Você está na página 1de 33

Compartilhando dinâmicas 9: Batalha dos

descritores - Foco na Prova Brasil / SPAECE


postado por crisarrais novembro 15, 2017

Batalha dos gêneros/descritores

Essa atividade é muito interessante e dinâmica para trabalhar os descritores de

Língua Portuguesa ou matemática.

Como jogar:

- Cada quadrinho corresponde a um envelope com perguntas dos descritores, mas

poderão ser adaptadas com gêneros ou conteúdos das aulas.

- Após a decidir qual grupo vai começar, o representante do grupo escolherá uma

letra e um número. O professor deverá retirar a pergunta e entregar à equipe que em

5 minutos deverá ler, responder e justificar a resposta. Se acertarem, marcam ponto,

caso contrário, o ponto vai para a próxima equipe.

Você também pode variar o jogo utilizando gêneros textuais.


Compartilhando dinâmicas 8:Trilha dos descritores -
Foco na Prova Brasil / SPAECE
postado por crisarrais novembro 15, 2017

Trilha dos descritores

Essa atividade é muito interessante e dinâmica para trabalhar os descritores de

Língua Portuguesa ou matemática.

Como jogar:

- Cada quadrinho corresponde a um envelope com perguntas dos descritores, mas poderão

ser adaptadas com gêneros ou conteúdos das aulas.

- Após a decidir qual grupo vai começar, o representante do grupo escolherá uma letra e um

número. O professor deverá retirar a pergunta e entregar à equipe que em 5 minutos deverá
ler, responder e justificar a resposta. Se acertarem, marcam ponto, caso contrário, o ponto

vai para a próxima equipe.

Como jogar:

- Abaixo de cada número deverá ter 4 perguntas correspondentes ao número do descritor.

Exemplo: no quadrinho 7, só terão perguntas relacionadas ao descritor 7 e assim por diante.

- Para começar o jogo, os alunos devem “tirar” par ou ímpar. Quem ganhar, joga o dado,

inicialmente.

- Depois de cada jogada do dado, o aluno deve andar a quantidade de casa que ele retirar.

Exemplo: no dado, “deu 4”, então o jogador deve andar 4 casas, escolher uma pergunta

abaixo do número e responder. Se acertar, fica na casa, se não, volta ao início ou não sai da

casa que estava.

- Ganha quem chegar primeiro ao final!

O QUE SÃO GÊNEROS TEXTUAIS? SAIBA


EXATAMENTE TUDO NESTE ARTIGO
*Última atualização: 03/06/2019

 João Matos
 7706 Visualizações
 Like
 2 Comentário

 15TOTAL




Gêneros textuais são classificações dadas aos textos conforme o


formato, o conteúdo e o estilo.
Geralmente afirmamos que um texto é um poema, por exemplo,
quando vem escrito em versos (formato), traz uma forma muito
pessoal, subjetiva de expressão (conteúdo) e apresenta linguagem
figurada e muito trabalhada com os recursos da língua (estilo).
Os gêneros textuais mais convencionais possuem uma estrutura
predefinida, como lhe mostrei no exemplo acima, mas há casos em que
novos gêneros formam-se, a partir dos já existentes.
É o que podemos afirmar do soneto, que é um tipo de poema, porém
curto e com a quantidade de versos e estrofes já determinadas.
Continue lendo e este artigo e você verá não só como os gêneros
textuais formam-se, como também alguns dos mais conhecidos e suas
principais características, com exemplos, estórias e muito mais.
Então, vamos em frente?

O que você verá neste artigo:


 Como se formam os gêneros textuais
 Gêneros e tipologias textuais
 Uma estória para ilustrar
 Gêneros textuais na comunicação
 1. Artigo de opinião
 2. Carta
 3. Conto
 4. Crônica
 5. Diário
 6. E-mail
 7. Notícia
 8. Poema
 9. Relatório
 10. Resenha crítica
 Conclusão (gêneros textuais)

