Você está na página 1de 24

LEGISLAÇÃO DO

DISTRITO FEDERAL

LEI ORGÂNICA DO DF - LODF

- Lei comentada
QUESTÕES
- Atualizada até julho/2016 gabarita
coment

DIÁRIO OFICIAL DF
O Concurso em Notícias!
LEI ORGÂNICA DO DISTRITO FEDERAL
Introdução
República é uma palavra que pode ter vários significados. Na maior parte os casos, esta palavra serve para
qualificar uma forma de governo em que o Chefe de Estado eleito pelos representantes dos cidadãos ou pelos
próprios cidadãos, e exerce a sua função durante um tempo limitado. Uma das características mais importantes
da República a vertente eleitoral do presidente. No entanto, existem outros aspectos muito importantes, como a
subordinação a leis fundamentais e à constituição (aprovada diretamente pelos cidadãos ou pelos seus
representantes eleitos), que servem para regrar a vida política do determinado país.

República federativa ou república federal consiste em um estado que é ao mesmo tempo uma república e uma
federação. Isto significa que o país em questão tem um ou uma Presidente, mas está dividido em Estados,
regiões ou entidades, que possuem alguma autonomia governativa. Nos termos da Constituição Federal, em seu
art. 2º “A República Federativa do Brasil formada pela união indissolúvel dos Estados, Municípios e do Distrito
Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito (...)”. Assim, a Constituição Federal traz de forma
expressa a forma de Estado que é adotada pelo Brasil, qual seja, forma Federativa.

Quando nos referimos ao Brasil, o chamamos popularmente de País. Todavia, o termo País significa somente a
parte territorial do Brasil, é um conceito bem restrito. O termo jurídico correto é Estado, portanto, o Brasil
juridicamente falando, é um Estado Soberano. Estado é a sociedade politicamente e juridicamente organizada
(por que regida por regras, normas, leis), sobre um determinado território e sob a autoridade de um governo
soberano.

No Brasil o poder é compartilhado entre os entes a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
denominando-se assim - Estado Federado. Cada um é dotado de competências próprias e gozam de autonomia
política em relação aos outros, sendo que a intervenção da União nos demais só pode ocorrer em situações
especiais, desde que permitido pela CF - Constituição Federal.

O Distrito Federal é considerado um ente federativo atípico, anômalo, diferente em relação aos demais, eis que
não se enquadra nem como um Estado e nem como município, todavia, ora possui características de um Estado,
ora de Município e em alguns casos possui características que não existem nem em Estados e nem em
Municípios. O DF tem autonomia política, administrativa e financeira, consubstanciada em uma tríplice
capacidade: auto-organização: poder de criar sua própria Constituição e seu ordenamento jurídico peculiar (suas
próprias leis); autogoverno: capacidade que o ente federativo tem de possuir seus próprios governantes eleitos
pela comunidade e autoadministração: capacidade que o ente federativo tem de ter uma estrutura
administrativa própria e serviços públicos de sua competência a serem desempenhados. Rege-se por uma lei
orgânica, conforme observa o art. 32 da Constituição Federal “o Distrito Federal, vedada sua divisão em
Municípios, rege-se por lei orgânica, votada em dois turnos com interstício mínimo de dez dias, e aprovada por
dois terços da Câmara Legislativa, que a promulgará, atendidos os princípios estabelecidos nesta Constituição”.
Lei orgânica é a lei fundamental do Distrito Federal, pois estabelece preceitos jurídicos sobre a sua estrutura
política legal, exigindo-se, contudo, obediência aos limites estabelecidos pela Constituição Federal.

O Supremo Tribunal Federal entende que a Lei Orgânica do Distrito Federal tem caráter de Constituição Estadual,
ou seja, é tida como uma Constituição Estadual, se submetendo a todos os regramentos previstos na
Constituição Federal para as constituições estaduais.

É importante destacar o fato de que a Lei Orgânica em muitos momentos reproduz alguns trechos da
Constituição Federal. Todavia, em alguns momentos lhe falta coerência. Em face disso inúmeras ações
encontram-se no Supremo Tribunal Federal com o fim de declarar-lhe parcialmente inconstitucional. Todavia, em
questões de concursos públicos é necessário ter a devida atenção, já que muitos organizadores têm se
preocupado em cobrar os dispositivos da Lei Orgânica, pouco preocupando-se com as decisões do Supremo
Tribunal Federal, o que demanda atenção do candidato que em todos os casos, deve ater-se ao comando da
questão. Assim, se o comando de uma questão constar “responda a indagação nos termos da lei orgânica”, siga o
comando do examinador.
LEI ORGÂNICA DO DISTRITO FEDERAL
s
(Texto atualizado com as alterações adotadas pelas Emendas à Lei Orgânica nº 1 a 98 e as decisões
em ação direta de inconstitucionalidade proferidas pelo Supremo Tribunal Federal e pelo Tribunal de
Justiça do Distrito Federal e Territórios até 8 de julho de 2016.)

PREÂMBULO

Sob a proteção de Deus, nós, Deputados Distritais, legítimos representantes do povo do


Distrito Federal, investidos de Poder Constituinte, respeitando os preceitos da Constituição da
República Federativa do Brasil, promulgamos a presente Lei Orgânica, que constitui a Lei Fundamental
do Distrito Federal, com o objetivo de organizar o exercício do poder, fortalecer as instituições
democráticas e os direitos da pessoa humana.

Brasília-DF, 8 de junho de 1993.

COMENTÁRIOS: A palavra preâmbulo vem do latim e significa “antes de andar”. É um relatório sucinto
que será tratado na Lei Orgânica, externando o pensamento que dominou durante o processo
legislativo que deu origem à Lei Orgânica. O preâmbulo é um documento de intenções daquele que
elaborou a lei. Antes de redigi-la o legislador fez um resumo, indicando quais os princípios de que se
utilizou quem o legislador representou, quando foi criada a referida lei e quais os poderes o legislador
utilizou para criá-la. Nos termos da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (ADI 2.076-5) o
preâmbulo não possui força normativa, não cria direitos e nem deveres, mas funciona como meio de
interpretação. A doutrina é unânime em afirmar que o fato do Brasil ser um país laico, ou seja, sem
religião oficial, não acarreta a inconstitucionalidade do preâmbulo, por se referir a “Deus”.

TÍTULO I

DOS FUNDAMENTOS DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES E DO DISTRITO


FEDERAL

Art. 1º O Distrito Federal, no pleno exercício de sua autonomia política,


administrativa e financeira, observados os princípios constitucionais, reger-se-á por
esta Lei Orgânica.

COMENTÁRIOS: O presente artigo traz de forma clara e expressa o fato de que o Distrito Federal é um
ente federativo que possui autonomia política administrativa e financeira, a qual se configura, dentre
outras situações, na capacidade de auto-organização, ou seja, criação de suas próprias leis, desde que
atendidos os comandos da Constituição Federal. Assim como a Constituição Federal dá origem ao
estado, República Federativa do Brasil, essa Lei Orgânica dá origem ao Distrito Federal.

Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de
representantes eleitos ou diretamente, nos termos da Constituição Federal e desta Lei
Orgânica.

Art. 2º O Distrito Federal integra a união indissolúvel da República Federativa


do Brasil e tem como valores fundamentais:

I – a preservação de sua autonomia como unidade federativa;

II – a plena cidadania;
III – a dignidade da pessoa humana;

IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

V – o pluralismo político.

COMENTÁRIOS: O artigo 2º da LODF enumera os valores fundamentais que são alicerces que sustentam a
existência do Distrito Federal. São os valores: - Autonomia (inciso I): cabe ao Distrito Federal zelar pela
manutenção da sua capacidade de auto-organização, autogoverno, auto-administração. Vale lembrar que existem
situações em que a Constituição Federal prevê a retirada temporária da autonomia do ente federativo, como
ocorre nos casos do art. 34. Trata-se da intervenção federal que é um estado de legalidade extraordinária, pois
suspende, temporariamente, a autonomia do ente federado. A intervenção é situação excepcional, aplicada
quando houver um desequilíbrio que ameace a existência da própria federação; - Cidadania (inciso II): ser cidadão,
em sentido jurídico, é estar em gozo de direito políticos, ou seja, estar apto a votar e ser votado. Cabe ao Distrito
Federal assegurar ao cidadão a utilização de elementos que lhe permita a inclusão na sociedade organizada.
Logo, estando em gozo de direito políticos é possível ter participação no poder político, de exercer plenamente a
sua cidadania; como instrumentos que permitem o exercício pleno da cidadania têm-se, por exemplo, o voto
(sufrágio universal), plebiscito, referendo, iniciativa, etc.; - Dignidade (inciso III): é simplesmente destacar o ser
humano como componente da estrutura do Estado. Tendo o homem como valor supremo, torna-se necessária a
proteção de sua integridade física, psíquica e moral. Assegurar a dignidade da pessoa humana é permite o ser
humano o mínimo existencial, o necessário para uma existência digna, não permitindo, portanto, a prática da
tortura, o tratamento degradante, humilhante, escravo, etc.; - Valores Sociais (inciso IV): o trabalho além de gerar
riqueza exerce uma função social, de garantia da subsistência, da sobrevivência do trabalho. Pela livre iniciativa, a
Lei Orgânica busca assegurar ao trabalhador o exercício de toda e qualquer profissão, desde que seja lícita e
respeitado as limitações previstas em lei (como por exemplo, a necessidade de obter o registro de classe para que
o profissional da medicina, nutrição, enfermagem e até mesmo o advogado possa atuar); - Pluralismo Político
(inciso V): é garantir a qualquer pessoa a livre convicção política e atuação partidária. Assim, é permitido a
qualquer pessoa a possibilidade ampla de participação em entidades de caráter político, tais como sindicatos,
partidos políticos, igrejas, etc.

