectar o problema bucal


Como citamos, tratamentos nas fases iniciais do aparecimento da cárie dentária tendem a
contar com resultados mais rápidos. Isso devido a complexidade dos tratamentos
demandados. Eles serão diferenciados dependendo do estágio em que se encontra o
acometimento da cárie.

O tipo de tratamento será identificado pelo dentista, que verificará quais estruturas dos
dentes já foram afetadas pela doença bucal. O profissional da odontologia pode indicar a
aplicação de selantes, a restauração ou até um tratamento de canal.

A aplicação de selantes é indicada nos casos de as cáries dentárias não terem atingido o
esmalte dos dentes. Assim, o selante agirá como uma barreira protetora do dente. Esse
método é bastante indicado para crianças.

Já as restaurações – que nada mais são que reconstruções dos dentes – são indicadas para
quando a cárie dentária já atingiu o esmalte, mas não se encontra em processo muito
avançado.

O tratamento de canal aparece como a última alternativa no tratamento da cárie dentária. Ele
é realizado quando esta atinge a parte central do dente, a polpa. Nesses casos, a polpa é
retirada e depois preenchida.

Sem nenhum desses tratamentos, a chamada desmineralização pode expandir para todo o
dente. Nesses casos é que haverá a perda.

Nem sintomas e nem tratamentos. O melhor é a prevenção da cárie dentária. Procedimentos


simples e o acompanhamento do dentista com certeza valem mais a pena que os tratamentos
que a doença bucal demanda, fora os inconvenientes dos sintomas. Para saber mais sobre os
cuidados bucais acesse nosso blog.

5 dicas para distrair crianças durante o tratamento odontológico 0


Compartilhar
283
Twittar
+1
5 dicas para distrair crianças durante o tratamento odontológico

Sabemos que o tratamento odontológico pode ser desagradável para crianças se o dentista e
sua equipe não estiverem preparados para lidar com elas. As crianças apresentam
particularidades e os tratamentos dedicados a elas também devem ser diferenciados.

O profissional da odontologia se especializa na odontopediatria para atuar com as crianças.


Mas não basta saber as diferenças entre os procedimentos realizados em adultos e crianças
para trabalhar na área. Os dentistas têm que saber lidar com elas. E a equipe que trabalha com
ele também.

A equipe de um consultório dentário pode contar com Técnicos de Saúde Bucal (TSB) e
Auxiliares de Saúde Bucal (ASB). Estes profissionais também devem saber lidar e gostar de
atuar com crianças. Especialmente os ASB’s que são os responsáveis pelo primeiro contato
com os pacientes.

A seguir vamos dar algumas dicas que auxiliam estes profissionais a seguir com êxito o
tratamento odontológico das crianças. Confira:

Decoração atrativa dos consultórios


Uma decoração voltada às crianças pode ser o belo começo de uma relação da equipe
odontológica com seus pequenos pacientes. Já na primeira impressão, as crianças são
surpreendidas, o que pode minimizar o medo da consulta. Invista em atrativos, mas que
agradem meninos e meninas.

Uniformes fora do padrão


Esqueça os jalecos brancos. Crianças gostam de diversão e alegria. E as cores remetem a estes
sentimentos. Profissionais que contam com ‘pequenos pacientes’ como seu público alvo
devem sair do lugar comum. O tratamento odontológico de crianças permite a atuação de
forma diferente.

Brinquedos iguais aos instrumentos do dentista


A curiosidade das crianças, ou o famoso “ver com as mãos”, tanto pode atrapalhar os
profissionais da odontologia como podem auxiliar. No tratamento odontológico de crianças
esta característica pode ser usada como aliada.

Sabem aqueles instrumentos próprios do dentista? Uma ‘duplicata’ deles em versão brinquedo
pode ser de muita utilidade durante as consultas.

Tratamento odontológico como diversão


Com toda esta paramentação, o tratamento odontológico voltado às crianças será encarado
como diversão. É claro que a seriedade do trabalho da equipe que trabalha no consultório do
dentista não será deixada de lado. Mas os pequenos pacientes só perceberão a parte divertida.
Cuidados como escovação e saúde bucal das crianças também podem ser ensinados de
maneira lúdica. O tratamento odontológico requer mais tempo e pode ser desgastante para o
paciente da odontopediatria? Deixe os pequenos cientes do que deve ser feito e o porquê
deve ser feito. A sinceridade é essencial nesta relação.

Finalizar com motivação


Um ‘mimo’ motivacional pode ser uma boa estratégia no tratamento odontológico de crianças.
Finalizada a consulta, a equipe que atuou durante o tratamento pode mostrar como ficou feliz
com a cooperação do pequeno paciente. Lembre-se que para agradarmos as crianças não é
preciso atitudes grandiosas.

Personalize sua marca. Dê a criança um mimo que a recorde da visita do dentista. Uma boa
recordação. Um dos ‘instrumentos’ do dentista em forma de brinquedo, um adesivo com a
escovação correta dos dentes. Enfim, a imaginação pode ajudar os profissionais da
odontologia. O fortalecimento da marca também pode ser utilizado.

Vimos que o atendimento de crianças no tratamento odontológico requer diferenciações.


Primeiro os profissionais que se dispõe a atendê-los devem gostar dos pequenos pacientes.
Depois a imaginação é que deve ser explorada. Aproveite para se divertir você também que faz
Funções do Auxiliar de Saúde Bucal 0
Compartilhar
85
Twittar
+1
O Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) é uma profissão que foi regulamentada apenas em 2008, mas
que já existe há bem mais tempo nos consultórios odontológicos por todo o Brasil. Peça
essencial para um bom atendimento ao paciente, o Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) executa
diversas funções dentro do consultório além de prestar assistência ao dentista responsável.

Um colaborador para esta função precisa entender não apenas de odontologia, como também
de toda a rotina do consultório e deve somar esforços com outros funcionários para que o
paciente tenha a melhor experiência possível antes, durante e depois do tratamento.

Mas será que você conhece quais são as funções que esse profissional executa? A seguir,
preparamos uma lista com as mais importantes para você entender o que faz um Auxiliar de
Saúde Bucal. Confira logo abaixo!

As principais funções do Auxiliar de Saúde Bucal


Nós podemos dividir as funções do Auxiliar de Saúde Bucal em quatro grandes fases, que você
confere abaixo:

Antes do atendimento;
Durante o atendimento;
Após o atendimento;
Serviços extras na clínica.
Atividades realizadas antes do atendimento odontológico
Antes do atendimento começar, a função do ASB é de preparar o paciente e coletar
informações para a sessão, normalmente por meio de um questionário. Essas atividades são
importantes para que o dentista já saiba o que o aguarda. Assim ele pode conhecer um pouco
sobre o paciente, seu perfil, medos, dúvidas e outras informações que possam ser relevantes
para que o atendimento odontológico ocorra normalmente. Além disso, o ASB também é
responsável por separar os materiais que serão usados durante a consulta. Dessa maneira, o
tempo dentro da sala do dentista é bastante otimizado.

Durante o atendimento ele auxiliar as intervenções clínicas


É durante o atendimento do paciente que o ASB realiza a maior parte das suas funções numa
clínica odontológica. Nesse momento, o ASB fica responsável pelas seguintes tarefas:

Organizar e executar atividades de higiene bucal com o paciente;


Auxiliar e instrumentar os odontologistas e técnicos nas intervenções clínicas;
Manipular materiais de uso odontológico sempre que for necessário.
O trabalho do ASB durante o atendimento do paciente é prestar ajuda aos profissionais que
estão com ele da melhor forma possível, para garantir que o cliente seja bem tratado e que
sua saúde bucal esteja sempre em boas condições após o atendimento.

Depois da consulta, auxiliar na gestão do consultório


O trabalho de um ASB não termina após o fim do atendimento ao cliente. Ele ainda executa
algumas funções a realizar após o cliente ter sido atendido e antes da próxima consulta. Essas
funções envolvem:

Registrar dados e ter parte nas análises das informações relacionadas ao atendimento do
paciente;
Executar limpeza, desinfecção e esterilização dos aparelhos odontológicos, do instrumental e
do ambiente de trabalho após a consulta;
Processar filme radiográfico das consultas.
Essas funções de um Auxiliar de Saúde Bucal contribuem para que o processo de atendimento
de um paciente esteja completo e seus dados devidamente arquivados.

Outras funções do Auxiliar de Saúde Bucal


Além de todo esse trabalho, o ASB também realiza algumas funções extras dentro da clínica,
que são igualmente importantes.

Aplicar medidas de biossegurança no armazenamento, transporte, manuseio e descarte de


produtos utilizados durante o atendimento e resíduos odontológicos;
Adotar medidas de biossegurança para o controle de infecções na clínica, minimizando os
riscos de infecção do paciente e dos profissionais.
E as responsabilidades não param por aí, o ASB também pode (e deve!) promover ações de
promoção da saúde bucal e de prevenção de problemas dentários, como ensinar técnicas de
higiene bucal e prevenção de doenças para pacientes ou outros interessados. Ele pode
também participar na realização de levantamentos e estudos desenvolvidos na área de
odontologia – exceto na categoria de examinador.parte das equipes odontológicas!

Quais as diferenças entre um Auxiliar em Saúde Bucal ASB e um Técnico de Saúde Bucal 0
Compartilhar
1K
Twittar
+1
Existem várias carreiras dentro da área de saúde bucal. Duas carreiras que estão em ascensão
e que são muito promissoras, são o Auxiliar em Saúde Bucal (muito reconhecido pela sigla ASB)
e o Técnico em Saúde Bucal. Porém, como são profissões recentes, muitas pessoas ainda não
entendem bem as responsabilidades e características de cada uma delas. Pensando em seguir
uma carreira nesse segmento de atuação? Que tal entender mais sobre como atuam o Auxiliar
em Saúde Bucal e o Técnico de Saúde Bucal? Confira nosso artigo!
O papel do Auxiliar e do Técnico de saúde bucal
Obviamente, o Auxiliar em Saúde Bucal (ASB) tem um papel diferente do Técnico de Saúde
Bucal em um ambiente odontológico. Entretanto, ambos são muito importantes dentro de
uma clínica odontológica e também no sistema público de atendimento.

O ASB é responsável por atividades mais preparatórias: é ele quem separa e higieniza os
materiais que serão aproveitados nos procedimentos. Ele também limpa ou descarta os
instrumentos após o uso. Para completar, o Auxiliar em Saúde Bucal também realiza a
recepção do paciente e separa ou organiza seus documentos, como a ficha de atendimento e o
histórico.

Já o Técnico em Saúde Bucal é responsável por pequenos procedimentos realizados no


paciente: pode aplicar o flúor para limpeza dentária ou remover uma sutura, por exemplo. Ele
também pode tirar as fotografias da arcada dentária, usadas para guiar os procedimentos do
Cirurgião-Dentista.

Diferenças salariais entre os dois profissionais


Como era de se esperar, além da diferença de atuação entre o Auxiliar de Saúde Bucal e o
Técnico, também existe uma desigualdade refletida nas faixas salariais de cada uma dessas
funções. Isso ocorre porque a formação exigida ao Técnico de Saúde Bucal é mais longa e suas
atividades envolvem um pouco mais de risco biológico e de contaminação, pois estão
diretamente em contato com o paciente. Por esse motivo, a faixa salarial de um Técnico de
Saúde Bucal é no mínimo de R$ 200,00 a R$ 500,00 mais alta do que a faixa salarial de um
Auxiliar de Saúde Bucal.

Essa característica, entretanto, não desvaloriza a atuação do ASB, que pode crescer na
carreira, aumentar seu salário e se tornar ainda mais indispensável para a rotina de um
atendimento odontológico.

Semelhanças nas atuações no atendimento odontológico


Apesar das diferenças, estas duas carreiras também apresentam muitos aspectos em comum
nas suas atuações. Para começar, ambas exigem o registro no Conselho Federal de
Odontologia e no Conselho Regional de Odontologia. Sem este registro, não é permitido
trabalhar como Auxiliar de Saúde Bucal ou Técnico. Além disso, os dois profissionais
desempenham suas tarefas sempre sob a supervisão do odontologista, que é responsável pelo
bem-estar e atendimento ao paciente.

Escolhendo a melhor profissão para você


O caminho mais fácil e natural, especialmente para quem está começando a pensar em atuar
nesse ramo da saúde, seria começar trabalhando como um Auxiliar de Saúde Bucal. Essa é a
porta de entrada para quem quer seguir a carreira como Técnico em Saúde Bucal ou até
mesmo como Odontologista. Para quem não ambiciona se relacionar diretamente com o
paciente, mas gosta de atuar com foco em saúde, a carreira de Auxiliar de Saúde Bucal pode
promover essa oportunidade de aprender e crescer dentro dessa atuação no mercado.

Essas duas profissões envolvem muita dedicação e responsabilidade de quem opta seguí-las.
Por esse motivo realizar um curso preparatório é uma excelente opção para você se destacar
no mercado. Considere esse curso como um investimento no seu próprio futuro e aproveite
que, neste momento, essas carreiras ainda proporcionam mais demanda do que oferta de
profissionais como os odontologistas. Quem tiver a formação e o registro vai sair na frente e
conquistar as melhores vagas – e é nesta posição privilegiada que você merece estar.
O que é odontologia preventiva? 0
Compartilhar
177
Twittar
+1
Curso ASB O que é odontologia preventiva

Foco para evitar o aparecimento das doenças bucais ao invés de focar exclusivamente o
tratamento das doenças nos pacientes. É esse o objetivo da Odontologia Preventiva. Isso por
meio de orientações e exames realizados periodicamente junto a uma equipe odontológica.

Falamos em equipes, pois na odontologia preventiva é essencial a atuação do Auxiliar de


Saúde Bucal (ASB) e do Técnico de Saúde Bucal (TSB). Já que entre as funções desses
profissionais está a promoção de ações voltadas a saúde bucal e de prevenção de problemas
dentários. Aí entram as técnicas de higiene bucal e a prevenção de doenças.

A odontologia preventiva também deve estar presente na atuação de outros profissionais da


saúde como um todo. No caso das crianças, por exemplo, os pediatras devem estar em
sintonia com a atuação dos dentistas para também poder orientar os pais quanto a
importância das visitas ao Consultório Odontológico. Um verdadeiro trabalho multidisciplinar.

Mas o que envolve a odontologia preventiva? Esse trabalho já está sendo realizado em clínicas
e consultórios odontológicos? Confira a seguir:

Cuidados básicos
A odontologia preventiva envolve desde os cuidados básicos da saúde bucal, como a
escovação dos dentes, e até mesmo o processo anterior a ela. A utilização de escovas
adequadas também pode prevenir algumas doenças. Para isso a conversa com um bom
profissional é indicada.

Normalmente, as escovas pequenas com cerdas macias são as mais indicadas. Mas não fique
na dúvida. Converse com o seu dentista e equipe. E lembre-se que as escovas dentais devem
ser trocadas periodicamente. Quando apresentarem sinais de desgaste ou a cada três meses.

Os cuidados básicos também envolvem a utilização do fio ou fita dental. Já que há locais em
que as cerdas de sua escova não alcançam.

Programas de saúde utilizam preceitos da odontologia Preventiva


Programas como Saúde da Família ou Saúde nas Escolas se utilizam dos preceitos da
odontologia preventiva. E já colhem resultados. Desde a implantação do programa Brasil
Sorridente em 2003 o Brasil contou com uma diminuição significativa nos casos de cáries
dentárias.

Isso porque por meio de uma equipe multidisciplinar os profissionais da saúde acabam levando
orientações para uma faixa da população que antes não tinha o hábito de consultas regulares
para avaliar sua saúde. Nesses programas, as orientações são essenciais e com o foco na
prevenção de doenças.

Pessoas agem como agentes multiplicadores


Quando falamos de odontologia preventiva as orientações são essenciais. No caso dos
programas citados acima, as famílias e as crianças nas escolas tem um contato frequente com
as equipes de saúde básica. Essa frequência é benéfica já que os profissionais da saúde têm
mais chances de abordar sobre os cuidados para a prevenção.

A repetição é essencial para o aprendizado das boas práticas e cuidados básicos da saúde
bucal. Nesses casos, as pessoas que estão sendo ‘educadas’ quanto a odontologia preventiva
passam a atuar como agentes multiplicadores da informação apreendida. O que virá em
benefício e diminuirá os índices de doenças bucais.

Longe de doenças bucais


A prevenção pode ser a fim de evitar as cáries dentárias, doenças periodontais, como a
gengivite e a periodontite, e até mesmo o câncer bucal. As visitas regulares aos dentistas,
aliados a boas práticas, além da realização de exames podem ser primordiais para evitar o
aparecimento destas doenças.

Além disso, há outras doenças que podem estar relacionadas à saúde bucal. Até mesmo as
cardiovasculares podem estar relacionadas a disfunções que se iniciam pela boca. Lembre-se
que os sistemas do corpo estão em consonância e uma disfunção pode acarretar outras. Por
isso, o cuidado é essencial.

Como destacamos, a odontologia preventiva pode ser muito benéfica, evitando que as
doenças bucais cheguem ao nosso organismo. Mas ela só será eficiente se houver a
colaboração entre equipe odontológica e paciente. De nada adianta um dentista preocupado
com a prevenção se o paciente não colaborar.
Boa mastigação influencia na sua saúde bucal? 0
Compartilhar
331
Twittar
+1
saude bucal

A boca, devido ao ato da mastigação, é onde inicia o sistema digestivo de nosso organismo.
Uma boa mastigação consequentemente resultará em um bom processo digestivo. Quando
falamos em boa mastigação estamos nos referindo ao uso correto dos dentes, da língua e das
bochechas para o processo.

Apesar de ser uma ação mecânica dos indivíduos, a mastigação deveria ser um procedimento
mais pensado pelas pessoas para que seja feita da melhor forma. Uma boa mastigação pode
trazer diversos benefícios ao nosso organismo, e não somente ao sistema digestivo. Disfunções
podem ter consequências no organismo como um todo.

