Você está na página 1de 33

TESTES SOBRE DIREITO TRIBUTÁRIO

1. Não é matéria reservada à lei complementar a

(A) instituição de empréstimos compulsórios.CF 148


(B) definição de fato gerador e base de cálculo de impostos discriminados na
Constituição.CF 146
(C) criação de impostos não previstos na Constituição.CF154,I
(D) instituição de contribuição de melhoria.

2. Não é hipótese de suspensão do crédito tributário

(A) a moratória.
(B) o depósito de seu montante integral.
(C) o parcelamento.
(D) a compensação.CF ART 156 É CASO DE EXTINÇAO

3.(EXAME 111-OAB/SP-Q.4). Dentre os fatos geradores que podem, em tese, ensejar a


cobrança de taxas, não se encontra a
A. fiscalização de mercadorias importadas pela autoridade aduaneira.
B. prestação de serviço público de gás canalizado.
C. prestação de serviço de segurança pública. (é financiada por IMPOSTOS
e NÃO POR TAXA, que remunera SERVIÇO público específico utilizado pelo
contribuinte: ex. taxa de lixo)
D. fiscalização de atividades potencialmente poluidoras pela autoridade
ambiental.
4.(EXAME 111-OAB/SP-Q.3). Está sujeita à disciplina específica por meio de lei
complementar, a
A. concessão de isenção de pagamento dos impostos de competência da
União Federal.
B. instituição, pela União Federal, de impostos não discriminados na
Constituição Federal. (competência RESIDUAL:art.154,I, da CF)
C. majoração de alíquota das contribuições para o financiamento da
seguridade social previstas no art. 195 da Constituição Federal.
D. instituição de taxas baseadas no poder de polícia.

9.(EXAME 116-OAB/SP-Q.82).A partir da promulgação da Emenda Constitucional


no 32/01, as Medidas Provisórias
A.não podem instituir ou majorar tributos, em nenhuma hipótese.
B.podem instituir impostos ou aumentar as alíquotas previstas em lei,
desde que a respectiva cobrança só tenha lugar no exercício seguinte ao
da sua conversão em lei. CF, ART.62
C.podem instituir ou majorar impostos, desde que a respectiva cobrança
tenha lugar apenas no exercício seguinte ao da sua edição e que sejam
convertidas em lei no prazo máximo de 60 (sessenta) dias.
D.podem aumentar a alíquota de quaisquer impostos ou contribuições,
para serem cobrados imediatamente, excluindo-se apenas os impostos de
competência dos Estados.
10.(EXAME 118-OAB/SP- Q.69). Com relação aos impostos discriminados na
Constituição Federal, precisam ser necessariamente disciplinados por lei complementar

(A) o fato gerador, a base de cálculo e o prazo de recolhimento do tributo.


(B) o fato gerador, a definição de contribuinte e o prazo de recolhimento do tributo.
(C) a definição de contribuinte, o fato gerador e a base de cálculo do tributo.CF, ART.146
(D) o aumento de alíquota, o prazo de recolhimento e a base de cálculo do tributo.

13.(PROVA-AFRF/2002-Q.26). Avalie a correção das afirmações abaixo. Atribua a letra


V para as verdadeiras e F para as falsas. Em seguida, marque a opção que contenha a
seqüência correta.
1 - O Código Tributário Nacional, embora tenha sido aprovado como lei ordinária, pode
regular as matérias para as quais a Constituição, que lhe é posterior, passou a exigir lei
complementar.
2 - Cabe a lei complementar federal, em relação aos impostos em geral, como o ICMS e
o ISS, a definição dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes.(CF,
ART.146)
3 - Resolução do Senado Federal, obedecidas as condições constitucionais, poderá
estabelecer, para o ICMS, as alíquotas aplicáveis às operações e prestações, interestaduais
e de exportação. (CF, ART.155, §2º, IV)

a) V, V, V

b) V, V, F

c) V, F, F

d) F, F, F

e) V, F, V

14.(PROVA-AFRF/2002-Q.29). Assinale a assertiva incorreta.


a) No âmbito da legislação concorrente, a competência da União limitar-se-á a estabelecer
normas gerais. CF, ART.24. §1º

b) A competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência
suplementar dos Estados. CF, ART.24, §2º

c) Não existindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência
legislativa plena, para atender a suas peculiaridades. CF, ART.24, =3º

d) A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual,
no que lhe for contrário. CF, ART.24, §4º

e) A Constituição não prevê as normas de direito tributário como pertencendo ao âmbito


da legislação concorrente. ERRADA

15.(PROVA-AFRF/2002-Q.30). Verificar qual (is) frase (s) está(ão) correta(s):


*Segundo o Código Tributário Nacional (CTN), os tratados internacionais precisam
ser observados pelo legislador, que, assim, não poderá alterá-los por normas com eles
incompatíveis?
*À luz do CTN, os atos normativos expedidos pelas autoridades administrativas podem
ser considerados como “legislação tributária”? CTN ART.100
*Decretos podem instituir impostos autorizados pela Constituição?

a) Sim, Sim, Sim

b) Sim, Sim, Não (SÓ A LEI PODE INSTITUIR IMPOSTO)

c) Sim, Não, Sim

d) Não, Não, Não

e) Não, Sim, Não

16.(ESAF/AFTN/98): Escolha, das afirmações abaixo, qual está de acordo com a teoria
da recepção das normas gerais contidas no Código Tributário Nacional - CTN.
a) O CTN continua com força de lei ordinária.
b) O CTN continua lei ordinária, mas com força de lei complementar.
c) O CTN foi recebido como lei complementar, mas é revogável por lei ordinária.
d) Sua força de lei complementar se adstringe aos conflitos de competência tributária
entre a União e os Estados.
e) O CTN é lei complementar em sentido formal, mas lei ordinária em sentido material.
17.(ESAF/AFTN/98): A Emenda Constitucional n. 18, de 1965, aludia a leis
complementares; porém somente a partir da Constituição de 1967 é que passou a existir
a lei complementar em sentido formal, votada com quorum privilegiado. À vista disto,
indique, em relação ao Código Tributário Nacional (CTN, Lei n.5.172, de 1966), qual
conclusão e respectiva justificação são simultaneamente corretas.
a) As matérias contidas no CTN, reservadas a leis complementares pela Constituição
hoje em vigor, foram revogadas pelo novo regime, eis que tal Código foi votado como
lei ordinária.
b) As matérias contidas no CTN, reservadas a leis complementares pela Constituição
hoje em vigor, continuam em plena vigência, quando compatíveis com as normas
constitucionais atuais.
c) O CTN pode ser revogado por lei ordinária ou medida provisória, pois as leis
ordinárias em geral, como a Lei n.º 5.172, podem ser revogadas ou modificadas por
outras leis de igual hierarquia.
d) O CTN pode ser revogado por lei ordinária, mas não por medida provisória, porque a
estas é defeso tratar de tributos.
e) As matérias contidas no CTN, reservadas a leis complementares pela Constituição
hoje em vigor, continuam em plena vigência, porque não revogadas ou modificadas
por lei ordinária posterior.
24.(ESAF/PFN/98): A União prescinde (não precisa) de lei complementar para:
a) dispor sobre conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados,
o Distrito Federal e os Municípios . CF, ART.146,I
b) regular as limitações constitucionais ao poder de tributar CF ART 146, II
c) estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária CF ART 146, III
d) em relação aos impostos discriminados na Constituição Federal, definir respectivos
fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes CF ART 146, III, a.
e) estabelecer quando ocorrerá o vencimento dos impostos e taxas de sua competência

OBS.:” vencimento do prazo de imposto” é matéria que pode ser tratada por LEI

25.(CESPE/TCU/96): Objetivando garantir o cidadão contra as investidas estatais, a


Constituição impôs limites à atuação das entidades públicas em matéria tributária. Com
relação ao assunto, julgue os itens abaixo.
(1) As leis de anistia ou remissão, em matéria fiscal, devem ser editadas no nível federal,
qualquer que seja o tributo subjacente.
(2) Os empréstimos compulsórios deverão ser instituídos, sempre, por meio de lei
complementar CF, ART.148.
(3) A instituição de empréstimos compulsórios, no caso de investimento público de
caráter urgente e de relevante interesse nacional, deverá submeter-se ao princípio da
anterioridade tributária.
(4) Nos termos da Constituição e em conformidade com o princípio da legalidade,
qualquer majoração ou instituição de tributos deve vir veiculada em lei.
(5) Existe a possibilidade de que a competência da União para instituir impostos não-
discriminados na Constituição seja exercida por meio de lei ordinária.

2.(ESAF/AGU/98) - Assinale a opção correta:


a) Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, a imunidade do papel
destinado à impressão de livros, jornais e periódicos é restrita ao papel ou ao material
a ele assimilável, não sendo por isso extensiva aos equipamentos ou a outros insumos
utilizados na impressão.
b) É lícito que a União tribute as rendas das obrigações da dívida pública dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios, bem como a remuneração e os proventos dos
respectivos agentes públicos em níveis superiores aos que fixar para suas obrigações e
para seus agentes.
c) A União pode instituir isenções de tributos da competência dos Estados, do Distrito
Federal ou dos Municípios, desde que com a finalidade de estimular o comércio
internacional e a integração entre os países.
d) É vedada a instituição de qualquer tributo sobre os templos de qualquer culto, bem
como o patrimônio, a renda ou os serviços dos partidos políticos.
e) A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios podem instituir impostos sobre
o patrimônio, renda ou serviços das instituições de educação e de assistência social, sem
fins lucrativos, desde que atendidos os requisitos fixados em lei complementar.