Parágrafo único. Ninguém será discriminado ou prejudicado em razão de


nascimento, idade, etnia, raça, cor, sexo, características genéticas, estado civil, trabalho rural
ou urbano, religião, convicções políticas ou filosóficas, orientação sexual, deficiência física,
imunológica, sensorial ou mental, por ter cumprido pena, nem por qualquer particularidade ou
condição, observada a Constituição Federal. (Parágrafo com a redação da Emenda à Lei Orgânica
1
nº 65, de 2013.)

COMENTÁRIOS: O parágrafo acima traz de forma clara e expressa a aplicação do princípio da isonomia e
igualdade. O princípio da igualdade deve ser aplicado com base na razoabilidade e proporcionalidade, pois
em alguns casos para igualar é necessário desigualar, ou seja, tratar determinadas pessoas de forma
diferenciada. Como exemplo é o caso das cotas raciais em concursos ou para ingresso nas universidades
públicas. Para equiparar a participação de negros à participação de brancos em universidades públicas é
necessário conferir aos negros tratamento diferenciado, reservando a ele cotas de ingresso nas
universidades. Destarte, conclui-se que é vedado o tratamento discriminatório injustificado, todavia, é
possível tratar desigualmente os desiguais para igualá-los às demais pessoas.

Art. 3º São objetivos prioritários do Distrito Federal:

I – garantir e promover os direitos humanos assegurados na Constituição


Federal e na Declaração Universal dos Direitos Humanos;

II – assegurar ao cidadão o exercício dos direitos de iniciativa que lhe couberem,


relativos ao controle da legalidade e legitimidade dos atos do Poder Público e da eficácia dos
serviços públicos;

III – preservar os interesses gerais e coletivos;

IV – promover o bem de todos;


V – proporcionar aos seus habitantes condições de vida compatíveis com a
dignidade humana, a justiça social e o bem comum;
1
Texto original: Parágrafo único. Ninguém será discriminado ou prejudicado em razão de nascimento, idade, etnia, raça, cor,
sexo, estado civil, trabalho rural ou urbano, religião, convicções políticas ou filosóficas, orientação sexual, deficiência física,
imunológica, sensorial ou mental, por ter cumprido pena, nem por qualquer particularidade ou condição, observada a
Constituição Federal.

VI – dar prioridade ao atendimento das demandas da sociedade nas áreas de


educação, saúde, trabalho, transporte, segurança pública, moradia, saneamento
básico, lazer e assistência social;

VII – garantir a prestação de assistência jurídica integral e gratuita aos que


comprovarem insuficiência de recursos;

VIII – preservar sua identidade, adequando as exigências do desenvolvimento


à preservação de sua memória, tradição e peculiaridades;

IX – valorizar e desenvolver a cultura local, de modo a contribuir para a cultura


brasileira;

X – assegurar, por parte do Poder Público, a proteção individualizada à vida e à


integridade física e psicológica das vítimas e das testemunhas de infrações penais e de seus
respectivos familiares;

XI – zelar pelo conjunto urbanístico de Brasília, tombado sob a inscrição nº 532 do


Livro do Tombo Histórico, respeitadas as definições e critérios constantes do Decreto nº
10.829, de 2 de outubro de 1987, e da Portaria nº 314, de 8 de outubro de 1992, do então
Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural – IBPC, hoje Instituto do Patrimônio Histórico e
Artístico Nacional – IPHAN; (Inciso
acrescido pela Emenda à Lei Orgânica nº 12, de 1996.)

XII – promover, proteger e defender os direitos da criança, do adolescente e


do jovem.
(Inciso acrescido pela Emenda à Lei Orgânica nº 73, de 2014.)
COMENTÁRIOS: Do mesmo modo da Constituição Federal, a lei Orgânica relaciona os objetivos do Distrito Federal,
que são os desejos a serem alcançados com o esforço de todos. Assim, os objetivos são considerados normas
programáticas, ou seja, são normas que representam um programa de ação a ser implementado pelo Poder
Público do DF. Para fins de concurso público é necessária a memorização de todos os objetivos prioritários do
Distrito Federal. Em algumas pegadinhas, o examinador mistura em uma mesma questão objetivos prioritários com
valores fundamentais e solicita ao candidato que assinale certo ou errado de acordo com o que seja ou não
objetivo do Distrito Federal. Lembre-se que é de suma importância a memorização dos valores fundamentais e dos
objetivos prioritários do Distrito Federal.

Art. 4º É assegurado o exercício do direito de petição ou representação,


independentemente de pagamento de taxas ou emolumentos, ou de garantia de
instância.
COMENTÁRIOS: A garantia da petição aos Poderes Públicos gratuitamente é reprodução de instrumento
fundamental inserido na alínea “a”, do inciso XXXIV, do art. 5º, da CF:
“XXXIV - são a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas:
a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra
ilegalidade ou abuso de poder;”.
Mesmo que não houvesse sido reproduzida na LODF, é inerente a qualquer pessoa, natural, jurídica,
nacional, estrangeira, em todo o território nacional, com a finalidade de receber, do Poder Público,
informações de caráter coletivo ou individual; informá-lo sobre a existência de irregularidade na gestão da
coisa pública e de abuso de poder que infrinja deveres públicos e direitos assegurados por lei. No entanto,
esse art. 4º, isentou o seu exercício de pagamento de taxas, emolumentos, garantia de instância. Logo, no
âmbito da Administração Distrital, não se pode cobrar taxa (tributo), emolumento (valores pagos pelo preço
de serviços de cartórios e serventias não oficializadas), e garantia de instância (depósito prévio como
pressuposto de admissibilidade do recurso administrativo).

Art. 5º A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto
direto e secreto, com valor igual para todos e, nos termos da lei, mediante:
I – plebiscito;
II – referendo;
III – iniciativa popular.

COMENTÁRIOS: Como já se sabe, o poder emana do povo que o exerce diretamente ou indiretamente. O exercício
da soberania, que é o poder do povo, nos termos da Lei orgânica se dará através do sufrágio universal, direito de
votar e ser votado, e pelo voto direto e secreto mediante ao plebiscito, referendo e iniciativa popular. Plebiscito e
Referendo são consultas populares para que o povo delibere sobre matéria de acentuada relevância, de natureza
constitucional, legislativa ou administrativa. A diferença entre eles é o momento em que ocorre. No plebiscito, a
consulta será feita antes da edição do ato legislativo ou administrativo. Desta forma, antes de tomar qualquer
atitude, o poder público faz a consulta ao povo para saber sua opinião, sua vontade. Já o referendo é a consulta
popular realizada após a edição do ato legislativo ou administrativo com o intuito de ratificar ou não tal ato. Segue
o disposto no art. 2º da Lei n.º 9.709/98:
“Art. 2º Plebiscito e referendo são consultas formuladas ao povo para que delibere
sobre matéria de acentuada relevância, de natureza constitucional, legislativa ou
administrativa.
1º O plebiscito é convocado com anterioridade a ato legislativo ou administrativo,
cabendo ao povo, pelo voto, aprovar ou denegar o que lhe tenha sido submetido.
2º O referendo é convocado com posterioridade a ato legislativo ou administrativo,
cumprindo ao povo a respectiva ratificação ou rejeição.”
A iniciativa Popular é exercida pela apresentação à Câmara Legislativa do DF de requerimento
contendo projeto de lei ou projeto de emenda à Lei Orgânica, subscrito por, no mínimo, um por cento
do eleitorado local, distribuída por três zonas eleitorais. Tal projeto será levado para votação e uma vez
aprovado insere-se no ordenamento jurídico do Distrito Federal.

TÍTULO II

DA ORGANIZAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

CAPÍTULO I

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 6º Brasília, Capital da República Federativa do Brasil, é a sede do governo


do Distrito Federal.
COMENTÁRIOS: Por não ser considerado um Estado, o Distrito Federal não tem capital. Portanto, Brasília não
é capital do Distrito Federal, como tem sido cobrado em provas. Brasília é capital da República Federativa do
Brasil e está localizada dentro dos limites do Distrito Federal. É em Brasília que se encontra a sede do
governo do Distrito Federal.

Art. 7º São símbolos do Distrito Federal a bandeira, o hino e o brasão.

Parágrafo único. A lei poderá estabelecer outros símbolos e dispor sobre seu
uso no território do Distrito Federal.

COMENTÁRIOS: Distrito Federal tem como símbolos a sua bandeira, o hino e o brasão. Por meio de lei
(lei ordinária distrital) é possível a criação de novos símbolos, bem como dispor sobre o uso destes
símbolos.

Art. 8º O território do Distrito Federal compreende o espaço físico-geográfico


que se encontra sob seu domínio e jurisdição.

COMENTÁRIOS: O Distrito Federal se relaciona à organização do seu território estabelecendo o espaço


físico e a sede do seu governo onde é aplicada a legislação do Distrito Federal (jurisdição).

Art. 9º O Distrito Federal, na execução de seu programa de desenvolvimento


econômico-social, buscará a integração com a região do entorno do Distrito Federal.
COMENTÁRIOS: Por tal artigo o Distrito Federal está comprometido a buscar o desenvolvimento
econômico e social da região do Entorno, região esta que não é território do Distrito Federal e sim do
Estado de Goiás, todavia, em face da forte dependência que tais regiões têm do Distrito Federal, é
necessário que o DF atue buscando desenvolver tais regiões economicamente e socialmente.
Assinada no Governo FHC, a RIDE (Região de Integração e Desenvolvimento do Entorno), engloba 22
municípios, sendo 19 goianos e 03 mineiros (Unaí, Buritis e Cabeceira Grande). O DF seria integrado
ao entorno através de investimentos de cada um dos entes e do Governo Federal (educação, saúde,
geração de emprego e segurança pública).

