Você está na página 1de 13

Social Disciplinas Wiki Ajuda Você acessou como visitante (Entrar)

Moodle antigo do Stoa


Percepção Musical I

Moodle antigo do Stoa ▶ ECA ▶ CMU ▶ CMU0512

Atividades Agenda do Curso Próximos


Eventos
Fóruns
Não há
nenhum
Pesquisar nos evento
Fóruns Percepção Musical 1 – Programação para o semestre próximo

Calendário...
Vai
Segundas-feiras, das 14:30 às 16:10 horas (16 aulas)
Pesquisa Avançada

Atividade
recente
Administração
Atividade
Faça a minha desde
inscrição neste segunda, 21
curso outubro 2019,
Calendário 1s/ 2012 19:58
Categorias de Relatório
Disciplinas completo da
atividade
Outros 27/02 – Semana de Recepção aos Calouros 2012 da ECA recente

FFLCH Nenhuma
novidade
EP desde o seu
FE
05/03 – Apresentação deste Calendário / Teste de Ingresso / último acesso
Benward Cap. 1 / Carr Cap. 1 / Gramani: Série 2-1,
FD Estruturas de pulsações e Fifrilim
ESALQ
IQ
12/03 – Benward Cap. 1 / Carr Cap. 1 / Gramani Gerenciador
IME de Arquivos

IP Meus
Arquivos
FEARP 19/03 – Benward Cap. 1 / Carr Cap. 1 / Gramani / Entregar
IO o Trabalho Mensal Benward Cap. 1: M1A (16-30),
H1A (11-20, apenas graus), H1B (5-8, apenas letras),
IFSC
H1F (13-24, apenas números)
IF

FEA

ICB 26/03 – Avaliação de Leituras (Carr Cap. 1)


EEFE
EACH
02/04 – Feriado (Semana Santa)
FZEA

FO

ECA 09/04 – Benward Cap. 2 / Carr Cap. 2 / Gramani


EDUSP

FMVZ
16/04 – Benward Cap. 2 / Carr Cap. 2 / Gramani
FM
EESC 23/04 – Benward Cap. 2 / Carr Cap. 2 / Gramani / Entregar
FSP o Trabalho Mensal Benward Cap. 2: M2A (8-14),
M2B (11-20), M2D (11-30, com notas e denominações
IAG
dos intervalos), H2A (11-20, apenas graus), H2B (5-8,
ICMC apenas letras), H2F (11-20, apenas números)
IB

FMRP
30/04 – Feriado (Dia do Trabalho)
FCF

MAC

MP 07/05 – Avaliação de Leituras (Carr Cap. 2)


Extensão

FCFRP
14/05 – Benward Cap. 3 / Carr Cap. 3 / Gramani
EEFERP

IPEN

IMT 21/05 – Benward Cap. 3 / Carr Cap. 3 / Gramani


EE

HRAC
28/05 – Benward Cap. 3 / Carr Cap. 3 / Gramani / Entregar
CIAGRI
o Trabalho Mensal Benward Cap. 3: M3A (9-14),
EERP M3B (4-8, apenas números), M3D (11-30, com notas e
denominações dos intervalos), H3A (11-20, apenas
Escola de graus), H3B (5-8, apenas letras), H3D (6-8, com graus
Aplicação e notas), H3E (11-20, com notas e denominações das
FFCLRP
tríades: M, m, d, A), R3A (11-16), R3B (7-12)
COSEAS

PRG

IRI
04/06 – Avaliação de Leituras (Carr Cap. 3)

FOB

FDRP
11/06 – Benward Cap. 4
CENA

FAU

IQSC 18/06 – Benward Cap. 4 / Entregar o Trabalho Mensal


Benward Cap. 4: M4A (9-18), M4B (13-25), M4D
Todos os cursos ... (11-30), H4A (11-20), H4B (5-8), H4C (16-20), H4D
(1-5), H4E (11-20), R4A (4-6), R4B (7-10)

