Você está na página 1de 4

ANATOMIA DA ORELHA

A orelha é formada pelas partes externa, média e interna.

Relacionadas principalmente com a transferência do som para a orelha interna.


Contém o órgão do equilíbrio e da audição
A membrana timpânica separa a orelha externa da orelha média. A tuba auditiva une a orelha média à nasofaringe.

► ORELHA EXTERNA
É formada pela orelha (pavilhão) e pelo meato acústico externo.
Conduz o som até a membrana timpânica
Capta o som

● ORELHA
É formada por uma fina lâmina de cartilagem elástica coberta por pele
fina.
O lóbulo é não cartilagíneo, sendo constituído de tecido fibroso, gordura e
vasos sanguíneos. A partir de sua perfuração é possível colher pequenas
amostras de sangue.
O trago é uma projeção linguiforme superposta à abertura do meato
acústico externo.
O suprimento arterial provém principalmente das artérias auricular
posterior e temporal superficial.
Os principais nervos para a pele da orelha são o auricular magno e o
auriculotemporal (ramo do nervo mandibular).

● MEATO ACÚSTICO EXTERNO


É um canal que segue da orelha até a membrana timpânica, segue
internamente através da parte timpânica do temporal.
Seu 1⁄3 lateral tem formato ligeiramente sigmoide, é cartilagíneo e revestido
por pele contínua a pele da orelha. É nesta parte cartilagínea que se
localizam as glândulas ceruminosas e sebáceas presentes no tecido
subcutâneo, as quais produzem o cerume.
Seus 2⁄3 mediais são ósseos e revestidos por pele fina e contínua com a
camada externa da membrana timpânica.
A membrana timpânica se localiza na extremidade medial do meato acústico
externo, é uma membrana
fina, semitransparente e
oval. Essa membrana é
uma divisória entre o meato da orelha externa e a cavidade
timpânica da orelha média. Externamente é coberta por pele fina
e internamente pela mucosa da orelha média.
Essa membrana tem uma concavidade voltada para o meato
acústico externo, sendo que possui uma depressão central cônica,
que é o umbigo da membrana timpânica.
Acima da proeminência malear/processo lateral do martelo a
membrana é fina, sendo denominada de parte flácida (pars
flaccida), esta parte não possui as fibras radiais e circulares presentes no restante da membrana, denominada parte
tensa (pars tensa).
A parte flácida forma a parede lateral do recesso epitimpânico.

► ORELHA MÉDIA
A cavidade da orelha média/cavidade timpânica situa-se na parte petrosa do temporal, é uma câmara cheia de ar. Esta
cavidade tem 2 partes: a cavidade timpânica propriamente dita e o recesso epitimpânico.
Na parte anteromedial, a cavidade timpânica está unida à nasofaringe através da tuba auditiva. Na parte
posterossuperior está unida às células mastoides através do antro mastóideo.
A cavidade timpânica é revestida por mucosa.

É contínua com o revestimento da tuba auditiva, do antro mastóideo e das células mastóideas.
A orelha média é composta por:
- ossículos da audição (martelo, bigorna e estribo).
- músculos estapédio e tensor do tímpano.
- nervo corda do tímpano (ramo do nervo facial).
1
- plexo timpânico de nevos.

● PAREDES DA CAVIDADE TIMPÂNICA


A cavidade timpânica possui 6 paredes.

1. PAREDE TEGMENTAL (TETO)


Formada por uma fina lâmina de osso (tegme timpânico). Separa a cavidade timpânica da dura-máter no assoalho
da fossa médio do crânio.

2. PAREDE JUGULAR (ASSOALHO)


É formada por uma fina lâmina de osso que separa a cavidade timpânica do bulbo superior da veia jugular interna.

3. PAREDE MEMBRANÁCEA (PAREDE LATERAL)


É formada em sua grande maioria pela membrana timpânica. Superiormente é formada pela parede óssea lateral do
recesso epitimpânico. O cabo do martelo está fixado à membrana timpânica, e sua cabeça estende-se até o recesso
epitimpânico.

4. PAREDE LABIRÍNTICA (PAREDE MEDIAL)


Separa a cavidade timpânica da orelha interna. Tbm tem o promontório da parede labiríntica e as janelas oval e
redonda.
Formado pela parte inicial da cóclea
5. PAREDE MASTÓIDEA (PAREDE POSTERIOR)
Tem uma abertura em sua parte superior, o ádito ao antro mastóideo, que une a cavidade timpânica às células
mastóideas; o canal para o nervo facial desce entre a parede posterior e o antro, medial ao ádito.