OBS.: IMUNIDADE É NÃO INCIDÊNCIA DE IMPOSTO PREVISTA NA


CONSTITUIÇÃO (ART.150, VI) E ISENÇÃO É NÃO INCIDÊNCIA PREVISTA NA
LEI (DISPENSA DO PAGAMENTO DO TRIBUTO).
4.(EXAME 111-OAB/SP-Q.10). A imunidade constitucional das instituições
educacionais sem fins lucrativos refere-se a
A. impostos e taxas.
B.apenas impostos. CF, ART.150, VI, c
C.impostos, taxas e contribuições.
D.impostos e contribuições.
5.(EXAME 111-OAB/SP-Q.5). A imunidade estabelecida pelo art. 150, VI, a, da
Constituição Federal, que veda a tributação recíproca entre União, Estados e Municípios
abrange
A.apenas os respectivos órgãos da Administração Direta.
B.apenas os respectivos órgãos da Administração Direta e as autarquias.
C.apenas os respectivos órgãos da Administração Direta e, da
Administração Indireta, SOMENTE as autarquias e as fundações
públicas. CF, ART.150, §2º . sobre empresa pública e sociedade de
economia mista, ver art.173, §2º, da CF(NÃO GOZAM DE BENEFÍCIOS
FISCAIS QUANDO EXPLORAM ATIVIDADES ECONÔMICAS)
D.toda a Administração Direta e Indireta de cada ente federativo.

8.(EXAME 109-OAB/SP-Q.20). Em 1998, a União Federal, com a finalidade de regular


o comércio exterior, criou lei isentando alguns produtos do imposto de importação, do
imposto sobre produtos industrializados e do imposto sobre operações relativas à
circulação de mercadorias e sobre prestação de serviços de transporte interestadual e
intermunicipal e de comunicação. Tal procedimento
A.é legal, pois cabe à União Federal legislar sobre comércio exterior.
B.é legal, pois a União Federal, desde que isente dos seus impostos as
importações no interesse da regulação do comércio exterior, pode também
isentar do ICMS.
C.é inconstitucional, pois estaria ferida a autonomia tributária dos
Estados.
D.é legal, pois a União Federal pode isentar impostos federais e estaduais.
9.(EXAME 109-OAB/SP-Q.19). Determinado Estado da União exige, para a entrada, em
seu território, de mercadorias advindas de outros Estados, o pagamento prévio do ICMS,
convencionando pautas fiscais de valor para a cobrança do imposto e permitindo a sua
repetição na hipótese da não-venda de tais mercadorias. Essa exigência é
A.legal, pois os Estados têm o direito de precaver-se contra a hipótese de
sonegação do ICMS devido quando da venda posterior das mercado- rias.
B.legal, pois apenas está antecipando a cobrança de um imposto devido.
C.ilegal, pois a antecipação de tributo é proibida.
D.ilegal, pois com isso está impedindo a livre circulação de mercadorias,
discriminando-as em face da sua procedência. CF, ART.152

11.(EXAME 109-Q.23 e EXAME 110-Q.10-OAB/SP). Não pode ser cobrado no mesmo


exercício financeiro da publicação da lei que o instituiu, o imposto
A.sobre produtos industrializados (IPI).
B.sobre importação de produtos estrangeiros (I.I.).
C.sobre operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou
valores mobiliários (IOF).
D.sobre a renda de proventos de qualquer natureza (IR). CF, ART.150,
III, a – NÃO ESTÁ NA EXCEÇÃO DO §1º DO ART.150
12.(EXAME 110-OAB/SP-Q.2). A Constituição Federal proíbe que seja estabelecida
limitação ao tráfego de pessoas ou mercadorias por meio de tributos interestaduais ou
intermunicipais.
Aplica-se essa vedação
A.aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios.
B.à União, aos Estados e aos Municípios.
C.à União, aos Estados e ao Distrito Federal.
D.à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios.CF
ART.150,V
13.(EXAME 112-OAB/SP-Q.9). O princípio da imunidade recíproca

A. existe para preservar o princípio federativo, prevenindo atritos entre


as entidades políticas, decorrentes de relações jurídicas de natureza
tributária. CF, ART.150, VI, só se refere aos impostos sobre patrimônio,
renda e serviços – v.§§ 2º e 3º do art.150.

B. aplica-se apenas a impostos, dispensando a entidade imune das


obrigações acessórias.

C. aplica-se aos tributos das entidades políticas componentes da


Federação Brasileira, bem como em relação à renda, ao patrimônio ou
serviços das autarquias e das fundações mantidas pelo Poder Público.

D. impede a tributação, através de impostos, de rendas, patrimônios ou


serviços das entidades políticas, bem como de suas autarquias e fundações,
sendo que, em relação a estas últimas, desde que direta e exclusivamente
vinculados às suas finalidades essenciais.

15.(EXAME 113-OAB/SP-Q.2). A União Federal poderá efetuar a cobrança, sem


necessidade de observar o princípio da anterioridade, dos impostos sobre
A.importação de produtos estrangeiros (II) e propriedade territorial rural
(ITR).
B.produtos industrializados (IPI) e renda e proventos de qualquer natureza
(IR). C.importação de produtos estrangeiros (II) e produtos
industrializados (IPI). CF, ART.153, §1º -POR DECRETO, O
PRESIDENTE DA REPÚBLICA PODE ALTERAR AS ALÍQUOTAS DO
IMP.IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO, IPI e IOF
D.renda e proventos de qualquer natureza (IR) e propriedade territorial
rural (ITR).
16.(EXAME 114-OAB/SP-Q.86). A imunidade relativa ao Imposto Territorial Rural
abrange
A.todas as glebas, quando o proprietário só tem um imóvel.
B.algumas glebas improdutivas.
C.todas as glebas em que o proprietário trabalhe com a família.
D.pequenas glebas que o proprietário explore não tenha outro
imóvel. CF, ART.153, §4º ,II

21.(EXAME 118-OAB/SP- Q.68). Entidade beneficente de assistência social, sem fins


lucrativos e que preencha os requisitos para fruição de imunidade
tributária, está sujeita, em princípio,

(A) às taxas, à contribuição de melhoria e à contribuição de seguridade social.


(B) aos impostos sobre o patrimônio, às taxas e à contribuição de seguridade social.
(C) às taxas e à contribuição de melhoria. A IMUNIDADE SOMENTE SE REFERE A
IMPOSTO e não a todos os tributo (e só impostos sobre PATRIMÔNIO ( IPVA, IPTU,
ITR, ITBI...) RENDA (IMPOSTO DE RENDA) e SERVIÇOS (ISS)
(D) às taxas e à contribuição de seguridade social.

22.(EXAME 119-OAB/SP- Q. 85). São princípios normativos de direito tributário


aplicáveis a situações gerais ou específicas relativas aos tributos:

(A) cumulatividade, legalidade, anualidade, anterioridade da lei, uniformidade e


igualdade.
(B) legalidade, anterioridade da lei, uniformidade, não-limitação ao tráfego de pessoas
ou mercadorias, não-cumulatividade e seletividade do IPI e do ICMS.
(C) não seletividade do IPI, legalidade, anualidade, uniformidade e isonomia.
(D) exclusividade, legalidade, uniformidade, não-cumulatividade, anualidade e
igualdade.

23.(EXAME 120-OAB/SP- Q82). Lei nova que extinga determinada infração tributária

(A) poderá retroagir, quando os atos não tenham sido definitivamente julgados.
(B) produzirá efeitos apenas para o futuro.
(C) em hipótese alguma retroagirá.
(D) retroagirá a todos os casos ocorridos na vigência da lei revogada.

24.(EXAME 119-OAB/SP- Q. 84). Quanto aos templos de qualquer culto, é correto


afirmar que

(A) estão isentos de qualquer tributação.


(B) poderão ser tributados em relação às taxas e contribuição de melhoria. CF, ART.
150, 150,VI,b, s
(C) poderão ser tributados em relação ao IPTU.
(D) poderão ser tributados apenas em relação aos impostos federais.

25.(EXAME 120-OAB/SP- Q.86). Considere estas afirmações:

I. É vedado à União conceder isenções de tributos de competência dos Estados e dos


Municípios. CF, ART.151
II. É vedado aos Estados e ao Distrito Federal estabelecer diferença tributária entre bens
e serviços, em razão de sua procedência ou destino.CF, ART. 152
III. A instituição de imunidades tributárias é matéria reservada à lei complementar.

Diante das limitações constitucionais ao poder de tributar, são corretas as afirmações

(A) I e II, apenas.


(B) I e III, apenas.
(C) II e III, apenas.
(D) I, II e III.
29.(PROVA FISCAL INSS/97-Q.2). Segundo as normas constitucionais e as do Código
Tributário Nacional (CTN), acerca da legislação tributária, somente a lei pode
estabelecer, em qualquer caso.
1. A instituição ou a extinção de tributos.CF, ART.150,I
2. A majoração ou a redução de tributos.
3. A definição do fato gerador da obrigação tributária principal.
4. A fixação da alíquota e da base de cálculo do tributo.
5. As hipóteses de exclusão, suspensão e extinção do crédito tributário.

36.(CESPE/BACEN/97): Uma autarquia federal sediada em Brasília, com agências nas


capitais de todos os estados e em alguns municípios mais povoados , realizou estudo a
respeito da imunidade recíproca atribuída aos entes federativos. Julgue os itens que se
seguem, relativamente a conclusões pertinentes a esse estudo.
(1) A imunidade recíproca estende-se às autarquias, desde que não explorem atividade
econômica CF ART.150, §§2º E 3º
(2) A imunidade estende-se a taxa de limpeza pública, às contribuições de melhoria e aos
tributos sobre o patrimônio.
(3) Na aquisição de seus veículos de serviço, a entidade estará dispensada do pagamento
do IPI e do ICMS em todo o território nacional.
(4) Havendo resultado positivo no balanço anual da entidade, não é devido o imposto
sobre a renda.
(5) Na prestação de serviços relacionados com os objetivos institucionais da entidade
autárquica, não incide o ISS.

37.(ESAF/TTN/ 98): Quanto ao princípio da anterioridade, pode-se dizer que


a) proíbe que se tributem fatos geradores que ocorreram antes do início da vigência da
lei que houver instituído ou aumentado um tributo
b) não se aplica ao Imposto de Importação, ao Imposto de Exportação, ao Imposto sobre
Operações Financeiras e às Taxas decorrentes do exercício do poder de polícia
c) não se aplica ao Imposto sobre Produtos Industrializados, ao Imposto de Importação,
ao Imposto sobre Operações Financeiras, ao Imposto de Exportação CF, ART.150,
§1º
d) se aplica aos empréstimos compulsórios, qualquer que seja o pressuposto da sua
instituição
e) se aplica às contribuições para seguridade social da mesma forma que às outras
espécies tributárias

3. A competência para a instituição de taxas é comum à União, aos Estados, ao Distrito


Federal e aos Municípios, não podendo estes, entretanto,

(A) cobrá-las uns aos outros.


