Você está na página 1de 38

I.

Conceito e problemas fundamentais do Direito


- A natureza social do homem;
- A ordem jurídica e outras ordens normativas;
- Características da ordem jurídica;
- Tutela Jurídica.

II. As normas jurídicas e as fontes de Direito


- A norma jurídica;
- As fontes de Direito;
- A vigência das normas;
- A hierarquia das fontes e das normas.

III. A metodologia jurídica


- A interpretação das normas jurídicas
- A integração de lacunas
- A aplicação das leis no tempo e no espaço

IV. A relação jurídica


- Os sujeitos;
- O objecto;
- O facto jurídico;
- A garantia.
DIREITO?
TEORIA DA FORÇA NORMATIVA DOS FACTOS
HÁ FACTOS QUE DITAM MUDANÇAS NOS REGIMES LEGAIS
Homem é um ser social
“O homem estabelece entre si relações que assumem relevância social
e que, consequentemente, necessitam de regras. Assim, todas as
comunidades humanas necessitam de uma ordem que estabeleça as
regras de convivência entre os seus membros.”
A Ordem Jurídica é a ordem social regulada pelo Direito.

Ordem jurídica é uma ordem normativa consubstanciada por um


conjunto de normas de conduta social que regem as relações dos
homens.
O Direito é um conjunto de normas reguladoras de
certos comportamentos humanos numa determinada
sociedade num determinado momento histórico.
O DIREITO constitui um conjunto de normas de
conduta e regras de comportamento social, que
resultam de um processo de decisão vinculativo, de
valor jurídico, com uma concepção de justiça, impostas
por um conjunto de órgãos de autoridade (Estado,
tribunais, …) que visam:

- Integração do indivíduo na sociedade;


- Ordenação da liberdade individual;
- Criação de um ambiente de segurança, paz e de
convivência (bem-estar) social;
- Forma de organização, orientação e de planificação da
vida social;
Ordem Jurídica e outras ordens normativas
Ordem Moral, Social & Jurídica
Ordem jurídica - visa garantir a convivência pacífica e humana entre os
Homens e salvaguardar a segurança e a concórdia nas relações e a
predominância da Justiça e do bem-estar social.
Ordem moral - são normas de conduta moral, isto é,
estão relacionadas com a consciência do próprio
indivíduo e com sua maneira de valorização interior
(com os seus juízos de valor e com a maneira como
conduz a sua própria vida).
Ordem Social - são os chamados usos e costumes
sociais, elas não põem em causa a preservação da paz
social (logo, não lhes são atribuídas relevância jurídica),
mas são antes normas de conduta e de
comportamento social que adoptamos consoante o
papel/função que desempenhamos ao ingressarmos
num dado grupo social.
cfr. conceito de contrato social – “acordo de
vontades entre homens” -
DIREITO & MORAL
Critério do mínimo ético - o Direito não pode juridificar
a moral – sob pena de se converter numa tutela moral
da sociedade pelo Estado, permitindo a este arrogar-se
de um poder de direcção cultural e moral da sociedade
mas também não se pode abstrair dos princípios morais
ao ponto de pôr em causa a paz, a liberdade e justiça
social.
Critérios de Distinção
- O Direito caracteriza-se pela exterioridade e a Moral pela
interioridade.

-Direito e a Moral têm pontos de partida diferentes: o primeira parte


do lado externo da conduta humana, e a segunda parte do lado interno
da conduta humana, da intenção.
- No Direito há bilateralidade, na Moral unilateralidade

A Moral dirige-se ao homem e manda-lhe aplicar o bem como forma de


atingir a perfeição; encara o homem isoladamente e não nas suas
relações com o semelhante, decretando-lhe apenas deveres.
- O Direito faz uso da sua coercibilidade, isto é, da aplicação coactiva de
sanções. O mesmo já não se passa na ordem moral que não é munida
de coercibilidade.
NÃO UNIVERSALIDADE DO DIREITO
Direito Objectivo vs Subjectivo
A macroestrutura do Direito.

Direito Objectivo - conjunto de regras, gerais e abstractas, que


organizam e regulam as relações sociais por forma a que se possa viver
pacificamente em sociedade. (ex. Código Civil)
Direito Subjectivo - São um conjunto de direitos
(direito de personalidade, de propriedade, de crédito,
etc.), atribuídos a pessoas determinadas, que conferem
aos seus titulares uma posição de privilégio, ou a
atribuição de uma faculdade ou de poderes especiais
(que são atribuídos segundo as regras de direito
objectivo). Cfr. art. 1316

À titularidade de um direito subjectivo, corresponde,


logicamente, uma situação de dever jurídico ou pelo
menos um estado de sujeição por parte de outrem que
não o titular.
Ramos do Direito Objectivo
Summa Divisio

