Você está na página 1de 14

METODOLOGIA CIENTÍFICA

CAPÍTULO 2 - TODO TRABALHO ACADÊMICO/CIENTÍFICO DEVE SER ELABORADO RESPEITANDO OS ASPECTOS METODOLÓGICOS?

Antonio Marcos Feliciano/Ana Celeste da Cruz David

INICIAR

Antonio Marcos Feliciano/Ana Celeste da Cruz David INICIAR Introdução A famosa frase de que para a

Introdução

A famosa frase de que para a ciência não existe milagre decorre da ideia de que, no meio científico, tudo precisa ser comprovado. Além disso, essa prova é obtida e apresentada por meio da aplicação do método científico. Tanto o trabalho acadêmico como uma pesquisa científica, por exemplo, possuem etapas que possibilitam a compreensão do que se pretende com o trabalho, retratando a linguagem característica da ciência, a descrição do método, entre outros aspectos que fazem parte dessa construção.

Assim, desde a introdução até as considerações finais ou conclusões, o trabalho acadêmico possui forma e linguagem próprias. A forma é definida pelas instituições educacionais e as organizações de normas técnicas, enquanto que a linguagem é característica, levemente formal, enfaticamente técnica e deixou de ser rebuscada faz um bom tempo. Aliás, a linguagem rebuscada aplicada ao discurso acadêmico e a escrita científica foram as grandes responsáveis pelo distanciamento do conhecimento produzido nas universidades da sociedade em geral, que não compreendia tamanha complexidade na forma de se expressar. Felizmente, esse é um aspecto que faz parte do passado.

A verdade é que, por meio da pesquisa quantitativa, que não é mais, nem menos complexa do que a qualitativa; a pesquisa científica se realiza em atenção às normas técnicas e procedimentos definidos e validados pela comunidade científica. No entanto, quais são as limitações de ambas? Quais são as vantagens e desvantagens?

Neste capítulo, você vai perceber a importância de se respeitar as etapas de um projeto de pesquisa e da linguagem acadêmica, assim como irá entender alguns aspectos relativos à introdução, justificativa, pesquisa qualitativa e quantitativa, entre outros elementos que fazem parte do trabalho acadêmico. Ademais, veremos com maiores detalhes que, na construção do trabalho acadêmico, a leitura ou a

agregação do conhecimento não ocorre de forma aleatória, mas, sim, focada e objetiva, com um propósito.

Vamos em frente!

2.1 Etapas da pesquisa científica

O mundo acadêmico não é nada simples, uma vez que é regido por regras, normas e códigos que o caracterizam em um ambiente

intensivo de conhecimentos, contribuindo continuamente para o desenvolvimento da sociedade.

Muitos são os estudantes que ingressam nas universidades portadores de boas ideias, entretanto, esse é um quesito que não determina muitas coisas. Isso significa que, mesmo após o ingresso, seja para um curso de graduação ou qualquer um dos níveis de pós-graduação, especialização, mestrado ou doutorado, há a necessidade de dedicação, disciplina e esforço para compreender e articular os diversos temas envolvidos.

A falta desse preparo leva esses estudantes à desistência, justamente por não saberem encontrar o ponto de conexão entre suas ideias, a realidade social e o método e o discurso acadêmicos. Nesse sentido, é preciso ter uma teia de conexões, necessária para o desenvolvimento do trabalho acadêmico.

necessária para o desenvolvimento do trabalho acadêmico. Figura 1 - As teias do conhecimento são tecidas

Figura 1 - As teias do conhecimento são tecidas em rede, colaborando com a construção dos conhecimentos científico e acadêmico. Fonte: Michael D Brown, Shutterstock, 2018.

Essas conexões são efetivadas por pessoas, na figura dos estudantes, dos orientadores, dos colegas de classe, dos professores, entre outros atores que fazem parte do mundo acadêmico e que, por meio de atividades de compartilhamento, pesquisa e experimentos, contribuem para o desenvolvimento da ciência. Além disso, elas são fundamentadas em métodos, posto que, na pesquisa, o método é peça central e obrigatória.

2.1.1 Introdução e justificativa

Somente depois que se inicia a atividade de pesquisa é que a maioria dos estudantes entende que um texto não começa pela introdução

— nem mesmo pelo resumo ou pela capa. Seu início, na verdade, é pela necessidade em compreender e articular os assuntos, baseados

em problema e objetivos, assim como outros elementos. Portanto, o ato de apresentar o tema e seus assuntos, realizado na introdução

de cada trabalho, é feito a partir de dedicação à leitura, ao fichamento, às idas e vindas por livros que configuram a atividade de pesquisa. Aliás, não há outra forma de você introduzir um trabalho acadêmico se não por meio da escrita de um texto atraente, que inspire reflexões e o interesse do leitor por continuar se aprofundando no assunto a ser abordado.

Dessa forma, debruçar-se sobre a literatura é absolutamente necessário para citar autores clássicos e contemporâneos, acertar nos argumentos e facilitar o desenvolvimento dos elementos subsequentes do trabalho acadêmico.

VOCÊ SABIA?

VOCÊ SABIA?

Dedicar-se ao trabalho científico exige disciplina, tempo, inspiração e transpiração. O pesquisador deve observar cuidadosamente a melhor maneira de adequar seu projeto ao tempo previsto para sua finalização. O estudante de graduação, por exemplo, na elaboração da pesquisa, deve planejar o trabalho considerando o período escolar determinado para sua produção. Assim, poupará esforços e concluirá tudo a tempo da entrega, dentro do prazo estabelecido.

A etapa em que se faz uma ampla e suficientemente profunda apresentação dos assuntos requer sensibilidade para selecionar os

materiais que realmente são interessantes, contribuam para o trabalho e, ao mesmo tempo, tenham relevância científica. Por isso, apesar de interessantes, alguns trabalhos possuem dados mais antigos, os quais deixam de ter valor para a contextualização, ainda que os métodos científicos comumente não limitem os seus usos.

Nesse contexto, Castro (2011, p. 80) afirma que

Alguns eventos são triviais, tanto no presente quanto no passado. O transcurso do tempo nos permite mais perspectiva e objetividade ao mesmo tempo

de fato, números, nomes e datas, só adquirem importância, no presente ou no passado, na

que aumenta e imprecisão e a deficiência de informações [

medida em que se encaixam numa estrutura lógica, coerente e teoricamente fértil. O levantamento de dados de hoje ou de ontem, é apenas o princípio.

