Você está na página 1de 38

 

 
 
 
 
 
ELEMENTOS  DE  APOIO  À  PREPARAÇÃO  DO  TESTE  
DE  DIREITO  DAS  OBRIGAÇÕES  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Dezembro  de  2013  
 

1
 
 
 
SUMÁRIO  
 
 
 
1. —  1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2010/2011  
2. —  tópicos  de  resposta  à  1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2010/2011  
3. —  2.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2010/2011  
4. —  prova  global  do  ano  lectivo  de  2010/2011  
5. —  tópicos  de  resposta  à  2.ª  prova  parcelar  e  à  prova  global  do  ano  lectivo  
de  2010/2011  
6. —  exame  do  ano  lectivo  de  2010/2011  
7. —  tópicos  de  resposta  ao  exame  do  ano  lectivo  de  2010/2011  
8. —  1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
9. —  tópicos  de  resposta  à  1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
10. —  2.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
11. —  prova  global  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
12. —  tópicos  de  resposta  à  2.ª  prova  parcelar  e  à  prova  global  do  ano  lectivo  
de  2011/2012  
13. —  exame  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
14. —  tópicos  de  resposta  ao  exame  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
15. —  1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
16. —  tópicos  de  resposta  à  1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
17. —  2.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
18. —  tópicos  de  resposta  à  1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
19. —  prova  global  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
20. —  tópicos  de  resposta  à  prova  global  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
21. —  exame  final  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
22. —  exame  de  época  especial  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
 

2
 
1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2010  /  2011  
 
I.  
 
Caracterize   a   relação   obrigacional   do   ponto   de   vista   da   função,   explicitando   a  
influência  da  função  sobre  o  regime  jurídico.  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
II.  
 
a)   A,   credor   de   B,   C   e   D   por   uma   dívida   comercial   de   10   000   euros,   exigiu  
judicialmente   o   seu   pagamento   a   B.   Este   foi   condenado,   mas   o   credor   não   viu  
satisfeito  o  seu  crédito  por  B  estar  insolvente.  
A   pretende   agora   obter   o   pagamento   de   C.   Poderá   fazê-­‐lo?   E   se   C   vier   a   pagar  
aquela  quantia,  que  direitos  terá  em  relação  aos  outros  condevedores?  
b)  A  solução  seria  a  mesma  se  a  dívida  não  fosse  comercial?  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
III.  
 
Diga,   sucintamente,   quais   são   as   diferenças   entre   os   direitos   de   crédito   e   os  
direitos  reais.  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
Cotações:  I  —  6  valores;  II.  —  8  valores;  III.  —  6  valores  

3
   
Tópicos  de  resposta  
 
I.  
 
-­‐  art.  398.º,  n.º  2  do  Código  Civil  –  aspecto  funcional  do  direito  de  crédito;  
-­‐  O  interesse  do  credor  projecta-­‐se  no  regime  jurídico  das  relações  obrigacionais:  
1) Extinção  das  relações  obrigacionais  por  “frustração  do  fim  da  prestação”  ou  
por  “realização  do  fim  da  prestação  por  outra  via”  (art.  398.º,  n.º  2  e  790.º  do  
Código  Civil)  
2) Qualificação  da  prestação  como  fungível  ou  não  fungível  (art.  767.º  n.º  2)  
3) Qualificação  da  impossibilidade  como  definitiva  ou  temporária  (art.  792.º  do  
código  Civil)  
4) Atribuição   ou   recusa   ao   credor   do   direito   potestativo   de   resolução   do  
contrato  bilateral  sinalagmático  (art.  793.º  e  802.º  do  Código  Civil)  
5) Critério  de  conversão  da  mora  em  não  cumprimento  definitivo  (art.  808.º  do  
Código  Civil)  

 
Cfr.  Nuno  Manuel  Pinto  Oliveira,  Direito  das  obrigações,  vol.  I,  Livraria  Almedina,  
Coimbra,  2005,  págs.  97-­‐101.  
 
II.  
 
a)  art.  100.º  do  Código  Comercial  –  obrigação  solidária  
– art.  512.º  do  Código  Civil  –  solidariedade  passiva  
 
I.  -­‐  Efeitos  da  solidariedade  nas  relações  externas:    
– arts.  512.º  e  519.º  do  Código  Civil  
– art.  519.º  do  Código  Civil  –  razão  atendível  
– A  pode  exigir  10  000  euros  a  C    
 
II.  -­‐  Efeitos  da  solidariedade  nas  relações  internas:  

4
 
– art.  524.º  
– as  partes  dos  devedores  solidários  presumem-­‐se  iguais  –  art.  516.º  
– B  está  insolvente  –  art.  526.º  
– C  pode  exigir  5  000  euros  a  D  
 
b)  não  –  obrigação  parciária  –  A  só  pode  exigir  3  333  euros  a  B  ou  a  C  
-  
III.  
 
1) Os  direitos  reais  são  absolutos;  os  direitos  de  crédito  são  relativos  
a)  Infringindo   direitos   reais,   o   agente   incorrerá   em   responsabilidade  
extracontratual  por  factos  ilícitos  (art.  483.º  do  Código  Civil);  infringindo  
direitos  obrigacionais  o  agente  incorrerá  em  responsabilidade  contratual  
(arts.  798.º  ss  do  Código  Civil)  
b) Os  direitos  reais  têm  como  características  a  preferência  ou  prevalência  e  a  
sequela;  Os  direitos  de  crédito  não  apresentam  estas  características  
2) Os   direitos   reais   têm   como   objecto   imediato   uma   coisa;   os   direitos   de   crédito  
têm  como  objecto  mediato  uma  prestação  
3) Os  direitos  reais  estão  sujeitos  aos  princípios  da  tipicidade  e  da  taxatividade  
(art.   1306.º,   n.º   1   do   Código   Civil);   As   partes   podem   fixar   livremente,   “dentro  
dos  limites  da  lei”,  o  conteúdo  da  relação  jurídica  obrigacional  (art.  398.º  do  
Código  Civil).  

 
Cfr.  Nuno  Manuel  Pinto  Oliveira,  Direito  das  obrigações,  vol.  I,  págs.  233-­‐240.  
 
 

5
 
2.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2010/2011    
 
I.  
 
Diga,   sucintamente,   quais   são   as   diferenças   de   regime   entre   os   contratos  
unilaterais  e  os  contratos  bilaterais.  
 
II.  
 
