Você está na página 1de 7

22/10/2019 Baleiras - Ensaios: Semiologia e Linguística - A Problematização Conceptual em Saussure, Jakobson e Lévi-Strauss

更多 emailsodedownload@gm

Baleiras - Ensaios

Seguidores Arqui

关注者( 5 人) Semiologia e Linguística - A Problematização Conceptual em Saussure, ►2


Jakobson e Lévi-Strauss ►2

Acerca de mim ▼2

«A língua é um vestido coberto de remendos feitos com o seu próprio tecido.» ►

Ferdinand de Saussure

«Todo o enunciado se justifica pelo efeito de sentido produzido. Por outro lado, toda a significação é essencialmente contextual, ►

e está ligada à intenção do locutor e às condições de comunicação, e portanto da fala.» ▼

Marina Yaguello
Fernando Baleiras

Baleiras tem sempre «A palavra é como que uma casa a que tivessem várias vezes mudado a arrumação interior e a utilização.»
como premissa uma Ferdinand de Saussure
abordagem
multidisciplinar que vise
«Não há sociedade sem linguagem, tal como não há sociedade sem comunicação.»
a diversidade que
Julia Kristeva
explode à nossa volta
mostrando o incremento
que cada agente
metamorfoseia per si, Prólogo
inferindo na capacidade "A linguagem ocupa, entre os instrumentos culturais do homem um lugar à parte. (…) a linguagem responde a uma necessidade
de agir, inventar, fundamental da espécie humana, que é a necessidade de comunicar; mas esta necessidade, contrariamente às de comer, respirar,
disseminar – em suma, dormir, fazer amor, etc., não se manifesta «naturalmente». (…) A linguagem acciona capacidades especificamente humanas, as
uma trajectória de fuga
capacidades para a simbolização e a abstracção: o homem é capaz de evocar não apenas o que é palpável e está presente mas
ao mais-do-mesmo, tendo Links
também o que está longe, no tempo ou no espaço, o que é abstracto ou mesmo imaginário. «No princípio era o Verbo», e não há
como pano de fundo a
refutação dos modelos pensamento humano sem palavras" (Yaguello 1997: 15-16). Ba
dogmáticos. PL
É preciso reportarmo-nos a Ferdinand Saussure para assistir à renovação no estudo das línguas. É nesta época que se abandona a Ba
Ver o meu perfil
completo perspectiva linguística da história, que consistia principalmente numa genética das línguas, para vir a ser, o estudo da língua, Ba
tomada como «sistema», e como método de trabalho, como background na apresentação do modelo estruturalista. A reflexão de Af
Lévi-Strauss, encontramo-la «apoiada» no modelo linguístico, que lhe serviu de «trampolim» à aplicação dos fenómenos sociais. Ba

21,946 O projecto estruturalista é isolar, retalhar os níveis mais significativos dos fenómenos. O estudo da linguística oferecia a Lévi-
Strauss a analogia que ele «precisava» para o estudo dos sistemas de parentesco.
PO

outro
Pesquisar neste blogue “As novas perspectivas abertas pela teoria da comunicação resultam, precisamente, dos métodos originais que foi preciso elaborar
para tratar dos objectos – os signos – que se podem doravante submeter a uma análise rigorosa (…).” (Lévi-Strauss 1989: 359). Al
Pesquisar
Lévi-Strauss, quis apreender «os jogos de comunicação» numa perspectiva estruturalista, tanto no plano da natureza como no Mi
plano da cultura, ou seja, pretende descobrir as regras do «jogo» na vida social sem ser no contacto directo, na observação directa Vi
do contexto em estudo. Em suma, Lévi-Strauss procura encontrar as regras universais do espírito. Assim, o modelo estruturalista Go
herdado da linguística provocou no germe das ciências uma revolução que se estendeu até à consequente teorização.

Dicio
DESENVOLVIMENTO DA TEMÁTICA

- O fundador da linguística europeia


A tradição da semiótica europeia contemporânea assenta na obra de Saussure, particularmente no Curso de Linguística Geral
publicado pela primeira vez em 1916, Ferdinand Saussure postulava a existência de uma Ciência Geral dos Signos, ou Semiologia,
de que a linguística seria apenas uma parte.

Saussure teve o particular mérito de definir pela primeira vez, conceitos que se tornaram chave, nomeadamente a distinção entre
língua e fala, noção de língua como sistema entre outros. O seu trabalho fundador da Linguística europeia, abrirá caminho a
diversos ramos de investigação semiótica. A distinção linguística entre língua e fala, vai ser fundamental para todo o movimento
estruturalista.

Um dos contributos essenciais de Saussure para a linguística consistiu na fixação da língua como sistema semiológico. A partir da
já célebre esquematização do sistema de comunicação entre emissor e receptor, Saussure separa os elementos psíquicos dos
elementos físicos e fisiológicos. Para ele a linguística só trata dos elementos psíquicos na medida em que deixa de lado o acto
individual da fala e se centra no facto social, isto é, no facto de que “todos os indivíduos (…) reproduzirão – não exacta, mas
aproximadamente – os mesmos signos unidos aos mesmos conceitos” (Saussure 1999: 40).

Para Saussure a língua é inconfundível com a linguagem, ou seja, é uma parte essencial da linguagem, um produto social desta
faculdade, literalmente alheia ao carácter fónico do signo. Afastando-se das regras da gramática, Saussure partiu de uma natureza
multiforme e heteróclita, da linguagem para elaborar a dicotomia língua/fala. Demarcando a língua da fala, Saussure concebe a
língua como um sistema de regras para a produção de frases, concebendo a língua com um sistema, com regras definidas,
competindo à linguística apurá-las. A língua é o elemento social e essencial da linguagem, "a língua é uma instituição social (…) A
língua é um sistema de sinais para exprimir ideias (…)" (Ibid.: 43). A língua é um todo em si e compete-lhe servir de princípio de
classificação há linguagem. Por outro lado, diz-nos Saussure, a fala, é o individual e acidental, onde se torna difícil apurar regras,
ou descortinar um sistema. A fala seria assim relegada para estudos empíricos de cariz psicológico.

