Você está na página 1de 8

Ficha de avaliação n.

º1
Grupo I

A. Lê o seguinte poema e consulta as notas apresentadas.

A dona que eu am’ e tenho por senhor


amostrade-me-a, Deus, se vos en prazer for,
se non dade-me a morte.

A que tenh’ eu por lume1 d’estes olhos meus


e por que choram sempre, amostrade-me-a, Deus,
se non dade-me a morte.

Essa que Vós fezestes melhor parecer2


de quantas sei, ai Deus, fazede-me-aveer,
se non dade-me a morte.

Ai Deus que me-a fezeste mais ca min amar3,


mostrade-me-a u possa com ela falar,
se non dade-me a morte.

Bernardo Bonaval, in Alexandre Pinheiro Torres, Antologia da Poesia Trovadoresca Galego-Portuguesa,


Porto: Lello & Irmão, 1977, p. 96.
Educação literária

1. Indica o assunto desta composição poética.


2. Caracteriza a «dona», apoiando-te em expressões do texto.
3. Identifica dois recursos expressivos e explica a sua expressividade.
4. Classifica a composição poética e insere-a no contexto literário onde se insere,
justificando com expressões textuais.

B. Lê o seguinte comentário.

«As cantigas de amigo, essas dir-se-iam florescidas ao ar livre, frequentemente


na contemplação de uma natureza amiga – amiga ao ponto de intervir, como
intermediária ou confidente no drama lírico.»
Hernâni Cidade, Poesia Medieval, Lisboa: Seara Nova, 1972, p. 122.

5. Apoiando-te no teu conhecimento da lírica trovadoresca, caracteriza


sumariamente os diferentes géneros de composições estudadas.

1
luz.
2
rosto.
3
Ai Deus que fizeste com que eu a amasse mais do que a mim próprio.
6. Explicita os diferentes papéis desempenhados pela natureza na cantiga de
amigo. Seleciona um exemplo ilustrativo.

Grupo II

A História do Português

Contar a história do Português é mostrar as mudanças linguísticas que lhe foram


dando forma. Que as línguas mudam, é uma evidência: as dificuldades que encontramos
na leitura de textos medievais revelam-nos como o Português Antigo era diferente do que
ouvimos, falamos e escrevemos atualmente. E embora a mudança linguística seja
frequentemente vista como uma espécie de decadência por muitos falantes que resistem
à inovação, assumindo uma atitude de defesa da ‘pureza’ da língua supostamente
ameaçada, seja por um qualquer acordo ortográfico, por um novo dicionário ou pela
influência das telenovelas, a verdade é que se o Português não tivesse sofrido mudanças
ainda falaríamos como Afonso Henriques.
No processo de mudança linguística interagem dois tipos de condicionalismos:
um interno à própria língua (inerente ao sistema linguístico) e um externo
(extralinguístico). Se a língua se organiza como um sistema dinâmico em permanente
busca do equilíbrio, as suas estruturas poderão ser, elas próprias, causadoras de mudança.
Oposições que não se revelem funcionais podem desaparecer, já que um princípio de
economia tenderá a eliminar redundâncias, ou novas oposições podem ser criadas no
sentido de preencher lacunas que um princípio de clareza necessária à comunicação
tenderá a colmatar. Por outro lado, sendo a variação inerente à fala, uma ou mais variantes
podem coexistir sem que haja mudança; mas esse estado de variação pode resolver-se se,
dado um determinado conjunto de fatores condicionantes, linguísticos e/ou
extralinguísticos, uma das alternativas se impuser.
Circunstâncias históricas, mudanças sociais ou políticas podem também
condicionar a mudança linguística. Uma causa externa de mudança linguística é, por
exemplo, a fragmentação política: a formação de reinos na Península Ibérica – e a criação
de fronteiras políticas – contribuiu grandemente para a constituição de fronteiras
linguísticas e, portanto, para a fragmentação dialetal do Latim Hispânico, de que
resultaram as várias línguas ibéricas. (…)
Se as circunstâncias históricas, sociais e culturais mudam – em algumas épocas
paulatinamente, em outras quase abruptamente – as necessidades expressivas dos falantes
também se modificarão. E a língua (melhor: uma determinada gramática da língua) pode
deixar de servir as necessidades dos seus utentes. Envelhece, portanto. Envelhecer, no
caso da língua, não conduz à morte mas à mudança. Cada nova fase da língua consiste
não só na inovação, mas essencialmente na seleção de variantes que já existem na língua.
Aceites por um determinado grupo socialmente prestigiado, as variantes selecionadas
serão generalizadas a toda a comunidade. Constitui-se, assim, um novo estádio de
evolução da língua, cuja ‘estabilidade’ sofrerá novos e perpétuos sobressaltos. Mas
porque a língua procura esses patamares de estabilidade, o resultado de cada mudança
linguística será sempre tendencialmente a constituição de uma norma, de um sistema
organizado que, fatalmente, se tornará arcaico quando uma nova norma se afirmar.
Esperança Cardeira, O Essencial sobre a História do Português, Lisboa: Caminho, 2006, pp.13-15.