Em  Janeiro  de  2009,  A  prometeu  vender  a  B,  e  B  prometeu  comprar,  um  andar  
para   habitação   situado   na   cidade   de   Lisboa,   pelo   preço   de   150   000   euros,   por  
conta   dos   quais   B   pagou   imediatamente   a   quantia   de   15   000   euros.   O   contrato  
previa  que  a  compra  e  venda  fosse  concluída  durante  o  ano  de  2008.    
a)   Em   Março   de   2010,   B   propõe   uma   acção,   pedindo   a   execução   específica   da  
promessa.   A   pretende   defender-­‐se,   alegando   a   invalidade   do   contrato,   por   lhe  
faltar   a   assinatura   de   B,   e   a   existência   de   uma   cláusula   contratual   pela   qual   se  
afasta  a  execução  específica  no  caso  de  não  cumprimento.  Quid  juris?  
b)   Suponha   que   a   assinatura   de   A   no   contrato   não   foi   reconhecida  
presencialmente   e   que   o   contrato   não   contém   a   certificação,   pela   entidade   que  
realiza  o  reconhecimento,  da  existência  da  respectiva  licença  de  utilização.  
Poderá  A  invocar  esse  facto?  E,  se  A  não  o  invocar,  poderá  o  tribunal  conhecê-­‐lo  
oficiosamente?  
c)   Suponha   agora   que,   em   Abril   de   2010,   A   vendeu   o   andar   a   C.   A   acção   de  
execução  específica  deverá  ser  julgada  procedente?  
 
Cotações:  I  —  5  valores;  II,  a)  —  5  valores;  b)  —  5  valores;  c)  —  5  valores.  
 

6
Prova  global  do  ano  lectivo  de  2010/2011  
 
I.  
 
Diga,   sucintamente,   quais   são   as   diferenças   entre   os   direitos   de   crédito   e   os  
direitos  reais.  
 
II.  
 
Em  Janeiro  de  2009,  A  prometeu  vender  a  B,  e  B  prometeu  comprar,  um  andar  
para   habitação   situado   na   cidade   de   Lisboa,   pelo   preço   de   150   000   euros,   por  
conta   dos   quais   B   pagou   imediatamente   a   quantia   de   15   000   euros.   O   contrato  
previa  que  a  compra  e  venda  fosse  concluída  durante  o  ano  de  2008.    
a)   Em   Março   de   2010,   B   propõe   uma   acção,   pedindo   a   execução   específica   da  
promessa.   A   pretende   defender-­‐se,   alegando   a   invalidade   do   contrato,   por   lhe  
faltar   a   assinatura   de   B,   e   a   existência   de   uma   cláusula   contratual   pela   qual   se  
afasta  a  execução  específica  no  caso  de  não  cumprimento.  Quid  juris?  
b)   Suponha   que   a   assinatura   de   A   no   contrato   não   foi   reconhecida  
presencialmente   e   que   o   contrato   não   contém   a   certificação,   pela   entidade   que  
realiza  o  reconhecimento,  da  existência  da  respectiva  licença  de  utilização.  
Poderá  A  invocar  esse  facto?  E,  se  A  não  o  invocar,  poderá  o  tribunal  conhecê-­‐lo  
oficiosamente?  
c)   Suponha   agora   que,   em   Abril   de   2010,   A   vendeu   o   andar   a   C.   A   acção   de  
execução  específica  deverá  ser  julgada  procedente?  
 
Cotações:  I  —  5  valores;  II,  a)  —  5  valores;  b)  —  5  valores;  c)  —  5  valores.  
 

7
Tópicos  de  resposta  à  2.ª  prova  parcelar  e  à  prova  global  
do  ano  lectivo  de  2010/2011  
 
I.  
(prova  global)  
 
1)  Os  direitos  reais  são  absolutos;  os  direitos  de  crédito  são  relativos  
a)  Infringindo   direitos   reais,   o   agente   incorrerá   em   responsabilidade  
extracontratual  por  factos  ilícitos  (art.  483.º  do  Código  Civil);  infringindo  
direitos  obrigacionais  o  agente  incorrerá  em  responsabilidade  contratual  
(arts.  798.º  ss  do  Código  Civil)  
b) Os  direitos  reais  têm  como  características  a  preferência  ou  prevalência  e  a  
sequela;  Os  direitos  de  crédito  não  apresentam  estas  características  
2) Os   direitos   reais   têm   como   objecto   imediato   uma   coisa;   os   direitos   de   crédito  
têm  como  objecto  mediato  uma  prestação  
3) Os  direitos  reais  estão  sujeitos  aos  princípios  da  tipicidade  e  da  taxatividade  
(art.   1306.º,   n.º   1   do   Código   Civil);   As   partes   podem   fixar   livremente,   “dentro  
dos  limites  da  lei”,  o  conteúdo  da  relação  jurídica  obrigacional  (art.  398.º  do  
Código  Civil).  

 
Cfr.  Nuno  Manuel  Pinto  Oliveira,  Direito  das  obrigações,  vol.  I,  págs.  233-­‐240.  
 
I.  
(prova  parcelar)  
 
1) definição  de  contrato  unilateral  
2) definição  de  contrato  bilateral  
3) distinção  entre  contratos  bilaterais  perfeitos  (ou  sinalagmáticos)  e  
contratos  bilaterais  imperfeitos  (ou  não  sinalagmáticos)  
4) regime  específicos  dos  contratos  bilaterais  sinalagmáticos  
5) excepção  de  não  cumprimento  do  contrato  –  arts.  428.º  ss.  
6) Resolução  total  do  contrato  —  arts.  (795.º,  n.º  1,),  801.º,  n.º  2,  e  802.º  

8
7) Resolução  parcial  do  contrato  —  redução  da  contraprestação  
 
II.  
 
a)  O  1.º  argumento  não  procede  
 
1) requisitos  de  forma  do  contrato-­‐promessa  –  art.  410.º,  n.º  2  
2) nulidade  do  contrato-­‐promessa  bilateral  
3) controvérsia:  nulidade  total  /  nulidade  parcial  
4) controvérsia:  conversão  /  redução  
5) opção  pela  tese  da  nulidade  parcial  com  possibilidade  de  redução  
6) assento  de  1989  
7) critérios  de  atribuição  do  ónus  da  prova  
8) correcção  dos  critérios  de  atribuição  do  ónus  da  prova  por  aplicação  do  
princípio  da  boa  fé  
 
O  2.º  argumento  não  procede  
 
9) contrato-­‐promessa  de  transmissão  de  direito  real  sobre  fracção  autónoma  
—  art.  410.º,  n.º  3  
10)execução  específica  imperativa  –  art.  830.º,  n.º  3  
 
b)    
 
1) O  promitente  vendedos  não  pode  invocar  a  nulidade  resultante  da  
omissão  dos  dois  requisitos  –  art.  410.º,  n.º  3,  in  fine  
2) O  tribunal  não  pode  conhecê-­‐la  oficiosamente  —  assento  de  1995  
 
c)  
 
1) 1.ª  hipótese:  alienação  anterior  ao  registo  da  acção  de  execução  específica  
2) Os  direitos  do  terceiro  prevalecem  sobre  os  direitos  do  promissário  

9
3) 2.ª  hipótese:  alienação  posterior  ao  registo  da  acção  de  execução  
específica  
4) Os  direitos  do  promissário  prevalecem  sobre  os  direitos  de  terceiro  
5) O  acórdão  de  uniformização  de  jurisprudência  n.º  4/98  
 

10
Exame  final  do  ano  lectivo  de  2010  /  2011  
 
I.  
 