25/06 – Benward Cap. 4 / Avaliação da disciplina

02/07 – Avaliação escrita (Benward)

Sistema de avaliação

- Trabalhos mensais: Serão entregues nos dias


determinados no Calendário, durante o horário da aula.
Não serão aceitos trabalhos entregues fora da sala de aula,
com atraso, ou por e-mail. Se porventura as aulas forem
suspensas (devido a greve ou outro motivo), serão
considerados para nota os trabalhos entregues, portanto, é
importante que os alunos realizem os primeiros trabalhos.
- Avaliações: Nos dias acima especificados teremos três
avaliações de leitura (em grupos com 6 alunos), uma
Avaliação de Rítmica do Gramani e uma Avaliação Escrita
(individual). A Nota das Avaliações será = somatória das
notas das Avaliações de Leitura e Rítmica + nota da Avaliação
Escrita : 2.

- Conceito final = nota das Avaliações com peso 3 + nota da


entrega dos Trabalhos Mensais com peso 1. Por exemplo, um
aluno com nota 8 nas avaliações é 0 nos trabalhos terá média
final 6.0 (8x3+0:4=6); um aluno com nota 6 nas avaliações e
0 nos trabalhos terá média final 4.5; um aluno com nota 6
nas avaliações e 10 nos trabalhos terá média final 7.

- Frequência: A chamada será feita após 15 minutos do


início da aula e a presença será válida somente se o aluno
permanecer na sala até o término da aula. Os alunos que
possuírem mais do que 30% de faltas serão automaticamente
reprovados (norma USP).

- Plantão de dúvidas: às sextas-feiras, das 13 às 14 horas,


com Roberto Rodrigues (bobs@usp.br), na sala 10A
(Laboratório de Percepção e Análise Musical, PAM, coord.
pelos Profs. Adriana e Paulo de Tarso).

- Observações: (1) Não há período de recuperação ao final


do semestre. (2) Este calendário poderá sofrer ajustes no
decorrer do semestre, por decisão do professor, após
comunicado prévio. (3) Estas informações constam em
http://disciplinas.stoa.usp.br/.

Bibliografia para a disciplina Percepção Musical

Os livros da Bibliografia Principal devem ser adquiridos por


todos os alunos até o dia 12 de março e todos os
alunos devem estar de posse deles em absolutamente
todas as aulas:

BENWARD, Bruce e KOLOSICK, Timothy. Percepção


musical: prática auditiva para músicos. Série
didático-musical. Tradução da 7ed. Adriana Lopes da
Cunha Moreira. SP: Edusp / Editora da Unicamp, 2008.
(Na livraria da Edusp, os professores têm 50% de
desconto e os alunos, 30%.)

CARR, Maureen & BENWARD, Bruce. Percepção musical:


leitura cantada à primeira vista. Série didático-
musical. Tradução da 7ed. Adriana Lopes da Cunha
Moreira. SP: Edusp / Editora da Unicamp, 2011. (Na
livraria da Edusp, os professores têm 50% de desconto
e os alunos, 30%.)

GRAMANI, José Eduardo. Rítmica. SP: Perspectiva, 2004.

(1) Os exercícios contidos no livro Percepção musical:


prática auditiva para músicos devem ser resolvidos
diariamente, através do acesso ao endereço
http://www.mhhe.com/socscience/music/benward7/train.htm.
Para salvar o conteúdo das gravações disponíveis nesse site e
montar um CD para uso diário: cliquem com o botão direito
do mouse sobre o exercício “Melody 1A”, depois escolham
"salvar destino como" e o conteúdo já estará salvo em mp3;
em seguida, cliquem com o botão direito do mouse sobre o
exercício “Melody 2A”, escolham "salvar destino como" e
assim por diante.

