Você está na página 1de 33

Ásana

Ásana, literalmente, significa sentar. “Ásana é estável e


confortável” (sthira sukham ásanam). Essa é a definição de
Pátañjali do Yoga Sútra, capítulo II, 46 – a obra fundamental do
Yoga. Segundo tal definição, o número de ásanas é infinito.
Outra frase, esta atribuída a Shiva, confirma a de Pátañjali:
há tantos ásanas quantos seres vivos sobre a Terra.
Durante milhares de anos, o conceito de ásana esteve
ligado às posições sentadas e ao local para se sentar e praticar
samyama. No século XI Goraksha escreve o primeiro texto de
que se tem relato a respeito do Hatha Yoga. Neste documento,
ele menciona os dois ásanas mais importantes para o yoga: o
siddhásana e o padmásana. No século XV surge o Hatha Yoga
Pradipika, de autoria do mestre Swatimarama. Ele começa seu
texto dizendo que o Hatha Yoga é a escadaria para quem quer
chegar ao elevado Raja Yoga. Nesta obra são descritos 15
ásanas, dos quais 5 são sentados. Novamente são descritos
como sendo os mais importantes o siddhásana e o padmasana.
E dos textos clássicos, o mais recente é o Gheranda Samhita
datado do século XVII com 32 ásanas, dos quais 5 são
sentadas.
Sivananda em seu livro Kundalini Yoga inicia sua explicação
a respeito dos ásanas indicando quatro posições sentadas como
sendo as indicadas para a realização de meditação e de Japa.
Sivananda acrescenta que devemos conseguir permanecer por
3 horas imóveis na posição.
E quando surgiram os milhares de ásanas, as posições
acrobáticas que costumamos ver e fazer nas aulas de yoga
atuais? A grande maioria é extremamente recente e vem do
século passado.
Quando morei na Austrália me deparei com uma modalidade
na época bem popular: o Yogalates, uma aula de “yoga” feita
com uso de polias, cordas, fitas, cintas e diversos outros
apetrechos. A cada dia surge uma nova modalidade, e é difícil
acompanhar tantas inovações na forma de se realizar os
ásanas. Alguns anos atrás a moda foi fazer os ásanas
praticamente sem parada, um na sequência do outro em séries
pré-definida numa modalidade chamada Ashtanga Vinyasa.
Atualmente temos uma modalidade que está na moda nos
Estados Unidos que é o Hot Yoga. Os ásanas são feitos dentro
de uma sauna seca (sala a 40 graus Celsius). Com certeza
novas formas de se fazer os ásanas aparecerão.
Podemos observar o aumento cada vez maior na
importância dada à prática de ásanas, o que é feito em
detrimento das demais práticas de pránáyáma e de meditação,
que estão em um nível superior. Estamos numa fase de culto ao
corpo muito grande e muitas vezes exagerada.
O dharma está condicionando as pessoas a buscarem sua
felicidade num corpo dito perfeito, em padrões muitas vezes
impossíveis. Impondo formas características de certas etnias
para todas as demais. Gerando pessoas que são escravas do
corpo. Essa ênfase quase exclusiva nas técnicas que envolvem
o corpo está empobrecendo e distorcendo o que é o Haṭha Yoga
e todo o Yoga.
A prática dos ásanas é excelente, melhora nossa saúde,
alonga os músculos, fortalece os tendões. Muitos leigos chegam
a dizer que yoga é alongamento, mas não sabem que o
alongamento é secundário diante do trabalho interno em
glândulas, nervos, tendões, SNC (sistema nervoso central), e
principalmente na consciência.
“Quem usa yoga apenas como ginástica – o que é muito
agradável e eficaz – está comendo a casca da banana e
jogando o miolo fora”, exemplifica o professor Hermógenes.

Praticar ásanas significa trabalhar conscientemente sobre


nossos bloqueios e condicionamentos. Lembre-se que ásana é
a parte menos importante do treino.
Muito necessária porque para conseguirmos treinar os
exercícios mais avançados precisamos conseguir ficar sentados
de forma confortável. A prática dos ásanas, tendo o seu
entendimento, facilita o caminho para a liberdade (moksha), no
sentido que nos livra da identificação com as preferências e
aversões do ego. A execução de posições que beiram o
contorcionismo possuem uma beleza exterior maravilhosa - até
por isso muitas delas são apresentadas em circo. Então, o
artista e o sedentário que não treinem meditação estão na
mesma distância do Yoga. Mas a execução de posições
circenses, que são admiradas e aplaudidas por nossos amigos
de aula podem se tornar a maior armadilha do ego. Tornando o
praticante preso no primeiro degrau, impedindo-o de subir para
o próximo. Amarrando-o a uma migalha do processo do Yoga,
fazendo-o olhar apenas para seu exterior e tirando sua
capacidade de olhar para dentro e ver Tudo.
Os principais e mais importantes ásanas:

1) Siddhásana: posição perfeita.

