Você está na página 1de 10

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

CURSO: Educação física - licenciatura

Cássia Raquielle da Silva


José Florentino Alves
Kléssio José de Melo
Paulo Rogerio de Freitas
Shirlley Silva Batista

“Interdisciplinaridade na Educação Física Escolar”

Santa Cruz do Capibaribe-PE


2019
Cássia Raquielle da Silva
José Florentino Alves
Kléssio José de Melo
Paulo Rogerio de Freitas
Shirlley Silva Batista

“Interdisciplinaridade na Educação Física Escolar”

Trabalho apresentado ao Curso de educação física –


licenciatura UNOPAR – “Interdisciplinaridade na
Educação Física Escolar”.

Disciplinas: Anatomia Aplicada a Educação Física


Ciências Moleculares e Celulares Educação de Jovens e
adultos Libras – Língua Brasileira de Sinais Práticas
Pedagógicas: identidade Docente Psicologia da
Educação e da Aprendizagem

Professores: Jorge de Barros Pires

Santa Cruz do Capibaribe-PE


2019
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ...................................................... Error! Bookmark not defined.


2. DESENVOLVIMENTO .......................................... Error! Bookmark not defined.
3. CONCLUSÃO ....................................................................................................... 9
4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA ...................................................................... 10
4

 Introdução

O principal objetivo desse portfólio é mostrar a grande importância que a


interdisciplinaridade tem hoje na formação acadêmica dos alunos e também dos
professores.

Métodos antigos que não conquistam mais os resultados desejados ficam para
trás, quando mostra que a integração das disciplinas causa melhores resultados em
relação aos anteriores. Mostra que ao haver o engajamento dos profissionais,
haverá também uma busca por mais conhecimento dos alvos, que são os alunos.
5

 “Interdisciplinaridade na Educação Física Escolar”.

A educação física passa por muitos questionamentos e muitas mudanças


desde de sempre. Isso acontece hoje em dia devido a muitos profissionais
despreocupados com o bem estar e desenvolvimento humano dos alunos. Muitos
ainda tendem a usar métodos de ensino ultrapassados. Como afirma o PCN: “[...]
encontra-se ainda, em muitos contextos, a prática de propostas de ensino pautadas
em concepções ultrapassadas, que não suprem as necessidades e as possibilidades
da educação contemporânea” (p.26).
A Disciplina ainda é tratada em muitas escolas com métodos antigos, mas
que não fazem mais nenhum sentido na formação disciplinar nos dias de hoje.
Conforme (BERTINI, 2013), a Educação Física no Brasil surge ligada
intimamente à formação e educação corporal disciplinadora, com objetivos dos mais
variados: militares, de saúde, estéticos, esportivos de alto rendimento ou não,
recreativos, servindo, muitas vezes, a mecanismos de alienação ou propósitos
políticos, valendo-se da prática ou de eventos esportivos para desviar a atenção das
tensões políticas e das lutas ideológicas. Exemplos desses mecanismos encontram-
se no jovem do final da década de 60, que o governo militar buscava para formação
de um exército forte para desmobilizar correntes opositoras ao regime que vigorava,
como também no futebol, personificado na seleção brasileira, marcava o tom
vitorioso de um governo autoritário e ditatorial.
A educação física sempre foi tratada com pouca atenção em relação a outras
disciplinas. Nesse sentido, "Betti (apud Bertini, 2013)"; destaca dois aspectos que
contribuem para a desvalorização da Educação Física. O primeiro refere-se à
maneira simplificada em que a área é vista, não se identificando e nem
reconhecendo os conhecimentos que lhes são específicos. O segundo refere-se à
idéia de que há familiaridade intensa entre as pessoas e as práticas corporais,
dando a falsa impressão de que a área e o profissional seriam quase que
dispensáveis, inclusive no ambiente escolar.
Segundo (FINCK, 2011), a Educação Física como área de conhecimento não
tem sido capaz de "convencer" a sociedade suficientemente sobre a importância de
6

sua presença no currículo escolar. A concepção ainda é a de que sua tematização


na escola se resume apenas no correr, jogar bola, fazer ginástica e brincar.

Muitas esferas da aprendizagem ainda tratam a educação física como uma


disciplina que serve exclusivamente para o desenvolvimento corporal. Assim, a
Educação Física ficaria responsável pela parte educacional do corpo, a parte
motora, enquanto a mente, o intelecto, ficaria a cargo dos demais docentes.
(BERTINI, 2013).
Porém nos últimos anos levantaram-se questionamento a cerca da educação
física, pois, resultados recentes se contrapõe o que foi muito ensinado anteriormente
e até mesmo atualmente na área. Nota-se uma vontade de mudança na área.
"Freire ( apud Bertini, 2013)”, alerta que a Educação Física vem deixando de
ser exclusivamente prática, trazendo para as aulas o desafio de pensar e debater
assuntos do cotidiano que estejam direta ou indiretamente relacionados às práticas
desportivas. Reforça a ideia de deixar para trás técnicas que não mais somariam ao
ensino do aluno. Buscando e mostrando que a área da educação física é muito
ampla e que possibilita grande abordagem temática e grandes perspectivas para o
ensino.
Com essas devidas mudanças na área a disciplina tende a progredir muito na
metodologia de ensino. A mudança no status disciplinar reflete-se, portanto, no fato
de que a disciplina deixou de ser encarada como simples atividade, orientada
apenas para a prática de atividades motoras de natureza desportivo-recreativa e
ginástica, visando à promoção da saúde e do rendimento desportivo. (KOLYNIAK,
2012).
Pensar no bem estar e na progressão de ensino dos alunos é uma das
principais benefícios da interdisciplinaridade, buscando a integração das disciplinas,
facilitando o processo de aprendizagem.
Algumas pesquisas realizadas constataram que a interdisciplinaridade surgiu
no século XX, com o intuito de responder a divisão causada pela concepção
positivista. Subdivisão das ciências em várias disciplinas. O prefixo “inter” dentre as
diversas conotações que podemos lhes atribuir tem o significado de “troca,
reciprocidade” e “disciplina” de “ensino, instrução, ciência”.
"Ferreira (apud Fazenda, 1998)" descreve que a “Interdisciplinaridade pode
ser compreendida como sendo a troca de reciprocidade, entre as disciplinas ou
7

