Você está na página 1de 7

H TTP :/ /DX. DOI .ORG /1 0 .2 2 2 5 6 /PUB V E T.V 1 1 N7 .

6 9 4 -7 0 0

Megabacteriose em Calopsita (Nymphicus hollandicus)


Laurien de Araujo Cavalcante Filho1, Júlio Cézar dos Santos Nascimento2*, Lucilo Bioni
da Fonseca Filho3, Marleyne José Afonso Accioly Lins Amorim4, Mercia Rodrigues
Barros5, Roseana Tereza Diniz de Moura6
1
Médico Veterinário e Zootecnista. E-mail: laurienzootec@gmail.com
2
Professor do Centro Universitário Maurício de Nassau, Curso de Medicina Veterinária, Recife-PE Brasil. E-mail:
juliocezar@veterinario.med.br
3
Acadêmico de Medicina Veterinária, Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife –PE Brasil.
E-mail: lucilofilho@gmail.com
4
Professor Associado da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Recife-PE Brasil –
E-mail: mjaamorim@yahoo.com.br
5
Professor em Universidade Federal Rural de Pernambuco, Departamento de Medicina Veterinária, Recife-PE Brasil. E-mail:
merciarbpe@gmail.com
6
Professor em Universidade Federal Rural de Pernambuco, Departamento de Medicina Veterinária, Recife-PE Brasil. E-mail:
roseana.diniz@gmail.com
*Autor para correspondência

RESUMO. Macrorhabdus ornithogaster, agente das Megabacterioses de forma


leveduriforme, é encontrado na microbiota normal do proventrículo de aves. Sob
circunstâncias inespecíficas, o equilíbrio hospedeiro-fungo é rompido e os sinais clínicos,
chamados “Síndrome Light Going”, se manifestam. M. ornithogaster tem sido
diagnosticado em laboratório como causa de doença em uma ampla diversidade de espécies
de aves, com prognóstico reservado a depender do caso. Este trabalho aborda uma revisão
de literatura sobre a megabacteriose em aves e relata um caso clínico em Calopsita
(Nymphicus hollandicus), macho, de raça Cara Branca, com 1 ano de idade, onde se deu
entrada na Clínica Veterinária. Por meio do histórico, anamnese, sinais clínicos, exame
direto das fezes, chegou-se ao diagnóstico presuntivo da megabacteriose. Para o tratamento
foi prescrito Nistatina 100.000 UI/mL/ por via oral na dose de 0,4mL duas vezes ao dia,
por 15 dias via sonda de alimentação acoplada à seringa de insulina, juntamente com uma
gota de Tilosina e uma gota de Glicopan Gold em duas tomadas diárias (dose diária
recomendada pelo fabricante 1mL ou 11 gts diluídos em 100 mL de água ou 2 a 3 gotas,
uma vez ao dia) diretamente no bico, além de 5 gotas de vinagre de maçã em 100 mL de
água para beber. Após 7 dias do tratamento, houve melhora do animal, mas ainda
apresentava emagrecimento e sementes nas fezes. O tratamento seguiu e com 16 dias de
tratamento o animal foi reavaliado, apresentando coloração normal das fezes, ganho de
peso, ausência de regurgitação e sementes nas fezes, e voltou a cantar e recebeu alta.
Palavras chave: Proventriculite, micose, síndrome light going

Megabacteriosis in Nymphicus hollandicus


ABSTRACT. Macrorhabdus ornithogaster, agent of yeast-like Megabacteriosis is found
in the normal microbiota of the proventriculus of birds. Under non-specific conditions, the
host-fungal balance is disrupted and clinical signs, called "Light Going Syndrome",
manifest. M. ornithogaster has been diagnosed in the laboratory as a cause of disease in a
wide diversity of bird species, with a prognosis reserved to depend on the case. This work
presents a review of the literature on megabacteriosis in birds and reports a clinical case in
Calopsita (Nymphicus hollandicus), a 1 year old Cara White male, where he was admitted
to the Veterinary Clinic. Through history, anamnesis, clinical signs, direct examination of
feces, the presumptive diagnosis of megabacteriosis was reached. For the treatment