(B) lançá-las contra pessoas jurídicas.
(C) cobrá-las com base de cálculo idêntica à que corresponda aos impostos.CF, ART.10.
§2º
(D) cobrá-las em função dos fatores constantes das letras A e C.

4. Lei Complementar da União instituiu empréstimo compulsório para absorver


temporariamente poder aquisitivo da população, em face da tendência à hiperinflação
causada pelo atual Governo. Esse empréstimo compulsório

(A) é constitucional, pois trata-se de matéria urgente e de relevante interesse nacional.


(B) deveria ter sido criado por lei ordinária federal.
(C) é inconstitucional, pois escapa às hipóteses permissivas de sua instituição e cobrança.
CF, ART.148 QUE PREVÊ SÓ DUAS HIPÓTESES PARA CRIAÇÃO DO
EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO
(D) é inconstitucional, por ter sido instituído por Lei Complementar.

5. A destinação do produto da arrecadação, à luz da Carta Magna de 1988, é

(A) irrelevante.
(B) relevante, em se tratando de taxas de poder de polícia.
(C) relevante, em se tratando de empréstimo compulsório. CF, ART.148
(D) relevante, em se tratando de contribuição de melhoria.

6. Quanto aos templos de qualquer culto, é correto afirmar que

(A) estão isentos de qualquer tributação.


(B) poderão ser tributados em relação às taxas e contribuição de melhoria. SÓ SE
REFERE A IMPOSTO – CF, ART.150, VI, b
(C) poderão ser tributados em relação ao IPTU.
(D) poderão ser tributados apenas em relação aos impostos federais.

7. São princípios normativos de direito tributário aplicáveis a situações gerais ou


específicas relativas aos tributos:

(A) cumulatividade, legalidade, anualidade, anterioridade da lei, uniformidade e


igualdade.
(B) legalidade, anterioridade da lei, uniformidade, não-limitação ao tráfego de pessoas ou
mercadorias, não-cumulatividade e seletividade do IPI e do ICMS.
(C) não seletividade do IPI, legalidade, anualidade, uniformidade e isonomia.
(D) exclusividade, legalidade, uniformidade, não-cumulatividade, anualidade e
igualdade.

12. O custeio dos sistemas de previdência social mantidos pelos Estados e pelos
Municípios
A.não poderá ser realizado por meio de contribuições, cuja competência
impositiva é exclusiva da União Federal. B.poderá ser realizado por meio de
contribuições de intervenção no domínio econômico, instituídas pelos Estados e
Municípios respectivos. C.poderá ser realizado por meio de contribuições
instituídas pelos Estados e Municípios respectivos, cobradas de seus servidores.
CF, ART. 149,§1º
D.deverá necessariamente ser feito mediante repasses efetuados pela União
Federal, por meio dos Fundos de Participação de Estados e Municípios.

14. Não pode ser cobrado no mesmo exercício financeiro da publicação da lei que o
instituiu, o imposto
A.sobre produtos industrializados (IPI).
B.sobre importação de produtos estrangeiros (I.I.).
C.sobre operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores
mobiliários (IOF).
D.sobre a renda de proventos de qualquer natureza (IR). CF, ART.150, III, b

15- Em relação às taxas, é correto afirmar que


A a sua instituição é matéria reservada à lei complementar.
B. não constituem espécies de tributos.
C.podem ser cobradas independentemente da existência de lei que defina todos os
elementos de seu fato gerador.
D.não podem ter base de cálculo própria de impostos. CF, ART.150, §2º

17.Está sujeita à disciplina específica por meio de lei complementar, a


A.concessão de isenção de pagamento dos impostos de competência da União
Federal. B. instituição, pela União Federal, de impostos não discriminados na
Constituição Federal. = COMPETÊNCIA RESIDUAL TRIBUTÁRIA DA
UNIÃO = ART.154, IC. majoração de alíquota das contribuições para o
financiamento da seguridade social previstas no art. 195 da Constituição Federal.
D. instituição de taxas baseadas no poder de polícia.

18. Dentre os fatos geradores que podem, em tese, ensejar a cobrança de taxas, não se
encontra a
A.fiscalização de mercadorias importadas pela autoridade aduaneira.
B. prestação de serviço público de gás canalizado.
C. prestação de serviço de segurança pública. É FINANCIADA POR IMPOSTO
E NUNCA POR TAXA QUE É COBRADA POR RETRIBUIÇÃO DE UM
SERVIÇO PÚBLICO AO CONTRIBUINTE-EX.TAXA DO LIXO
D. fiscalização de atividades potencialmente poluidoras pela autoridade
ambiental.

19. A imunidade estabelecida pelo art. 150, VI, a, da Constituição Federal, que veda a
tributação recíproca entre União, Estados e Municípios abrange
A.apenas os respectivos órgãos da Administração Direta.
B. apenas os respectivos órgãos da Administração Direta e as autarquias.
C. apenas os respectivos órgãos da Administração Direta, as autarquias e as
fundações públicas. ART.150,VI, e §2º
D. toda a Administração Direta e Indireta de cada ente federativo.

24.O princípio da imunidade recíproca


A. existe para preservar o princípio federativo, prevenindo atritos entre as
entidades políticas, decorrentes de relações jurídicas de natureza tributária.
B. aplica-se apenas a impostos, dispensando a entidade imune das obrigações
acessórias.
C. aplica-se aos tributos das entidades políticas componentes da Federação
Brasileira, bem como em relação à renda, ao patrimônio ou serviços das
autarquias e das fundações mantidas pelo Poder Público.
D. impede a tributação, através de impostos, de rendas, patrimônios ou
serviços das entidades políticas, bem como de suas autarquias e fundações,
sendo que, em relação a estas últimas, desde que direta e exclusivamente
vinculados às suas finalidades essenciais.

25.Outros impostos que não sejam cumulativos e que não tenham base de cálculo e fato
gerador próprios dos previstos na CF,
A. podem ser instituídos pelos Estados.
B. podem ser instituídos pela União. Cf, art.154, I
C. não podem ser instituídos pela União.
D. não podem ser instituídos pela União ou Estados.

26.A imunidade relativa ao Imposto Territorial Rural abrange


A. todas as glebas, quando o proprietário só tem um imóvel.
B. algumas glebas improdutivas.
C. todas as glebas em que o proprietário trabalhe com a família.
D. pequenas glebas que o proprietário que não tenha outro imóvel.

27.Exclui-se da competência impositiva do Distrito Federal o Imposto sobre


A. Propriedade Predial e Territorial Urbano (IPTU).
B. Transmissão Causa Mortis de quaisquer bens ou direitos.
C. Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
D.Produtos Industrializados (IPI).CF, ART.147

29.Não é hipótese de instituição de empréstimos compulsórios –CF, ART.148-,


A. o atendimento a despesas extraordinárias decorrentes de calamidade
pública.
B. o investimento público de caráter urgente e relevante.
C. a obtenção de superávit primário nas contas governamentais.
D. o atendimento a despesas decorrentes de guerra externa.

30.O princípio da estrita legalidade tributária traz consigo


A. a necessidade de uma tipificação rigorosa, excluindo-se qualquer dúvida
sobre o perfeito enquadramento do conceito do fato ao conceito da norma.
B. a exigência de que a norma jurídica tributária deva sempre ser interpretada
de maneira mais favorável ao contribuinte.
C. a permissibilidade da criação de alguns tributos por decreto, uma vez que
a própria Constituição Federal assim previu.
D. a vedação de criação de tributos por Lei Complementar, porque tal
princípio, segundo a Constituição Federal os prevê, são instituídos somente
por Lei Ordinária.

31.Segundo o art.4º do CTN, a natureza jurídica específica do tributo é determinada


A. pela destinação legal do produto de sua arrecadação.
B. pelas obrigações acessórias.
C. pelo fato gerador.
D. pela denominação e demais características legais adotadas pela lei.
32.A lei complementar é exigida para
A. majoração de tributo.
B. criação de contribuição de intervenção no domínio econômico.
C. revogação de isenção.
D. instituição de empréstimos compulsórios. CF, ART.148
TESTE – DIREITO TRIBUTÁRIO
TESTES
1.Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se
possa exprimir... Tendo em vista esta afirmação constante no art.3º do CTN (Código
Tributário Nacional), podemos afirmar que NÃO haverá prestação pecuniária
(pagamento) quando o contribuinte efetuar o pagamento através de
A. Nota promissória, endossada por banco ou instituição similar.
B.Cheque após seu resgate pelo banco sacado.
C.Vale postal.
D.Em estampilha, em papel selado, ou por processo mecânico (cigarros e bebidas
alcoólicas são selados).

2. O artigo 3º do CTN diz que “Tributo é toda prestação pecuniária .... que não
constitua sanção de ato ilícito ...” Tal afirmação significa que o legislador
(Congresso, Assembléia Legislativa ou Câmara de Vereadores):
A. pode tributar qualquer ato, situação ou comportamento.
B.só pode tributar ATOS LÍCITOS e nunca atos ilícitos, assim como jogo do
bicho ou prostituição.
C.tributo e sanção (punição) são a mesma coisa.
D.as respostas acima estão incorretas.

3. O art.3º do CTN afirma que “Tributo é toda prestação pecuniária compulsória,


em moeda ... instituída em lei. Esta definição está consagrando o princípio da
A. Igualdade, consagrado no artigo 150, II, da Constituição.
B. Publicidade, consagrado no artigo 37 da Constituição.
C. Legalidade, consagrado no artigo 150, I, da Constituição.
D. Todas as respostas acima estão incorretas.

4. Quando o artigo 3º do CTN afirma que só a lei pode criar ou instituir tributo, está
se referindo
A.somente à lei ordinária, pois somente esta espécie de lei pode criar tributo (CF,
art.59, III).
B.somente à lei ordinária e à lei complementar, porque as demais espécies de lei,
previstas no art.59 da CF, não podem criar tributo.
C. à lei ordinária, à lei complementar, à medida provisória e à lei delegada,
previstas na CF, art.59, que podem criar tributos, sendo as duas últimas espécies
de competência do Presidente da República.
D. Todas as respostas estão incorretas.