CAPÍTULO II

DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DO DISTRITO FEDERAL

Art. 10. O Distrito Federal organiza-se em Regiões Administrativas, com


vistas à descentralização administrativa, à utilização racional de recursos para o
desenvolvimento socioeconômico e à melhoria da qualidade de vida.

COMENTÁRIOS: Para melhor articular a gestão administrativa, geograficamente, é dividir o Território Distrital em
espaços ou “Regiões Administrativas”, que são geridas por Administradores Regionais, nomeados pelo
Governador do Distrito Federal, a fim de se desconcentrar a gestão administrativa do GDF. Atualmente o DF
conta com 31 RAs (Regiões Administrativas), sendo elas RA I - Brasília, RA II - Gama, RA III - Taguatinga, RA IV
- Brazlândia, RA V - Sobradinho, RA VI - Planaltina, RA VII - Paranoá, RA VIII - Núcleo Bandeirante, RA IX -
Ceilândia, RA X - Guará, RA XI - Cruzeiro, RA XII Samambaia, RA XIII - Santa Maria, RA XIV - São Sebastião,
RA XV - Recanto das Emas, RA XVI - Lago Sul, RA XVII - Riacho Fundo, RA XVIII - Lago Norte, RA XIX -
Candangolândia, RA XX - Águas Claras, RA XXI - Riacho Fundo II, RA XXII Sudoeste/Octogonal, RA XXIII -
Varjão, RA XXIV - Park Way, RA XXV - SCIA (Cidade Estrutural e Cidade do Automóvel), RA XXVI - Sobradinho
II, RA XXVII - Jardim Botânico, RA XXVIII - Itapoã, RA XXIX - SIA, RA XXX - Vicente Pires e RA XXXI - Fercal.
§ 1º A lei disporá sobre a participação popular no processo de escolha do
2
Administrador Regional.

§ 2º A remuneração dos Administradores Regionais não poderá ser superior à fixada


para os Secretários de Estado do Distrito Federal. (Parágrafo com a redação da Emenda à Lei
3
Orgânica nº 44, de 2005.)

§ 3º A proibição de que trata o art. 19, § 8º, aplica-se à nomeação de


Administrador Regional. (Parágrafo acrescido pela Emenda à Lei Orgânica nº 60, de 2011.)

Art. 11. As Administrações Regionais integram a estrutura administrativa do Distrito


Federal.

Art. 12. Cada Região Administrativa do Distrito Federal terá um Conselho de


Representantes Comunitários, com funções consultivas e fiscalizadoras, na forma da
4
lei.
COMENTÁRIOS: O Conselho de Representantes Comunitários só possui atribuições para emitir pareceres e
realizar controle, ou seja, fiscalização. Logo, não possui funções deliberativas ou decisórias. Haverão
quantos Conselhos quantas forem as regiões administrativas, eis que cada uma dessas possuirá o seu
respectivo Conselho.
2
Ver ADI nº 2013 00 2 016227-6 – TJDFT, Diário de Justiça, de 31/1/2014 e de 9/5/2014, e ADI nº 2013 00 2 016865-3
– TJDFT, Diário de Justiça, de 26/2/2014 e de 9/5/2014, julgadas procedentes para declarar a inconstitucionalidade por
omissão do Governador do Distrito Federal quanto à regulamentação da forma de participação popular no processo de escolha
dos administradores regionais e a implantação e organização dos Conselhos de Representantes Comunitários das Regiões
Administrativas do Distrito Federal.
3
A Emenda à Lei Orgânica nº 44, de 2005, substituiu a expressão “Secretários de Governo do Distrito Federal” por “Secretários
de Estado do Distrito Federal”.
4
Ver ADI nº 2013 00 2 016227-6 – TJDFT, Diário de Justiça, de 31/1/2014 e de 9/5/2014, e ADI nº 2013 00 2 016865-3
– TJDFT, Diário de Justiça, de 26/2/2014 e de 9/5/2014, julgadas procedentes para declarar a inconstitucionalidade por
omissão do Governador do Distrito Federal quanto à regulamentação da forma de participação popular no processo de escolha
dos administradores regionais e a implantação e organização dos Conselhos de Representantes Comunitários das Regiões
Administrativas do Distrito Federal.

Art. 13. A criação ou extinção de Regiões Administrativas ocorrerá mediante


lei aprovada pela maioria absoluta dos Deputados Distritais.

Parágrafo único. Com a criação de nova Região Administrativa, fica criado,


automaticamente,
Conselho Tutelar para a respectiva região. (Parágrafo acrescido pela Emenda à Lei Orgânica nº 83, de
2014.)
COMENTÁRIOS: A Constituição Federal em seu art. 32 veda a divisão do Distrito Federal em municípios. Por
esse motivo, a Lei Orgânica prevê a possibilidade de divisão do Distrito Federal em Regiões Administrativas.
O objetivo da criação de regiões administrativas é descentralizar a administração, utilizar de forma racional
os recursos públicos com vistas ao desenvolvimento socioeconômico e a melhoria da qualidade de vida.
Foram criadas as regiões administrativas e para cada uma será escolhido um administrador através da
participação popular. Não cabe ao Administrador Regional tomar decisões políticas. As Regiões
Administrativas integram apenas a estrutura administrativa do Distrito Federal. A criação de tais regiões
serviu para descentralizar a administração e fazer o uso mais racional do dinheiro público, com o intuito de
desenvolvê-la socialmente e economicamente, além de buscar a melhoria da qualidade de vida das pessoas
que as habitam. Vale lembrar que na LODF não cita, em nenhum momento, o termo “cidades-satélites”,
termo usual com o qual nos referimos às Regiões Administrativas. Para fins de prova devemos chamá-las as
“cidades-satélites” de Regiões Administrativas. A escolha dos Administradores Regionais deve ser feita pelo
povo, por meio de lei que irá dispor como ocorrerá essa escolha. Ainda não foi editada a lei, portanto, na
prática, a escolha tem sido feita pelo Governador do Distrito Federal, com base na Lei distrital n.º
2.861/2001, não havendo qualquer participação do povo no processo de escolha. Todavia, para fins de
prova que se baseie na LODF, a escolha é feita pelo povo, nos termos da lei que disporá sobre o assunto.
Além dos administradores, cada região deverá ter um Conselho de Representantes Comunitários. São
pessoas da comunidade com funções consultiva (darão consultas ao administrador sobre assuntos diversos)
e fiscalizatória (fiscalizando a atuação do administrador regional).

DOS SERVIDORES PÚBLICOS

Art. 33. O Distrito Federal instituirá regime jurídico único e planos de carreira
para os servidores da administração pública direta, autarquias e fundações públicas,
nos termos do art. 39 da Constituição Federal.

COMENTÁRIOS: Regime Jurídico é o conjunto de normas, preceitos, que regem um dado instituto ou a alguns
agentes específicos, dadas as suas particularidades. Os servidores públicos do Distrito Federal são regidos por
um regime jurídico único, instituído pela Lei Complementar n° 840/2011. Trata dos direitos do servidor público do
DF. Esse regime jurídico único é o conjunto de princípios e regras referentes a direitos, deveres e demais
normas que regem a vida funcional do servidor público do DF. É chamado de único por que será um único
regime jurídico para todos os servidores do Distrito Federal. No caso específico o regime jurídico do servidor do
Distrito Federal é a Lei 8.112/90, aplicada ao DF, ou seja, aos servidores do Distrito Federal se aplicam as
disposições da Lei 8.112 com as alterações feitas pelas leis distritais.

§ 1º No exercício da competência estabelecida no caput, serão ouvidas as


entidades representativas dos servidores públicos por ela abrangidos.

§ 2º As entidades integrantes da administração pública indireta não mencionadas no


caput instituirão planos de carreira para os seus servidores, observado o disposto no
parágrafo anterior.

§ 3º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais componentes do


sistema remuneratório deve observar: (Parágrafo acrescido pela Emenda à Lei Orgânica nº 80, de
2014.)

I – a natureza, o grau de responsabilidade, as peculiaridades e a


complexidade dos cargos componentes de cada carreira;

II – os requisitos para a investidura.


§ 4º O Distrito Federal deve manter escola de governo para formação e
aperfeiçoamento dos servidores públicos, constituindo-se a participação nos cursos um dos
requisitos para promoção na carreira, facultada, para isso, a celebração de convênios ou
contratos com os demais entes federados ou suas entidades. (Parágrafo acrescido pela Emenda
à Lei Orgânica nº 80, de 2014.)

§ 5º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Secretários de Estado,


os Administradores Regionais e os demais casos previstos na Constituição Federal são
remunerados exclusivamente por subsídio, fixado em parcela única, vedado o acréscimo de
qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie
remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 19, IX e X. (Parágrafo acrescido
pela Emenda à Lei Orgânica nº 80, de 2014.)

§ 6º A remuneração dos servidores públicos organizados em carreira pode ser


fixada nos termos do § 5º. (Parágrafo acrescido pela Emenda à Lei Orgânica nº 80, de 2014.)

§ 7º Lei complementar pode estabelecer a relação entre a maior e a menor


remuneração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 19, X.
(Parágrafo acrescido pela Emenda à Lei Orgânica nº 80, de 2014.)

§ 8º Os Poderes Executivo e Legislativo devem publicar, até 31 de janeiro de cada


ano, os valores do subsídio e da remuneração dos cargos e empregos públicos. (Parágrafo
acrescido pela Emenda Lei Orgânica nº 80, de 2014.)