Caracterize   a   relação   obrigacional   do   ponto   de   vista   da   função,   explicitando   a  
influência  da  função  sobre  o  regime  jurídico.  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
II.  
 
a)   A,   credor   de   B,   C   e   D   por   uma   dívida   comercial   de   10   000   euros,   exigiu  
judicialmente   o   seu   pagamento   a   B.   Este   foi   condenado,   mas   o   credor   não   viu  
satisfeito  o  seu  crédito  por  B  estar  insolvente.  
A   pretende   agora   obter   o   pagamento   de   C.   Poderá   fazê-­‐lo?   E   se   C   vier   a   pagar  
aquela  quantia,  que  direitos  terá  em  relação  aos  outros  condevedores?  
b)  A  solução  seria  a  mesma  se  a  dívida  não  fosse  comercial?  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
III.  
 
Em   Janeiro   de   2010,   A   prometeu   vender   a   B   e   este   prometeu   comprar   um  
apartamento  situado  em  Guimarães,  pelo  preço  de  150  00  euros,  tendo  as  partes  
atribuído   ao   contrato   “eficácia   absoluta”.   Em   Janeiro   de   2011,   violando   a   sua  
promessa,   A   vendeu   o   apartamento   a   C,   pelo   preço   de   200   000   euros.   Diga,  
justificando  legal  e  doutrinalmente,  que  direitos  assistem  a  B.  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
Cotações:  I  —  6  valores;  II.  —  6  valores;  III.  —  8  valores  
 
 

11
Tópicos  de  resposta  ao  exame  final  do  ano  lectivo  de  2010/2011    
 
I.  
 
-­‐  art.  398.º,  n.º  2  do  Código  Civil  –  aspecto  funcional  do  direito  de  crédito;  
-­‐  O  interesse  do  credor  projecta-­‐se  no  regime  jurídico  das  relações  obrigacionais:  
1) Extinção  das  relações  obrigacionais  por  “frustração  do  fim  da  prestação”  ou  
por  “realização  do  fim  da  prestação  por  outra  via”  (art.  398.º,  n.º  2  e  790.º  do  
Código  Civil)  
2) Qualificação  da  prestação  como  fungível  ou  não  fungível  (art.  767.º  n.º  2)  
3) Qualificação  da  impossibilidade  como  definitiva  ou  temporária  (art.  792.º  do  
código  Civil)  
4) Atribuição   ou   recusa   ao   credor   do   direito   potestativo   de   resolução   do  
contrato  bilateral  sinalagmático  (art.  793.º  e  802.º  do  Código  Civil)  
5) Critério  de  conversão  da  mora  em  não  cumprimento  definitivo  (art.  808.º  do  
Código  Civil)  

 
Cfr.  Nuno  Manuel  Pinto  Oliveira,  Direito  das  obrigações,  vol.  I,  Livraria  Almedina,  
Coimbra,  2005,  págs.  97-­‐101.  
 
II.  
 
a)  art.  100.º  do  Código  Comercial  –  obrigação  solidária  
– art.  512.º  do  Código  Civil  –  solidariedade  passiva  
 
I.  -­‐  Efeitos  da  solidariedade  nas  relações  externas:    
– arts.  512.º  e  519.º  do  Código  Civil  
– art.  519.º  do  Código  Civil  –  razão  atendível  
– A  pode  exigir  10  000  euros  a  C    
 
II.  -­‐  Efeitos  da  solidariedade  nas  relações  internas:  
 

12
– art.  524.º  
– as  partes  dos  devedores  solidários  presumem-­‐se  iguais  –  art.  516.º  
– B  está  insolvente  –  art.  526.º  
– C  pode  exigir  5  000  euros  a  D  
 
b)  não  –  obrigação  parciária  –  A  só  pode  exigir  3  333  euros  a  B  ou  a  C  
 
III.  
 
1)  Contrato-­‐promessa  (noção  e  forma  legal);    
2)  Requisitos  para  atribuição  de  eficácia  real  ao  contrato-­‐promessa    
(presume-­‐se  que  foram  observados);  -­‐  
3)  Incumprimento  definitivo  do  contrato-­‐promessa;  -­‐    
4)   Possibilidade   de   B  intentar   uma   acção   de   execução   específica   (art.   830.º)  
uma  vez  que  o  contrato-­‐promessa  tem  eficácia  real.  
 

13
 1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2011  /  2012  
 
I.  
 
Diga,   sucintamente,   quais   são   as   diferenças   entre   os   direitos   de   crédito   e   os  
direitos  reais.  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
II.  
 
A,   comerciante   de   automóveis,   é   credor   de   B,   C   e   D   por   uma   dívida   de   15.000  
euros  correspondentes  ao  preço  de  um  automóvel  que  estes  adquiririam  na  loja  
de   A.   Sendo   amigo   de   B,   A   decide   perdoar-­‐lhe   a   dívida   afirmando   contudo   que  
isso   não   prejudica   a   sua   faculdade   de   exigir   a   totalidade   dessa   quantia   aos  
restantes   devedores.   Entretanto,   C   torna-­‐se   insolvente.   Poderá   A   demandar   D  
para   pagamento   integral   da   dívida?   E   se   D   vier   a   pagar   que   direitos   lhe   assistem  
no  plano  das  relações  internas?  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
III.  
 
Os  sócios  de  uma  sociedade  por  quotas  tendo  por  objecto  o  comércio  de  tecidos  
entraram   em   negociações   para   a   cessão   das   suas   quotas.   Os   negociadores  
cedentes  e  os  negociadores  cessionários  chegaram  a  um  acordo  quanto  a  todas  
as  cláusulas,  designadamente  quanto  à  data  da  conclusão  do  contrato  —  Janeiro  
de  2011  —  e  quanto  ao  preço  da  cessão  —  500  000  euros.    
Estando  convencidos  de  que  a  cessão  de  quotas  se  concretizaria,  os  negociadores  
cedentes  desligaram-­‐se  da  sociedade  e  os  negociadores  cessionários  ligaram-­‐se  a  
ela,   chamando   a   si   a   sua   gestão   (assim,   p.   ex.,   passaram   a   dirigir   a   empresa,  
alteraram   os   seus   horários   de   trabalho,   retiraram   do   estabelecimento   tecidos   no  
valor  de  100  000  euros  e  só  repuseram  nele  tecidos  no  valor  de  75  000  euros).    