Leitura / Gramática

1. Para responder a cada um dos itens de 1.1. a 1.5., seleciona a única opção que
permite obter uma afirmação correta.
1.1 A história do português
A. mudou a partir da idade média e do português antigo.
B. é curta e a língua recentemente foi ameaçada por um novo acordo
ortográfico.
C. fica registada nos dicionários e é marcada pela influência das telenovelas.
D. é feita de mudanças que se foram realizando ao longo dos tempos.
1.2 A língua muda
A. porque sofre diversas influências do exterior.
B. por fatores internos e externos.
C. porque os falantes não falam corretamente.
D. por influência política.
1.3 As circunstâncias históricas, sociais e culturais
A. modificam-se constantemente e originam a fragmentação política.
B. podem melhorar a mudança linguística.
C. dão origem a novas necessidades dos falantes.
D. provocam mudanças lentas e paulatinas.
1.4 A língua
A. envelhece e vai morrendo.
B. envelhece mas renova-se.
C. morre abruptamente.
D. envelhece e deteriora-se.
1.5 A frase: «Constitui-se, assim, um novo estádio de evolução da língua, cuja
‘estabilidade’ sofrerá novos e perpétuos sobressaltos.» (ll. 34-36) significa que
A. as mudanças linguísticas são cíclicas e ininterruptas.
B. a estabilidade da língua só existe no estádio inicial.
C. o latim foi substituído pelo português.
D. a língua tem de ultrapassar constantes perturbações antes de morrer.
2. Responde de forma correta aos itens apresentados.

2.1. Identifica a função sintática desempenhada pela expressão sublinhada na


frase «E embora a mudança linguística seja frequentemente vista como uma
espécie de decadência por muitos falantes» (l. 4).
2.2. Classifica a oração sublinhada: «Contar a história do Português é mostrar as
mudanças linguísticas que lhe foram dando forma.» (l.1).
2.3. Divide e classifica as orações da frase: «Se as circunstâncias históricas, sociais
e culturais mudam – em algumas épocas paulatinamente, em outras quase
abruptamente – as necessidades expressivas dos falantes também se
modificarão» (l. 23).

Grupo III

Escrita

«A língua muda porque mudaram as necessidades expressivas dos falantes, mas


não pode mudar tanto que a comunicação fique afetada. Em última análise, a língua muda
porque é um sistema em perpétua adaptação às necessidades das comunidades que a
utilizam e essas necessidades também mudam.»

Esperança Cardeira, O Essencial sobre a História do Português, Lisboa: Caminho, 2006, p.15.

Num texto bem estruturado, com um mínimo de 100 e um máximo de 150


palavras, apresenta uma exposição que responda à pergunta: Por que razão muda a
língua? Recorre à tua experiência pessoal para fundamentares a tua opinião.
CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE CLASSIFICAÇÃO

GRUPO I………………………………………………………………………………………. 100 pontos


EDUCAÇÃO LITERÁRIA
A
1.…………………………………………………………………………………….…………… 15 pontos
 Aspetos de conteúdo (C) ………………………………………………………….…… 9 pontos
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação

Indica, adequadamente, o assunto desta composição poética, utilizando vocabulário 9