A língua enquanto delimitada no conjunto dos factos da linguagem é classificável como facto humano, enquanto que a fala é
considerada um acto individual da vontade e da inteligência. Diz-nos ainda Saussure que “podemos comparar a língua a uma
sinfonia, cuja realidade é independente da forma como a executam; os erros que possam cometer os músicos que a tocam de
modo nenhum comprometem essa realidade” (Ibid.: 47). Ou seja, a realidade é independente da forma como é estudada, esta
questão prende-se com as noções de forma e conteúdo. A língua é estabelecida através de um modelo binário, ela é forma e não
conteúdo, "a língua é uma forma e não uma substância, (Ibid.: 206), este princípio é basilar para Saussure.

https://baleirasensaios.blogspot.com/2006/03/semiologia-e-lingustica-problematizao.html 1/7
22/10/2019 Baleiras - Ensaios: Semiologia e Linguística - A Problematização Conceptual em Saussure, Jakobson e Lévi-Strauss
O signo linguístico une não uma coisa e um nome, mas um conceito a uma imagem acústica. A imagem acústica não é o som
material, puramente físico, mas a marca psíquica desse som, a sua representação é fornecida pelo testemunho dos sentidos; é
sensorial. Este termo «imagem acústica» parecerá talvez limitado em demasia, atendendo a que, ao lado da representação dos
sons de uma palavra há também a da sua articulação, a imagem muscular do acto fónico. Mas para F. Saussure a língua é
essencialmente um depósito, um sistema vindo do exterior. A imagem acústica é, por excelência, a representação natural da
palavra, como facto virtual da língua, distinto de qualquer realidade ao nível da fala. O aspecto motor pode ser subentendido ou
simplesmente reduzido a um estado de subordinação perante a imagem acústica. "Não podemos esquecer [diz-nos Saussure] uma
faculdade de associação e de coordenação que se manifesta a partir do momento em que deixamos de lidar com signos isolados; é
esta a faculdade que desempenha o papel mais importante na organização da língua enquanto sistema" (Ibid.: 39).

Partindo do sistema de comunicação humana para definir a língua, em que o signo linguístico é um signo ao qual subjaz a
intenção de comunicar, a semiologia preconizada por Saussure é uma semiologia da comunicação. “A língua não é uma função do
sujeito, é o produto que o indivíduo regista passivamente; ela nunca supõe premeditação (…). A fala é, pelo contrário, um acto
individual da vontade e da inteligência (…)” (Ibid.: 41). Ou seja, na língua, o indivíduo por si só, não pode nem criá-la nem
modificá-la. "Em qualquer época, e por muito que recuemos, a língua aparece como uma herança duma geração precedente. [No
entanto] as modificações da língua não estão ligadas à sucessão das gerações, as quais, em vez de se sobreporem umas às outras
como as gavetas duma cómoda, misturam-se e interpenetram-se e contêm simultaneamente indivíduos de todas as idades"
(Saussure 1999: 130-131).

O apuramento que Saussure faz da língua enquanto sistema de signos com singularidade e unidade próprias é extremamente
importante, enquanto sistema sígnico as suas características essenciais estendem-se a todos os outros sistemas semiológicos.

- Contra a visão simplista e vulgar da língua


Encontramos no pensamento saussureano aspectos que vão contra o senso comum, contra a visão simplista e vulgar da língua.
Essa concepção da língua “supõe que as ideias são anteriores às palavras, (…) não nos diz se o nome é de natureza vocal ou
psíquica, (…) deixa supor que o laço que une um nome a uma coisa é uma operação simples” (Saussure 1999: 121). A concepção de
Saussure é radicalmente diferente: "O signo linguístico une não uma coisa e um nome, mas um conceito e uma imagem acústica.
Signo linguístico é precisamente uma entidade psíquica de duas faces, composto pelo conceito e pela imagem acústica, Saussure
propõe (1999: 124) “manter a palavra signo para designar o total e substituir conceito e imagem acústica respectivamente por
significado e significante”, estas noções têm o privilégio de marcar a separação entre si, o que os distingue do total de que fazem
parte.

Saussure, interessou-se por uma nova forma de abordar a linguística, uma forma onde os fenómenos se apresentam aos pares,
sendo através deste princípio dicotómico e de oposição que defende a possibilidade de estudar a linguística. O funcionamento da
língua, decorre assim, da integração desta, numa rede constituída por diferenças. Diferenças essas, que se constituem sem termos
positivos, ignorando Saussure o estabelecimento de distinções entre a dupla contraste/oposição, que considera serem
equivalentes ou semelhantes a substituição e combinação. Neste aspecto, Saussure, limita-se a indicar-nos que não deveremos
confundir diferença com oposição, deveremos, no entanto, atender a que quando encontramos uma aproximação completa de
signos, isto é, significado e significante, essa diferença se extingue, dando lugar à oposição.

- Arbitrariedade do signo/linearidade do significante


As características primordiais do signo são por um lado a arbitrariedade do signo, ou seja, o elo de ligação entre o significante e o
significado. A ideia de sincronia, estabelece uma espécie de equilíbrio de termos, apreensivos por uma colectividade e fazendo
parte de um sistema formado por termos que poderiam ter outro significado, se não fossem o que são dentro daquele sistema,
leva-nos então Saussure a concluir que o signo linguístico se apresenta como arbitrário em que o vínculo “ (…) que une o
significante ao significado é arbitrário, ou melhor, uma vez que entendemos por signo o total resultante da associação de um
signo a um significado: o signo linguístico é arbitrário” (Saussure 1999: 124). Por outro lado, a segunda característica do signo
linguístico é designada pela linearidade do significante, este é de natureza auditiva e desenvolve-se no tempo e ao tempo vai filtrar
as suas características.

No que diz respeito à arbitrariedade do signo, a semiologia tem precisamente como principal objecto de estudo, o conjunto de
sistemas baseados na arbitrariedade dos signos, “os sinais puramente arbitrários realizam melhor do que os outros o ideal do
processo semiológico; é por isso que a língua, o mais complexo e o mais difundido dos sistemas de expressão, é também o mais
característico de todos; neste sentido, a linguística pode tornar-se o padrão geral de toda a semiologia, ainda que a língua seja
apenas um sistema particular” (Ibid.: 125). O símbolo pode designar o signo linguístico ou aquilo a que chamamos significante,
mas nestes termos não é totalmente arbitrário, o signo é na verdadeira acepção da palavra imotivado, arbitrário em relação ao
significado. Em Saussure, a afirmação de que tudo é negativo na língua, só é legítima, quando aplicada ao significado ou ao
significante tomados isoladamente, ou seja, desde que se considere o signo na sua totalidade estamos em presença de algo
positivo.