5. No final da definição de TRIBUTO, consta no art.3º do CTN que tributo é toda


prestação pecuniária... cobrada mediante atividade administrativa plenamente
vinculada. Esta afirmação significa que a cobrança (e a fiscalização) do tributo
será feita
A.Pelo Poder Judiciário, através dos juízes e desembargadores.
B.Pelo Poder Legislativo, através dos representantes do povo no parlamento
federal, estadual ou municipal, de acordo com as competências constitucionais.
C.Pelo Poder Executivo, através da Administração Fiscal, representada pelos
agentes fiscais, cujas atividades são plenamente vinculadas à lei. (só podem
cobrar o que a lei autorizar, sob pena de prisão)
D.D.Pelo Tribunal de Contas, através de seus auditores e fiscais, cujas
competências estão mencionadas expressamente na Constituição Federal de 1988.

6. O tributo pode ser federal (ex.IPI, IOF, IR etc..), estadual (ICMS, IPVA etc.) ou
municipal (IPTU, ISS etc.), mas a classificação mais importante de tributo leva
em conta a existência ou não de uma determinada atividade estatal (SERVIÇO
PÚBLICO) que irá beneficiar o contribuinte (ex.: serviço de coleta de lixo, de
expedição de documento, de saneamento básico:água e esgoto etc.). Assim sendo,
levando em conta tais serviços, o tributo pode ser
A. vinculado (a essa atividade) ou não vinculado.
B. legal ou ilegal.
C. direto ou indireto.
D. real ou pessoal.

7. De acordo com o art.77 do CTN e o art.145,II, da Constituição Federal, a taxa é


uma espécie de tributo, cujo FATO GERADOR (a causa/motivo/acontecimento que
justifica a cobrança do tributo) é a prestação de um serviço público, que seja específico
e divisível, colocado à disposição de um determinado contribuinte, que pode
utilizá-lo ou não, mas irá pagar (prestação compulsória) de qualquer modo, porque
tal serviço é colocado à sua disposição. Por isso, a taxa é um tributo
A.Desvinculado.
B.Legal.
C.Direto.
D.Vinculado

8. Existe um outro tipo de tributo que se chama CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA,


prevista no artigo 81 do CTN e no inciso III do art.145 da Constituição. Segundo
o art. 81 CTN, a referida contribuição será instituída para custear obras que irão
VALORIZAR o imóvel do contribuinte. Tais obras são, na verdade, SERVIÇOS
públicos, cujo pagamento será feito em forma de TRIBUTO, desde que o imóvel
do contribuinte for, realmente, VALORIZADO. Por isso, pode-se afirmar que há
A.Vinculação DIRETA ou IMEDIATA.
B.Vinculação INDIRETA ou MEDITA.
C.Desvinculação INDIRETA ou IMEDIATA.
D.Todas as respostas estão INCORRETAS.

9. Paulo Maluf, quando prefeito em S.Paulo, mandou construir um viaduto sobre a


Av.São João, que o povo denominou “Minhocão”. Sabendo-se que os prédios
foram desvalorizados por tal obra pública, pode-se afirmar que o Município de
São Paulo
A.Poderia ter instituído contribuição de melhoria.
B.Não poderia ter instituído contribuição de melhoria.
C.Poderia ter instituído uma taxa pelo serviço público (construção do viaduto).
D.Poderia ter criado apenas a taxa de serviço de iluminação pública (não é taxa, é
contribuição, mas foi criada em 2002, pela emenda const. n.39,v.art.149-A da Const.Fed. o
minhocão foi feito na década de 70)
10. A taxa tem como fato gerador a prestação de um serviço público, muitas vezes
decorrente do poder de polícia (não é polícia civil ou PM; é o poder de fiscalizar;
ex. taxa cobrada para vistoria de carro). A contribuição de melhoria também tem
tal vinculação, porque a “obra pública” (CF, art.145,III) é também serviço público
(há vinculação indireta). Existe um outro tipo de tributo (que é a maioria) cujo
FATO GERADOR é uma situação que NÃO depende de um serviço público
(atividade estatal) específico relativo ao contribuinte, quer dizer, o contribuinte
PAGA sem ter, naquele momento, qualquer retribuição ou contrapartida
(contraprestação). Estamos nos referindo ao tributo mencionado no artigo 16 do
CTN, ou seja,
A.da contribuição social
B.do imposto
C.da CIDE (contribuição de intervenção no domínio econômico)
D.do empréstimo compulsório

11. Os advogados, os médicos e outros profissionais liberais pagam às suas entidades


de classe uma espécie de tributo. Trata-se da contribuição
A.de melhoria, pois tais entidades têm o dever de melhorar a situação do
profissional.B.social, porque tais profissionais está contribuindo para se
aposentarem futuramente.C.de intervenção no domínio econômico, para regular
economicamente tais atividades.D.de interesse das categorias profissionais ou
econômicas, para financiamento das referidas entidades que exercem o poder de
polícia em relação aos profissionais afiliados.

12. Existe uma contribuição que incide sobre a gasolina (importação e comercialização de
petróleo, gás natural e seus derivados –v.§4º do art.177 e 149 da CF) cujo nome é
Contribuição
A. social
B. de intervenção no domínio econômico
C. de interesse das categorias profissionais ou econômicas.
D.de melhoria.

13. O art.148, incs. I e II, da Constituição autoriza a União, mediante lei


complementar, poderá instituir
A. empréstimos compulsórios.
B.Contribuição de melhoria.
C. Imposto e taxas.
C.A CIDE.

14. Segundo a Constituição, a União, mediante lei complementar, poderá instituir


empréstimos compulsórios. Há duas espécies de empréstimo compulsório, sendo
que há uma destas espécies que não precisa observar o PRINCÍPIO DA
ANTERIORIDADE, ou seja, pode entrar em vigor imediatamente após a
publicação da lei que o criou (não precisar esperar o PRÓXIMO ano). Trata-se do
EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO
A. para atender a despesas extraordinárias, decorrentes de calamidade pública,
de guerra externa ou sua iminência;
B.no caso de investimento público de caráter urgente e de relevante interesse
nacional;
C.para regular o desequilíbrio do orçamento público, causado pelo aumento da
importações em relação às exportações dos produtos nacionais.
D.Todas as respostas estão incorretas.

15. NÃO é contribuição social a:


A.CIDE (contribuição de intervenção no domínio econômico).
B. contribuição sobre o lucro líquido da empresa.
C.Contribuição previdenciária ao INSS.
D. Contribuição chamada COFINS.

16. É espécie de contribuição social:


A. a CIDE.
B.a contribuição de melhoria.
C. A contribuição de interesse das categorias profissionais ou econômicas.
D. A contribuição sobre o lucro líquido (CSLL).

17. Não é imposto da competência da União o


A. ICMS.
B. IPI.
C. IR.
D. IOF.

18. Nos termos do art.153 da CF, há um imposto da União que será criado nos termos
da lei complementar, mas que até hoje ainda não foi instituído. Trata-se do
imposto sobre
A. a renda e proventos de qualquer natureza.
B. serviços de qualquer natureza.
C. grandes fortunas.
D. operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores
mobiliários (IOF).

19. Nos termos do artigo 148 da CF, há uma espécie de EMPRÉSTIMO


COMPULSÓRIO criado no caso de investimento público de caráter urgente e de
relevante interesse nacional, desde que seja criado por
A. LEI ORDINÁRIA, observando o princípio da legalidade tributária.
B. LEI COMPLEMENTAR, observando o princípio da anterioridade tributária.
C. MEDIDA PROVISÓRIA, observando o princípio da igualdade tributária.
D. LEI DELEGADA, observando o princípio da anualidade tributária.

20. Analise as frases abaixo, com base no artigo 154 da Constituição:


I. A União poderá criar um novo IMPOSTO desde que seja diferente de
todos aqueles que já constam na Constituição.
II. Os Municípios poderão criar IMPOSTO EXTRAORDINÁRIO em
caso de guerra.
III. A competência residual tributária (para criar novo imposto) pertence
aos Estados-membros.
IV. O IMPOSTO EXTRAORDINÁRIO criado em caso de guerra ou sua
iminência pode ter qualquer fato gerador (o FG do IPI, do ICM, do IR etc.)
Está CORRETO o que se afirma em
A.I e IV
B.II e III
C.III e IV
D.I e II

21. É um IMPOSTO da competência da União:


A.O ICMS (IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E
SERVIÇOS).
B.O ISS (IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS).
C.O IPTU (IMPOSTO SOBRE PROPRIEDADE TERRITORIAL URBANA)
D.O ITR (IMPOSTO SOBRE PROPRIEDADE TERRITORIRAL RURAL).

22. A contribuição denominada FINSOCIAL foi extinta e em seu lugar


A.O Estado criou a Contribuição sobre lucro líquido, espécie de contribuição de
melhoria.
B.A União criou a COFINS, espécie de contribuição social.
C.O Município criou a CPMF, que também foi extinta pelo Congresso Nacional.
D.Todas as respostas estão incorretas.

23. NÃO é um IMPOSTO da União o


A. IPTU.
B. ITR.
C. IOF.
D.IPI.

24. SÃO IMPOSTOS da União:


A. IPVA e ITBI.
B. ISS e ICMS.
C. II e IE.
D. IPI e IPTU.

25. O empréstimo compulsório (CF, art.148) e o novo imposto decorrente da


competência RESIDUAL (CF, art.154, I) SÓ podem ser criados
A.Pelos Estados e Municípios, através de LEI ORDINÁRIA.
B.Pela União, através de LEI COMPLEMENTAR.
C.Pelos Estados, através de MEDIDA PROVISÓRIA.
D.Pelos Municípios, através de DECRETO-LEI.

26. O artigo 147 da Constituição faz referência à COMPETÊNCIA tributária do


DISTRITO FEDERAL, dispondo que o Distrito Federal poderá criar todos os
tributos
A. federais.
B. estaduais.
C.estaduais e municipais.
D.municipais.