É claro que ao envolver a os dentes, a língua e a cavidade bucal de uma forma geral, a
mastigação certamente também influenciará na saúde bucal das pessoas. Aquelas que não
fazem a trituração dos alimentos de maneira correta poderão ter alguns problemas
relacionados à saúde.

Uso correto dos dentes para a mastigação


O uso correto dos dentes é determinante na saúde bucal dos indivíduos. Mas como saber se
estamos usando corretamente nossa arcada dentária? É simples. O processo de mastigação
deve ser realizado em ambos os lados da boca, é a chamada mastigação bilateral.
Além disso, os movimentos devem passar de verticais para os rotacionais a medida que o bolo
alimentar se forma. Caso somente um dos lados seja utilizado para a mastigação, a saúde
bucal acaba sendo prejudicada, já que haverá desgaste maior nos dentes somente do lado em
que está sendo mais utilizado.

Além da bilateralidade, há a questão da função de cada grupo de dentes na mastigação. Os


incisivos servem para cortar os alimentos, os pré-molares para o processo de trituração, e os
molares para a chamada pulverização dos alimentos, quando estes se tornam minúsculas
partículas antes da formação do bolo alimentar.

Mastigação errônea aumenta incidência de cáries


Além do desgaste prematuro dos dentes, uma mastigação incorreta irá aumentar a incidência
de cáries dentárias, e assim comprometer ainda mais a saúde bucal. O acúmulo do tártaro é
percebido por pesquisadores no lado da boca em que não é muito utilizado na mastigação, no
caso dela ser unilateral.

A mastigação unilateral também irá acarretar em uma perda óssea do lado não mastigante, já
que este não será trabalhado. No processo bilateral, todas as estruturas da boca serão
utilizadas e, portanto, fortalecidas.

Boa mastigação beneficia saúde bucal e do organismo


Não é somente a saúde bucal que é beneficiada com uma mastigação correta. Como citamos,
ela é o primeiro passo do sistema digestivo. No caso dela ser feita erroneamente pode causar
de azia até a gastrite.Alguns tipos de dores de cabeça e até da coluna podem estar
relacionadas a mastigação incorreta.

Estudos apontam ainda a má mastigação como um dos fatores da obesidade. O cérebro


humano conta com um tempo para processar a alimentação até a saciedade. Com uma
mastigação errada, sem que os alimentos sejam devidamente triturados e processados, não há
tempo para que o corpo sinta-se saciado.

Mastigação errada pode ter causa em disfunções da cavidade bucal


A mastigação incorreta pode ser a causadora de problemas relacionados à saúde bucal, mas o
inverso também pode ocorrer. Uma má oclusão ou próteses mal colocadas podem fazer com
que a mastigação seja realizada de maneira incorreta.

A perda de dentes também será determinante no processo, já que cada um deles conta com
funções específicas para a mastigação.

Para que a mastigação não acarrete problemas relacionados à saúde, a percepção do processo
é uma ótima opção. Pesquisadores apontam entre as causas da mastigação incorreta, a
correria do dia a dia das pessoas e aos alimentos da atualidade, que não favorecem uma boa
trituração.

Anatomia Bucal: O que o ASB precisa saber 0


Compartilhar
317
Twittar
+1
ASB precisa saber
Lábios, dentes, gengiva, língua, bochechas, palato duro, palato mole. Basicamente é essa a
composição da anatomia bucal de todos os indivíduos. E a sua composição é de conhecimento
da grande maioria das pessoas, já que a cavidade bucal é bem visível.

O básico é de conhecimento geral, mas as pessoas que atuam em prol da saúde bucal dos
indivíduos devem ter um conhecimento mais aprofundado sobre o assunto, além das partes
em que a boca é dividida.

E quando falamos de pessoas que atuam em prol da saúde bucal, não estamos nos referindo
somente aos dentistas. Toda a equipe odontológica deve contar com conhecimentos acerca
das estruturas bucais. Ainda mais nos tempos da atualidade, em que os pacientes fazem toda
uma pesquisa antes de procurar pelos profissionais da saúde.

E nos consultórios e clínicas odontológicas, a primeira pessoa que o paciente irá se deparar e
questionar não será o cirurgião-dentista, e sim o Auxiliar de Saúde Bucal (ASB). Não ficará uma
situação muito confortável se o paciente souber mais que o profissional.

Não queremos dizer que o ASB deve ter conhecimento sobre tudo que diz respeito à
Odontologia, mas ao menos os aspectos relacionados a anatomia e saúde bucal dos pacientes.
E quando não souber, sem problemas. Basta falar ao paciente que saberá a resposta o mais
breve possível. Deixa-lo em dúvida, e com a confiança abalada quanto ao profissional
escolhido, não está entre as opções.

Por isso preparamos este artigo para mostrar as informações básicas que o ASB precisa saber
sobre a Anatomia Bucal. Acompanhe:

Início do sistema digestivo


É na cavidade bucal que tem início o sistema digestivo dos indivíduos. Ao colocarmos os
alimentos na boca, os dentes iniciam a sua função neste sistema. E cada grupo deles apresenta
uma função específica, que o ASB precisa saber.

Os dentes incisivos servem para cortar os alimentos, os pré-molares para o processo de


trituração, e os molares para a chamada pulverização dos alimentos, quando estes se tornam
minúsculas partículas antes da formação do bolo alimentar. Aqui lembramos que os indivíduos
adultos costumam contar com 32 dentes (sendo 12 molares, contando os quatro sisos; oito
incisivos, oito pré-molares e quatro caninos).

Ainda se tratando do sistema digestivo, a língua tem grande contribuição. É com ela que
conseguimos mover os alimentos e fazer sua trituração adequada. É também por meio dela e
suas papilas gustativas que as pessoas conseguem sentir o gosto dos alimentos. A língua é o
músculo mais forte do organismo humano.

O ASB precisa saber sobre as partes limitantes da cavidade bucal


Entre outras questões que o ASB precisa saber, são os limites da cavidade bucal. Os limites
laterais são as bochechas, o inferior é o assoalho da boca, no qual a língua está ligada.

Já o limite superior da cavidade bucal está no palato duro – mais conhecido como céu da boca
-, e mole – parte posterior onde está localizada a úvula e os arcos palatoglosso e
palatofaríngeo, antes da chegada do istmo da garganta. Também há o limite frontal com os
lábios.

Glândulas salivares
A saliva exerce função importantíssima na boca das pessoas, e não somente para ajudar no seu
sistema digestivo. O ASB precisa saber a importância da saliva para a saúde bucal de seus
pacientes.

Ela ajuda na limpeza natural dos dentes, evitando o aparecimento de cáries, e também evita o
mau-hálito. Desde, é claro, que os cuidados com a higiene sejam mantidos regularmente. A
produção de salivas na cavidade bucal só é possível devido às glândulas salivares, que compõe
a cavidade bucal.

São diversos os grupos de glândulas salivares, e elas são divididas em sublingual,


submandibular e a parótida, a maior delas.

Qual é a rotina do ASB no consultório odontológico? 0


Compartilhar
453
Twittar
+1
ASB

O Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) atua ao lado de dentistas e cirurgiões dentistas facilitando o
seu trabalho junto aos pacientes. Muitas pessoas costumam afirmar que o ASB é o braço
direito dos dentistas, pois estes contam com importantes funções para o bom funcionamento
de consultórios e clínicas odontológicas.

Os profissionais graduados na Odontologia que já contam com um ou mais Auxiliares atuando


em sua equipe não deixam de contar com ASB. Mas essa realidade não foi sempre dessa
maneira.

Antes da regulamentação das atividades desse profissional, havia um preconceito. Alguns


dentistas avaliavam que os auxiliares, e também os Técnicos de Saúde Bucal (TSB), poderiam
realizar as mesmas atividades que eles, mas com uma menor qualificação.

A lei 11.889/2008 surgiu então para regulamentar as atividades do ASB e do TSB e definir as
atividades de cada um desses profissionais. A legislação aponta o que um ASB pode ou não
realizar em sua atividade profissional. Apesar de ser vedada algumas práticas junto aos
pacientes, o ASB conta com uma rotina extensa de trabalho.

Sua atuação contempla ações que devem ser realizadas em todas as etapas do atendimento
odontológico, antes, durante e depois das consultas. Confira:

Antes do atendimento odontológico


Antes do atendimento odontológico, a rotina do Auxiliar de Saúde Bucal se resume ao
atendimento inicial dos pacientes. Ele pode agendar consultas, confimá-las, tirar as dúvidas
dos pacientes e recebê-los no consultório odontológico.

Além disso, o auxiliar é responsável pelo preenchimento das fichas com todas as informações
necessárias dos pacientes. A organização desse material também faz parte de suas atribuições.
Por essa função direta com o paciente, costumamos ressaltar que o ASB pode ser o grande
responsável pela fidelização dos clientes de uma clínica.
Ainda antes do atendimento odontológico, o auxiliar de saúde bucal deve deixar tudo pronto
para o dentista atender ao paciente. Os equipamentos e materiais que serão utilizados
durante a consulta devem ser previamente organizados e disponibilizados pelo auxiliar.

Rotina do ASB durante as consultas


Durante as consultas odontológicas, o ASB deve ficar disponível para o dentista. Anotações
necessárias quanto aos tratamentos dos pacientes, processamento de filmes radiográficos,
alcançar ao dentista o que ele solicitar. Enfim, serão diversas as solicitações, e o ASB deve
estar preparado para todas elas.

Para atender o dentista da melhor maneira possível, é muito importante o ASB conhecer todos
os procedimentos realizados pelos dentistas. Isso é aprendido durante os cursos de formação
do auxiliar de saúde bucal.

Depois do atendimento odontológico


Após o término do atendimento odontológico, o auxiliar deve realizar as normas de
biossegurança do consultório como um todo. Os equipamentos e instrumentos utilizados pelos
dentistas durante as consultas devem ser higienizados e esterilizados, quando necessário. E
aqueles que não podem ser utilizados novamente devem contar com o descarte adequado.

Mas não é somente com os materiais utilizados que o ASB deve se preocupar. O consultório e
a equipe odontológica também devem atender as normas de biossegurança. Cabe ao auxiliar
essa verificação.

Neste post resumimos a rotina do ASB dentro dos consultórios odontológicos. Mas devemos
lembrar que esse não é o único local de trabalho possível para esse profissional. Ele pode atuar
em hospitais no caso de trabalhar com cirurgiões dentistas e também no Sistema Único de
Saúde (SUS) após prestar concursos públicos.
Boa mastigação influencia na sua saúde bucal? 0
Compartilhar
331
Twittar
+1
saude bucal

A boca, devido ao ato da mastigação, é onde inicia o sistema digestivo de nosso organismo.
Uma boa mastigação consequentemente resultará em um bom processo digestivo. Quando
falamos em boa mastigação estamos nos referindo ao uso correto dos dentes, da língua e das
bochechas para o processo.

Apesar de ser uma ação mecânica dos indivíduos, a mastigação deveria ser um procedimento
mais pensado pelas pessoas para que seja feita da melhor forma. Uma boa mastigação pode
trazer diversos benefícios ao nosso organismo, e não somente ao sistema digestivo. Disfunções
podem ter consequências no organismo como um todo.

É claro que ao envolver a os dentes, a língua e a cavidade bucal de uma forma geral, a
mastigação certamente também influenciará na saúde bucal das pessoas. Aquelas que não
fazem a trituração dos alimentos de maneira correta poderão ter alguns problemas
relacionados à saúde.

Uso correto dos dentes para a mastigação


O uso correto dos dentes é determinante na saúde bucal dos indivíduos. Mas como saber se
estamos usando corretamente nossa arcada dentária? É simples. O processo de mastigação
deve ser realizado em ambos os lados da boca, é a chamada mastigação bilateral.

Além disso, os movimentos devem passar de verticais para os rotacionais a medida que o bolo
alimentar se forma. Caso somente um dos lados seja utilizado para a mastigação, a saúde
bucal acaba sendo prejudicada, já que haverá desgaste maior nos dentes somente do lado em
que está sendo mais utilizado.

Além da bilateralidade, há a questão da função de cada grupo de dentes na mastigação. Os


incisivos servem para cortar os alimentos, os pré-molares para o processo de trituração, e os
molares para a chamada pulverização dos alimentos, quando estes se tornam minúsculas
partículas antes da formação do bolo alimentar.

Mastigação errônea aumenta incidência de cáries


Além do desgaste prematuro dos dentes, uma mastigação incorreta irá aumentar a incidência
de cáries dentárias, e assim comprometer ainda mais a saúde bucal. O acúmulo do tártaro é
percebido por pesquisadores no lado da boca em que não é muito utilizado na mastigação, no
caso dela ser unilateral.

A mastigação unilateral também irá acarretar em uma perda óssea do lado não mastigante, já
que este não será trabalhado. No processo bilateral, todas as estruturas da boca serão
utilizadas e, portanto, fortalecidas.

Boa mastigação beneficia saúde bucal e do organismo


Não é somente a saúde bucal que é beneficiada com uma mastigação correta. Como citamos,
ela é o primeiro passo do sistema digestivo. No caso dela ser feita erroneamente pode causar
de azia até a gastrite.Alguns tipos de dores de cabeça e até da coluna podem estar
relacionadas a mastigação incorreta.

Estudos apontam ainda a má mastigação como um dos fatores da obesidade. O cérebro


humano conta com um tempo para processar a alimentação até a saciedade. Com uma
mastigação errada, sem que os alimentos sejam devidamente triturados e processados, não há
tempo para que o corpo sinta-se saciado.

Mastigação errada pode ter causa em disfunções da cavidade bucal


A mastigação incorreta pode ser a causadora de problemas relacionados à saúde bucal, mas o
inverso também pode ocorrer. Uma má oclusão ou próteses mal colocadas podem fazer com
que a mastigação seja realizada de maneira incorreta.

A perda de dentes também será determinante no processo, já que cada um deles conta com
funções específicas para a mastigação.

Para que a mastigação não acarrete problemas relacionados à saúde, a percepção do processo
é uma ótima opção. Pesquisadores apontam entre as causas da mastigação incorreta, a
correria do dia a dia das pessoas e aos alimentos da atualidade, que não favorecem uma boa
trituração.

Você escova a língua? Saiba o que a falta desse hábito pode acarretar 0
Compartilhar
272
Twittar
+1
escovação lingual

Já falamos aqui em nosso blog que milhares de bactérias habitam nossa boca. E boa parte
delas tendem a ficar na superfície da língua. Seu aspecto rugoso faz com que essas bactérias se
fixem e permaneçam por mais tempo no local. Apesar de ser um ambiente propício para a
proliferação desses bichinhos, não são todas as pessoas que mantém o hábito faz a escovação
lingual.

Se você está entre as pessoas que não costuma escovar a língua, o recomendado pelos
profissionais da Odontologia é que o hábito se inicie o mais breve possível. Desta maneira você
consegue evitar a proliferação das bactérias.

É importante ressaltar que inúmeras das bactérias são comuns em nossa boca, mas a higiene
bucal deve ser mantida com frequência para que elas não formem colônias que venham a ser
transformadas em doenças bucais. E a escovação lingual deve fazer parte da rotina de higiene
bucal.

Falta da escovação lingual pode acarretar a halitose


Um dos problemas mais comuns para quem não escova a língua é o famoso mau hálito, a
halitose. O acúmulo de bactérias e também dos restos de comida na superfície da língua forma
uma crosta branca, a chamada saburra. Esta responsável pelo mau cheiro exalado da boca de
muitas pessoas por aí. Mas devemos destacar que o mau hálito também pode ser causado por
muitos outros fatores.

Uma língua saudável deve ser rosada. Especialistas destacam que um aspecto esbranquiçado
pode até ser comum, mesmo para quem escova a língua. Mas uma camada mais grossa
branca, a saburra, é sinal de que a higiene bucal deve ser melhorada.

Não escova a língua? O hábito ajuda a evitar a cárie


Além da halitose, ao escovar a língua você estará evitando outras doenças, como a cárie
dentária. Como citamos acima, uma língua saudável tem o aspecto rosado, e costuma ser mais
lisa. Ao não escovar a sua superfície, o acúmulo de sujeiras pode levar a um processo
descamatório.

Esta descamação é comum para quem não escova a língua, mas acaba acarretando um outro
problema: a diminuição da saliva na boca. Já citamos que a saliva é muito importante para
manter a saúde bucal. Ela promove uma limpeza natural na cavidade.

E pessoas com a chamada ‘boca seca’ tendem a ter mais propensão para o desenvolvimento
das cáries dentárias.

Especialistas orientam sobre maneira correta


Muitas pessoas debitam a falta do hábito de escovar a língua no incômodo que sentem ao
realizar a higienização completa. Mas se você sente este incômodo ao realizar a limpeza lingual
com sua escova dental, há outros meios que podem ser usados.

Há no mercado odontológico, limpadores e raspadores específicos para promover a higiene da


superfície da língua. Estes podem ser utilizados ainda após a limpeza com a escova, para varrer
o que restou na superfície da língua e promover uma limpeza mais completa.
Importante ressaltar que a ânsia de vômito relatada por quem não escova a língua tende a ser
amenizada a medida em que a pessoa vai se habituando com esta etapa da higiene bucal.
Portanto, não desista nas primeiras tentativas.
Mau hálito: Conheça 5 formas de combatê-lo 0
Compartilhar
218
Twittar
+1
mau hálito

O mau hálito pode trazer diversos transtornos na vida de uma pessoa. Seja na vida social ou
amorosa, esta questão pode significar limitações para quem sofre de halitose – o mau hálito
crônico. Pessoas podem até ficar mais introvertidas e temerem o contato com outras, já que
em uma simples conversa é possível detectar o problema.