]

Por isso, ao escrever a introdução do trabalho, o estudante deve se preocupar com a consistência e com a capacidade de articulação e relacionamento entre os dados, fortalecendo os argumentos. A introdução deve ser elaborada gradativamente, à medida do avanço do

estudo e da pesquisa. Assim, o texto deve ser revisado e, ao final de todo o trabalho, a introdução recebe uma leitura crítica em que os

ajustes e as adequações serão procedidas. Afinal, como bem afirma Castro (2011, p. 06), “[ escrita por último”.

Dessa forma, a introdução de um trabalho acadêmico inicia o processo de convergência argumentativa como foco no tema, no problema

e nos objetivos definidos para a pesquisa. Além disso, elementos subsequentes dependem da sua qualidade.

Ainda de acordo com Castro (2011), a introdução possui um caráter didático na forma como deve orientar a leitura do trabalho apresentado ao esclarecer as pretensões do autor e ao situar o “estado da arte” sobre o tema em estudo. Ou seja, é preciso deixar claro o que foi encontrado, as lacunas e as ideias convergentes e divergentes apontadas durante a revisão de literatura. Ela deve, também, indicar os pontos de contribuição apresentados ao debate no trabalho realizado.

a introdução, por boas razões, pode ser

]

Sob o ponto de vista metodológico, a introdução de um trabalho acadêmico deve responder algumas perguntas, como: o que sabemos sobre o assunto? Que autores consultados trabalharam com ideias semelhantes e que conhecimentos produziram? Quem já publicou sobre o assunto? Qual é a dúvida relacionada ao tema? Quais foram as observações que despertaram a curiosidade para aquele determinado problema? Para que serve o que se vai estudar? Qual pergunta a pesquisa irá responder? Qual é a necessidade da pesquisa?

Dessa forma, com tantas perguntas a serem respondidas, o pesquisador deve tomar alguns cuidados para evitar equívocos comumente cometidos, especialmente pelos menos experientes. Alguns desses erros durante a elaboração de uma introdução de trabalhos acadêmicos são:

não usar referencial bibliográfico na introdução;de uma introdução de trabalhos acadêmicos são: fragmentar a introdução por frases e parágrafos; usar a

fragmentar a introdução por frases e parágrafos;são: não usar referencial bibliográfico na introdução; usar a introdução como resumo; usar a introdução como

usar a introdução como resumo;fragmentar a introdução por frases e parágrafos; usar a introdução como referencial teórico; ser extensa e

usar a introdução como referencial teórico;por frases e parágrafos; usar a introdução como resumo; ser extensa e cansativa; ter objetividade excessiva;

ser extensa e cansativa;como resumo; usar a introdução como referencial teórico; ter objetividade excessiva; ter ausência de foco. Além

ter objetividade excessiva;como referencial teórico; ser extensa e cansativa; ter ausência de foco. Além das perguntas a serem

ter ausência de foco.ser extensa e cansativa; ter objetividade excessiva; Além das perguntas a serem respondidas e dos cuidados

Além das perguntas a serem respondidas e dos cuidados que devem ser tomados na elaboração da introdução, o texto introdutório oferece uma dimensão mais clara sobre as conexões existentes entre as ideias apresentadas pelo autor e o mundo acadêmico.

VOCÊ SABIA?

VOCÊ SABIA?

Robert Merton, sociólogo americano, dedicou-se ao estudo da sociologia da ciência. Ele examinou uma amostra de alguns ganhadores do Prêmio Nobel, descobrindo que a maioria tinha como professores ou líderes de equipes de pesquisas outros ganhadores do mesmo prêmio. Esses pesquisadores, inclusive, não tinham QI mais alto do que os demais. Por fim, descobriu que as diferenças eram os ensinamentos do líder, o que os oferecia sensibilidade para identificarem problemas de pesquisa realmente interessantes e promissores.

Não há dúvidas de que a ideia original para uma pesquisa tem como pano de fundo uma justificativa

e não uma justificativa qualquer

, que deve ser minimamente aceita; mas uma justificativa de caráter, muitas vezes, pessoal, que se revela viável à investigação científica. Conforme alertam Lakatos e Marconi (2017), quando se trata da elaboração da justificativa, o pesquisador deve acrescentar ao domínio do conhecimento científico do assunto criatividade e capacidade de persuasão. Assim, a justificativa faz parte do trabalho acadêmico, por isso se diz que ele não é formulado sem pé nem cabeça, sendo justificado, objetivado e sistematizado, tomando feições científicas.

É na justificativa que o pesquisador apresenta as razões da escolha pelo tema, apontando sua importância teórica e prática. Portanto,

mesmo podendo ser pessoal, a justificativa precisa convergir com os interesses da ciência, fugindo dos “achismos”. Além disso, a justificativa não deve apresentar citações de outros autores, pois não se trata de argumentação do referencial teórico, mas, sim, de evidenciar a relevância teórica do tema pesquisado.

Assim, na justificativa de todo trabalho o autor deve procurar responder perguntas, como: o tema é relevante? Por quê? Quais são os pontos positivos que você percebe na abordagem proposta? Que vantagens e benefícios você pressupõe que a pesquisa irá proporcionar? A pesquisa permitirá a descoberta de soluções para casos gerais e/ou particulares?

A figura a seguir mostra o que uma justificativa deve enfatizar.

,

a seguir mostra o que uma justificativa deve enfatizar. , Figura 2 - Principais aspectos abordados

Figura 2 - Principais aspectos abordados na justificativa do trabalho científico. Fonte: Adaptado de LAKATOS e MARCONI, 2017.

Dessa forma, podemos perceber que esses aspectos não estão presentes no trabalho acadêmico aleatoriamente, mas que fazem parte do trabalho como um corpo geral, porque é a partir desse delineamento que se cria possibilidades de escolhas entre as várias abordagens metodológicas. Passemos, então, a discutir os procedimentos necessários para a construção referencial.

2.2 Construção do referencial teórico

A produção de conhecimento não decorre apenas da inspiração humana, sendo fruto dos esforços de estudiosos que agregam e complementam os arcabouços teóricos, a partir de suas pesquisas e seus trabalhos, na ampliação do conhecimento científico e na expansão das fronteiras da ciência.