27. De acordo com a competência CUMULATIVA do art.147 da CF, o Distrito


Federal poderá criar
A.IPTU e IPI.
B.ICMS e IPTU.
C.ITR e IR.
D.IOF, II e IE

28. São IMPOSTOS da UNIÃO


A.II, IE, IPI, ISS, ITR, IOF e IGF
B.II, IE, ICMS, IR, ITR, IOF e IGF
C.II, IE, IPI, IR, ITR, IOF e IGF
D.II, IE, IPI, IR, ITR, IPTU e IGF

29. Se o Município criar um tributo que irá valorizar o imóvel do contribuinte pelas
obras públicas realizadas (asfalto, luz, praças e outras obras) poderá criar
A. Taxas
B.Contribuição social
C. Contribuição de melhoria.
D.CIDE

30. Se houver uma guerra, a União poderá criar imposto


A.Extraordinário ou empréstimo compulsório, este por lei
complementar.B.Extraordinário, através de lei complementar.
C.Novo, que NÃO conste expressamente na Constituição (competência
residual).D.Compulsório, através de lei ordinária.

TESTES DE DIREITO TRIBUTÁRIO


Gabarito:
81= d, 82=d, 83=c, 84=b, 85=c, 86=a, 87=a, 88=c,89=d, 90=b

81. Não é matéria reservada à lei complementar a

(A) instituição de empréstimos compulsórios.CF 148


(B) definição de fato gerador e base de cálculo de impostos discriminados na
Constituição.CF 146
(C) criação de impostos não previstos na Constituição.CF154,I
(D) instituição de contribuição de melhoria.

82. Não é hipótese de suspensão do crédito tributário

(A) a moratória.
(B) o depósito de seu montante integral.
(C) o parcelamento.
(D) a compensação.CF ART 156 É CASO DE EXTINÇAO

83. Como regra geral, é correto afirmar que a responsabilidade tributária

(A) admite gradação conforme a intenção do agente.


(B) não pode ser elidida pela denúncia espontânea da in-fração.
(C) pode ser estendida ao representante legal de pessoa jurídica, no caso de ato praticado
com excesso de poderes. CTN art. 135, III
(D) não é matéria expressamente reservada à lei complementar.
84. É equiparado ao contribuinte do Imposto de Importação

(A) aquele que recebe a mercadoria sob o regime especial de admissão temporária, ou
seja, a que deve retornar ao exterior sem qualquer modificação que altere a sua
individualidade.
(B) o viajante que traz em sua bagagem bens desclassificados como tal.
(C) o industrial que transforma matéria-prima estrangeira em produto acabado.
(D) aquele que recebe mercadoria sob o regime especial de drawback, ou seja, a que
retorna ao exterior após sofrer alteração que modifique a sua individualidade.

85. A lei tributária é aplicada a fato anterior à sua vigência quando

(A) extingue tributo.


(B) reduz a alíquota de tributo.
(C) deixa de definir como infração ato não definitivamente julgado. CTN, ART.106, II,
a
(D) institui substituição tributária.

86. A solidariedade, com relação aos obrigados, tem, de regra, os efeitos abaixo, exceto

(A) o benefício de ordem.CTN, art.124, §único (o fisco não precisa obedecer ordem de
cobrança, havendo solidariedade, por ex., entre o contribuinte e o transportador da
mercadoria, o fisco pode cobrar de qualquer um destes contribuintes)
(B) a prescrição interrompida por um favorece ou prejudica aos demais.
(C) a remissão do crédito exonera todos, quando não outorgada pessoalmente a um deles.
(D) o pagamento de um aproveita os demais.

87. Como exemplo de impostos sujeitos normalmente a lançamento de ofício e por


homologação, respectivamente, pode-se citar

(A) o imposto predial e territorial urbano e o IPI. (O lançamento do IPTU é feito pelo
fisco municipal que nos envia pelo correio. O lançamento do IPI é feito pelo próprio
contribuinte e, depois, é HOMOLOGADO pelo fisco federal)
(B) o imposto de renda e o imposto territorial rural.
(C) o ICMS e o imposto de renda.
(D) o imposto de importação e o IOF.

88. Esgotado o prazo legal para lançamento de tributo sem que a Fazenda Pública o tenha
efetuado, ocorre a situação de

(A) exclusão.
(B) suspensão.
(C) decadência.CTN, art. 156, V
(D) prescrição.

89. A restituição de tributo que comporte, por sua natureza, transferência do respectivo
encargo financeiro, será deferida

(A) ao contribuinte de fato, sem exceção, desde que comprove o desembolso do tributo
devido.
(B) ao contribuinte de direito, sem exceção.
(C) ao responsável pela obrigação tributária, indiscriminadamente.
(D) a quem prove haver assumido o referido encargo, ou no caso de tê-lo transferido a
terceiro, estar autorizado a recebê-la. (CTN, art. 166- ex. o comerciante vende a
mercadoria, mas transfere o valor do imposto para o consumidor final, se quiser receber
de volta o que pagou ao fisco a título de ICMS deverá pedir autorização a este
consumidor final para receber o valor pago indevidamente. Isso porque o dinheiro do
imposto saiu do bolso do contribuinte. Salvo se o comerciante NÃO repassou tal valor
ao consumidor final...)

90. Empresa sujeita a imunidade tributária está desobrigada de adimplir ou cumprir

(A) as obrigações acessórias, nos termos do inciso III, art. 14, do CTN.
(B) as obrigações principais, nos termos da Constituição Federal. De acordo com o
art.150, VI da CF, que trata da IMUNIDADE (não incidência de imposto), o contribuinte
não precisa PAGAR o imposto (obrigação principal), mas está obrigado a cumprir as
obrigações ACESSÓRIAS (CTN, art.14,III), preenchendo escrituração, emitindo notas
fiscais, apresentando declaração de renda etc.
(C) tanto as obrigações principais quanto as acessórias, nos termos da Constituição
Federal.
(D) a imunidade não desobriga o contribuinte nem das obrigações principais e nem das
obrigações acessórias.

Gabarito:
81= d, 82=d, 83=c, 84=b, 85=c, 86=a, 87=a, 88=c,89=d, 90=b

81. De acordo com o art.145 da CF, a competência para a instituição de taxas é comum à
União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, não podendo estes, entretanto,

(A) cobrá-las uns aos outros.


(B) lançá-las contra pessoas jurídicas.
(C) cobrá-las com base de cálculo idêntica à que corresponda aos impostos.CF,
art.145,§2º.
(D) cobrá-las em função dos fatores constantes das letras A e C.

82. Lei Complementar da União instituiu empréstimo compulsório para absorver


temporariamente poder aquisitivo da população, em face da tendência à hiperinflação
causada pelo atual Governo. Esse empréstimo compulsório

(A) é constitucional, pois trata-se de matéria urgente e de relevante interesse nacional.


(B) deveria ter sido criado por lei ordinária federal.
(C) é inconstitucional, pois escapa às hipóteses permissivas de sua instituição e
cobrança.(Ver art.148 da CF que se refere aos dois motivos (incisos I e II) que justificam
a criação do empréstimo compulsório).
(D) é inconstitucional, por ter sido instituído por Lei Complementar.

83. A destinação do produto da arrecadação, à luz da Carta Magna de 1988, é

(A) irrelevante.
(B) relevante, em se tratando de taxas de poder de polícia.
(C) relevante, em se tratando de empréstimo compulsório. (ver parágrafo único do art.
148 da CF que obriga destinar o valor arrecadado a título de empréstimo compulsório
ao MOTIVO que autorizou a criação do referido tributo)
(D) relevante, em se tratando de contribuição de melhoria.

84. Quanto aos templos de qualquer culto, é correto afirmar que

(A) estão isentos de qualquer tributação.


(B) poderão ser tributados em relação às taxas e contribuição de melhoria (VER ART.150,
VI, “b” e o §4º do art.150, segundo tais dispositivos, a IGREJA somente NÃO paga os
IMPOSTOS sobre a RENDA, PATRIMÔNIO (IPTU, por ex.) e SERVIÇO (ISS),
mas PAGA os demais impostos (ICMS, IPI, IOF etc.) e demais tributos (taxa,
contribuições em geral) .)
(C) poderão ser tributados em relação ao IPTU.
(D) poderão ser tributados apenas em relação aos impostos federais.

85. São princípios normativos de direito tributário aplicáveis a situações gerais ou


específicas relativas aos tributos:

(A) cumulatividade, legalidade, anualidade, anterioridade da lei, uniformidade e


igualdade.
(B) legalidade, anterioridade da lei, uniformidade, não-limitação ao tráfego de pessoas ou
mercadorias, não-cumulatividade e seletividade do IPI e do ICMS.
(C) não seletividade do IPI, legalidade, anualidade, uniformidade e isonomia.
(D) exclusividade, legalidade, uniformidade, não-cumulatividade, anualidade e
igualdade.

86. Construtora com sede no Município de São Paulo constrói edifício sob regime de
empreitada na cidade de Santos, onde não possui estabelecimento. A competência para a
imposição do Imposto Municipal Sobre Serviços (ISS) é da Prefeitura de

(A) São Paulo, porque é o município onde a construtora tem a sua sede social.
(B) São Paulo, porque a construtora não tem estabelecimento em Santos.
(C) São Paulo, porque construção civil não é prestação de serviços.
(D) Santos, porque é o local onde foi construído o edifício.

87. Determinada pessoa exerce posse clandestina "invasora" de terra sobre área urbana
destinada à preservação de mananciais, onde são proibidas a ocupação do solo e a
edificação. Todavia, ali constrói casa destinada à residência sua e de sua família. Eventual
exigência de IPTU do possuidor é

(A) lícita, pois o sujeito passivo do IPTU é sempre o possuidor de imóvel urbano.
(B) lícita, pois considera-se ocorrido o fato gerador do tributo, independentemente da
validade jurídica da natureza de seu objeto.
(C) ilícita, pois o IPTU apenas pode ser exigido do proprietário de imóvel urbano.
(D) ilícita, pois o Município não poderia tolerar a ocupação e edificação irregular das
áreas.