4
específico da poética trovadoresca.
Indica, adequadamente, o assunto desta composição poética, sem recorrer a vocabulário 7
3
específico da poética trovadoresca.
Indica o assunto desta composição poética, com algumas imprecisões. 5
2
Indica o assunto desta composição poética, com várias lacunas. 3
1
 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) …………………………6 pontos
Estruturação do discurso (E) ………………………………………………….………... 3 pontos
Correção linguística (CL) ……………………………………………………….……… 3 pontos
Cenário de resposta

Nesta composição poética um sujeito masculino exprime a sua saudade e desejo de ver a mulher amada,
«a dona que eu amo». Assim, o eu faz uma súplica a Deus para que lhe permita vê-la, pois, de outro modo,
prefere morrer.

2. .………………………………………………………………………………………..... 20 pontos
 Aspetos de conteúdo ( C ) ……………………………………………………………. 12 pontos
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação

Caracteriza a «dona», adequadamente, apoiando-se em expressões do texto. 12


4
Caracteriza a «dona», apoiando-se em duas expressões do texto. 9
3
Caracteriza a «dona», apoiando-se em uma expressão do texto. 6
2
Caracteriza a «dona», não se apoiando em expressões do texto. 3
1
 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ………………………. 8 pontos
Estruturação do discurso (E) ………………………………………………………….. 4 pontos
Correção linguística (CL) …………………………………………………………..… 4 pontos
Cenário de resposta

A «dona» por quem o sujeito poético está apaixonado é caracterizada como: «A dona que eu amo e
tenho por senhor», «A que tenh’eu por lume d’estes olhos meus», «Essa que Vós fezestes melhor parecer
/de quantas sei» e «que me-a fezeste mais ca min amar». Na realidade, o sujeito realça o seu amor pela
«dona» e caracteriza-a hiperbolicamente como a melhor entre as melhores.

3.………………………………………………………………………………………….…… 15 pontos

 Aspetos de conteúdo (C) ……………………………………………………………. 9 pontos


Pontuação
Níveis Descritores do nível de desempenho

4 Identifica, adequadamente, dois recursos expressivos e explica a sua expressividade. 9

Identifica dois recursos expressivos e explica, de uma forma imprecisa, a sua 7


3
expressividade.
2 Identifica um recurso expressivo e explica a sua expressividade. 5

Identifica dois recursos expressivos e não explica a sua expressividade. 3


1
 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ........................................ 6 pontos
Estruturação do discurso (E)............................................................................................... 3 pontos
Correção linguística (CL).................................................................................................. 3 pontos
Cenário de resposta

A apóstrofe a Deus é um dos recursos expressivos presentes na composição: «Deus». Através deste
apelo, o sujeito evidencia o seu desespero e necessidade de recorrer a uma entidade superior para minorar
o seu sofrimento de amor. Na caracterização da «dona» é utilizada a hipérbole, realçando a atitude de
vassalagem do sujeito poético: «Essa que Vós fezestes melhor parecer de quantas sei».

4…………………………………………………………………………………………….. 20 pontos

 Aspetos de conteúdo (C) ……………………………………………………………... 12 pontos


Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação

Classifica a composição poética e insere-a no contexto literário em que se integra, 12


4
fundamentando com duas expressões textuais.
Classifica a composição poética e insere-a no contexto literário em que se integra, 9
3
fundamentando com uma expressão textual.
Classifica a composição poética e insere-a no contexto literário em que se integra, sem 6
2
fundamentar.
Classifica a composição poética, mas não a insere no contexto literário da lírica 3
1
trovadoresca.
 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ........................................ 8 pontos
Estruturação do discurso (E) ............................................................................................ 4 pontos
Correção linguística (CL) . ...............................................................................................4 pontos

Cenário de resposta

Esta composição insere-se na lírica trovadoresca e é uma cantiga de amor, pois apresenta um
sujeito masculino que expressa o seu amor por uma senhora: «A dona que eu am’ e tenho por senhor». O
eu pede a Deus para morrer se não a puder ver: «amostrade-me-a, Deus,/se non dade-me a morte».

