Você está na página 1de 3

Atividades Acadêmicas Efetivas

Conteúdo

 Elementos característicos da formação da sociedade e do Estado

Carga Horária - 6,0 horas

Unidades de Ensino

 Estado e sociedade
 Estado e sociedade

Objetivos das Unidades

 Verificar as principais características nas relações humanas estabelecidas para a


sobrevivência das sociedades e qual a relação com a formação do Estado atual;
 Verificar as principais características nas relações humanas estabelecidas para a
sobrevivência das sociedades e qual a relação com a formação do Estado atual

Competências

 Atuar na prevenção e resolução de conflitos orientando e assessorando pessoas físicas e


jurídicas de direito público e privado.
 Conhecer e dominar a legislação, a doutrina a jurisprudencia a terminologia juridica e as
tecnicas processuais; mediar, conciliar e julgar conflitos, exercendo a função
jurisdicional
 Conhecer e dominar a legislação, a doutrina, a jurisprudência, a terminologia jurídica e
as técnicas processuais; mediar conflitos nas esferas judiciais e extrajudiciais; promover
a defesa dos interesses individuais e coletivos
 Conhecer e dominar a legislação, a doutrina, a jurisprudência, a terminologia jurídica e
as técnicas jurídicas específicas; exercendo as atribuições inerentes a cada função.
 Atuar na prevenção e resolução de conflitos orientando e assessorando pessoas físicas e
jurídicas de direito público e privado.
 Conhecer e dominar a legislação, a doutrina a jurisprudencia a terminologia juridica e as
tecnicas processuais; mediar, conciliar e julgar conflitos, exercendo a função
jurisdicional
 Conhecer e dominar a legislação, a doutrina, a jurisprudência, a terminologia jurídica e
as técnicas processuais; mediar conflitos nas esferas judiciais e extrajudiciais; promover
a defesa dos interesses individuais e coletivos
 Conhecer e dominar a legislação, a doutrina, a jurisprudência, a terminologia jurídica e
as técnicas jurídicas específicas; exercendo as atribuições inerentes a cada função.

Habilidades
Temas

Proposta metodológica

Atividade de aprendizagem teórico/prática - Carga horária: horas


Elementos do Estado - Povo
Do Estado

Elementos do Estado

Povo

“Os nazistas começaram a sua exterminação dos judeus privando-os, primeiro, de toda
condição legal (isto é, da condição de cidadãos de segunda classe) e separando-os do mundo
para ajuntá-los em guetos e campos de concentração; e, antes de acionarem as câmaras de
gás, haviam apalpado cuidadosamente o terreno e verificado, para a sua satisfação, que
nenhum país reclamava aquela gente. O importante é que se criou uma condição de completa
privação de direitos antes que o direito à vida fosse ameaçado” (Hannah Arendt, Origens do
totalitarismo, p. 329).
Definição: Povo é o elemento humano do Estado, composto pelo conjunto de cidadãos, isto é,
o conjunto das pessoas que mantêm um vínculo jurídico-político com o Estado. Segundo
Kelsen, é o âmbito pessoal de validade da ordem jurídica estatal.
Não se confundem com povo:
a) População – Conceito meramente demográfico: é o conjunto de pessoas que habitam o
Estado, independentemente de serem ou não cidadãs.
b) Nação (Dallari, Cap. III, itens 68 a 71) – Conceito político, de cunho sociológico (de nasceris:
nascer): “grupo humano no qual os indivíduos se sentem mutuamente unidos, por laços tanto
materiais como espirituais, bem como conscientes daquilo que os distingue dos indivíduos
componentes de outros grupos nacionais” (Hauriou, apud Bonavides). “Uma nação é um grupo
de pessoas unidas por um erro comum acerca de seus antepassados e um desgosto comum
por seus vizinhos” (Deutsch, apud Celso D. A. Mello)
- O mito romântico das nações e a dificuldade de se saber o que qualifica um grupo humano
como nação (raça [“Quem tem raça é cachorro” – João Ubaldo Ribeiro], língua, religião,
costumes?).
- Em geral, os autores de direita valorizam o conceito de nação, enquanto os de esquerda o
desprezam. Para Dallari, é criação artificial, com forte conotação emocional, usada pela
burguesia como símbolo da unidade popular contra as monarquias absolutistas. Para Reale, é
uma realidade histórica, o mais alto grau de integração social. Para Del Vecchio, Estados que
não correspondem a uma nação são Estados imperfeitos.
- O princípio das nacionalidades (autodeterminação): todas as nações têm direito de formar
um Estado. Nações sem Estado: judeus (antes de 1947), curdos, palestinos, tibetanos etc.
- Exacerbação e deturpação do nacionalismo (racismo, colonialismo, nazismo).
- Estado não se confunde com nação e não depende dela para existir, embora o sentimento
nacional seja importante para a coesão e a estabilidade do Estado. Nação é comunidade e
Estado é sociedade (Tönnies). Sociedades são voluntárias; comunidades são involuntárias.
Sociedades são reguladas pelo Direito; as comunidades não são. Sociedades têm um poder
social; as comunidades não têm.
Povo – É o conjunto dos cidadãos do Estado. É um conceito jurídico, pois a definição de quem
é ou não cidadão depende da Constituição do Estado.