88. Determinado contribuinte praticou infração à legislação tributária, tendo-lhe sido


cominada multa equivalente a 75% do valor do tributo envolvido. Essa multa foi quitada,
sem que o contribuinte a tivesse impugnado na esfera administrativa. Posteriormente,
sobreveio nova legislação que reduziu a multa exigível nessa mesma hipótese para 50%.
O contribuinte

(A) não tem direito à restituição da diferença, uma vez que a nova lei é posterior ao
pagamento daquele débito.
(B) não tem direito à restituição da diferença, por aplicação do princípio da
irretroatividade da lei tributária.
(C) tem direito à restituição da diferença, porque a lei tributária retroage para beneficiar
o contribuinte.
(D) tem direito à restituição da diferença, porque se aplica retroativamente a lei que
comine penalidade menos severa.

89. O lançamento é efetivado e revisto de ofício pela autoridade administrativa quando

I. a lei assim o determine;


II. a pessoa legalmente obrigada atenda pedido de esclarecimento formulado pela
autoridade administrativa, sobre declaração prestada no prazo e na forma da legislação
tributária;
III. se comprove omissão ou inexatidão, por parte da pessoa legalmente obrigada no
exercício do lançamento por homologação;
IV. deva ser apreciado o fato conhecido ou provado por ocasião do lançamento anterior.

Aponte as hipóteses verdadeiras.

(A) I e III, apenas.


(B) II e IV, apenas.
(C) I, II e III, apenas.
(D) I, II, III e IV.

90. Tratando-se de imunidade tributária, é correto afirmar que

(A) não se aplica às taxas e contribuições sociais.


(B) pode ser instituída por intermédio de lei complementar.
(C) é norma constitucional que colabora no desenho das competências
impositivas.
(D) é extensiva aos partidos políticos, no que se refere ao patrimônio, à renda e
aos serviços vinculados ou não a suas finalidades essenciais.

OAB 110

1 - Determinada indústria consome parte dos produtos por ela industrializados. Neste
caso, há incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados?
1. Não, pois o seu fato gerador é a saída dos produtos industrializados do
estabelecimento industrial.
2. Não, pois não houve alienação dos produtos industrializados a terceiros.
3. Sim, pois ocorreu o consumo dos produtos industrializados.
4. Sim, porque houve circulação econômica dos produtos industrializados.

2. A Constituição Federal proíbe que seja estabelecida limitação ao tráfego de pessoas ou


mercadorias por meio de tributos interestaduais ou intermunicipais.
Aplica-se essa vedação
1. aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios.
2. à União, aos Estados e aos Municípios.
3. à União, aos Estados e ao Distrito Federal.
4. à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios.

3. O ICMS
1. é não-cumulativo, significando que, em qualquer hipótese, deverá ser assegurado
o crédito para compensação com o montante devido nas operações ou prestações
seguintes.
2. incide sobre prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e
de comunicação, assim como sobre o valor total da operação, quando as
mercadorias forem fornecidas com serviços não compreendidos na competência
impositiva municipal.
3. sendo de competência tributária do Estado-Membro, somente a legislação
estadual pode excluir da incidência do imposto, nas exportações para o exterior,
serviços e produtos determinados.
4. tem as suas alíquotas estabelecidas pelo Senado Federal, aplicáveis às operações
e prestações internas, interestaduais e de exportação.

4. Assinale a alternativa correta sobre responsabilidade tributária.


1. Apresentada a certidão negativa de tributos municipais, por ocasião da aquisição
de prédio urbano, pelo comprador, salvo hipótese de dolo deste, não pode ser-lhe
imputada qualquer responsabilidade pelos débitos anteriores à aquisição, quer
porque ao documento público não se pode negar fé, quer porque o Estado deve
responder por atos de seus agentes, assegurado o direito de regresso contra o
responsável no caso de dolo ou culpa.
2. Mediante expressa previsão legal, a responsabilidade tributária, relativamente à
obrigação principal ou acessória, pode ser atribuída à terceira pessoa vinculada ao
fato gerador da obrigação tributária.
3. O espólio é responsável pelos tributos devidos pelo de cujus até a data da partilha
ou adjudicação, ao passo que a pessoa jurídica de direito privado que resultar de
incorporação é responsável pelos tributos devidos até a data do ato pela pessoa
jurídica de direito privado incorporada.
4. Ao teor do art. 135 do CTN, os gerentes, diretores ou representantes de pessoas
jurídicas de direito privado são pessoalmente responsáveis pelo crédito tributário
referente ao ICMS devidamente escriturado nos livros fiscais e não recolhido no
prazo estipulado na legislação tributária sempre que impossibilitada, por qualquer
razão, a sua cobrança do contribuinte.

5. O custeio dos sistemas de previdência social mantidos pelos Estados e pelos


Municípios
1. não poderá ser realizado por meio de contribuições, cuja competência impositiva
é exclusiva da União Federal.
2. poderá ser realizado por meio de contribuições de intervenção no domínio
econômico, instituídas pelos Estados e Municípios respectivos.
3. poderá ser realizado por meio de contribuições instituídas pelos Estados e
Municípios respectivos, cobradas de seus servidores.
4. deverá necessariamente ser feito mediante repasses efetuados pela União Federal,
por meio dos Fundos de Participação de Estados e Municípios.

A empresa Alfa S.A. impetrou mandado de segurança para discussão de certo tributo
federal, tendo obtido liminar para suspensão do crédito respectivo, sem a necessidade de
realização de depósito judicial. A segurança foi negada por decisão definitiva transitada
em julgado. Dez dias após a publicação da decisão desfavorável, a Receita Federal lavrou
auto de infração contra Alfa S.A., por falta de recolhimento do tributo discutido,
monetariamente corrigido, aplicando-lhe ainda multa pelo não recolhimento. O auto de
infração
1. não procede, pois a falta de recolhimento estava amparada por decisão judicial.
2. procede em parte, porque a Alfa S.A. teria o prazo de 30 (trinta) dias para recolher
o tributo, sem a imposição de penalidade.
3. procede em parte, porque não flui correção monetária enquanto o crédito tributário
está suspenso.
4. procede totalmente, porque Alfa S.A. realmente infringiu a legislação tributária.

São normas complementares de direito tributário


1. os convênios celebrados entre os entes federativos.
2. as leis complementares.
3. as leis ordinárias e os seus respectivos regulamentos.
4. os tratados internacionais em matéria tributária.

Se determinada operação, praticada entre contribuintes do IPI e do ICMS, constitui,


simultaneamente, fato gerador de ambos os impostos,
1. somente é cobrado o IPI.
2. os valores relativos ao ICMS não se incluem na base de cálculo do IPI.
3. o IPI e o ICMS são cobrados cumulativamente.
4. somente é cobrado o ICMS.

O Imposto sobre Transmissão inter vivos de Bens Imóveis (ITBI) não incide sobre
1. vendas de imóveis realizadas por sociedades de economia mista que exercem
atividade econômica.
2. vendas de imóveis realizadas por sociedade imobiliária.
3. integralização, com imóveis, de capital de sociedade cujo objeto não seja a
atividade imobiliária.
4. constituição de usufruto sobre imóvel.

Não pode ser cobrado no mesmo exercício financeiro da publicação da lei que o instituiu,
o imposto
1. sobre produtos industrializados (IPI).
2. sobre importação de produtos estrangeiros (I.I.).
3. sobre operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores
mobiliários (IOF).
4. sobre a renda de proventos de qualquer natureza (IR).
OAB 111

1 - Em relação às taxas, é correto afirmar que

A a sua instituição é matéria reservada à lei complementar.


B. não constituem espécies de tributos.
3. podem ser cobradas independentemente da existência de lei que defina todos os
elementos de seu fato gerador.
4. não podem ter base de cálculo própria de impostos.
2.Os Municípios têm competência para instituir imposto sobre serviços de qualquer
natureza, exceto de
1. transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação.
2. agenciamento ou corretagem de bens móveis.
3. assistência médica e planos de saúde.
4. ensino, instrução ou treinamento.
3.Está sujeita à disciplina específica por meio de lei complementar, a
1. concessão de isenção de pagamento dos impostos de competência da União
Federal.
2. instituição, pela União Federal, de impostos não discriminados na Constituição
Federal.
3. majoração de alíquota das contribuições para o financiamento da seguridade
social previstas no art. 195 da Constituição Federal.
4. instituição de taxas baseadas no poder de polícia.
4. Dentre os fatos geradores que podem, em tese, ensejar a cobrança de taxas, não se
encontra a
1. fiscalização de mercadorias importadas pela autoridade aduaneira.
2. prestação de serviço público de gás canalizado.
3. prestação de serviço de segurança pública.
4. fiscalização de atividades potencialmente poluidoras pela autoridade ambiental.
5. A imunidade estabelecida pelo art. 150, VI, a, da Constituição Federal, que veda a
tributação recíproca entre União, Estados e Municípios abrange
1. apenas os respectivos órgãos da Administração Direta.
2. apenas os respectivos órgãos da Administração Direta e as autarquias.
3. apenas os respectivos órgãos da Administração Direta, as autarquias e as
fundações públicas.
4. toda a Administração Direta e Indireta de cada ente federativo.
6. Pode ser aplicada retroativamente a lei tributária que
1. institua ou aumente tributo.
2. extinga tributo.
3. deixe de definir determinado ato como infração, ainda que já definitivamente
julgado.
4. seja expressamente interpretativa.
7. A contagem do prazo de prescrição da ação para cobrança do crédito tributário inicia-
se
A. na data da constituição definitiva do crédito tributário.
B. na data da ocorrência do fato gerador.
C. na data do protesto inicial.
D. no primeiro dia do exercício seguinte àquele em que ocorre o lançamento.
8. O imposto sobre a renda
A. tem como fato gerador a disponibilidade econômica ou jurídica de renda,
assim entendido o produto do capital, bem como os proventos de qualquer
natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais não compreendidos no
conceito de renda.
B. pode ter as atuais alíquotas substituídas por uma alíquota única, mediante
alteração por lei ordinária, que assegure a arrecadação do mesmo montante
propiciado pela legislação vigente.
C. juntamente com o imposto territorial rural, constitui os dois únicos
impostos federais, disciplinados por lei ordinária, que se submetem ao
princípio da anterioridade, previsto no art. 150, III, b, da CF.
D. imposto recebido na fonte pelo IPREM, autarquia municipal, em razão de
rendimentos pagos, a qualquer título, fica pertencendo àquela autarquia
municipal.
9. Aponte a alternativa certa quanto ao imposto sobre a propriedade predial e territorial
urbana.
A. O art. 34 do CTN prescreve que o contribuinte desse imposto é
proprietário do imóvel, o titular de seu domínio útil, ou seu possuidor a
qualquer título. A expressão final – possuidor a qualquer título – permite
lançar o imposto sobre o locatário de prédio, sempre que o contrato de locação
prescrever a obrigação dele, locatário, de pagar os impostos incidentes sobre
o imóvel locado.
B. Para efeito de lançamento desse imposto ou do imposto territorial rural,
pode a lei ordinária competente definir o imóvel como urbano ou rural,
segundo a destinação que lhe for dada.
C. A Constituição Federal vigente contempla duas espécies de
progressividade desse imposto: a progressividade fiscal, para favorecer
proprietário de prédio residencial, e a progressividade extrafiscal, fundada no
poder de polícia, para regular qualquer matéria de competência municipal.
D. Esse imposto é de incidência anual, porque seu fato gerador ocorre a todo
dia 1º de janeiro de cada ano.
10. A imunidade constitucional das instituições educacionais sem fins lucrativos refere-
se a
A. impostos e taxas.
B. apenas impostos.
C. impostos, taxas e contribuições.
D. impostos e contribuições