Saber, compreender e classificar, a partir do tema definido, o que outros autores já escreveram sobre a pesquisa é fundamental para as configurações metodológicas e para o escopo. Assim, as bases epistemológicas, teóricas e metodológicas do referencial teórico de pesquisa se amparam em paradigmas (Kuhn), conjunto de pressupostos, crenças, modelos e valores compartilhados por uma

comunidade de prática, uma comunidade acadêmica ou uma comunidade científica. Contudo, como alerta Magalhães (2005, p. 211), em

sua análise sobre a verdade científica, “[ desenvolvimento do conhecimento”.

a noção de paradigma é real e até se assemelha ao dogma, quando se torna um obstáculo ao

]

se assemelha ao dogma, quando se torna um obstáculo ao ] VOCÊ O CONHECE? Thomas Samuel
se assemelha ao dogma, quando se torna um obstáculo ao ] VOCÊ O CONHECE? Thomas Samuel
se assemelha ao dogma, quando se torna um obstáculo ao ] VOCÊ O CONHECE? Thomas Samuel
se assemelha ao dogma, quando se torna um obstáculo ao ] VOCÊ O CONHECE? Thomas Samuel
se assemelha ao dogma, quando se torna um obstáculo ao ] VOCÊ O CONHECE? Thomas Samuel
se assemelha ao dogma, quando se torna um obstáculo ao ] VOCÊ O CONHECE? Thomas Samuel

VOCÊ O CONHECE?

Thomas Samuel Kunh (1922-1996) foi um físico americano, nascido em Cambridge, nos Estados Unidos. Ele se dedicou ao estudo da história da ciência, sendo autor do livro “A estrutura das revoluções científicas”, publicado em 1962. Na obra, o autor analisa as contribuições para a ciência promovida desde Galileu, Lavoisier, Darwin e

Einstein.

Dessa forma, no momento de construir o referencial teórico, todo pesquisador deve reconhecer os limites ou até onde outros autores

legado de

conhecimento” deixado pelos demais, a fim de analisar, sintetizar e trabalhar a partir do que de fato existe e do que foi escrito sobre os assuntos pesquisados.

2.2.1 Pesquisa bibliográfica

foram ou escreveram sobre os assuntos abordados na pesquisa. Castro (2011, p. 78) argumenta que é preciso conhecer o “[

]

a pesquisa bibliográfica é desenvolvida a partir de material já elaborado, constituído

principalmente de livros e artigos científicos”. Por outro lado, Cervo, Bervian e Silva (2007) indicam que a pesquisa bibliográfica é um meio de formação por excelência, constituindo em procedimento básico para estudos acadêmicos pelos quais se busca o domínio do “estado da arte” sobre determinado tema. No entanto, vale destacar que existe uma diferença entre a pesquisa bibliográfica e a revisão de literatura, conforme vemos na figura a seguir.

Conceitualmente, Gil (2011, p. 50) afirma que “[

]

seguir. Conceitualmente, Gil (2011, p. 50) afirma que “[ ] Figura 3 - Diferença entre a

Figura 3 - Diferença entre a revisão de literatura e a pesquisa bibliográfica. Fonte: Adaptado de LIMA e MIOTO, 2007, p. 38.

uma

atitude e uma prática teórica de constante busca que define um processo intrinsecamente inacabado e permanente”, realizando atividades de aproximação com a realidade. A partir do momento em que o pesquisador tem claro o que é uma pesquisa e sabe diferenciar a pesquisa bibliográfica da revisão de literatura, seu trabalho começa a receber contribuições de outros autores, ampliando

sua visão de mundo e tornando o raciocínio igualmente amplificado. O contrário disso pode conduzi-lo ao erro, ampliando seu espectro de pesquisa, tornando-se generalista e se prendendo a conceitos.

Por outro lado, ao compreender com clareza os aspectos supracitados e manter o foco do escopo da pesquisa, o pesquisador tende a desenvolver um trabalho cujos resultados têm consistência e relevância teórico-prática. Lima e Mioto (2007) consideram que a pesquisa bibliográfica é muito utilizada em trabalhos de caráter exploratório e descritivo, mas sua eficácia tem relação com a adequada descrição dos procedimentos metodológicos, uma vez que parte da pesquisa é desenvolvida sob os olhos dos outros, ou seja, dos argumentos de autores consultados na pesquisa bibliográfica.

casos em que o objeto de estudo

Nessa direção, Lima e Mioto (2007, p. 40) ainda afirmam que a pesquisa bibliográfica é aplicada nos “[

Seguindo a perspectiva conceitual, Minayo (2001, p.17) entende a pesquisa como um processo em que o pesquisador possui “[

]

]

proposto é pouco estudado, tornando difícil a formulação de hipóteses precisas e operacionais. A sua indicação para esses estudos relaciona-se ao fato de a aproximação com o objeto ser dada a partir de fontes bibliográfica”. Assim, na pesquisa bibliográfica, a coleta de dados tem início após a sistematização de critérios usados para facilitar e tornar objetiva a pesquisa. Comumente, os critérios definidos

para a coleta de dados na pesquisa bibliográfica têm o propósito de direcionar a coleta de dados para próximo do objetivo da pesquisa, passando o autor de um critério inicial a outro.

A figura a seguir ilustra os critérios que definem a coleta de dados na pesquisa bibliográfica.

inicial a outro. A figura a seguir ilustra os critérios que definem a coleta de dados
Figura 4 - Critérios para a coleta de dados na pesquisa bibliográfica. Fonte: Adaptado de

Figura 4 - Critérios para a coleta de dados na pesquisa bibliográfica. Fonte: Adaptado de LIMA e MIOTO, 2007.

Os critérios de definição para a coleta de dados possuem relação direta com o universo da pesquisa. Lima e Mioto (2007) assim os apresentam:

Parâmetros temáticos: são as obras relacionadas ao objeto de estudo, organizadas de acordo com os assuntos : são as obras relacionadas ao objeto de estudo, organizadas de acordo com os assuntos que lhe são correlatos;

Parâmetros linguísticos: são as obras nos idiomas selecionadas, nos diferentes idiomas, como francês, inglês e espanhol; : são as obras nos idiomas selecionadas, nos diferentes idiomas, como francês, inglês e espanhol;

Principais fontes: são livros, teses, artigos e documentos que se pretende consultar e selecionar para a : são livros, teses, artigos e documentos que se pretende consultar e selecionar para a pesquisa, de acordo com os assuntos abordados;

Parâmetros cronológicos: consistem na linha do tempo definida para a pesquisa, ou seja, até três anos, : consistem na linha do tempo definida para a pesquisa, ou seja, até três anos, cinco anos, 10 anos. Quanto mais amplo esse fluxo temporal, mais trabalho gerará para o pesquisador.

