Você está na página 1de 3

Curso de Educação e Formação de Adultos

Sociedade, Tecnologia e Ciência (STC)


Formadora: Isabel Henriques
UFCD 6: Modelos de urbanismo e mobilidade
FICHA DE TRABALHO Nº4
Domínio de Referência 2
• Atuar ao nível das dinâmicas de desenvolvimento local e regional, em contextos urbanos e rurais, compreendendo
a evolução das atividades económicas e os processos de transformação sociocultural num dado território,
relacionando-as com as mudanças nas profissões e nos modos de vida das populações.
• Atuar na exploração dos recursos naturais (zonas de agricultura, piscatórias, mineiras), ou nos locais de grande
comercialização e consumo (centros urbanos), com conhecimento dos meios técnicos adequados, tradicionais ou
inovadores.
• Atuar na vida profissional com conhecimento do modo de atuação dos processos químicos, biológicos e técnicos de
produção, em zonas rurais ou urbanas, de modo a salvaguardar e manter o equilíbrio no ambiente e no bem-estar
das diferentes comunidades.

Nome: _____________________________________ Turma ______ Data ____ /____ /_______

Leguminosas, uma questão ambiental e energética

Os Agricultores europeus devem apostar mais no cultivo de leguminosas, como forma de


promover a sustentabilidade ambiental, combater a poluição e reduzir gastos energéticos. É
necessário um aumento de 15% da extensão de terra destinada ao cultivo de leguminosas, se a
Europa quer apostar no combate às alterações climáticas. Lentilhas, feijão e grão-de-bico são
algumas das muitas leguminosas que fazem parte da alimentação humana e animal. Mas estes
pequenos grãos têm um papel mais importante no mundo. São essenciais para o equilíbrio do
ecossistema e da biodiversidade.
Os legumes na generalidade têm uma função essencial na captação do azoto da atmosfera, o gás
mais comum no ar atmosférico também conhecido por N2. No entanto, o azoto tem várias
aplicações quando alterado quimicamente, e é essencial enquanto fertilizante na agricultura.
Se o fertilizante azotado é necessário para fazer crescer muitas plantações, no que toca às
leguminosas estas conseguem produzi-lo naturalmente, o que as torna essenciais para a
sustentabilidade ambiental.
«As leguminosas são um grupo de plantas, taxonomicamente um grupo muito importante de
plantas, têm uma característica única ou quase única entre as plantas de sementeiras. Isto devido
ao facto das suas raízes conseguirem formar uma associação com bactérias e uma interacção
específica, que permite à bactéria fixar o azoto à planta. Por isso, se plantarmos uma semente de
leguminosa, obteremos o nosso próprio fertilizante azotado. Portanto, isso significa que há uma
fonte sustentável de azoto que obviamente é essencial para a proteína, que é o produto real das
leguminosas, já que quando comemos os grãos, comemo-los porque são ricos em proteínas»,
explica Noel Ellis, Investigador Coordenador do Projecto GLIP.

Nesta imagem podemos verificar a relação entre a leguminosa e a bactéria desde o início. Esta é
uma relação de simbiose, onde ambas as partes ficam a ganhar.
A leguminosa precisa do azoto que é captado a partir da
atmosfera por bactérias existentes no solo, enquanto a bactéria
necessita do carbono obtido pela leguminosa através da
fotossíntese.
Assim, as bactérias captam o azoto em estado gasoso e através
de processos químicos transformam-no em amoníaco, o qual
sofre depois um processo de oxidação, também conhecido por
nitrificação, que acabará por o transformar em nitratos –
alimentos essenciais para a leguminosa.
È esta forma alterada que chega às leguminosas, quando se dá a anexação das bactérias às raízes
em pequenos aglomerados.
«As leguminosas desempenham desta forma um papel essencial no equilíbrio do ecossistema.
Isto porque podem substituir os fertilizantes azotados, que exigem muita energia para serem
produzidos, aumentando os investimentos e a poluição. A grande vantagem dos legumes, quer
das leguminosas quer dos legumes verdes é que podem fixar o próprio azoto a partir da
atmosfera. Isso significa que não se tem de pôr fertilizante azotado. E, essencialmente, para se
obter uma tonelada de fertilizante azotado tem de se queimar uma tonelada de combustível, o
que é muita energia. Penso que é qualquer coisa entre 50% a 70%, a energia gasta no
crescimento de plantações de cereais em termos de fertilizante azotado. E não é necessário pagar
isso. Financeiramente, não se tem de pagar os custos ambientais, se a opção for cultivar
leguminosas», adianta Noel Ellis.
A solução aconselhada é que as leguminosas sejam utilizadas em colheitas de rotação, ou seja,
que em áreas onde são cultivadas outras culturas se façam colheitas de leguminosas para adubar
o solo naturalmente.
Para que isso seja mais frequente na Europa, cientistas no grande Projecto GLIP, financiado pela
CE, estão a trabalhar na área da genética para tornar as leguminosas mais resistentes a doenças e
mais rentáveis economicamente.
«O que estamos a tentar fazer neste projecto é encontrar os componentes genéticos que vão
permitir aos especialistas ultrapassar este problema, para tornar as leguminosas mais atractivas,
mais fiáveis para os agricultores, sem terem de assumir sozinhos os riscos que estas têm para
benefício de toda a sociedade. Porque as leguminosas são importantes para o ambiente,
fornecendo um serviço ecológico e minimizam o investimento na agricultura e a poluição»,
explica Noel Ellis.
Actualmente na Europa apenas 5% da terra arável é dedicada ao cultivo de leguminosas, uma
situação que é preciso inverter para alcançar os 20% necessários para o equilíbrio do
ecossistema, a redução de gastos na agricultura e o combate à poluição.
Adaptado de: TV Ciência online – Notícias

Proposta de trabalho:

Responda de forma clara e completa às seguintes questões:

1- Diga qual é o gás mais abundante na atmosfera.


2- Explique a importância das leguminosas no equilíbrio dos ecossistemas.
3- Refira qual o tipo de agricultura que utiliza a técnica de rotação de culturas.
4- Explique porque é aconselhável a utilização de leguminosas, em terrenos onde seja aplicada
a técnica referida na questão anterior.
5- A relação entre a leguminosa e a bactéria é considerada uma relação de simbiose. Justifique
esta afirmação, tendo em conta a acção das bactérias nas raízes das leguminosas, referindo as
vantagens ou desvantagens resultantes dessa relação.
6- “Leguminosas, uma questão energética e ambiental” é o título deste artigo. Faça um
comentário pessoal ao título em questão.