Você está na página 1de 13

1º Grupo

Ana Cléria J. F. Rafumane


Cremildo Breu Farenda
Eduarda Agostinho N. de Pilatos
Folavio Armando
Hamod Vicente Mujaide
Jorge Elias Juliasse
Ornildo Baptista
Paula Jaime N. Singano

ESCOG
1º Ano, Contabilidade Com Habilitações em Auditoria

Trabalho de Contabilidade Financeira

Tema: Documentos Comerciais

Quelimane, Junho de 2018


Universidade Pedagógica
1º Grupo
Ana Cléria J. F. Rafumane
Cremildo Breu Farenda
Eduarda Agostinho N. de Pilatos
Folavio Armando
Hamod Vicente Mujaide
Jorge Elias Juliasse
Ornildo Baptista
Paula Jaime N. Singano

ESCOG
3º Ano, Contabilidade Com Habilitações em Auditoria

Tema: Documentos Comerciais

Trabalho de caracter avaliativo a ser


entregue ao docente da cadeira de
Contabilidade Financeira, dra Rui
César Salato.

Quelimane , Junho de 2018


Universidade Pedagógica
Índice
1. INTRODUÇÃO ....................................................................................................................... 3
2. OBJECTIVOS .......................................................................................................................... 4
2.1. Geral .................................................................................................................................. 4
2.2. Especifico.......................................................................................................................... 4
3. METODOLOGIA .................................................................................................................... 4
4. NOÇÃO DE DOCUMENTO ................................................................................................... 5
5. DOCUMENTOS COMERCIAIS ............................................................................................ 5
5.1. Tipos de Documentação comercial ................................................................................... 5
5.1.1. Factura ........................................................................................................................... 6
5.1.2. Factura Electrónica ........................................................................................................ 6
5.1.3. Recibo............................................................................................................................ 6
5.1.4. Nota de encomenda ....................................................................................................... 7
5.1.5. Guia de Remessa ........................................................................................................... 7
5.1.6. Nota de Crédito ............................................................................................................. 8
5.1.7. Nota de Débito .............................................................................................................. 9
5.1.8. Carta comercial ............................................................................................................. 9
6. CONCLUSÃO ......................................................................................................................... 9
7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................... 11
3

1. INTRODUÇÃO

As empresas realizam diversas transações com os seus clientes e fornecedores, e com isso, é de
extrema importância o uso de documentos que suportam a existência e conformidade das mesmas
transacções realizadas por estes. Os documentos comerciais, são o suporte de qualquer operação
financeira realizada por uma empresa, quer seja com os seus clientes ou com os seus
fornecedores.

No presente trabalho iremos falar sobre os documentos comercias, seus tipos, funcionalidade e
elementos que fazem parte de cada tipo de documento comercial.
4

2. OBJECTIVOS

2.1. Geral
 Saber o que é são documentos comerciais e quais são.

2.2.Especifico
 Definir os documentos comerciais;
 Conhecer os tipos de documentos comerciais;
 Identificar os itens que constam em cada tipo de documento comercial.

3. METODOLOGIA
O método usado para a realização do presente trabalho foi o método qualitativo e o tipo de
pesquisa empregue foi a pesquisa bibliográfica, pois colectamos as informações em obras e
artigos da internet, e fizemos a posterior compilação e organização de acordo com os nossos
objectivos. Para (Marconi e Lakatos, 2003, p.183) a pesquisa bibliográfica, ou de fontes
secundárias, abrange toda bibliografia já tornada pública em relação ao tema de estudo, desde
publicações avulsas, boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses, material
cartográfico etc.
5

4. NOÇÃO DE DOCUMENTO

Documento é qualquer objecto elaborado por uma pessoa com o fim de reproduzir ou representar
uma pessoa, coisa ou facto. Trata-se de uma noção muito ampla nos termos da qual qualquer
objecto (uma fotografia, um filme, uma gravação de áudio, etc.) desde que tendo o fim de
reproduzir algo (uma pessoa, uma coisa ou, em termos mais genéricos, um facto), constitui um
documento (FERREIRA, p.4, 2004).

Porém, e para efeitos do nosso trabalho, só nos interessam os documentos escritos, os que
apresentam maior importância já que é neles que se baseia a maior parte das operações
comerciais.