§ 9º A lei deve disciplinar a aplicação de recursos orçamentários provenientes da


economia com despesas correntes em cada órgão, autarquia e fundação, para aplicação no
desenvolvimento de programas de qualidade e produtividade, treinamento e desenvolvimento,
modernização, reaparelhamento e racionalização do serviço público, inclusive sob a forma de
adicional ou prêmio de produtividade. (Parágrafo acrescido pela Emenda à Lei Orgânica nº 80, de
2014.)

Art. 34. A lei assegurará aos servidores da administração direta isonomia de


vencimentos para cargos de atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder ou
entre servidores dos Poderes Executivo e Legislativo, ressalvadas as vantagens de
caráter individual e as relativas a natureza ou local de trabalho.

COMENTÁRIOS: Vejamos o que diz o §1º, do art. 39, da CF:


§1º A fixação de padrões de vencimentos e dos demais componentes do sistema remuneratório observará:
I – a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade dos cargos componentes de cada carreira;
II – os requisitos para a investidura;
III – as peculiaridades dos cargos.
No entanto, é mister recordar que é vedada a equiparação, conforme o inciso XIII, do art. 37, da CF,
ou a vinculação de vencimentos para efeito de remuneração de pessoal do serviço público.

Art. 35. São direitos dos servidores públicos, sujeitos ao regime jurídico único, além
dos assegurados no § 2º do art. 39 da Constituição Federal, os seguintes:

COMENTÁRIOS: O que iremos ver nesse artigo são apenas um rol exemplificativo, ou seja, são apenas
alguns dos direitos do servidor do DF, de modo que leis específicas podem dispor de outros direitos.
A maior parte dos direitos dos servidores públicos encontra-se contemplada na Constituição Federal.
Entretanto, a Lei Orgânica pode estabelecer outros não constantes no rol da Constituição, pois tais
direitos não são taxativos. É importante que memorize esses direitos, pois tem sido cobrado em
provas com certa frequência.

I – gratificação do titular quando em substituição ou designado para responder pelo


expediente;
COMENTÁRIOS: Gratificação é a retribuição paga ao servidor público em virtude de condições especiais em que
presta seu serviço à Administração Pública. Essa gratificação do servidor, quando substituir outrem, é
denominada, pela doutrina, de gratificação de serviço ou gratificação propter laborem. Dependendo do cargo
ocupado por um servidor público é necessário que seja designado um servidor para ser seu substituto durante
suas ausências. Tomemos como exemplo, um servidor ocupante de um cargo de direção. Esse servidor recebe
uma gratificação pelo exercício da função de direção. Se esse servidor tirar uma licença é necessário que
alguém fique no seu lugar respondendo pelo expediente. Nesse caso, será designado um substituto legal do
servidor que saiu de licença. Nesse caso é direito do substituto receber a gratificação pelo exercício da função de
direção, já que durante a licença do primeiro servidor é ele quem vai executar a função de direção e por isso, a
lei determina que ele receba gratificação enquanto estiver exercendo a função de direção.

II – duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta horas
semanais, facultado ao Poder Público conceder a compensação de horários e a
redução da jornada, nos termos da lei;

COMENTÁRIOS: Esse dispositivo prevê o limite máximo de horas trabalhadas por um servidor do
Distrito Federal. Dispõe ainda que a jornada de trabalho pode ser inferior ao determinado a depender
do cargo, das atribuições e da necessidade do serviço.

III – proteção especial à servidora gestante ou lactante, inclusive mediante a


adequação ou mudança temporária de suas funções, quando for recomendável a
sua saúde ou à do nascituro, sem prejuízo de seus vencimentos e demais
vantagens;

COMENTÁRIOS: Sendo possível a alteração de suas funções, quando for recomendável à sua saúde e
a do nascituro (bebê), sem que isso venha a alterar a sua remuneração.

IV – atendimento em creche e pré-escola a seus dependentes, nos termos da lei; (Inciso com a
26
redação da Emenda à Lei Orgânica nº 80, de 2014.)

COMENTÁRIOS: Nos termos da Constituição Federal deve ser assegurada a creche e pré-escola para crianças de
até 5 anos de idade. Alguns autores entendem que, em face da idade elencada na Constituição Federal, o inciso
em comento não registra mais a idade limite, todavia, em provas recentes foi cobrado o que a idade limite para
creche pré-escola era de até 5 anos. Esse atendimento em creche e pré-escola deve se dar preferencialmente
dentro do próprio órgão ou em local próximo para facilitar a amamentação durante o horário de trabalho, nos
doze primeiros meses de vida da criança.

V – vedação do desvio de função, ressalvada, sem prejuízo de seus vencimentos,


salários e demais vantagens do cargo, emprego ou função:

COMENTÁRIOS: O servidor não pode ter suas funções desviadas. Todavia, a própria lei prevê situações em
que o desvio de função é permitido no caso de servidora gestante e se o servidor que teve de ser
transferido, exercendo, portanto, outra função, em face de acidente ou doença de trabalho que
impossibilite o exercício de suas funções.

a mudança de função concedida a servidora gestante, sob recomendação


médica;

a transferência concedida a servidor que tiver sua capacidade de trabalho


reduzida em decorrência de acidente ou doença de trabalho, para locais ou
atividades compatíveis com sua situação;

VI – recebimento de vale-transporte, nos casos previstos em lei;

VII – participação na elaboração e alteração dos planos de carreira;


26
Texto original: IV – atendimento em creche e pré-escola a seus dependentes de até sete anos
incompletos, preferencialmente em dependência do próprio órgão ao qual são vinculados ou, na
impossibilidade, em local que pela proximidade permita a amamentação durante o horário de trabalho, nos
doze primeiros meses de vida da criança;

COMENTÁRIOS: O servidor público do Distrito Federal pode participar da elaboração ou modificação do


plano de carreira da sua profissão sugerindo, criticando, elogiando, etc. Ressalte-se que a
participação é um direito do servidor, não lhe pode ser negado; todavia, o exercício desse direito por
parte do servidor é facultativo, fica a critério dele participar ou não.

VIII – promoções por merecimento ou antiguidade, no serviço público, nos termos da lei;

COMENTÁRIOS: É direito o recebimento de promoções, baseadas no merecimento e na atinguidade,


quanto mais antigo, mais estará passível de ser promovido.

IX – quitação da folha de pagamento do servidor ativo e inativo da administração


direta, indireta e fundacional do Distrito Federal até o quinto dia útil do mês
subsequente, sob pena de incidência de atualização monetária, obedecido o
disposto em lei.

COMENTÁRIOS: Quitação da folha de pagamento até o 5º dia útil do mês. Ressalte-se que 5º dia útil do
mês é diferente de receber no dia 5 do mês. Se a folha não for paga até o 5º dia útil, será devido o
pagamento da correção monetária pelo atraso.

§ 1º Para a atualização a que se refere o inciso IX utilizar-se-ão os índices


oficiais, e a importância apurada será paga juntamente com a remuneração do mês
subsequente.

§ 2º É computado como exercício efetivo, para efeito de progressão funcional ou


concessão de licença-prêmio e aposentadoria nas carreiras específicas do serviço
público, o tempo de serviço prestado por servidor requisitado a qualquer dos Poderes do
Distrito Federal.

Art. 36. É garantido ao servidor público o direito à livre associação sindical,


observado o disposto no art. 8º da Constituição Federal.

Parágrafo único. A lei disporá sobre licença sindical para os dirigentes de federações
e sindicatos de servidores públicos, durante o exercício do mandato, resguardados os
direitos e vantagens inerentes à carreira de cada um.

COMENTÁRIOS: A CF assegura ao servidor público o direito à livre associação sindical conforme inciso
VI, do art. 37. Por conseguinte, é válido salientar que lhe seja assegurada licença para o exercício
das funções de direção sindical. Quando a LODF se referir ao servidor público de forma genérica, se
refere aos não militares, pois os militares não têm direito à sindicalização nem à greve.

Art. 37. Às entidades representativas dos servidores públicos do Distrito Federal


cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em
questões judiciais ou administrativas, observado o disposto no art. 8º da Constituição
Federal.
COMENTÁRIOS: As entidades associativas, inclusive as de caráter sindical, quando expressamente autorizadas,
podem defender os seus associados e filiados judicial e extrajudicialmente, conforme autorizações da
Constituição Federal pelo inciso, art. 5º e réplica no inciso III, do art. 8º. Na alínea “b”, do inciso LXX, do art. 5º,
da CF, estabelece autorização para que as organizações sindicais, as entidades de classe, bem como outros
legitimados, proponham mandado de segurança coletivo, independentemente de autorização. A diferença entre
os dois dispositivos anteriormente mencionados reside no fato de que na primeira hipótese as entidades
pleiteiam, em nome dos associados, seus direitos, por autorização expressa. Ao passo que, na segunda, as
entidades pleiteiam, em nome próprio, direitos dos associados, independentemente de autorização destes, pois a
lei lhes permite realizar a substituição processual.

Art. 38. Às entidades de caráter sindical que preencham os requisitos


estabelecidos em lei, é assegurado o desconto em folha de pagamento das
contribuições dos associados, aprovadas em assembleia geral.

COMENTÁRIOS: A Constituição Federal, em seu art. 8º, IV, estabelece a previsão de duas contribuições: a
sindical e a de custeio. Aquela será fixada em lei e cobrada, independentemente de filiação. Esta, em
assembleia geral, para o custeio do sistema confederativo da representação sindical respectiva e deverá
ser cobrada apenas dos filiados.

Art. 39. O direito de greve é exercido nos termos e nos limites definidos
27
em lei complementar. (Artigo com a redação da Emenda à Lei Orgânica nº 80, de 2014.)

COMENTÁRIOS: Como esse inciso traduz o comando contido na redação original da CF, no inciso VII,
do art. 37 qualquer alteração na Carta Magna reflete na LODF. Com a nova redação, não há
necessidade de o direito à greve ser estabelecido por Lei Complementar Federal, basta Lei Ordinária
Específica.

