Você está na página 1de 10

1

DEPARTAMENTO DE MATEMATICA
Docentes: Vasco Cuambe/ Salomão Munguambe
AULA PARA SEGUNDA FEIRA – LABORAL & PÓS – LABORAL 30.09.2019

Integral Definido
Ao completar esta lição, você será capaz de:

Definir o integral definido segundo Riemann


Calcular por definição o integral definido
Interpretar geometricamente o integral definido
Objectivos
Calcular os integrais definidos pela fórmula de Newton - Leibniz

Caro estudante um dos conceitos fundamentais de Análise Matemática é o de integral definido


principalmente pela sua aplicação veja em seguida como é definido este conceito:

Definição
Consideremos uma função y  f (x) real da variável real continua e positiva para x  a , b .
Veja a figura que se segue:

f ( ai )

x 0 x1 x i 1 x i a i xn 1 x n

Dividamos o intervalo a, b em n intervalos de amplitudes não necessariamente todas iguais

( x1  x0 ) ; ( x2  x1 ) ; ( x3  x2 )    ( xi  xi 1 )    ( xn  xn1 )

Seja ( x i  x i 1 ) o maior dos intervalos.

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática


2

Consideremos um ponto em cada um dos intervalos, pontos a1 a 2    ai    a n tais que


ai  xi , xi 1 .

Multiplicando o comprimento de cada um dos sub intervalos pelo valor que a função f toma
num ponto a i de cada um dos intervalos temos:

S n  ( x1  x0 f (a1 )  ( x 2  x1 ) f (a 2 )      ( xi  xi 1 ) f (ai )     
n
( x n  x n 1 ) f (a n )   ( xi  xi 1 ) f (ai )
i 1

n
Ou simplesmente S n   (x
i 1
i  xi 1 ) f (a i )

Se fizermos tender n para o infinito, o número de intervalos também tende para infinito e por
conseguinte a amplitude de cada intervalo tende para zero.

Representando cada intervalo por x i , vem:

xi  xi  xi 1  lim xi  dxi

Ao limite caso exista

n b
lim S n  lim  ( xi  xi 1 ) f (ai )   f ( x)dx  que se chama integral definido entre a e
n   n  
i 1 a

b sendo a e b os limite de integração

Veja um exemplo do cálculo do integral definido por definição

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática


3

4
Calcular por definição  (2 x  1)dx
1

Representemos graficamente o integral


Exemplo

1 4
1- Consideremos os intervalos:

 1  1 2   n 1 n  n n  1
1;1  n  1  n ;1  n ,...1  n ,1  n ; 1  n ,1  n 
     
 2n  1 2n   2n 2n  1   3n  1 3n 
...1  ,1  ; 1  ,1  ...1  ,1  
 n n n n   n n

2- Seja a i o extremo superior de cada um dos intervalos, e


calculemos em cada caso f (ai )

3- A área aproximada será o somatório das 3n parcelas


1  1 1  2 1  3n 
S 3n  f 1    f 1        f 1  
n  n n  n n  n 

1   1  2  3n  
S 3n   21    1  21    1      21    1
n   n  n  n  

1 2  4  6      6n 
S 3n  1
  1 
1   1  
n 3n n 
o numerador da segunda parcela é uma progressão aritmética

 2  6n 
  3n 
S 3n
1
  3n  2   1 3n  3  9n 
n n  n
 
Exemplo  
Continuação 12n  3
S 3n 
n
Finalmente calculemos o limite da soma
12n  3
lim S 3n  lim  12
n   n   n
4
Assim  (2 x  1)dx  12
1

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática


4

Para fixar a ideia da definição veja o exemplo2


Calcular por definição x 2 dx
1

Procedendo como o exemplo anterior vem:


Exemplo
1  1 1 2 1 n
Sn  f 1    1        1  
n  n n n n n

1  1   2   n 
2 2 2

S n  1    1      1   
n  n   n   n  

1 2 1 4 4 2n n 2 
Sn  1   2  1   2      n   
n n n n n n n2 

1   2  4      2n 1  4  9      n 2 
Sn   1  1  1       
 1  
n   n

 n n2 
Temos que achar a soma de n termos de uma progressão aritmética e
última expressão é a soma dos quadrados dos números naturais, como já é
n(n  1)(2n  1)
conhecido é igual:
6
 2  2n n(n  1)(2n  1) 
n
1 6 
Assim S n  n  2  2 
n n n 
 

1 (n  1)(2n  1 2n  1 (n  1)(2n  1)
Sn   n  (1  n)   n 
n 6n  6n 2
Vamos calcular o limite
 2n  1 (n  1)(2n  1)  1 7
lim     2 
 n 
n   2
6n 3 3
2
7

Desta maneira: x 2 dx 
1
3

Resolva a actividade que se segue

 (x  1)dx
2
Calcular por definição
1

Confira a sua resposta

Solução: 2

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática


5

Exercícios

Calcular por definição os seguintes integrais


2 3


a) e x dx
1

b) xdx c)
1

2 4

 x dx 
d) ( x  1)dx
3

1 1

Confira a sua resposta


15 21
a) e 2  e b) 4 c) d)
4 2

Interpretação Geométrica do Integral definido. Formula de Newton – Leibniz


Interpretação geométrica

Caro estudante, a interpretação geométrica do integral definido é bastante relevante nas


aplicações do integral como terá oportunidade de ver nas lições a posteriores. No ponto anterior
você estudou a definição do integral e como deverá ter se a percebido o seu uso no cálculo não é
confortável. Desta maneira vamos a seguir nos debruçar sobre a interpretação e o cálculo de
integrais de uma maneira muito mais simples. Acompanha!

