Você está na página 1de 4

PALAVRAS 10

Teste de avaliação – 10.º ano outubro 2019

Educação Literária

Grupo I (100 pontos)

A (80 pontos)

Lê atentamente o seguinte texto e consulta as notas apresentadas.

Como morreu quem nunca bem


ouve da rem1 que mais amou,
e quem viu quanto receou
d’ela, e foi morto por em:
Ai, mia senhor, assi moir’ eu!

Como morreu quem foi amar


quem lhe nunca quis bem fazer,
e de quem lhe fez Deus veer
de que foi morto com pesar2:
Ai, mha senhor, assi moir’ eu!

Com’ ome que ensandeceu,


senhor, com gram pesar que viu,
e nom foi ledo nem dormiu
depois, mia senhor, e morreu,
Ai, mha senhor, assi moir’ eu!

Como morreu quem amou tal


dona que lhe nunca fez bem,
e quem a viu levar a quem
a nom valia, nem val:
Ai, mha senhor, assi moir’ eu!
Pai Soarez de Taveirós3 (CA 35, CBN 122), in A Lírica Galego-Portuguesa, Elsa Gonçalves e Maria Ana Ramos,
Lisboa: Editorial Comunicação, 1983, p.137.

1
Coisa.
2
Deus fez-lhe ver que foi morto de pesar por causa dela.
3
Trovador de origem galega, da primeira metade do século XIII.
1
PALAVRAS 10

1. Indica o tema desta cantiga e explicita o drama amoroso vivido pelo sujeito poético.
2. Explica o duplo papel desempenhado pela “senhor”.
3. Transcreve os versos em que se concretiza uma gradação crescente na expressão da
“coita de amor”.
4. Seleciona nesta cantiga elementos distintivos da cantiga de amor.

B (20 pontos)

5. Escreve uma exposição (120 a 150 palavras) sobre o conflito de gerações presente
em algumas cantigas de amigo.
A tua exposição deve incluir:
 uma introdução na qual refiras a intemporalidade do tema;
 um desenvolvimento no qual explicites os diferentes interesses de mães e
filhas e o conflito que daí decorre, exemplificando;
 uma conclusão adequada ao desenvolvimento do tema.

Grupo II (50 pontos)


Litura | Gramática

Nas respostas aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta.


Escreve, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção
escolhida.
De “La Casa de Papel” às hormonas
Acabar um episódio, uma temporada ou uma série provoca em nós o sentimento de
missão cumprida, a dopamina aumenta e incentiva a continuar a ver mais e mais, e a
resposta hormonal da CRH motiva-nos a estar alerta de episódio em episódio.

Casa da Moeda espanhola, oito ladrões, um professor, Berlim, Rio ou Tóquio.


5 Palavras suficientes para muitos identificarem a série a que me refiro — La Casa de
Papel. Em menos de nada, tornou-se num caso de sucesso improvável de 2018. Será o
sotaque espanhol, o professor, ou simplesmente as hormonas, que nos fazem ver cinco
episódios seguidos?
Isso mesmo, as hormonas. Nada disto é novo, e este não é o primeiro, nem será o
último, caso de série que se torna viral, e a resposta pode estar nas hormonas, essas
10
comandantes das nossas respostas enquanto ser humano, até na decisão de clicar no play
do próximo episódio ou do “Vá, só mais este”, um episódio após o outro.

2
PALAVRAS 10

Os produtores de séries aprenderam muito bem esta fórmula secreta para tornar
séries virais e sabem como nos manter viciados. Mas será que sabem ao certo como o
fazem?

15 O que acontece é que, quando estamos a ver um episódio, a ansiedade de não


saber o que vai acontecer a seguir provoca a produção em excesso de CRH ‒ a hormona
responsável pela libertação de corticotrofina ‒, a grande moderadora de outras hormonas
relacionadas com o stress e a ansiedade.
Rita de Almeida Neves, https://www.publico.pt/2018/02/26/p3/cronica/de-la-casa-de-papel-as-hormonas-
1831659 (consultado em 21.10.2020).

1. O texto evidencia marcas de género específicas


(A) próprias de uma apreciação crítica.
(B) características de uma exposição sobre um tema.
(C) próprias de uma biografia.
(D) características de uma síntese.
2. De acordo com o sentido do texto, a adição dos espectadores a esta série deve-se
(A) a uma hormona específica.
(B) ao tema da série.
(C) a uma fórmula viral.
(D) ao sucesso improvável da série.
3. Os itálicos presentes no texto
(A) assinalam citações do autor.
(B) destacam um título e empréstimos.
(C) realçam expressões subjetivas.
(D) são formas de destaque de expressões conhecidas.
4. As interrogações retóricas presentes no texto
(A) são perguntas a que os leitores devem responder.
(B) destacam as questões para as quais o autor do texto quer chamar a atenção.
(C) são perguntas sem resposta.
(D) são perguntas às quais não se pode responder.
5. Os parênteses usados no último parágrafo do texto delimitam
(A) uma justificação.
(B) uma indicção acessória.
(C) um exemplo.
(D) uma explicação.
6. Indica o significado das seguintes expressões no contexto em que surgem.
a) “estar alerta” (l.3)
b) “viral” (l.10)
7. Identifica as funções sintáticas das expressões sublinhadas.
a) “Nada disto é novo” (l.9)
b) “sabem como nos manter viciados” (l.14).
8. Classifica a oração: “que se torna viral” (l.10).

3
PALAVRAS 10

Grupo III

Escrita

Rocio Munoz, Peru, http://www.cartoonvirtualmuseum.org/f_portocartoon_i.htm (consultado a 17.10.


2019).

Redige uma apreciação crítica (120 a 250 palavras) do cartoon apresentado. Não
te esqueças de planificar previamente o teu texto e de o rever. Deves ter também em
conta as marcas específicas deste género textual.

Bom trabalho!