“Não existe ásana como siddhásana, nem kúmbhaka


como kevala, nem mudrá como khecharí, nem absorção (láyá)
como a que acontece no som primordial (náda)” Hatha Yoga
Pradipika.
Este é um dos principais ásanas do yoga, e sua maestria
conduz ao sucesso no yoga.
Devemos conseguir permanecer imóvel nessa posição por mais
de três horas. No início pode parecer algo inatingível, mas com
o treino você perceberá que a dificuldade física se limita aos
primeiros minutos. Que, se a atenção for levada em permanecer
confortável ao invés de se focar numa eventual dor ou incômodo
que a posição possa causar, tudo isso se dissolverá. Seu físico
se dissolverá em energia e a vontade de permanecer se tornará
maior que a de se mexer. A percepção de tempo será absorvida
um infinito alongar.
Siddhásana permite atravessar a porta que conduz à
perfeição.
Quem faz siddhásana e consegue conter o prána dentro
do corpo com a prática de kevala kúmbhaka e acrescenta a
prática regular de shirshásana não precisa fazer nenhum outro
ásana.

2) Padmásana: posição do lótus.

O padmásana cura as doenças do yogi.


O yogi, sentado em padmásana, tem uma ótima
estabilização da coluna. Esta posição ajuda muito a manter a
coluna ereta.
O padmásana diminui a ansiedade e a vontade de comer,
regula o funcionamento do baço e regula o fluxo menstrual.
3) Bhadrásana: posição virtuosa.

O Bhadrásana melhora a circulação na região sexual e


relaxa os músculos da virilha. Durante a execução devemos
permanecer com as solas dos pés unidas.
Ao unir as solas dos pés, nós fazemos a energia circular
passando de um pé para o outro e pelos órgãos sexuais.
Se necessário, ajude a manter os pés firmemente unidos
com as mãos. O cansaço desaparece ao assumi-la.
4) Vajrásana: posição do diamante.

Auxilia a manter uma boa postura da coluna, corrige o


mau posicionamento das escápulas, promove elasticidade
dorsal, e é um bom exercício para os intestinos.
Alonga os pés, facilita a subida da kundaliní e é uma
alternativa para aqueles que não conseguem permanecer com
as pernas cruzadas.
5) Swastikásana: Swastika significa próspero.

Reproduz o movimento de rotação da Terra. Induz a


conexão com o cosmo.
Auxilia a manter as pontas dos dedos dos pés aquecidos.
6) Virásana: posição do herói

A posição do herói auxilia a compensar os joelhos das


posições com as pernas cruzadas.
7) Simhásana: O ásana do leão.

Este é um excelente tônico para os tendões. Promove,


consequentemente, a longevidade saudável.
Consulte um professor habilitado para a correta execução do
simhásana, só assim você terá os efeitos extremamente
positivos nas articulações e tendões.
Este exercício envolve uma movimentação dos braços,
das mãos em conjunto com a aspiração feita pela boca com um
som característico. Ele é um exercício dinâmico.
8) Gomukhásana: A posição da cabeça de vaca.

A vaca é sinal de boa sorte na Índia. Este ásana


desobstrui o coração e os pulmões, além de promover
elasticidade aos ombros. Ele também melhora o funcionamento
dos ouvidos, mantendo sua audição saudável.
9) Sirshasana invertida sobre a cabeça

Realiza o ojas-shakti (sublimação da energia sexual).


Ótimo exercício para auxiliar no controle da ejaculação e do
fluxo menstrual.
Melhora a memória, o raciocínio, as faculdades mentais
de modo geral, melhora a visão, olfato. É um dos mais
importantes ásanas.
10) Sarvangásana: invertida sobre os ombros

Melhora a circulação na cabeça, regula a tireóide quando


em conjunto do matsyasana. Melhora o funcionamento dos
olhos, ouvidos, nariz, o paladar, a memória, o raciocínio e todas
as faculdades mentais.
11) Matsyásana: ásana do peixe.

Estimula a tireóide e paratireóide. Quando executada em


conjunto com o sarvangasana regula o metabolismo do corpo.
Auxilia na perda de peso. Abre o Vishddha chakra que é o
grande purificador.
12) Vrishkasana: escorpião

O Vrischikasana é uma ótima maneira de fortalecer seu


abdômen e as costas e se livrar da gordura excessiva dessas
áreas. Ele também ajuda a fortalecer os braços e os ombros.
O escorpião também ajuda a melhorar o seu senso de
equilíbrio. Esta é também uma excelente postura para melhorar
a flexibilidade da coluna vertebral.
Esta posição invertida permite que o sangue flua para o
cérebro. Assim, ele pode ajudar a melhorar a memória e a
concentração.
Ele também ajuda a aliviar o stress que se acumula nos
ombros e na coluna vertebral.
10) Dhanurásana: o arco

Alonga o abdômen e a parte peitoral, abre a flor de todos


os chakras ao longo da coluna. Estimula intensamente os rins e
a próstata.
11) Mritásana (Shavasána): posição do
cadáver.

Este ásana elimina o cansaço e relaxa o corpo e


proporciona descanso à mente. Relaxa o sistema nervoso
central. Ajuda a aliviar o estresse e acalma a mente.
Diminui ondas e mudanças cerebrais beta para ondas cerebrais
mais lentas.
Reduz insônia e ajuda a melhorar o seu sono, reduz a dor
de cabeça e a fadiga. Ele também ajuda a aliviar a depressão.
12) Matsyendrásana: posição do yogi
Matsyendra.