Definidos os critérios para a coleta de dados, tem-se a aplicação de uma técnica na pesquisa bibliográfica: a leitura. São cinco os tipos de leituras comumente aplicados, o que inclui a leitura de reconhecimento do material bibliográfico, a leitura exploratória, a leitura seletiva, a leitura reflexiva ou crítica e a leitura interpretativa. O quadro a seguir detalha o significado de cada uma delas.

Outra certeza presente na pesquisa bibliográfica consiste no significativo acervo para ser lido pelo pesquisador, que usará fontes como trabalhos acadêmicos, teses, dissertações, monografias, artigos, revistas especializadas, documentos institucionais, filmes, documentários em áudio, entre outros. Isso porque o embasamento teórico é uma etapa da pesquisa científica que costuma apresentar progresso lento e oferece certo nível de esgotamento ao pesquisador. No entanto, para esse tipo de atividade não é recomendável a terceirização, ou seja, aquela velha frase de “se quiser o trabalho bem feito, faça você mesmo” se aplica perfeitamente.

Uma dica interessante para que o pesquisador consiga se organizar minimamente é, ao selecionar uma obra relevante para o trabalho, fazer uma identificação com dados completos, como título da obra, autor, página e, se for o caso, até mesmo o parágrafo em que encontrou os argumentos interessantes. Afinal, saber as contribuições que cada obra pode oferecer ao trabalho acadêmico é fundamental, pois gera segurança para o pesquisador, permite que ele faça novas correlações, possibilita descobrir novos assuntos de pesquisa e facilita o caminhar nesse nem sempre reto e plano trajeto que é a pesquisa. Por fim, ter sempre em mente o desenho metodológico é absolutamente necessário.

De posse das contribuições localizadas por meio de uma criteriosa pesquisa bibliográfica, o pesquisador terá condições de definir os conceitos científicos de seu trabalho, bem como demarcar variáveis empíricas e selecionar indicadores pertinentes.

os conceitos científicos de seu trabalho, bem como demarcar variáveis empíricas e selecionar indicadores pertinentes.
Quadro 1 - Tipos de leituras aplicadas na pesquisa bibliográfica e seus significados práticos na

Quadro 1 - Tipos de leituras aplicadas na pesquisa bibliográfica e seus significados práticos na metodologia científica. Fonte: Adaptado de LIMA e MIOTO, 2007, p. 41.

científica. Fonte: Adaptado de LIMA e MIOTO, 2007, p. 41. Figura 5 - A dedicação do

Figura 5 - A dedicação do pesquisador durante a pesquisa bibliográfica se expressa na forma de leitura exploratória, seletiva, analítica e interpretativa do material. Fonte: Ljupco Smokovski, Shutterstock, 2018.

2.3

Conceitos

O pesquisador é um importante ator no processo de pesquisa, contudo, a objetividade deve ser perseguida no desenvolvimento. Isso é importante para que a análise e as avaliações sejam imparciais, posto que a parcialidade é um crime capital para qualquer pesquisa, tornando-a sem efeito e desacreditada.

Um dos aspectos mais magníficos da pesquisa tem por fundamento a ideia de que, mesmo não conhecendo plenamente o objeto de pesquisa, o pesquisador consegue aplicar métodos científicos, ajustando a pesquisa às novas descobertas. O emprego de conceitos científicos em ciências tem como objetivo significar propriedades, características das coisas, dos fatos ou dos fenômenos que deseja

representar. A ciência utiliza as definições “[

observacional [

As definições denominadas nominais utilizam termos empíricos já estabelecidos em expressão ao conceito científico. Koche (2016, p.

117) ilustra a questão com o exemplo do termo “nível socioeconômico”, observável mediante os “[

habitação, qualidade e quantidade de bens imóveis e móveis e outros. Os indicadores servem para selecionar aspectos que proporcionem a aferição empírica da variável”. A mensuração de variável do tipo “estrutura organizacional” requer o estabelecimento de suas dimensões, como caracterização da estrutura organizacional e perfil da equipe. Além disso, para cada uma dessas dimensões a designação de um ou mais indicadores, como modalidade de vínculo para perfil da equipe e documentos base para a caracterização da estrutura organizacional.

indicadores: salário, tipo de

para traduzir os conceitos e construtor do nível teórico e abstrato para o empírico e

]

]

e assim, [

]

designar as manifestações empíricas dos fenômenos (manifestações observáveis)” (KOCHE, 2016, p. 116).

]

Muitos fenômenos naturais são relativamente fáceis de explicar, mas os fenômenos ou eventos sociais geralmente são complexos, de difícil explicação. Nesse contexto, Castro (2011, p. 93) nos ensina que, nas ciências sociais, as variáveis que se quer explicar são

influenciadas por outras variáveis, as quais precisam ser tratadas estatisticamente para serem compreendidas, por isso, considera que

“[

]

a investigação em ciências sociais raramente é óbvia, simples ou sumária”.

A

seguir, vamos analisar um caso prático para entender melhor sobre isso.

analisar um caso prático para entender melhor sobre isso. CASO Na pesquisa que abrange a área

CASO

Na pesquisa que abrange a área das ciências sociais, o pesquisador pode cair em ciladas difíceis de serem contornadas.

Um jovem pesquisador escolheu como tema de sua pesquisa a educação profissional no Brasil. Como recorte temporal, estabeleceu a promulgação da LDB 9394/96, bem como seus objetivos geral e específicos e a problemática. Assim, para fazer a pesquisa bibliográfica, não encontrou dificuldades, contando com um acervo de autores consagrados e pesquisadores interessados na área. Entretanto, encontrou

diversos obstáculos para estabelecer os conceitos científicos para a fundamentação teórica diante dos variados caminhos possíveis. Com isso, também encontrou entraves e não chegou a seleção dos indicadores.