Como se formam os gêneros


textuais
Os textos, que é uma das formas pelas quais nos comunicamos,
encaixam-se em gêneros textuais.
Este aqui, sim, este mesmo que você está lendo, foi composto com o
formato, o conteúdo e o estilo de um gênero chamado artigo, que, como
todos os outros, tem as suas próprias características.
Mas nem sempre os textos apresentam um gênero que seja facilmente
identificável, já que podemos nos comunicar de infinitas maneiras; por
isso a quantidade de gêneros pode ser incalculável.
A quantidade equivale, para fazer uma comparação, a das imagens
formadas pelo computador. É possível dizer qual é o volume de
imagens geradas? Jamais! Assim são os gêneros dos textos.
A manifestação das ideias é diversificada porque, além da imensa
variedade das atividades que desempenhamos, que pedem formas
específicas de se comunicar, há no contato entre os indivíduos a
interação; e esta leva um a interferir na forma como o outro se
manifesta.
Dessa forma, toda a comunicação considera quem fala, com
quem fala, sobre o que fala e com qual finalidade fala, levando
os indivíduos a optarem por um gênero já existente ou pela geração de
novos gêneros a cada tempo.
E para citar um exemplo de criação de novos gêneros da atualidade,
basta pensarmos nos textos veiculados no WhatsApp.
Quando lemos esses textos não identificamos logo que são típicos do
WhatsApp?

Gêneros e tipologias textuais


Enquanto os gêneros equivalem às imagens do computador,
em quantidade, os tipos textuais equivalem às cores que as
formam, que são somente três: azul, vermelho e verde.
(Não acredita? Ponha uma lupa na tela do computador!)
São eles: narração, descrição e dissertação. E assim como as cores
formam as imagens, misturando-se, esses três tipos formam todos os
gêneros, também se misturando.
Em um mesmo poema, para citar o exemplo dado acima, podemos
encontrar partes narrativas, dissertativas e descritivas. Vai depender
muito do tipo do poema.
Há quem diga que há outros tipos, mas os grandes teóricos, cuja
experiência e currículo dão-lhes autoridade, não sustentam essa tese.
Em resumo, inúmeros são os gêneros; três são os tipos: narração,
descrição e dissertação.
→ Se você quiser saber mais sobre tipologia textual, leia este artigo
aqui.
Para não ficar nenhuma dúvida sobre como os gêneros textuais se
formam e como atuam na comunicação, vou contar uma estória para
ilustrar.

Uma estória para ilustrar


Por conta de longo período de seca, uma pequena cidade teve seus reservatórios
diminuídos fazendo com que a população praticamente ficasse sem
água. (Qualquer similaridade com a vida real é simples coincidência.)

Diante disso, o Governo decidiu entregar água em caminhões para a


população, mas com uma peculiaridade: cada família receberia a
medida exata conforme seus costumes.
Então, as regras foram as seguintes:

 para um lar com cinco integrantes, o Governo entregava cinco


baldes;
 para os filhos pequenos, baldes menores; para os adultos,
maiores;
 se algum integrante não gostava de tomar banho, o tamanho do
balde era mais ainda diminuído;
 se algum tivesse mais sede do que a média das outras pessoas, os
fiscais aumentavam um pouquinho o tamanho do balde;
 se nascesse uma criança, a família ganhava um novo balde;
 se a família hospedasse alguém, cada membro tinha de doar um
pouquinho da sua água para encher o balde do visitante, pois o
Governo não cedia o líquido para quem não era da família.

Leia também: Aprenda Se Divertindo: Todas As Figuras de


Linguagem em Uma Hilariante História!

E assim, com o passar do tempo, o Governo percebeu que, para receber


mais água, muitas famílias estavam fraudando as fichas de cadastro
que informavam a quantidade de moradores. (Insisto: qualquer
semelhança com a realidade é coincidência.)
A medida adotada para coibir foi enviar um fiscal psicólogo para
interrogar o(a) chefe de família acerca da real necessidade de cada
balde, sempre olhando nos olhos e detectando as possíveis
mentiras contadas.

Gêneros textuais na
comunicação
Essa breve estória ilustra de forma figurativa o funcionamento dos
gêneros textuais no meio social.
Os gêneros são os baldes de água. Conforme a nossa necessidade de
comunicação, cada um de nós utiliza-os. Exemplo: para veicular sua
sátira, aquele que gosta de fazer humor vai usar o gênero piada.
O surgimento de novos gêneros equivalem, na estória, ao nascimento
de crianças.
Já, quando um gênero surge a partir de outro, como no exemplo do
soneto que dei, a referência é a chegada de um hóspede, exigindo dos
moradores cederem um pouquinho de suas águas, isto é, com as partes
de outros gêneros formam-se novos.
Agora, a comparação mais interessante. A interação que ocorre nas
comunicações entre os indivíduos equivale ao fiscal psicólogo, cujos
olhos examinavam atentamente o outro com quem conversava.
Na interação do dia a dia, o exame que os outros fazem em nós, leva
à escolha desse ou daquele gênero na comunicação.
Posso citar, como exemplo, este artigo mesmo. Ao escrever, tenho uma
ideia muito clara de você, meu leitor. Isso me faz levar em consideração
que preciso passar essas informações em forma de artigo, com este tipo
de linguagem, com este formato etc.
É como se você estivesse face a face comigo na hora de escrever!
Enfim, os gêneros surgem para atender à necessidade da própria
comunicação e tornam-se cada vez mais numerosos conforme o
convívio social.
Vamos ver agora alguns dos (muitos) gêneros existentes e suas
características.

