Você está na página 1de 61

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - I


Código: ENG1071

Tópico: AULA 3 – Cimento Portland

Curso: Engenharia Civil

Professor: Elias Rodrigues Liah, Engº Civil, Me.


Goiânia - 2016
CIMENTO PORTLAND
CIMENTO PORTLAND
CIMENTO PORTLAND
CIMENTO PORTLAND
CIMENTO PORTLAND
CIMENTO PORTLAND
CIMENTO PORTLAND
CIMENTO PORTLAND
Pode-se representar as reações que ocorrem, da seguinte
forma:
CaO + SiO2 ----- > 3CaO.SiO2 (C3S)
CaO + SiO2 ----- > 2CaO.SiO2 (C2S)
CaO + Al2O3 ----- > 2CaO.Al2O3 (C3A)
CaO + Fe2O3 + Al2O3 ----- > 4CaO.Al2O3.Fe2O3 (C4AF)
Pega: refere-se à mudança do estado fluido para um
estado rígido.
Endurecimento: Refere-se ao aumento de resistência de
uma pasta de cimento após a pega.
CSH: Silicato de Cálcio Hidratado - Ca2SiO4.H2O;
É importante que o cimento desenvolva tanto quanto possível
CSH, do ponto de vista da resistência. Compreende cerca de
70% em peso do cimento hidratado.
Ferroaluminato tetracálcico – C4AF

• Inicia a reação de hidratação em alguns minutos após


o amassamento;
• Tem pega rápida, mas não instantânea.
• Desenvolve pequena resistência inicial e final;
• Libera pouco calor de hidratação;
• Possui ótima resistência ao ataque de águas
agressivas e sulfatos.
• As reações de hidratação do Cimento Portland são um processo
exotérmico;
• A quantidade de calor liberada chama-se calor de hidratação → H;
• Aumento de H: ↑ quantidade de C3S e C3A e cimento mais fino;
• Diminuição de H: adição de escórias, pozolanas e cinzas volantes, as
quais aumentam o tempo de pega do cimento e fixam a cal livre existente
adição de um retardador de endurecimento;
• 50% do calor potencial liberado é liberado nos 3 primeiros dias, e 90%
nos 3 primeiros meses de hidratação
• A água é um dos ingredientes essenciais do concreto, que preenche
duas funções básicas: uma função física, que consiste em dar ao concreto
as propriedades reológicas exigidas (trabalhabilidade), e uma química,
que consiste em produzir as reações de hidratação.

• O concreto ideal deveria conter somente água suficiente para


desenvolver a resistência máxima do cimento, ao mesmo tempo provendo
as propriedades reológicas necessárias ao lançamento.

• As partículas de cimento, devido suas muitas cargas de superfície não


saturadas, têm uma forte tendência a flocular, quando em contato com
um líquido tão polar como a água.

• Assumir uma tal estrutura floculada implica que as partículas de


cimento aprisionem uma certa quantidade de água dentro dos flocos e
que essa água fique então indisponível para lubrificar a mistura.
• Para dar um certo nível de trabalhabilidade ao concreto quando some
cimento e água são usados (sem aditivos químicos), é necessário usar
mais água do que seria necessário para hidratar todas as partículas de
cimento por completo;

• Essa água adicional, a qual nunca será ligada a qualquer partícula de


cimento, gera porosidade dentro da pasta hidratada de cimento e resulta
em enfraquecimento das propriedades mecânicas do concreto e diminui
sua durabilidade.