São os “ (…) factores históricos (…) que explicam porque é que o signo é imutável, isto é, porque é que resiste a qualquer
substituição arbitrária” (Ibid.: 130). Por sua vez o signo altera-se porque permanece, o princípio da alteração assenta no princípio
da continuidade, esta alteração do signo no tempo, toma diversas formas: “A continuidade do signo no tempo, ligada à alteração
no tempo, é um princípio de semiologia geral” (Ibid.: 137). Em Saussure, a linguística, surge-nos, essencialmente relacionada com
duas dimensões fundamentais e separadas, que apesar disso, não são separáveis. São estas duas dimensões, a dimensão
individual e a dimensão social, constatáveis pelo som e pelo sentido.

Para Saussure nada se impõe na relação significado/significante, defendendo que a língua humana é provavelmente o único
sistema semiológico não condicionado pela base material em que assenta, ou seja, a língua é neste sentido, totalmente
independente de constrangimentos materiais. A grande ideia de Saussure é esta: a de que o signo tem uma natureza psíquica, não
material, aplicando-se a duas dimensões da unidade da língua: significado/significante. Saussure vê a língua numa perspectiva
sistémica. O significado é diferente da coisa, mas o mesmo acontece no domínio do significado, o significado não é a coisa em si –
é a ideia. Tanto o significante como o significado são identidades que não se confundem com a materialidade, referem-se a ideias
e não a objectos. A língua para Saussure é como uma folha de papel em que o " (…) pensamento é uma das faces e o som a outra;
não podemos cortar uma sem cortar a outra; também na língua não poderíamos separar o som do pensamento, a não ser por
meio de uma abstracção (…) esta combinação produz uma forma, não uma substância" (Saussure 1999: 192). Significado e
significante, ambos, são componentes psíquicos. Sendo a língua um " (…) sistema em que todos os estes termos são solidários "
(…) o valor de um resulta da presença simultânea dos outros (…)" Ibid.: 194). A língua não é uma identidade que vale por si
própria, cada língua não é um reflexo, um espelho, do mundo tal como a realidade é lá fora. Não há nenhuma relação social entre
signo e a materialidade a que ele se refere. O signo é uma identidade insolúvel.

- Sincronia/diacronia versus simultaneidades/sucessividades


É bem notório na obra de Saussure a necessidade interior de separar a linguística em duas partes, onde cada uma possa destacar o
seu próprio princípio, um significante e um significado. A distinção é preciosa para linguística, uma vez que a língua é um sistema
de puros valores em que nada de exterior determina o estado momentâneo dos seus termos. Deste modo, são assim marcados por
Saussure dois eixos sobre os quais se encontram os factos de que se ocupam. Temos por um lado o eixo das simultaneidades,
respeitante às relações entre fenómenos coexistentes, excluída qualquer intervenção do tempo, por outro lado temos o eixo das

https://baleirasensaios.blogspot.com/2006/03/semiologia-e-lingustica-problematizao.html 2/7
22/10/2019 Baleiras - Ensaios: Semiologia e Linguística - A Problematização Conceptual em Saussure, Jakobson e Lévi-Strauss
sucessividades sobre o qual só podemos considerar um fenómeno de cada vez, mas onde estão situados os factos do primeiro eixo
com as suas alterações. Destas duas ordens de fenómenos, relativos ao mesmo objecto, e para melhor marcar esta oposição
podemos ainda falar de linguística sincrónica e diacrónica. Um facto sincrónico é sempre significativo, faz apelo a dois termos
simultâneos.

No postulado saussuriano, "a língua é um sistema em que todas as partes podem e devem ser consideradas na sua solidariedade
sincrónica" (Saussure 1999: 152). E porquê? Segundo o autor "a linguística sincrónica ocupar-se-á das relações lógicas e
psicológicas entre os termos coexistentes e que formam sistema, tais como são percebidas pela consciência colectiva [já a]
diacronia estudará, pelo contrário, as relações entre termos sucessivos, não percebidos por uma mesma consciência colectiva e
que se substituem uns aos outros sem formar sistema entre si" (Ibid.: 171).

A língua funciona como um determinado sistema, num dado momento. Poderemos então concluir que a língua está “parada” no
tempo? Segundo, Saussure, a língua está em constante mutação sendo mesmo produto da evolução histórica e, é precisamente
neste ponto que surge a importância do estudo sincrónico da linguística. Encontramos a língua em constante evolução, mas
poderemos, apesar de tudo, situarmo-nos num dado momento em que esta se encontra, permitindo sistematizar as regras de
funcionamento válidas para esse determinado momento.

Vimos que Saussure defende nada se impor à relação entre significado e significante, considerando que a língua humana é
provavelmente o único sistema semiológico não condicionado pela base material em que assenta, ou seja, a língua é neste sentido
totalmente independente de constrangimentos materiais. A esta noção de sincronia, opõe a noção de diacronia, tratando em suma
da oposição entre a noção de sistema e a noção de história, tendo por um lado, a noção de sistema não necessário e por outro a
noção de necessidade não sistémica. É através desta articulação, que julga darem-se todas as evoluções linguísticas. Considera,
em suma, que são as línguas que constituem a realidade e não a realidade que constitui as línguas. Nesta oposição
sucessividade/simultaneidade, assimila a oposição sincronia/diacronia, que em grande parte se assemelha à oposição entre
língua e som, na medida em que o discurso se encontra, segundo Saussure, fora da língua e perto do som, no entanto, também
perto da língua enquanto matéria fónica.

É através da articulação, deste conjunto de noções dicotómicas que leva ao extremo (e fá-lo coerentemente), as suas próprias
dicotomias conceptuais, atribuindo ao significado, valor próprio, conseguido apenas pela sua oposição. As palavras encontram-se
numa relação diferencial, porque as próprias palavras entram numa série de oposições, verificando-se o mesmo no plano do
significante ou no plano fónico, onde as imagens acústicas se separam pelas diferenças, fornecedoras elas próprias de oposições. É
este processo negativo que se nos apresenta como termos positivos em que “a afirmação de que tudo é negativo na língua só é
verdadeira quando aplicada ao significado ou ao significante tomados isoladamente: a partir do momento em que se considera o
signo na sua totalidade, estamos em presença de algo que é positivo ao seu nível. Um sistema linguístico é uma série de diferenças
de sons combinada com uma série de diferenças de sentidos (...) Embora o significado e o significante sejam, cada um por seu
lado, puramente diferenciais e negativos, a sua combinação é um facto positivo” (Saussure 1999: 203).

