Você está na página 1de 12

Apostila Do Massoterapeuta

A importância do PSOAS

Os músculos do corpo trabalham em uma


harmonia entre agonistas e antagonistas,
E entre alguns grupos específicos esta
relação torna-se vital para a saúde e
também o tônus muscular.
Uma relação IMPORTANTÍSSIMA se dá
entre o PSOAS e o RETO ABDOMINAL.
A importância do PSOAS
PSOAS
Este músculo nasce na parte superior da
coluna lombar, acompanhando a face
frontal das vértebras lombares ficando
próximo às abas do M. Diafragma que são
chamadas pilares .
Portanto o M. Psoas pode interferir no
padrão respiratório e na caixa torácica por
estar próximo aos dois locais.
Pilares do Diafragma
O M. Psoas insere-se no Fêmur, através de um tendão insere-se
no trocanter menor internamente, e esta é a ligação importante
entre o tronco e os membros inferiores.
Assim o Psoas compartilha uma região com o músculo Ilíaco, é
por isso que os estudiosos afirmam que se levarmos em conta
uma estrutura de miofáscia o Psoas pode ser considerado
extensão do Ilíaco.
O inverso também é verdadeiro, o que afetar o Psoas, afeta o
Ilíaco, a pelve e seu conteúdo e o diafragma.
O M. Psoas é importante também influencia na posição do sistema
esquelético.
Assim é possível ponderar que o psoas colabora para que se
mantenha um padrão normal de funcionamento protegendo as
vertebras lombares de anteriorização , deslizamentos ou compressões
discais, que é onde começa a construção da Hérnia discal e de um
sofrimento complexo e desgastante para a pessoa
Quando há um desalinhamento por qualquer que seja a
causa, a consequência será a musculatura se reajustando
ao novo padrão postural, exigindo mais trabalho de
músculos agonistas e antagonista em determinadas
regiões, e também o desgastes das estruturas discais que,
com uma pressão maior que a habitual iniciará
um processo de lesão das estruturas dos
anéis assim, o disco se moverá
lateralmente lançando-se sobre raízes
nervosas causado dor, desconforto e
limitação de movimento.
Em muitos casos quando o Psoas está ineficiente (fraco) isto
provoca um desnível visível, fazendo
com que caixa torácica apresente um deslocamento para baixo
e para frente, com uma atividade muito intensa do reto
abdominal e uma inoperância do romboide na parte posterior
do corpo.
Portanto é preciso aliviar o psoas a partir de seu tendão
inserido ao fêmur, assim também a região do ilíaco é trabalhada
e liberada gerando um condicionamento positivo de toda uma
região e trazendo consigo uma nova postura, agora mais solta e
leve.
Aqui está a representação da relação entre o reto abdominal e psoas.
Se acreditarmos que estes dois músculos dividem a carga no plano
anterior, eles podem ser tensionados, referir dor ou até encurtamentos
em períodos longos se submetidos à posturas de flexão de tronco por
muito tempo.
Assim é correto afirmar que um abdômen protuberante produz carga
excessiva ao reto abdominal e que a gravidade irá ajudar a construir a
anteroversão pélvica e todos os problemas que ao longo do tempo esta
situação proporcionar.
AVALIAÇÃO TRIPLA É IMPORTANTE

É uma prática comum do massoterapeuta procurar a QP (Queixa Principal),


colocar um protocolo de manobras em ação, gerar irrigação alívio dos pontos
tensionados e liberar o paciente, de acordo com uma afirmação por parte deste de que
está sentindo-se melhor.
Entretanto, em casos de vícios posturais, que fazem parte dos problemas ortopédicos,
isto não é suficiente, pois a DOR não é o problema da pessoa, o VÍCIO é que causa a dor
e a procura por ajuda.

Fazer uma avaliação mais abrangente é o que irá garantir que o profissional entregue o
resultado que o paciente procura, e ajude a manter um estado de equilíbrio pelo maior
tempo possível.

A AVALIAÇÃO PRECISA SER TÁTIL, VISUAL E RELATO;


TÁTIL : POR PALPAÇÃO PORCURA-SE PONTOS OU ÁREAS COM DOR REFERIDA OU
ANORMALIDADE.
VISUAL: ONDE O TERAPEUTA IRÁ BUSCAR ASSIMETRIAS E COMPENSAÇÕES;
RELATO: QUANDO O PACIENTE NARRA SUA QUEIXA E O TERAPEUTA BUSCA TRADUZIR
ESTA INFORMAÇÃO PARA UMA LINGUAGEM TÉCNICA DE SEU DOMÍNIO.
ENCONTRE O LOCAL OU REGIÃO DA QUEIXA PRINCIPAL;
FAÇA O MAPEAMENTO DOS MÚSCULOS ENVOLVIDOS;
REALIZE TESTES DE FUNÇÃO E MOBILIDADE PARA VALIDAR AS LIMITAÇÕES;
VERIFIQUE QUAIS FUNÇÕES DOS MÚSCULOS OU GRUPOS ESTÃO COMPROMETIDAS OU LIMITADAS;
APLIQUE A TÉCNICA QUE AVALIA-SE MELHOR PARA ATENDER AQUELE PROBLEMA;
REFAÇA OS TESTES PARA TER A NOÇÃO DE QUANTO ALÍVIO FOI GERADO (ESCALA DE 0% A 10%);
MONTE UM PROTOCOLO DE TRATAMENTO SE JULGAR NECESSÁRIO UM RETORNO;
PLANEJE CADA SESSÃO SEGUINTE POR PARTES ESPECÍFICAS DO QUE QUER CORRIGIR;
A CADA SESSÃO REALIZE AVALIAÇÕES PARA CONFERÊNCIA DO ESTADO E COMPARE COM A PRIMEIRA SESSÃO.
BOM TRABALHO
SUCESSO NOS RESULTADOS!