O mau hálito pode até significar uma má higiene bucal, mas ele pode estar associado a outras
questões que vão além de uma boa escovação. As pessoas que sofrem com a halitose devem
procurar a ajuda de profissionais para que este problema não acabe afetando mais
severamente suas vidas.

O profissional mais indicado para detectar as causas do mau hálito é o dentista. Mas para
evitar aquele cheiro desagradável na cavidade bucal as pessoas podem adotar hábitos
saudáveis no seu dia a dia. Neste artigo vamos mostrar algumas formas de combater a
halitose. Acompanhe:

Diga não ao tabagismo


Além de diversos problemas para a saúde, o tabagismo também está entre os causadores do
mau hálito. O cheiro desagradável está associado a algumas das quatro mil substâncias nocivas
presentes no cigarro, que causam problemas não só na cavidade bucal, mas em todo o corpo
dos fumantes.

Em fumantes, a halitose se deve a alterações na superfície da língua, que passam a reter mais
partículas. Além disso, o tabagismo acarreta a chamada ‘boca seca’, outra causa frequente do
mau hálito. A boca seca pode aparecer também devido a ingestão de alguns medicamentos.

A boca seca é associada ao mau hálito, pois a saliva colabora com a higienização da boca,
inibindo a proliferação das bactérias. A falta de saliva, portanto, faz com que o número de
bactérias aumente na boca acarretando o mau hálito.

Bebidas alcoólicas também estão associadas ao mau hálito


As bebidas alcoólicas também podem causar o temível mau hálito. Elas contribuem de diversas
formas para o odor na cavidade bucal. Um deles seria a desidratação que causa no corpo, e
também na boca provocando a boca seca.

Além disso, o álcool apresenta efeito nocivo por onde passa. No esôfago pode causar azia e
refluxo e no estômago aumenta o ácido gástrico. Todos estes fatores colaboram para o
aparecimento do mau hálito. Portanto evite abusar das bebidas alcoólicas.

Higiene bucal completa


Uma higiene bucal completa também pode ajudar no combate ao mau hálito. Como falamos
acima, o aumento do número de bactérias na boca estão entre as causas da halitose, e para
evitar essa proliferação nada melhor que uma boa escovação dentária.
Além da escovação, o uso do fio dental é importante, pois com ele é possível retirar as
partículas que não foram alcançadas com a escova. Lembre que os restos de alimentos podem
permanecer na boca caso não haja uma boa higienização. Restos de alimentos aliados a
proliferação de bactérias certamente resultarão no mau hálito.

Uma boa higiene bucal também pode evitar o aparecimento de doenças bucais, como as
periodontais, por exemplo. E estas também estão entre as causas da halitose.

Escovação da língua
Uma etapa muito importante da higiene bucal e que ajuda a combater o mau hálito é a
escovação da língua. Apesar de ser muito importante este é um hábito que não é adotado por
muitas pessoas.

A língua é o espaço com mais concentração de bactérias, e se não há limpeza adequada acaba
ficando com aspecto esbranquiçado, ocasionando a chamada saburra lingual, outra causa
frequente da halitose.

Visitas periódicas ao dentista


Todas as práticas acima devem ser adotadas e aliadas às visitas periódicas ao dentista. É ele o
profissional que irá apontar as causas do mau hálito, que, como dissemos, pode estar
relacionado a diversos fatores. Alguns deles podem até não estar relacionados a cavidade
bucal, mas sim a outras infecções do organismo.

Com certeza ao adotar todos estes hábitos as pessoas passam longe do mau hálito. É
importante ressaltar que a halitose pode aparecer também conforme o consumo de alguns
alimentos. Mas o odor tende a passar conforme o organismo processa este alimento. Um
exemplo disso é o alho.

Veja como o ASB pode fazer uma lista de tarefas eficiente 0


Compartilhar
82
Twittar
+1
Veja como o ASB pode fazer uma lista de tarefas eficiente

No dia a dia, o Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) é quem organiza a agenda do dentista, o estoque,
os equipamentos e instrumentos odontológicos, a documentação dos pacientes, as contas a
pagar, os valores a receber… São tantas atividades que uma ou outra pode acabar esquecida.
Isso pode ser evitado, porém, com a ajuda de uma lista de tarefas eficiente!

Não sabe como fazê-la? Fique tranquilo, neste post, nós vamos ensinar o passo a passo para
que você monte a sua e torne o seu dia de trabalho bem mais produtivo no consultório
odontológico.

Passo a passo para uma lista de tarefas eficiente


1 – A primeira coisa que você deve fazer é escolher o meio utilizado para fazer a sua lista de
organização. Tem gente que prefere usar caneta e papel e outras, aplicativos de celular.
Escolha qual for a melhor opção para você e mãos à obra!

2 – O segundo passo para fazer uma lista de tarefas eficiente é separar as tarefas por esferas:
Agenda, Estoque, Documentação, Contas etc. Assim, você pode enxergar o todo e as partes.
3 – Agora, é preencher cada esfera com suas ações. Na esfera Agenda, por exemplo, você pode
inserir “Marcar retornos“, “Confirmar consultas” e “Encaixar pacientes da lista de espera”.
Dentro de cada esfera, priorize, obviamente, as tarefas que têm mais urgência.

4 – Se você tem uma ação que envolve várias etapas, como a esterilização, divida-a. Assim,
ficar mais fácil visualizar quanto falta para a conclusão. Quando você consegue visualizar o fim
da atividade, evita procrastinar pensando na dificuldade em executá-la.

5 – Por fim, diariamente, seja no final no dia ou no começo do dia, revise e atualize a sua lista.
3 razões para manter o consultório organizado 0
Compartilhar
92
Twittar
+1
Auxiliar de saúde bucalO dia a dia em um consultório odontológico pode ser bem corrido, a
gente sabe. Mas isso não é uma desculpa para o Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) deixar o local de
trabalho virar uma bagunça. No post de hoje, vamos dar três boas razões para manter o
consultório organizado.

Produtividade e otimização do tempo


A organização pode aumentar a produtividade no consultório. Aqui no blog, inclusive, já
falamos, sobre a importância de manter a agenda, as documentações, os equipamentos e os
instrumentos, o estoque e as finanças em ordem para otimizar o tempo.

Se você, por exemplo, precisa da sonda exploradora e não sabe onde está, vai perder algum
tempo procurando.

Credibilidade
Um ambiente de trabalho organizado passa muito mais credibilidade, especialmente se é a
primeira consulta do paciente no consultório. A desordem pode transmitir falta de
planejamento e até mesmo de higiene – o que é péssimo para quem trabalha com saúde.

Por isso, tenha sempre em mente, ASB, que o seu local de trabalho diz muito sobre o
profissional que você é. Para finalizar esse tópico, a gente propõe a você um desafio: que tal
pensar na primeira consulta de um paciente? O que poderia incomodá-lo? O que poderia ser
melhorado?

Mais espaço
A liberação de espaço é a última das três razões para manter o consultório organizado que nós
separamos.

Será que é mesmo necessário armazenar aquele montão de prontuários nos armários?!
Converse com o dentista e analisem juntos, por exemplo, a possibilidade de manter os
arquivos digitalizados. Aqui no blog, temos um post bem legal sobre até quando guardar os
prontuários.

Outra dica para liberar espaço para o ASB é ter uma boa noção do espaço físico reservado para
estocar materiais. Se ele é pequeno, não faz sentido comprar uma grande quantidade de
algodão se não há lugar para guardar, não é?!

Dica extra
Você já ouviu falar da Regra do 1 minuto? Funciona assim: qualquer tarefa que demore 60
segundos ou menos deve ser feita imediatamente. Tirou um arquivo da gaveta, por exemplo?
Nada de deixá-lo em cima de qualquer lugar para guardar quando der!

Leve-o de volta para onde pertence – essa tarefinha leva menos de 1 minuto! Simples, não é?!
E você nem imagina o quanto essa regra pode fazer a diferença na vida de quem tem sérios
problemas com organização.
Primeiros Socorros: o que o ASB precisa saber 0
Compartilhar
595
Twittar
+1
o ASB deve saber

Em qualquer tipo de ambientes estamos sujeitos a nos deparar com situações de urgência e
emergência. Acidentes domésticos, pessoas tendo infartos, crianças se machucando. Enfim,
independente do lugar e da hora, imprevistos acontecem. Apesar disso não são todas as
pessoas que estão preparadas para enfrentar esse tipo de situação.

Mas apesar de acidentes ocorrerem em qualquer ambiente, há alguns locais em que as


situações de urgência e emergência são mais propícias a acontecerem, como é o caso dos
ambientes voltados à saúde. Nestes locais sim, as pessoas devem estar preparadas para lidar
com estes acontecimentos.

E na área da Odontologia, ambiente voltado à saúde bucal, intercorrências também podem


acontecer. Por isso, todos os profissionais envolvidos devem estar aptos a tratar dos pacientes
em situações de risco, e não somente os cirurgiões dentistas.

Técnicos de Saúde Bucal, Auxiliares de Saúde Bucal, instrumentadores cirúrgicos


odontológicos. Todos esses profissionais devem conhecer as atividades que devem ser feitas
em casos de urgência e emergência. Este post vamos dedicar a falar sobre os primeiros
socorros, o que o ASB deve saber:

Verificar a situação, bem como os sinais vitais do paciente


Antes de pensar nos primeiros socorros, o Auxiliar de Saúde Bucal deve manter a calma e
tranquilizar a si mesmo e o paciente que estiver passando por alguma situação de urgência e
emergência. Após isso, o primeiro passo é verificar a gravidade da situação.

Averiguar o estado de consciência, sua temperatura e respiração. Tudo isso pode ser vital para
o paciente. Questionar o que o paciente está sentindo, o local do incômodo, medir a
temperatura e se a respiração está acelerada. Estas questões podem indicar a real situação e a
doença que acometeu o paciente.

E para proceder com todas essas questões, o consultório dentário deve contar com um kit de
primeiros socorros. O ASB deve saber manusear tudo o que contém nele.

O ASB deve saber o que fazer em caso de desmaios


Estudos apontam quais situações de urgência e emergência mais ocorrem dentro das clínicas e
consultórios odontológicos. Os desmaios estão entre os casos mais comuns, já que estes
podem ser ocasionados até pela ansiedade dos pacientes que receiam as consultas ao
dentista.
O ASB deve saber que nestes casos o que deve ser feito é restabelecer o fluxo sanguíneo ao
cérebro dos pacientes. Para isso deve pressionar a sua cabeça em direção aos joelhos, com
este estando sentado.

Em caso de convulsões
As convulsões também podem ocorrer nos ambientes voltados a área da saúde bucal. Nesta
situação o ASB deve saber que o importante é manter o paciente seguro, sem o risco de queda
ou de se machucar, já que as convulsões tendem a passar em poucos minutos.

Os profissionais da odontologia devem ter em mente que muitos estímulos sensoriais podem
podem provocar novas convulsões. Portanto os estímulos devem ser amenizados.

Reanimação cardiorrespiratória
Uma das questões básicas ao se falar em primeiros socorros é a reanimação
cardiorrespiratória dos pacientes. Assim como todos os profissionais ligados à saúde, o ASB
deve saber como fazê-la.

Os primeiros socorros são imprescindíveis e devem ser realizados pelos profissionais da saúde.
Mas no caso das urgências e emergências ocorrerem nos consultórios dentários, o
atendimento médico deve ser acionado. Saiba mais em nosso blog.
Veja 5 dicas para o ASB otimizar o tempo 0
Compartilhar
57
Twittar
+1
Idoso é atendido em consultório médico.O trabalho do Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) está
diretamente ligado à eficiência da clínica odontológica. Um ASB que quer otimizar o tempo no
consultório é organizado: mantém em ordem a agenda, as documentações, os equipamentos e
os instrumentos, o estoque, as finanças…

Abaixo, listamos dicas de como organizar tudo isso e otimizar o tempo no consultório!

1. Manter a agenda organizada

O dentista que tem uma agenda organizada tem controle sobre a sua rotina. E o Auxiliar de
Saúde Bucal pode ser o responsável por mantê-la atualizada, já que também auxilia na gestão
do consultório odontológico.

Uma dica para otimizar o tempo no consultório é anotar, além do nome e do telefone do
paciente, o que deve ser feito durante a consulta e quanto tempo, em média, ela deve durar.
Assim, a probabilidade de um efeito cascata – ou seja, um atendimento atrasado prejudicando
todos os outros – é quase nula.

O ASB também pode separar um tempinho entre as consultas. Às vezes, surgem situações de
última hora, como um paciente que fraturou um dente e precisa ser atendido imediatamente.
Sem o intervalo, os horários seguintes podem ser comprometidos.

Caso o tempo não seja usado em uma emergência, o dentista e a equipe podem aproveitar
para resolver assuntos pendentes da clínica.

2. Manter a documentação dos pacientes organizada


O prontuário odontológico de um paciente pode ter inúmeros documentos, especialmente se
são anos e anos de acompanhamento com o mesmo dentista ou se o tratamento odontológico
é complexo.

Para organizá-los, o ideal é encontrar um local específico para guardar tudo. Depois, basta
arrumar os documentos por paciente e utilizar pastas específicas para cada um.

O ASB moderninho também encontra soluções de ordenação na internet. É possível salvar os


documentos na nuvem (cloud computing) e também recorrer a softwares específicos, como o
Simples Dental, que é de graça!

3. Manter o estoque organizado

Organizar o estoque é extremamente importante para que o consultório odontológico ofereça


um atendimento de qualidade. Já pensou se, minutos antes de extrair um dente do paciente, o
dentista nota que o anestésico acabou?

Então, #partiu conferir resina, cimento, alginato, clareadores, medicamentos, instrumentais,


películas, descartáveis, saneantes… De quanto em quanto tempo? Cada consultório
odontológico tem uma rotina. Por isso, a frequência deve ser estabelecida conforme cada
realidade.

4. Manter os equipamentos e os instrumentos odontológicos organizados

A organização dos equipamentos e dos instrumentos odontológicos também é


responsabilidade do ASB – quando não há um instrumentador cirúrgico odontológico.

Durante um mesmo atendimento, muitos materiais são usados. Por isso, eles devem estar
acessíveis e organizados para otimizar o tempo no consultório. Uma maneira de arrumá-los é
separando por setor: ortodontia, limpeza bucal, reconstrução etc.

É fundamental que o ASB também fique atento à higienização dos objetos, que deve ser
imediata. Sem preguiça, viu?! A sujeira endurece e o sangue coagula, o que pode deixar a
limpeza mais difícil.

5. Manter as finanças organizadas

As tarefas acima fazem parte do trabalho diário ASB. Pode caber a esse profissional, ainda, a
organização financeira da empresa. Separar e catalogar as contas do consultório odontológico,
cuidar da receita, registrar o que entra e o que sai do caixa são métodos para cuidar do
dinheiro da empresa.

A recomendação é a de que haja uma boa conversa com o dentista para que ambos
estabeleçam a melhor forma de manter a organização financeira da clínica.

5 dicas para o ASB manter a organização nos consultórios odontológicos 0


Compartilhar
188
Twittar
+1
ASB manter a organização
Organização de consultas, de estoque, de equipamentos e instrumentos, dos documentos dos
pacientes, das contas a pagar e dos valores das consultas e tratamentos a receber. A rotina de
um auxiliar de Saúde Bucal (ASB) pode ser bem intensa se ele é o responsável por todas estas
tarefas em um consultórios odontológico. E geralmente é.

Consultórios pequenos, em que o ASB atua como auxiliar e também como secretário, todas as
tarefas citadas acima estão entre as atividades diárias deste profissional da saúde bucal. Nos
maiores, as funções financeiras podem ser desempenhadas por outro profissional, ou então
pelo próprio cirurgião dentista, mas as demais ainda serão do Auxiliar.

Portanto é dever do ASB manter a organização nos consultórios odontológicos. A organização


deve ser a palavra chave para todos os processos que fazem parte da rotina do profissional. Se
o ASB não se pautar nela, haverá sérios riscos dele comprometer todo o funcionamento do
consultório odontológico.

Na maioria dos casos, o Auxiliar de Saúde Bucal é contratado justamente para cuidar de quase
todos os processos das clínicas e consultórios odontológicos. E, pensando em melhorar o
andamento e otimizar o atendimento do cirurgião dentista.

Para que este profissional não venha a se assustar com a rotina e prestar serviços aquém do
esperado pelos dentistas, preparamos este artigo com dicas para o ASB manter a organização
aonde ele estiver atuando. Acompanhe:

Organização do estoque deve ter frequência estabelecida


Para que o ASB consiga manter a organização do estoque em dia ele deve estabelecer uma
frequência. Diária, semanal, a cada três dias. Isso não importa. Cada consultório odontológico
conta com sua própria rotina de atendimento, portanto, a frequência deve ser estabelecida
conforme cada realidade.

Mas é importante ressaltar que o ASB manter a organização do estoque é imprescindível para
o bom andamento dos serviços do dentista. Não será nada agradável se ao meio de uma
obturação, o Auxiliar informar ao dentista que acabou a resina do estoque…

ASB deve manter a organização da agenda de consultas


O bom funcionamento de um consultório odontológico depende inteiramente dos pacientes
que o cirurgião dentista irá atender. Então o ASB deve prezar por manter a agenda de
consultas bem organizada.

Em um mundo em que as pessoas convivem com a pressa, os atrasos nos atendimentos não
são recomendados. Portanto o ASB manter a organização da agenda do cirurgião dentista é
essencial.

Uma dica é intervalar as consultas com um tempo pré-estabelecido, já que pode ser que
aconteçam intercorrências entre elas. Assim, o cirurgião dentista consegue resolve-las sem
que, para isso, necessite atrasar o atendimento de seu próximo paciente.

Manutenção de equipamentos e instrumentos odontológicos


São diversos os equipamentos e instrumentos utilizados no dia a dia de um consultório
odontológico. Eles devem estar bem acondicionados e separados para garantir a segurança
destes locais e dos pacientes.
No caso do consultório não contar com um instrumentador cirúrgico odontológico, será o
Auxiliar de Saúde Bucal o responsável por eles. Uma dica para o ASB manter a organização
destes materiais é a separação por uso (rotina ou tratamentos), e também quanto a sua
higienização.

