Você está na página 1de 33

Psicologia Individual

Alfred Adler

Material elaborado por: Claudia Goto


Biografia
Nasceu em 07/02/ 1870 em um povoado próximo a
Viena.

Sua mãe era “do lar” e seu pai era comerciante. Adler
tinha 6 irmãos.

Quase faleceu quando tinha 5 anos por Pneumonia.

Ao voltar de um passeio de patinação no gelo,


dormindo no sofá, escuta o médico afirmar que ele não
teria muito tempo de vida. Com este episódio associado
ao fato de ter perdido um dos seus irmão, Adler decide
fazer medicina.
Biografia
Rivalidade com seu irmão mais velho Sigmund Adler
até a meia idade.

Rattner, 1983, biógrafo considerava Adler agnóstico,


mesmo sendo ele judeu convertido ao protestantismo.

1895  forma-se médico (oftalmologia, no início e


depois, psiquiatria e clínica geral).

1907  publicou Estudo sobre a inferioridade orgânica


e sua compensação, no qual assumia que as
deficiências físicas e não o sexo, formavam as bases
para a motivação humana.
Biografia
Para Adler o impulso para a superioridade/ força criativa/ pulsão
ascendente era um motivo mais básico do que a sexualidade.

1911  Adler renuncia a presidência e a filiação à Sociedade


Psicanalítica.

Junto com mais nove amigos da sociedade psicanalítica, forma a


Sociedade para o Estudo Psicanalítico Livre (o que incomodou
muito Freud)

Ele desejava ter o mesmo prestígio de Freud, mas não o alcançou


embora tenha aberto clínicas para orientação infantil, treinamento
de professores além de ministrar palestrar para divulgar suas
ideias.
Biografia
No final de sua vida, ensina psicologia individual na Universidade
de Columbia e na Nova Escola para Pesquisa Social, nos Estados
Unidos.

Casou-se com uma mulher Russa, independente, Raissa Epstein,


em dezembro de 1897. Ela era feminista, contra a visão marxista.

Continuou morando em Nova York, 40 anos após Adler ter falecido


(28/05/1937, na Escócia de um ataque cardíaco).
Alfred Adler
Teoria Psicológica Social (Hall et al, 2000).

Não se reconhecia enquanto discípulo de Freud e


acrescentava que tinha suas próprias opiniões (Maslow
apud Feist, 2015).

Para Adler “os seres humanos são inerentemente


sociais”.
Alfred Adler
Freud reconheceu e rejeitou determinantes culturais da
personalidade.
Ex: “A verdade é que essas pessoas selecionaram alguns tons
culturais da sinfonia da vida e mais uma vez deixaram de ouvir a
melodia poderosa e primordial dos instintos”. Freud apud Hall et al,
2000.

Ênfase na singularidade da personalidade, diferente da Psicanálise


Clássica.

“O destino indestrutível da espécie humana é o interesse social”.


(ANSBACHER & ANSBACHER apud HALL et al, 2000).
Adler
Freud considerava que a natureza humana se voltava
para o princípio do prazer e assim, “sob o ponto de
vista da cultura, precisa ser considerado totalmente
mau......” (HALL et al, 2000).

Adler não considerava que o ser humano se tornava


socializado apenas por se encontrar em contato com o
social.

- interesse pelo social  inato


- forma que os sujeitos se relacionam  diferentes
culturas
Adler
Natureza inerente que dá forma à personalidade 
Freud, Jung e Adler:

• Freud enfatizou  sexo

• Jung enfatizou  padrões primordiais de


pensamento

• Adler enfatizou  interesse social/ compaixão


Psicologia Individual
Visão otimista dos sujeitos  interesse social  sentimento de
unidade considerando o pertencimento no todo social.

Freud  motivação  sexo e agressividade  pouca ou nenhuma


escolha na escolha de sua personalidade  o passado justifica o
presente  ênfase no Inconsciente.

Adler  motivação  influência social / objetivo superioridade e


sucesso  sujeito é responsável pela construção de sua
personalidade  presente é moldado pela noção de futuro 
sujeito, psicologicamente saudável, tende a tornar-se cada vez
mais consciente “do que” e “porque” faz algo.
Adler
Determinantes sociais do comportamento. Para Adler, o
ser humano é social e não sexual.

Considera a consciência como sendo o centro da


personalidade.
Psicologia Individual
 Motivação se volta para a busca do sucesso ou pela superioridade;

 comportamento e personalidade são influenciados por


particularidades subjetivas;

 a personalidade é unificada e auto coerente;

 interesse social justifica o valor de toda a atividade humana;

 a estrutura da personalidade auto coerente se desenvolve


em direção ao estilo de vida de uma pessoa;

 estilo de vida é moldado pela força criativa das pessoas.