PUBVET v.11, n.7, p.694-700, Jul., 2017


Cavalgante Filho et al. 695

Nystatin 100,000 IU/mL / oral (VO) was prescribed at 0.4mL twice daily (Bid), for 15 days
via a feeding tube attached to the insulin syringe, together with a drop of Tylosin and one
drop of Glycopan Gold in two daily intakes (daily dose recommended by the manufacturer
1mL or 11 gts diluted in 100mL of water or 2 to 3 drops, once daily) directly in the beak,
in addition to 5 drops of apple cider vinegar in 100 mL of drinking water. After 7 days of
treatment, there was improvement of the animal, but still presented slimming and seeds in
the faeces. The treatment was followed and with 16 days of treatment the animal was
revaluated, presenting normal stool coloration, weight gain, absence of regurgitation and
seeds in the faeces, and again singing and receiving discharge.
Keywords: Proventriculitis, mycosis, syndrome light going

Proventriculitis infecciosa en Periquito (Nymphicus hollandicus)


RESUMEN. Macrorhabdus ornithogaster, agente causante de la Megabacteriosis
(proventrtriculitis infecciosa), hace parte de la microbiota normal del proventrículo de las
aves de corral. Bajo circunstancias inespecíficas, el equilibrio huésped-hongo se quiebra y
los signos clínicos, llamados " Síndrome Light Going", se manifiestan. M. Ornithogaster
ha sido diagnosticado en laboratorio como causa de enfermedad en una amplia diversidad
de especies de aves, con pronóstico reservado dependiendo del caso. Este trabajo aborda
una revisión de literatura sobre megabacteriosis en pájaros y divulga el caso clínico de un
periquito (Nymphicus hollandicus), macho, cara branca, con un año de edad, dando entrada
para consulta en la clínica veterinaria. Por medio de su histórico, anamnesis, signos clínicos
e examen directo de las heces, se llegó al diagnóstico presuntivo de megabacteriosis. Para
el tratamiento se prescribió nistatina 100.000 IU/mL/oral en la dosis de 0, 4 dos veces al
día, durante 15 días a través de sonda de alimentación acoplada a la jeringa de insulina,
junto con una gota de Tilosina y una gota de Glicopan Gold en dos tomadas diarias (dosis
diaria recomendada por el fabricante 1 ml o 11 GTS diluido en 100 ml de agua o 2 a 3
gotas, una vez al día) directamente en el pico, más 5 gotas de vinagre de manzana en 100
ml de agua para beber. Después de 7 días del tratamiento, había mejora del animal, pero
todavía presentando delgadez y semillas en las heces. El tratamiento seguido y con más 16
días de tratamiento se reevaluó el animal, presentando coloración normal de las heces,
aumento de peso, ausencia de regurgitación, ausencia de semillas en las heces, volviendo
a cantar y recibió alta.
Palabras clave: Proventriculitis, tiña, síndrome Light Going

Introdução e imunossuprimidos. Para o diagnóstico da


infecção, baseia-se em histórico, anamnese, sinais
Tem-se observado um crescente número de
clínicos, microscopia direta de impressão fresca
casos em aves nas clínicas veterinária,
da mucosa de ventrículo ou proventrículo, cultura
acompanhado do aumento de casos de
de amostras de mucosa ventricular e
megabacteriose em aves na região metropolitana
proventricular, exame histopatológico, necropsia e
do Recife de Pernambuco. Esta afecção tem sido
presença do agente nas fezes.
relatada em alguns países e em diversas espécies
de aves, como periquito (Melopsittacus Objetivou-se, com o presente trabalho relatar
undulatus), canário (Serinus canarius), ema (Rhea um caso clínico de megabacteriose em Calopsita,
americana), avestruz (Struthio camelus), assim como apresentar uma revisão de literatura
mandarim (Taeniopygia guttata), tucano (espécie fornecendo um aporte de maior de informações
Ramphastidae), pomba (espécie Columbidae), sobre esta patologia subdiagnosticada na clínica
codorna japonesa (Coturnix coturnix japonica), médica de aves.
galinha (Gallus gallus) e peru (Meleagris
A megabacteriose, também chamada
gallopavo) (Queirós et al., 2011).
“Síndrome Light Going” é uma patologia que
A megabacteriose é uma patologia de alta afeta aves de muitas espécies, tendo sido associada
morbidade e mortalidade bastante variável, a uma condição crônica sintomática ou
podendo chegar a 100% no lote em animais jovens assintomática (Carvalho et al., 2011).