(2) Ao estudar os exercícios do livro Percepção musical:


leitura cantada à primeira vista, seguir o planejamento
que segue:

Unidade 1: andamentos e transposições

Seção A1: pulso (seja qual for a unidade de tempo) = 120.


Com marcações de regência.

Seção A2: 1-7 (semínima = 120), 8 (colcheia = 120). Com


marcações de regência.

Seção C: 1 (2M asc Ré M), 2 (3M asc Si M), 3 (3m desc Ré


M), 4 (em asc Fá M), 5 (3m desc Som M), 6 (4J asc
Ré M), 7 (5J desc Láb M), 8 (2M desc Ré M), 9 (4J
desc Mib M), 10 (2M desc Lá M), 11 (3M desc Láb M),
12 (2M asc Lá M), 13 (2M asc Sol M), 14 (4J desc Fá
M), 15 (2M asc Mi M), 16 (4J desc (Sib M), 17 (2M
asc Si M), 18 (3m desc Fá M), 19 (2M asc Fá# M), 20
(não transpor).
Seção D: 1 (2M asc Ré M), 2 (2m asc Mib M), 3 (2M asc Fá
M), 4 (2m desc Lá M), 5 (2m asc Sib M), 6 (2M desc
Fá M), 7 (2m asc Réb M), 8 (4J desc Mib M).

Seção E2: 1-3, caem na prova.

Unidade 2: andamentos e transposições

Seção A1: pulso (seja qual for a unidade de tempo) = 90.


Com marcações de regência.

Seção A2: 1-5 (semínima pontuada = 100), 6-9 (semínima


pontuada = 60, executar com md/me). Com
marcações de regência.

Seção B2: 4 (3m desc Mi M), 5 (2M asc Lá M), 6 (2M desc Fá
M), 7 (3M desc MibM), 8 (4J desc Ré M), 9 (2m asc
Láb M), 10 (2m desc Fá# M).

Seção C: transpor todos os exercícios pensando na clave de


dó para contralto (terceira linha): 1-10 (2M asc Ré
M), 11 (não transpor).

Seção D1: 1 (3m desc Ré M), 2 (2m asc Mib M), 3 (2m desc
Mi M), 4 (2M desc Dó M), 5 (3M asc Dó# M), 6 (2M
desc Láb M), 7 (2M desc Sol M), 8 (3m desc Ré M),
10 (não fazer), 11 (3M desc Mib M), 12 (3m desc
Fá# M), 13 (5J desc Ré M), 14 (3M asc MiM), 15 (4J
desc Sol M), 16 (5J desc Ré M), 17 (3M desc Sib M),
18 (2M desc Dó M), 19 (2m desc Fá# M), 20 (2M
desc Réb M).

Seção D2: 1 (2m desc Ré M), 2 (3M desc Réb M), 3 (3m desc
Ré M), 4 (3m desc Dó M), 5 (4J desc Ré M), 6 (5J
desc Dó M), 7 (3M desc Mib M), 8 (3m desc Dó M).

Seção E1: fazer as leituras pronunciando a letra (ao invés de


pronunciar os nomes das notas).

Seção E2: 1-2, caem na prova.


Unidade 3: andamentos e transposições

Seção A1: pulso (seja qual for a unidade de tempo) = 120.


Com marcações de regência.

Seção A2: 1-8 (semínima = 120), 9-10 (semínima = 120,


executar com md/me). Com marcações de regência.

Seção C: 1 (4J desc Mi M), 2 (2M desc Réb M), 3 (2M asc Sol
M), 4 (4J desc Lá M), 5 (3m desc Sol M), 6 (3M desc
Réb M), 7 (3m asc Solb M), 8 (3M desc Láb M), 9
(2M asc Fá M), 10 (3M desc Láb M), 11 (3m desc Ré
M), 12 (4J desc Ré M).

Seção D1: não transpor.