5. DOCUMENTOS COMERCIAIS

Documentos Comerciais são impressos onde são registados os fenómenos Económicos e


financeiros com a indicação das suas características qualitativas e quantitativas no tempo e
espaço ou seja constituem meios de provas das transacções comerciais em caso de contestação,
servem de base para lançamentos efectuado nos diversos livros e tem por conseguinte maior
importância ao constituir a base a partir da qual se elabora toda a informação contabilística
(LAZARO, 2011)1.

5.1. Tipos de Documentação comercial


 Factura
 Guia de remessa
 Nota de encomenda
 Nota de débito
 Nota de crédito
 Recibo
 Carta comercial

1Disponivel em: http://diariodoeconomista.blogspot.com/2010/04/documentos-comerciais-definicao-e.html, acessado aos 30 de Maio de 2018,


09:30H
6

5.1.1.Factura

A factura é a descrição de uma dívida e uma indicação do que deve pagar. Permite controlar,
antes do pagamento, se o montante reclamado é exacto e justificado, nomeadamente se
corresponde ao orçamento anteriormente estabelecido, se a taxa do IVA aplicada é a correcta, etc.
Pode igualmente ser uma prova de compra para o consumidor na hipótese de não se terem
efectuado nem um orçamento, nem uma nota de encomenda. Por tanto, na factura deve constar o
seguinte:

 Data e número sequencial;


 Identificação do vendedor ou prestador de serviços (nome, firma ou denominação social,
morada da sede ou domicílio);
 Identificação do consumidor;
 Identificação fiscal do profissional e do consumidor;
 A quantidade e denominação usual dos bens ou serviços, com especificação dos
elementos necessários à determinação da taxa de imposto aplicável;
 O preço líquido antes do imposto;
 As taxas aplicáveis e o montante do imposto devido (IVA);
 O motivo justificativo da não aplicação do imposto, se for caso disso.
5.1.2. Factura Electrónica

A factura electrónica é um documento comercial semelhante à versão em papel, mas distribuído


em ficheiro informático. Tem a mesma validade das facturas em papel desde que haja acordo
prévio entre as empresas envolvidas na troca digital de informação, seja garantida a autenticidade
da origem e a integridade do conteúdo através de uma assinatura digital ou EDI (electronic data
interchange), e o arquivo em suporte electrónico preste acesso on-line à Administração Fiscal e
assegure a integridade da origem e do conteúdo.

5.1.3. Recibo

Recibo vem do verbo receber, é a declaração escrita de ter comprado ou recebido alguma coisa,
documento comprovativo. O recibo de compra é muito importante pois funciona como um
comprovante de que adquirimos o produto. Em caso de qualquer problema, devemos apresentá-lo
possibilitando assim hipótese de defesa do consumidor
7

5.1.4. Nota de encomenda

A nota de encomenda é o documento escrito no qual o vendedor e o consumidor registam o seu


acordo sobre o objecto e o preço da venda, quando o consumidor não pode levar imediatamente o
bem comprado. A nota de encomenda pode ou não ser assinada pelo consumidor, mas em ambos
os casos pode constituir um contrato. Logo que haja acordo as partes estão, em princípio,
obrigadas a concretizar a compra e venda, no sentido jurídico deste termo. O facto do pagamento
e da entrega ocorrerem mais tarde não altera nada, especialmente na chamada compra e venda
tradicional. Portanto, a nota de encomenda é uma prova de promessa de compra e venda.

Numa nota de encomenda devem constar:

 Nome, firma ou denominação social, sede ou domicílio e número de identificação fiscal


da empresa que faz a encomenda;
 Nome, firma ou denominação social, sede ou domicílio e número de identificação fiscal
do fornecedor; • especificação dos bens, com a indicação das quantidades;
 Número e data da encomenda; • preço dos bens encomendados;
 Condições de pagamento;
 Data de entrega;
 Indicações específicas relacionadas com o transporte dos bens; • outras indicações
julgadas úteis por ambas as partem;
 Assinatura da empresa que faz a encomenda.