Consideremos a função continua e positiva no intervalo limitado fechado a, b

y f(x)x
a

a b x
a

b
Assim: A interpretação geométrica do integral definido de a, b ( f ( x)dx ) é dada pela área

a

plana limitada pela função f , pelas paralelas ao eixo das ordenadas passando pelos pontos
limites de integração (a e b) e pelo eixo das abcissas

Em seguida vamos enunciar algumas propriedades do Integral definido

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática


6

Propriedades do integral definido


1- Se trocamos os limites do integral o mesmo muda de sinal

b a


a
f ( x)dx    f ( x)dx
b

2- Consideremos o intervalo a, b e seja c  a, b

Consideremos a função f continua e positiva no intervalo limitado fechado a, b


y f(x)x
a

a c b x
a

A área a tracejada é a soma das áreas parciais

b c b

 f ( x)dx   f ( x)dx   f ( x)dx


a a c

3 – Sendo K uma constante então

b b

 kf ( x)dx  k  f ( x)dx
a a

O integral é uma soma de infinitas parcelas o que permite pôr em vidência o factor comum k.

4- Teorema da média
O integral definido é igual à amplitude do intervalo pelo valor médio que a função toma nesse
intervalo
y f(x)x
a

a c b x
a

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática


7

 f ( x)dx  (b  a) f (c)
a
. Com

f ( x1 )  f ( x 2 )      f ( x n )
a  c  b e f (c)  lim
n   n

5-Teorema fundamental

x
Sendo  ( x)   f ( x)dx , a função  (x) é uma primitiva de
a
f (x )

Demonstração
y f(x)x
a

a x x+h x
+ a

1- As áreas definidas pela função y  f (x) nos intervalos a, x e a, x  h são dadas
respectivamente por:
x xh
 ( x)   f ( x)dx (1) e  ( x  h)   f ( x)dx (2)
a a

2- Subtraindo 2 e 1, vem:

xh x xh
 ( x  h)   ( x )  
a
f ( x)dx   f ( x)dx 
a
 f ( x)dx (3)
x

3- Aplicando ao integral definido em (3) o teorema da média, temos:


 ( x  h)   ( x)  ( x  h  x) f (c)  hf ( x  h) com 0    1
 ( x  h)   ( x )
 f ( x  h)  (4)
h

4- Aplicando a (4) limites quando h  0 , vem:


 ( x  h)   ( x )
lim  lim f ( x   h)
h 0 h h 0

Sendo o primeiro membro desta igualdade o limite da razão incremental vem:

x
 ( x)  f ( x)   ( x)   f ( x)dx . Como queríamos demonstrar.
a

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática


8

Regra de Newton – Leibniz


x x
1-Sendo,  ( x)  
a
f ( x)dx , também F ( x)   f ( x)dx desde que  (x ) e F (x ) difiram apenas
a

numa constante.

Assim temos:

x
 ( x)  F ( x)  c (1) e  ( x)   f ( x)dx (2)
a

2-Fazendo em (1) e (2), x  b vem:

 (b)  F (b)  c (3)

b
 (b)   f ( x)dx (4)
a

3- Fazendo em (1) e (2) x  a


 (a)  F (a)  c (5)

a
 (a)   f ( x)dx  0 (6)
a

4- Substituindo (6) em (5) vem:


0  F ( a )  c  F ( a )  c

Substituindo (7) em (3)

 (b)  F (b)  F (a) (8)

Substituindo (8) em (4) temos finalmente que

 f ( x)dx  F (b)  F (a)


a

A regra de Newton - Leibniz escreve se também da seguinte maneira

 f ( x)dx  F ( x)  F (b)  F (a)


b
a
a

Verifique o exemplo de como se aplica a regra de Newton - Leibniz

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática


9

Calcular os integrais

x
2
a) dx
Exemplo - 1 1

Resolução

2
2
 x3  2 3 13 8 1 7
1      
2
x dx  
 3 1 3 3 3 3 3

1
1
b)  (1  x)
0
2
dx

Resolução

1
 1  1  1
1
1
0 (1  x) 2 dx   x  1 0   2  1  2


4
Calcular o seguinte integral cos2 xdx 
0

Exemplo-2 Resolução:

1  cos 2 x
Sabe se cos2 x 
2

   
4 4
1  cos 2 x 4
1 14
 cos xdx  0 2  0 2 2 0 cos 2 x

2
dx dx
0

 
1 14  1
Logo: x 04    cos 2 xd ( 2 x)   sen2 x 04 
1
2 2 20 8 4
 1    1
  sen(2. )  sen(2.0)   
8 4 4  8 4
Caro estudante! Tem a seguir uma oportunidade para verificar se entendeu a formula
dada

Calcular
3, 5 1
dx y 2 dy
a)  5  4x  x 2
b)  y6  4
Actividade 2 0

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática


10

 1 1 5
a) b) ln
6 3 2

Exercícios
Calcular os seguintes integrais
2 8


a) ( x  2 x  3)dx 
b) ( 2 x  3 x )
2

Auto-avaliação 1 0

1 x
4 8
c)  dx d)  x2
1 x2 2

3 3
dx dx
e)  25  3x
f) x 2
1
0 2

1 1
xdx x 5 dx
g) 0 x 2  3x  2 h)  x2
1

4
dx dx
i)  x 2  4x  5 j) x
3
2
 3x  2
 2
4 2
dx

k) sec2 xdx

l) 
0 1 x2
6

Confira as suas Respostas


7 100 7 16 2 1 2
a) b) c) d) e)  f) ln
3 3 4 3 3 2 3
9 1
g) ln h) 35  32 ln 3 i) arctg3  arctg 2
8 15
4 1 
j) ln k) 1  l)
3 3 4

Vasco Cuambe e Salomão Munguambe- Departamento de Matemática