1. Artigo de opinião
O artigo de opinião é um texto que faz uso de um fato atual
para manifestar uma opinião a respeito daquele assunto.
Diferentemente do editorial, o artigo de opinião é assinado, deixando
claro que aquele posicionamento sobre o assunto abordado não
pertence ao veículo onde é publicado, mas a uma pessoa específica.
Características: é um texto dissertativo, cuja finalidade é convencer o
leitor a respeito da opinião do escritor.
Para fortalecer seus argumentos, o escritor lança mão de muitas
informações sobre o assunto, inclusive com dados estatísticos de fontes
confiáveis.
Exemplo:
Quando Lula visualizou em sua bola de cristal, durante a crise
econômica de 2008, que no Brasil só chegaria uma “marolinha” do
tsunami que estava na Zona do Euro, ele não enxergou (ou não quis
enxergar) o dilúvio que estava reservado para nós nos anos vindouros.
E a chuva já começou a cair, segundo os dados divulgados ontem pelo
Banco Central, que registrou um recuo de 4,08% no PIB de 2015, o
maior em 25 anos. E não para por aí: a última pesquisa do IBGE
apontou que o desemprego cresceu 41,5% em um ano e bateu o
recorde.

2. Carta
A carta é um texto que tem inúmeras funções, dentre elas comunicar,
pedir, informar, convencer alguém de alguma coisa, entre outras.
O seu diferencial é que ela é escrita normalmente para um
destinatário específico ou para um grupo comum de pessoas;
por isso, seu conteúdo é personalizado.
Características: o tipo de texto que é utilizado vai depender do
propósito dela, pode ser dissertativo, se for para fazer um pedido a uma
autoridade; descritivo e narrativo, para contar novidades para um
parente, e por aí vai.
Sua estrutura varia quanto à formalidade (para autoridades ou
representantes de departamentos) ou informalidade (para pessoas
íntimas), mas o que é invariável em todas é a presença de cabeçalho,
saudação, conteúdo, fecho e assinatura.
Exemplo:
Como vocês estão? Tudo Bem? Espero que estejam muito bem e com
muita saúde. Estou no último semestre da faculdade e, se Deus quiser,
no fim do ano serei um engenheiro. Foi um ano difícil, estudei e
trabalhei muito, mas já começo a ver os frutos do meu esforço,
porquanto recebi uma promoção no meu trabalho no mês passado.

3. Conto
O conto é um texto em forma de narrativa cuja finalidade é contar uma
estória, relatando um fato surpreendente ou inusitado.
Diferentemente de um romance, no conto as ações giram em torno de
um único fato, que é construído com o foco no desfecho.
Características: é um texto escrito com todos os tipos de texto, mas
com o predomínio da narração.

Leia também: 50 Figuras de Linguagem para “Turbinar” o Seu Texto


- Parte 2
Tem caráter ficcional, poucos personagens e narrativa relativamente
curta, com intenção de causar no leitor um efeito de entusiasmo.
Exemplo:
Vinha pedalando. Do nada, um mastodôntico caminhão passou ao meu
lado e jogou-me uma enxurrada de lama. Pior, depois disso, eu
pedalava, pedalava, pedalava e não saía do lugar, derrapava no barro
imundo. De repente, uma voz sussurrou: “Aquele caminhão é as
adversidades; a bicicleta que montas, tua resistência”.
→ Se quiser ler o conto na íntegra, clique aqui.

NÃO FIQUE DESATUALIZADO!


Coloque seu e-mail abaixo para receber gratuitamente um conteúdo exclusivo.

SIM, CLARO!