Diante da situação, concluiu pela necessidade de revisão do tema, de forma a atuar sobre um universo de pesquisa mais delimitado sobre o qual pudesse levar a bom termo sua tarefa de pesquisador.

Isso significa que, em uma pesquisa social, o evento ou fenômeno não tem apenas uma causa determinística, mas, sim, um contexto de

variáveis que se somam, influenciando umas às outras. Assim, o estabelecimento do número de indicadores é tarefa exigente e delicada

a qual o pesquisador deverá dedicar certa dose de experiência, criatividade e sutileza.

2.4 Procedimentos e técnicas de pesquisa

Formulados o referencial teórico necessário à sustentação da argumentação da pesquisa em suas bases epistemológica e metodológica, identificados os conceitos científicos representativos do campo teórico expressos, por vezes, em categorias de análise, variáveis e indicadores correlatos; a pesquisa entra na etapa de definição dos procedimentos e técnicas de pesquisa.

A escolha de procedimentos e técnicas de pesquisa envolve a compreensão quanto as condições necessárias e favoráveis para a coleta de

dados, sua análise e interpretação, de forma a confrontar o referencial teórico do problema, com os dados da realidade investigados.

Os procedimentos e técnicas de pesquisa variam conforme a natureza da pesquisa, a forma de abordagem, os objetivos e os procedimentos técnicos empregados. A classificação dos diferentes tipos de procedimentos e técnicas é um recurso didático para explicar o tema, contudo, essa classificação não é excludente. Dessa forma, uma mesma pesquisa pode reunir características de diferentes tipos de pesquisa.

A seguir, temos uma figura demonstrativa quanto aos procedimentos e tipos de pesquisa.

demonstrativa quanto aos procedimentos e tipos de pesquisa. Figura 6 - Classificação de pesquisa quanto à

Figura 6 - Classificação de pesquisa quanto à natureza, à abordagem, aos objetivos e as técnicas e procedimentos empregados. Fonte: Adaptado de GIL, 2011.

Segundo Koche (2016, p. 122), “[

nível de conhecimento do investigador. Isso significa que pode haver um número sem fim de tipos de pesquisa”. Naturalmente, as possibilidades de tipos de pesquisa e suas combinações concorrem para que exista uma gama de tipos de pesquisa, de forma a atender aos mais diversos problemas de investigação. O autor ainda distingue três tipos de pesquisa: a bibliográfica, a experimental e a descritiva.

o planejamento de uma pesquisa depende tanto do problema a ser investigado, da sua natureza e

]

Considerando a natureza da pesquisa, seus tipos podem ser classificados em pesquisa básica ou pura e pesquisa aplicada. A pesquisa básica, também denominada pesquisa pura, tem por característica a criação de conhecimento científico de interesse universal, sem efeito prático direto. A pesquisa aplicada, por sua vez, tem por característica realizar a investigação situada em um ambiente específico para solucionar um problema de interesse local, particular, em uma determinada realidade especial.

local, particular, em uma determinada realidade especial. VOCÊ QUER LER? O Centro Latino Americano de Estudos
local, particular, em uma determinada realidade especial. VOCÊ QUER LER? O Centro Latino Americano de Estudos
local, particular, em uma determinada realidade especial. VOCÊ QUER LER? O Centro Latino Americano de Estudos
local, particular, em uma determinada realidade especial. VOCÊ QUER LER? O Centro Latino Americano de Estudos
local, particular, em uma determinada realidade especial. VOCÊ QUER LER? O Centro Latino Americano de Estudos
local, particular, em uma determinada realidade especial. VOCÊ QUER LER? O Centro Latino Americano de Estudos

VOCÊ QUER LER?

O Centro Latino Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Capeli, criado em 1988 pela ENSP/FIOCRUZ, investiga o impacto da violência sobre a saúde da população brasileira e latino-americana produzindo pesquisas do tipo aplicada, visando solucionar questões locais. Acesse e leia as pesquisas realizadas pelo Centro em <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/departamento/claves (http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/departamento/claves)>.

Quanto a classificação do tipo de pesquisa científica do ponto de vista dos objetivos, Gil (2011, p. 27) distingue três níveis: “[ exploratórios, estudos descritivos e estudos que verificam hipótese causais”, nomeadas explicativas.

Os estudos exploratórios são adequados em pesquisas de temáticas genéricas, pouco conhecidas, concorrendo com dificuldade na

operacionalização dos procedimentos de verificação. A pesquisa do tipo exploratória serve, principalmente, para esclarecer conceitos e ideias, acumular conhecimento sobre o tema, favorecendo estudos posteriores com melhor delimitação do campo e procedimentos mais

sistematizados. A operacionalização da pesquisa exploratória “[

restringindo-se a definir objetivos e buscar mais informações sobre determinado assunto de estudo” (CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007, p.

62).

descrição das características de determinada população ou

fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis” (GIL, 2011, p. 28). Destacam-se os estudos de abordagem a grupos populacionais em pesquisas de gênero, etnia, faixa etária, escolaridade, nível de aprendizagem, distribuição de renda, pesquisa de opinião, de satisfação e marketing. Entre os instrumentos para a coleta de dados, a pesquisa descritiva faz uso de técnicas padronizadas, como questionários e observação sistemática.

Do ponto de vista do objetivo, a pesquisa do tipo descritiva visa a “[

não requer a elaboração de hipóteses a serem testadas no trabalho,

estudos

]

]

]

do tipo descritiva visa a “[ não requer a elaboração de hipóteses a serem testadas no
do tipo descritiva visa a “[ não requer a elaboração de hipóteses a serem testadas no
do tipo descritiva visa a “[ não requer a elaboração de hipóteses a serem testadas no
VOCÊ QUER LER? O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) disponibiliza em seu site

VOCÊ QUER LER?

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) disponibiliza em seu site pesquisas com dados e indicadores sociais e econômicos nas áreas de trabalho e renda,

população indígena, censo demográfico e outros de interesse da comunidade acadêmica e científica. Vale a pena acessar e entender melhor quanto a esses tipos de

Os estudos de ponto de vista explicativo “[

para a ocorrência dos fenômenos” (GIL, 2011, p. 28). Nesse tipo de pesquisa, os procedimentos preferenciais são a pesquisa experimental, em que são selecionadas as variáveis intervenientes, define-se formas de controle e de observação dos efeitos produzidos sobre o objeto; e a pesquisa ex-post-facto, em que o experimento se realiza após a ocorrência do fenômeno. Assim, o pesquisador realiza inferências sobre as relações entre as variáveis observadas.

