Você está na página 1de 3

Trabalho de Reposição de História

Ditadura Militar (1964/85)


Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco ( Castelo Branco ) 1964 - 1967
Político brasileiro, militar, Presidente da República eleito, na Revolução de março de 1964. Nasceu no
Ceará, no dia 20 de Setembro de 1900; morreu em 18 de Julho de 1967, quando o avião do Exército em
que viajava, chocou-se no ar com um Jato da FAB. Era parente de José de Alencar o consagrado escritor
brasileiro. Iniciou seus estudos militares em Porto Alegre, mais tarde transferiu-se para a Escola Militar de
Realengo; escolhendo a arma de infantaria. Era filho do General Cândido Borges Castelo Branco e de D.
Antonieta Alencar Castelo Branco. Consagrou-se como um dos mais distintos membros da Sociedade
Acadêmica da Escola Militar. Iniciou sua carreira no 12º Regimento de Infantaria em Belo Horizonte, após
ser declarado Aspirante a Oficial em 1921. Em 1923 alcançou o posto de primeiro Tenente, onde seu alto
conceito o levou à Escola Militar como Instrutor de Infantaria em 1927. Promovido a Capitão em 1938, por
merecimento; Tenente Coronel em 1943 por merecimento, e finalmente Marechal da Reserva quando tomou
posse da Presidência da República em 1964. Ocupou cargos diversos; cursou a Escola Superior de Guerra
na França, e Escola Fort Leavenworth, nos Estados Unidos. Durante a Segunda Guerra Mundial, foi Chefe
de Seção de Operações da Força Expedicionária Brasileira, seguindo com ela para a Itália. De volta ao
Brasil foi designado Diretor do Ensino da Escola do Estado Maior. Escreveu inúmeras obras, entre as quais:
“Alto Comando da Tríplice”, “Aliança na Guerra do Paraguai”, “Tendências do Emprego das Forças
Terrestres na Guerra Futura”, “Doutrina Militar Brasileira” “A Guerra”, “A Estratégia Militar” e o “Poder
Nacional”. Seu nome completo é Humberto de Alencar Castelo Branco.

