Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA


DEPARTAMENTO DE ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS

Disciplina: Anatomia dos Animais Domésticos II

Roteiro de estudos
Aparelho genital masculino

1. Testículos
a. Processo de descida testicular: Origina-se na cavidade abdominal e desce ao
escroto em diferentes períodos nas espécies animais, atravessando o canal
inguinal.
 Criptorquídico – animal com os dois testículos retidos na cavidade
abdominal
 Monorquídico – apenas um testículo se apresenta no escroto.
b. Posição destes no períneo em relação ao eixo longitudinal corporal:
 Vertical em bovinos, ovinos e caprinos,
 Horizontal em caninos e eqüinos,
 Oblíquo em felinos e suínos.
c. Formato: Elipsóides, sólidos e sem proporção corpórea.
d. Posição no escroto:
 Abaixo da parte caudal do abdômen, entre as coxas em bovinos, ovinos e
caprinos.
 Perineal em suínos e felinos. Próximo ao ânus.
 Intermediário em caninos e eqüinos.
e. Funículo espermático – delimitado pela camada parietal da túnica vaginal.
Contém o cordão espermático constituído de ducto deferente, artéria
testicular, veia testicular, vasos linfáticos e nervos. O músculo cremaster
apresenta-se entre a fáscia espermática externa e a camada parietal da túnica
vaginal.
f. Caminho dos espermatozóides: Túbulos seminíferos contorcidos e túbulos
seminíferos retos (compondo os lóbulos testiculares), rede testicular
(formada pela união dos túbulos seminíferos retos e ocupa o mediastino do
testículo), dúctulos eferentes (aproximadamente doze), ductos epididimários
(pares), ductos deferentes (pares), uretra pélvica, uretra extrapélvica
(peniana), óstio uretral externo.
g. Revestimento:
 Túnica albugínea – formada por tecido conjuntivo e músculo liso em
quantidade que varia de acordo com a espécie animal.
 Camada visceral da túnica vaginal – Reveste a túnica albugínea.
h. Regulação da atividade testicular – Temperaturas altas são lesivas para o
epitélio germinativo, mas não para a produção hormonal pelas Células de
Leydig.
 Ausência de gordura dentro da fáscia escrotal e a disposição
intracapsular dos vasos favorecem a dissipação de calor por irradiação.
 A presença de glândulas sudoríparas na superfície do escroto favorece a
dissipação do calor por evaporação.
 A ação do músculo cremaster, aproximando ou distanciando os testículos
em relação à cavidade abdominal.
 Presença do plexo pampiniforme
i. Fixação – Mesórquio.

2. Epidídimo
a. Divisão geral:
 Cabeça – fixada à extremidade capitata do testículo por
aproximadamente 12 dúctulos eferentes,
 Corpo – fixado à borda dorsal do testículo, levando à esta a denominação
de borda inserida do testículo e formando abaixo deste o seio do
epidídimo,
 Cauda – fixado à extremidade caudata do testículo pelo ligamento
próprio do testículo.

3. Ducto deferente
a. Trajeto – Inicia-se flexuoso, sendo mais retilíneo ao avançar para a cavidade
abdominal, medial ao epidídimo até alcançar o canal inguinal. Após a
passagem pelo anel vaginal e inguinal profundo, chega à superfície dorsal da
bexiga sob os ureteres. Segue caudomedialmente até formar as glândulas
ampulares (ampola do ducto deferente) desembocando na parede dorsal da
uretra pélvica em um óstio comum a estes e as glândulas vesiculares nas
espécies que a possuem, exceto o suíno.
b. Fixação:
 Mesoducto

4. Escroto
a. Camadas
 Pele – contém pêlos, glândulas sudoríparas e sebáceas.
 Túnica Dartos – constituída de músculo liso e dá origem ao septo do
escroto que divide a cavidade escrotal em duas bolsas.
 Fáscia espermática externa – Derivada da musculatura da parede lateral
do abdômen, oblíquo abdominal externo à margem do ânulo inguinal
superficial.
 Túnica Vaginal – Derivada do peritônio parietal da cavidade abdominal
invaginada através do ânulo inguinal profundo.
o Camada Parietal – reveste internamente o escroto.
o Camada Visceral* – reveste externamente os testículos, por sobre
a túnica albugínea.
*Obs. Mas comumente descrita como constituinte de camadas do testículo.