Busca de Superioridade
 Busca de Superioridade:

Busca completude perfeita; pulsão ascendente. Adler


considera como sendo inata.

Conceito de Self  Jung

Sentimentos de Inferioridade e Compensação:

Doença  região/ órgão  inferioridade básica naquela


região.
Ex: Compensação da Inferioridade  Demóstenes era gago
e tornou-se um dos maiores oradores.
Busca de Superioridade
Inferioridade  incapacidades psicológicas

Inferioridade  incapacidades sociais subjetivamente


sentidas.

Incompletude e Imperfeição  inferioridade  melhora


condição humana.
Impulsionado em vencer a inferioridade  desejo de
ser superior.

Meta de vida  perfeição e não o prazer


Percepções Subjetivas
 Percepções Subjetivas:

Finalismo Ficcional:

 Meta final sendo uma ficção  ideal impossível de realizar que


justifica comportamento. Adler acreditava que o sujeito poderia
se libertar dessa influência.

Ex1: “Os homens são superiores às mulheres“ (FEIST, et al, 2015)


Ex2: Deus onipotente que recompensa o bem e pune o mal.
Ex3: Os humanos possuem um livre-arbítrio que lhes possibilita
fazerem escolhas.
Finalismo Ficcional
Não podemos comprovar que existe livre-arbítrio, mas
os sujeitos agem não por motivos que sejam
verdadeiros, mas pelos que parecem ser verdadeiros a
partir de sua percepção subjetiva sobre o que é
verdadeiro. (FEIST, et al, 2015)

Visão Prospectiva  Teleologismo  sujeito age não


por uma causa (passado), mas por algo que pretende
alcançar.
Personalidade Unificada e Autocoerente

 Personalidade Unificada e Autocoerente:

Pensamento  sentimento  comportamento 


coerentes e rumo a um mesmo objetivo.

- Dialeto de um órgão  Ex: enurese da criança para


revelar que não quer atender o desejo dos pais.

- Equilíbrio entre Consciente e Inconsciente 


pensamentos conscientes favorecem o alcance do
sucesso, já os inconscientes, não.
Personalidade Unificada e Autocoerente

“Não podemos opor "consciência" a "inconsciência"


como se elas fossem metades antagônicas de uma
existência individual. A vida consciente se torna
inconsciente quando não conseguimos compreendê-la
e, quando compreendemos uma tendência
inconsciente, ela já se tomou consciente”. (ADLER
apud FEIST et al, 2015)
Interesse Social
 Interesse Social:

Cooperação com os outros para avanço social e não


para ganho pessoal.

Para Adler apud Hall et al, 2000, “O interesse social é a


verdadeira e inevitável compensação de todas as
fraquezas naturais dos seres humanos”.

Ele considerava o interesse social como sendo inato.


“Humanos são criaturas sociais por natureza, não por
hábito”. (HALL et al, 2000)
Interesse Social
Para compensar sentimento de inferioridade  busca
de poder e dominação.
Ex: Ideia de união para sobreviver  família.

O distanciamento social do pai e o autoritarismo podem


fazer com que o filho fique muito dependente de sua
mãe e tenha um “descaso social”.

“Interesse social não é sinônimo de caridade e altruísmo. Atos de


filantropia e gentileza podem ou não ser motivados por
Gemeinsdiaftsgefuhl”  sentimento de unidade com toda a
humanidade. (FEIST, et al, 2015) Pode representar a intenção
oposta de ajudar para manter determinadas pessoas longe.
Estilo de Vida
 Estilo de Vida:

“ É o princípio que explica a singularidade da pessoa”. (HALL


et al, 2000)

Gênero da vida de um sujeito.(FEIST, et al, 2015)

Meta comum a todos: Superioridade.

Os caminhos, são particulares de cada um.

O sujeito percebe, absorve e retém o que condiz com seu


estilo de vida. O restante é ignorado.
Estilo de Vida
“Se a superioridade pessoal substitui o interesse social
como meta, a pessoa se distancia das tarefas e fica no
lado “inútil” da vida”. (HALL et al, 2000)
Fonte da imagem: FEIST et al, 2015
Estilos de Vida
Encontramos 4 estilos de vida descritos por Adler,
considerando grau de interesse social e atividade:

1) Dominante  muita atividade e pouco interesse


social.
2) Obtentor  é o mais comum. Fica no aguardo de
ser atendido.
3) Evitante  evita derrotas evitando problemas.
4) Socialmente Útil  pronto para servir os outros.
Enfrentam as tarefas da vida e tentam resolvê-las
de uma maneira consistente de acordo com as
necessidades dos outros sujeitos.
Estilos de Vida

Segundo Hall et al, 2000, “o estilo de vida se forma muito


cedo na infância” (4 – 5 anos). As atitudes, os sentimentos e
as percepções acompanham este estilo.