• Como é impossível fabricar um cimento Portland que não flocule, para


melhorar a hidratação é necessário encontrar aditivos químicos capazes
de reduzir a tendência natural à floculação e, assim, reduzir a
quantidade de água de mistura exigida.
 Outros tipos de Cimento Portland:
 Cimento Portland Resistente a Sulfatos – RS – NBR 5737;
 Cimento Portland com Baixo calor de Hidratação – BC – NBR 13116;
 Cimento Portland Branco – CPB – Estrutural e Não estrutural – NBR
12989;
 Cimento Portland para poços Petrolíferos CPP – NBR 9831.
• Observações:
• Possuem 3 classes de resistência à compressão (aos 28 dias): 25, 32 e 40 MPa;
• O CPIV possui apenas as classes 25 e 32 MPa;
• O CPV não possui classe de resistência, pois a norma especifica sua
resistência à compressão aos 1, 3 e 7 dias;
• O Cimento Portland Branco não estrutural não possui classe de resistência.
CIMENTO PORTLAND
 Escória de alto-forno:
 Não é propriamente um material Pozolânico.
 “Resíduo não metálico da produção de ferro gusa. Quando
resfriada bruscamente (granulada) possui propriedades
aglomerantes.”
 A escória líquida é transportada para os granuladores, que
são equipamentos onde ela é resfriada bruscamente por
meio de jatos de água sob alta pressão. Não havendo
tempo suficiente para formação de cristais, essa escória se
granula "vitrificando" e recebe o nome de Escória Granulada
de Alto-Forno.”
 A característica mais importante da Escória Granulada de
Alto-Forno é sua capacidade hidráulica potencial, que
permite que, quando moída e em contato com a água, ela
endureça (propriedade cimentante), podendo substituir o
clínquer, material utilizado tradicionalmente na fabricação
de cimentos compostos.”
CIMENTO PORTLAND

Escória de Alto-Forno
CIMENTO PORTLAND
 Pozolana:
 Pozolanas são substâncias naturais ou
artificiais de composição essencialmente
silicosa ou sílico-aluminosa que, por si sós,
não possuem atividade hidráulica, mas
quando finamente moídas reagem com o
hidróxido de cálcio na presença de umidade
e à temperatura ambiente para formar
compostos com propriedades ligantes.
CIMENTO PORTLAND
 Materiais pozolânicos: Cinza Volante, pozolanas
artificiais (argila calcinada moída), Metacaulim,
Sílica Ativa.
 Cinza volante: “material finamente particulado
proveniente da queima de carvão pulverizado em
usinas termoelétricas, com o objetivo de gerar
energia”.
CIMENTO PORTLAND

 Materiais Carbonáticos (Filler): Materiais


finamente divididos constituídos em sua maior
parte de carbonato de cálcio.
 Possuem ação predominantemente física.

 Devido ao seu tamanho e formato, conferem


maior compacidade, melhor trabalhabilidade e
menor tendência a fissuração em argamassas e
concretos.
- O CPI é composto por 100% de clíquer + gesso.
- O CPI-S admite até 5% de adições minerais.
- Pode ser do tipo E, Z ou F, de acordo com o tipo
de adição mineral;
Obs.: As vantagens apresentadas são em
comparação com o CPI.
CIMENTO PORTLAND
 CP III (Alto forno) e CPIV (Pozolânico)
 Apresenta maior impermeabilidade e
durabilidade, além de baixo calor de hidratação,
assim como alta resistência à expansão devido à
reação álcali-agregado, além de ser resistente a
sulfatos.
 É um cimento que pode ter aplicação geral, mas é
particularmente vantajoso em obras de concreto-
massa, tais como barragens, peças de grandes
dimensões, fundações de máquinas, pilares, obras
em ambientes agressivos, tubos e canaletas para
condução de líquidos agressivos, esgotos e
efluentes industriais, concretos com agregados
reativos, pilares de pontes ou obras submersas,
pavimentação de estradas e pistas de aeroportos.
CIMENTO PORTLAND
 Concreto Massa: aquele que, ao ser aplicado
numa estrutura, requer a tomada de precauções
especiais que evitem fissurações derivadas de seu
comportamento térmico.
 Muito utilizado em barragens, juntamente com o
Concreto Compactado a Rolo (CCR).
 Possui baixo consumo de cimento e alto consumo
de agregados (podendo chegar até 90% do volume
total).
 Motivos:
 Reduzir calor de hidratação;
 Minimizar tensões de origem térmica.
 Reduzir reações álcali-agregados;
 Reduzir custos e outros.
CIMENTO PORTLAND

