Você está na página 1de 2

SAIBA MAIS SOBRE A ARTE RUPESTRE (TEXTO ABAIXO)

Do francês rupestre, o termo designa gravação, traçado ou pintura sobre suporte rochoso.

Considerada a expressão artística mais antiga da humanidade, a arte rupestre é realizada


em cavernas, grutas ou ao ar livre.

Estão excluídas as manifestações artísticas contemporâneas como o graffiti e a arte


ambiental.

Alguns especialistas criticam o uso do termo "arte" para fazer referência às inscriçoe
̃ s
sobre pedra que remontam, em geral, aos povos de épocas pré-históricas, na medida em
que pinturas e gravações descobertas pelas pesquisas arqueológicas nem sempre teriam,
hoje, um sentido estético evidente.

Se exemplos mais antigos remontam aos tempos glaciais, é possível localizá-la nas eras
paleolítica e neolítica e até mesmo em épocas recentes.

Os exemplares europeus são mais antigos (Altamira na Espanha e Lascaux na França)


realizados entre 40 mil e 30 mil anos a.C..

As técnicas empregadas constituem outro aspecto explorado pelas análises.

A pintura parece ter sido a realização mais antiga.

Os traços podem ter sido feitos com os dedos ou com a ajuda de utensílios; as cores,
obtidas do carvão (preta), do óxido de ferro (vermelha e amarela) e gordura ou cera. Na
caverna de Lascaux as pinturas têm cor preta contendo carvão moído e dióxido de
manganês. Substâncias líquidas como água, clara de ovo e muito raramente o sangue
foram também empregadas nas pinturas.

MESOPOTÂMIA

Aquilo que chamamos de Civilização, devemos inicialmente atribuir a dois povos: um que
vivia na região da Mesopotâmia entre os rios Tigre e Eufrates, no chamado Crescente
Fértil, onde hoje é o Iraque, e o outro ao longo do rio Nilo, principalmente na região do
Delta, onde se encontra o Egito.

Na Mesopotâmia, aprox. 3.200 a.C ., desenvolveram-se diversas civilizações e, portanto,


podemos encontrar manifestações culturais bastante diversificadas.

Mas o feito mais relevante dos sumérios daquela Mesopotâmia foi o desenvolvimento dos
pictogramas, embrião da escrita cuneiforme , pois somente depois dela é que passamos a
ter documentos escritos e, desta maneira, passamos da Pré-História para a História.

A escrita contribuiu também para que o homem passasse a ser considerado “civilizado”,
pois, como já viviam em cidade-estado, passaram a ter suas leis escritas nas “tábuas” e,
aquele que as respeitava, era considerado cidadão (Código de Hamurabi - Babilônia -
1.700 a.C).

A PINTURA NO EGITO

A pintura, produzida especialmente dentro das salas funerárias, contavam a história do


morto através de desenhos e da escrita hieroglífica como forma de demonstrar aos deuses
que o morto teria sido um homem bom e moralmente integro durante sua vida. Da mesma
forma, alguns encomendavam o Livro dos Mortos para ser juntado ao seu corpo como
“passaporte” para a eternidade.

É entre 1600 e 1300 a.C. que a pintura Egípcia se destaca em procurar refletir os
movimentos dos corpos utilizando a “lei da frontalidade”.

O tamanho das pessoas e objetos não caracterizava necessariamente a distância entre


um e o outro, mas sim a importância do sujeito, do objeto e seu nível social.