Seção D2: 1a (2M desc Sib m), 1b (3m desc Lám), 1c (3M
desc Láb m), 2 (4J asc Lá m esc nat), 3 (2m asc Dó
m esc nat), 4 (4J asc Sol m esc nat), 5 (2M desc Dó
m esc mel)

Seção D3: 1 (4J asc Dó m esc mel), 2 (4J desc Si m esc


harm), 3 (4J desc Ré m esc harm), 4 (4J desc Fá# m
esc mel), 5 (4J asc Sol m esc harm ou nat), 6 (4J
desc Sol m esc mel), 7 (4J desc Dó# m esc mel), 8
(4J desc Dó m esc nat), 9 (4J asc Lá m esc harm), 10
(4J desc Ré m esc mel).

Seção D4: transpor todos os exercícios pensando na clave de


dó para contralto (terceira linha): 1 (2M asc, eólio
em mi), 2 (2M asc, jônio em sol), 3 (2M asc, eólio
em mi), 4 (2M asc, eólio em mi), 5 (2M desc, Dó m
esc harm), 6 (5J asc, Lá m esc harm ou nat).

Seção E1: 1-3 (em casa, tocar uma voz e cantar a outra).

Seção E2: 1, cai na prova.

Por que nos dedicamos ao estudo da percepção


musical?
O estudo da percepção musical é tanto um subsídio como
uma finalidade do estudo da análise musical. E a composição,
a análise musical e a interpretação são processos
intrinsecamente interdependentes e auxiliares, por
estabelecerem um relacionamento de troca de informações
que mantém sua sustentação, permanência e renovação.

Igor Stravinsky e Anton Webern se reportaram à importância


do desenvolvimento da percepção musical para os músicos
profissionais. Os professores Lars Edlund (Royal University
College of Music de Estocolmo, Suécia), Bruce Benward
(University of Wisconsin) e Timothy Kolosick (University of
Arizona), à prática da percepção, para músicos:

“A arte musical é limitada em sua expressão de


um modo que corresponde exatamente às
limitações do órgão que a percebe” (Stravinsky
1996: 63). [1]

“E devo citar Goethe (...): ‘A cor é a expressão


das leis da natureza na sua relação com o
sentido da visão’. Como entre cor e música não
existe uma diferença de essência, mas apenas
de grau, pode-se dizer que a música é a
expressão das leis da natureza na sua relação
com o sentido da audição” (Webern 1984: 25).
[2]

“O principal objetivo da prática da percepção


auditiva é desenvolver a sensibilidade. (...) A
prática da percepção auditiva é um estudo
concreto que desenvolve a capacidade humana
de se obter uma consciência e uma
compreensão clara das estruturas musicais”
(Edlund 1963: 13).

“A reconstrução mental dos sons é denominada


imagem sonora e o domínio dessa prática é
uma das habilidades mais importantes que um
músico pode adquirir em um curso de
percepção musical” (Benward & Kolosick 2008:
81).
No livro The Listening Experience, [3] o educador musical
James Patrick O’Brien, professor na University of Arizona,
classificou cinco maneiras principais de se ouvir: (1) para
melhorar o humor; (2) por entretenimento; (3) por participar
de experiência cerimonial; (4) focando a qualidade da
interpretação; (5) focando a percepção de padrões
sonoros. O’Brien observou que esta última se refere à
escuta: das combinações de alturas com a finalidade de
formar unidades mais longas, da justaposição de seções para
formar movimentos, das combinações de movimentos para
formar estruturas musicais maiores e da organização da obra.
O autor sabiamente observou que a audição do
planejamento, da estrutura, da lógica e do padrão
sonoro de uma obra intensifica a compreensão e a
apreciação do ouvinte (O’Brien 1987: 8). Acrescento que
tal compreensão contribui diária e constantemente para a
excelência do trabalho do músico profissional.