Paradoxalmente a questão do sentido foi excluída durante muito tempo, era tido como vulnerável – foi alvo de uma prolongada
hesitação – era à língua e não à fala que Saussure atribuía como objecto à linguística. Para retermos a extensão que o cunho de
Saussure teve na linguística e em toda a análise estrutural leia-mos as suas próprias palavras: “Não há ideias preestabelecidas, e
nada é distinto antes do aparecimento da língua” (Ibid.: 190). Para este autor no mecanismo da "língua, tudo se reduz a
diferenças, mas tudo se reduz também a associações. Este mecanismo, que consiste num jogo de termos sucessivos, é semelhante
ao funcionamento de uma máquina cujas peças têm uma acção recíproca, embora estejam dispostas numa só dimensão" (Ibid.:
215). Mas outras correntes virão a postular operações que não coincidem uma com as outras, a realidade é complexa. "Os
linguistas – e sobretudo, entre eles os estruturalistas – se interrogam: que estudam na realidade? Que é esta coisa linguística que
parece se despregar da cultura, da vida social, da história e até destes homens que falam?" (Lévi-Strauss 1989: 87).

- A problemática da associação: Som com Sentido


A forma como Roman Jakobson, irá retomar as noções básicas de Saussure, constitui-se como uma espécie de reorientação
conceptual dessas mesmas noções. Jakobson virá a matizar estas noções.

Em Saussure, o som distingue-se do domínio da língua e, é na sequência das dicotomizações que faz, que opõe produção de som a
audição de som. Em contrapartida, Jakobson, problematiza no estudo da linguística a forma de associar som com sentido.

Para Jakobson, a comunicação linguística, necessita de uma operação de descodificação que decorre do som ao sentido. A
mensagem é constituída por um conjunto de sinais moderados, transmitidos por um emissor com o objectivo de serem
recepcionados e simultaneamente descodificados. Ou seja, para Jakobson, fala-se para ser ouvido e entendido, daí a necessidade
de se encontrar uma classificação racional para a múltipla diversidade de posições do aparelho vocal, capazes de produzir um
mesmo som. Mais, fala-se "para se ser ouvido; é preciso acrescentar que se quer ser ouvido para se ser compreendido. É o
caminho do acto fonatório até ao som propriamente dito e do som até ao sentido” (Jakobson 1977: 30).

Todavia, é necessário encontrar a questão do sentido em relação ao som, a classificação dos sons só poderá surgir a partir da
veiculação do sentido desses mesmos sons. A mensagem requer assim um contexto, um código, um canal, que constituem funções
linguísticas diferentes, pois o grande problema reside na associação entre som e sentido e, não existindo critérios de classificação
em relação à produção dessa dicotomia era necessário questionar o sentido em relação ao som e vice-versa. Só é possível a
classificação dos sons ouvidos, a partir do momento em que se coloca a questão do sentido, veiculado por esses mesmos sons
ouvidos e só a partir deste critério funcional se poderá separar som e sentido.

A partir deste princípio e, mediante a distinção entre fonema e variante combinatória, chegou-se à fonética e à fonologia.
Encontramos em Jakobson (1963: 104) “deux niveaux du language et de l'analyse linguistique doivent être tenus séparés: d'une
part le niveau sémantique, qui comprend tout à la fois les unités significatives simples et complexes, du morphème à l'énonce et
au texte, et, d'autre part, le niveau phonologique, qui concerne les unités simples et complexes dont le rôle est seulement de
différencier, cimenter, compartimenter, ou de mettre en relief les diverses unités significatives.” Para Saussure, o fonema é
unidade complexa, desligado da língua em si, ou seja faz uma grande distinção entre língua e matéria fónica. Jakobson, tenta uma
proximidade entre a noção de língua e de matéria fónica, colocando em causa o principal princípio de Saussure: a total
independência da língua e, como já foquei anteriormente, o princípio da arbitrariedade do signo linguístico. Pois, Jakobson não
crê na total independência, defendendo apenas a distinção destes dois campos, sendo significado e significante indissociáveis em
qualquer língua. “Saussure apela para as diferenças entre as línguas, mas na verdade só se pode resolver a questão da ligação
arbitrária ou do elo necessário entre o significante e o significado, colocando-nos num determinado estado de uma determinada
língua. (...) Contrariamente à tese de Saussure, o elo entre o significante e o significado, ou seja, entre a sequência dos fonemas e o
sentido, é necessário; mas a única ligação necessária entre os dois aspectos é a associação que assenta sobre a contiguidade,
portanto sobre uma relação externa, enquanto que a associação que assenta sobre a semelhança (sobre uma relação interna) é só
facultativa” (Jakobson 1977: 87).

A palavra e o signo verbal em geral apresentam a união do som e do sentido, isto é, a união do significante e do significado. As
várias funções que os elementos fónicos cumprem na língua a mais importante: "É a função distintiva, [ou seja,] a faculdade de os
sons se diferenciarem as significações das palavras, aquilo que importa antes de mais” (Ibid.: 36). São os sons que podem

https://baleirasensaios.blogspot.com/2006/03/semiologia-e-lingustica-problematizao.html 3/7
22/10/2019 Baleiras - Ensaios: Semiologia e Linguística - A Problematização Conceptual em Saussure, Jakobson e Lévi-Strauss
diferenciar as palavras. “É apenas através da análise do funcionamento dos sons da língua, que se pode estabelecer o sistema de
fonemas de uma língua dada” (Ibid.: 42). É reconhecido por Jakobson algum mérito a Saussure pela noção essencial para o
estudo funcional dos sons, mas reconhece-lhe inúmeras contradições patentes no seu postulado, acusando-o da maneira como
encara e descreve os meios fónicos da linguagem. ”Estas contradições caracterizam o lugar intermédio que ocupa a doutrina
saussuriana entre duas correntes sucessivas do pensamento linguístico; a corrente do empirismo ingénuo e a orientação
estrutural da ciência moderna” (Ibid.: 48).