4. Crônica
A crônica é um texto que faz um relato sobre algum
acontecimento do cotidiano, mostrando as possíveis
implicações e/ou as impressões que causou no autor.
No artigo de opinião, o autor tem uma postura mais crítica e aborda
assuntos relevantes do momento; já na crônica, os assuntos são
corriqueiros ou irrelevantes para o leitor, mas apresentados com uma
visão bem-humorada ou irônica.
Características: pode apresentar narração, descrição e dissertação, mas
sempre com linguagem pessoal.
São descritos fatos reais, mas não com a objetividade de um jornalista;
o texto e o relato são curtos, mas traz uma reflexão sobre aquilo que foi
relatado.
Exemplo:
Minha filha nunca me havia feito a pergunta “por quê?”, sempre que eu
lhe respondia a uma pergunta. Até então, minhas respostas eram
soberanas e definitivas, iam sempre acompanhadas de um tom de
sapiência e presunção para dar conta de todas as dúvidas infantis. Mas
eis que um dia aquela criaturinha, com sua maturação de 2 anos, não
se contentou com a minha resposta e perguntou: “por quê?”; para meu
desespero, quando respondi, veio outro “por que” na sequência, e
outro, e outro, e outro…

5. Diário
O diário é um texto de caráter pessoal, que visa a narrar
acontecimentos reais do dia a dia do autor, ou fazer reflexões
sobre eles.
Ao contrário da crônica, que é feita para ser compartilhada, o diário
quase nunca é para ser dividido com outro leitor que não seja o próprio
autor; além disso, não usa linguagem irônica como aquela.
Características: pode ser escrito com qualquer tipo de texto; a escolha
dá-se conforme a proposta de conteúdo no momento da escrita.
Geralmente ele é escrito com diversas finalidades, com linguagem
coloquial e com a inclusão da data nos eventos narrados.
Exemplo:
Querido diário, hoje faltou energia em casa e fiquei muito entediado.
Detesto ficar sem energia! Mas aconteceu uma coisa muito legal:
peguei o meu walkman e comecei a ouvir rádio; nenhuma emissora
agradava-me, até que parei em uma em que estava sendo narrada uma
história com efeitos sonoros e tudo; um tipo de novela de rádio igual às
do passado, só que com uma trama cheia de aventuras. Pelo nome do
programa já dava para ter uma ideia do quão pitorescas seriam as
narrativas: ‘Labirinto, Prisioneiros da Imaginação’.

6. E-mail
O e-mail é um texto que contém mensagens rápidas e é, em
geral, constituído de informações atuais e de aplicação
imediata.
O que o diferencia da carta é a velocidade como acontece, a redução na
quantidade de assuntos, na extensão, e na espera pelo tempo de
reposta.
Características: a exemplo da maioria dos outros textos, o tipo
empregado varia conforme a finalidade do e-mail.
Em geral ele é um texto curto, que trata de um ou dois assuntos – não
mais que isso – com linguagem que varia de acordo com o interlocutor;
para ele é dispensável a inclusão da data, por esta ser adicionada
automaticamente pelos meios eletrônicos.
Exemplo:
Estou enviando anexo um relatório para a avaliação dos Srs. Ele traz as
principais ações desenvolvidas no setor no mês passado. Peço que, até
o fim da semana, retornem-me com ideias para melhorias dos
procedimentos de trabalho adotados, para que possamos otimizar o
tempo e aumentar o nosso lucro.

7. Notícia
A notícia é um texto que tem por objetivo divulgar uma informação
relevante, de forma direta, objetiva e com dados fundamentais
para a compreensão do ocorrido.
Embora tanto a notícia quanto o artigo de opinião divulguem um
acontecimento, a primeira só divulga a informação, sem apresentar
juízos ou comentários analíticos que demonstrem explicitamente a
opinião do escritor.
Características: é escrito com o predomínio da narração, mas utiliza
também a descrição. Trabalha com eventos reais, que chamem a
atenção para a maioria das pessoas.
Em sua construção, vai direto ao ponto, indicando primeiramente o
que ocorreu, com quem, quando, onde e por quê.
Exemplo:
O corpo do pedreiro Sebastião da Silva, de 42 anos, foi encontrado na
madrugada desta terça-feira às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas. A
vítima, que não apresentava sinais de violência, foi achada por um vigia
que fazia ronda em uma construção civil próxima do local.

8. Poema
O poema é um texto escrito em versos, dispostos em estrofes,
e tradicionalmente é feito com rimas; sua linguagem é mais
emotiva e pessoal do que a maioria dos textos.