Histórico: nos Estados Antigos ou Teocráticos, não havia povo, e sim súditos, que podiam
pertencer a várias tribos e nações. Na Grécia e em Roma, povo era o conjunto de cidadãos no
gozo dos direitos políticos, que compunham a polis ou a república. Na Idade Média o conceito
é impreciso. No Estado Moderno, passa-se de uma noção aristocrática para uma noção
democrática de povo, que é visto pelo contratualismo como a fonte da lei e titular da
soberania. As doutrinas de Marsílio de Pádua e Rousseau.
Conceito jurídico de povo (Jellinek): conjunto de pessoas ligadas ao Estado por um vínculo
jurídico permanente, que lhes confere direitos públicos subjetivos (direitos de participação no
exercício do poder estatal). O povo, como elemento formador do Estado, a este ligado por um
vínculo jurídico, é ao mesmo tempo sujeito (aspecto subjetivo: o povo participa do Estado,
age, é sujeito de direitos) e objeto do poder (aspecto objetivo: o povo esta submetido ao
poder do Estado, tem deveres, é súdito).
Conseqüência do reconhecimento do vínculo jurídico do povo com o Estado: a exigência de
três tipos de atitudes do Estado em relação aos cidadãos: a) negativas (limites ao Estado:
direitos individuais, de liberdade); b) positivas (obrigações do Estado: proteção aos cidadãos e
direitos sociais, como saúde, educação e previdência social); c) de reconhecimento (obrigação
de reconhecer os cidadãos como titulares de direitos de participação no poder: direitos
públicos subjetivos, como o de votar e ser votado).
Conceito restrito de cidadania: Adotado pela maioria dos autores, como Celso Bastos, Manoel
Gonçalves Ferreira Filho e José Afonso da Silva): cidadãos (povo) são apenas os nacionais no
gozo dos direitos políticos (no Brasil, os brasileiros natos ou naturalizados, maiores de 16 anos
e alistados como eleitores).
Conceito amplo de cidadania: Adotado por Jellinek, Dallari e Pinto Ferreira: todos os nacionais
são cidadãos, mas o exercício da cidadania ativa depende da aquisição de direitos políticos,
conforme requisitos fixados pelo Estado (idade, etc.). Por exemplo, no Brasil, todos os
brasileiros, natos ou naturalizados, são cidadãos, mas para se tornarem cidadãos ativos
deverão se alistar como eleitores, após completarem 16 anos. Embora minoritária, preferimos
esta corrente, pois ela não exclui do conceito de cidadania os menores de 16 anos e os que
estão privados dos direitos políticos (condenados criminalmente, incapazes etc.).
Nacionalidade e cidadania na Constituição.
Para a Constituição de 1988, os brasileiros (povo) são chamados de nacionais. São brasileiros
os nascidos no Brasil (jus soli), exceto os filhos de estrangeiro a serviço do seu país, e os
nascidos no exterior, filhos de pai ou mãe brasileiro (jus sanguinis), desde que um deles esteja
a serviço do Brasil ou que seja registrado em repartição brasileira ou comprove residência no
Brasil.
A cidadania (ativa) se adquire após os 16 anos, gradativamente.
A doutrina de Hannah Arendt: a cidadania como o direito a ter direitos.
Leitura essencial: Dalmo Dallari, Elementos de Teoria Geral do Estado, Capítulo II, itens 44 a
47, e Capítulo III, itens 68 a 71.
Leituras complementares: Paulo Bonavides, Ciência Política, Caps. 4 e 5. Miguel Reale, Teoria
do Direito e do Estado, Cap. V, item 106. Celso D. Albuquerque Mello, Curso de Direito
Internacional Público, Vol. II, Cap. XXXI. Patrick J. Geary, O mito das nações. Hannah Arendt,
Origens do totalitarismo.
Atividade de aprendizagem orientada - Carga horária: horas
Avaliação
Quais são os elementos formadores do estado