No mesmo exemplar, O’Brien apresentou uma segunda


classificação, referente a tipos de ouvintes: (1) sensorial; (2)
associativo; (3) crítico; (4) atento. O autor focou o ouvinte
classificado como atento, por constituir a postura associada
ao músico profissional. Observou que o ouvinte atento
incorpora e aperfeiçoa os outros três tipos de ouvintes:
aprecia o som, está apto a criticar a qualidade da execução,
sente que compreendeu mais a obra após cada escuta,
observa as razões musicais que conduziram a sensações,
sente curiosidade em relação às técnicas de composição, à
instrumentação e à textura que o compositor utilizou, busca a
audição de obras de difícil compreensão e que agucem sua
curiosidade, assim como procura ler sobre análise musical. O
ouvinte atento é capaz de reconstruir a obra a partir de
seus componentes auditivos (O’Brien 1995: 16-17). [4]
Enquanto músicos profissionais que somos, devemos buscar o
aprimoramento diário e contínuo de nossa audição atenta.

O ouvido absoluto

Na Introdução do livro Modus Novus, que trata da leitura à


primeira vista cantada (solfejo) de passagens em obras não
tonais, Lars Edlund referiu-se de maneira acertada ao
chamado ouvido absoluto:
“O ouvido absoluto é basicamente uma forma
de memória e geralmente os objetos
lembrados constituem alturas absolutas e a
tonalidade. (...) Raramente os alunos que
possuem esta forma de escuta refletem a
respeito dos intervalos, da função tonal desses
intervalos ou da função desses intervalos no
contexto musical. (...) Esses alunos devem
pensar mais a respeito dos intervalos e de suas
funções melódicas e menos no nome das notas”
(Edlund 1963: 15).

A disciplina Percepção Musical

Nossa disciplina irá focar, inicialmente, a prática da


percepção de domínios musicais - como alturas, rítmica,
textura e progressões harmônicas. Na seqüência, iremos nos
reportar à formação de unidades mais longas, como frases,
seções e movimentos. O curso prevê o concomitante
desenvolvimento da leitura à primeira vista cantada (solfejo)
e da independência rítmica (Gramani). No âmbito total do
curso, buscaremos focalizar tanto o repertório tonal quanto o
não tonal (atonal e modal).

Bibliografia complementar para alunos com


facilidade:

AIELLO, Rita & SLOBODA, John A. Ed. Musical perceptions.


NY: Oxford Univ. Press, 1994.

ANTAL, Molnár. Klasszikus Kánonok. Budapest:


Zenemükiadó Budapest, 1955.

BACH, Johann Sebastian. Lieder und Arien. NY: Lea Pocket


Scores, 1955.

BACH, Johann Sebastian. 185 four-part Chorales. NY: Lea


Pocket Scores, 1955.

BERKOWITZ, Sol, FONTIER, Gabriel & KRAFT, Leo. A New


Approach to Sight Singing. 4th ed. NY: W. W.
Norton, 1997.
EDLUND, Lars. Modus novus. Stockholm: AB Nordiska
MusikFörlaget, 1963.

FRIEDMANN, Michael L. Ear Training for Twentieth-


Century Music. New Haven: Yale Univ. Pr., 1990.

GRAMANI, José Eduardo. Rítmica Viva: A consciência


musical do ritmo. Campinas: Ed. Unicamp, 1996.

HALL, Anne Carothers. Studying Rhythm. 3 ed. Upper


Saddle River: Prentice Hall, 2005.

HANSEN, Ted. Twentieth Century Harmonic and Melodic


Aural Perception. Washington: University Press of
America, 1982.

HERDER, Ronald. Tonal/Atonal: progressive ear training,


singing and dictation studies in diatonic, chromatic and
atonal music. NY: Continuo Music Press, 1973.

HINDEMITH, Paul. Treinamento elementar para músicos.


3 ed. SP: Ricordi, 1983.

KODÁLY, Zoltán. 77 Two Part Exercises. London: Boosey &


Hawkes, 1967.

KODÁLY, Zoltán. 66 Two Part Exercises. London: Boosey &


Hawkes, 1969.