A crítica de Jakobson a Saussure é precisamente por este definir a fonética, como um princípio em que «tudo o que é fonética é
não significativo», designando as mudanças de sons como estranhas ao sistema da língua. Pelo contrário, Jakobson defende, a
ideia segundo a qual as mudanças não podem ser compreendidas a não ser em função do sistema fonológico que as suporta.
Jakobson afirma que Saussure "compreendeu perfeitamente o carácter puramente diferencial e negativo dos fonemas, mas em
vez de tirar daí as consequências que se impunham para a análise dos fonemas, apressou-se a generalizar a sua conclusão ao
tentar aplicá-la todas as entidades linguísticas" (Ibid.: 58). Jakobson, anula também a oposição de Saussure, entre discurso e
língua, acentuando a utilidade destas noções, defende a revelação de uma língua através do discurso como vontade individual. É a
necessidade de compreensão dessa mesma língua para entendimento do discurso, que implica confundi-los. É a língua, mais
concretamente a palavra, que Jakobson caracteriza como vazia de significado e possuidora de elemento significativos. Para o
autor de Seis Lições Sobre o Som e o Sentido as diferenças de todos os fonemas de qualquer língua em questão dissociam-se em
oposições binárias e simples, cujos elementos diferenciais, e que a "tese Saussuriana diz com precisão: «Os fonemas são acima de
tudo entidades apositivas, relativas e negativas»” (Ibid.: 65).
"
Também, em relação à evolução histórica, sustentada por Saussure como não sistémica, Jakobson, opõe-se, defendendo que o
sistema determina as variações históricas, não sendo possível coexistir uma oposição entre história e sistema, pelo menos da
forma radical como é colocada por Saussure. "La pensée structuraliste moderne l'a clairement établi: la langage est un systéme de
signes, la linguistique est partie intégrante de la science des signes, la sémiotique (ou, dans les termes de Saussure, la sémiologie.
[…] C'est ainsi la marque constitutive de tout signe général, du signe linguistique en particulier, réside dans son caractère double:
chaque unité linguistique est bipartite et comporte deux aspects, l'un sensible et l'autre intelligible - d'une part le signans (le
significant de Saussure), d'autre part le signatum (le signifié). (Jakobson 1963: 162).

- A ideofonia estruturalista
“ (…) a antropologia estrutural é uma semiótica, na medida em que considera como linguagens os fenómenos antropológicos e
lhes aplica o processo de descrição própria da linguística. (…) a partir de Mauss, os antropólogos interessavam-se pelos métodos
linguísticos para aí irem buscar uma informação, sobretudo etimológica, que esclarecesse os ritos e os mitos; mas a fonologia de
Troubetzkoy foi a grande inovadora desta colaboração, tal como a concepção da língua como sistema de comunicação. Claude
Lévi-Strauss, fundador da Antropologia estrutural baseado na metodologia fonológica tinha escrito em 1945: «A fonologia não
pode deixar de exercer, em relação às ciências sociais, o mesmo papel renovador que a física nuclear, por exemplo, exerceu para o
conjunto das ciências exactas». O processo fonológico foi efectivamente aplicado aos sistemas de parentesco das sociedades ditas
primitivas” (Kristeva 1980: 343-344).

Utilizando os conhecimentos metodológicos do Círculo Linguístico de Praga, em particular os de Roman Jakobson[1] , Lévi-
Strauss surge como o grande investigador do estruturalismo. Num vasto trabalho de inventariação postula uma analogia de
estruturas entre as diversas ordens de factos sociais e linguísticos.

Foi através de um artigo na revista Word em 1945, que Lévi-Strauss afirma pela primeira vez a analogia que é estabelecida entre
os factos do parentesco e da linguagem, analogia esta instituída a dois níveis, tal como a dicotomia saussuriana língua/fala.
Assim, como a linguagem, os sistemas de parentesco obedecem a uma lógica de sistema. Tal como a linguagem que tem a função
da comunicação.

A defesa da perspectiva estrutural faz-se contra as tradições de explicação pela história e pela imputação de duas estratégias, de
dois princípios basilares, trazidos por Saussure e pela linguística estrutural no domínio das ciências humanas. Ou seja, a sujeição
da perspectiva diacrónica à perspectiva sincrónica e o princípio de que a lógica, que sustenta a língua, está aquém da consciência
dos utilizadores. A identificação entre linguagem e parentesco e a possibilidade de transpor a metodologia estrutural para o plano
sociológico e cultural é explicada em função da posição privilegiada que a linguística pós-saussureana veio a ocupar nas ciências
humanas, nomeadamente com o trabalho de Jakobson.

A transposição do método fonológico no domínio da Antropologia é um dado adquirido em Lévi-Strauss. Tal como na linguística,
mais concretamente no sistema fonológico em que, a língua é em si mesma um sistema de significação. Para o estruturalismo
temos que partir de que a língua é «sistema». Precisamos de retroceder no tempo para ver que foi com Saussure que se
abandonou a perspectiva histórica de abordar a língua, para esta ser tomada como sistema. Dizia Saussure: “A língua é um
sistema cujas partes podem e devem ser consideradas na sua solidariedade sincrónica” (Saussure 1999: 152).” Saussure
distinguia, signo/valor/significação fornecendo elementos para apreender a sua noção de sistema. Vendo um mundo de
possibilidades no trabalho do sociólogo e do linguista Lévi-Strauss, «vê» na fonologia a possibilidade de definir leis gerais, uma
vez que trabalha com um pensamento do tipo dedutivo. A sua pretensão é transformar a Antropologia numa ciência positiva.

Com o estruturalismo surge uma clivagem, a relação sincronia-diacronia em linguística é invertida. Saussure fazia equivaler
sincronia e estática, diacronia e evolução do tempo. A contrário, Jakobson no seu Essais de Linguistique Générale diz-nos que "
(…) l'historie d'une language ne peut être que l'historie d'um systéme linguistique, qui subit différentes mutations. Chaque
mutation doit être analysée du point de vue du système, tel qu'il était avant et tel qu'il est aprés mutation. (…) Synchronique n'est
pas égal à statique." (Jakobson 1963: 36).