OAB 112

1 - A execução do crédito fiscal, ajuizada após a decretação da falência do contribuinte,


é realizada mediante
A. habilitação de crédito nos autos da falência.
B. penhora no rosto dos autos da falência.
C. penhora em bens individualizados.
D. venda antecipada dos bens da massa falida.
2.Não constitui hipótese de suspensão de exigibilidade do crédito tributário
A. a moratória concedida por despacho da autoridade administrativa.
B. o depósito judicial da importância questionada.
C. a medida liminar concedida em sede de mandado de segurança.
D. o decurso do prazo de 5 (cinco) anos, sem homologação expressa do
autolançamento efetuado pelo contribuinte.
3.Um dos elementos que diferenciam as taxas das contribuições de melhoria é o fato de
que as taxas
A. remuneram serviços públicos, ao passo que as contribuições de melhoria
têm como contrapartida a realização de obras públicas.
B. não dizem respeito a nenhuma atividade estatal específica, ao passo que
as contribuições de melhoria apresentam o atributo da referibilidade.
C. remuneram serviços públicos específicos e indivisíveis, ao passo que as
contribuições de melhoria remuneram serviços públicos específicos e
divisíveis.
D. são cobradas pela prestação de serviços públicos, ainda que apenas postos
à disposição do usuário, ao passo que o pagamento das contribuições de
melhoria é facultativo.
4.A Lei nº 9.960, de 28.01.2000, instituiu a Taxa de Fiscalização Ambiental – TFA, que
passaria a incidir imediatamente, tendo como fato gerador a atividade desenvolvida pelo
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA,
com vistas ao controle de pessoas físicas ou jurídicas potencialmente poluidoras. É
possível sustentar a ilegitimidade dessa exação e obter a restituição do valor porventura
já pago no exercício de 2000, a partir, dentre outros, do seguinte fundamento:
A. a lei ordinária não é veículo idôneo para a instituição de taxas.
B. é inadmissível a instituição de taxas, cujo fato gerador seja a fiscalização
da atividade particular.
C. é inadmissível a cobrança de taxas, no mesmo exercício financeiro da lei
que a instituiu.
D. é vedada a cobrança de taxas, para financiamento de atividades
desenvolvidas por órgãos da administração indireta.
5.Não é cabível a propositura de ação de consignação em pagamento do montante do
crédito tributário exigido, na hipótese de
A. recusa do recebimento pelo sujeito ativo.
B. subordinação do pagamento do tributo ao cumprimento de obrigação
acessória.
C. exigência, a maior, do tributo devido.
D. exigência de tributo incidente sobre o mesmo fato gerador por mais de um
ente tributante.
6.O princípio da não-cumulatividade, em relação ao Imposto Sobre Circulação de
Mercadorias e Serviços (ICMS), significa que o
A. contribuinte poderá descontar, do valor devido em cada operação de
circulação de mercado-rias, o montante do tributo cobrado em operações
anteriores.
B. Fisco não poderá exigir, cumulativamente com o ICMS, qualquer outro
tributo em tese incidente sobre a mesma operação.
C. contribuinte tem o direito à redução progressiva da alíquota do ICMS,
conforme o número de operações realizadas em determinado espaço de tempo.
D. Fisco deverá excluir o IPI e o ISS da base de cálculo do ICMS, sempre
que qualquer daqueles dois tributos for exigido concomitantemente com este.
6.Assinale a alternativa incorreta.
A. O contribuinte ou responsável elege seu domicílio tributário.
B. Na falta de eleição, considera-se domicílio tributário a sua residência
habitual.
C. Se a residência habitual das pessoas naturais for incerta ou desconhecida,
considera-se como domicílio tributário o centro habitual de sua atividade.
D. A autoridade administrativa pode recusar a residência eleita, quando
impossibilite ou dificulte a arrecadação ou a fiscalização do tributo.
7.Salvo disposição em contrário, a responsabilidade por infração à legislação tributária
A. considera relevantes apenas as ações ou omissões praticadas com boa fé.
B. só é pessoal quando capitulada como contravenção.
C. é definida pelos princípios gerais de direito penal.
D. independe da intenção do agente.
8.O princípio da imunidade recíproca
A. existe para preservar o princípio federativo, prevenindo atritos entre as
entidades políticas, decorrentes de relações jurídicas de natureza tributária.
B. aplica-se apenas a impostos, dispensando a entidade imune das obrigações
acessórias.
C. aplica-se aos tributos das entidades políticas componentes da Federação
Brasileira, bem como em relação à renda, ao patrimônio ou serviços das
autarquias e das fundações mantidas pelo Poder Público.
D. impede a tributação, através de impostos, de rendas, patrimônios ou
serviços das entidades políticas, bem como de suas autarquias e fundações,
sendo que, em relação a estas últimas, desde que direta e exclusivamente
vinculados às suas finalidades essenciais.
9.Na ausência de disposição expressa, a autoridade competente aplica a lei tributária
utilizando-se
A. dos princípios gerais do direito tributário; da lei interpretativa; da
retroatividade benigna; da von-tade das partes.
B. da interpretação genérica do direito público; da analogia; dos efeitos
econômicos dos atos, e não da sua forma jurídica; de todos os métodos desde
que atinjam as finalidades da lei.
C. da analogia; dos princípios gerais do direito tributário; dos princípios
gerais do direito público; da eqüidade.
D. dos princípios gerais do direito público; do pensamento da lei; da
eqüidade; dos atos normativos.

OAB 113

1 - Nas atividades econômicas que envolvam fornecimento de mercadorias e prestação


de serviços não compreendidos na competência tributária dos Municípios, o imposto
sobre operações relativas à circulação de mercadorias (ICMS)
A. não incide.
B. incide apenas sobre o valor das mercadorias.
C. incide sobre o valor total da operação.
D. incide apenas nas operações interestaduais ou intermunicipais.
2.A União Federal poderá efetuar a cobrança, sem necessidade de observar o princípio da
anterioridade, dos impostos sobre
A. importação de produtos estrangeiros (II) e pro-priedade territorial rural
(ITR).
B. produtos industrializados (IPI) e renda e proventos de qualquer natureza
(IR).
C. importação de produtos estrangeiros (II) e produtos industrializados (IPI).
D. renda e proventos de qualquer natureza (IR) e propriedade territorial rural
(ITR).
3.O lançamento dos tributos que, por determinação legal, devem ser recolhidos
antecipadamente pelo contribuinte, sem prévio exame da autoridade administrativa,
denomina-se
A. por homologação.
B. direto.
C. oficial.
D. misto.
4.Na cisão de uma sociedade, com versão de todo o patrimônio para outras duas pessoas
jurídicas preexistentes, a responsabilidade pelos débitos tributários da sociedade cindida,
relativos a fatos geradores anteriores à data da operação, é imputável
A. apenas à pessoa jurídica para a qual for atribuído semelhante encargo no
protocolo de cisão.
B. a cada uma das pessoas jurídicas que absorveu o patrimônio da sociedade
cindida, em caráter solidário.
C. apenas aos sócios da sociedade cindida, em caráter solidário.
D. a cada uma das pessoas jurídicas incorporadoras, na proporção do
patrimônio recebido, sem solidariedade entre si.
5.É matéria excluída do princípio da reserva legal
A. a definição do fato gerador do tributo.
B. a fixação da alíquota e da base de cálculo do tributo.
C. a concessão de isenções e anistias.
D. a definição da data de pagamento do tributo.
6.A revogação de isenção tributária concedida por prazo indeterminado
A. pode ser decretada por ato do órgão do poder executivo responsável pela
arrecadação.
B. depende de lei específica.
C. depende de decisão judicial passada em julgado em favor do ente
tributante.
D. depende de Emenda Constitucional.
7.São causas de suspensão da exigibilidade do crédito tributário a
A. anistia e a moratória.
B. imunidade e a anistia.
C. liminar em mandado de segurança e a imunidade.
D. moratória e a liminar em mandado de segurança.
8.Em 1992, a alíquota do IPI de um certo bem industrializado era 8%. No dia 15 de julho
do mesmo ano, o Poder Executivo baixou um decreto, elevando-a para 10%. No ano
seguinte, houve novo aumento da alíquota, passando para 14%, e a partir de 1994, a
alíquota foi reduzida para zero. Em março de 1995, um fiscal da Receita Federal autuou
o estabelecimento industrial Bonsucesso Ltda., pelo não recolhimento do IPI incidente
sobre este bem, relativo a uma operação ocorrida em novembro de 1992. Além da multa
e juros de mora, o fiscal deverá lançar o imposto aplicando a alíquota de
A. 14%.
B. 10%.
C. 8%.
D. 0%.
9.As convenções particulares relativas à responsabilidade pelo pagamento de tributos
A. não podem, salvo disposições de lei em contrário, ser opostas à Fazenda
Pública.
B. podem ser sempre opostas à Fazenda Pública.
C. nunca podem ser opostas à Fazenda Pública.
D. podem, a critério da autoridade fazendária, ser opostas à Fazenda Pública.
10.Caio, contribuinte do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), é proprietário de
um imóvel sobre o qual foi edificada uma construção clandestina. Em 1997, a Prefeitura
Municipal descobriu a nova edificação e realizou a revisão do lançamento, do imposto
pago no exercício de 1996, lançando, então, a diferença de imposto apurada. Esse
lançamento complementar
A. não é possível, porque o lançamento do IPTU não pode ser revisto sob
alegação de erro de fato.
B. não é possível, porque não cabe revisão do lançamento de ofício.
C. é possível, porque o contribuinte tinha o dever de comunicar à Prefeitura
a edificação realizada.
D. é possível, porque em regra os tributos podem ser cobrados
retroativamente.

