Você está na página 1de 4

8 DICAS PARA CURAR FERIDAS EMOCIONAIS

Para quem sente diariamente o peso das suas feridas emocionais, a cura ou superação
pode parecer um sonho longe de se concretizar. Você já se perguntou se a cura de
feridas emocionais é realmente possível? Alguém pode realmente superar o trauma,
rejeição, depressão, um coração partido? Talvez você esteja sofrendo há muito tempo e
as coisas não parecem estar melhorando.

Talvez você se sinta preso, como se tivesse tentado de tudo e nada surta o efeito
desejado. Ou talvez você se sinta muito velho ou seja tarde demais para mudar. Quando
se sente tão desesperançado e derrotado, a tarefa de reconstruir ou reinventar a si
mesmo e a sua vida parece ser uma tarefa inglória. É natural ter dúvidas, e a ideia de
ultrapassar as feridas emocionais ser algo impossível.

CURAR FERIDAS EMOCIONAIS É POSSÍVEL

Como psicólogo, tenho ajudado muitas pessoas a fazerem recuperações notáveis,


tornando-se emocionalmente saudáveis, felizes e mais completas, muitas vezes de
maneiras que nunca imaginaram.

Mas, é verdade, que nem todos conseguem superar as suas feridas emocionais. Algumas
pessoas continuam a sentir profunda dor emocional, repetem comportamentos e
relacionamentos prejudiciais e lutam diariamente com pensamentos negativos e
distorcidos. Na minha prática profissional, notei algumas semelhanças entre pessoas que
superam o seu sofrimento emocional.

Espero que essas reflexões e dicas possam também ajudar na sua superação das feridas
emocionais.

1 – DÊ PEQUENOS PASSOS

Tentar fazer muitas alterações de uma só vez pode ser muito prejudicial. Se definir
expectativas irrealistas você pode ficar sobrecarregado ou sentir-se um fracasso. E
mudanças dramáticas são muitas vezes insustentáveis. Fazer mudanças pequenas,
gerenciáveis e incrementais criam sentimentos de sucesso, esperança e encorajamento
que são importantes para conduzi-lo ao longo do seu processo de superação.

2 – VOCÊ NÃO PRECISA SENTIR-SE PLENAMENTE FELIZ PARA MELHORAR


A QUALIDADE DA SUA VIDA

Muitas pessoas acreditam erroneamente que a cura emocional é tudo ou nada. Mais uma
vez, essa crença pode ser desanimadora e avassaladora. Você não pode mudar de sentir-
se muito mal para no dia seguinte estar super feliz.

Qualquer melhoria modesta deverá ser sentida como um passo em frente rumo à sua
melhoria de qualidade de vida a médio prazo. Mantenha-se firme na dica anterior. Dê
um passo de cada vez e certamente irá notar pequenas melhorias no humor, capacidade
de lidar com incómodos situacionais, relacionamentos, autoestima e capacidade de
completar as suas atividades diárias.
3 – SEJA PACIENTE E PERSISTENTE

Curar feridas emocionais não se faz num passe de mágica, dá muito trabalho.
Precisamos ser pacientes e dar o tempo necessário para obter novos conhecimentos e
habilidades. Você precisa continuar a investir na melhoria das suas feridas mesmo
quando estiver difícil. Mantenha-se comprometido em tentar novas abordagens e a
desafiar-se para implementar novos comportamentos, atitudes e atividades, em que o
retorno dessas mudanças o façam sentir-se melhor.

4 – DEFINA EXPECTATIVAS REALISTAS

Eu acredito muito na importância de estabelecer expectativas realistas. Quando não o


fazemos, acabamos desapontados e frustrados, muitas vezes sobre nós mesmos, o que
não nos ajuda na superação.

Uma das expectativas irrealistas mais comuns que percebo nas pessoas que acompanho
é esperarem que o progresso avance de forma consistente. Ninguém fica cada vez
melhor, mais capaz, a sentir-se cada mais forte e mais saudável de forma contínua.

O progresso é mais provável de ser dois passos para frente e um passo para trás. E,
sinceramente, não se surpreenda se às vezes forem dois passos para trás e um passo para
a frente. Isso não é um fracasso, é uma realidade. Isso não é voltar ao mesmo, é o
processo de melhoria a manifestar-se.

Expectativas realistas combinadas com pequenos passos, paciência, persistência e


autocompaixão levarão ao progresso. Pode no entanto, incluir alguns desvios
temporários e ser mais lento do que você gostaria.