O estilo de vida de um sujeito é determinado pela


compensação de uma inferioridade particular.

Ex1: Napoleão conquistador para compensar sua estatura


física de pouca significância.

Ex2: Hitler queria dominar o mundo para compensar sua


impotência sexual.
O Self Criativo
O Self Criativo: o self unitário, soberano na estrutura da
personalidade.

Com a criatividade os humanos constroem sua própria


personalidade, a partir de fatores inatos + adquiridos.

O Self Criativo:

- dá significado à vida;
- ele cria a meta;
- é o princípio ativo da vida humana;
- semelhante ao conceito de alma.
O Self Criativo

“Adler criou uma teoria humanista da personalidade


que evidenciava o que a Psicanálise deixava para
segundo plano: sujeitos dotados de altruísmo;
humanitarismo; cooperação; criatividade, singularidade
e consciência”. (HALL, et al, 2000)

Para ele, podemos ser senhores de nossos destinos e


não apenas vítimas.
Neurose
Neurose: Adler “concordava com o pensamento de
Freud sobre os sintomas neuróticos serem
interpretáveis e fundamentalmente defensivos.[......] Ao
contrário do sujeito sadio, o neurótico supercompensa
as inferioridades percebidas”.

As metas grandiosas decorrem do auto-


engrandecimento e no interesse pessoal (egoísmo) e
não no interesse social. Para compensar o senso de
inferioridade.

Freud teria dito: “Onde era o Id, ficará o Ego”.


Salvaguardas
O neurótico não sabendo lidar com os problemas da
vida  cria “salvaguardas” (mecanismos de defesa
para Freud). Protegem o neurótico da baixa auto-
estima (geradas por fracassos/ inferioridade).

Três categorias de salvaguardas, são descritas por


Adler, as quais:

1) Desculpas  evito a culpa;


2) Agressão/ Acusação  culpo os outros por meus
fracassos;
3) Distanciamento/ Retraimento  postergar; alego
fraquezas para evitar o problema.
Desajustamento
Fatores externos no desajustamento:

- deficiências físicas graves  mais teme a derrota do


que deseja o sucesso;

- estilo de vida mimado  pouco interesse social;

- estilo de vida negligenciado  crianças abusadas e


mal tratadas  medo da sociedade.
Prática Clínica
Observações de Adler sobre o setting terapêutico;
recordações do passado; avaliações do comportamento
presente, baseados nos relatos verbais.

Constelação familiar  Idades, hierarquias, ordem de


nascimento.......

• Primogênito  normalmente sentimentos intensificados de


poder e superioridade, alta ansiedade e tendências
superprotetoras.
• Segundo filho melhor situação para desenvolver cooperação
e interesse social. Busca superar o mais velho.
• Mais novo  mimado  risco de ser uma criança problemática.
Sentimento de inferioridade  buscam independência.
Prática Clínica
Filhos Únicos  competem com o pai e com a mãe. Auto conceito
inflado por crescerem entre adultos, sentimento de superioridade.
Esperam ser cuidados ( sentimento parasitário).

Considera:

- Análise de sonhos;
- Psicoterapia  entende psicopatologia resulta da falta
de coragem, de sentimentos exagerados de
inferioridade e do interesse social subdesenvolvido.
Prática Clínica
Assim, a finalidade principal da psicoterapia adleriana é
aumentar a coragem, reduzir os sentimentos de
inferioridade e encorajar o interesse social.

Ele inovou o modelo de atendimento e neste sentido,


atendia crianças na frente dos pais, professores e
profissionais da saúde.

Isso porque para ele, as crianças entenderiam mais


facilmente suas dificuldades que seriam problemas da
comunidade. Agindo assim, as crianças aumentariam
seus interesses sociais e se reconheceriam enquanto
parte do interesse dos adultos.
Referências
FEIST, G; FEIST, J.; ROBERTS, T.A. Teorias da Personalidade.
Porto Alegre: Ed. Artmed, 2015. Disponível em:
http://loja.grupoa.com.br/livros/psicologia-da-personalidade/teorias-
da-personalidade file:///E:/Pag_Sel%20(3).pdf

HALL C. S.; LINDZEY, G.; CAMPBELL, J. B. Teorias da


Personalidade. Porto Alegre: Artmed, 2000.