Este ásana regula o apetite e estimula o correto fluxo do


fogo gástrico. Ele possui efeito excretor, melhorando o fluxo do
intestino. Eliminando também emoções que estavam
atrapalhando o bom funcionamento do organismo.
13) Paschimottanásana

Posição de alongamento intenso. Este excelente ásana


faz que a força vital (prána) flua através de sushumná. Também
estimula o fogo gástrico, aumenta a flexibilidade das costas e
melhora a circulação do fluido espinhal.
14) Utkatásana

A posição elevada gera uma benéfica sensação de


alegria, fortalece as coxas os ombros e as costas.
15) Mayúrásana: posição do pavão.

Excelente ásana para o fígado, baço, pâncreas,


estômago e intestinos. Desobstrui os vasos sanguíneos,
melhora a circulação, a digestão, regula o sono e fortalece os
braços.
Este ásana cura diversas doenças, reduz o inchaço do
abdômen e regula as funções digestivas e outras enfermidades
abdominais.
16) Kukkutásana: a posição do galo

Tem um efeito muito positivo na diminuição do


desconforto pré-menstrual.
Fortalece os braços, aumenta a flexibilidade dos quadris,
melhora o equilíbrio, a concentração e regula o apetite.
17) Kurmásana: a posição da tartaruga

Abre os quadris e tem seu efeito mais intenso quando


chegamos com o abdômen no chão. Ao alinhar a coluna
tocando o abdômen no chão ocorre um fluxo enorme de energia
pela coluna. Ele também alonga as costas e relaxa os ombros,
traz tranquilidade e recolhimento.
18) Uttánamandukásana

Ótimo ásana para melhorar a flexibilidade dos quadris.


Com o treino, chega-se com a parte interna das coxas no chão.
19) Vrikshásana: posição da árvore

Melhora o equilíbrio, a concentração, fortalece os


músculos da perna, e aumenta nossa resposta neuro-muscular.
20) Mandukásana

Abre os quadris e prepara para as posições sentadas


mais avançadas.
21) Trikonásana: a posição do triângulo

As flexões laterais de modo geral auxiliam no alinhamento


da coluna, beneficiando profundamente pessoas que tenha
escoliose. As flexões laterais da coluna também possuem efeito
positivo nos rins, no estômago e ainda mais no fígado e no
baço.
Existem diversas variações com os pés para frente ou
virando um pé para fora, com os dois joelhos esticados ou com
deles flexionados, braços alinhados, no prolongamento do
corpo, com um braço para cima e outro no abdômen gerando
uma enorme quantidade de possibilidades. Cada uma dessas
vai atuar de forma um pouco diferente na coluna e no
organismo.
22) Chakrásana: a roda

A roda abre todas as flores dos chakras ao longo da


coluna. Ele fortalece os músculos das costas, tonifica as supra-
renais, ajuda os rins, alonga a parte da frente do corpo
totalmente. Os músculos na parte da frente das coxas são
fortalecidos. Ele também irá ajudar a fortalecer outros músculos
das pernas. Esta posição ajuda a compensar a má postura de
muitas pessoas que passam horas na frente do computador.
Ela é boa para as praticantes introvertidos, por gerar uma
abertura no coração e, com isso, trabalhar o chakra cardíaco.
23) Shalabhásana: o gafanhoto

Equilibra o Manipura chakra. Desenvolve a auto-


confiança e revigora o corpo. Esta posição é eficaz para reduzir
estados de depressão. Regula o equilíbrio ácido-base do
organismo. A função renal é estimulada. Pernas, músculos
pélvicos e costas são reforçadas.
24) Ushtrásana: posição do camelo

Expande a região abdominal, melhorando a digestão e


excreção, melhora a postura e abre o peito melhorando a
respiração.
Fortalece coxas e braços, e reduz a gordura nas coxas.
Alonga e fortalece os ombros e costas, libera as vértebras e
alivia a dor lombar. Melhora a flexibilidade, especialmente na
coluna. Ajuda a curar e equilibrar os chakras.
Tira a tensão nos ovários e cura constipação.
25) Bhujangásana: posição da cobra

Abre o coração e os pulmões, estimula o anáhata chakra.


Fortalece a coluna vertebral e alonga a musculatura peitoral e
do abdômen. Estimula os órgãos abdominais. Ajuda a aliviar o
estresse e a fadiga. Aumenta o calor do corpo e cura diversas
doenças.
Bhujangasana faz parte dos kundalinásanas, pois facilita
o despertar da kundalini.
25) Yogásana

Ásana realizado com movimento em ritmo específico e


mentalização adequada. Estes serão passados diretamente pelo
Mestre já que possuem efeito muito forte no sistema energético.
27) Navasana / Vajrolyasana

Fortalece o abdômen, flexores do quadril e principalmente


a região lombar da coluna vertebral.
Estimula os rins, bexiga, útero, ovários, tireoide, próstata
e intestinos.
Melhora a digestão. Pressiona o sacro.