OAB 114

81 - A União Federal institui Imposto de Importação com alíquotas menores para as


mercadorias importadas por uns Estados, em relação a outros, sob a alegação de que
aqueles Estados são mais pobres e os demais, ricos. Essa diferenciação é
A. legítima, pois a União Federal tem poder para instituir tributos
diferenciados em relação aos Estados.
B. legítima, pois compete à União Federal a política de desenvolvimento dos
Estados mais pobres.
C. ilegítima, pois a União Federal não pode instituir tributos que não sejam
uniformes em todo o território nacional.
D. ilegítima, pois a diferença de riqueza não está prevista como suporte para
essa diferença de tributos em relação aos Estados.

82.Para efeito de cobrança do Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU, é considerado


imóvel urbano todo aquele que estiver localizado
A. em zona urbana, conforme definida em lei municipal.
B. dentro do território do município.
C. em zona urbana, conforme definida em lei estadual.
D. em zona urbana, conforme definida em lei municipal, desde que seja
beneficiário de certos melhoramentos urbanos.

83.Extingue-se, após 5 anos, o direito da Fazenda Pública constituir o crédito tributário


A. a partir da data do fato gerador.
B. a partir da data do lançamento efetuado, desde que não tenha havido
incorreção do lançamento.
C. a partir do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o lançamento
poderia ter sido efetuado.
D. a partir da data do lançamento efetuado mesmo com incorreção, ou a partir
do primeiro dia após o lançamento, caso seja lançado corretamente.

84.Outros impostos que não sejam cumulativos e que não tenham base de cálculo e fato
gerador próprios dos previstos na CF,
A. podem ser instituídos pelos Estados.
B. podem ser instituídos pela União.
C. não podem ser instituídos pela União.
D. não podem ser instituídos pela União ou Estados.

84.A revisão do lançamento só é admissível


A. enquanto não extinto o direito da Fazenda Pública.
B. quando se deve apreciar fato não conhecido à época do lançamento
anterior, em qualquer caso.
C. enquanto o contribuinte não tenha pago o tributo.
D. enquanto não homologado o lançamento anterior.

86.A imunidade relativa ao Imposto Territorial Rural abrange


A. todas as glebas, quando o proprietário só tem um imóvel.
B. algumas glebas improdutivas.
C. todas as glebas em que o proprietário trabalhe com a família.
D. pequenas glebas que o proprietário explore só ou com sua família e não
tenha outro imóvel.

87.Exclui-se da competência impositiva do Distrito Federal o Imposto sobre


A. Propriedade Predial e Territorial Urbano (IPTU).
B. Transmissão Causa Mortis de quaisquer bens ou direitos.
C. Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
D. Produtos Industrializados (IPI).

88.Em 1999, Caio vendeu a Tício imóvel em relação ao qual pesava débito de Imposto
Predial e Territorial Urbano - IPTU, referente ao exercício de 1998. Em seguida, Tício
recebeu a notificação de cobrança do tributo e recusou-se a pagá-lo, argumentando que
na data de ocorrência do fato gerador o proprietário do imóvel era Caio. Além disso, Caio
assumiu contratualmente, perante Tício, a obrigação de pagar o IPTU vencido. O
procedimento fiscal está
A. errado, pois o tributo só pode ser exigido de Caio, proprietário do imóvel
no exercício de 1998.
B. errado, pois Caio ainda consta como proprietário no cadastro imobiliário
da Prefeitura Municipal.
C. correto, pois o débito tributário relativo ao IPTU sub-roga-se na pessoa do
adquirente do imóvel, isto é, Tício.
D. errado, pois de acordo com o contrato celebrado entre Tício e Caio, o IPTU
deve ser pago por este.

89.Para que o adquirente de estabelecimento industrial ou comercial responda


integralmente pelos débitos tributários relativos ao fundo de comércio adquirido, é
necessário que o
A. alienante cesse de imediato a exploração das mesmas atividades
desenvolvidas no estabelecimento.
B. contrato de trespasse preveja expressamente tal responsabilidade.
C. alienante não detenha patrimônio suficiente para saldar as pendências.
D. fisco tenha manifestado oposição à transferência do estabelecimento, nos
30 (trinta) dias seguintes à data da operação.

90.Caso determinado contribuinte tenha contra si débito inscrito na dívida ativa,


A. não poderá obter certidão negativa, nem certidão positiva com efeito de
negativa.
B. somente poderá obter certidão negativa se o débito estiver garantido por
penhora ou depósito administrativo.
C. poderá obter certidão positiva com efeito de negativa, se o débito estiver
com sua exigibilidade suspensa.
D. poderá sempre obter certidão positiva com efeito de negativa.

OAB 115
1 - Na interpretação e na integração da legislação tributária,
A. interpretam-se literalmente as leis que outorgam isenções.
B. admite-se que os conceitos de direito privado sejam alterados pelas leis
tributárias.
C. admite-se a analogia para ampliar a definição legal de sujeito passivo do
tributo.
D. interpretam-se extensivamente as leis que dispõem sobre a suspensão do
crédito tributário.

2.O princípio da anterioridade, segundo o qual é vedado o aumento da carga tributária no


mesmo exercício financeiro em que tenha sido publicada a lei majorativa, aplica-se
A. a todos os tributos, inclusive contribuições sociais.
B. às taxas e impostos, ressalvadas apenas as exceções constitucionalmente
previstas.
C. apenas às taxas.
D. apenas aos impostos.

3.Determinada pessoa jurídica aliena bem imóvel pertencente a seu ativo fixo, por um
preço substancialmente menor do que o seu valor de aquisição. Posteriormente, é autuada
pelo Fisco porque não ofereceu a receita da venda desse bem à tributação pelo Imposto
de Renda. A atitude do Fisco é
A. correta, pois o recebimento do preço significou um ingresso de caixa e o
lucro tributável é a diferença entre as entradas e as saídas.
B. correta, pois a venda de bem do ativo fixo consiste em receita operacional
da empresa.
C. errada, pois a venda de bem do ativo nunca é tributada pelo imposto de
renda.
D. errada, pois o lucro tributável deve refletir o acréscimo patrimonial da
empresa.

4.Antes da promulgação da Lei Complementar no 104/01, a compensação entre créditos


e débitos de tributos da mesma espécie, sujeitos ao lançamento por homologação,
A. podia ser realizada por conta própria pelo contribuinte.
B. dependia de prévia autorização da autoridade administrativa.
C. sujeitava-se à prévia autorização judicial.
D. não podia ser realizada.
5.Não é hipótese de instituição de empréstimos compulsórios,
A. o atendimento a despesas extraordinárias decorrentes de calamidade
pública.
B. o investimento público de caráter urgente e relevante.
C. a obtenção de superávit primário nas contas governamentais.
D. o atendimento a despesas decorrentes de guerra externa.
6.A isenção concedida por prazo certo e sujeita a determinadas condições
A. pode ser modificada por lei, mas não revogada.
B. não pode ser revogada nem modificada.
C. pode ser modificada ou revogada por decisão administrativa, a qualquer
tempo.
D. pode ser modificada ou revogada por lei, a qualquer tempo.
7.Na solidariedade, pode ser enumerado o seguinte efeito:
A. a isenção ou remissão de crédito exonera a todos os obrigados,
indistintamente.
B. a interrupção da prescrição, em favor ou contra os coobrigados, prejudica
aos demais.
C. o pagamento efetuado por um dos obrigados aproveita aos demais.
D. a remissão concedida a um dos obrigados aproveita aos demais.

8.O princípio da estrita legalidade tributária traz consigo


A. a necessidade de uma tipificação rigorosa, excluindo-se qualquer dúvida
sobre o perfeito enquadramento do conceito do fato ao conceito da norma.
B. a exigência de que a norma jurídica tributária deva sempre ser interpretada
de maneira mais favorável ao contribuinte.
C. a permissibilidade da criação de alguns tributos por decreto, uma vez que
a própria Constituição Federal assim previu.
D. a vedação de criação de tributos por Lei Complementar, porque tal
princípio, segundo a Constituição Federal os prevê, são instituídos somente
por Lei Ordinária.

9.A natureza jurídica específica do tributo é determinada


A. pela destinação legal do produto de sua arrecadação.
B. pelas obrigações acessórias.
C. pelo fato gerador.
D. pela denominação e demais características legais adotadas pela lei.

10.A lei complementar é exigida para


A. majoração de tributo.
B. criação de contribuição de intervenção no domínio econômico.
C. revogação de isenção.
D. instituição de empréstimos compulsórios.

Gabaritos

OAB 110
01 - A 02 - D 03 - B 04 - A 05 - C 6 - B 07 - A 08 - B 09 - C 10 – D

OAB 111
1 - D 2 - A 3 - B 4 - C 5 - C 6 - D 7 - A 8 - C 9 - D 10 - B 11 - C 12 - D

OAB 112
1 - B 2 - D 3 - A 4 - C 5 - C 6 - A 7 - B 8 - D 9 - A 10 - C 11 - A 12 - D

OAB 113
1 - C 2 - C 3 - A 4 - B 5 - D 6 - B 7 - D 8 - B 9 - A 10 - C

OAB 114
81 - B; 82 - D; 83 - C; 84 - B; 85 - A; 86 - D; 87 - D; 88 - C; 89 - A; 90 – C
OAB 115
01 - A 02 - B 03 - D 04 - A 05 - C 06 - B 07 - C 08 - A 09 - C 10 - D