PUBVET v.11, n.7, p.694-700, Jul., 2017


Megabacteriose em Calopsita 696

Macrorhabdus ornithogaster é uma levedura agudas de megabacteriose tenham sido descritas,


ascomiceto anamórfica. Colonizam a junção principalmente em periquitos, o curso da doença é
estreita (istmo) do estômago glandular normalmente crônica, por vezes, com períodos
(proventriculus) e moagem de estômago intermitentes de recuperação e recaída. erca de um
(ventriculus) de aves. Em esfregaços das mucosas terço de periquitos saudáveis poderia apresentar
e das fezes, o microrganismo é uma haste rígida, M. ornithogaster no estômago, sem quaisquer
com frente que é de 20 µm a 80 µm de sinais clínicos óbvios (Filippich et al., 1993, Fraga
comprimento e de 2 a 3 µm de largura, com et al., 2011).
extremidades arredondadas (Phalen, 2007).
Segundo Phalen (2014), os sinais
Segundo Phalen (2014) pensou-se ser uma gastrointestinais mais habituais são diarreia,
bactéria (megabactéria) por mais de 20 anos. êmese, melena, associados ou não à progressiva
Werther et al. (2000) descreveram o perda de peso, caquexia, anorexia ou normorexia.
microrganismo pela primeira vez como estruturas Ainda há relatos de desuniformidade do lote,
semelhantes a um fungo, em proventrículo de depressão, fraqueza, letargia, problemas de
canários e periquitos. Posteriormente, Scanlan and empenamento, piora da eficiência alimentar, além
Graham (1990) caracterizaram o agente como uma de atrofia dos músculos peitorais, acúmulo de
bactéria bacilar, gram positiva, PAS (Ácido fezes ao redor da cloaca, palidez de mucosas,
Periódico de Schiff) positiva, de dimensões queda da produção de ovos e baixo ganho de peso.
grandes, variando entre 1,5 a 3,0 µm de largura e
Sinais clínicos em aves de gaiola incluem
20 a 50 µm de comprimento. Também sugeriram
perda de peso, êmese, diarréia, sementes inteiras
que o mesmo seria um componente normal da
nos excrementos e letargia. Experimentalmente
flora gastrointestinal de periquitos, desde que os
aves infectadas mostraram uma taxa reduzida de
microrganismos foram também isolados de aves
ganho de peso , mas não há sinais clínicos de
saudáveis. Os autores referem que o fungo pode
doença. Frangos de corte com infecções naturais,
ser encontrado nas fezes e no muco do istmo entre
demostraram uma variedade de sinais, mas todos
proventrículo e ventrículo, e não se sabe sobre a
os lotes foram impactados por uma série de