Art. 40. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados
para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público. (Artigo com a redação da
28
Emenda à Lei Orgânica nº 80, de 2014.)

COMENTÁRIOS: A estabilidade do servidor público, que é a garantia de somente ser exonerado ou


demitido nos casos previstos na Constituição e nas leis, hoje não é mais de 2, mas de 3 anos,
inclusive para o DF, conforme a nova redação do art. 41 da CF, de acordo com a Emenda
Constitucional n. 19/1998.

§ 1º O servidor público estável só perde o cargo:

I – em virtude de sentença judicial transitada em julgado;

II – mediante processo administrativo em que lhe sejam assegurados o


contraditório e a ampla defesa;

III – mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma


de lei complementar, assegurado o contraditório e a ampla defesa.

COMENTÁRIOS: Assim, além da perda do cargo público por meio de sentença judicial transitada em julgado
e decisão de processo administrativo, inclui-se também a demissão do servidor estável por meio de
desempenho insatisfatório em avaliação periódica. Também é tido como causa de perda do cargo público
de um servidor estável quando o ente federativo ultrapassa os limites de gastos com folha de pessoal.
Trata-se do § 4º, do art. 169 da CF:
“§ 4º Se as medidas adotadas com base no parágrafo anterior não forem suficientes para assegurar o cumprimento da
determinação da lei complementar referida neste artigo, o servidor estável poderá perder o cargo, desde que ato
normativo motivado de cada um dos Poderes especifique a atividade funcional, o órgão ou unidade administrativa
objeto da redução de pessoal.”.
§ 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável, deve ele
ser reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se estável, reconduzido ao cargo de
origem, sem direito a indenização, aproveitado em outro cargo ou posto em
disponibilidade com remuneração proporcional ao tempo de serviço.
COMENTÁRIOS: Trata-se do instituto de reintegração que é o retorno do servidor ao cargo anteriormente
ocupado em virtude da invalidação da sua demissão. O servidor irá retornar para o serviço público para a
mesma vaga que ocupava antes da sua demissão. Se o cargo estiver ocupado, o servidor ocupante terá
que sair e retornar para o cargo de onde veio. Se o servidor reintegrado retornar e seu cargo tiver sido
extinto, ele ficará em disponibilidade. Enquanto estiver em disponibilidade o servidor receberá
remuneração proporcional ao seu tempo de serviço permanecendo à disposição da Administração, que
poderá chamá-lo a qualquer tempo para ocupar outro cargo.

Texto original: Art. 39. O direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos na lei
complementar federal.
Texto original: Art. 40. São estáveis, após dois anos de efetivo exercício, os servidores nomeados
em virtude de concurso público.
§ 1º O servidor público estável só perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em
julgado ou mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa.
§ 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável, será ele reintegrado com todos
os direitos e vantagens devidos desde a demissão, e o eventual ocupante da vaga será reconduzido
ao cargo de origem, sem direito a indenização, aproveitado em outro cargo ou posto em
disponibilidade remunerada.
§ 3º Extinto o cargo ou declarada sua desnecessidade, o servidor estável ficará em disponibilidade
remunerada até seu adequado aproveitamento em outro cargo.

§ 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o servidor estável


deve ficar em disponibilidade, com remuneração proporcional ao tempo de serviço,
até seu adequado aproveitamento em outro cargo.

COMENTÁRIOS: Caso o cargo ocupado por um servidor estável for extinto ou tiver declarado a sua
desnecessidade, o ocupante ficará em disponibilidade, recebendo remuneração proporcional ao seu
tempo de serviço. A disponibilidade irá durar até que o servidor seja colocado em outro cargo
compatível como cargo anterior. Se o servidor não for estável, será exonerado do serviço público.

§ 4º Como condição para a aquisição da estabilidade, é obrigatória a


avaliação especial de desempenho por comissão instituída para essa finalidade.

COMENTÁRIOS: Os três anos do estágio probatório serão regidos com séries de avaliações de aptidão,
capacidade e eficiência para o desempenho do servidor em seu cargo. A avaliação será feita pelo
chefe imediato com periodicidade semestral levando em consideração assiduidade, disciplina,
iniciativa, produtividade e responsabilidade. A avaliação final do servidor será a média das cinco
avaliações realizadas até o trigésimo mês do estágio probatório. Para maiores detalhes, vide seção V,
da lei complementar nº 840/2011.

Art. 41. Ao servidor público efetivo, nos termos da Constituição Federal, é


assegurado regime próprio de previdência social. (Caput com a redação da Emenda à Lei
29
Orgânica nº 80, de 2014.)

COMENTÁRIOS: As regras Em 2008, o GDF, ciente de sua tarefa de prover o pagamento dos benefícios
previdenciários devidos aos seus servidores e dependentes, sem comprometer o custeio de suas atividades,
serviços e infraestrutura para a população, implementou as medidas necessárias à organização e ao
funcionamento do novo Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores do Distrito Federal. Esse
regime foi reorganizado e unificado nos termos da Lei Complementar nº. 769/2008, tem como atribuição
principal captar e capitalizar os recursos necessários à garantia de pagamento dos benefícios
previdenciários atuais e futuros dos segurados e dependentes, por meio de uma gestão participativa,
transparente, eficiente e eficaz, dotada de credibilidade e excelência no atendimento, incumbem, ainda, o
gerenciamento e a operacionalização do RPPS/DF, incluindo a arrecadação e a gestão de recursos
financeiros e previdenciários, a concessão, o pagamento e a manutenção dos benefícios previdenciários.
§ 1º O regime próprio de previdência social, observados os critérios que preservem o
equilíbrio financeiro e atuarial, é instituído por lei complementar. (Parágrafo com a redação da Emenda
30
à Lei Orgânica nº 80, de 2014.)

29
Texto original: Art. 41. O servidor será aposentado:
I – por invalidez permanente, sendo os proventos integrais, quando decorrente de acidente em serviço,
moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável, especificadas em lei, e proporcionais
nos demais casos;
II – compulsoriamente, aos setenta anos de idade, com proventos proporcionais ao tempo de serviço;
III – voluntariamente:
aos trinta e cinco anos de serviço, se homem, e aos trinta, se mulher, com proventos integrais;
aos trinta anos de efetivo exercício em funções de magistério, se professor ou especialista de
educação, e aos vinte e cinco anos, se professora ou especialista de educação, com proventos
integrais;
aos trinta anos de serviço, se homem, e aos vinte e cinco, se mulher, com proventos proporcionais
ao tempo de serviço;
aos sessenta e cinco anos de idade, se homem, e aos sessenta, se mulher, com proventos
proporcionais ao tempo de serviço.
30
Texto original: § 1º Lei complementar estabelecerá exceções ao disposto no inciso III, a e c, no caso
de exercício de atividades consideradas penosas, insalubres ou perigosas, na forma do que dispuser
lei federal.

§ 2º O tempo de contribuição prestado sob o regime de aposentadoria especial é


computado da mesma forma, quando o servidor ocupar outro cargo de regime idêntico, ou
pelo critério da proporcionalidade, quando se tratar de regimes diversos, na forma da lei.
(Parágrafo com a redação da
Emenda à Lei Orgânica nº 80, de 2014, e declarado inconstitucional: ADI nº 2014 00 2 023917-7 –
31
TJDFT, Diário de Justiça, de 13/4/2015.)

§ 3º O tempo de serviço público federal, estadual, municipal ou do Distrito


Federal será computado integralmente para os efeitos de aposentadoria e
disponibilidade.

§ 4º Os proventos da aposentadoria serão revistos, na mesma proporção e na


mesma data, sempre que se modificar a remuneração dos servidores em atividade,
sendo também estendidos aos inativos quaisquer benefícios ou vantagens
posteriormente concedidos aos servidores em atividade, inclusive quando decorrentes
de reenquadramento, transformação ou reclassificação do cargo ou função em que se
deu a aposentadoria, na forma da lei.

§ 5º O benefício de pensão por morte corresponderá à totalidade dos


vencimentos ou proventos do servidor falecido, qualquer que seja a causa mortis, até
o limite estabelecido em lei, observado o disposto no parágrafo anterior.

§ 6º É assegurada a contagem em dobro dos períodos de licença-prêmio não


gozados, para efeito de aposentadoria.

§ 7º Aos servidores com carga horária variável, são assegurados os proventos


de acordo com a jornada predominante dos últimos três anos anteriores à
aposentadoria.

§ 8º O tempo de serviço prestado sob o regime de aposentadoria especial


será computado da mesma forma, quando o servidor ocupar outro cargo de regime
idêntico, ou pelo critério da proporcionalidade, quando se tratar de regimes diversos,
na forma da lei.

Art. 42. É assegurada a participação de servidores públicos na gerência de


fundos e entidades para os quais contribui, na forma da lei.

Art. 43. Será concedida licença para atendimento de filho, genitor e cônjuge
doente, a homem ou mulher, mediante comprovação por atestado médico da rede
32
oficial de saúde do Distrito Federal.
Parágrafo único. É assegurado ao servidor público que tenha cônjuge ou dependente
com deficiência horário especial de serviço, independentemente da compensação de horário,
obedecido o disposto em lei.

Art. 44. Ao servidor público da administração direta, autárquica e fundacional


do Distrito Federal, fica assegurado:

I – percebimento de adicional de um por cento por ano de serviço público


efetivo, nos termos da lei;

COMENTÁRIOS: Trata-se de uma vantagem do servidor público do Distrito Federal. A cada ano de efetivo
exercício o servidor fará jus a um adicional de 1% ao ano.

Texto original: § 2º A lei disporá sobre aposentadoria em cargos ou empregos temporários.