Direito Público

Direito Privado
Critérios de Distinção:

a) Critério dos sujeitos;


b) Critério dos interesses;
c) Critério da posição dos sujeitos.
critério dos interesses
Se a norma jurídica protegia a prossecução de um interesse público
então esta deveria ser qualificada como sendo de Direito Público;
Porém, se a norma salvaguardava um interesse privado então esta
deveria de ser qualificada como norma de Direito Privado.
A crítica principal que se pode fazer a este critério é a
de que as normas de direito público também protegem
interesses privados, porque, por exemplo, as normas
que fixam as penas a aplicar pela prática de certos
crimes, pretendem defender interesses públicos como
a segurança da comunidade, mas pretendem,
igualmente, defender a segurança individual de cada
um dos cidadãos que compõem essa comunidade e,
nessa medida, protegem interesses privados.
Critério dos sujeitos
São normas de Direito Público aquelas que regulam relações em que
pelo menos um dos sujeitos seja um ente público e normas de Direito
Privado as que regulam relações ou situações jurídicas em que apenas
intervêm sujeitos privados.
A principal critica a este critério é a de que, quer o Estado, como outros
organismos públicos, poderem actuar como se de particulares se
tratassem.

Quando o Estado celebra um contrato de compra e venda, as normas


que se aplicam a esse contrato não deixam de ser normas de direito
privado.
Critério da posição dos sujeitos
São normas de Direito Público aquelas que regulam
situações jurídicas em que um dos sujeitos surge
investido de poderes de autoridade, isto é, numa
posição de supremacia (ou em que os sujeitos surgem
numa posição de supra-infra ordenação). Pelo
contrário, são normas de Direito Privado aquelas que
regulam situações ou relações jurídicas em que os
sujeitos intervenientes surgem numa posição de
paridade ou de igualdade.
DIREITO PÚBLICO como subsistema de normas jurídicas que, tendo em
vista a prossecução de um interesse colectivo, conferem, para esse
efeito, a um dos sujeitos poderes de autoridade sobre o outro e ainda
aquelas que regulam exclusivamente a organização e funcionamento
dos entes públicos.
DIREITO PRIVADO pode ser definido como subsistema de normas
jurídicas que, visando regular a vida privada das pessoas, não conferem
a nenhuma delas poderes de autoridade sobre os outros, mesmo
quando pretendam proteger um interesse público considerado
relevante.
Direito Público

• Direito Constitucional
• Direito Administrativo
• Direito Penal
• Direito Fiscal
• Direito Processual
Direito Privado
• Direito Civil (obrigações, família, sucessões etc)
• Direito Comercial
• Direito da Propriedade Intelectual
Tribunais judiciais: são competentes para resolver os
diferendos que surgem entre particulares, ou entre
particulares e o Estado, sendo que os sujeitos têm que
estar numa posição de igualdade, uma vez que estamos
no âmbito de relações de direito privado.

Tribunais administrativos: são competente para


resolver os diferendos entre particulares e entes
públicos, ou entes públicos, ou entre entidades
publicas diversas, estando munidos de um poder de
autoridade, uma vez que estamos no âmbito de
relações de direito publico.
1. Atendendo ao critério da posição dos sujeitos, diga
se as seguintes relações jurídicas se enquadram no
âmbito do Direito Público ou Direito Privado.
- José apresentou na Câmara Municipal de Barcelos um
pedido de ocupação de espaço público.
- A Câmara Municipal de Barcelos celebrou um
contrato de arrendamento com José para instalação
de um serviço público no imóvel arrendado.
- José foi notificado pela Câmara Municipal de Barcelos
para proceder à liquidação da taxa de ocupação de
espaço público.
- A Câmara Municipal de Barcelos comprou um imóvel
de interesse público a José mediante a celebração de
um contrato de compra e venda.
http://www.dgsi.pt/jtrg.nsf/86c25a698e4e7cb7802579ec004d3832/0274c91f63164ca3802579f200
4ea944?OpenDocument

http://www.dgsi.pt/jtrl.nsf/33182fc732316039802565fa00497eec/d24197e1214da0458025805600
500e32?OpenDocument

http://www.dgsi.pt/jtca.nsf/170589492546a7fb802575c3004c6d7d/b8b4cf0f4c5f85ff80257cf90048
7865?OpenDocument

http://www.dgsi.pt/jtrp.nsf/56a6e7121657f91e80257cda00381fdf/695ae52f9a754cba80257de200
3718a6

http://www.dgsi.pt/jstj.nsf/954f0ce6ad9dd8b980256b5f003fa814/af09caccc88e9aba802568fc0039
e58c?OpenDocument
2. Distinga, por suas palavras, a diferença essencial
entre o Direito e a Moral.

3. Analise criticamente a seguinte frase:


O direito na era global tende a universalizar-se.