Do ponto de vista dos procedimentos e técnicas, a distinção das pesquisas são marcadas pela origem das fontes dos dados coletados. Em um primeiro grupo temos as pesquisas que se utilizam das chamadas fontes de papel, características das pesquisas do tipo bibliográfica e documental. No segundo grupo, temos as pesquisas experimental, de ação, levantamento de campo, estudo de caso e participante, em que as fontes de dados são fornecidas por pessoas.

Na pesquisa bibliográfica e na documental, os dados são coletados mediante consulta de documentos, chamadas fontes de papel¸ escritas ou não. A pesquisa bibliográfica é fundamental para o trabalho científico em suas diferentes formas de apresentação e natureza.

Na pesquisa documental, as fontes são os documentos de primeira mão, ou seja, todo material que ainda não recebeu nenhuma forma de tratamento de análise científica, como matéria jornalística, cartas, contratos, fotografias, folder e catálogos; além dos documentos de segunda mão, que já foram analisados de alguma forma, como relatórios de projetos, atas, projetos de programas oficiais e outros. Lakatos e Marconi (2017, p. 174) classificam em três variáveis as fontes na pesquisa documental, sendo elas: fontes escritas ou não, fontes primárias ou secundárias e fontes contemporâneas.

têm como preocupação central identificar os fatores que determinam ou que contribuem

]

identificar os fatores que determinam ou que contribuem ] VOCÊ QUER VER? O filme O Sal
identificar os fatores que determinam ou que contribuem ] VOCÊ QUER VER? O filme O Sal
identificar os fatores que determinam ou que contribuem ] VOCÊ QUER VER? O filme O Sal
identificar os fatores que determinam ou que contribuem ] VOCÊ QUER VER? O filme O Sal
identificar os fatores que determinam ou que contribuem ] VOCÊ QUER VER? O filme O Sal
identificar os fatores que determinam ou que contribuem ] VOCÊ QUER VER? O filme O Sal

VOCÊ QUER VER?

O filme O Sal da Terra, de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado, é um documentário que retrata a vida do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado. A obra privilegia o

acervo fotográfico do autor como principal fonte de informação, testemunha de inúmeros conflitos no mundo, da fome e do êxodo que atinge milhares de viventes. Por certo, a produção do filme fez uma exaustiva pesquisa documental e uso de fonte de coleta de dados primários, principalmente fotografias.

não se verificam grandes

limitações quanto à possibilidade de experimentação. Quando, porém, se trata de experimentar com objetos sociais, ou seja, com pessoas, as limitações tornam-se evidentes” (GIL, 2011, p. 52). Uma ideia equivocada é a de que a pesquisa experimental é restrita a

Do ponto de vista dos procedimentos, a pesquisa do tipo experimental em ciências físicas e naturais “[

]

ambiente de laboratório, mas isso, no entanto, não é verdadeiro, pois uma pesquisa pode ser experimental, fazer uso de procedimentos

apropriados, de aparelhos e instrumentos, bem como se realizar no contexto de campo. O que ocorre, de fato, é que “[ laboratório, realizam-se mais pesquisas de natureza experimental” (CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007, p. 63).

no contexto de

]

(CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007, p. 63). no contexto de ] VOCÊ O CONHECE? Stephen Hawking é
(CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007, p. 63). no contexto de ] VOCÊ O CONHECE? Stephen Hawking é
(CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007, p. 63). no contexto de ] VOCÊ O CONHECE? Stephen Hawking é
(CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007, p. 63). no contexto de ] VOCÊ O CONHECE? Stephen Hawking é
(CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007, p. 63). no contexto de ] VOCÊ O CONHECE? Stephen Hawking é
(CERVO; BERVIAN; SILVA, 2007, p. 63). no contexto de ] VOCÊ O CONHECE? Stephen Hawking é

VOCÊ O CONHECE?

Stephen Hawking é um astrofísico britânico, aclamado por sua contribuição à ciência moderna com a nova teoria do espaço/tempo e da radiação dos buracos negros, conhecida como Big Bang. O astrofísico buscava uma compreensão completa do universo, sendo que sua intensa atividade científica contribuiu na divulgação científica sobre complexas teorias cosmológicas, mediante a publicação de livros em linguagem acessível para todos, incluindo crianças.

com o objetivo de descrever características, ações e opiniões de determinado grupo de pessoas, em geral uma população-alvo definida por meio de técnicas de amostragem. As pesquisas de levantamento de campo também são empregadas em grande escala, como no caso de pesquisas censitárias. Isso porque elas requerem uma grande estrutura material e mobilização de pessoas, além de grande quantidade de recursos financeiros para sua execução. Dessa forma, são basicamente realizadas por grandes institutos de pesquisas, empresas e órgãos do governo.

institutos de pesquisas, empresas e órgãos do governo. VOCÊ QUER LER? O Sistema de Avaliação da
institutos de pesquisas, empresas e órgãos do governo. VOCÊ QUER LER? O Sistema de Avaliação da
institutos de pesquisas, empresas e órgãos do governo. VOCÊ QUER LER? O Sistema de Avaliação da
institutos de pesquisas, empresas e órgãos do governo. VOCÊ QUER LER? O Sistema de Avaliação da
institutos de pesquisas, empresas e órgãos do governo. VOCÊ QUER LER? O Sistema de Avaliação da
institutos de pesquisas, empresas e órgãos do governo. VOCÊ QUER LER? O Sistema de Avaliação da

VOCÊ QUER LER?

O Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), criado em 1999 pelo governo, é um exemplo de pesquisa do tipo levantamento de campo, de grande complexidade e alcance da população escolar brasileira. Essa pesquisa realiza o diagnóstico sobre a educação no Brasil e aponta indicadores consolidados para a formulação de políticas públicas educacionais. Consulte o site <http://portal.inep.gov.br/educacao-basica/saeb (http://portal.inep.gov.br/educacao-basica/saeb)> para saber mais sobre o SAEB.

Gil (2011, p. 55) reconhece a popularidade dos levantamentos por amostragem entre os pesquisadores sociais e alerta os cuidados

necessários na aplicação dos levantamentos, pois, “[

autor, uma visão geral das vantagens e limitações observadas na aplicação da pesquisa de levantamento é apresentada no quadro a seguir.