14
Em   Janeiro   de   2011,   os   negociadores-­‐cessionários   recusaram-­‐se,   porém,   sem  
qualquer  justificação  razoável,  a  formalizar  o  contrato  de  cessão.    
Podem  os  negociadores  cedentes  pedir-­‐lhes  uma  indemnização?  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
Cotações:  I.  —  6  valores;  II.  —  7  valores;  III.  —  7  valores  

15
Tópicos  de  resposta  à    1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2011  /  2012  
 
I.  
 

1) Os  direitos  reais  são  absolutos;  os  direitos  de  crédito  são  relativos  
a)  Infringindo   direitos   reais,   o   agente   incorrerá   em   responsabilidade  
extracontratual  por  factos  ilícitos  (art.  483.º  do  Código  Civil);  infringindo  
direitos  obrigacionais  o  agente  incorrerá  em  responsabilidade  contratual  
(arts.  798.º  ss  do  Código  Civil)  
b) Os  direitos  reais  têm  como  características  a  preferência  ou  prevalência  e  a  
sequela;  Os  direitos  de  crédito  não  apresentam  estas  características  
2) Os   direitos   reais   têm   como   objecto   imediato   uma   coisa;   os   direitos   de   crédito  
têm  como  objecto  mediato  uma  prestação  
3) Os  direitos  reais  estão  sujeitos  aos  princípios  da  tipicidade  e  da  taxatividade  
(art.   1306.º,   n.º   1   do   Código   Civil);   As   partes   podem   fixar   livremente,   “dentro  
dos  limites  da  lei”,  o  conteúdo  da  relação  jurídica  obrigacional  (art.  398.º  do  
Código  Civil).  

 
III.  
 
1) Responsabilidade  pré-­‐contratual  pela  não  conclusão  do  contrato  
2) por  causa  da  interrupção  (injustificada)  das  negociações    
3) Requisitos  gerais  da  responsabilidade  pré-­‐contratual  
4) Requisitos  específicos  da  responsabilidade  pré-­‐contratual  
a) Distinção  entre:  
i) Dever  de  continuação  das  negociações  para  a  conclusão  do  contrato    
ii) Dever  de  conclusão  do  contrato  
b) No  caso  concreto  —  violação  do  dever  de  conclusão  do  contrato  
5) Efeitos  da  responsabilidade  pré-­‐contratual    
a) Distinção  entre:  
i) Interesse  contratual  negativo  
ii) Interesse  contratual  positivo  

16
b) No  caso  concreto:  —  indemnização  pelo  interesse  contratual  positivo  

17
 
2.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
 
I.  
 
Em   Janeiro   de   2012,   A   vendeu   um   automóvel   desportivo   a   B,   pelo   preço   de  
120000  euros,  devendo  o  automóvel  ser  entregue  em  Junho  e  o  preço  ser  pago  
em  12  prestações  mensais  de  10000  euros  cada,  a  partir  de  Julho.    
Em  Maio,  A  descobre  que  B  está  em  condições  económicas  difíceis  e,  preocupado  
com   a   possibilidade   de   B   não   cumprir,   pretende   saber   se   pode   recusar-­‐se   a  
entregar-­‐lhe  o  automóvel  até  que  B  pague  os  120000  euros.  Quid  juris?  
 
II.  
 
Em   Janeiro   de   2012,   A   prometeu   a   vender   a   B,   e   B   prometeu   comprar,   um  
apartamento   situado   na   cidade   de   Braga,   pelo   preço   de   150   000   euros.   B  
entregou  de  imediato  a  quantia  de  15  000  euros,  a  título  de  sinal  e  princípio  de  
pagamento.   O   documento,   ainda   que   tivesse   sido   devidamente   assinado,   não  
continha   o   reconhecimento   presencial   das   assinaturas   dos   contraentes.   Em  
Março  de  2012,  B  interpela  A  para  que  formalizem  a  venda,  ao  que  A  responde,  
dizendo-­‐lhe  que  o  contrato  não  é  válido,  pelo  que  não  tem  o  dever  de  cumprir  a  
sua   promessa,   e   que,   ainda   que   o   contrato   fosse   válido,   não   poderia   cumpri-­‐la,  
por  ter  vendido  o  apartamento  a  C  em  Fevereiro  por  200  000  euros.    
 
a) Pronuncie-­‐se  sobre  cada  um  dos  argumentos  de  A.  
b) B  terá  algum  direito  contra  A?  
c) Se  C,  aquando  da  compra  do  apartamento,  soubesse  de  tudo  quanto  se  
tinha  passado  entre  A  e  B,  B  teria  algum  direito  contra  C?  
 
III.  
 
Suponha   agora   que   o   contrato   só   não   tinha   o   reconhecimento   presencial   das  
assinaturas   porque   B,   por   esquecimento,   não   compareceu   no   cartório   notarial  

18
onde   as   partes   tinham   combinado   encontrar-­‐se.   A   resposta   às   três   alíneas  
anteriores  seria  diferente?  
 
Cotações:  I  —  4  valores;  II,  a)  —  4  valores;  b)  —  4  valores;  c)  —  4  valores;  III  —  4  
valores.  
 

19
 
Prova  global  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
 
I.  
 
Diga,  sucintamente,  quais  são  as  características  dos  direitos  pessoais  de  gozo.  
 
II.  
 
Em   Janeiro   de   2012,   A   prometeu   a   vender   a   B,   e   B   prometeu   comprar,   um  
apartamento   situado   na   cidade   de   Braga,   pelo   preço   de   150   000   euros.   B  
entregou  de  imediato  a  quantia  de  15  000  euros,  a  título  de  sinal  e  princípio  de  
pagamento.   O   documento,   ainda   que   tivesse   sido   devidamente   assinado,   não  
continha   o   reconhecimento   presencial   das   assinaturas   dos   contraentes.   Em  
Março  de  2012,  B  interpela  A  para  que  formalizem  a  venda,  ao  que  A  responde,  
dizendo-­‐lhe  que  o  contrato  não  é  válido,  pelo  que  não  tem  o  dever  de  cumprir  a  
sua   promessa,   e   que,   ainda   que   o   contrato   fosse   válido,   não   poderia   cumpri-­‐la,  
por  ter  vendido  o  apartamento  a  C  em  Fevereiro  por  200  000  euros.    
 
a) Pronuncie-­‐se  sobre  cada  um  dos  argumentos  de  A.  
b) B  terá  algum  direito  contra  A?  
c) Se  C,  aquando  da  compra  do  apartamento,  soubesse  de  tudo  quanto  se  
tinha  passado  entre  A  e  B,  B  teria  algum  direito  contra  C?  
 