Vimos no prefácio elaborado por Claude Lévi-Strauss ao livro de Roman Jakobson Seis Lições Sobre o Som e o Sentido que ele
contem em si uma homenagem e uma crítica. Homenagem, porque os métodos linguísticos serviram os propósitos de Lévi-
Strauss na medida em que o modelo linguístico da fonologia, que Lévi-Strauss decidiu explorar iria segundo ele, precipitar o
ritmo do desenvolvimento do conhecimento. Críticas, porque os «mestres» nem sequer pronunciavam o nome de F. Saussure
preocupados que estavam em meditar no Ensaio sobre os dados imediatos da consciência, não mencionavam o Curso de
Linguística Geral.

Lévi-Strauss reconhece que foi o livro Seis Lições Sobre o Som e o Sentido que lhe trouxe a revelação da linguística estrutural. O
encontro com Jakobson irá ser capital para a demonstração do seu texto, As Estruturas Elementares do Parentesco. Em Lévi-
Strauss dá-se a descoberta de uma ciência social em que o modelo linguístico da fonologia possui, segundo ele, as qualidades e o
rigor necessários à constituição de uma verdadeira ciência. Ao contrário do antigo método: " «A fonologia actual não se limita a
declarar que os fenómenos são sempre membros dum sistema; ela mostra sistemas fonológicos concretos e torna patente a sua
estrutura»; [finalmente,] visa à descoberta de leis gerais, (…) o que lhes dá um carácter absoluto» (Lévi-Strauss 1989: 48 cf.
Trubetzkoy 1933: 243), considerando que é "assim, pela primeira vez, uma ciência social consegue formular relações necessárias”
(Lévi-Strauss 1989: 48).

O modelo estava adoptado e Lévi-Strauss propõe uma aproximação com o estudo dos sistemas de parentesco sublinhando a

https://baleirasensaios.blogspot.com/2006/03/semiologia-e-lingustica-problematizao.html 4/7
22/10/2019 Baleiras - Ensaios: Semiologia e Linguística - A Problematização Conceptual em Saussure, Jakobson e Lévi-Strauss
analogia. Assim, “como os fonemas, os termos de parentesco são elementos de significação; como eles só adquirem esta
significação sob a condição de se integrarem em sistemas; os «sistemas de parentesco», como os «sistemas fonológicos», são
elaborados pelo espírito no estágio do pensamento inconsciente” (Ibid.: 48-49). A adopção do modelo linguístico no projecto
estrutural supõe a inversão da relação sincronia-diacronia, ou seja, a fonologia dá conta de como é que a linguagem atinge o seu
próprio conhecimento. Antes da fonologia ser conhecida como tal, pois apenas se conhecia a sua função, ignorava-se o sistema.
Todavia, diz Lévi-Strauss, esta “analogia superficial entre os sistemas fonológicos e os sistemas de parentesco é tão grande que
impele imediatamente a uma falsa pista. (…) O tratamento dos temas de parentesco (…) só é analítico na aparência [em vez de ir
directamente ao concreto,] afastámo-nos do concreto ao invés de nos dirigirmos a ele – se é que há sistema aí – só poderá ser
conceptual” (Ibid.: 51).

Na sua obra As Estruturas Elementares do Parentesco, Lévi-Strauss dá uma certa ênfase à natureza e à cultura, principalmente a
passagem de uma para a outra. Do lado da natureza estaria tudo o que é universal, o instinto o aparelho fisiológico e a desordem,
do lado da cultura, a regra, a particularidade, as instituições sociais e a linguagem " (…) tout ce qui est universel, chez l'homme,
relève de l'ordre de la nature et se caractérise par la spontanéité, que tout ce qui est astrient à une norme appartient à la culture et
présente les attributs du relatif et du particulier" (Lévi-Strauss 1981: 10). O objectivo de Lévi-Strauss é claro, pretende fazer a
distinção de duas «ordens» no parentesco. Pare este autor “o parentesco não se exprime unicamente numa nomenclatura; [para
explicar a função dos sistemas de parentesco, ou seja, a sua significação, Lévi-Strauss reúne tal como se faz na linguagem a ordem
e a significação] os indivíduos (…) que utilizam os termos se sentem (ou não se sentem, conforme o caso) obrigados uns em
relação aos outros a uma conduta determinada” (Lévi-Strauss 1989: 53). Lévi-Strauss faz da linguagem a justificação do seu
sistema (ordem e significação). “O sistema de parentesco é uma linguagem; (…) pois a língua é o sistema de significação por
excelência; ela não pode deixar de significar, e o todo da sua existência está na sua significação” (Ibid.: 65-66). Mais adiante, o
autor virá a afirmar que o seu sistema, tal como a linguagem, está dependente do pensamento simbólico. “Um sistema de
parentesco (…) só existe na consciência dos homens; é um sistema arbitrário de representações, (…) são sistemas de símbolos (…)
como no caso do estudo linguístico, estamos em pleno simbolismo” (Ibid.: 69). A explicação que Lévi-Strauss aqui dá, leva-nos a
concluir, que, para ele, a linguagem oferece o fundamento excelente da ligação sistema-função e que este fundamento é o mesmo
que o dos sistemas de parentesco.

A reflexão que Claude Lévi-Strauss faz, dissocia consciente de inconsciente, quando pensa a significação e o modelo linguístico
surge com essa capacidade de justificação dessa dissociação. Ou seja, o modelo linguístico introduz-se ao longo da sua obra, para
demonstração e justificação do seu argumento.

Já dissemos o quanto Lévi-Strauss na introdução ao texto de Jakobson, Seis Lições Sobre o Som e o Sentido, homenageia e faz
referência à sua dívida para com este autor em termos de inspiração teórica. Apoiando-se sobre as relações observadas na
linguagem, em que o seu sentido é o dominador comum, estabelece-lhe a «ponte» para pensar de uma maneira análoga os
sistemas de parentesco que são assim também sistemas de oposição. A linguagem, a social, é para Lévi-Strauss uma realidade
autónoma (aliás a mesma), em que os símbolos são mais reais do que aquilo que simbolizam, o significante precede e determina o
significado. Ou seja, os termos de parentesco são elementos de significação.