LEMOINE, Henry & CARULLI, G. Solfège des solfèges. Paris:


Éditions Henry Lemoine, 1910.

NÉMETH, Rudolf; NÓGRÁDI, László & PUSTER, Janos.


Szolfézs Antológia. Budapest: Editio Musica
Budapest, 1984.

OTTMAN, Robert W. Music for Sight Singing. 5th ed. Upper


Saddle River: Prentice Hall, 2001.

PAZ,Ermelinda Azevedo. 500 Canções brasileiras. Luís


Bogo Editor, 1989.
STARER, Robert. Rhythmic Training. Milwaukee: Hal-
Leonard, 1969.

WEBER, Alain. Leçons progressives de lecture et de


rythme: En six volumes. Nouvelle Édition. Paris:
Alphonse Leduc, 1983.

WITTLICH, Gary E. & HUMPHRIES, Lee. Ear Training: An


Approach through Music Literature. San Diego:
Harcourt Brace Jovanovich, 1974.

Bibliografia de apoio para alunos com


dificuldade:

BARBOSA, Cacilda Borges. Estudos de ritmo e som. 1º ano. 6


ed. RJ: s/ed, 1994.

BARBOSA, Cacilda Borges. Estudos de ritmo e som. 2º ano. 3


ed. RJ: s/ed, 1987.

BERKOWITZ, Sol, FONTIER, Gabriel & KRAFT, Leo. A New


Approach to Sight Singing. 4th ed. NY: W. W.
Norton, 1997.

OTTMAN, Robert W. Music for Sight Singing. 5th ed. Upper


Saddle River: Prentice Hall, 2001.

PAZ,Ermelinda Azevedo. 500 Canções brasileiras. Luís


Bogo Editor, 1989.

PRINCE, Adamo. A arte de ouvir: Percepção rítmica. Vol. 1-


2. w/CD. RJ: Lumiar, 2001.

SOBREIRA, Silvia. Desafinação vocal. 2 ed. RJ: Musimed,


2003.

Ear Open. CD-ROM.

Ear Trainer. Endereço: http://www.good-


ear.com/servlet/EarTrainer

(1) Clique em Beginner (à esquerda); depois em


simple intervals (observe se a listagem options, à
esquerda está marcando fixed root, normal tempo,
normal volume, acoustic piano. Se não estiver, escolha
cada tópico e clique em set options). (2) Clique em
play (ao centro); ouça o som; marque a resposta;
clique em submit. (3) Se a resposta estiver correta,
outra tela se abrirá com a inscrição Yeah! That’s right!
– então clique em try next one; se a resposta estiver
incorreta, a outra tela terá Sorry! You are wrong –
então clique em try again se quiser repetir o exercício
ou em try next one se quiser ouvir outro exercício. (4)
Repita esse exercício até obter o resultado 10 right of
10 (no centro da tela). Em seguida, vá à esquerda da
tela e mude a listagem options: apague o fixed root e
clique em set options; repita o exercício até obter 10
right of 10. Vá novamente à esquerda da tela e mude
a listagem options: escolha um instrumento diferente
de acoustic piano e clique em set options; repita o
exercício até obter 10 right of 10. 5. Na semana
seguinte, clique em Beginner (à esquerda); depois em
major/minor. Siga até o final.

[1] STRAVINSKY, Igor. Poética musical (em 6 lições). RJ:


Jorge Zahar, 1996.

[2] WEBERN, Anton. O caminho para a música nova. SP:


Novas Metas, 1984. (Edição esgotada.)

Fórum de notícias

14 março - 20 março

21 março - 27 março

28 março - 3 abril

4 abril - 10 abril
11 abril - 17 abril

18 abril - 24 abril

25 abril - 1 maio

2 maio - 8 maio

9 maio - 15 maio

16 maio - 22 maio

Você acessou como visitante (Entrar)


Moodle