III.  
 
Suponha   agora   que   o   contrato   só   não   tinha   o   reconhecimento   presencial   das  
assinaturas   porque   B,   por   esquecimento,   não   compareceu   no   cartório   notarial  
onde   as   partes   tinham   combinado   encontrar-­‐se.   A   resposta   às   três   alíneas  
anteriores  seria  diferente?  
 
Cotações:  I  —  4  valores;  II,  a)  —  4  valores;  b)  —  4  valores;  c)  —  4  valores;  III  —  4  
valores.

20
 
Tópicos  de  resposta  à  2.ª  prova  parcelar  e  à  prova  global  
do  ano  lectivo  de  2011/2012  
 
 
I.  
(prova  global)  
 
— Os  direitos  pessoais  de  gozo  como  direitos  de  estrutura  complexa  
— Os  direitos  pessoais  de  gozo  em  sentido  estrito  são  direitos  absolutos  
— Os  direitos  pessoais  de  gozo  em  sentido  estrito  têm  por  objecto  imediato  
uma  coisa  
— Os  direitos  pessoais  de  gozo  são  direitos  de  regime  dualista  ou  misto  
 
I.  
(prova  parcelar)  
 
— O   vendedor   invoca   a   excepção   de   não   cumprimento   —   art.   428.º,   em  
ligação   com   o   art.   429.º   do   Código   Civil   (dado   que   as   prestações   não  
devem  ser  realizadas  simultaneamente)  
— O  art.  429.º  deve  aplicar-­‐se  aos  casos  de  fundado  receio  de  insolvência    
— Se   as   “condições   económicas   difíceis”   do   comprador   puderem   ser  
qualificadas  como  “fundado  receio  de  insolvência”,  o  vendedor  terá  razão.  
 
 
II.  
 
a) O  1.º  argumento  não  procede:  

— o  contrato-­‐promessa  celebrado  entre  A  e  B,  para  além  da  forma  prevista  


no  art.  410.º,  n.º  2  (documento  escrito  assinado  por  ambas  as  partes),  tem  
de    observar  as  formalidades  estabelecidas  no  art.  410.º,  n.º  3;  

21
— falta  o  reconhecimento  presencial  da  assinatura  dos  promitentes  pelo  que  
o  contrato  é  inválido.    
— nulidade  atípica:  diferentemente  do  que  decorreria  do  art.  286.º  do  C.Civ.,  
nos  termos  do  art.  410.º,  n.º  3,  “o  contraente  que  promete  transmitir  ou  
constituir  o  direito  só  pode  invocar  a  omissão  destes  requisitos  quando  a  
mesma  tenha  sido  culposamente  causada  pela  outra  parte”.  O  promitente-­‐
alienante  não  pode  arguir  a  nulidade  do  contrato-­‐promessa  por  omissão  
desta  formalidade.  

— Face   a   uma   interpretação   extensiva   do   art.   410.º,   n.º   3,   e   a   uma  


interpretação   restritiva   do   art.   286.º,   a   invalidade   por   omissão   das  
formalidades   previstas   no   art.   410.º,   n.º   3,   não   pode   ser   arguida   por  
terceiros  nem  conhecida  oficiosamente  pelo  Tribunal  (cfr.  assento  do  STJ  
n.º   15/94,   de   28   de   Junho   de   1994   e   assento   do   STJ   n.º   3/95,   de   1   de  
Fevereiro  de  1995).    

— 2.º  argumento:  
 
— o   contrato-­‐promessa   celebrado   entre   A   e   B   tem   eficácia   meramente  
obrigacional   uma   vez   que   não   foram   observadas   as   formalidades  
previstas  no  art.  413.º  do  C.Civ.    
— O  contrato  de  compra  e  venda  celebrado  entre  A  e  B  é  válido  e  produz  os  
efeitos  previstos  no  art.  408.º,  n.º  1  e  879.º  do  C.Civ.  
— A  já  não  pode  cumprir  o  contrato-­‐promessa  que  celebrou  com  B  porque  já  
não   é   ele   o   proprietário   do   apartamento   mas   sim   C   (impossibilidade  
definitiva  de  cumprimento  do  contrato-­‐promessa  imputável  ao  devedor).  
 
b) O   promitente-­‐comprador   não   pode   propor   uma   acção   de   execução  
específica.   Existindo   —   como   existe   —   sinal   passado   (art.   441.º),   o  
promitente   comprador   tem   direito:   —   à   restituição   do   sinal   em   dobro  
(art.   442.º,   n.º   2,   2.ª   parte,   1.ª   alternativa),   que   se   contretizará   numa  

22
“indemnização”  de  2  x  15000  euros  =  30000  euros;  —  à  “restituição”  do  
lucro  alcançado  através  da  alienação  da  coisa  a  terceiro  (art.  442.º,  n.º  2,  
2.ª   parte,   2.ª   alternativa),   que   se   concretizará   numa   “indemnização”   de  
200000-­‐150000+15000   euros=   65000   euros.   O   facto   de   ter   havido,   ou  
não,  tradição  da  coisa  deve  considerar-­‐se  irrelevante  (PDC,  757)  
c) Sim,   se   houver   abuso   do   direito   (art.   334.º   do   Código   Civil).   O   problema  
relaciona-­‐se   com   a   (chamada)   teoria   do   efeito   externo   das   relações  
obrigacionais.   O   promitente-­‐comprador   terá   um   direito   á   indemnização  
contra   terceiro.   A   indemnização   poderá   surgir   sob   a   forma   de  
indemnização   em   espécie   —   caso   em   que   o   terceiro   terá   o   dever   de  
vender   ao   promitente-­‐comprador   a   coisa   comprada   —   ou   de   uma  
indemnização  em  dinheiro.  