Softwares para ASB manter a organização da documentação dos pacientes


Geralmente o prontuário odontológico conta com inúmeros documentos de pacientes. Ficha
de anamsese, raio x, exames, termo para tratamentos, enfim há inúmeros deles.

Há pouco tempo, todos esses documentos enchiam os arquivos dos consultórios


odontológicos. Hoje eles podem ser todos armazenados em um único computador. E para o
ASB manter a organização de todos os documentos, há inúmeros softwares sendo utilizados na
área odontológica.

Organização financeira
Todas as demais funções acima fazem parte do dia a dia do ASB. Caso caiba a ele também a
organização financeira, a dica é que haja uma boa conversa com o cirurgião dentista. Será ele
que estabelecerá a melhor forma do ASB manter a organização do dinheiro de seu
empreendimento.

Sim, o ASB exerce função importantíssima nos consultórios odontológicos. Este profissional
auxilia em todos os processos e deve os manter organizados. Assim, com certeza, o Auxiliar de
Saúde Bucal irá colaborar também para aumentar a eficiência dos serviços odontológicos.
Saiba mais em nosso blog.
Qual a rotina do ASB? 0
Compartilhar
208
Twittar
+1
rotina do asb

Alguns profissionais podem contar com surpresas em seu dia a dia. Profissionais que atuam em
hospitais, corpo de bombeiros, ou policiais, além de outra infinidade deles, vão ao trabalho
sem a certeza de suas atividades durante o dia. Eles podem se deparar com diversos tipos de
situações, e cada uma delas irá requerer uma ação específica.

Assim como há profissionais que não sabem qual será sua próxima atividade durante o
trabalho, há aqueles que sabem exatamente o que irão realizar em seu dia a dia. Há uma
rotina diária a seguir.

No caso do Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) é possível estabelecer uma rotina diária,
independente de seu local de trabalho. Mesmo estes atuando como auxiliares de cirurgiões
dentistas durante intervenções em hospitais, em consultórios dentários ou em postos de
saúde. Há uma rotina a cumprir.

Esta rotina do ASB só será diferenciada em casos de emergências médicas decorrentes de


procedimentos da odontologia. E no caso delas ocorrerem, todos os profissionais presentes
devem seguir os procedimentos necessários para minimizar os efeitos da emergência e deixar
os pacientes com sua saúde restabelecida, sem sequelas.
Como dissemos, o ASB terá sua rotina diária, mas terá suas especificidades dependendo do
local de trabalho. Ao atuar como profissional integrante de programas Saúde da Família, por
exemplo, a sua atuação com a promoção da saúde bucal dos pacientes será maximizada.

Apesar dessas especificidades, a seguir vamos elencar as atividades que normalmente compõe
a rotina do ASB. Acompanhe:

Atendimento ao paciente
O atendimento inicial ao paciente ou em seus retornos durante os tratamentos serão
realizados sempre pelo Auxiliar de Saúde Bucal. Realização da anamnese, tirar as suas dúvidas
quanto a doença e tratamentos, acompanhar e preparar para o atendimento junto ao dentista.
E até mesmo acalmá-lo nos casos de odontofobia. Todas essas atividades fazem parte da
rotina do ASB.

Além do atendimento de forma pessoal, o ASB também atenderá os pacientes por meio de
telefone ao marcar as consultas, e também via email e redes sociais, cada vez mais utilizadas
em todos os setores. Aliás, esses meios podem ajudar no processo de fidelização dos clientes
se bem utilizados.

Auxílio ao dentista
Algumas pessoas podem até minimizar a atividade do ASB ao achar que esta é sua única
função. Mas ela é apenas uma delas, mas não menos importante. Por ser apenas uma delas é
que hoje este profissional é chamado de Auxiliar de Saúde Bucal e não Auxiliar de Dentista
como há pouco tempo.

Mas no atendimento do dentista ao paciente, o Auxiliar estará atento para facilitar a atuação
do profissional da Odontologia, e assim otimizar o processo. Entregar os materiais ao dentista,
processar radiografias, produzir moldeiras. Enfim, diversa as atividades fazem parte da rotina
do ASB durante o atendimento odontológico.

Organização e higienização de materiais na rotina do ASB


Após o auxílio no atendimento ao paciente é hora do Auxiliar de Saúde Bucal organizar e
higienizar os materiais utilizados pelo dentista para verificar e tratar da saúde bucal. Esta é
mais uma atividade que faz parte da rotina do ASB e é importantíssima para todos os
envolvidos no processo – pacientes e equipe odontológica -, já que a má higienização pode
causar diversas doenças.

Essas são as atividades gerais realizadas na rotina do ASB. Todas elas podem ser detalhadas, já
que os processos da área da saúde devem seguir procedimentos rigorosos. Para saber mais
sobre todas as atividades deste profissional da Odontologia acesse o nosso blog.

Como o ASB gera melhoria na qualidade da assistência odontológica e aumenta a


produtividade no consultório? 0
Compartilhar
279
Twittar
+1
Curso ASB Como o ASB gera melhoria na qualidade da assistência odontológica e aumenta a
produtividade no consultório

Já falamos aqui em nosso blog sobre uma medição realizada pela Organização Mundial da
Saúde (OMS) que trata sobre o número de profissionais – Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) e
Técnico em Saúde Bucal (TSB) – que seriam necessários para ajudar um cirurgião dentista. O
estudo aponta que o ideal seriam três ASB em um consultório para uma assistência
odontológica ideal.

Este estudo trata da importância destes profissionais para o bom funcionamento de clínicas e
consultórios odontológicos. Não foi a toa que as profissões de ASB e TSB foram regularizadas
através da lei federal 11.889/08.

E não são somente nas clínicas e consultórios particulares que os dois profissionais são
essenciais. Eles atuam na assistência odontológica também através do sistema público de
saúde, que requer tanto ASB quanto TSB atuando.

Programas como o Brasil Sorridente aumentaram a demanda por estes profissionais. O


programa requer uma equipe de assistência odontológica completa, com todos os
profissionais necessários.

Mas como um ASB pode melhorar a qualidade da assistência odontológica e aumentar a


produtividade dos consultórios? São várias as maneiras destes profissionais auxiliarem. Se
você achou um profissional bem qualificado para atuar em seu consultório, certamente os
resultados já vão começar a parecer. Confira o que o ASB pode fazer:

Garantir a humanização do atendimento na assistência odontológica


Hoje existem muitos debates acerca da humanização dos atendimentos na área da saúde. Com
muita informação conseguida através da internet, as pessoas passaram a ficar mais críticas em
relação a tudo. O perfil das consultas também teve que ser alterado. E a assistência
odontológica passou por mudanças.

Para atender a nova demanda de pacientes críticos, os profissionais da saúde – os que


acompanharam as novidades – passaram a ser mais comunicativos. As dúvidas dos pacientes
passam primeiro pelo Google e depois vão para os consultórios. Por este motivo, os
profissionais devem estar preparados para serem bombardeados com perguntas.

No caso da assistência odontológica, o primeiro contato do paciente é o ASB. É ele que irá
iniciar o atendimento. Por isso, o perfil deste profissional deve ser levado em conta. A simpatia
em primeiro lugar. Depois deve ser avaliado a capacidade do ASB atender pacientes ávidos por
informação. Um bom ASB irá tirar de letra e garantir que aquele paciente queira retornar a seu
consultório.

Organização do material e equipamentos


Um consultório bem organizado irá funcionar mais ativamente. A organização realizada pelo
ASB na assistência odontológica se inicia com as fichas dos pacientes. Eles chegam aos
dentistas ou aos cirurgiões já com todas as suas demandas ‘descobertas’ pelo ASB. Além disso,
conforme o atendimento a ser realizado o profissional auxiliar irá separar os materiais e
equipamentos necessários. Ao dentista ou cirurgião cabe somente o procedimento.

Antes a organização e depois a higienização. O ASB deixará tudo pronto para a próxima
consulta. Tudo pronto e de maneira correta. Para conseguir sua certificação o ASB passa por
um curso no qual ele aprende todos os protocolos de biossegurança.

Ambiente seguro e clientes satisfeitos. Com certeza esta é uma boa fórmula para o
atendimento de pacientes na assistência odontológica. Com o auxílio do ASB, a produtividade
nos consultórios tende a aumentar consideravelmente.
5 dicas para quem pretende se destacar como auxiliar de saúde bucal (ASB) 0
Compartilhar
96
Twittar
+1
A carreira de Auxiliar de Saúde Bucal é promissora. O mercado para profissionais de
odontologia está sempre crescente e estes profissionais precisam da ajuda de um ASB para
otimizar seu trabalho no consultório. Diversas pessoas, percebendo o aumento dessa
demanda, acabam por investirem nesta área, buscando aperfeiçoamento profissional para se
tornarem ASB.

Assim, é preciso se destacar como profissional para sair na frente na disputa pelas vagas nesta
área. Quer saber como? Confira estas 5 dicas para quem pretende se destacar como Auxiliar
de Saúde Bucal e saia na frente em busca das melhores vagas!

Seja proativo
Os cirurgiões-dentistas contratam o Auxiliar de Saúde Bucal para otimizar seu trabalho no
consultório. Assim, eles esperam que esse profissional seja proativo para que esse auxílio seja
efetivo e ajude realmente na rotina diária. Por isto, se você pretende se destacar como Auxiliar
de Saúde Bucal, esteja sempre por perto do dentista durante os atendimentos e tome a frente
às funções que são de sua obrigação – como a higienização do consultório e do material assim
que possível, por exemplo. O importante é mostrar que você está sempre atento ao que é
essencial de sua função e realizar estas atividades de forma proativa.

Seja organizado
O Auxiliar em Saúde Bucal é responsável por diversas funções que, se realizadas sem o mínimo
de organização, podem dificultar o trabalho ao invés de facilitar. Por exemplo, é de sua
responsabilidade o arquivamento das fichas dos pacientes. Caso o profissional não seja
organizado, estes dados podem acabar demorando para serem encontrados ou até mesmo se
perderem no meio da desorganização.

O mesmo ocorre com o material do consultório: caso o auxiliar de saúde bucal não seja
organizado, será difícil encontrar os materiais necessários para os diversos procedimentos ao
longo do dia e também dificulta o descarte de material infectante, além de atrasar os
procedimentos.

Seja atencioso com os pacientes


O Auxiliar em Saúde Bucal é responsável pela recepção dos pacientes. Ou seja, ele é o “cartão
de visitas” do consultório, o primeiro a ter contato com o cliente. Caso ele seja rude, grosseiro
ou mal educado, o paciente terá uma péssima impressão do consultório, podendo não voltar
caso esteja apenas buscando um orçamento.

Assim, se você quer mostrar eficiência e se destacar como Auxiliar de Saúde Bucal, seja
educado e receptivo com quem aparece no consultório – mesmo que seja para uma simples
visita.

Seja pontual
O Auxiliar em Saúde Bucal deve ser sempre pontual. Afinal, ele é um dos responsáveis pela
organização inicial e higienização do consultório e do material. Assim, ele deve deixar o local
pronto para o primeiro atendimento. Caso o profissional não esteja lá na hora correta, pode
atrasar a consulta dos primeiros pacientes e atrasar a agenda do dia.
Seja cuidadoso com o material do consultório
O Auxiliar em Saúde Bucal deve estar atento a todos os cuidados com o material do
consultório – sua higienização, organização e armazenamento, por exemplo. Também deve
evitar problemas outros problemas que podem ser comuns na sua rotina:

Evitar queda de instrumentos no chão;


Receber os instrumentos para que o dentista não tenha que depositá-los rapidamente na
bandeja;
Providenciar rapidamente o descarte correto do material descartável;
Verificar condições do material (se está apto para os procedimentos ou se devem ser
trocados);
Higienizar e esterilizar os instrumentos;
Manipular moldeiras e realizar moldes de gesso.
Ou seja, é preciso que o ASB zele pelo cuidado desses materiais durante o trabalho.

Estas são as principais orientações para quem pretende se destacar como auxiliar de saúde
bucal nesse mercado. Seguindo estas dicas você mostrará competência para o seu
empregador, mostrando que é um ASB capacitado para trabalhar nos melhores consultórios.
Não se esqueça que outro cuidado indispensável para quem quer se destacar nessa carreira é
obter o certificado ASB para atuar regularmente em conjunto com odontologistas! Ser um ASB
irregular não é nada atrativo para o mercado!
Qual a rotina do ASB? 0
Compartilhar
208
Twittar
+1
rotina do asb

Alguns profissionais podem contar com surpresas em seu dia a dia. Profissionais que atuam em
hospitais, corpo de bombeiros, ou policiais, além de outra infinidade deles, vão ao trabalho
sem a certeza de suas atividades durante o dia. Eles podem se deparar com diversos tipos de
situações, e cada uma delas irá requerer uma ação específica.

Assim como há profissionais que não sabem qual será sua próxima atividade durante o
trabalho, há aqueles que sabem exatamente o que irão realizar em seu dia a dia. Há uma
rotina diária a seguir.

No caso do Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) é possível estabelecer uma rotina diária,
independente de seu local de trabalho. Mesmo estes atuando como auxiliares de cirurgiões
dentistas durante intervenções em hospitais, em consultórios dentários ou em postos de
saúde. Há uma rotina a cumprir.

Esta rotina do ASB só será diferenciada em casos de emergências médicas decorrentes de


procedimentos da odontologia. E no caso delas ocorrerem, todos os profissionais presentes
devem seguir os procedimentos necessários para minimizar os efeitos da emergência e deixar
os pacientes com sua saúde restabelecida, sem sequelas.

Como dissemos, o ASB terá sua rotina diária, mas terá suas especificidades dependendo do
local de trabalho. Ao atuar como profissional integrante de programas Saúde da Família, por
exemplo, a sua atuação com a promoção da saúde bucal dos pacientes será maximizada.
Apesar dessas especificidades, a seguir vamos elencar as atividades que normalmente compõe
a rotina do ASB. Acompanhe:

Atendimento ao paciente
O atendimento inicial ao paciente ou em seus retornos durante os tratamentos serão
realizados sempre pelo Auxiliar de Saúde Bucal. Realização da anamnese, tirar as suas dúvidas
quanto a doença e tratamentos, acompanhar e preparar para o atendimento junto ao dentista.
E até mesmo acalmá-lo nos casos de odontofobia. Todas essas atividades fazem parte da
rotina do ASB.

Além do atendimento de forma pessoal, o ASB também atenderá os pacientes por meio de
telefone ao marcar as consultas, e também via email e redes sociais, cada vez mais utilizadas
em todos os setores. Aliás, esses meios podem ajudar no processo de fidelização dos clientes
se bem utilizados.

Auxílio ao dentista
Algumas pessoas podem até minimizar a atividade do ASB ao achar que esta é sua única
função. Mas ela é apenas uma delas, mas não menos importante. Por ser apenas uma delas é
que hoje este profissional é chamado de Auxiliar de Saúde Bucal e não Auxiliar de Dentista
como há pouco tempo.

Mas no atendimento do dentista ao paciente, o Auxiliar estará atento para facilitar a atuação
do profissional da Odontologia, e assim otimizar o processo. Entregar os materiais ao dentista,
processar radiografias, produzir moldeiras. Enfim, diversa as atividades fazem parte da rotina
do ASB durante o atendimento odontológico.

Organização e higienização de materiais na rotina do ASB


Após o auxílio no atendimento ao paciente é hora do Auxiliar de Saúde Bucal organizar e
higienizar os materiais utilizados pelo dentista para verificar e tratar da saúde bucal. Esta é
mais uma atividade que faz parte da rotina do ASB e é importantíssima para todos os
envolvidos no processo – pacientes e equipe odontológica -, já que a má higienização pode
causar diversas doenças.
ASB: saiba como reduzir a proliferação de micro-organismos no consultório odontológico 0
Compartilhar
190
Twittar
+1
Curso ASB ASB saiba como reduzir a proliferação de micro-organismos no consultório
odontológico

Sabemos que um consultório odontológico pode ser um ambiente bastante propício para a
proliferação de micro-organismos. Secreções como a saliva, tecidos, fluídos e o sangue dos
pacientes, podem ser nocivas para a saúde de todos de uma equipe dentária.

Os riscos de transmissão de doenças existem e estudos da área da saúde comprovam. O risco


de se contrair o HIV, por exemplo, em casos de acidentes no consultório odontológico é de 0,3
a 0,5%. Para a Hepatite B o risco é de 10%, e para a Hepatite C, o risco triplica, chegando a
30%. Não dá para se arriscar!

Por isso é necessária uma série de cuidados para proteger a todos os que atuam no consultório
odontológico, bem como as pessoas que serão atendidas no local. Dessa maneira, a
proliferação de micro-organismos que prejudicam a saúde pode ser minimizada. Um ambiente
saudável terá reflexo em todo o tratamento e atendimento aos pacientes.

Você que atua como Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) tem papel fundamental para manter um
ambiente seguro e saudável. Já conhece as práticas mais adequadas para isso? Com a
aplicação das dicas deste artigo certamente você cuidará de sua saúde e de todos a sua volta.

Procedimentos de higienização e esterilização de materiais


Pode parecer básico, mas ainda há muitos profissionais que atuam em consultório
odontológico que ainda não realizam adequadamente a higienização e esterilização dos
materiais utilizados pelos dentistas.

Espátulas, brocas, pinças, espelho para exames clínicos, bandeja. Cada um destes instrumentos
requer uma maneira de ser higienizado. E isso deve ser realizado logo após o seu uso. Caso os
instrumentos estejam dispostos em uma bandeja para uso, todos eles devem ser esterilizados.
Mesmo se o dentista não o houver usado, pois os outros materiais utilizados podem
contaminar todos de uma mesma superfície.