Em muitos casos, as notas de encomenda apresentam ainda, impressas no verso, as condições


gerais de compra que definem os termos do contrato de fornecimento. O número de cópias de
uma nota de encomenda depende, fundamentalmente, da organização das empresas envolvidas.

5.1.5. Guia de Remessa

A guia de remessa constitui o documento de entrega dos bens a fornecer. Isto não significa que o
Documento de Entrega não se possa apresentar sob outra forma; por exemplo, o fornecedor ao
entregar os bens pode solicitar que a recepção dos mesmos lhe seja confirmada na Nota de
encomenda. Ainda assim, a guia de remessa é o documento específico a utilizar para esta
finalidade.
8

As guias de remessa devem conter, pelo menos, os seguintes elementos:

 Nome, firma ou denominação social, sede ou domicílio e número de identificação fiscal


do remetente;
 Nome, firma ou denominação social, sede ou domicílio e número de identificação fiscal
do destinatário ou adquirente;
 Número e data da guia;
 Especificação dos bens, com a indicação das quantidades;
 Locais de carga e descarga e data e hora de início do transporte, quando forem utilizadas
como documento de transporte.

As guias de remessa serão substituídas por guias ou notas de devolução, quando se trate de
devoluções de mercadorias anteriormente transaccionadas entre as mesmas pessoas.

5.1.6. Nota de Crédito

A Nota de Crédito é um documento comercial emitido por um vendedor a um comprador. Ela


indica quantidades, preços e formas de pagamento (dentre outros) acordados entre vendedor e o
comprador para produtos e/ou serviço, cujo comprador não pagou, não recebeu, ou devolveu. A
Nota de Crédito pode também ser emitida no caso de mercadorias danificadas, erros ou reajustes.
Uma Nota de Crédito pode reduzir ou eliminar o montante que o comprador tem de pagar ao
vendedor, em relação ao original da factura emitida anteriormente. A Nota de Crédito geralmente
contém: Código, Data, Endereço de facturamento, Endereço de Entrega, Condições de
Pagamento, Lista de Produtos com preços e quantidades. Normalmente ela também referências a
factura original e pode estar especificada a razão de sua emissão. O vendedor geralmente emite
uma Nota de Crédito para igual ou menor valor do que a factura original, em seguida, reembolsa
o dinheiro ao comprador ou abate este Crédito de um saldo devedor de outras possíveis
transacções do mesmo comprador
9

5.1.7. Nota de Débito

A nota de débito diz que seu sacado é devedor do sacador. Uma de suas utilizações práticas é
para a cobrança de encargos referentes a duplicatas e outros títulos que tenham sido pagos em
cartório. Cabe ressaltar que a nota de débito não é título de crédito, não sendo passível de
protesto, tampouco de acção judicial de execução de dívida. Através da emissão de uma nota de
débito, pondera-se debitar-se um determinado valor monetário a um cliente. Esta operação
originará um acréscimo da dívida desse cliente (sendo devedor) ou uma diminuição do seu
crédito (sendo credor). A nota de débito é utilizada frequentemente para debitar encargos por
conta do cliente, despesas com serviços bancários, juros, taxas, etc.

5.1.8. Carta comercial

A correspondência comercial é o tipo mais habitual de comunicação escrita no mundo


empresarial. Deve ser bem redigido, sem erros ortográficos e construções gramaticais incorrectas
ou rebuscadas. As cartas comerciais devem ter a seguinte estrutura:

 O timbre;
 A data;
 O destinatário;
 O registo e a referência;
 O assunto;
 O cabeçalho;
 O texto;
 Despedida;
 A assinatura.

6. CONCLUSÃO
10

Ao terminar o trabalho pudemos concluir que os documentos comerciais são importantes


comprovativos das transações comerciais, que servem de suporte na contabilidade, pois, os
lançamentos são realizados com base nesses mesmos documentos.
11

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MARCONI, M. de A..Fundamentos de Metodologia Cientifica. 5ª Edição. São Paulo. Editora


atlas S.A.. 2003.

FERREIRA, Abel. Documentação Comercial. Lisboa. ISG. 2004.

http://diariodoeconomista.blogspot.com/2010/04/documentos-comerciais-definicao-e.html,
acessado aos 30 de Maio de 2018, 09:30H