III  
 
— Como   a   omissão   do   reconhecimento   presencial   das   assinaturas   foi  
culposamente  causada  por  B,  A  já  poderia  invocar  a  nulidade  do  contrato-­‐
promessa   com   fundamento   na   violação   das   formalidades   previstas   no   art.  
410.º,  n.º  3,  do  Código  Civil.  Os  efeitos  seriam  os  decorrentes  do  regime  da  
nulidade  e  não  do  regime  do  não  cumprimento  do  contrato-­‐promessa.  
— A  resposta  à  alínea  a)  é  diferente:  A  omissão  dos  requisitos  do  art.  410.º,  
n.º  3,  pode  ser  invocada  pelo  promitente-­‐vendedor.    
— A  resposta  à  alínea  b),  também:  O  direito  do  promitente-­‐comprador  não  
chegou   a   constituir-­‐se.  Como  a  omissão  dos  requisitos  do  art.  410.º,  n.º  3,  
pode   ser   invocada   pelo   promitente-­‐vendedor,   o   promitente   comprador  
não  tem  nenhum  direito  contra  o  promitente-­‐vendedor.    
— A  resposta  à  al.  c),  também:  Como  o  direito  do  promitente-­‐comprador  não  
chegou  a  constituir-­‐se,  o  promitente-­‐comprador  não  tem  nenhum  direito  
contra  terceiros.  
 
 
 
 

23
 
Exame  final  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
 
I.  
 
Comente   a   seguinte   afirmação,   justificando   legal   e   doutrinalmente   a   sua  
resposta:  
“Os  direitos  pessoais  de  gozo  são  direitos  de  regime  dualista  ou  misto”  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
II.  
 
Os  sócios  de  uma  sociedade  por  quotas  tendo  por  objecto  o  comércio  de  tecidos  
entraram   em   negociações   para   a   cessão   das   suas   quotas.   Os   negociadores  
cedentes  e  os  negociadores  cessionários  chegaram  a  um  acordo  quanto  a  todas  
as  cláusulas,  designadamente  quanto  à  data  da  conclusão  do  contrato  —  Janeiro  
de  2011  —  e  quanto  ao  preço  da  cessão  —  500  000  euros.    
Estando  convencidos  de  que  a  cessão  de  quotas  se  concretizaria,  os  negociadores  
cedentes  desligaram-­‐se  da  sociedade  e  os  negociadores  cessionários  ligaram-­‐se  a  
ela,   chamando   a   si   a   sua   gestão   (assim,   p.   ex.,   passaram   a   dirigir   a   empresa,  
alteraram   os   seus   horários   de   trabalho,   retiraram   do   estabelecimento   tecidos   no  
valor  de  100  000  euros  e  só  repuseram  nele  tecidos  no  valor  de  75  000  euros).    
Em   Janeiro   de   2011,   os   negociadores-­‐cessionários   recusaram-­‐se,   porém,   sem  
qualquer  justificação  razoável,  a  formalizar  o  contrato  de  cessão.    
Podem  os  negociadores  cedentes  pedir-­‐lhes  uma  indemnização?  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
III.  
 
Em   Janeiro   de   2011,   A   prometeu   vender   a   B   e   este   prometeu   comprar   um  
apartamento  situado  em  Guimarães,  pelo  preço  de  150  00  euros,  tendo  as  partes  

24
atribuído   ao   contrato   “eficácia   absoluta”.   Em   Janeiro   de   2012,   violando   a   sua  
promessa,   A   vendeu   o   apartamento   a   C,   pelo   preço   de   200   000   euros.   Diga,  
justificando  legal  e  doutrinalmente,  que  direitos  assistem  a  B.  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
Cotações:  I.  —  6  valores;  II.  —  6  valores;  III.  —  8  valores  
 

25
Tópicos  de  resposta  ao  exame  final  do  ano  lectivo  de  2011/2012  
 
I.  
 
1) os  direitos  pessoais  de  gozo  como  direitos  de  estrutura  complexa  
2) distinção   entre   direitos   pessoais   de   gozo   em   sentido   amplo   e   em   sentido  
estrito  
3) os  direitos  pessoais  de  gozo  em  sentido  estrito  são  direitos  absolutos  
4) os  direitos  pessoais  de  gozo  em  sentido  estrito  têm  por  objecto  imediato  uma  
coisa  
5) os   direitos   pessoais   de   gozo   em   sentido   estrito   são   direitos   de   regime  
dualista  ou  misto;  exemplos  
 
II.  
 
1) Responsabilidade  pré-­‐contratual  pela  não  conclusão  do  contrato  
2) por  causa  da  interrupção  (injustificada)  das  negociações    
3) Requisitos  gerais  da  responsabilidade  pré-­‐contratual  
4) Requisitos  específicos  da  responsabilidade  pré-­‐contratual  
a) Distinção  entre:  
i) Dever  de  continuação  das  negociações  para  a  conclusão  do  contrato    
ii) Dever  de  conclusão  do  contrato  
b) No  caso  concreto  —  violação  do  dever  de  conclusão  do  contrato  
5) Efeitos  da  responsabilidade  pré-­‐contratual    
a) Distinção  entre:  
i) Interesse  contratual  negativo  
ii) Interesse  contratual  positivo  
b) No  caso  concreto:  —  indemnização  pelo  interesse  contratual  positivo  

 
III.  
 
1)  Contrato-­‐promessa  (noção  e  forma  legal);    

26
2)  Requisitos  para  atribuição  de  eficácia  real  ao  contrato-­‐promessa    
(presume-­‐se  que  foram  observados);  -­‐  
3)  Incumprimento  definitivo  do  contrato-­‐promessa;  -­‐    
4)   Possibilidade   de   B  intentar   uma   acção   de   execução   específica   (art.   830.º)  
uma  vez  que  o  contrato-­‐promessa  tem  eficácia  real.  
 

27
 
1.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
 
I.  
 
A,   comerciante   de   automóveis,   é   credor   de   B,   C   e   D   por   uma   dívida   de   15.000  
euros  correspondentes  ao  preço  de  um  automóvel  que  estes  adquiriam  na  loja  de  
A.  Sendo  amigo  de  B,  A  decide  perdoar-­‐lhe  a  dívida  afirmando  contudo  que  isso  
não  prejudica  a  sua  faculdade  de  exigir  a  totalidade  dessa  quantia  aos  restantes  
devedores.   Entretanto,   C   torna-­‐se   insolvente.   Poderá   A   demandar   D   para  
pagamento   integral   da   dívida?   E   se   D   vier   a   pagar   que   direitos   lhe   assistem   no  
plano  das  relações  internas?  
 
II.  
 