Ao considerar as vantagens e limitações da pesquisa do tipo levantamento de campo, o pesquisador poderá avaliar o contexto de execução do trabalho e decidir sobre a melhor opção. Portanto, é importante conhecer as diferentes possibilidades e características de cada uma das modalidades, bem como o tipo de abordagem de pesquisa.

Mas e quando o estudo visa investigar algo singular e específico, qual é o tipo de pesquisa mais indicado?

como todos os outros, apresenta vantagens e limitações”. Ainda com base no

]

apresenta vantagens e limitações”. Ainda com base no ] Quadro 2 - Uma visão comparativa das

Quadro 2 - Uma visão comparativa das vantagens e limitações de pesquisa do tipo levantamento de campo. Fonte: Adaptado de GIL, 2011.

Em casos particulares, recomenda-se o uso do estudo de caso. Do ponto de vista dos procedimentos, o estudo de caso pode investigar um objeto — como o caso particular de uma gestora escolar da rede pública de ensino — ou alguns objetos complexos — como o das

incide naquilo que ele tem de único, de

particular, mesmo que posteriormente venham a ficar evidentes certas semelhanças com outros casos e situações” (LUDKE; ANDRÉ,

2013, p. 17).

A complexidade do estudo de caso está no contexto que circunscreve o objeto investigado, quer seja o estudo de um caso particular ou o estudo de um caso que envolva maior quantidade de elementos, como o estudo de caso do ensino de determinada língua indígena em território nativo. Com isso, podemos entender que a complexidade do estudo de caso de abordagem qualitativa é intensificada na medida do aprofundamento do tema.

classes de alternância ou o ensino de língua indígena. Assim, nessa abordagem, o interesse “[

]

Do ponto de vista dos objetivos, a pesquisa do tipo estudo de caso pode ser exploratória, descritiva ou explicativa. Críticas apresentadas ao estudo de caso dizem respeito a falta de rigor na definição dos procedimentos metodológicos, dificuldade de generalização e o longo

a experiência acumulada nas últimas

tempo dedicado ao estudo. Em respeito a esses pontos críticos, Gil (2011, p. 58) observa “[

décadas mostra que é possível a realização de estudos de caso em períodos curtos e com resultados possíveis de confirmação por outros

]

estudos”.

Temos, ainda, por outro lado, a pesquisa-ação e a pesquisa participante, que se realizam mediante interação entre pesquisadores e participantes do contexto investigado. Uma distinção significativa entre pesquisa-ação e a pesquisa participante é fornecida por

a pesquisa-ação, além da participação, supõe uma forma de ação planejada de caráter social,

educacional, técnico ou outro, que nem sempre se encontra em propostas de pesquisa participante”.

A pesquisa-ação busca nortear a resolução do problema ou dos objetivos de transformação social, sendo adequadas ao trabalho com

uma

pesquisa pode ser qualificada de pesquisa-ação quando houver realmente uma ação por parte das pessoas ou grupos implicados no problema sob observação”. Assim, nesse tipo de pesquisa, o pesquisador e os membros do grupo possuem um papel ativo no planejamento da pesquisa, no acompanhamento e na avaliação das ações e nos resultados encontrados em função do problema investigado.

Quanto à forma de abordagem do problema, a pesquisa pode ser do tipo quantitativo ou qualitativo. A pesquisa de abordagem quantitativa objetiva quantificar informações, opiniões e ideias, mas, para tanto, faz uso de instrumental técnico e processos estatísticos para classificação e análise dos resultados. A pesquisa do tipo qualitativa, por sua vez, objetiva a interpretação dos fenômenos, mediante perspectiva relacional entre a realidade e o sujeito. Vamos entender melhor sobre esses dois tipos na sequência.

grupos, comunidades e instituições, preferencialmente na abordagem de aspectos sociopolíticos. Para Thiollent (2005, p. 15), “[

Thiollent (2005, p. 07), em que “[

]

]

2.4.1 Pesquisa quantitativa e qualitativa

As pesquisas qualitativa e quantitativa são muito importantes pelas contribuições que oferecem para a ciência. Ambas possuem vantagens e desvantagens, aspectos negativos e positivos, assim como limitações. Mas, convenhamos, se fossem perfeitas, tudo estaria resolvido e muito provavelmente a ciência perderia a fascinação do desafio, não é? Por isso, antes de evoluirmos no assunto, você precisa ter em mente que ambas são igualmente complexas.

A pesquisa qualitativa é complexa, pois o cientista, ao se embrenhar pelos fenômenos sociais, em plena sociedade, deve ter consciência

de que, por mais bem estruturado o projeto de pesquisa e qualificado o método, há sempre variáveis incontroláveis. Günther (2006, p.

206), nesse sentido, afirma que, “[

estados subjetivos, pensamentos, sentimentos, atitudes” presentes na sociedade, tendem a motivar ajustes no planejamento da pesquisa, se não em outros elementos do projeto.

Sob

os

ao considerar como objeto de estudo do cientista social a variabilidade do comportamento e dos

]

o

ponto

de

vista

da

pesquisa

empírica,

Günther

(2006,

p.

206),

menciona

haver

três

aproximações

para

compreender

comportamentos e estados subjetivos presentes na sociedade:

observar o comportamento que ocorre naturalmente no âmbito real;comportamentos e estados subjetivos presentes na sociedade: criar situações artificiais e observar o comportamento

criar situações artificiais e observar o comportamento diante das tarefas definidas para essas situações;o comportamento que ocorre naturalmente no âmbito real; perguntar às pessoas sobre o seu comportamento, o

perguntar às pessoas sobre o seu comportamento, o que fazem e fizeram; e sobre os seus estados subjetivos, como o pensamento.diante das tarefas definidas para essas situações; As três aproximações para que os cientistas sociais

As três aproximações para que os cientistas sociais compreendam a realidade são, na realidade, abordagens metodológicas empíricas, conforme apresentado na figura a seguir.

empíricas, conforme apresentado na figura a seguir. Figura 7 - Abordagens metodológicas: observação de

Figura 7 - Abordagens metodológicas: observação de comportamento, experimento e survey. Fonte: Adaptado de GÜNTHER, 2006.