Antes de reflectir sobre a passagem do método linguístico às ciências sociais, o estruturalismo pensa primeiro sobre a linguagem e
a vida social, diz Lévi-Strauss, o “vocabulário só adquire significação, para nós próprios e para os outros, à medida em que o
inconsciente o organiza segundo leis, e faz dele, assim, um discurso” (Lévi-Strauss 1989: 235). Para Lévi-Strauss é próprio à
natureza da sociedade exprimir-se simbolicamente nos seus costumes e instituições, ao falar desta inerência simbólica o autor da
Antropologia Estrutural, assinala que foi “ (…) graças à fonologia e na medida em que ela soube, para além das manifestações
conscientes e históricas da língua, sempre superficiais, atingir realidades objectivas” (Lévi-Strauss 1989: 74). Assim, para Lévi-
Strauss a consciência é uma questão funcional, em que a passagem da natureza para a cultura, ou seja, do objecto para o sinal e a
linguagem, permite descobrir ou aperceber propriedades normalmente dissimuladas do objecto, e que são estas propriedades que
lhe são comuns com a estrutura e o modo de funcionamento do espírito humano.

Chave de êxito da análise estrutural a observação, e o texto de Jakobson é fazer equivaler, pela união indissolúvel «sons» e
«sentidos» em linguística e «sistema». “O dualismo indissolúvel de todo o signo linguístico é o ponto de partida da linguística
moderna no combate obstinado que ela trava em duas frentes. O som e o sentido: estes dois domínios devem ser completamente
incorporados no campo da ciência da linguagem; é preciso analisar sistematicamente os sons da palavra falada à luz do sentido, e
o próprio sentido, em referência à forma fónica” (Jakobson 1977: 162-163).

Adoptando as perspectivas da linguística estrutural para o estudo da cultura, Lévi-Strauss inverte a problematização habitual, ou
seja, evita os métodos históricos e põe a hipótese de que a cultura é uma totalidade. Para Lévi-Strauss, investigações inovadoras
fazem pensar que o carácter fundamental da língua – ser composta de signos – poderia ser comum ao conjunto dos fenómenos
que constituem a cultura. Ou seja, o estruturalismo de Lévi-Strauss acalenta a ideia de que, do mesmo modo que em linguística se
pode esperar leis científicas, nesses processos inconscientes, também poderíamos da mesma maneira esperar entender as
singularidades da cultura. Por isso, o estruturalismo de Lévi-Strauss instaurou cada vez mais a relação dos sistemas formais na
«arquitectura do espírito».

Algumas notas conclusivas


Na origem do estruturalismo encontramos inicialmente Ferdinand de Saussure, que começou por se opor à linguística histórica
comparativa e evolucionista. A antropologia estrutural toma o exemplo da linguística e em particular o da fonologia, ou seja, para
a antropologia straussiana, Saussure só teve importância em termos funcionais.

As modificações introduzidas por Roman Jakobson em relação às concepções fundadas por Ferdinand de Saussure, exige, no
entanto, assinalar a importância fundamental que estes dois teóricos exerceram nos estudos que os seguiram e com esse
objectivo, recorro à própria introdução das obras analisadas. Em relação a Saussure: “(…) uma obra cuja doutrina, porque basilar,
tem servido de ponto de partida para reflexões que a levaram a caminhos nem sequer suspeitados” (Saussure 1999, 19). Em
relação a Jakobson e recorrendo às palavras de Lévi-Strauss inseridas no prefácio às Seis Lições Sobre o Som e o Sentido: “A
julgar por possibilidades de extensão do seu pensamento teórico, e que Jakobson talvez recusasse, pode-se de qualquer forma
analisar da amplidão do campo que abriu à pesquisa e da fecundidade dos princípios sobre os quais, graças a ele, esta pode passar
a guiar-se” (Jakobson 1977: 17). Assim, com Saussure, a língua tornar-se-á sistema, com o círculo de Praga estrutura.

Quando Lévi-Strauss se refere explicitamente à linguística, é porque descobre nela a possibilidade de um método objectivo para
pôr em evidência a lógica de sistemas de transformação cujas imposições e graus de liberdade remetem, na sua opinião, para a
própria organização cerebral. O aparecimento simultâneo da linguagem e de uma exigência de sentido (sendo necessário que o
mundo significasse, antes mesmo de ser possível saber o que significava) como única exigência capaz de dar origem ao
pensamento simbólico, traduzindo-se num esforço, no intuito de compreender ao mesmo tempo a universalidade do simbólico e a
singularidade das significações.

Através da linguagem e das instituições humanas, encontramos no quadro da obra de Lévi-Strauss a presença misteriosa redutível
a uma lógica mental inconsciente. O objecto da linguística, a língua, revelou-se através de Saussure ser uma realidade
estruturada, um arranjo sistemático das partes. "Era à língua, e não a fala, que Saussure atribuía como objecto à linguagem (…) a
linguística saussuriana relegou tudo aquilo que podia constituir-se como problema, em particular o problema do sentido, na

https://baleirasensaios.blogspot.com/2006/03/semiologia-e-lingustica-problematizao.html 5/7
22/10/2019 Baleiras - Ensaios: Semiologia e Linguística - A Problematização Conceptual em Saussure, Jakobson e Lévi-Strauss
medida em que este está fortemente ligado à enunciação, à situação do discurso. (…) A dicotomia saussuriana, durante muito
tempo aceite como palavra sagrada, é hoje cada vez mais contestada, visto que a posição de Saussure, por muito rigorosa que seja,
não deixa de apresentar um paradoxo: na realidade, a língua fenómeno social, só é observável através da fala, manifestação
individual" (Yaguello 1997:121).

Os objectos abarcados pela antropologia estrutural podem ser vistos como uma progressiva adequação ao edifício teórico, em que
a vastidão dos temas tratados, a quantidade dos materiais empíricos analisados ao longo da obra de Lévi-Strauss são o resultado
das premissas da linguística estrutural. O encontro entre a fonologia e a antropologia permitiu a Lévi-Strauss discernir uma
sistematicidade. É nos sistemas de parentesco, considerados sincrónicamente, que Lévi-Strauss testemunha uma certa
regularidade. No estudo dos problemas de parentesco, Lévi-Strauss considera que o "sociólogo se vê numa situação idêntica à do
linguista fonólogo: como os fonemas, os termos são elementos de significação; como eles, só adquirem essa significação sob
condição de se integrarem em sistema" (Lévi-Strauss 1989: 48). A partir deste princípio básico, a antropologia estrutural
procurou definir tal como o sistema linguístico, os elementos de um sistema de parentesco e as suas relações específicas desses
elementos na estrutura. Contudo, e como nos diz Lévi-Strauss (1989: 309) “cada cultura tem os seus teorizadores, cuja obra
merece tanta atenção como a que o etnólogo concede a colegas seus. (…) mesmo se os modelos forem tendenciosos ou inexactos, a
tendência ou o género de erros que encerram fazem parte integrante dos factos a estudar; e talvez até figurem entre os mais
significativos."