Leia também: Como Fazer Redações Incríveis Usando Diferentes


Tipos de Textos

O que o diferencia de um texto informativo é que ele não tem o


compromisso de passar uma informação, necessariamente, mas sim
propor uma reflexão ou narrar algo sobre a exclusiva ótica do poeta.
Características: nele, encontra-se uma mistura de todos os tipos de
texto. Os versos são iniciados com letra maiúscula em grande parte das
vezes.
Outra característica marcante é o trabalho realizado com as palavras,
quase sempre adornadas com a utilização de figuras de linguagem,
que visam a embelezar o texto, transformando-o em uma obra de arte.
Exemplo:
Alexandrina, ninfa triste e bela,
Se pare a noite, o dia parturiente,
Falta de ti meu peito gentil sente,
Na solidão que a fria treva vela.

9. Relatório
O relatório é um texto que tem por objetivo registrar um
trabalho experimental, com o intuito de divulgar qual foi o
estudo realizado, a análise e os resultados obtidos.
A diferença entre ele e outros textos informativos quaisquer é que o
relatório tem a finalidade de não só expor fatos, mas também de
comprová-los através da apresentação de justificativas.
Características: o seu texto é escrito com o tipo dissertativo-expositivo,
língua padrão e frases mais enxutas, que empregam a ordem direta dos
termos: sujeito-verbo-complemento.
Além da exposição dos fatos, o relatório demonstra evidências e faz
uma interpretação dos dados coletados.
Exemplo:
O estudo do meio foi realizado no Centro Cultural Banco do Brasil, com
a exposição Arte de Cuba, exibida de 31 de janeiro a 23 de abril de
2006 em São Paulo. O museu localiza-se na rua Álvares Penteado, 112,
esquina com a rua da Quitanda, na Praça da Sé; possui cinco andares
mais um subsolo e um mezanino. Sua extensão é de 4183 metros
quadrados. A exposição trouxe cento e dezessete obras das
manifestações artísticas cubanas, abrangendo pinturas, esculturas,
vídeos, fotografias, entre outras. O período englobado foi desde o início
do século XX até a contemporaneidade.

10. Resenha crítica


A resenha crítica é um texto que traz o resumo de um livro,
juntamente com uma opinião favorável ou desfavorável a
respeito daquele conteúdo, com o intuito de orientar pessoas que
tenham o interesse na leitura daquela obra.
A principal diferença desse tipo de resenha é exatamente a crítica que o
resenhista faz após o resumo.
Características: no resumo, usa tipos de texto variados, conforme o
material que foi resenhado; na parte da crítica, um texto mais voltado
para o dissertativo-argumentativo.
Além da avaliação do livro, ela deve apontar outras informações, como
o nome da obra, informações do autor, a que conclusão ele chegou etc.
Exemplo:
O livro A Palavra é Sua, escrito por Celso Luft e Maria Helena Correa,
pertence a uma coleção que está sendo adotada pelo Governo para o
ensino fundamental nas escolas do Estado. Dentre os inúmeros fatores
que contribuíram para a sua aceitação, um que chama atenção é a
variedade temática abordada em seus textos, que também são de
gêneros diversificados, e as indicações de leituras complementares que
traz.

Conclusão (gêneros textuais)


Vimos neste artigo que os gêneros textuais são classificações dadas aos
textos. Além disso, vimos:

1. Como se formam: a partir de uma necessidade da própria


comunicação
2. A diferença entre gêneros e tipos textuais: que, em quantidade,
os tipos equivalem às cores do computador e os gêneros, às
imagens
3. Uma estória para ilustrar: a estória de uma cidade que recebia
água do governo na medida da necessidade
4. Os gêneros textuais na comunicação: que os gêneros são como os
baldes de água, na ilustração feita pela estória
5. Diversos textos com variados gêneros para que você possa
aplicar:

a. Artigo de opinião
b. Carta
c. Conto
d. Crônica
e. Diário
f. E-mail
g. Notícia
h. Poema
i. Relatório
j. Resenha crítica

Esses foram alguns exemplos. Não seria possível trazer todos aqui, pela
infinidade existente.
Mas caso você precise escrever algum diferente destes, veja exemplos,
analise a linguagem e verifique as características dele antes de
começar.
O importante é assimilar a estrutura de cada um.
Para finalizar, no vídeo abaixo há mais alguns detalhes sobre os
gêneros textuais:
Se você gostou, comente, compartilhe nas redes sociais e inscreva-se
com seu e-mail para receber mais textos como este.
Espero que essas informações sobre gêneros textuais tenham lhe
ajudado nessa jornada rumo ao conhecimento. Sucesso sempre…

Você também pode gostar