resistência do agente no ambiente (Martins et al.,
agentes de doenças e não era possível determinar
2006). Munhoz et al. (2008) observaram que o M.
se qualquer um dos sinais foram causados por M.
ornithogaster é um microrganismo oportunista,
ornithogaster (Filippich et al., 1993).
promovendo maior mortalidade na desordem
imunossupressora. De acordo com Phalen (2014), o diagnóstico da
infecção baseia-se em histórico, anamnese, sinais
A principal fonte de infecção do
clínicos, microscopia direta de impressão fresca
Macrorhabdus ornithogaster são as aves
da mucosa de ventrículo ou proventrículo, cultura
portadoras assintomáticas, não há indicações
de amostras de mucosa ventricular e
científicas que demonstrem haver transmissão
proventricular, em histopatológico, necropsia e
vertical da megabactéria, no entanto, a
presença do agente nas fezes. A megabacteriose
alimentação dos filhotes através da regurgitação
pode causar um aumento do pH do muco
bem como a contaminação oro-fecal são as formas
proventricular de 2,7 para valores que podem
mais comuns de transmissão do agente. Da mesma
variar de 7,0 a 7,3, por conseguinte, a medição de
forma, o alojamento conjunto de espécies
pH por meio de lavagem do proventrículo,
diferentes unido de precária biossegurança
também pode ajudar no diagnóstico (Werther et
aumentam as chances de transmissão do agente,
al., 2000). A necropsia revela frequentemente um
fato este sustentado pela ocorrência de
pássaro magro com grandes lesões na junção entre
megabacteriose em canários e mandarins de um
o proventrículo e ventrículo. As lesões
mesmo criatório, e galináceos e codornas
macroscópicas incluem uma proventriculite com
japonesas alojadas em um mesmo galpão. O
úlceras com ou sem hemorragia, a dilatação do
carácter oportunista do fungo pode ser
istmo gástrica, afinamento da parede do istmo e
evidenciado quando a infecção ocorre em
secreção de muco aumentada (Hoppes, 2012).
associação com outras doenças, tais como
coccidiose em tucanos, vírus de marek em Conforme Phalen (2014), a ausência de M
frangos, candidíase em galinhas e tricomoníase ornithogaster nas fezes não exclui totalmente a
em pombos, agravando as taxas de morbidade e infecção ou infecção e doença associada. Uma
mortalidade nos plantéis (Carvalho et al., 2011). maneira rápida de se concentrar o fungo é
Segundo Lanzarot et al. (2013), embora formas separando fezes sólidas e homogeneizar com

