Você está na página 1de 8

11/03/2010

Gametogênese Masculina
(Espermatogênese)
Espermatogênese
(formação de gametas masculinos)

Mestranda Fernanda Furlanetto Bellentani


Depto. de Morfologia – IBB/UNESP

Gametogênese
(formação de gametas)

Ovogênese
(formação de gametas femininos)

Sistema Reprodutor Masculino Testículo

Testículos: onde são produzidos gametas e hormônios Cabeça do Epidídimo


Ducto Deferente
androgênicos.
Septos
Ductos Eferentes
Epidídimo: por onde espermatozóides transitam, Lóbulos Testiculares
adquirindo motilidade e capacidade fertil e onde ficam
estocados até a ejaculação. Rede Testicular
Túnica Albugínea

Ductos condutores: vias percorridas pelos


espermatozóides. Túbulos retos, rede testicular, ductos Corpo do Epidídimo
eferentes, ductos deferentes e ducto ejaculador. Túbulos Retos

Cauda do Epidídimo
Glandulas sexuais acessórias: produzem secreções que
facilitam a progressão dos espermatizóides nas vias
Túbulos Seminíferos
genitais. Próstata e vesícula seminal.

1
11/03/2010

Túbulos Seminíferos Interstício


•Está entre os túbulos seminíferos.
 São longos e numerosos

Possuem uma luz para onde  Nele há as células de Leydig,


vão os espermatozóides vasos sanguíneos, células de
tecido conjuntivo, etc.

Espermatogênese ocorre no  As células de Leydig:


epitélio germinativo ou
seminífero - São células endócrinas.

Nesse epitélio além de células - Produzem testosterona.


germinativas há as células de
- São arredondadas, com núcleos
Sertoli.
também arredondados/ovais e
nucléolos evidentes.

VIDA PRÉ-NATAL
Espermatogênese • Células germinativas primordiais: gonócitos

Espermatogônias Espermatozóides
(células germinativas
primordiais masculinas)

2
11/03/2010

A partir da Puberdade
crescimento
1 espermatogônia 1 espermatócito primário

Divisão
reducional
1 espermatócito primario 2 espermatócitos secundários

Divisão
Equacional
2 espermatócitos secundários 4 espermátides

4 espermátides Espermiogênese 4 espermatozóides

Manutenção do número de espermatogônias


Espermiogênese
• Espermatogônias tipo A = células tronco

• Permite que o processo seja contínuo


A

A formação do capuz
eliminação de porções
acrossômico (lisossomo
A
B
… condensação da cromatina
(inativação do núcleo)
modificado) e da cauda
desnecessárias do citoplasma
(restos citoplasmáticos)

A B
Gônia

B
Gônia
… posicionamento das espermatozóide
mitocôndrias na peça
intermediária

3
11/03/2010

Estrutura dos espermatozóides Tipos de espermatozóides

acrossomo
cabeça
núcleo

peça intermediária

peça principal

cauda

peça terminal

Espermatozóides
Espermatozóides dede animais
animais domésticos
domésticos
Animal Características morfológicas gerais Espermatogênese Processo Centrípeto
Domésticos cabeça cauda
ruminantes

bovino

ovino

caprino

Domésticos não-
ruminantes

porco

equino

canino

aves

4
11/03/2010

Células de Sertoli Funções das células de Sertoli


• nutrição e sustentação das células germinativas

• barreira hemato-testicular ou barreira de célula de Sertoli (junções de oclusão entre


células de Sertoli adjacentes)
células de Sertoli - nem tudo que chega pela circulação, nos vasos do interstício, entrará em contato
com as células germinativas mais maduras

• produção de fluido testicular


- importante para o transporte dos espermatozóides

• fagocitose dos restos citoplasmáticos produzidos durante a espermiogênese

• Núcleos piramidais •produção de inibina


• Nucléolo evidente - hormônio que participa da regulação hormonal da espermatogênese

• Citoplasma estende-se até a luz tubular • produção do fator inibidor dos ductos de Müller
- ductos embrionários que formam estruturas do trato reprodutor feminino

Barreira Hemato-
Hemato-testicular
Duração da espermatogênese

• A duração da espermatogênese é determinada geneticamente,


e varia de espécie para espécie.

compartimento
adluminal
Homem = 64 dias
Bovino = 61 dias
Especializações Macaco Rhesus = 42 dias
Ovino = 47 dias
de membranas Rato = 51,6 dias
Suíno = 39 dias
entre 2 células de compartimento basal Coelho = 43,6 dias
Sertoli: junções Eqüino = 57 dias
de oclusão

19

5
11/03/2010

Onda Espermática PRODUÇÃO ESPERMÁTICA


Nos machos, os espermatozóides são produzidos continuamente,
diferentemente do que ocorre na fêmea, onde a produção de gametas é
cíclica

ESPÉCIE VOLUME DE EJACULADO


Homem 2,5 a 6 ml
Cavalo 40 a 250 ml
Touro 0,5 a 14 ml
Para manter o processo contínuo, a liberação de espermatozóides não Cao 2 a 12 ml
acontece simultaneamente ao longo de toda a extensão do túbulo
seminífero.

Alterações espermáticas FATORES QUE INTERFEREM NA ESPERMATOGÊNESE

Oligospermia - produção menor que o mínimo de cada  Fatores hormonais (hormônios hipotalâmicos e
espécie hipofisários)

 Temperatura

Azoospermia - ausência de espermatozóides no ejaculado


 Deficiências nutricionais

 Ação de agentes físicos (radiação), químicos


Teratospermia - número de espermatozóides defeituosos
(drogas), biológicos (toxinas), outros.
superior a 40% (normal = 10% de defeituosos)

6
11/03/2010

Eixo Hipotálamo-Hipófise-Gônada
• GnRH – Hormônio Liberador de Gonadotróficos
CONTROLE HORMONAL • LH/ ICSH – Hormônio Luteinizante/ Hormônio Estimulante
de Células Intersticiais
• FSH – Hormônio Folículo Estimulante
DA
GnRH
ESPERMATOGÊNESE

FSH LH (ICSH)

Funções do LH e da Testosterona Funções do FSH

• Encontra receptores nas células de Sertoli, que sob


•LH: estimula as células de sua influência produzem uma proteína ligadora de
Leydig a produzir andrógenos, o ABP, que retém a testosterona nos
testosterona (andrógeno). túbulos seminíferos.

• Testosterona: • Estimula a meiose nos espermatócitos I (início do


- Difunde para o interior processo de diferenciação das células germinativas).
dos túbulos seminíferos,
onde estimula a maturação
das células germinativas.

- Difunde-se para outras


regiões do organismo
exercendo multiplas
funções. Célula de
Leydig

7
11/03/2010

Mecanismo de retroalimentação entre os hormônios Mecanismo de retroalimentação entre os hormônios


hipotalâmicos/hipofisários e os hormônios gonadais. hipotalâmicos/hipofisários e os hormônios gonadais.

• A testosterona circulante atua tanto no hipotálamo quanto na hipófise • Há também um mecanismo semelhante para o FSH. As células de
modulando a produção de LH. Sertoli produzem um hormônio chamado inibina, que modula a
secreção de FSH.

[Testosterona] circulante Produção LH [Inibina] circulante Produção FSH

[Testosterona] circulante ProduçãoLH [Inibina] circulante Produção FSH

• Mecanismo conhecido como retroalimentação negativo(feedback


negativo)

OBRIGADA!