Em   Janeiro   de   2012,   A   prometeu   a   vender   a   B,   e   B   prometeu   comprar,   um  
apartamento   situado   na   cidade   de   Braga,   pelo   preço   de   150   000   euros.   B  
entregou  de  imediato  a  quantia  de  15  000  euros,  a  título  de  sinal  e  princípio  de  
pagamento.   O   documento,   ainda   que   tivesse   sido   devidamente   assinado,   não  
continha   o   reconhecimento   presencial   das   assinaturas   dos   contraentes.   Em  
Março  de  2012,  B  interpela  A  para  que  formalizem  a  venda,  ao  que  A  responde,  
dizendo-­‐lhe  que  o  contrato  não  é  válido,  pelo  que  não  tem  o  dever  de  cumprir  a  
sua   promessa,   e   que,   ainda   que   o   contrato   fosse   válido,   não   poderia   cumpri-­‐la,  
por  ter  vendido  o  apartamento  a  C  em  Fevereiro  por  200  000  euros.    
 
a) Pronuncie-­‐se  sobre  cada  um  dos  argumentos  de  A.  
b) B  terá  algum  direito  contra  A?  
 
III.  
 
Suponha   agora   que   o   contrato   só   não   tinha   o   reconhecimento   presencial   das  
assinaturas   porque   B,   por   esquecimento,   não   compareceu   no   cartório   notarial  

28
onde   as   partes   tinham   combinado   encontrar-­‐se.   A   resposta   às   duas   alíneas  
anteriores  seria  diferente?  
 
Cotações:  I  —  5  valores;  II,  a)  —  5  valores;  b)  —  5  valores;  III  —  5  valores.  
 

29
 
2.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
 
I.  
 
Diga,  justificando,  quais  são  as  diferenças  de  regime  entre  o  sinal  confirmatório  e  
o  sinal  penitencial.  
 
II.  
 
A,  proprietário  de  um  automóvel,  contratou  B,  rebocador,  para  transportar  o  seu  
automóvel  para  uma  oficina  mediante  o  pagamento  de  120  euros.  Porém,  antes  
de  B  chegar  ao  local,  o  automóvel  de  A  começou  a  andar  pelo  que  A  decidiu  levá-­‐
lo   ele   mesmo   para   a   oficina.   B,   que   entretanto   chegou   ao   local,   exige   que   A   lhe  
pague  os  120  euros  acordados,  mas  este  declara  "nada  dever".  Quid  iuris?  
 
III.  
 
Em  Janeiro  de  2008,  A  troca  o  seu  piano  (no  valor  de  5  000  euros)  por  um  vaso  
antigo  (no  valor  de  7  000  euros)  de  B.  Em  Fevereiro,  A  recebe  uma  proposta  de  C  
para   a   venda   do   piano   por   6000   euros   e   rejeita-­‐a   em   razão   do   compromisso   já  
assumido.   Em   Março,   na   data   do   cumprimento,   o   piano   chega   ao   poder   de  B;   o  
vaso  não  chega  nunca  ao  poder  de  A,  porque  se  partiu  ao  ser  transportado,  por  
culpa  de  B.  
Diga,  justificando  legal  e  doutrinalmente,  que  direitos  assistem  a  A.  
 
Cotações:  I.  —  4  valores;  II.  —  8  valores;  III.  —  8  valores  
 

30
 
Tópicos  de  resposta  à  2.ª  prova  parcelar  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
 
I.  
 
— conceitos  de  sinal  confirmatório  e  de  sinal  penitencial  
— o  art.  442.º,  n.ºs  2  e  3,  só  se  aplica  ao  sinal  confirmatório  
— o  art.  830.º,  n.º  2,  só  se  aplica  ao  sinal  penitencial  
— o  art.  812.º  só  se  aplica  (por  analogia)  ao  sinal  confirmatório  
 
II.  
 
— “realização  do  fim  da  prestação”  (Zweckerreichung)  
— conceito  alargado  de  prestação  
— conceito  alargado  de  impossibilidade  da  prestação  
— coordenação  do  caso    
— 1.ª  tese:  —  impossibilidade  não  imputável  
— aplicação  do  art.  795.º,  n.º  1,  corrigido  através  da  aplicação,  por  analogia,  
do  regime  do  contrato  de  empreitada  
— aplicação  do  art.  795.º,  n.º  1,  corrigido  através  da  aplicação,  por  analogia,  
do  regime  da  gestão  de  negócios  (art.  468.º  do  Código  Civil)  
— 2.ª  tese:  —  impossibilidade  imputável  ao  credor  
— aplicação  do  art.  795.º,  n.º  2  
— apreciação  dos  argumentos  em  confronto  
 
III.  
 
 
— impossibilidade  da  prestação  …  
— …  imputável  ao  devedor  (art.  801.º)  
— 1.ª  alternativa:  A  pode  optar  pela  conservação  do  contrato  (art.  801.º,  n.º  
1)  
— indemnização  pelo  interesse  contratual  positivo…  

31
— …  calculada  nos  termos  da  teoria  da  sub-­‐rogação  ou  da  troca  (7000  euros)  
— 2.ª  alternativa:  A  pode  optar  pela  resolução  do  contrato  (art.  801.º,  n.º  2)  
— controvérsia:  
— 1.ª  tese:  indemnização  pelo  interesse  contratual  positivo…  
— …  calculada  nos  termos  da  teoria  da  diferença  (=  2000  euros)  
— 2.ª  tese:  indemnização  pelo  interesse  contratual  negativo  (=  1000  euros)  
— apreciação  dos  argumentos  em  confronto  
 

32
 
Prova  global  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
 
I.  
 
Diga,  justificando,  quais  são  as  diferenças  de  regime  entre  o  sinal  confirmatório  e  
o  sinal  penitencial.  
 
II.  
 
Em   Janeiro   de   2010,   A   prometeu   vender   a   B   e   este   prometeu   comprar   um  
apartamento  situado  em  Guimarães,  pelo  preço  de  150  00  euros,  tendo  as  partes  
atribuído   ao   contrato   “eficácia   absoluta”.   Em   Janeiro   de   2011,   violando   a   sua  
promessa,   A   vendeu   o   apartamento   a   C,   pelo   preço   de   200   000   euros.   Diga,  
justificando  legal  e  doutrinalmente,  que  direitos  assistem  a  B.  
 
III.  
 
Em  Janeiro  de  2012,  A  troca  o  seu  piano  (no  valor  de  5  000  euros)  por  um  vaso  
antigo  (no  valor  de  7  000  euros)  de  B.  Em  Fevereiro,  A  recebe  uma  proposta  de  C  
para   a   venda   do   piano   por   6000   euros   e   rejeita-­‐a   em   razão   do   compromisso   já  
assumido.   Em   Março,   na   data   do   cumprimento,   o   piano   chega   ao   poder   de  B;   o  
vaso  não  chega  nunca  ao  poder  de  A,  porque  se  partiu  ao  ser  transportado,  por  
culpa  de  B.  
Diga,  justificando  legal  e  doutrinalmente,  que  direitos  assistem  a  A.  
 