PUBVET v.11, n.7, p.694-700, Jul., 2017


Cavalgante Filho et al. 697

água, e cerca de 20 vezes o seu volume de soro (Filippich and Perry, 1993). O benzoato de sódio,
fisiológico, em um pequeno tubo, deixando benzoato de potássio e sorbato de sódio podem
descansar por 10 segundos e, em seguida, prevenir o M. ornithogaster crescer in vitro
examinar uma pequena gota da suspensão (Bradley et al., 2005).
recolhida a partir da superfície. Um ensaio de
O tratamento mais eficaz foi relatado como
reação em cadeia da polimerase (PCR) para
sendo a anfotericina B, a qual é dada por via oral
detectar M ornithogaster nas fezes também está
ou por sonda alimentação a uma dose de 100
disponível na América do Norte (Veterinary
mg/kg duas vezes por dia durante um mês. Uma
Molecular Diagnostics, Milford, Ohio, EUA).
preparação solúvel em água de anfotericina B,
Quando encontrados nas fezes, são longo, quando administrada por 14 dias em água de
retos, hastes rígidas, com extremidades beber, não foi eficaz. Estirpes de M. ornithogaster
arredondadas. Em algumas circunstâncias, as resistentes à anfotericina B foram identificadas na
longas varas podem curvar-se ligeiramente. Austrália (Madani et al., 2014).
Organismos em forma de Y podem ser vistos, mas
estes são extremamente raros. Visualizados Material e Métodos
diretamente em uma solução, estruturas pequenas No dia 20 de fevereiro de 2016, deu entrada na
encontradas em intervalos regulares são vistas. Clínica Veterinária um psitacídeo da espécie
Estas estruturas são núcleos. A coloração dos calopsita, macho, de raça Cara Branca, pesando 80
núcleos foi de acordo com Phalen (2014). gramas, um ano de idade, de nome Malhado. O
No exame post mortem, preparação salina da tutor relatou que no primeiro dia observou o
raspagem da junção (istmo) do proventrículo irá animal pouco ativo, sem cantar, penas eriçadas,
demonstrar os organismos abundantes. Em polifagia, dormindo bastante. No dia seguinte,
periquitos e pássaros com doença, encontra-se a seguiu-se a observação dos mesmos sinais, como
mucosa engrossada do proventrículo e aumento de também apresentava diarreia forte, no terceiro dia,
muco no lúmen, e alguns exemplares apresentam houve a presença de sementes não digeridas no
úlceras com sangue no proventrículo (Phalen, forro da gaiola junto às fezes.
2014). No histórico, foi relatado que a ave havia
Segundo Madani et al. (2014), o controle e mudado de local onde se pode ter acesso de
tratamento da infecção do M. ornithogaster são pardais em sua gaiola para se alimentar. Esse
um desafio para os clínicos. As infecções acesso gerava muito estresse à ave devido à defesa
subclínicas podem ocorrer em muitas aves sem de território. Tutor relatou, ainda, que a ave
sinais clínicos evidentes, é quase impossível regurgitava sementes inteiras.
manter grandes aviários livre da infecção. Por No exame físico foi observado que o paciente
outro lado, tem sido relatado que muitos fármacos se apresentava com mucosas hipocoradas,
antimicrobianos e antifúngicos como preparações normotérmico, atrofia dos músculos peitorais
de iodo, lufenuron, nistatina, fluconazol, (peito seco) e penas, ao redor da cloaca, com fezes
cetoconazol, itraconazol e terbinafina não são aquosas. Coletou-se amostra de fezes para realizar
eficazes no tratamento da infecção. um esfregaço. A amostra foi diluída com soro
A anfotericina B, nistatina e produtos químicos fisiológico no volume de 20 vezes o da amostra,
antifúngicos de baixa toxicidade (por exemplo, homogeneizada e utilizaram-se duas gotas da
benzoato de sódio) têm algum grau de eficácia solução em lâmina para observação em
contra M. ornithogaster. Verificou-se ser eficaz no microscópio. Na observação da lâmina, havia
tratamento de galinhasquando administrados 100 hastes de Macrorhabdus ornithogaster (fungo),
mg/kg por via oral duas vezes por dia durante 14 confirmando a suspeita de acordo com os sinais
dias. A nistatina foi eficaz quando administrado clínicos relatados.
em água a 3.500,000 UI/L de água potável durante Recomendou-se, ao tutor, a higienização da
2 dias, em seguida, 2.000.000 UI por litro, durante gaiola, comedouros e bebedouros, e utilização de
28 dias (Kheirandish and Salehi, 2011). O estudo folhas de papel, exceto jornal para evitar
foi bem controlado e, após o tratamento, um lote intoxicação por chumbo contido na tinta. Em
de pássaros foi eutanasiado e comprovou-se ser relação à alimentação, suspender a ração
livre de infecção. Há algumas evidências que comercial formulada e utilizar ração prescrita nas
sugerem que algumas estirpes de M. ornithogaster proporções adequadas, devido a relatos de rações
são resistentes a nistatina ou a anfotericina B mofadas e mal acondicionadas.