Marechal Artur Costa e Silva ( Costa e Silva ) 1967 - 1969


Nasceu em Taquari, no Rio Grande do Sul, a 3 de outubro de 1902. Seu governo representou um período
de uma ditadura ainda mais repressiva. Decretou o Ato Institucional nº 5, e fechou o Congresso por dez
meses. Fortaleceu os radicais da ala militar. Foi afastado da presidência por uma trombose cerebral.
Assumiu uma Junta Militar, que definiu o próximo presidente. Faleceu no Rio de Janeiro no dia 17 de
dezembro de 1969, vítima de um distúrbio circulatório. A partir de sua doença o governo foi exigido
interinamente por uma junta militar composta pelo ministros do Exército, Marinha e Aeronáutica, que
passaram o poder ao Presidente Emílio Garrastazu Médici.
General Emílio Garrastazu Médici ( Garratazu Médici ) 1969 - 1974
Nasceu em Bagé, Rio Grande do Sul, a 4 de dezembro de 1905. Com a complicação de saúdo do
Presidente Costa e Silva, foi indicado e eleito pelo Congresso Nacional para a Presidência da República.
Governou sob o clima do Milagre Econômico, que entusiasmou a classe média. A divulgação de seus
projetos pela televisão criaram um clima de ufanismo nacional. A vitória na Copa de 70, por exemplo, foi
utilizada como símbolo do futuro de sucesso do Brasil. Investiu em grandes obras de necessidade duvidosa,
como a rodovia Transamazônica. Simultaneamente, os militares tiveram que enfrentar a reação de grupos
que encontraram na luta armada o caminho de oposição à ditadura. Os êxitos econômicos do "Milagre"
justificaram o rígido controle político – ideológico, mantido durante o seu mandato. Faleceu em 9 de outubro
de 1985.
General Ernesto Geisel ( Geisel ) 1974 - 1979
Nasceu em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, no dia 3 de agosto de 1908. Foi lançado oficialmente
candidato à Presidência em 18 e julho de 1973, vencendo o pleito do Colégio Eleitoral em 15 de janeiro de
1974. Se empossou da presidência logo após a Crise do Petróleo, que encontrou um Brasil otimista e
despreparado para enfrentá-la. Mesmo assim manteve construção de obras gigantescas, como a ponte Rio-
Niterói e a Usina Nuclear em Angra dos Reis. Iniciou o processo de abertura política, pressionado pelos
opositores e pela opinião pública. Entre suas principais realização destacam-se o reatamento das relações
com a China; o II Plano Nacional de Desenvolvimento, visando ao desenvolvimento do País; a busca de
novas fontes de energia, realizando o acordo nuclear com a Alemanha e criando os contratos de risco com a
Petrobrás; início do processo de neo democratização do País. Em 1979, passou o Governo ao General
João Batista de Oliveira Figueiredo.
General João Batista de Oliveira Figueiredo (1979-1985)
Nasceu no Rio de Janeiro em 15 de janeiro de 1918. Com o general – exército, foi escolhido pelo seu
partido – ARENA – candidato à Presidência, obtendo a vitória pelo Colégio Eleitoral em 15 de outubro de
1978, prometendo "a mão estendida em conciliação". Como presidente, discursou na ONU, a 27 de
setembro de 1979, onde se posicionou contra os autos juros impostos pelos países desenvolvidos que
impediam os demais de crescerem. Último presidente do regime militar, deu seqüência ao processo de
abertura. Em 1979 assinou a Lei de Anistia, que permitia o retorno de exilados políticos ao Brasil. Governou
sob grave recessão econômica, acompanhada de numerosas greves. Ao fimnal de seu governo, os políticos
da oposição estavam extremamente prestigiados. Em 1984, foi substituído no Governo por José Sarney,
vice – presidente de Tancredo Neves, eleito indiretamente pelo Congresso Nacional.
Movimentos Culturais e sociais dos anos 60
Cinema Novo
O Cinema Novo foi um movimento cultural que surgiu na segunda metade da década de 50 no Brasil.
Surgiu questionando a companhia cinematográfica Vera Cruz e todo 0 cinema já feito no Brasil, passando a
discutir a natureza do cinema brasileiro e os problemas do método.
Poesia Concreta
É um tipo de poesia experimental ou vanguardista, basicamente visual, que procura estruturar o texto
poético escrito a partir do espaço do seu suporte, sendo ele a página de um livro ou não, buscando a
superação do verso como unidade rítmico formal.
Regionalismo

Arquitetura
A chamada "arquitetura pós-moderna" brasileira se reflete em grande parte na adoção dos elementos
formais mais óbvios da manifestação norte-americana do "movimento". No Rio de Janeiro seu exemplo mais
conhecido talvez seja o edifício Rio Branco 1, projeto de Edison Musa, que repete o uso do frontão - que se
tornou uma marca de Philip Johnson - e subdivide o edifício em base, corpo e coroamento (como na divisão
clássica). Igualmente, o arquiteto mineiro Éolo Maia adota como estilo alguns elementos da arquitetura do
americano Michael Graves entre outros (Maia utilizou um largo repertório de referências em sua
arquitetura).
Música
O disco "Tropicália ou panis et circenses" inaugurou o movimento tropicalista. A ’devoração’ da cultura
musical brasileira (samba, bossa nova, rock, bolero) com os contrastes culturais e sociais (moderno e novo,
industrializado e místico, primitivo e tecnológico) compunha a estética e a ideologia do movimento. O
tropicalismo acreditava que todas as formas musicais eram válidas.