 Reação álcalis-agregado (RAA): é um processo


químico onde constituintes mineralógicos do
agregado reagem com hidróxidos alcalinos
(provenientes do cimento, água, agregados,
pozolanas, etc.) que estão dissolvidos na solução
dos poros do concreto.
 Como produto da reação forma-se um gel
higroscópico expansivo. A manifestação da reação
álcalis-agregado pode se dar de várias formas,
desde expansões, movimentações diferenciais nas
estruturas e fissurações até pipocamentos.
CIMENTO PORTLAND

Reação Álcali-Agregado
CIMENTO PORTLAND

Principais indicações do CPV-ARI:

 Peças estruturais que necessitam de alta resistência


nos primeiros dias;
 Pré-moldados;
 Concretagens em que há necessidade de desforma
rápida;
 Mais indicado para concretagem de peças esbeltas;
 Muito usado em Concreto de Alto Desempenho ou
Alta Resistêcia (CAD).
Cimento Portland Resistente a sulfatos - RS

Qualquer um dos tipos de Cimento Portland anteriormente citados pode


ser classificado como resistente a sulfatos, desde que se enquadrem
dentro de uma das características abaixo:

• Teor de aluminato tricálcico (C3A) do clínquer de no máximo 8% e teor


de adições carbonáticas de no máximo 5% em massa.
• Cimentos do tipo alto-forno que contiverem entre 60% e 70% de escória
granulada de alto-forno, em massa;
• Cimentos do tipo pozolânico que contiverem entre 25% e 40% de
material pozolânico, em massa;
• Cimentos que tiverem antecedentes de resultados de ensaios de longa
duração ou de obras que comprovem resistência aos sulfatos.

É recomendado para meios agressivos sulfatados, como redes de esgotos


de águas servidas ou industriais, água do mar e em alguns tipos de solos.
Cimento Portland de Baixo Calor de Hidratação -
BC

Cimento Portland dos tipos: CPI, CPII, CPIII, CPIV ou CPVARI,


que atenda à condição de baixa liberação de calor durante a sua
hidratação.
Cimento Portland Branco - CPB
Cimento Portland Branco - CPB
CIMENTO PORTLAND
 Adições minerais:
 SUBPRODUTOS INDUSTRIAIS:
 Cinza volante (usinas termoelétricas),
 Escória de Alto Forno (indústria siderúrgica),
 Sílica Ativa (resíduo da produção do ferrosilício),
 Cinza de casca de arroz,
 Lodos calcinados, argilas calcinadas,
 Metacaulim.
Vantagens:
• Diminuição do gasto energético na fabricação do Cimento Portland;
• Custo mais baixo;
• Sustentabilidade;
• Bom para o meio-ambiente;
• Diminuição do uso das matérias primas do cimento Portland;
CIMENTO PORTLAND
 Reações químicas envolvidas
 C3S (ou C2S) + Água → CSH (Silicato de Cálcio Hidratado) +
Ca(OH)2 (CH - Hidróxido de Cálcio ou Cal ou Portlandita);
 Pozolana + Ca(OH)2 + Água → CSH ( resistência)

 Quando se faz concreto, se a pozolana é misturada


com o cimento Portland em proporções adequadas
(20 a 30%), teoricamente toda a cal (Ca(OH)2)
produzida pela hidratação do cimento Portland pode
ser transformada em CSH.
CIMENTO PORTLAND
 Benefícios da adição de Pozolana:
 Reduz a espessura da zona de transição
 Concreto convencional 

 grandes cristais de CH,


 Paralelos à superfície dos agregados
 Reação pozolânica transforma
CH  C-S-H
 Neutraliza os cristais de CH, que se formam
menores e sem orientação
 Aumenta a compacidade e resistência
CIMENTO PORTLAND
 Zona de Transição sem adições é porosa e frágil,
devido à alta concentração de grandes cristais de
hidróxidos de cálcio, orientados preferencialmente na
direção paralela à superfície dos agregados, e por um
fator água/cimento mais elevado do que o restante da
matriz do cimento .