PUBVET v.11, n.7, p.694-700, Jul., 2017


Megabacteriose em Calopsita 698

Para o tratamento, foi prescrito Nistatina custo, diagnóstico imediato, possível visualização
100.000 UI/mL/ por via oral (VO) na dose de 0,4 do fungo sem uso de corantes. Todas as
mL duas vezes ao dia (Bid), por 15 dias via sonda características observadas se enquadravam com o
de alimentação acoplada à seringa de insulina, curso agudo da megabacteriose.
juntamente com uma gota (gt) de Tilosina e uma
Não se pode descartar, em psitacídeos, a
gota de Glicopan Gold em duas tomadas diárias
ocorrência de uma ou duas infecções fúngicas
(dose diária recomendada pelo fabricante 1mL ou
associadas e descritas em Melopsittacus undulatus
11 gotas diluídos em 100 mL de água ou 2 a 3
(Filippich and Hendrikz, 1998), Amazona aestiva
gotas, uma vez ao dia) diretamente no bico, além
(Carrasco et al., 1998), Cacatua sulphurea
de 5 gotas de vinagre de maçã em 100 mL de água
sulphurea (Anderson, 1993), Nymphicus
para beber.
hollandicus (Vasconcelos et al., 2011), Agapornis
A Nistatina foi recomendada ao invés de fischeri (Nouri and Kamyabi, 2010). Não foram
Anfotericina B, devido ao fato do tutor já ter a descritos ainda no Brasil relatos da ocorrência
medicação em casa. Ainda prescrita a Tilosina, um associada de aspergilose, megabacteriose e
antibiótico de largo espectro. candidíase em Melopsittacus undulates. Isso
demonstra a necessidade de uma atenção maior
Após sete dias de tratamento, o tutor relatou
dos médicos veterinários em relação a pesquisas
evolução do quadro clínico do animal, mas ainda
de doenças fúngicas em aves e suas associações.
apresentava emagrecimento e sementes nas fezes,
e estava com coloração verde claro. O tratamento Visto como microrganismo normal da
seguiu durante dezesseis dias e o animal foi microbiota intestinal de aves, ou como um agente
reavaliado, apresentando coloração normal das oportunista de distribuição mundial, Candida spp.,
fezes, ganho de peso, ausência de regurgitação e principalmente a espécie Candida albicans,
sementes nas fezes, e voltou a cantar. O animal provoca micoses endógenas que acometem
então recebeu alta com peso de 112 gramas. principalmente o trato digestivo superior das ave.
Posteriormente ao tratamento, tentou entrar em Em geral psitacídeos são as principais espécies
contato com o tutor para uma nova coleta para acometidas por candidíases, apresentando-se
verificar a presença do patógeno nas fezes, mas o deprimidos, com esvaziamento gástrico retardado,
mesmo não se encontrava em seu domicílio. regurgitação, inapetência e dificuldade na digestão
dos alimentos (Silva et al., 2014).
Resultados e Discussão
O esvaziamento gástrico retardado não é
O exame das fezes é de crucial importância mensionado pelos autores como sinal clínico na
para o diagnóstico preciso e servir de diferencial megabacteriose, podendo direcionar um
com outras enfermidades que apresentam sinais diagnóstico presuntivo para a megabactéria. O
clínicos semelhantes. Segundo Meirelles et al. diagnóstico precoce dessas infecções consiste em
(2015), a não visualização do agente não exclui a um desafio para tratamento e controle
infecção, pois as aves infectadas podem eliminar (Dahlhausen, 2006).
o agente intermitentemente. Neste trabalho, 12 de
A associação de falhas nutricionais, estresse,
123 amostras de fezes examinadas (9,75%) foram
debilidade, imunossupressão, diminuição de
positivas. Todavia, decorrente de sua eliminação
ventilação, mudanças de temperatura, falhas de
intermitente, resultados negativos não devem ser
higienização, ambiente inapropriado,
prontamente desconsiderados. O diagnóstico
antibioticoterapia prolongada, administração de
definitivo de M. ornithogaster é mais
corticóides e traumatismos predispõem ao
frequentemente demonstrado na necropsia
surgimento de infecções fúngicas em aves (Fraga,
(Hoppes, 2012).
2014). As infecções fúngicas estão normalmente
Phalen (2014) relata que uso de Mini-FLOTAC associadas à deficiência imunológica, estresse,
é proposto como uma nova ferramenta rápida para desnutrição e condições precárias de higiene
a detecção de M. ornithogaster em aves vivas. (Cubas et al., 2014).
Ensaios de reação em cadeia da polimerase (PCR)
Com o propósito de um menor estresse à ave,
para detectar M ornithogaster nas fezes está
os medicamentos foram administrados em
disponível só na América do Norte, restringindo
conjunto, nistatina, tilosina e nutracêutico
seu uso. Dentre os exames clínicos possíveis de
Glicopan Gold via oral. A administração dos
diagnóstico, o esfregaço de fezes foi o escolhido,
medicamentos através da sonda proporciona um
neste relato de caso, justificado pelo seu baixo