Atos Institucionais (AI's 1,2,3 e 4)/ Constituição de 1967


AI-1: dava maiores poderes ao Executivo, que podia cassar mandatos, suspender direitos civis,
aposentar funcionários, decretar estado de sítio sem a aprovação do Congresso e suspendeu as
eleições em outubro de 1965.
AI- 2: extinguiu os partidos políticos e instituiu o bipartidarismo: a Arena (Aliança Renovadora
Nacional), que apoiava o governo, e o MDB (Movimento Democrático Brasileiro) que, teoricamente,
reuniria a oposição. Também estabeleceu eleições indiretas para presidente e possibilitou a cassação
e suspensão de direitos políticos. A partir desse ato institucional, a ditadura militar instituiu-se.
AI- 3: aprovou eleições indiretas também para governadores.
AI- 4: determinava a elaboração de uma nova Constituição militar.
A Constituição de 1967 foi a sexta do Brasil e a quinta da República. Buscou institucionalizar e
legalizar o regime militar, aumentando a influência do Poder Executivo sobre o Legislativo e Judiciário
e criando desta forma, uma hierarquia constitucional centralizadora. As emendas constitucionais que
eram atribuições do Poder Legislativo, com o aval do Poder Executivo e Judiciário, passaram a ser
iniciativas únicas e exclusivas dos que exerciam o Poder Executivo, ficando os demais relevados à
meros espectadores das aprovações dos pacotes, como seriam posteriormente nominadas as
emendas e legislações baixadas pelo Presidente da República.

Transição Democrática (1985/89 – Nova República)


As Diretas Já alavancaram uma "Abertura política", um processo de transição do Regime
Militar de 1964 para uma ordem democrática.
A campanha das Diretas Já espalhou-se em grandes comícios, passeatas e manifestações
por todo o país. Em 25 de janeiro de 1984, 300 mil pessoas gritavam por "Diretas já!" na Praça da
Sé em São Paulo. Em dia 16 de abril do mesmo ano, pouco antes da votação das diretas,
realizou-se um último comício em São Paulo, desta vez, no vale do Anhangabaú, que recebeu
uma multidão estimada em mais de 1,5 milhão de pessoas. Foi a maior manifestação política
jamais vista no país.
Apesar disso, em 25 de abril de 1984, a emenda é derrotada no Congresso. Mas o
movimento todo não foi em vão, o movimento todo popular teve um peso muito grande, e aí os
militares perceberam que eles não tinham mais clima político para permanecer no poder. A
mobilização popular forçou uma transição para a democracia, negociada entre a oposição política
e o regime militar. A primeira eleição, entretanto, só aconteceu em 1989.
Constituição de 1988
A Constituição Federal Brasil de 1988, também conhecida como a Constituição Cidadã, foi a
sétima constituição do Brasil desde a Independência. Elaborada por 558 constituintes durante 20
meses, ela foi promulgada no dia 5 de outubro de 1988. Possui 245 artigos, dividida em nove
títulos. Esta Constituição é considerada a mais completa, principalmente, no sentido de garantir os
direitos a cidadania para o povo brasileiro.

Títulos da Constituição de 1988


- Título I - Princípios Fundamentais
- Título II - Direitos e Garantias Fundamentais
- Título III - Organização do Estado
- Título IV - Organização dos Poderes
- Título V - Defesa do Estado e das Instituições
- Título VI - Tributação e Orçamento
- Título VII - Ordem Econômica e Financeira
- Título VIII - Ordem Social
- Título IX - Disposições Gerais

Principais características:
- Restabeleceu eleições diretas para os cargos de presidente da República, governadores de
estados e prefeitos municipais;
- Definiu o mandato presidencial de 5 anos;
- Estabeleceu o direito de voto para os analfabetos;
- Definiu o voto facultativo para os jovens de 16 a 18 anos de idade;
- Sistema pluripartidário;
- Colocou fim a censura aos meios de comunicação, obras de arte, músicas, filmes, teatro, etc

Emenda da reeleição
Em 1997, foi elaborada uma emenda constitucional que abriu a possibilidade de reeleição para os
principais cargos do poder executivo (presidente da República, governadores de estados e
prefeitos municipais).

Você também pode gostar