5 – VEJA OS RETROCESSOS COMO PARTE DO PROCESSO E


OPORTUNIDADES DE APRENDIZAGEM

Não só os retrocessos são normais, mas também são frequentes. Aprendemos tanto com
o que não funciona como com os sucessos. Então, em vez de tentar evitar contratempos
ou recaídas, aceite que são parte do processo e desafie-se a ter curiosidade sobre o que
pode aprender que o ajudará a avançar em direção à superação e melhoria.

Não olhe para as contrariedades como voltar ao mesmo, nem associe isso a
impossibilidade de melhoria.

Se algo não está funcionado é sinal que você está tentando. Não desanime.

6 – PRIORIZE O AUTOCUIDADO E A AUTOCOMPAIXÃO

Quando você exige muito de si mesmo, precisa dar muita atenção para si mesmo. E
trabalhar na cura emocional requer muita energia, tempo e, às vezes, dinheiro.

Para continuar firme no processo, você precisa realmente prestar atenção aos seus
sentimentos e às suas sensações físicas no seu corpo (como músculos tensos, dores de
cabeça, fadiga, tremores, dormência, etc.), porque essas são a maneira como o corpo lhe
diz o que precisa. Aproveite o tempo extra para sentir e cuidar bem de si mesmo.

Arrange formas de restaurar e recuperar as sensações corporais. Esforce-se para fazer o


seu corpo sentir-se bem, isso é um passo para você se sentir melhor.

7 – PROCURE POR AJUDA

A superação e melhoria não é para ser feita isoladamente. Não é fácil pedir ajuda,
especialmente se teve más experiências no passado. Mas buscar ajuda tem muitos
benefícios, como apoio emocional, orientação e comprometimento.

A ajuda pode assumir muitas formas diferentes, dependendo das suas necessidades, por
isso espero que você a veja como outra forma de autocuidado e procure o tipo de ajuda
que melhor atenda às suas necessidades.

Aqui mesmo, você pode ter a minha ajuda profissional usando o meu serviço de
consultas de psicologia online ou adquirindo algum dos meus produtos:

8 – POESIA DE SUPERAÇÃO

Se você se sentir desanimado, uma meditação guiada, mantra ou leitura pode ajudá-lo a
mudar os seus pensamentos para uma perspectiva mais esperançosa e positiva. Deixo
um exemplo de uma poesia da minha autoria. Você pode também tentar criar uma que
seja específica para seus próprios desafios e necessidades.

DORMÊNCIA

A vida bate-me,
A vida arrasta-me, centrifuga-me, amassa-me, escama-me,
Sinto-me entorpecido, rígido, distante,
Olho para a beleza, mas naõ a sinto,
Falam-me ao coraçaõ , mas permaneço magoado,
Sensibilizam-me para a esperança, mas mantenho-me entrincheirado na decepçaõ .

Que corpo é este que caminha anestesiado?


Que corpo é este que endureceu uma mente anteriormente ávida de vida, de emoçaõ e
paixaõ ?
É um corpo humano,
Que se entristece, que se obscurece, se penaliza, se aprisiona,
É um corpo que se vai protegendo, que vai endurecendo, que vai querendo ficar imune à
dor emocional.

Perde sensibilidade, perde humanidade,


Desliga-se dos seus sentidos, liga-se à dureza das suas experiências, experiências
sofridas, injustas, traumáticas, punitivas,

Enrijecem o corpo, enrijecem-me,


Naõ sinto, as coisas passam-me ao lado, batem-me, mas já naõ me magoam, ouço-as,
mas naõ me afligem a mente,
Deixei de ruminar nas perdas,
Deixei de reclamar no apontar do dedo,
Deixei de me importar.

Estou presente na vida, mas ausente de vida,


Que corpo é este?
Capaz de caminhar dormente, com a mente desvigorada, com o coraçaõ lascado,
É um corpo que segue as interpretações que faço, que julgo fazerem sentido,

É um corpo que se desconhece, que julga precisar de alienar-se para encaixar as agruras
da vida,
É um corpo que desconhece e me leva a desconhecer as formas práticas e saudáveis de
suportar a dor.
Quero conhecê-las, quero voltar a sentir, a sentir-me em pleno com a vida, Voltar a
mim,
Pouco a pouco quero recuperar a minha sensibilidade,
A sentir o calor do abraço, a dor da perda,

A dor de alguém que me foi querido e partiu,


Sinto a dor, suporto-a, ela é inversamente proporcional ao meu gostar, quanto mais
sinto, mais gosto.

A dor da perda faz-me sentir o quanto eu gosto, gostei ou vou continuar a gostar,
Como é bom gostar de sentir, de ficar ligado com a vida,
Com as coisas boas, e as que provocam dor,

Voltei a sentir,
A sentir o pulsar da vida.
Miguel Lucas
PSICÓLOGO

Você também pode gostar