PUBVET v.11, n.7, p.694-700, Jul., 2017


Cavalgante Filho et al. 699

controle melhor do tratamendo, em comparação à Referências Bibliográficas


medicação na água. Filippich et al. (1993) relatam Anderson, N. L. 1993. Candida/megabacteria
que os medicamentos diluídos na água de beber, proventriculitis in a lesser sulphur-crested
afirmam que a taxa de dosagem na ave tratada vai cockatoo (Cacatua sulphurea sulphurea).
depender da quantia de água ingerida, e algumas Journal of the Association of Avian
espécies de aves bebem pouca água, já outras Veterinarians, 7, 197-201.
apresentam depressão, sem haver consumo
Bradley, A., Yasuka, H. & Phalen, D. N. 2005.
desejável do medicamento.
Macrorhabdus ornithogaster: inhibitory drugs,
A administração de nistatina suspensão oxygen toxicity and culturing from feces.
(100.000 UI/mL/VO na sonda, 1mL/300 gramas USDA sponsored summer research program
(g)/Bid/14 dias) corrobora com Cubas et al. Athens (GA).
(2014). Historicamente os únicos tratamentos Carrasco, L., Gómez‐Villamandos, J. C. & Jensen,
eficazes têm sido anfotericina B e nistatina,esta H. E. 1998. Systemic candidosis and
última tem sido relatada como sendo eficaz em concomitant aspergillosis and zygomycosis in
pintassilgos. A anfotericina B é mais eficaz em two Amazon parakeets (Amazona aestiva).
aves se administrado por via oral, quer em água Mycoses, 41, 297-301.
medicada ou por gavagem (alimentação forçada).
Carvalho, P. R., Queirós, T. S. & Pita, M. C. G.
Embora a anfotericina B possa ser eficaz, seu
2011. Megabacteriose em aves. Pesquisa &
custo elevado torna seu uso inapropriado em
Tecnologia, 8, 1-2.
grandes plantéis (Hoppes, 2012). Segundo
Dahlhausen (2006) a anfotericina B é eliminada Cubas, Z. S., Silva, J. C. R. & Dias, J. L. C. 2014.
pelos rins e é usado somente em curta duração Tratado de animais selvagens-medicina
devido ao risco de nefrotoxicidade induzida, e veterinária. Editora Roca.
deve ser usada em combinação com itraconazol ou Dahlhausen, R. D. 2006. Implications of mycoses
fluconazol. in clinical disorders. Clinical Avian Medicine,
2, 691-704.
Considerações Finais Filippich, L. J. & Hendrikz, J. K. 1998. Prevalence
A megabacteriose é uma enfermidade cada vez of megabacteria in budgerigar colonies.
mais comum na clínica de animais silvestres, Australian Veterinary Journal, 76, 92-95.
ornamentais e de produção e reprodução, e a Filippich, L. J., OBoyle, D. A., Webb, R. & Fuerst,
quantidade de óbitos é significativa, devido ao J. A. 1993. Megabacteria in birds in Australian.
curso hiperagudo da doença (em horas) e à Australian Veterinary Practitioner, 23, 72-76.
dificuldade do diagnóstico diferencial, em relação Filippich, L. J. & Perry, R. A. 1993. Drugs trials
ao das bacterioses. Na clínica de aves, constitui megabacteria in budgerigras (Melopsitta
um desafio a conscientização dos tutores que undulatus). Australian Veterinary
fazem seu próprio diagnóstico e tratamento, Practitioner, 23, 184-189.
recomendado por balconistas: “Toda diarreia é
Fraga, C. F. 2014. Ocorrência de doenças
verminose”. O simples procedimento de exame
micóticas em aves silvestres no Brasil: revisão
fecal pode fazer uma grande diferença na hora de
bibliográfica. Faculdade de Medicina
se decidir que terapia instituir mediante sinais
Veterinária. Universidade Federal do Rio
clínicos como diarreia. Conhecer a epidemiologia,
Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
patologia, espécies acometidas e eficiência de
tratamentos da megabacteriose em aves são temas Fraga, M. E., Medeiros, M. E. S. & Neves, D. M.
ainda restrito e pouco estudado. Considera-se que 2011. Estudo de Aspergilli durante o período
este fungo pode ser um agente oportunista, visto de quarentena de psitacídeos do Centro de
ser encontrado muitas vezes em animais sem Triagem de Animais Silvestres (CETAS)
sinais clínicos da doença. Desta forma, situações IBAMA, Seropédica, Rj. Revista Brasileira de
tais como muda, grande produção de ovos, Medicina Veterinária, 33, 68-72.
alterações ambientais e de higiene, ou qualquer Hoppes, S. 2012. Treatment of Macrorhabdus
falha na criação que leve ao estresse e ornithogaster with sodium benzoate in
imunossupressão, podem propiciar a proliferação budgerigars (Melopsittacus undulates).
do agente e, portanto, ao aparecimento dos sinais Proceedings of the 23rd Annual Conference of
clínicos da enfermidade. the Association of Avian Veterinarians.