A pesquisa qualitativa possui uma vantagem importante: a qualidade da coleta de dados e sua utilização. Isso porque os dados são coletados diretamente do objeto de estudos, na realidade desse objeto.

Nesse contexto, Chizzotti (2006, p. 79) menciona que

A

abordagem qualitativa parte do fundamento de que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, uma interdependência viva entre sujeito e

o

objeto, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito. O conhecimento não se reduz a um rol de dados isolados,

conectados por uma teoria explicativa; o sujeito-observador é parte integrante do processo de conhecimento e interpreta os fenômenos, atribuindo-lhes

significado. O objeto não é um dado inerte e neutro; está possuído de significados e relações que sujeitos concretos criam em suas ações.

Sobre a pesquisa qualitativa, Lakatos e Marconi (2009) consideram que ela se preocupa em analisar e interpretar aspectos mais profundos, descrevendo a complexidade do comportamento humano, fornecendo análise mais detalhada sobre os hábitos, as atitudes, as tendências, além de outros aspectos que envolvem os atores investigados.

Assim, toda pesquisa tem um pouco de qualitativa e um pouco de quantitativa, mas aqui estamos tratando delas em separado, pois é fundamental compreender que são distintas e que, em ambas, os procedimentos e os instrumentos metodológicos possuem variedade. Flick (2009) aborda a relação entre os dois tipos de pesquisas considerando que elas podem oferecer um quadro mais geral da questão em estudo. Quando aprofundamos nossos conhecimentos sobre a metodologia científica, descobrimos que muitos autores parametrizam a pesquisa qualitativa em relação a quantitativa, e vice-versa, em tentativas sucessivas não de conceituá-las, mas, sim, de apontar diferenças de toda ordem.

Günther (2006), então, considera que, para organizar as diferenças e similaridades entre a pesquisa qualitativa e a pesquisa quantitativa, consideramos:

características da pesquisa qualitativa;qualitativa e a pesquisa quantitativa, consideramos: postura do pesquisador; estratégias de coleta de dados;

postura do pesquisador;consideramos: características da pesquisa qualitativa; estratégias de coleta de dados; estudo de caso; papel do

estratégias de coleta de dados;da pesquisa qualitativa; postura do pesquisador; estudo de caso; papel do sujeito; aplicabilidade e uso dos

estudo de caso;postura do pesquisador; estratégias de coleta de dados; papel do sujeito; aplicabilidade e uso dos resultados

papel do sujeito;estratégias de coleta de dados; estudo de caso; aplicabilidade e uso dos resultados da pesquisa. Dessa

aplicabilidade e uso dos resultados da pesquisa.de coleta de dados; estudo de caso; papel do sujeito; Dessa forma, a pesquisa qualitativa, por

Dessa forma, a pesquisa qualitativa, por ter a subjetividade como uma das suas características mais marcantes, facilita a adaptação da aplicação de instrumentos metodológicos, possibilitando ao pesquisador avançar muito mais do que na pesquisa quantitativa, sobre diversos aspectos da realidade. Assim, infere sobre variáveis observáveis que não fazem parte do escopo da pesquisa.

Sendo assim, com base nesses conhecimentos, você possui elementos para decidir entre os procedimentos de pesquisa mais adequados ao seu projeto.

Síntese

Você concluiu os estudos sobre os aspectos metodológicos na elaboração do trabalho acadêmico/científico. Com essa discussão, esperamos que você se sinta competente para compreender as etapas da pesquisa científica, entender a relevância do referencial teórico, identificar conceitos e diferenciar procedimentos e técnicas de pesquisa quanto aos tipos de objetivos, natureza e procedimentos adotados.

Neste capítulo, você teve a oportunidade de:

perceber as etapas de uma pesquisa científica;adotados. Neste capítulo, você teve a oportunidade de: constatar que a elaboração de todo trabalho

constatar que a elaboração de todo trabalho acadêmico/científico tem como base o respeito aos aspectos metodológicos;de: perceber as etapas de uma pesquisa científica; distinguir as etapas de introdução e justificativa da

distinguir as etapas de introdução e justificativa da pesquisa;tem como base o respeito aos aspectos metodológicos; mapear as características dos procedimentos e técnicas de

mapear as características dos procedimentos e técnicas de pesquisa;as etapas de introdução e justificativa da pesquisa; refletir acerca da elaboração do referencial teórico de

refletir acerca da elaboração do referencial teórico de sustentação da pesquisa;características dos procedimentos e técnicas de pesquisa; conhecer as estratégias de construção dos conceitos

conhecer as estratégias de construção dos conceitos científicos.do referencial teórico de sustentação da pesquisa; Bibliografia BRASIL. <

Bibliografia

BRASIL.

em:

Instituto

Brasileiro

de

Geografia

e

Estatística.

Pesquisas.

Disponível

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Saeb. Disponível em:

CASTRO, C. de M. Como redigir e apresentar um trabalho científico. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

CERVO A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

FIOCRUZ. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Claves: Departamento de Estudos Sobre Violência e Saúde Jorge Careli. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/departamento/claves (http://www.ensp.fiocruz.br/portal- ensp/departamento/claves)>. Acesso em: 23/03/2018.

FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

GÜNTHER, H. Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: Esta é a Questão?. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 22, n. 2, p. 201-210, mai./ago. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/%0D/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf (http://www.scielo.br/pdf/%0D/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf)>. Acesso em: 23/03/2018.

KOCHE, J. C. Fundamentos de Metodologia Científica. Rio de Janeiro: Vozes, 2016.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Pespectiva, 1962.

LAKATOS, E.; MARCONI, M. Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2009.

Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2017.

LIMA, T.; MIOTO, R. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Rev. Katál, Florianópolis, v. 10, p. 35-47, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rk/v10nspe/a0410spe (http://www.scielo.br/pdf/rk/v10nspe/a0410spe)>. Acesso em: 23/03/2018.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2013.

MAGALHÃES, G. Introdução a Metodologia da Pesquisa: caminhos da ciência e tecnologia. São Paulo: Ática, 2005.

MINAYO, M. C. de S. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 2000.

O SAL da Terra. Direção: Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado. França/Brasil: IMOVISION, 2015. 110 min. Color.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez, 2005.

França/Brasil: IMOVISION, 2015. 110 min. Color. THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação . São Paulo: Cortez, 2005.