B ………………………………………………………………………………………………. 30 pontos

5……………………………………………………………………………………………. 15 pontos

Aspetos de conteúdo (C) …………………………………………………………………….. 9 pontos


Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação

Caracteriza, adequadamente, os três géneros de composições da lírica trovadoresca. 9


4
Caracteriza sumariamente dois géneros de composições da lírica trovadoresca. 7
3
Caracteriza sumariamente um dos géneros de composições da lírica trovadoresca. 5
2
Caracteriza sumariamente os diferentes géneros de composições, de uma forma 3
1
imprecisa.
 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) .........................................6 pontos
Estruturação do discurso (E) ..............................................................................................3 pontos
Correção linguística (CL) ..................................................................................................3 pontos
Cenário de resposta

Fazem parte da lírica trovadoresca as cantigas de amigo, de amor e as de sátira, designadas como
cantigas de escárnio e cantigas de maldizer. As cantigas de amigo apresentam um cenário rural e exprimem
os sentimentos de uma donzela por um amigo. As cantigas de amor apresentam um sujeito masculino que
expressa o seu sofrimento de amor por uma «senhor», num cenário de corte. As cantigas satíricas
ridicularizam ou criticam episódios da sociedade medieval. Formalmente, as cantigas de amigo são mais
simples, enquanto as de amor apresentam estruturas mais elaboradas.

6…………………………………………………………………………………………….. 15 pontos

Aspetos de conteúdo (C) …………………………………………………………………… 9 pontos


Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação

Explicita, adequadamente, dois dos papéis desempenhados pela natureza na cantiga de 9


4
amigo, indicando um exemplo ilustrativo.
Explicita, adequadamente, dois dos diferentes papéis desempenhados pela natureza na 7
3
cantiga de amigo, não indicando um exemplo ilustrativo.
Explicita um dos diferentes papéis desempenhados pela natureza na cantiga de amigo 5
2
e indica um exemplo ilustrativo.
Explicita um dos diferentes papéis desempenhados pela natureza na cantiga de amigo 3
1
e não indica um exemplo ilustrativo.
 Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ........................................6 pontos
Estruturação do discurso (E) ............................................................................................ 3 pontos
Correção linguística (CL) ................................................................................................. 3 pontos

Cenário de resposta

Na cantiga de amigo, a natureza assume um papel importante. Na maioria das composições a


natureza é o cenário onde as personagens exprimem as suas angústias ou alegrias. Assim, nestas poesias,
deparamos com cenários rurais e marítimos, geralmente primaveris. Em algumas cantigas, a natureza surge
personificada e assume o papel de confidente da donzela, tal como o fazem as mães ou as amigas. Nesse
caso, a natureza intervém, por vezes, ativamente, dialogando com a donzela, acalmando as suas
inseguranças como na composição de D. Dinis «Ai flores de verde pino».

No Grupo I, nos casos em que a classificação referente aos aspetos de conteúdo (C) for igual ou
superior a um terço do previsto para este parâmetro, a pontuação máxima dos aspetos de estruturação do
discurso e correção linguística (F) será a que consta da tabela que se segue. Sobre esse valor aplicam-se os
eventuais descontos relativos aos fatores de desvalorização previstos no seguinte quadro da página 7.

Pontuação atribuída aos Pontuação máxima dos aspetos de


Cotação total do item aspetos de conteúdo estruturação do discurso e correção
linguística
30 pontos 3 ou 6 pontos 4 pontos

20 pontos 3 pontos 3 pontos

15 pontos 3 pontos 2 pontos


GRUPO II …………………………………………………………………………………… 50 pontos
LEITURA / GRAMÁTICA
Chave
Item Versão 1 Versão 2 Pontuação

1.1. D 5

1.2. B 5

1.3. C 5

1.4. B 5

1.5. A 5

2.1. Complemento agente da passiva. 7

2.2. Oração subordinada adjetiva relativa. 7

2.3. Oração subordinante: «as necessidades expressivas dos falantes também se 11


modificarão»
Subordinada adverbial condicional: «Se as circunstâncias históricas, sociais e
culturais mudam – em algumas épocas paulatinamente, em outras quase
abruptamente –».

Grupo III ……………………………………………………………………………………….. 50 pontos

ESCRITA
 Estruturação temática e discursiva (ETD) …………………………………………… 30 pontos
 Correção linguística (CL) ……………………………………………………………. 20 pontos