Ver Lei Complementar nº 840, de 2011, que reconhece a concessão de que trata este artigo a
companheiros, inclusive nas relações homoafetivas.

II – contagem, para todos os efeitos legais, do período em que o servidor


estiver de licença concedida por junta médica oficial;

COMENTÁRIOS: O período em que o servidor ficou de licença para tratamento de saúde é contado para
todos os efeitos, ou seja, é adicionado no cálculo do período para a aposentadoria.

III – contagem recíproca, para efeito de aposentadoria, do tempo de contribuição


na administração pública e na atividade privada, rural e urbana, na forma prevista no art.
201, § 9º, da Constituição Federal. (Inciso com a redação da Emenda à Lei Orgânica nº 80, de
33
2014.)
Parágrafo único. Ficam assegurados os benefícios constantes do art. 35, III, IV e V, e
do art. 43 desta Lei Orgânica aos servidores das empresas públicas e das sociedades de
economia mista do Distrito Federal. (Parágrafo com a redação da Emenda à Lei Orgânica, nº 96, de
34
2016.)
Questões de provas

1. (UNIVERSA/SES-DF/2009) Assinale a alternativa que apresenta o objetivo que não é


considerado pela Lei Orgânica como objetivo prioritário do DF.
a) Garantir e promover os direitos humanos assegurados na Constituição Federal e na
Declaração Universal dos Direitos Humanos.
b) Preservar os interesses gerais e coletivos.
c) Proporcionar aos seus habitantes condições de vida compatíveis com a dignidade
humana, a justiça social e o bem comum.

d) Garantir a prestação de assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem


insuficiência de recursos.

e) Providenciar no âmbito do Distrito Federal condições àqueles que preencherem todos


os requisitos para matricularem-se nas vagas destinadas às cotas nas Universidades
Federais e Estaduais.

2. (UNIVERSA/SEJUS-DF/2010) No exercício de sua autonomia política, o Distrito Federal


criou uma lei que promove os direitos humanos assegurados na Constituição Federal. Acerca
desse ato legislativo, assinale a alternativa correta, à luz da Lei Orgânica do Distrito Federal
(LODF).
a) Ao se promulgar a lei, foi atendido um dos objetivos prioritários do Distrito Federal.
b) O Distrito Federal só pode promover os direitos humanos por meio de lei.
c) A lei visa atender à exigência presente na Constituição Federal do Brasil, mas não na
LODF.
d) Segundo a LODF, a dignidade da pessoa humana é um objetivo prioritário.
e) A referida lei é manifestação da autonomia administrativa da Câmara Legislativa.

3. ( ) (CESPE/DPE-DF/2013) Julgue os próximos itens, relativos à Lei Orgânica do DF.


O DF organiza-se em regiões administrativas, com vistas à descentralização administrativa,
cabendo ao Poder Executivo, mediante decreto, a criação ou extinção de novas regiões
administrativas, conforme a conveniência e o interesse de ordem pública.

4. (UNIVERSA/SEPLAG-DF/2010) A respeito da organização do Distrito Federal, assinale a


alternativa correta.
a) Brasília é a capital da República Federativa do Brasil, e a sede do governo do DF é a
cidade de Taguatinga.
b) O Distrito Federal, na execução de seu programa de desenvolvimento socioeconômico,
buscará a integração com a região do entorno do DF, que se encontra em Goiás.
c) A remuneração dos administradores regionais não poderá ser inferior à fixada para os
secretários de Estado do DF.
d) O território do Distrito Federal compreende o espaço físico-geográfico que se encontra
sob seu domínio e jurisdição, incluindo o seu entorno.
e) A criação e a extinção de regiões administrativas ocorrerão mediante lei aprovada pela
maioria absoluta dos deputados distritais.

5. (44444) (CESPE/SGA-SEE/2006) Ana, servidora estável do DF, foi submetida a processo


administrativo disciplinar, em que se concluiu pela sua demissão. Ana perdeu o cargo público, mas,
irresignada, ajuizou ação junto ao Poder Judiciário com pedido de reintegração. Considerando a
situação hipotética descrita acima e conforme a Lei Orgânica do DF, julgue os itens a seguir. Se a
decisão administrativa que demitiu Ana for invalidada por sentença judicial, a servidora será
reintegrada ao cargo, mas não terá os direitos e vantagens que eventualmente lhe fossem devidos
desde a sua demissão.
6. (IADES/PC-DF/2012) Acerca dos Fundamentos da Organização dos Poderes e do
Distrito Federal, com base na Lei Orgânica do Distrito Federal, assinale a alternativa correta.
a) As únicas formas de exercer a soberania popular pelo sufrágio universal e pelo voto
direto e secreto são mediante plebiscito e referendo.
b) O exercício do direito de petição ou representação é assegurado, independentemente
de pagamento de taxas ou emolumentos, ou de garantia de instância.
c) Os objetivos prioritários do Distrito Federal são a preservação de sua autonomia como
unidade federativa e a plena cidadania.
d) Os objetivos prioritários do Distrito Federal são a dignidade da pessoa humana e os
valores sociais do trabalho e da livre iniciativa.
e) O objetivo prioritário do Distrito Federal é o pluralismo político.

7. (UNIVERSA/DETRAN/2012) A respeito dos fundamentos da organização dos poderes e


do Distrito Federal previstos na Lei Orgânica do DF, assinale a alternativa correta.
a) Um dos valores fundamentais do DF é assegurar ao cidadão o exercício dos direitos de
iniciativa que lhe couberem, relativos ao controle da legalidade e da legitimidade dos
atos do poder público e da eficácia dos serviços públicos.
b) Um dos objetivos prioritários do DF é dar primazia ao atendimento das demandas da
sociedade na área de transporte.
c) O exercício do direito de petição ou representação é assegurado, desde que haja
pagamento de taxa correspondente.
d) O pluralismo político e o atendimento prioritário da demanda da sociedade na área de
educação são valores fundamentais do DF.
e) A valorização e o desenvolvimento da cultura local, apesar de ser uma preocupação de
qualquer governo, não se encontra entre os objetivos prioritários do DF.

8. (UNIVERSA/SEPLAG/2010) Em relação aos fundamentos da organização dos poderes e


do Distrito Federal na Lei Orgânica do Distrito Federal (LODF), assinale a alternativa correta.
a) Entre os objetivos prioritários do DF, encontra-se o de assegurar, por parte do poder
público, a proteção individualizada à vida e à integridade física e psicológica das
vítimas e das testemunhas de infrações penais e de seus respectivos familiares.
b) A Lei Orgânica permite ao DF retirar-se da Federação, tendo em vista sua característica
especial de capital da República.
c) O DF integra a Federação e mantém resguardada a sua personalidade de Direito
Público Internacional.
d) O exercício da soberania popular é realizado pelo sufrágio universal, por meio do voto
direto e secreto, com valor igual para todos e mediante o voto livre dos deputados
distritais.
e) É assegurado o exercício do direito de petição ou representação, mediante o
pagamento de taxas ou emolumentos, ou de garantia de instância.

9. (UNIVERSA/SEJUS /2010) Por deliberação da maioria absoluta da Câmara Legislativa do


Distrito Federal, foi instituída uma nova região administrativa no Distrito Federal. Com base
nessa situação hipotética, é correto afirmar que a decisão da Câmara tem como objetivo.

a) favorecer a descentralização administrativa.


b) criar uma nova sede do governo.
c) assegurar o cumprimento dos objetivos prioritários.
d) aumentar a participação popular na administração.
e) diminuir as desigualdades sociais.

10. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) A lei poderá aumentar a jornada de


trabalho normal acima de oito horas diárias, ultrapassando quarenta horas semanais.
11. (44444) (CESPE/DFTrans/2008) Caso um servidor público da administração fundacional do
DF fique em licença concedida por junta médica oficial durante dois anos, será assegurada a ele,
para todos os efeitos legais, a contagem do tempo em que esteve de licença.

12. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/METRO-DF/2009) Para execução do seu programa de


desenvolvimento econômico-social, a LODF prevê, expressamente, que o Distrito Federal tem o dever de
buscar a integração com a região do entorno.

13. (44444) (CESPE/BRB/2011) Como base os dispositivos da LODF: Se a demissão de um


servidor estável for invalidada por sentença judicial, então esse servidor será reintegrado no cargo
com todos os direitos e vantagens devidos desde o trânsito em julgado da referida decisão, sendo o
eventual ocupante da vaga reconduzido ao cargo de origem, com direito a indenização.

14. (44444) (CESPE/BRB/2011) Sobre a organização e administração do Distrito Federal, é


correto afirmar que, de acordo com a Lei Orgânica Distrital: Soberania, cidadania, dignidade da
pessoa humana, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e pluralismo político constituem
valores fundamentais do DF.

15. (44444) (CESPE/BRB/2011) A criação de regiões administrativas no DF depende da edição


de lei aprovada pela maioria absoluta dos deputados distritais, ao passo que a extinção dessas
regiões pode ocorrer mediante decreto do chefe do Poder Executivo.

16. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) De acordo com a LODF, não é vedado ao


servidor público o desvio de função: quando o servidor contrair doença que lhe cause
impossibilidade de continuar a exercer aquela atividade, mesmo não tendo a enfermidade relação
com o trabalho.

17. (44444) (CESPE/PMDF/2009) Lúcio, que é oficial reformado da PMDF e exerceu o cargo de
secretário de segurança pública por 2 anos, há 5 meses ocupa o cargo de administrador regional de
uma cidade satélite da capital e vem se destacando pela preocupação com o estado físico de
conservação das escolas e dos hospitais públicos. Lúcio não é filiado a partido político. Em seu
discurso de posse, afirmou que aceitou o encargo em razão de as administrações regionais não
integrarem a estrutura administrativa do DF. Tendo essa situação hipotética como referência inicial,
julgue os itens seguintes, relativos à Lei Orgânica do DF. O exercício do direito de petição perante as
administrações regionais do DF depende do pagamento de taxas, ao contrário do que ocorre nos
demais órgãos administrativos do DF.