5. Glândulas reprodutivas acessórias do macho


a. Ampulares – Dilatação da porção terminal dos ductos deferentes.
Corresponde a especialização de mucosa e submucosa sem alteração de
lúmen. Eqüinos, bovinos, caprinos, ovinos a possuem bem desenvolvida;
cães apresentam vestígios e felinos não as possui.
b. Glândulas Vesiculares – Chamadas de vesículas seminais nos eqüinos
apresentando estrutura de vesícula com ápice, corpo e colo; apresenta
superfície nodosa (vários nódulos consistentes) em caprinos, ovinos,
bovinos e suínos; caninos e felinos não possuem.
c. Próstata – Apresenta, em geral, duas porções uma compacta e outra difusa
ou disseminada. Eqüinos apresentam apenas porção compacta dividida em
dois lobos interligados por um istmo. Ovinos e caprinos apresentam apenas
porção disseminada. Suínos e bovinos apresentam porção compacta mais
desenvolvida. Caninos e felinos apresentam porção compacta bastante
desenvolvida, globosa, de formato arredondado e vestígios da porção
disseminada.
d. Bulbouretrais – Bovinos, ovinos e caprinos possuem-nas, sendo
arredondadas neste último. Suínos apresentam-nas bastante desenvolvidas.
Caninos não as possui e felinos apresentam vestígios.

6. Uretra
a. Pélvica – Onde desembocam os ductos das glândulas acessórias, em sua
parede dorsal.
 Colículo seminal – corresponde à chegada dos ductos deferentes
 Ductos ejaculatórios – representando a desembocadura única das
secreções produzidas pelas glândulas ampulares e vesiculares de cada
lado, em dois óstios (óstios dos ductos ejaculatórios).
b. Extrapélvica (Peniana) – acompanha o corpo peniano da saída da pelve até o
óstio uretral externo.
7. Pênis
Localiza-se abaixo do tronco e preso ao assoalho da pelve por um ligamento
suspensor nas espécies maiores e sua extremidade distal está situada antes da cicatriz
umbilical. Nos felinos dispõe-se caudoventralmente.
a. Caracterização morfológica
 Fibroelástico – grande aposição de tecido conjuntivo nos tecidos
penianos. A ereção se dá, em grande parte, pela ação do músculo retrator
do pênis que libera flexura sigmóide ejetando o mesmo para fora da
bainha prepucial (nos ruminantes) e de certo modo pelo influxo de
sangue. Possuem pênis deste tipo, bovinos, ovinos, caprinos e suínos.
 Musculocavernoso – o tecido conjuntivo é substituído, em parte, por
tecido muscular. Conferindo, desta forma, septos com maior capacidade
de expansão durante o processo de ereção, havendo um aumento no
tamanho e diâmetro do pênis em função do ingurgitamento por sangue.
Possuem pênis deste tipo, o eqüino e de maneira atípica o cão.
b. Divisão externa:
 Base ou raiz – apresenta dois ramos de tecido cavernoso que se unem e
recebe um revestimento de túnica albugínea formando o corpo
cavernoso. Apresenta uma dilatação na saída da pelve, constituído de
tecido esponjoso, formando um bulbo.
 Corpo – porção mais longa, cilíndrica e vai da base à extremidade
cranial.
o Flexura sigmóide nos bovinos
 Glande – extremidade distal, formada pelo corpo esponjoso.
o Coroa
 Fossa da glande e seio da glande em eqüinos,
 Processo uretral em caprinos e ovinos projeta-se além da
glande do pênis, em bovinos é menos desenvolvido, em
eqüinos também ocorre.
o Colo
Obs. Cães apresentam uma glande bem desenvolvida com uma porção
bulbar (bulbo da glande do pênis) e uma porção distal cilíndrica.
c. Músculos associados ao pênis
 Bulboesponjoso – corresponde à continuação extrapélvica espessa do
uretral.
 Isquiocavernosos (pares) – emergem do arco isquiático e acompanha-o
até a fusão dos ramos do pênis.
 Retrator do pênis (pares) – liso, emerge das vértebras caudais e segue até
sua inserção no corpo peniano.
d. Vascularização
 Artéria pudenda interna
o Artérias do pênis
 Artéria do bulbo – Irriga o corpo esponjoso
 Artéria (ramo) profunda (o) – Irriga o corpo cavernoso
 Artéria dorsal – Segue até a extremidade livre
 Artéria obturatória (Eqüino) e Artéria pudenda externa podem fazer
anastomose com a artéria dorsal.
 Veias são amplamente satélites
e. Inervação
 Os nervos acompanham os vasos e, em geral, são fibras parassimpáticas
derivadas dos nervos pélvicos.

8. Prepúcio
a. Musculatura – Derivado do músculo cutâneo do tronco
 Músculo prepucial cranial
 Músculo prepucial caudal
b. Divisão geral
 Lâmina externa
 Lâmina interna
 Ânulo prepucial
 Cavidade prepucial
c. Vascularização
 Artéria pudenda externa – Ramos prepuciais

Você também pode gostar