É inconternável, para Lévi-Strauss, na elaboração dos instrumentos conceptuais, a contaminação doutrinal saussuriana que
acabou por se tornar poderosa e reveladora de esquemas teóricos da análise estrutural. “O princípio saussuriano do carácter
arbitrário dos signos linguísticos deve certamente ser revisto e corrigido; mas todos os linguistas estarão de acordo em reconhecer
que, de um ponto de vista histórico, ele marcou uma etapa indispensável da reflexão linguística. (…) Destinguindo entre língua e
as palavras Saussure mostrou que a linguagem oferecia dois aspectos complementares: um estrutural, o outro estatístico; a língua
pertence ao domínio de um tempo reversível, e as palavras ao domínio de um tempo irreversível” (Ibid.: 240). A adopção das suas
ideias, ou melhor o contra ponto delas, serviu outras significações formuladas e exprimidas por outros contornos.

Uma das conclusões essenciais da linguística saussuriana é a da arbitrariedade do signo. Por ser arbitrário, o signo, é variável para
cada comunidade linguística. Com efeito, nenhum destes sistemas é compreensível se não tiver em linha de conta o enunciador - o
lugar da fala. Para Saussure, a fala é do domínio do individual, o que lhe interessava era o social esse «tesouro» depositado no
cérebro. "O objecto concreto [do seu estudo] é, pois, o produto social depositado no cérebro de cada um, isto é, a língua"
(Saussure 1999: 56). No postulado saussuriano, o sentido das palavras tem a ver com o seu contexto. Como vimos, para Jakobson
é muito vulnerável o elo que liga o significante e o significado. Estamos no lado formal, ou melhor, o elo não é mais que um laço
cultural, dado o seu corolário de arbitrariedade. Se é arbitrário não é necessário, depende da escolha de quem falar. A linguagem
humana está dotada de uma dupla articulação, som e sentido, mantendo uma relação arbitrária, permitindo a associação de sons
de uma palavra que seja desconhecida, ou seja, a língua é um jogo cujas regras podem ser deturpadas, é a única que pode
relacionar-se consigo própria.

Na antropologia estrutural de Lévi-Strauss, a noção de inconsciente revela uma importância basilar. Primeiro que tudo, o
inconsciente é descoberto no interior da estrutura. “Na Etnologia como na linguística (…) não é a comparação que fundamenta a
generalização, mas o contrário. (…) a actividade inconsciente do espírito consiste em impor formas ao conteúdo, e se as formas
são fundamentalmente as mesmas para todos os espíritos (…) basta atingir a estrutura inconsciente, subjacente a cada instituição
ou a cada costume, para obter um princípio de interpretação válido” (Lévi-Strauss 1989: 37). O método estrutural pretendeu, com
o modelo herdado da linguística, abarcar os fenómenos e explicá-los em termos estruturais, jogando com equivalências cuja
associação parece natural, supondo um rigor conceptual preciso. A partir de uma perspectiva funcional, uma análise semiológica
pode ser aplicada em termos não linguísticos, extravasando a semiologia, isto é, não se subscrevendo à linguistica.

Para Lévi-Strauss foi por "vias erradamente julgadas hiperintelectuais, [que] o estruturalismo redescobre e leva à consciência
verdades mais profundas que o corpo já anuncia obscuramente; ele reconcilia o físico e o moral, a natureza e o homem, o mundo e
o espírito (…)" (Lévi-Strauss 1986: 172). Desmontar o «mecanismo» da linguagem cujo «motor» é inconsciente revela-se uma
tarefa algo penosa, e, senão mesmo ingloriosa. O estruturalismo não é um formalismo mas passa por lá, uma vez que se interessa
pelo funcionamento do espírito humano, ou seja procura a inteligibilidade do humano, atingindo a estrutura do inconsciente.
Para Lévi-Strauss todo o tipo de actividade da vida social participa da troca de comunicação. Esta actividade social como todas as
outras, integra oposições do consciente/inconsciente, sendo as leis do inconsciente reveladas pelo estruturalismo com «coisas».
Todo o esforço do estruturalismo vai na direcção do inconsciente que deseja atingir, inconsciente esse que à semelhança da
linguistica se revela incomensurável na sua diversidade.

Bibliografia
SAUSSURE, Ferdinand de, Curso de Linguística Geral, 8ª edição, Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1999.

LÉVI-STRAUSS, Claude, Les Structures Élementaires de la Parenté, 6ª edition, Mouton & Co, Paris, 1981.
--------------------------------, Antropologia Estrutural, 3ª edição, Edições Tempo Brasileiro, Rio Janeiro, 1989.
--------------------------------, O Olhar Distanciado, Edições 70, Lisboa, 1986.
YAGUELLO, Marina, Alice no País da Linguagem – Para compreender a linguística, Editorial Estampa, Lisboa, 1997.
JAKOBSON, Roman, Seis Lições Sobre o Som e o Sentido, Edições Moraes, Lisboa, 1977.
--------------------------, Essais de Linguistique Générale, Les Editions de Minuit, Paris, 1963.
KRISTEVA, Julia, História da Linguagem, Edições 70, Lisboa, 1980.

[1] “Expondo os antecedentes do Estruturalismo, ele sempre lhe reservou um lugar de destaque.” (Lévi-Strauss 1993: 22).

Postado por Fernando Baleiras

1 comentário:
Anónimo disse...
polendeluar@live.com.pt, faça a antitese e a sintese da seguinte tese considerada também a síntese: "é verdade que a
verdade é verdade" enfrenta-me deste modo Fernando
30 julho, 2012 14:38

Enviar um comentário

Mensagem mais recente Página inicial Mensagem antiga

Subscrever: Enviar comentários (Atom)

https://baleirasensaios.blogspot.com/2006/03/semiologia-e-lingustica-problematizao.html 6/7
22/10/2019 Baleiras - Ensaios: Semiologia e Linguística - A Problematização Conceptual em Saussure, Jakobson e Lévi-Strauss

Tema Simples. Com tecnologia do Blogger.

https://baleirasensaios.blogspot.com/2006/03/semiologia-e-lingustica-problematizao.html 7/7