18. (44444) (CESPE/BRB/2010) Julgue os itens que se seguem a respeito da Lei Orgânica do
Distrito Federal (LODF). Para a extinção de uma região administrativa, é necessária a aprovação de
lei pela maioria absoluta dos deputados distritais.

19. ( ) (CESPE/TC-DF/2012) Sobre as normas que se encontram expressas na LODF: Na


execução de seu programa de desenvolvimento econômico-social, o DF deve buscar a integração
com a região do seu entorno, um de seus objetivos prioritários expressos na LODF.

20. (44444) Dentre os objetivos prioritários, podemos citar: Dar prioridade ao atendimento
das demandas sociais de lazer.

21. (44444) (CESPE/TCDF/2012) De acordo com a Lei Orgânica do DF, julgue os itens a seguir,
acerca da organização administrativa, da organização dos poderes e da política urbana no DF. A
criação ou extinção de regiões administrativas no DF somente ocorre por lei aprovada pela maioria
absoluta dos deputados distritais, devendo cada região ter um conselho de representantes com
funções tanto consultivas, quanto fiscalizadoras, na forma da lei.

22. (44444) (CESPE/PMDF/2009) Ainda à luz da Lei Orgânica do DF, julgue os itens a seguir. O
plebiscito popular é uma das formas do exercício da soberania popular, vedado àqueles que
declararem conviver em união homossexual, quando se tratar de matéria afeta a essa temática.

23. (44444) (CESPE/IBRAM/2009) A LODF prevê expressamente que o Distrito Federal é a


capital da República Federativa do Brasil.

24. (44444) (CESPE/BRB/2011) O DF organiza-se em regiões administrativas, que não são


dotadas de autonomia política.
25. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) O direito de greve do servidor do Distrito
Federal será exercido nos termos e nos limites previstos em lei complementar do Distrito Federal.

26. (44444) (CESPE/AUDITOR/2014) Conforme previsão na LODF, é objetivo prioritário do


DF assegurar a plena cidadania.

27. (44444) (CESPE/TC-DF/2014) Com base nos dispositivos da LODF, julgue os itens
subsequentes. A participação popular no processo de escolha de administrador regional deve
ser regulada por lei.

28. (44444) (CESPE/DPDF/2013) Julgue os próximos itens, relativos à Lei Orgânica do DF.
O DF organiza-se em regiões administrativas, com vistas à descentralização
administrativa, cabendo ao Poder Executivo, mediante decreto, a criação ou extinção de novas
regiões administrativas, conforme a conveniência e o interesse de ordem pública.

29. (44444) (CESPE/TC-DF/2013) A criação ou extinção de regiões administrativas no DF


somente ocorre por lei aprovada pela maioria absoluta dos deputados distritais, devendo cada região
ter um conselho de representantes com funções tanto consultivas, quanto fiscalizadoras, na
forma da lei.

30. (44444) (IADES/PG-DF/2011) A lei assegurará aos servidores da administração direta isonomia
de vencimentos para cargos de atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder ou entre servidores
dos Poderes Executivo e Legislativo, sem ressalvas às vantagens de caráter individual.

31. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) Os conselhos de representantes


comunitários não possuem nenhuma função perante as regiões administrativas do Distrito
Federal, na forma da lei.

32. (44444) (CESPE/ANALISTA/2014) Caso o governo do DF pretenda executar


determinado projeto e realize uma audiência pública sobre o tema, essa audiência caracterizará
o exercício da soberania popular.

33. (44444) (CESPE/PMDF/2009) Lúcio, que é oficial reformado da PMDF e exerceu o cargo de
secretário de segurança pública por 2 anos, há 5 meses ocupa o cargo de administrador regional de
uma cidade satélite da capital e vem se destacando pela preocupação com o estado físico de
conservação das escolas e dos hospitais públicos. Lúcio não é filiado a partido político. Em seu
discurso de posse, afirmou que aceitou o encargo em razão de as administrações regionais não
integrarem a estrutura administrativa do DF. Tendo essa situação hipotética como referência inicial,
julgue os itens seguintes, relativos à Lei Orgânica do DF.
A remuneração de Lúcio como administrador regional pode ser superior à dos secretários de Estado
do DF, mas não pode ultrapassar o teto da remuneração do governador do DF.

34. (44444) (CESPE/TC-DF/2014) Com base nos dispositivos da LODF, julgue os itens
subsequentes:
A edição, pelo governador do DF, de ato normativo com o fim de melhorar as condições de
moradia e transporte está em consonância com os objetivos prioritários do DF, conforme
estabelecido na LODF.

35. (44444) (CESPE/BRB/2010) O DF é organizado em regiões administrativas, com vistas à


descentralização administrativa, à utilização racional de recursos para o desenvolvimento
socioeconômico e à melhoria da qualidade de vida da população.

36. (44444) ( ADAPTADA - UNIVERSA/METRO-DF/2009) Apenas a bandeira, o hino e o brasão


podem ser símbolos do Distrito Federal.

37. (44444) Dentre os objetivos prioritários, podemos citar: O exercício do direito de


petição ou representação, independentemente de pagamento de taxas ou emolumentos, ou de
garantia de instância.

38. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) A lei disporá sobre a participação popular no


processo de escolha do Administrador Regional.

39. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/PM-DF/2013) Ao servidor público da administração direta,


autárquica e fundacional do DF, ficam assegurados o percebimento de adicional de um por cento por ano
de serviço público efetivo, nos termos da lei; a contagem, para todos os efeitos legais, do período em que
o servidor estiver de licença concedida por hospital do DF; e a contagem recíproca, para efeito de
aposentadoria, do tempo de contribuição na administração pública e na atividade privada, urbana, na
forma prevista na Constituição Federal.

40. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) De acordo com a LODF, não é vedado ao


servidor público o desvio de função: quando o servidor acompanha cônjuge militar em sua
transferência de local de trabalho.

41. (44444) (IADES/PG-DF/2011) Às entidades representativas dos servidores públicos do Distrito


Federal somente cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos da categoria, inclusive em questões
judiciais ou administrativas, observado o disposto no art. 8º da Constituição Federal.

42. (44444) Poderá existir um tratamento diferenciado em desfavor daquelas pessoas que
tenham litigado contra os órgãos públicos do Distrito Federal e obtido decisão favorável.

43. (44444) Apenas as pessoas físicas poderão requerer revisão dos atos que derem
causa as eventuais prejuízos.

44. (44444) (IADES/PG-DF/2011) A criação ou extinção de regiões administrativas ocorrerá


mediante Emenda à Lei Orgânica Distrital.

45. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/PM-DF/2013) É assegurada a participação de servidores


públicos na diretoria de fundos e entidades para as quais contribuem, na forma da lei.

46. (44444) (CESPE/DPE-DF/2013) O DF organiza-se em regiões administrativas, com


vistas à descentralização administrativa, cabendo ao Poder Executivo, mediante decreto, a
criação ou extinção de novas regiões administrativas, conforme a conveniência e o interesse de
ordem pública.

47. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) De acordo com a LODF, não é vedado ao


servidor público o desvio de função: por motivo de doença do cônjuge, se este for servidor público.

48. (44444) (IADES/PG-DF/2011) É assegurada a participação de servidores públicos na


gerência de fundos e entidades para os quais contribui, na forma da lei.

49. (44444) É lícita a criação ou a extinção de regiões administrativas mediante lei de


iniciativa privativa do Governador do DF.

50. (44444) (CESPE/BRB/2010) A lei mencionada assegura aos servidores da


Administração direta isonomia de vencimentos para cargos de atribuições iguais ou
assemelhadas do mesmo poder ou entre servidores dos Poderes Executivo e Legislativo,
ressalvadas as vantagens de caráter individual e as relativas à natureza ou ao local de trabalho.

51. (44444) (CESPE/BRB/2011) Como base os dispositivos da LODF: O DF organiza-se em


regiões administrativas, dotadas de autonomia política.

52. (44444) (CESPE/PMDF/2009) Lúcio, que é oficial reformado da PMDF e exerceu o cargo de
secretário de segurança pública por 2 anos, há 5 meses ocupa o cargo de administrador regional de
uma cidade satélite da capital e vem se destacando pela preocupação com o estado físico de
conservação das escolas e dos hospitais públicos. Lúcio não é filiado a partido político. Em seu
discurso de posse, afirmou que aceitou o encargo em razão de as administrações regionais não
integrarem a estrutura administrativa do DF. Tendo essa situação hipotética como referência inicial,
julgue os itens seguintes, relativos à Lei Orgânica do DF.
Lúcio equivocou-se no discurso de posse, pois as administrações regionais integram a
estrutura administrativa do DF e possuem um conselho de representantes comunitários, com
funções consultivas e fiscalizadoras.

53. (44444) Um dos objetivos prioritários do DF é assegurar, por parte do poder público, a
proteção individualizada à integridade psicológica das testemunhas de infrações penais.
54. (44444) (CESPE/BRB/2011) O DF está organizado em regiões administrativas, cada qual
dotada de um conselho de representantes comunitários, com funções consultivas e
deliberativas.

55. (44444) Dentre os objetivos prioritários, podemos citar: Organizar-se em regiões


administrativas, com vistas à descentralização administrativa.

56. (44444) (CESPE/ANALISTA/2014) Com base na LODF, julgue os itens a seguir. A


substituição de um administrador regional destituído do cargo, cuja remuneração pode ser igual
à de um secretário de Estado do DF, deverá ser feita mediante um processo de escolha com
participação popular.

57. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) A criação ou a extinção de regiões


administrativas cabe exclusivamente ao governador, sem ingerência do Poder Legislativo.

58. (44444) A prestação da assistência social pelo poder público do DF será garantida
exclusivamente aos contribuintes da seguridade social.

59. (44444) (CESPE/BRB/2011) Sobre a organização e administração do Distrito Federal, é


correto afirmar que, de acordo com a Lei Orgânica Distrital: A criação de regiões administrativas
no DF depende da edição de lei aprovada pela maioria absoluta dos deputados distritais, ao passo
que a extinção dessas regiões pode ocorrer mediante decreto do chefe do Poder Executivo.

60. (44444) Dentre os objetivos prioritários, podemos citar: A integração com a região de
seu entorno.

61. (44444) (CESPE/BRB/2010) Para a extinção de uma região administrativa, é necessária


a aprovação lei pela maioria absoluta dos deputados distritais.

62. (44444) (ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) De acordo com a LODF, não é vedado ao


servidor público o desvio de função: por recomendação médica, no caso de servidora gestante.

63. (44444) Dentre os objetivos prioritários, podemos citar: A participação popular no processo
de escolha do Administrador Regional.

64. (44444) (CESPE/DFTrans/2008) No DF, a soberania popular é exercida exclusivamente


mediante plebiscito e referendo.

65. (44444) (CESPE/DETRAN-DF/2009) O servidor público efetivo de autarquia distrital faz


jus ao recebimento de adicional de 1% por ano de serviço público efetivo.

66. (44444) Os atos de improbidade administrativa importarão na perda dos direitos políticos e
suspensão da função pública.

67. (44444) (CESPE/BRB/2011) No que se refere aos fundamentos da organização do


Distrito Federal (DF), julgue o seguinte item à luz da Lei Orgânica do DF (LODF).
Na execução de seu programa de desenvolvimento econômico social, o DF deve buscar a
integração com a região do seu entorno, um de seus objetivos prioritários expressos na LODF.

68. (44444) ( ADAPTADA - UNIVERSA/SES-DF/2011) Não é computado como de exercício


efetivo o tempo de serviço prestado por servidor requisitado a qualquer dos poderes do Distrito
Federal.

69. (44444) (IADES/PG-DF/2011) O servidor público estável só perderá o cargo em virtude


de sentença judicial transitada em julgado.
70. (44444) (CESPE/DFTrans/2008) É lícita a criação ou a extinção de regiões administrativas
mediante decreto do governador do DF.

71. (UNIVERSA/SEPLAG/2010) A respeito dos fundamentos da organização do Distrito


Federal (DF).
a) A autonomia federativa assenta-se na posse de competências exclusivas e independe da
existência de órgãos governamentais próprios, isto é, é possível a dependência dos órgãos
federais quanto à seleção e à investidura.
b) O valor fundamental da plena cidadania tem o significado de inclusão apenas do cidadão,
com capacidade de votar e ser votado.
c) A dignidade da pessoa humana é um valor supremo que atrai o conteúdo de todos os
direitos fundamentais do homem, desde o direito à vida.
d) O pluralismo político permite a adoção de partido local, com concepção ideológica do
social-nacionalismo alemão.
e) A autonomia política permite o relacionamento direto entre o Distrito Federal e outros
organismos de Direito Internacional Público.

72. (IADES/SEAP/2014) Acerca das disposições contidas na Lei Orgânica do Distrito


Federal com relação à isonomia na Administração Pública Distrital.
a) A lei assegurará aos servidores da Administração direta isonomia de vencimentos para
cargos de atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder ou entre servidores dos
Poderes Executivo e Legislativo, ressalvadas as vantagens de caráter individual e as
relativas a natureza ou local de trabalho.
b) A lei assegurará aos servidores da Administração direta a isonomia de vencimentos para cargos
de atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder ou entre servidores dos Poderes
Executivo, Legislativo e Judiciário, ressalvadas as vantagens de caráter individual e as relativas
à natureza ou local de trabalho.
c) Os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não poderão ser
superiores aos pagos pelo Poder Executivo, vedada a vinculação ou equiparação de
quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço
público.
d) É assegurada aos servidores da Administração direta a isonomia de vencimentos para
cargos de atribuições iguais do mesmo Poder ou entre servidores dos Poderes Executivo,
Legislativo e Judiciário, vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies
remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público.
e) A lei assegurará aos servidores da Administração direta e indireta isonomia de
vencimentos para cargos de atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder ou entre
servidores dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, ressalvadas as vantagens de
caráter individual e as relativas a natureza ou local de trabalho, vedada a vinculação ou
equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de
pessoal do serviço público.

73. (UNIVERSA/SEPLAG/2009) Assinale a alternativa incorreta no tocante à organização


do Distrito Federal (DF).
a) A criação ou extinção de regiões administrativas ocorrerá mediante lei aprovada por
dois terços dos deputados distritais.
b) Cada região administrativa terá um conselho de representantes.
c) Compete privativamente ao DF organizar seu governo e administração.
d) O DF organiza-se em regiões administrativas, com vistas à descentralização
administrativa.
e) A competência do DF para legislar sobre junta comercial não é privativa.

74. (IADES/PGDF/2011) Assinale a alternativa que não indica objetivo prioritário do Distrito
Federal, de acordo com a Lei Orgânica.
a) garantir e promover os direitos humanos assegurados na Constituição Federal e na
Declaração Universal dos Direitos Humanos.
b) proporcionar aos seus habitantes condições de vida compatíveis com a dignidade humana,
a justiça social e o bem comum.
c) a preservação de sua autonomia como unidade federativa.
d) garantir a prestação de assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem
insuficiência de recursos.
e) valorizar e desenvolver a cultura local, de modo a contribuir para a cultura brasileira.
75. (UNIVERSA/SEJUS-DF/2008) Quanto à organização do Distrito Federal, em
conformidade com a respectiva Lei Orgânica.
a) As Administrações Regionais integram a estrutura administrativa do Distrito Federal.
b) A bandeira, o hino e o brasão são símbolos do Distrito Federal, vedada a instituição de
outros símbolos.
c) Haverá somente um Conselho de Representantes Comunitários para todas as Regiões
Administrativas do Distrito Federal.
d) O Distrito Federal organiza-se em Regiões Administrativas, cuja criação ou extinção somente
poderá ocorrer mediante lei aprovada por dois terços do Deputados Distritais.
e) Não há participação popular no processo de escolha do Administrador Regional.

76. (UNIVERSA/SEPLAG/2010) Assinale a alternativa que apresenta objetivo prioritário do


Distrito Federal.
a) Garantir e promover os direitos humanos assegurados na Constituição Federal e na
Declaração Universal dos Direitos Humanos.
b) Promover o bem de todos, em especial o dos eleitores.
c) Valorizar e desenvolver a cultura local, independentemente de contribuir para a cultura
brasileira.
d) Assegurar, por parte do poder público, a proteção individualizada à vida e à integridade
física e psicológica dos autores e das testemunhas de infrações penais e de seus
respectivos familiares.
e) Assegurar ao cidadão o exercício dos direitos de iniciativa que lhe couberem, relativos ao
controle da legalidade e da legitimidade dos atos do poder público, cabendo
exclusivamente ao Ministério Público o controle da eficácia dos serviços essenciais à
população.

77. (UNIVERSA/PM-DF/2013) No que se refere aos fundamentos da organização dos


Poderes e do Distrito Federal (DF), previstos na Lei Orgânica do Distrito Federal.
a) A preservação da autonomia do DF como unidade federativa constitui-se em um dos
seus objetivos prioritários.
b) É assegurado o exercício do direito de petição ou representação. O pagamento de taxas
ou emolumentos, ou de garantia de instância, serão dispensados para aqueles que
provarem não dispor de condições financeiras suficientes para tanto.
c) A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com
valor igual para todos e, nos termos da lei, mediante plebiscito, referendo e ação popular.
d) O DF encontra-se no pleno exercício de sua autonomia política e administrativa, não
gozando, porém, de autonomia financeira.
e) Ninguém será discriminado ou prejudicado em razão de nascimento, idade, etnia, raça, cor,
sexo, estado civil, trabalho rural ou urbano, religião, convicções políticas ou filosóficas,
orientação sexual, deficiência física, imunológica, sensorial ou mental, por ter cumprido
pena, nem por qualquer particularidade ou condição, observada a Constituição Federal.

78. (IBFC/SEAP/2013) Indique a alternativa que NÃO representa objetivo prioritário do


Distrito Federal, previsto na sua Lei Orgânica:
a) Preservar os interesses gerais e coletivos.
b) Promover o bem de todos.
c) A saúde pública e o saneamento básico.
d) Garantir a prestação de assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem
insuficiência de recursos.

79. (IBFC/SEAP/2013) “A criação de Regiões Administrativas ...........”. Assinale a


alternativa que completa corretamente a lacuna:
a) é vedada no Distrito Federal.
b) depende de ato regulamentar do Governador do Distrito Federal
c) independe de lei, desde que não haja previsão de aumento de despesas.
d) depende de lei, aprovada pela maioria absoluta dos membros da Câmara Legislativa.

80. (IADES/PG-DF/2011) As Administrações Regionais integram a estrutura administrativa


do Distrito Federal. A criação ou extinção dessas Regiões ocorrerá mediante
a) resolução da Câmara Legislativa.
b) decreto do governador do Distrito Federal.
c) lei aprovada por maioria simples dos deputados distritais.
d) resolução do Conselho de Representantes Comunitários de cada região.
e) lei aprovada por maioria absoluta dos deputados distritais.

Você também pode gostar