PUBVET v.11, n.7, p.694-700, Jul., 2017


Megabacteriose em Calopsita 700

Association of Avian Veterinarians, Seattle Phalen, D. N. 2007. Diagnosis and management of


(WA). Macrorhabdus ornithogaster (formerly
Kheirandish, R. & Salehi, M. 2011. megabacteria). Veterinary Clinics of North
Megabacteriosis in budgerigars: diagnosis and America: Exotic Animal Practice, 8, 299-306.
treatment. Comparative Clinical Pathology, Phalen, D. N. 2014. Update on the diagnosis and
20, 501-505. management of Macrorhabdus ornithogaster
Lanzarot, P., Blanco, J. L., Alvarez-Perez, S., (formerly megabacteria) in avian patients.
Abad, C., Cutuli, M. T. & Garcia, M. E. 2013. Veterinary Clinics of North America: Exotic
Prolonged fecal shedding of Animal Practice, 17, 203-210.
‘megabacteria’(Macrorhabdus ornithogaster) Queirós, T. S., Carvalho, P. R. & Pita, M. C. G.
by clinically healthy canaries (Serinus 2011. Megabacteriose: Macrorhabdus
canaria). Medical Mycology, 51, 888-891. ornithogaster em aves – Revisão. PUBVET,
Madani, S. A., Ghorbani, A. & Arabkhazaeli, F. Londrina, v. 5, n. 13, p. 1080. PUBVET, 5,
2014. Successful treatment of macrorhabdosis 1080.
in budgerigars (Melopsittacus undulatus) using Scanlan, C. M. & Graham, D. L. 1990.
sodium benzoate. Journal of Mycology Characterization of a gram-positive bacterium
Research, 1, 21-27. from the proventriculus of budgerigars
Martins, N. R. S., Horta, A. C., Siqueira, A. M., (Melopsittacus undulatus). Avian Diseases, 34,
Lopes, S. Q., Resende, J. S., Jorge, M. A., 779-786.
Assis, R. A., Martins, N. E., Fernandes, A. A. Silva, T. M., Okamoto, A. S., Smaniotto, B. D.,
& Barrios, P. R. 2006. Macrorhabdus Pavan, L. F. & Andreatti Filho, R. L. 2014.
ornithogaster in ostrich, rhea, canary, zebra Associação de megabacteriose, aspergilose e
finch, free range chicken, turkey, guinea-fowl, candidíase em periquitos australianos
columbina pigeon, toucan, chuckar partridge (Melopsittacus undulatus) em cativeiro,
and experimental infection in chicken, Marília, SP-Relato de caso. Revista Brasileira
japanese quail and mice. Arquivo Brasileiro de de Ciência Veterinária, 21, 101-104.
Medicina Veterinária e Zootecnia, 58, 291- Vasconcelos, T. C. B., Longa, C. S., Albuquerque,
298. D. D. A., Costa, C. H. C. & Bruno, S. F. 2011.
Meirelles, C., Cunha, F. S., Davies, Y. M., Aspectos clínicos e anatomopatológicos de
Guimarães, M. B. & Ferreira, A. J. P. 2015. aspergilose e candidíase em calopsita
Ocorrência de Macrorhabdus ornithogaster (Nymphicus hollandicus): relato de caso.
em calopsitas (Nymphicus hollandicus) Revista Portuguesa de Ciencias Veterinarias,
atendidas no ambulatório de aves fmvz-usp 110, 109-112.
entre 2010 e 2014. Revista de Educação Werther, K., Schocken-Iturrino, R. P., Verona, C.
Continuada em Medicina Veterinária e E. S. & Barros, L. S. S. 2000. Megabacteriosis
Zootecnia, 13, 57-57. occurrence in budgerigars, canaries and
Munhoz, L. S., Finger, P.F., Siedler, B.S., Fischer, lovebirds in Ribeirao Preto region-Sao Paulo
G., Hubner, S.O., Sallis, S.E. 2008. Presença state-Brazil. Revista Brasileira de Ciência
de macrorhabdus ornithager em canários Avícola, 2, 183-187.
belgas (Serinus canarias) oriundos da cidade
Article History:
de Pelotas - Rio Grande do Sul. In; Congresso Received 20 April 2017
Brasileiro de Medicina Veterinária, 35, 491- Accepted 8 May 2017
492. Available on line 11 June 2017

Nouri, M. & Kamyabi, Z. 2010. Occurrence of License information: This is an open-access article distributed under
the terms of the Creative Commons Attribution License 4.0, which
ventricular candidiasis in a lovebird permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any
(Agapornis fischeri). The Iranian Journal of medium, provided the original work is properly cited.
Veterinary Science and Technology, 2, 51-56.

PUBVET v.11, n.7, p.694-700, Jul., 2017