Quando falamos de higienização e esterilização, estamos nos referindo a dois procedimentos


distintos. A higienização se refere à limpeza propriamente dita do material, retirada de tecidos
os fluídos. A esterilização é o procedimento em que é utilizado processos químicos ou a
autoclave para evitar futuras contaminações.

Tipos de equipamentos do consultório odontológico


Para saber qual procedimento deve ser realizado em cada equipamento utilizado no
consultório odontológico, a equipe deve ter conhecimento de como o material é classificado.
Eles podem ser considerados críticos, semi-críticos, ou não críticos.

Entre os críticos podemos citar os de corte, já que penetram os tecidos ou mucosas dos
pacientes. Aqueles materiais que são utilizados no auxílio aos de corte, também serão
considerados críticos.
Os semi-críticos são aqueles objetos que entram em contato com as mucosas e tecidos, mas
não os penetram, como espelhos clínicos, por exemplo.
Já os não críticos são aqueles que não entram em contato. Aqui podemos citar a bandeja
odontológica.
Para cada tipo de material, um procedimento específico será necessário. Geralmente, as
operações previstas constam nos manuais de biossegurança utilizados pelas equipes dentárias.

Assepsia geral do ambiente


De nada adianta os equipamentos limpos e esterilizados e um consultório odontológico sujo.
Mantenha o ambiente como um todo limpo. A utilização de cores claras na decoração colabora
para uma boa impressão dos pacientes.

A limpeza deve iniciar na recepção e se estender a todos os locais, principalmente os de uso


comum. Um paciente não irá querer saber se outro acabou de sair do banheiro e o deixou em
péssimas condições. Uma verificação constante desses locais é imprescindível.

5 doenças que podem ser transmitidas durante o trabalho de um ASB 0


Compartilhar
354
Twittar
+1
Curso ASB 5 doencas que podem ser transmitidas durante o trabalho de um ASB

Como todo ambiente da área de saúde, é normal que haja a possibilidade de contaminação
constante. Isso porque os profissionais lidam com fluidos dos pacientes e muitas vezes não é
possível determinar quais doenças cada um deles possui.

O Auxiliar em Saúde Bucal (ASB) está exposto a esse tipo de situação todos os dias em um
consultório dentário. Veja a seguir, quais são as cinco doenças mais comuns de serem
transmitidas durante o seu trabalho e saiba como se prevenir:

1. Gripe
A gripe é a doença mais comum a que um ASB está exposto. Isso porque é um vírus que fica no
ar e, portanto, pode ser transmitido até mesmo durante uma conversa com o paciente. Porém,
com o surgimento da gripe H1N1, os cuidados devem ser redobrados, já que se trata de uma
gripe mais severa e com sintomas semelhantes aos da gripe comum. Além disso, o contato
constante com a saliva do paciente durante a manipulação dos equipamentos usados, limpeza
e preparo pode também ser um agravante para o contato com a doença.

2. Tuberculose
Outra doença que é transmissível pelo ar e mais séria para o ASB, é a tuberculose.
Principalmente se o paciente estiver tossindo muito, a contaminação poderá ser facilitada. E,
como no caso da gripe, o contato com os equipamentos contaminados também podem ser um
facilitador para a transmissão da doença.

3. Sífilis
A Sífilis é uma Doença Sexualmente Transmissível (DST) grave que leva a uma série de
complicações gravíssimas se não for tratada corretamente. Em caso de contaminação, com o
tratamento correto há uma chance de 98% de cura. Suas complicações envolvem problemas
psiquiátricos, paralisias, abortos espontâneos em mulheres grávidas, entre outros problemas.
A transmissão ocorre em contato com o sangue contaminado do paciente encontrado nos
equipamentos manipulados pelo cirurgião dentista e entregues ao ASB.

4. Hepatite B e C
As Hepatites B e C são outros riscos para o ASB. Também transmitida pelo contato com o
sangue contaminado, são doenças que atacam o fígado e possuem consequências graves caso
não sejam tratadas corretamente. Possuem como sintomas: amarelamento dos olhos, dores
abdominais e urina mais escura. Com o tempo, podem ainda causar tumores no fígado. Deve-
se tomar cuidado, pois, a Hepatite C não possui vacina para sua prevenção.

5. AIDS
Uma das doenças mais sérias que um ASB pode se expor é a AIDS. Através do vírus HIV, é
transmitida pelo contato do sangue com feridas e mucosas. A doença não possui cura e traz
uma série de complicações graves para o portador, principalmente relacionada com a
imunidade baixa.

O que o ASB deve fazer para se prevenir?


A exposição a essas doenças é quase que inevitável, mas é possível se prevenir delas, seguindo
os seguintes passos:

Mantenha seu cartão de vacinas atualizado. Muitas dessas doenças podem ser prevenidas
através da vacinação.
Utilize o equipamento de proteção: luvas, touca, máscara e óculos são imprescindíveis em
todos os procedimentos, incluindo aqueles que você julgue ser menos importante como, por
exemplo, o uso da máscara ao preparar o paciente para a consulta. Isso porque há doenças
que são transmissíveis pelo ar e que podem chegar a você através de uma tosse, por exemplo.
Faça o descarte correto do material contaminado descartável.
Lave e esterilize corretamente os equipamentos contaminados, de forma a eliminar os vírus e
bactérias encontrados no material (confira nosso e-book sobre o assunto).
4 medidas para proteger a sua saúde e de outros profissionais da equipe de saúde bucal 0
Compartilhar
229
Twittar
+1
Curso ASB 4 medidas para proteger a sua saúde e de outros profissionais da equipe de saúde
bucal

Ao procurarmos um dentista estamos pensando em nossa saúde bucal. A ideia é manter


nossos dentes e bocas saudáveis para evitar diversos tipos de doenças. Mas quando chegamos
em clínicas e consultórios, esses ambientes podem até acabar nos causando doenças se não
estiverem cumprindo com as normas de higienização e biossegurança.

As clínicas e consultórios odontológicos são ambientes de risco, e que podem concentrar


bactérias e vírus que podem causar doenças às pessoas que frequentam os locais, sejam eles
pacientes ou integrantes da equipe de saúde bucal.

Por conta disso, são diversos os procedimentos que estes locais devem realizar
permanentemente. Para manter em segurança as pessoas envolvidas – equipe de saúde bucal
e pacientes – e prezar pela saúde, as clínicas e consultórios passam por vistorias anuais da
Vigilância Sanitária, que atesta se o local está em condições de continuar com a sua atuação na
prestação de serviços de saúde bucal. As vistorias são feitas sem agendamento para atestar a
correta higienização dos estabelecimentos.

Para manter os ambientes que prestam serviços bucais com a higienização em dia são diversas
as medidas que precisam ser tomadas. Geralmente, estas medidas são realizadas pelo Auxiliar
de Serviço Bucal (ASB) ou pelo Técnico de Saúde Bucal (TSB). Estes dois profissionais são aptos
a realizar os procedimentos de biossegurança, protegendo assim toda a equipe de saúde bucal
dos riscos da profissão.

Uso de máscaras e luvas


Entre as medidas a serem tomadas, as mais básicas são essenciais. O uso pela equipe de saúde
bucal de máscaras e de luvas pode evitar inúmeras infecções. Caso o paciente esteja com um
resfriado, por exemplo, e estiver tossindo durante a sua consulta, o uso da máscara irá evitar a
proliferação da virose no ambiente.

As luvas também podem evitar o contato direto com algumas bactérias. Estes materiais devem
ser descartados e trocados frequentemente, sendo que as luvas devem ser alteradas a cada
troca de paciente.

Higienização das mãos


Lavar as mãos nunca é demais. A equipe de saúde bucal pode abusar do uso de sabonetes
líquidos e do álcool em gel.

Manter os locais ventilados


Para evitar a proliferação de vírus e bactérias, manter os ambientes ventilados também é o
ideal. A renovação do ar dificulta a proliferação de microrganismos.

Nada de plantas
Nada de contar em clínicas e consultórios com materiais que estimulam a proliferação de
bactérias. Um integrante da equipe de saúde bucal foi presenteado com flores? É melhor
deixá-las em casa. O local de trabalho não é adequado para cuidar de plantinhas, só de
pacientes.

Equipe de saúde bucal deve realizar esterilização de materiais


Os materiais e instrumentos utilizados pelos dentistas devem estar permanentemente limpos.
Clínicas e consultórios devem contar com a autoclave para realizar a esterilização dos
materiais. Mas antes disso, uma boa limpeza.
Como ser um Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) certificado pela Associação Brasileira de
Odontologia? 0
Compartilhar
2
Twittar
+1
A profissão de Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) é uma carreira com regulação rígida, por ser uma
área que lida diretamente com a saúde dos pacientes. Porém, além do registro, é importante a
certificação oferecida pela Associação Brasileira de Odontologia. Quer saber como e o porquê
disto? Confira:

Como funciona a Associação Brasileira de Odontologia?


A Associação Brasileira de Odontologia é uma organização criada por cirurgiões-dentistas, com
o foco na capacitação e evolução dos profissionais desta área, a fim de garantir a excelência e
competência do trabalho realizado pelos mais diversos profissionais afiliados à associação.

Esta capacitação atua em duas frentes: com cursos e certificados oferecidos pela associação e
também através do incentivo à pesquisas que visam otimizar as rotinas de trabalho destes
profissionais de saúde, com o objetivo de oferecer o melhor tratamento para a saúde de seus
pacientes.

Assim, a ABO se firmou como a maior rede de capacitação e divulgação científica em


Odontologia em todo o mundo. São, atualmente, 90 mil associados que representam toda a
categoria de odontologistas do país.

Esta é uma rede nacional, mas você pode encontrar suas sucursais espalhadas em todo o país,
a fim de agilizar os processos de capacitação e certificação em âmbito regional. Caso tenha
interesse em tirar qualquer dúvida, encontre a unidade mais próxima de você aqui.

Por que o Auxiliar de Saúde Bucal necessita de certificação?


Porque em um mercado concorrido, a certificação da Associação Brasileira de Odontologia
oferece status de confiabilidade e responsabilidade do profissional diante do conhecimento
adquirido. Toda certificação profissional é prova de que a pessoa possui a expertise necessária
para a realização de seu trabalho dentro dos critérios rígidos estabelecidos pelo órgão
certificador – neste caso, a Associação Brasileira de Odontologia, uma organização responsável
e extremamente criteriosa em relação aos seus certificados.
A ABO visa promover selos e certificações para todos os profissionais que lidam com a área
odontológica, desde a venda de materiais até para as pessoas que trabalham como Técnicos e
Auxiliares de Saúde Bucal.

Assim, ter uma certificação em seu currículo mostra a sua seriedade, comprometimento e
competência como profissional da área, o destacando no mercado e também ajudando-o a
oferecer um serviço de melhor qualidade para os pacientes do consultório onde trabalha.

Como conseguir o certificado?


Para ser um Auxiliar de Saúde Bucal certificado pela Associação Brasileira de Odontologia, em
primeiro lugar, deve procurar inicialmente cursos sérios e responsáveis, de boa qualidade e
que sejam certificados por esta instituição. São raros os cursos que possuam o mérito de
terem esta certificação.

Para quem não pode – ou não quer – optar por cursos presenciais, a melhor opção custo-
benefício é a realização de cursos de certificação online para se tornar um ASB. Além de
oferecer uma capacitação abrangente, competente e de qualidade, ainda pode ser realizado à
distância, para que mais pessoas possam ter acesso a este conteúdo e se insiram no mercado
de trabalho com potencial para serem excelentes Auxiliares em Saúde Bucal. tendo acesso a
ótimos conteúdos e a cursos ministrados pelos nossos professores. Seja um profissional
regularizado e certificado. Ficou alguma dúvida sobre o tema? Deixe nos comentários.

4 coisas que vão mudar a forma que você encara o consultório odontológico 0
Compartilhar
228
Twittar
+1
4-coisas-que-vao-mudar-a-forma-que-voce-encara-o-consultorio-odontologico

Quando você está há muito tempo inserido na dinâmica de trabalho de um consultório, pode
acabar não prestando atenção em algumas coisas essenciais para melhorar o ambiente de
trabalho. Isto pode tornar o trabalho estressante, entediante ou, até mesmo, acabar afastando
alguns pacientes. Confira quatro coisas que você precisa saber que vão mudar a forma como
você encara o consultório odontológico e melhorar seu trabalho.

O tratamento já começa na recepção do consultório odontológico


Muitas pessoas possuem total pânico de dentistas. Isto porque durante muitos anos as
pessoas acham que os tratamentos feitos por estes profissionais são extremamente dolorosos,
o que não é verdade. Este tipo de postura pode complicar o tratamento desde o início devido
ao nervossismo e a ansiedade da pessoa. Por isto, o tratamento odontológico já começa na
recepção, quando você, auxiliar de dentista, recebe o paciente. Se o auxiliar for grosso, ríspido
ou frio com a pessoa, provavelmente ela já entrará com uma postura negativa e prejudicar o
tratamento. Além disso, uma postura mais simpática garante um humor melhor para todos.
Tente e você perceberá o quanto isso faz diferença.

Organização é fundamental
Pense que, para que o consultório funcione bem, cada coisa deve estar em seu devido lugar. E
isto não é apenas manter os equipamentos, instrumentos e insumos armazenados, mas
também definir os melhores lugares para uma melhor conservação destes elementos, além de
deixá-los de forma mais prática para manuseá-los posteriormente. Por exemplo, luvas, toucas
e máscaras devem sempre estar em fácil acesso, já que são usadas em todas as consultas.
Aprenda a olhar para o consultório odontológico de forma estratégica e verá que há diversas
possibilidades de otimização.

Trabalho conjunto é importante


Lembre-se que o trabalho do auxiliar de dentista e do cirurgião-dentista devem estar em
sintonia. A função do auxiliar é tornar a rotina do consultório mais fácil e simples, para que o
dentista possa se dedicar exclusivamente ao tratamento, sem preocupações menores. Por isto,
é preciso ter ideia de que o trabalho em equipe é fundamental também no ambiente do
consultório odontológico.

Com foco nisto, ambos irão colaborar de forma simples e eficaz para que todos consigam
trabalhar tranquilamente e ficar um bom clima no consultório.

Odontologia é saúde
Apesar de parecer bastante óbvio, muitas vezes as rotinas desgastantes fazem com que alguns
profissionais esqueçam isso. A odontologia é uma profissão que cuida da saúde de diversas
pessoas. Muitas são tão simples que precisam de que você tenha paciência e seja bem didático
para explicar o que é necessário para que ela possa ter uma melhor higiene bucal e melhorar a
sua saúde. Lembre-se sempre que seu trabalho, junto ao do dentista é melhorar a qualidade
de vida de diversas pessoas. Isto ajuda para que você chegue com uma outra perspectiva todos
os dias no consultório.

Como o ASB gera melhoria na qualidade da assistência odontológica e aumenta a


produtividade no consultório? 0
Compartilhar
279
Twittar
+1
Curso ASB Como o ASB gera melhoria na qualidade da assistência odontológica e aumenta a
produtividade no consultório

Já falamos aqui em nosso blog sobre uma medição realizada pela Organização Mundial da
Saúde (OMS) que trata sobre o número de profissionais – Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) e
Técnico em Saúde Bucal (TSB) – que seriam necessários para ajudar um cirurgião dentista. O
estudo aponta que o ideal seriam três ASB em um consultório para uma assistência
odontológica ideal.

Este estudo trata da importância destes profissionais para o bom funcionamento de clínicas e
consultórios odontológicos. Não foi a toa que as profissões de ASB e TSB foram regularizadas
através da lei federal 11.889/08.

E não são somente nas clínicas e consultórios particulares que os dois profissionais são
essenciais. Eles atuam na assistência odontológica também através do sistema público de
saúde, que requer tanto ASB quanto TSB atuando.

Programas como o Brasil Sorridente aumentaram a demanda por estes profissionais. O


programa requer uma equipe de assistência odontológica completa, com todos os
profissionais necessários.

Mas como um ASB pode melhorar a qualidade da assistência odontológica e aumentar a


produtividade dos consultórios? São várias as maneiras destes profissionais auxiliarem. Se
você achou um profissional bem qualificado para atuar em seu consultório, certamente os
resultados já vão começar a parecer. Confira o que o ASB pode fazer:

Garantir a humanização do atendimento na assistência odontológica


Hoje existem muitos debates acerca da humanização dos atendimentos na área da saúde. Com
muita informação conseguida através da internet, as pessoas passaram a ficar mais críticas em
relação a tudo. O perfil das consultas também teve que ser alterado. E a assistência
odontológica passou por mudanças.

Para atender a nova demanda de pacientes críticos, os profissionais da saúde – os que


acompanharam as novidades – passaram a ser mais comunicativos. As dúvidas dos pacientes
passam primeiro pelo Google e depois vão para os consultórios. Por este motivo, os
profissionais devem estar preparados para serem bombardeados com perguntas.

No caso da assistência odontológica, o primeiro contato do paciente é o ASB. É ele que irá
iniciar o atendimento. Por isso, o perfil deste profissional deve ser levado em conta. A simpatia
em primeiro lugar. Depois deve ser avaliado a capacidade do ASB atender pacientes ávidos por
informação. Um bom ASB irá tirar de letra e garantir que aquele paciente queira retornar a seu
consultório.

Organização do material e equipamentos


Um consultório bem organizado irá funcionar mais ativamente. A organização realizada pelo
ASB na assistência odontológica se inicia com as fichas dos pacientes. Eles chegam aos
dentistas ou aos cirurgiões já com todas as suas demandas ‘descobertas’ pelo ASB. Além disso,
conforme o atendimento a ser realizado o profissional auxiliar irá separar os materiais e
equipamentos necessários. Ao dentista ou cirurgião cabe somente o procedimento.

Antes a organização e depois a higienização. O ASB deixará tudo pronto para a próxima
consulta. Tudo pronto e de maneira correta. Para conseguir sua certificação o ASB passa por
um curso no qual ele aprende todos os protocolos de biossegurança.