Cotações:  I.  —  4  valores;  II.  —  8;  III.  —  8  valores  
 

33
 
Tópicos  de  resposta  à  prova  global  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
 
I.  
 
— conceitos  de  sinal  confirmatório  e  de  sinal  penitencial  
— o  art.  442.º,  n.ºs  2  e  3,  só  se  aplica  ao  sinal  confirmatório  
— o  art.  830.º,  n.º  2,  só  se  aplica  ao  sinal  penitencial  
— o  art.  812.º  só  se  aplica  (por  analogia)  ao  sinal  confirmatório  
 
II.  
 
— requisitos   e   efeitos   da   atribuição   de   “eficácia   absoluta”   ou   de   “eficácia  
real”  ao  contrato-­‐promessa  
— direito  ao  cumprimento  /  execução  específica  —  art.  830.º  
— direito  à  “indemnização”  pelo  aumento  do  valor?  
 
III.  
 
— impossibilidade  da  prestação  …  
— …  imputável  ao  devedor  (art.  801.º)  
— 1.ª  alternativa:  A  pode  optar  pela  conservação  do  contrato  (art.  801.º,  n.º  
1)  
— indemnização  pelo  interesse  contratual  positivo…  
— …  calculada  nos  termos  da  teoria  da  sub-­‐rogação  ou  da  troca  (7000  euros)  
— 2.ª  alternativa:  A  pode  optar  pela  resolução  do  contrato  (art.  801.º,  n.º  2)  
— controvérsia:  
— 1.ª  tese:  indemnização  pelo  interesse  contratual  positivo…  
— …  calculada  nos  termos  da  teoria  da  diferença  (=  2000  euros)  
— 2.ª  tese:  indemnização  pelo  interesse  contratual  negativo  (=  1000  euros)  
— apreciação  dos  argumentos  em  confronto  
 

34
 
Exame  final  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
 
I.  
 
Caracterize   a   relação   obrigacional   do   ponto   de   vista   da   função,   explicitando   a  
influência  da  função  sobre  o  regime  jurídico.  
 
II.  
 
Em   Janeiro   de   2012,   A   prometeu   a   vender   a   B,   e   B   prometeu   comprar,   um  
apartamento   situado   na   cidade   de   Braga,   pelo   preço   de   150   000   euros.   B  
entregou  de  imediato  a  quantia  de  15  000  euros,  a  título  de  sinal  e  princípio  de  
pagamento.   O   documento,   ainda   que   tivesse   sido   devidamente   assinado,   não  
continha   o   reconhecimento   presencial   das   assinaturas   dos   contraentes.   Em  
Março  de  2012,  B  interpela  A  para  que  formalizem  a  venda,  ao  que  A  responde,  
dizendo-­‐lhe  que  o  contrato  não  é  válido,  pelo  que  não  tem  o  dever  de  cumprir  a  
sua   promessa,   e   que,   ainda   que   o   contrato   fosse   válido,   não   poderia   cumpri-­‐la,  
por  ter  vendido  o  apartamento  a  C  em  Fevereiro  por  200  000  euros.    
 
a) Pronuncie-­‐se  sobre  cada  um  dos  argumentos  de  A.  
b) B  terá  algum  direito  contra  A?  
c) Se  C,  aquando  da  compra  do  apartamento,  soubesse  de  tudo  quanto  se  
tinha  passado  entre  A  e  B,  B  teria  algum  direito  contra  C?  
 
III.  
 
Suponha   agora   que   o   contrato   só   não   tinha   o   reconhecimento   presencial   das  
assinaturas   porque   B,   por   esquecimento,   não   compareceu   no   cartório   notarial  
onde   as   partes   tinham   combinado   encontrar-­‐se.   A   resposta   às   três   alíneas  
anteriores  seria  diferente?  
 

35
Cotações:  I  —  4  valores;  II,  a)  —  4  valores;  b)  —  4  valores;  c)  —  4  valores;  III  —  4  
valores.  
 

36
 
Exame  de  época  especial  do  ano  lectivo  de  2012/2013  
 
I.  
 
Em   Janeiro   de   2013,   A   prometeu   vender   a   B   e   B   prometeu   comprar   um  
apartamento  situado  na  cidade  de  Braga,  pelo  preço  de  150  000  euros,  tendo  B  
entregue  de  imediato  10%  do  preço  (15  000  euros).  Embora  a  escritura  pública  
tenha  estado  marcada  para  o  dia  1  de  Fevereiro  de  2013,  B  não  compareceu.    
a)  Pode  A  desvincular-­‐se  do  contrato  e  ficar  com  os  15  000  euros  já  recebidos?  
b)  Caso  A  alegue  e  prove  que  a  atitude  de  B  lhe  causou  danos  de  30  000  euros,  
poderá  exigir-­‐lhe  uma  indemnização  de  todos  os  prejuízos  sofridos?  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
II.  
 
Em   Janeiro   de   2013,   A   celebrou   com   B   um   contrato   com   eficácia   obrigacional  
pelo  qual  se  comprometia  a  dar-­‐lhe  preferência  na  venda  das  acções  que  detinha  
na  sociedade  comercial  X.  C,  accionista  de  referência  da  sociedade  X,  convenceu  
contudo  A  a  vender-­‐lhe  a  totalidade  das  suas  acções,  sem  dar  preferência  a  B.  B,  
inconformado   com   a   atitude   de   A   e   de   C,   pretende   que   C   seja   condenado   a  
vender-­‐lhe   as   acções   adquiridas   em   violação   do   pacto   de   preferência   ou,   pelo  
menos,   que   seja   condenado   a   ressarci-­‐lo   de   todos   os   prejuízos   sofridos.   Quid  
juris?  
 
(máximo:  2  páginas)  
 
III.  
 
Em  Janeiro  de  2013,  A  troca  o  seu  piano  (no  valor  de  5  000  euros)  por  um  vaso  
antigo  (no  valor  de  7  000  euros)  de  B.  Em  Fevereiro,  A  recebe  uma  proposta  de  C  
para   a   venda   do   piano   por   6000   euros   e   rejeita-­‐a   em   razão   do   compromisso   já  

37
assumido.   Em   Março,   na   data   do   cumprimento,   o   piano   chega   ao   poder   de  B;   o  
vaso  não  chega  nunca  ao  poder  de  A,  porque  se  partiu  ao  ser  transportado,  por  
culpa  de  B.  
Diga,  justificando  legal  e  doutrinalmente,  que  direitos  assistem  a  A.  
 
Cotações:  I.  —  6  valores;  II.  —  6  valores;  III.  —  8  valores.  
 

38