ciências, ou melhor, áreas do conhecimento”. Para Fazenda, enquanto prática


educacional a interdisciplinaridade é uma forma de agir, de pensar, muito mais
crítica, construtiva e recheada de significados tanto para os alunos quanto para os
professores. Para que haja um entrelaçamento, uma unidade entre as disciplinas e
assim buscando um relacionamento mais próximo entre as disciplinas.
A interdisciplinaridade tem como a principal virtude a buscar uma maior
integração na aprendizagem, buscando sempre inovar e renovar através de novos
caminhos, outras realidades, novos desafios, havendo assim uma melhor
construção. Porém, ainda entrava na dificuldade de alguns professores em implantar
esse método, por ser mais trabalhoso e um pouco mais complexo, pois, tem que
haver uma maior dedicação, planejamento e flexibilidade.
Segundo (Fazenda,1991), ao definirmos interdisciplinaridade como junção de
disciplinas, cabe pensar currículo apenas na formatação de sua grade. Porém se
definirmos interdisciplinaridade como atitude de ousadia e busca frente ao
conhecimento, cabe pensar aspectos que envolvem a cultura do lugar onde se
formam professores.
De acordo com o órgão da OCDE (Documento Ceri/HE/SP/7009), no qual
interdisciplinaridade é definida como interação existente entre duas ou mais
disciplinas. Tal definição, como se pode constatar, é muito ampla, todavia não é
suficiente nem para fundamentar práticas interdisciplinares nem para se pensar uma
formação interdisciplinar de professores.
A interdisciplinaridade, como método, é a reconstituição da totalidade pela
relação entre os conceitos originados a partir de distintos recortes da realidade, isto
é, dos diversos campos da ciência representados em disciplinas. Isto tem como
objetivo a compreensão do significado dos conceitos, das razões e dos métodos pelos
quais se pode conhecer o real, e apropriá-lo em seu potencial para o ser humano.

Nesse contexto tem que haver a integração das disciplinas, planejando com os
professores a metodologia e o trabalho em conjunto, planejando e definindo metas e
objetivos, não pensando em apenas uma área especifica e sim num todo, em geral,
havendo um maior engajamento e uma grande contribuição das diversas áreas do
ensino.

Com esse pensamento de trabalho constata-se uma maior busca por


conhecimento, uma maior vontade de aprender tanto para os professores, quanto para
8

os alunos. Percebendo a evolução e o crescimento do professor, até mesmo na


desenvoltura, aluno tende a querer buscar mais, aprender mais, buscando cada vez
mais conhecimento e se inteirando sobre todo o assunto.

A interdisciplinaridade não é algo artificial, mas uma necessidade. Como afirma Frigoto
(apud Pacto, 2005):

O trabalho interdisciplinar se apresenta como uma


necessidade imperativa pela simples razão de que a parte
isolamos ou arrancamos do contexto originário do real para
poder ser explicada efetivamente, isto é, revelar no plano do
pensamento e do conhecimento as determinações que assim a
constituem. Enquanto parte, tem que ser qualidades da
totalidade. É justamente o exercício de responder a esta
necessidade que o trabalho interdisciplinar se apresenta como
um problema crucial, tanto na produção do conhecimento
quanto nos processos educativos e de ensino.

As palavras citadas acima mostram que o ambiente interdisciplinar é amplo no


contexto, e exige redefinição no processo de ensino atual. Tal constatação nos induz
a refletir sobre a necessidade de professores e alunos trabalharem em prol de um
mesmo objetivo. Para isso é necessário: União, conhecimento, e relacionamento
harmonioso professor/aluno e aluno/aluno.
9

Conclusão

A interdisciplinaridade na educação física escolar é de suma importância


para o desenvolvimento físico e mental do aluno. Pois, busca incrementar,
diagnosticando onde é a necessidade do crescimento e evolução tanto física
quanto mental dos alunos e também beneficiando na maturação.
A integração que tem a interdisciplinaridade causa uma grande mudança,
proporcionando um maior conhecimento em todas as áreas e solucionando a
fragmentação das disciplinas.
10

 REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICA

A EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA E A INTERDISCIPLINARIDADE. Disponível em: <


http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2016/2
016_artigo_edfis_unicentro_eltonvicenteruths.pdf>. Acesso em: abril. 2019

A INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Disponível em: <


http://www.fiepbulletin.net/index.php/fiepbulletin/article/view/2126/4147 >. Acesso em: abril
2019

Você também pode gostar