Ambiente seguro e clientes satisfeitos. Com certeza esta é uma boa fórmula para o
atendimento de pacientes na assistência odontológica. Com o auxílio do ASB, a produtividade
nos consultórios tende a aumentar consideravelmente.

3 dicas para reduzir o não comparecimento dos pacientes no consultório odontológico 0


Compartilhar
27
Twittar
+1
Curso ASB 3 dicas para reduzir o nao comparecimento dos pacientes no consultorio
odontologico

Um dos problemas administrativos e econômicos mais comuns que um consultório


odontológico enfrenta é o não comparecimento de pacientes nas consultas marcadas. Pode
não parecer, mas essas ausências afetam financeiramente essas clínicas.

Para saber como resolver esse problema, confira três ótimas dicas abaixo:

Entenda porque esses pacientes não comparecem ao consultório odontológico


O primeiro passo para poder começar a reduzir o não comparecimento de pacientes ao
consultório odontológico é entender o que causa essas ausências.
São muitos os motivos que podem levar um paciente a desmarcar uma consulta ou
simplesmente não aparecer no dia marcado. Confira os mais comuns:

Esquecimento;
Falta de planejamento;
Falta de vontade;
Imprevistos na rotina;
Marcar com outro consultório.
Para poder entender como combater esse não comparecimento, precisamos saber o que
motivou essas ausências, e não tem como fazer isso se não for perguntando. Por isso, uma
ótima prática, a qual, vai ajudar a aumentar o índice de comparecimentos, é ligar para o
paciente após a falta e perguntar o que houve e se ele deseja marcar um novo dia essa
consulta.

Dependendo da resposta do paciente, dá para ter uma noção mais ou menos concisa do que
pode ser feito para evitar que esse tipo de situação aconteça novamente.

Confirme a consulta um dia antes


Um dos motivos mais comuns para faltas em um consultório odontológico é o esquecimento
da consulta. A vida cotidiana é muito corrida e nossa cabeça tem alguma dificuldade de gravar
algumas informações, devido ao alto fluxo de atividades que temos de fazer todos os dias.

Por isso, uma ótima estratégia por parte do consultório é ligar para o paciente um dia antes
para confirmar a consulta. De preferência, ligue de manhã para que o paciente tenha
oportunidade de negociar a ausência no trabalho caso tenha esquecido.

Além da ligação (que é preferível por ser mais pessoal), esse procedimento ainda pode ser
automatizado com a utilização de uma mensagem pelo aplicativo Whatsapp ou por meio de
um e-mail. Para isso, basta fazer um cadastro com o número de telefone ou e-mail dos
pacientes e utilizar um programa próprio que desenvolva esse tipo de trabalho.

Melhore a qualidade do atendimento


Pacientes podem não comparecer a um consultório odontológico por muitas razões, incluindo
uma simples e óbvia, mas que a maioria dos administradores nem cogitam: eles não querem.

Simples assim: talvez os pacientes não queiram se consultar no seu consultório. Eles podem
escolher outro dentista ou até mesmo deixar de se consultar se os problemas de atendimento
na sua clínica forem muito graves.

Problemas que afetam a qualidade do atendimento no local são os seguintes:

Demora muito grande para ser atendido;


Falta de simpatia no atendimento;
Dentista com pouca atenção ou preocupação pelo paciente;
Má qualidade do tratamento.
Se for esse o caso no seu consultório, invista em técnicas e treinamentos para garantir uma
maior qualidade de atendimento e, dessa forma, uma maior fidelização dos seus pacientes.

Para concluir, lembre-se sempre que a experiência do paciente envolvendo o seu consultório
odontológico, incluindo antes, durante e depois da consulta, é essencial para subir o índice de
comparecimentos.
Vou aprender sobre equipamentos e instrumentos odontológicos no curso online de Auxiliar
de Saúde Bucal (ASB)? 0
Compartilhar
300
Twittar
+1
Regulamentada desde 2008, a profissão de Auxiliar em Saúde Bucal requer uma formação
específica para a atuação na área. Como já vimos, além de estar dentro da lei, a certificação na
área dá ao profissional uma série de vantagens: reconhecimento, valorização, perspectivas de
crescimento, credibilidade, dele e do consultório onde atua, entre outras.

Os cursos disponíveis hoje em dia no mercado, no geral, possuem carga horária de 600 horas e
devem ser realizados em instituições de ensino reconhecidas pela Secretaria de Educação. Já
vimos que o reconhecimento e a credibilidade da escola onde o curso é oferecido é um item
muito importante na hora da sua escolha. Vimos também que os cursos oferecidos de forma
online também podem ser vantajosos para a quem deseja adentrar na profissão. Com o tempo
cada veze mais escasso, principalmente nas grandes cidades, o curso online de Auxiliar de
Saúde Bucal (ASB) é uma ótima alternativa para o seu aprendizado.

Mas afinal, o que se aprende no curso online de Auxiliar de Saúde Bucal? O profissional
aprenderá, por exemplo, sobre como manusear equipamentos e instrumentos odontológicos?
Confira o texto e tire suas dúvidas sobre o que se aprende no curso online de Auxiliar de Saúde
Bucal!

Competências do Auxiliar de Saúde Bucal


Basicamente, o Auxiliar de Saúde Bucal auxilia e ajuda o dentista no atendimento do
consultório. Compete ao Auxiliar em Saúde Bucal, organizar e executar atividades de higiene
bucal, processar radiografias, preparar os pacientes, manipular materiais de uso odontológico,
selecionar e preparar moldeiras e modelos em gesso, manipular e preparar instrumentos,
entre outros. Todas essas técnicas são ensinadas no curso online de Auxiliar de Saúde Bucal.

Responsabilidades que fazem parte da rotina do ASB


O profissional certificado com o curso online de Auxiliar de Saúde Bucal também deve registrar
dados e analisar informações relacionadas ao controle administrativo da clínica ou consultório
onde atua realizar limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização dos instrumentos
odontológicos utilizados, dentre outros equipamentos. No curso, o profissional vai aprender a
manusear todos os equipamentos.

Como atua diretamente no auxilio ao dentista ou cirurgião-dentista, o profissional que faz o


curso online de Auxiliar em Saúde Bucal deve estar familiarizado com os equipamentos e
instrumentos odontológicos. Esse profissional atuará diretamente com a organização, limpeza
e esterilização de todos os instrumentos odontológicos utilizados na clínica ou consultório
onde atua.

O contato com os instrumentos também acontece no curso online de Auxiliar de Saúde Bucal
O profissional formado no curso de Auxiliar de Saúde Bucal deve receber treinamento para
manipular todos os instrumentos odontológicos. Ele deve saber identificar toda a
instrumentária rapidamente, para ter agilidade na montagem de bandejas, de acordo com o
tratamento específico desenvolvido pelo dentista.

No curso online de Auxiliar de Saúde Bucal, o profissional terá uma carga horária obrigatória
presencial para que ele tenha contato com tais instrumentos. O aluno terá, obrigatoriamente,
horários e espaço para tirar dúvidas com professores e profissionais e, consequentemente, se
familiarizar com todo tipo de instrumento e equipamento utilizados nos mais diferentes tipos
de tratamento odontológicos.

Qual a faixa salarial de um auxiliar de saúde bucal? 0


Compartilhar
787
Twittar
+1
Na hora de escolher uma carreira, vários pensamentos passam por nossa mente. Por exemplo:
“será que vou gostar desse trabalho?” “Será que vou me destacar nele?” “Será que terei boas
possibilidades de crescimento?” E, claro… “Será que vou ganhar bem?”

Algumas dessas perguntas são muito pessoais e determinantes de nossas escolhas. Qualquer
que seja a sua motivação, se você tem vontade de se tornar um auxiliar de saúde bucal ou já é
um profissional da área e gostaria de avaliar se o seu salário está compatível ao mercado, você
já terá uma boa noção sobre remuneração de um ASB ao ler este post:

Quanto mais ou menos recebe um auxiliar de saúde bucal?

A faixa salarial de um auxiliar de saúde bucal pode variar bastante de estado para estado.
Porém, é totalmente seguro dizer que o valor mensal recebido por um profissional ASB no ano
de 2015 fica entre R$ 1000,00 e R$ 2500,00 na maioria das regiões do país. É claro que existe
variação entre os dentistas contratantes e os consultórios onde se vai trabalhar.

Por que existe variação entre os salários dos auxiliares de saúde bucal?

A variação acima é apenas uma estimativa. Mas é possível que o profissional auxiliar de saúde
bucal receba até mais do que isto – sobretudo se você tiver estudado bastante, portar a
certificação ASB e os registros junto aos conselhos regional e federal (CRO e CFO) que a
legislação pertinente lhe exige.

Além disso, outro fator responsável pela variação entre os salários dos auxiliares de saúde é a
localização em que se encontram. Assim como qualquer outra profissão, o piso e o teto salarial
é definido levando em conta fatores como o custo de vida local, o salário mínimo, dentre
outras questões.

Infelizmente, ainda há muitos auxiliares de saúde bucal que trabalham na informalidade. Eles
não são devidamente formados e não possuem certificação ou registro. Os profissionais nesta
condição em geral recebem salários mais baixos.

Por outro lado, aqueles que fizeram um curso ASB de qualidade e têm a certificação ABO,
sendo devidamente registrados no CFO e no CRO, se destacam bem mais no mercado de
trabalho. Eles não apenas possuem o currículo mais atraente, mas também um desempenho
melhor, pois estudaram mais e têm os conhecimentos necessários para exercer a profissão.
Esses auxiliares de saúde bucal diferenciados conquistam as vagas com faixa salarial mais alta,
obviamente, chegando a ganhar em alguns casos mais do que o teto padrão da profissão.

O que mais preciso saber além da faixa salarial de um ASB?

É claro que o salário que se vai receber pode ser uma motivação importante para escolher a
carreira, mas não basta saber qual é a faixa salarial de um auxiliar de saúde bucal. É preciso,
pelo menos, ter uma ideia de como você poderá se desenvolver nesta carreira no futuro. Esse
“plano de carreira” vai lhe dar mais segurança e motivação para trabalhar.

A maioria dos auxiliares de saúde bucal costuma realizar um curso específico para exercer a
função de Técnico em Saúde Bucal. Desempenhando o cargo, a faixa salarial média fica entre
R$ 1.500,00 e R$ 3.000,00 (salario de técnico). Depois de ser técnico, já que está há tanto
tempo imerso no mundo da Odontologia, nada o impede de ir para a faculdade e se tornar um
cirurgião-dentista! Já pensou nisto? Para aqueles que chegam a esse nível, a remuneração não
tem limites, podendo-se embolsar muito mais que R$ 8.000 de salário médio, sendo um
dentista contratado ou abrindo o próprio consultório.

Outro aspecto que vale ser mencionado é que certa parte dos auxiliares de saúde bucal
também muda de segmento, tornando-se mais tarde um Técnico de Enfermagem. No cargo, a
faixa salarial fica em torno de R$ 1.500,00 a R$ 3.000,00. O próximo passo neste caminho seria
se tornar um Enfermeiro, com salários que superam os R$ 3.000,00 mensais.

A carreira de auxiliar de saúde bucal tem muitas possibilidades de crescimento. Você poderá
atuar como um instrumentador cirúrgico, com a gestão de clínicas ou consultório, ampliando
seu mercado de trabalho – o que é muito importante é ter ganas de estudar, possibilitando
também o seu investimento na carreira profissional.

4 habilidades que todo auxiliar de saúde bucal deve desenvolver 0


Compartilhar
517
Twittar
+1
Você está em busca de um emprego para trabalhar como Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) e quer
saber de quais habilidades precisa? Para que você entenda melhor, esse profissional tem
autorização para atuar em hospitais, consultórios e clínicas odontológicas. E apesar de ser
auxiliar, ele possui funções extremamente importantes para o sucesso do atendimento ao
cliente odontológico.

Passar a tranquilidade necessária para os pacientes é um dos papéis do ASB. E, por isso, ter
características e habilidades na área interpessoal é importante, além de outras aptidões.
Confira, nesse artigo, quatro outras habilidades que todo auxiliar de saúde bucal deve
desenvolver!

Habilidade de organização
Das funções delegadas ao ASB, uma delas é manter o consultório organizado e limpo, além de
esterilizar as ferramentas utilizadas nos pacientes pelo dentista. No dia a dia, é preciso
também verificar a organização das revistas e jornais, checar os procedimentos que serão
realizados no dia e já deixar os instrumentos separados.

A verificação de detalhes, como se o banheiro e a recepção estão limpos e se não falta, por
exemplo, papel higiênico no toalete, toalha ou qualquer outro item do ambiente, também é
responsabilidade do ASB.

Ao ter habilidade de organização, dividindo bem o seu tempo e administrando bem tanto suas
tarefas quanto o ambiente, é possível desenvolver o melhor trabalho como ASB.

Habilidade interpessoal
Para ser um ótimo ASB, é necessária a facilidade de se relacionar e comunicar com as pessoas
e de saber trabalhar em equipe. Será muito frequente o contato com prestadores de serviço,
fornecedores e pacientes. Entre algumas funções realizadas no trabalho do ASB que exigem a
capacidade interpressoal, podemos citar:

Receber bem o paciente


Ao chegar ao consultório, fale com os pacientes, recebendo-os bem.

Atender ao telefone
É preciso capacidade comunicacional para saber atender bem ao telefone. Uma dica é
procurar não deixar que a ligação passe da terceira chamada e atender com o discurso padrão
adotado pelo consultório. Além disso, manter um tom de voz que seja agradável e que permita
ao paciente sentir-se à vontade para falar com você também diz respeito a uma habilidade
interpessoal a ser desenvolvida. É importante ainda chamá-lo pelo nome, ouvi-lo com atenção
e jamais ignorá-lo.

Habilidade de pesquisa
Outra habilidade que todo auxiliar de saúde bucal deve desenvolver é a capacidade de
produzir ações educacionais, promocionais e preventivas sobre saúde bucal. Por isso, um ASB
nunca deve se fechar para o conhecimento. Ele deve sempre buscar novas informações para os
pacientes, consultando antes o chefe do consultório – e essa é uma ótima forma de
desenvolver um trabalho eficiente.

Habilidade para lidar com imprevistos


Ao desempenhar as funções de ASB, saiba que você terá de lidar com emergências médicas.
Por isso, uma das habilidades que todo auxiliar de saúde bucal deve desenvolver é a
capacidade de lidar com imprevistos. Lembre-se de que, neste caso, você deve ficar atento aos
problemas que alguns pacientes podem apresentar, como hipertensão, alergia, problemas
cardiorrespiratórios ou ainda no sistema nervoso.

A habilidade de organização ajudará nessa etapa, uma vez que você deverá sempre ter à mão
o prontuário do paciente. Contudo, saber lidar com imprevistos é importante. Enquanto o
cirurgião-dentista estiver finalizando os procedimentos, fique de olho para observar qualquer
sinal de anormalidade na pessoa que está sendo atendida.

O auxiliar de saúde bucal é uma peça importante no consultório odontológico e, por esse
motivo, as características acima precisam ser desevolvidas para que ele consiga trabalhar com
ainda mais facilidade nesse ambiente.
Veja como o ASB pode ajudar o dentista a prestar um melhor atendimento a crianças
relutantes 0
Compartilhar
Twittar
+1
Os trabalhos mais delicados sempre envolvem o atendimento de pessoas, principalmente com
idosos e, claro, as crianças. Por não entenderem muito bem o que precisa ser feito em
consultas médicas e odontológicas, se mostram relutantes e podem ser um verdadeiro
pesadelo para os profissionais dessas áreas.

Os dentistas são os que mais sofrem, pois as crianças podem vir com uma visão errada do que
terão que enfrentar, já que seus pais podem falar coisas traumatizantes. Isso por conta de
experiências ruins, normalmente ocorridas durante a infância. E como contornar isso? O
Auxiliar de Saúde Bucal pode ser uma das soluções para dentistas que não sabem como lidar
com esse tipo de problema. Mas como?

Separamos alguns dos pontos em que o Auxiliar de Saúde Bucal pode ajudar a prestar um
melhor atendimento a crianças relutantes. Confira!

Meio de distração
Extrações de dentes, uso de aparelhos ortodônticos e obturações podem ser frequentes para
as crianças, já que ainda não estão acostumadas a cuidar de sua saúde bucal. Mas isso também
pode ser estressante, já que elas também não estão acostumadas a esses procedimentos.

O Auxiliar de Saúde Bucal pode se tornar uma distração no atendimento a crianças relutantes.
Enquanto o dentista trabalha, o auxiliar pode mostrar livros, ilustrações e até mesmo fazer
imitações para que a criança fique mais calma e não fique com medo do procedimento.

Claro, antes disso, o auxiliar pode conversar calmamente com a criança, explicando de maneira
simples de como será feito e que ele estará junto dela. Fazendo isso, a confiança da criança é
conquistada e qualquer tipo de procedimento será feito mais tranquilamente.

Ensinamentos sobre saúde bucal


Para adiantar um pouco o trabalho do dentista, o Auxiliar de Saúde Bucal pode explicar com
detalhes como se deve cuidar da saúde dos dentes para crianças e seus pais. Aproveitando que
as crianças ficam animadas com atividades que envolvem brincadeiras, o auxiliar pode
desenvolver um teatrinho contando como a boa escovação e cuidado com os dentes pode
melhorar a vida daquela criança.

Esse método também é uma ótima oportunidade para conquistar a confiança dos pequenos e
fazer com que eles se sintam a vontade dentro do consultório.

Conversas com os pais


Para complementar as orientações dadas pelo dentista, o Auxiliar de Saúde Bucal pode dar
algumas dicas de como influenciar as crianças a cuidarem de seus dentes. Ensinando
teatrinhos, criando músicas e mostrando em como os dentes ficarão caso sejam bem cuidados,
podem ser ótimas maneiras de incentivo.

Assim, os pais também terão mais confiança em levar seus filhos para o consultório do
dentista, já que contarão com o apoio de um profissional tão importante quanto o Auxiliar de
Saúde Bucal.

Então, o que achou dessas dicas para prestar um melhor atendimento a crianças relutantes?
Além desses pontos, o Auxiliar de Saúde Bucal pode fazer muito mais para ajudar nessas
situações. Você teria alguma outra dica? Deixe seu comentário, compartilhe suas ideias com a
gente e os outros leitores! Aproveite esse espaço para uma troca de experiências e
esclarecimento de dúvidas.

5 coisas que somente um curso de Auxílio em Instrumentação Cirúrgica em Odontologia pode


ensinar a um ASB 0
Compartilhar
5
Twittar
+1
Ao escolher a área de saúde bucal para a sua profissão, algumas coisas devem ficar bem claras.
A primeira delas, é que o trabalho de um técnico em saúde bucal não é igual a de um auxiliar
em saúde bucal. A segunda é que existem cursos específicos para cada uma das áreas
envolvidas na área de saúde bucal e é preciso fazer cada uma delas dependendo do que você
deseja trabalhar.

Curso de Auxílio em Instrumentação Cirúrgica em Odontologia


Um dos cursos que um ASB pode fazer é o de Auxílio em Instrumentação Cirúrgica em
Odontologia. Esse curso é muito mais detalhado do que a formação básica do auxiliar. Ficou
curioso em saber o que esse curso de Auxílio em Instrumentação Cirúrgica em Odontologia
pode agregar a um profissional da área? Confira alguns dos motivos abaixo.

Capacitação para cirurgias


A partir do momento em que um auxiliar de saúde bucal tem a certificação do curso de Auxílio
em Instrumentação Cirúrgica em Odontologia, ele pode seguir para essa área. Ele deverá
auxiliar o cirurgião-dentista no momento do procedimento, separando os utensílios
necessários para cada paciente e garantindo a assepsia do local.

Esse tipo de curso prepara o auxiliar para cirurgias mais complexas, como as de lábio leporino
por exemplo. O auxiliar poderá trabalhar em consultórios, hospitais, clínicas cirúrgicas e UPAs
(Unidade de Pronto Atendimento).

Diferenciação e manutenção de utensílios


O ASB terá uma noção maior dos utensílios utilizados durante uma cirurgia ao realizar o curso
de Auxílio em Instrumentação Cirúrgica em Odontologia e como poderá ajudar o dentista em
momentos de emergência, trazendo maior segurança para os pacientes.

Além disso, é de responsabilidade do auxiliar de saúde bucal a conservação e manutenção dos


equipamentos cirúrgicos. É ele quem deve deixar todos os utensílios prontos para a cirurgia e
garantir que todos sejam recolhidos ao final. Seu papel é essencial e estratégico, já que ele,
mais do que ninguém poderá auxiliar o dentista em todos os momentos da cirurgia.

Atenção e tensão
Esse curso de Auxílio em Instrumentação Cirúrgica em Odontologia é ótimo para profissionais
ASB com maior atenção e foco, já que ele é submetido a pressão durante o procedimento
cirúrgico e é preciso ter raciocínio rápido.

Noções de pós operatório


O ASB que tem a certificação do curso de Auxílio em Instrumentação Cirúrgica em Odontologia
também fica responsável por verificar os pacientes e garantir que não tenha problemas
durante o pós-operatório. O profissional irá verificar antes do dentista se não há complicações
e se tudo está dentro do planejado.

Apesar de não poder atender de forma autônoma, já que precisa da supervisão de um técnico
em saúde bucal e de um dentista, o auxiliar pode fazer pequenas intervenções para ajudar no
procedimento cirúrgico e no pós-cirurgico.

Trabalho em um ambiente diferenciado


O ASB que entrar no curso de Auxílio em Instrumentação Cirúrgica em Odontologia não ficará
preso a um ambiente de trabalho de consultório. Ele será inserido dentro do ambiente de
hospitais e pronto atendimentos, onde a dinâmica de trabalho é mais intensa e mais
complexa.
Ele será submetido a situações únicas e de tensão, por vezes. Portanto, o ASB deve ter
consciência desse ambiente tão agitado e aprender a lidar com situações emergenciais.
O que é melhor ser: ASB ou instrumentador cirúrgico em odontologia? 0
Compartilhar
437
Twittar
+1
Curso ASB O que é melhor ser ASB ou instrumentador cirúrgico em odontologia

O Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) é responsável por diversas funções nos consultórios e clínicas
odontológicas. Estes profissionais atuam desde o acolhimento dos pacientes, até a
higienização e esterilização dos materiais utilizados durante sua consulta.

O ASB é o braço direito dos dentistas. Este profissional, de posse de sua certificação pelo
Conselho Federal de Odontologia (CFO) através da carteira profissional expedida pelo
Conselho Regional de Odontologia (CRO), está apto a auxiliar o dentista que realiza
procedimentos cirúrgicos em ambientes hospitalares.

Já o instrumentador cirúrgico em odontologia atua com a paramentação do campo cirúrgico.


Esta pode ser nos ambientes das clínicas e consultórios com procedimentos mais simples,
como extrações dentárias e implantes, ou nos centros cirúrgicos em intervenções de urgência
e emergência, por exemplo, como em cirurgias buco-maxilares.

O instrumentador cirúrgico em odontologia pode atuar somente em clínicas. Hoje há muitas


especializadas em implantes, por exemplo, que necessitam destes profissionais em tempo
integral em suas equipes.

Mas afinal, o que é melhor? Seguir carreira como Auxiliar de Saúde Bucal ou optar pela
instrumentação cirúrgica voltada para odontologia. Esta pergunta não é muito simples de se
responder. Mas para ajudá-los vamos esclarecer algumas questões que podem facilitar a
tomada de decisão. Vamos lá!

As duas carreiras necessitam de cursos específicos


Para seguir carreira como ASB ou como instrumentador cirúrgico em odontologia é necessário
o profissional passar por qualificações. O Auxiliar deve contar com certificado de curso com
pelo menos 400 horas de carga horária e também realizar um estágio supervisionado para
concluí-lo.

Já para o instrumentador, há diversas opções de se formar na área. Há cursos mais ou menos


completos. O profissional deve se decidir em qual área quer atuar e escolher a melhor opção
para sua formação. Para atuar na instrumentação não é necessária a realização de estágio
supervisionado.

Profissões podem ser complementares


Caso o profissional conte com as duas formações ele pode atuar concomitantemente como
ASB e como instrumentador cirúrgico em odontologia. Isso porque a instrumentação pode ser
realizada como complemento de renda do profissional da odontologia.

Pode-se atuar como ASB de um dentista que realize esporadicamente procedimentos


cirúrgicos o auxiliando também nesta função. Desta maneira, o cirurgião não necessitaria
contratar um profissional instrumentador distinto.
Outra opção é ser instrumentador cirúrgico em odontologia nas horas vagas. Cirurgias
odontológicas também ocorrem sem hora marcada, no caso de urgências e emergências. O
profissional pode atuar em plantões e receber conforme o número de intervenções que
participou.

Instrumentador cirúrgico em odontologia deve estar apto atuar em ambientes hospitalares


Não é qualquer profissional que pode atuar durante procedimentos cirúrgicos realizados nos
ambientes hospitalares. Ele deve ter formação específica para integrar as equipes no centro
cirúrgico. Por este motivo é que o público que mais procura pelo Curso de Formação no Auxílio
à Instrumentação Cirúrgica são profissionais que já atuam na saúde.

Auxiliar de Saúde Bucal (ASB), Técnico de Saúde Bucal (TSB), e Auxiliares e Técnicos de
Enfermagem. Todos estes podem integrar as equipes dos centros cirúrgicos. Portanto realizam
a formação de instrumentador cirúrgico em odontologia já aptos para atuar nestes locais.

O que faz o Auxiliar de Saúde Bucal antes, durante e depois da consulta? 0


Compartilhar
146
Twittar
+1
auxiliar de saúde bucalSob supervisão de um dentista, o Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) trabalha
na promoção, na prevenção e na recuperação da saúde bucal. A profissão é regulamentada
pela Lei 11.889/2008 e exige registro junto ao Conselho Regional de Odontologia (CRO). Para
ter a inscrição, é preciso fazer o curso de Auxiliar em Saúde Bucal.

E depois de formado no curso, o que, na prática, faz um ASB? Veja algumas atividades
desempenhadas pelos profissionais antes, durante e depois de uma consulta odontológica:

Antes: acolhimento e preparação do paciente é função do auxiliar de saúde bucal


O Auxiliar de Saúde Bucal acolhe e prepara o paciente assim que ele chega ao consultório.
Coletar um breve histórico para que o dentista saiba o que o espera é fundamental. O ASB
deve sempre ouvir os medos e anotar as dúvidas do paciente!

As necessidades de quem procura um tratamento de canal são diferentes das do paciente que
pretende alinhar o sorriso com um aparelho ortodôntico, por exemplo. E essas especificidades
podem ser facilmente descobertas em um bate-papo entre o Auxiliar de Saúde Bucal e o
paciente.

Toda essa preparação antes da consulta otimiza o tempo do dentista. Também deixa o
atendimento mais dinâmico e pessoal.

Durante: auxílio ao dentista nas consultas e nos procedimentos


O ASB também auxilia (e muito!) o dentista durante a consulta. Fazer o molde da arcada
dentária do paciente é só um dos exemplos de procedimentos que podem ser feitos pelo
profissional.

Em geral, durante o atendimento odontológico, o Auxiliar de Saúde Bucal ajuda o paciente em


atividades de higiene bucal; auxilia e instrumenta o dentista nas intervenções clínicas; e
também manipula materiais de uso odontológico sempre que necessário.

Depois: assistência na gestão do consultório


O trabalho do ASB não termina quando a consulta do paciente acaba! Agora, é hora de dar
uma assistência na gestão do consultório.

Um jeito de ajudar é organizando os arquivos dos pacientes. Manter os dados atualizados


colabora na administração do consultório e também facilita o trabalho do dentista.

Depois da consulta, o profissional também fica responsável por medidas de biossegurança no


armazenamento, no transporte, no manuseio e no descarte de produtos usados na consulta.

O Auxiliar de Saúde Bucal ainda investe em ações para evitar infecções na clínica. É
importantíssimo minimizar os riscos de contaminação do paciente e de quem trabalha no
local.
A importância do auxiliar de dentista no controle de infecção 0
Compartilhar
710
Twittar
+1
Curso-ASB-A-importancia-do-auxiliar-de-dentista-no-controle-de-infeccao

O consultório dentário é um local propício para diversos tipos de infecção e problemas com
higiene. Isto porque a dinâmica dos tratamentos acabam facilitando esta problemática, e pode
acabar levando a sérios problemas de saúde não só para os demais pacientes, mas também
para o cirurgião-dentista e para seu auxiliar.

O auxiliar de dentista tem um papel interessante na profilaxia de infecções no seu ambiente de


trabalho, ajudando a prevenir doenças e infecções cruzadas, como catapora, conjutivite
herpética, herpes simples, herpes zoster, mononucleose, sarampo, rubéola, pneumonia, HIV,
tuberculose e hepatite tipo B e C, que podem causar sérios prejuízos à saúde de forma
permanente.

Confira qual a contribuição do auxiliar de dentista na prevenção destes problemas e saiba


como você pode ajudar com isto em sua rotina de trabalho.

Como surgem as infecções no consultório?


Os tratamentos odontológicos fazem intervenções sérias no organismo do paciente. Até
mesmo durante uma simples limpeza, é possível contaminar o consultório e equipamentos
com a saliva e o sangue de quem o cirurgião está atendendo. Estas secreções atingem não só
os equipamentos com os quais o profissional está trabalhando, mas também o próprio
dentista e no próprio consultório, já que a saliva com sangue pode espirrar para os mais
diversos lugares.

Tanto a saliva quanto o sangue são veículos condutores das mais variadas doenças, das mais
simples como uma gripe ou resfriado até as mais severas, como hepatite e HIV. Alguns dos
vírus e bactérias que causam estes problemas podem sobreviver horas fora de um hospedeiro,
de forma que se torna fácil causar uma infecção cruzada. Por isto o trabalho de profilaxia é
essencial para evitar sérios prejuízos a saúde de todos os envolvidos.

Descarte do lixo hospitalar


É função do auxiliar de dentista fazer o descarte correto do lixo do consultório. Lembre-se que
ele é considerado lixo hospitalar e, por isto, deve ser tratado de forma diferente do comum.
Agulhas, seringas, equipamentos descartáveis, algodões, luvas, guardanapos e todo
equipamento que contenha algum tipo de secreção do paciente se enquadram como
hospitalar. Lembre-se do que você aprendeu em seu curso de Auxiliar em Saúde Bucal e cuide
para que não ocorra nenhum problema.

Esterilização dos instrumentos: principal atuação do auxiliar de dentista


O auxiliar de dentista é responsável pela esterilização dos instrumentos utilizados nos
tratamentos dos pacientes. Este cuidado é imprescindível para que germes, bactérias e vírus
alocados nos equipamentos usados sejam mortos devido à alta temperatura da estufa. Ao
terminar o atendimento a cada paciente, o auxiliar deve separar o que foi utilizado, de forma
que seja lavado e, posteriormente, esterilizado. Tenha um esquema para que não sejam
confundidos os equipamentos que já foram lavados e que precisam ser esterilizados dos
demais.

Também é função do auxiliar de dentista retirar o equipamento da estufa para o atendimento.


Lembre-se de fazer isto apenas no início da consulta e na frente do paciente, para que ele
possa se certificar de que os procedimentos estão corretos.

Limpeza do ambiente de trabalho


A limpeza do consultório também é de responsabilidade do auxiliar de dentista. Ele deve fazer
todo o trabalho de assepsia e desinfecção das áreas comuns do consultório. Como falamos
anteriormente, durante o tratamento, a saliva e sangue podem cair no chão do local,
permitindo problemas com infecção cruzada. Lave também os óculos utilizados para que todos
tenham a área dos olhos protegida.
Como o ASB deve guardar os documentos dos pacientes 0
Compartilhar
40
Twittar
+1
Auxiliar de saúde bucal organiza a documentação de paciente. Documentos não faltam nos
consultórios e clínicas odontológicas. A cada novo paciente, novas fichas, novos exames, novas
prescrições. E todos eles devem estar devidamente armazenados para que os dentistas
tenham sempre em mãos o histórico de seus clientes.

Além disso, todos esses documentos devem fazer parte do prontuário odontológico que,
mesmo após o término do tratamento do paciente, deve ser guardado por um período mínimo
de cinco anos. O que beneficia o próprio profissional no caso de um novo atendimento.

O retorno do paciente está sendo cada vez mais valorizado pelos profissionais, que buscam a
fidelização dos clientes. O prontuário odontológico também poderá ser requerido a qualquer
momento pelos pacientes – dentro do período estipulado, para tirar alguma dúvida.

Nas clínicas e consultórios odontológicos, o profissional responsável pela organização e


armazenamento de todos estes documentos é o Auxiliar de Saúde Bucal (ASB). Neste artigo
preparamos algumas dicas para que ASB possa guardar os documentos dos pacientes e facilitar
o trabalho dentro das clínicas. Acompanhe:

1. Local adequado para arquivo


Em consultórios odontológicos menores, ainda é comum que o prontuário odontológico seja
guardado em pastas, contendo vários papéis. Mas isso requer bastante organização para o ASB
guardar os documentos dos pacientes. Perder um exame? Nem pensar.

Nestes casos, é importante que o Auxiliar de Saúde Bucal mantenha somente um local
específico para o armazenamento de pastas, como um armário de arquivo, por exemplo. As
pastas devem ser divididas por pacientes para facilitar buscas posteriores, de preferência por
ordem alfabética.

2. Organização diária
Já pensou chegar um paciente e o ASB correr procurar sua ficha de anamnese e prescrições?
Não vai pegar bem e isso pode até prejudicar a conquista da fidelidade do cliente. Portanto, o
ASB deve ainda organizar os documentos diariamente, deixando-os separados para estarem
nas mãos do dentista na hora de receber o paciente.

3. Digitalização
Em casos de consultórios maiores, ou clínicas odontológicas que contam com mais
profissionais, o armazenamento de papéis é um desafio muito grande. Isso porque ele pode
comprometer o espaço físico utilizado para o empreendimento, pelo número de documentos.

Por isso, dentistas estão dando preferência pela digitalização dos documentos odontológicos.
Para os exames, o processo fica até facilitado, já que muitos inclusive já contam com
resultados na hora por meio do computador. Basta armazená-los adequadamente. Aqui a dica
também é criar pastas com o nome dos pacientes.

Para os demais documentos e prescrições que necessitam de assinaturas, a digitalização se faz


necessária. Em um primeiro momento gerará um novo trabalho para o Auxiliar, mas facilitará e
muito o processo do ASB guardar documentos dos pacientes, e depois encontrá-lo.

No entanto, esse procedimento deve ser feito com calma e critério. Cada documento deve ser
nomeado adequadamente para que não haja confusão posterior. Em casos de esquecimentos
ao salvar, algum documento importante pode ficar perdido em meio a tantos outros.

4. Utilização de softwares pode facilitar armazenamento e busca


A digitalização de documentos também pode ser substituída nos casos de consultórios e
clínicas odontológicas utilizarem algum tipo de software de gestão. Alguns deles geram os
documentos virtualmente, facilitando assim o processo do ASB guardar os documentos dos
pacientes.

Como vimos é muito importante o ASB guardar os documentos dos pacientes com critérios
específicos e de forma organizada. Vale lembrar que ao armazená-los em computadores e
também virtualmente, a segurança é aumentada, já que documentos físicos podem ser mais
facilmente avariados.

Antes do atendimento odontológico: Quais as 4 principais informações que o ASB precisa ter?
0
Compartilhar
131
Twittar
+1
antes do atendimento odontológico

O Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) é importante em todas as etapas do atendimento


odontológico. Do pré ao pós-atendimento ele exerce funções essenciais, seja nas clínicas e
consultórios odontológicos ou durante as intervenções ao lado do cirurgião dentista.

Neste artigo vamos falar sobre a atuação do ASB nos consultórios e clínicas dentárias, durante
as consultas de rotina ou durante os tratamentos. Esse profissional tem uma série de
atividades que devem ser feitas antes do atendimento odontológico. Vamos enumerar
algumas delas:

1. Agendamento e confirmação de consultas


Pode parecer uma função simples, mas ela é essencial para o bom funcionamento dos
consultórios odontológicos. Essa simples atividade de agendamento e confirmação de
consultas pode diminuir e muito o número de faltas de pacientes.

Isso porque com a rotina diária cada vez mais intensa, os pacientes acabam se esquecendo de
seus horários fora de suas atividades comuns. A confirmação no dia anterior por ligação
telefônica ou até mesmo por mensagens pode ser uma boa estratégia.

Caso no consultório haja uma equipe maior, com a presença de um profissional do


secretariado, essa pode ser a função do secretário. Mas em muitas clínicas, com menos
profissionais atuando, o Auxiliar de Saúde Bucal pode e realiza atividades conjuntas de
secretariado – o agendamento e a confirmação de consultas é uma das atividades feitas antes
do atendimento odontológico.

2. Anamnese do paciente antes do atendimento odontológico


Na primeira consulta de determinado paciente, os cuidados que o ASB deve tomar são
redobrados. Isso porque antes do atendimento odontológico, o profissional deve contar com
todas as informações do paciente. Além das básicas – como o porquê da busca pela consulta,
nome completo, endereço e telefone -, há ainda as informações de saúde.

Isso faz parte da ficha de anamnese dos pacientes. Histórico bucal, problemas de saúde, além
do uso de medicamentos, devem estar dentre as informações contidas nessa ficha. Essas
informações são essenciais para que o dentista, independente de sua especialidade, atenda da
melhor maneira possível, e sem riscos, os pacientes.

Há de se destacar que algumas doenças, como diabetes e o câncer, por exemplo, podem
alterar o atendimento odontológico. Portanto os dentistas devem conter todas essas
informações.

3. O ASB deve esclarecer dúvidas do paciente


Antes do atendimento odontológico, caso o paciente conte com qualquer dúvida sobre sua
consulta ou tratamento, cabe ao Auxiliar de Saúde Bucal o esclarecimento. Ele é o profissional
mais indicado para isso, já que conta com ampla experiência no contato com os pacientes e
tratamentos dentários, já que atua ao lado dos dentistas.

Esse amplo conhecimento, além das funções do dia a dia, é aprendido pelos ASB’s durante a
realização dos cursos de formação, obrigatórios para a obtenção do certificado e da carteira
profissional obtida junto aos Conselhos Regionais de Odontologia (CRO’s).

4. Preparo dos materiais a serem utilizados


O preparo de todos os materiais que serão utilizados pelo dentista também é função do ASB
antes do atendimento odontológico. Os equipamentos devem estar previamente higienizados
e esterilizados, mas essa é função que o auxiliar realiza logo após os atendimentos.

Para o preparo dos materiais, o ASB deve ter conhecimento prévio do tratamento que será
realizado pelo paciente. Com todas as informações prévias, além do frequente
acompanhamento do dentista, o auxiliar terá esse conhecimento.
3 dicas para conciliar as tarefas de ASB com secretariado 0
Compartilhar
190
Twittar
+1
Curso ASB 3 dicas para conciliar as tarefas de ASB com secretariado

É comum o trabalho de um Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) ser confundido com o de um


secretário de clínicas ou consultórios odontológicos. Até pouco tempo, antes da
regulamentação das profissões do ASB e do Técnico de Saúde Bucal (TSB) em 2009, era mais
comum verificar o ASB também realizando as funções de secretariado.

Hoje, já é menor o número de profissionais que atuam nas duas funções. Geralmente há
profissionais diferentes atuando na recepção do consultório e no auxílio ao dentista. Mas
ainda há locais, principalmente em consultórios menores, de cidades pequenas ou de bairros,
que não conseguem contratar mais de um profissional, e dentre as tarefas de ASB fica também
a de secretariado.

Isso ocorre porque muitas das tarefas de ASB se confundem com a de secretariado, e podem
sim ser realizadas pelos auxiliares. Entre as funções do ASB, conforme lei que regulamentou a
profissão, estão o registro de dados das informações dos pacientes e a realização do
acolhimento do paciente nos serviços de saúde bucal.

Está certo que as tarefas de secretariado vão além do registro e do acolhimento. E como
conciliar estas tarefas se já atua como ASB em um consultório? A seguir vamos lhe dar algumas
dicas para realizar as tarefas da melhor maneira possível.

Agendamento em horários vagos


Os consultórios e clínicas odontológicas devem ter em conta a importância do agendamento
de consultas. Nada de conflitos de horários. Assim como os profissionais enfrentam ‘correrias’
no seu dia a dia, os pacientes, com certeza também. Se o agendamento de consultas está
entre as tarefas de ASB aproveite os horários vagos da clínica para confirmá-las ou agendá-las.

As clínicas não sobrevivem somente das pessoas que buscam por elas mesmas os tratamentos
e as visitas periódicas. Passado seis meses de uma consulta, o ASB pode ligar novamente para
o paciente para marcar uma visita.

O ASB pode usar em seu favor esta função de agendamento. Como é ele o responsável pelas
fichas e o pré-atendimento, uma ‘conversa’ com o paciente ao telefone pode firmar a relação
de confiança com os serviços da clínica. Certamente este paciente não trocará de dentista.

Na hora do agendamento, tenha em mãos as fichas dos clientes para lembrar-se das
particularidades de cada um.

Dúvidas de pacientes
Na hora de atender pacientes com dúvidas, nada melhor do que um ASB para responder. Este
profissional foi capacitado para auxiliar e conhece todos os procedimentos realizados em sua
clínica e como o dentista atua. Esta pode e deve ser uma das tarefas de ASB.

Controles financeiros de clínicas como tarefas de ASB


Caso o controle financeiro do local de trabalho esteja dentre as tarefas de ASB procure
conversar com o dentista para que você tenha um horário especialmente para realizá-lo. Com
uma rotina intensa de trabalho como auxiliar, realizando desde o pré até o pós-atendimento
dos pacientes, fica difícil controlar tudo, ainda mais se tratando de dinheiro.

Este trabalho pode até ser realizado em conjunto com o dentista. Após o ASB ter realizado o
controle semanal, por exemplo, tire um horário para manter o dentista em dia da situação e
não ficar dúvidas quanto ao fluxo.

Neste post demos algumas dicas de como conciliar as tarefas de ASB com as de secretariado.
Com um serviço exemplar, o Auxiliar pode até tirar vantagem desta ‘dupla’ atuação. Clientes
satisfeitos e mais serviços para a clínica. Com certeza o seu chefe irá aprovar!
Os 3 erros mais comuns em biossegurança 0
Compartilhar
276
Twittar
+1
Curso-ASB-Os-3-erros-mais-comuns-em-biosseguranca

Em qualquer área, a qual, se utilize de produtos e agentes químicos para a realização de algum
serviço, sempre há uma grande preocupação quanto a dosagens, procedimentos e medidas de
segurança desse produto.

Afinal, o que diferencia a eficácia do fracasso de medicamentos e químicas pode ser apenas a
quantidade utilizada. Neste sentido, a biossegurança é uma série de medidas e prevenções
utilizadas para controlar os danos e os malefícios que produtos químicos podem trazer para a
saúde do paciente, seja ela física ou mental, e também para preservar a biodiversidade e
natureza do planeta.

Principalmente os profissionais que cuidam da saúde, como o auxiliar de saúde bucal, por
exemplo, necessitam ter cuidado redobrado neste sentido. Qualquer erro pode significar a
piora no quadro do paciente, sendo desde de problemas reversíveis até estágios mais graves
que colocam em risco a vida do paciente. Profissionais que atuam com outras funções para
produtos químicos devem ter grande atenção também para a biossegurança, tendo em vista a
importância desse trabalho.

Deixar os procedimentos caírem na rotina é um risco alto para a biossegurança


Embora o uso de agentes químicos e a realização de procedimentos de segurança façam parte
da rotina, muitas vezes a repetição das ações referentes a este ponto podem se tornar
automáticas, isso traz um excesso de confiança e consequentemente uma falta de atenção, o
que pode fazer com que erros aconteçam e a biossegurança entra em risco.

Por isso, por mais longo que seja o tempo de profissão e prática, as atitudes e medidas de
prevenção não devem ser negligenciadas. Se adicionarmos a correria diária então, as chances
de erros em função desta falta de atenção aumentam. O segredo é nunca pensar que tem
domínio grande o bastante para agir sem pensar ou planejar.

Negligenciar as condições de armazenamento


Atentar as condições de armazenamento de medicamentos e produtos químicos é uma das
atitudes mais importantes dentro da biossegurança. Problemas neste sentido podem tornar o
produto prejudicial à saúde e até mesmo destruir o efeito do produto, tornando-o insuficiente
ou inutilizável.
Neste sentido, ainda há o problema financeiro. Afinal, na grande maioria das vezes, os
produtos químicos são separados por lote, e são armazenados em conjunto. Se acontecer
algum erro neste armazenamento, como temperatura, por exemplo, esse conjunto de
produtos químicos são afetados, obrigando a eliminação de todos eles. Como o investimento
neste sentido nunca é baixo, o prejuízo financeiro é extremamente alto na grande maioria das
vezes.

Deixar de ler as recomendações de novos produtos químicos


A biossegurança sofre quando novas versões de produtos anteriores chegam até a mão de
alguns profissionais, pois estes acreditam que a nova fórmula funciona de forma semelhante
ou totalmente igual a antiga. Este engano pode causar grandes problemas e realmente botar
em risco a vida de muitas pessoas, principalmente crianças e idosos.

As recomendações, ou a famosa “bula”, devem ser analisadas e estudadas cuidadosamente, a


cada nova fórmula oferecida do medicamento, e também vale muito o esforço de ler
novamente as recomendações de produtos químicos de tempo em tempo, afinal, a memória
pode falhar e até o mais simples dos medicamentos possui chance de erro em sua aplicação.

5 dicas para o ASB manter a organização nos consultórios odontológicos 0


Compartilhar
188
Twittar
+1
ASB manter a organização

Organização de consultas, de estoque, de equipamentos e instrumentos, dos documentos dos


pacientes, das contas a pagar e dos valores das consultas e tratamentos a receber. A rotina de
um auxiliar de Saúde Bucal (ASB) pode ser bem intensa se ele é o responsável por todas estas
tarefas em um consultórios odontológico. E geralmente é.

Consultórios pequenos, em que o ASB atua como auxiliar e também como secretário, todas as
tarefas citadas acima estão entre as atividades diárias deste profissional da saúde bucal. Nos
maiores, as funções financeiras podem ser desempenhadas por outro profissional, ou então
pelo próprio cirurgião dentista, mas as demais ainda serão do Auxiliar.

Portanto é dever do ASB manter a organização nos consultórios odontológicos. A organização


deve ser a palavra chave para todos os processos que fazem parte da rotina do profissional. Se
o ASB não se pautar nela, haverá sérios riscos dele comprometer todo o funcionamento do
consultório odontológico.

Na maioria dos casos, o Auxiliar de Saúde Bucal é contratado justamente para cuidar de quase
todos os processos das clínicas e consultórios odontológicos. E, pensando em melhorar o
andamento e otimizar o atendimento do cirurgião dentista.

Para que este profissional não venha a se assustar com a rotina e prestar serviços aquém do
esperado pelos dentistas, preparamos este artigo com dicas para o ASB manter a organização
aonde ele estiver atuando. Acompanhe:

Organização do estoque deve ter frequência estabelecida


Para que o ASB consiga manter a organização do estoque em dia ele deve estabelecer uma
frequência. Diária, semanal, a cada três dias. Isso não importa. Cada consultório odontológico
conta com sua própria rotina de atendimento, portanto, a frequência deve ser estabelecida
conforme cada realidade.

Mas é importante ressaltar que o ASB manter a organização do estoque é imprescindível para
o bom andamento dos serviços do dentista. Não será nada agradável se ao meio de uma
obturação, o Auxiliar informar ao dentista que acabou a resina do estoque…

ASB deve manter a organização da agenda de consultas


O bom funcionamento de um consultório odontológico depende inteiramente dos pacientes
que o cirurgião dentista irá atender. Então o ASB deve prezar por manter a agenda de
consultas bem organizada.

Em um mundo em que as pessoas convivem com a pressa, os atrasos nos atendimentos não
são recomendados. Portanto o ASB manter a organização da agenda do cirurgião dentista é
essencial.

Uma dica é intervalar as consultas com um tempo pré-estabelecido, já que pode ser que
aconteçam intercorrências entre elas. Assim, o cirurgião dentista consegue resolve-las sem
que, para isso, necessite atrasar o atendimento de seu próximo paciente.

Manutenção de equipamentos e instrumentos odontológicos


São diversos os equipamentos e instrumentos utilizados no dia a dia de um consultório
odontológico. Eles devem estar bem acondicionados e separados para garantir a segurança
destes locais e dos pacientes.

No caso do consultório não contar com um instrumentador cirúrgico odontológico, será o


Auxiliar de Saúde Bucal o responsável por eles. Uma dica para o ASB manter a organização
destes materiais é a separação por uso (rotina ou tratamentos), e também quanto a sua
higienização.

Softwares para ASB manter a organização da documentação dos pacientes


Geralmente o prontuário odontológico conta com inúmeros documentos de pacientes. Ficha
de anamsese, raio x, exames, termo para tratamentos, enfim há inúmeros deles.

Há pouco tempo, todos esses documentos enchiam os arquivos dos consultórios


odontológicos. Hoje eles podem ser todos armazenados em um único computador. E para o
ASB manter a organização de todos os documentos, há inúmeros softwares sendo utilizados na
área odontológica.

Organização financeira
Todas as demais funções acima fazem parte do dia a dia do ASB. Caso caiba a ele também a
organização financeira, a dica é que haja uma boa conversa com o cirurgião dentista. Será ele
que estabelecerá a melhor forma do ASB manter a organização do dinheiro de seu
empreendimento.
Vou aprender sobre equipamentos e instrumentos odontológicos no curso online de Auxiliar
de Saúde Bucal (ASB)? 0
Compartilhar
300
Twittar
+1
Regulamentada desde 2008, a profissão de Auxiliar em Saúde Bucal requer uma formação
específica para a atuação na área. Como já vimos, além de estar dentro da lei, a certificação na
área dá ao profissional uma série de vantagens: reconhecimento, valorização, perspectivas de
crescimento, credibilidade, dele e do consultório onde atua, entre outras.

Os cursos disponíveis hoje em dia no mercado, no geral, possuem carga horária de 600 horas e
devem ser realizados em instituições de ensino reconhecidas pela Secretaria de Educação. Já
vimos que o reconhecimento e a credibilidade da escola onde o curso é oferecido é um item
muito importante na hora da sua escolha. Vimos também que os cursos oferecidos de forma
online também podem ser vantajosos para a quem deseja adentrar na profissão. Com o tempo
cada veze mais escasso, principalmente nas grandes cidades, o curso online de Auxiliar de
Saúde Bucal (ASB) é uma ótima alternativa para o seu aprendizado.

Mas afinal, o que se aprende no curso online de Auxiliar de Saúde Bucal? O profissional
aprenderá, por exemplo, sobre como manusear equipamentos e instrumentos odontológicos?
Confira o texto e tire suas dúvidas sobre o que se aprende no curso online de Auxiliar de Saúde
Bucal!

Competências do Auxiliar de Saúde Bucal


Basicamente, o Auxiliar de Saúde Bucal auxilia e ajuda o dentista no atendimento do
consultório. Compete ao Auxiliar em Saúde Bucal, organizar e executar atividades de higiene
bucal, processar radiografias, preparar os pacientes, manipular materiais de uso odontológico,
selecionar e preparar moldeiras e modelos em gesso, manipular e preparar instrumentos,
entre outros. Todas essas técnicas são ensinadas no curso online de Auxiliar de Saúde Bucal.

Responsabilidades que fazem parte da rotina do ASB


O profissional certificado com o curso online de Auxiliar de Saúde Bucal também deve registrar
dados e analisar informações relacionadas ao controle administrativo da clínica ou consultório
onde atua realizar limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização dos instrumentos
odontológicos utilizados, dentre outros equipamentos. No curso, o profissional vai aprender a
manusear todos os equipamentos.

Como atua diretamente no auxilio ao dentista ou cirurgião-dentista, o profissional que faz o


curso online de Auxiliar em Saúde Bucal deve estar familiarizado com os equipamentos e
instrumentos odontológicos. Esse profissional atuará diretamente com a organização, limpeza
e esterilização de todos os instrumentos odontológicos utilizados na clínica ou consultório
onde atua.

O contato com os instrumentos também acontece no curso online de Auxiliar de Saúde Bucal
O profissional formado no curso de Auxiliar de Saúde Bucal deve receber treinamento para
manipular todos os instrumentos odontológicos. Ele deve saber identificar toda a
instrumentária rapidamente, para ter agilidade na montagem de bandejas, de acordo com o
tratamento específico desenvolvido pelo dentista.

No curso online de Auxiliar de Saúde Bucal, o profissional terá uma carga horária obrigatória
presencial para que ele tenha contato com tais instrumentos. O aluno terá, obrigatoriamente,
horários e espaço para tirar dúvidas com professores e profissionais e, consequentemente, se
familiarizar com todo tipo de instrumento e equipamento utilizados nos mais diferentes tipos
de tratamento odontológicos.