6. – PAREDE CARÓTICA (ANTERIOR)


Separa a cavidade timpânica do canal carótico; superiormente, tem a abertura da tuba auditiva e o canal para o
músculo tensor do tímpano.
O antro mastóideo é a cavidade comum na qual se abrem as células mastóideas. O antro e as células mastóideas são
revestidos por túnica mucosa contínua com o revestimento da orelha média. Na parte anteroinferior, o antro está
relacionado com o canal para o nervo facial.

● TUBA AUDITIVA
O terço posterolateral da tuba é ósseo e o restante é cartilagíneo. É revestida por mucosa, que é contínua
posteriormente com a mucosa da cavidade timpânica e anteriormente com a mucosa da nasofaringe.
Sua função é a de é igualar a pressão na orelha média à pressão atmosférica, permitindo, assim, o livre movimento
da membrana timpânica.
Essa tuba permite a entrada e a saída de ar da cavidade timpânica, equilibrando a pressão nos dois lados da
membrana.
Como normalmente as paredes da parte cartilagínea tuba estão em aposição, a tuba deve ser ativamente aberta. Sua
abertura ocorre pela ação dos músculos levantador do véu palatino e do tensor do véu palatino.

São músculos do palato mole, portanto, a equalização da pressão está associada ao bocejar e ao deglutir.
Os nervos da tuba auditiva originam-se no plexo timpânico.
Formado por fibras do nervo glossofaríngeo

● OSSÍCULOS DA AUDIÇÃO
Estes ossículos formam uma cadeia móvel de pequenos ossos que vão desde a membrana timpânica até a janela do
vestíbulo. Abertura oval na parede labiríntica da cavidade timpânica, que conduz ao vestíbulo do labirinto
ósseo.
São formados de osso denso (rígido).
São cobertos pela mucosa que reveste a cavidade timpânica, mas não possuem uma camada adjacente de periósteo
osteogênico.
2
MARTELO: fixa-se à membrana timpânica. Sua cabeça está localizada no recesso epitimpânico. O colo do martelo
situa-se contra a parte flácida da membrana timpânica.
O cabo do martelo está inserido na membrana timpânica, com sua extremidade no umbigo da membrana
timpânica. É no cabo que se insere o tendão do músculo tensor do tímpano.
A cabeça do martelo articula-se com a bigorna.
O nervo corda do tímpano passa medialmente ao colo do martelo.
Funciona como uma alavanca.

BIGORNA: articula-se com o martelo e com o estribo. Possui 1 corpo e 2 ramos.

Situa-se no recesso epitimpânico , onde se articula com a cabeça do martelo


O ramo longo articula-se com o estribo.
O ramo curto está unido à parede posterior da cavidade timpânica por um ligamento.

ESTRIBO: é o menor ossículo. Sua cabeça articula-se com a bigorna. Sua base encaixa-se na janela oval.
Por conta da base ser bem menor do que a membrana timpânica, a força vibratória do estribo é aumentada em
cerca de 10 vezes em relação à da membrana timpânica. Assim, os ossículos aumentam a força, mas diminuem a
amplitude das vibrações transmitidas para a orelha interna.

MÚSCULOS ASSOCIADOS AOS OSSÍCULOS DA AUDIÇÃO: 2 músculos amortecem ou resistem aos movimentos dos
ossículos da audição; há tbm um músculo que amortece o movimento da membrana timpânica.
O músculo tensor do tímpano se insere no cabo do martelo. Ele puxa o cabo medialmente, tensionando a membrana
timpânica medialmente, isso reduz sua amplitude de oscilações. Esta ação tende a evitar lesão da orelha interna
quando é exposta a sons altos.
É suprido pelo nervo mandibular (NC V3).
O músculo estapédio é um pequeno músculo no interior da eminência piramidal (pirâmide).
Proeminência oca na parede posterior da cavidade timpânica
Este músculo se insere no colo do estribo.
Traciona o estribo posteriormente e inclina sua base na janela do vestíbulo, isto tensiona o ligamento anular e reduz
a amplitude oscilatória. Isto tbm impede o movimento excessivo do estribo.
O nervo para este músculo origina-se do nervo facial (NC VII).

► ORELHA INTERNA
Contém o órgão vestibulococlear.
Relacionado com a recepção do som e a manutenção do equilíbrio.
A orelha interna se localiza na parte petrosa do temporal. É formada por sacos e ductos do labirinto membranáceo.

É preenchido por endolinfa. Está suspenso no labirinto ósseo, o qual é preenchido por perilinfa. É sustentado
por delicados filamentos. Não está flutuando.

● LABIRINTO ÓSSEO
O labirinto ósseo é composto pela cóclea, vestíbulo e canais semicirculares. Localiza-se na cápsula ótica da parte
petrosa do osso temporal.
CÓCLEA: tem a forma de espiral. Contém o ducto coclear.
Parte da orelha interna associada à audição
O canal espiral da cóclea começa no vestíbulo e faz 2 voltas e meia ao redor do modíolo (centro ósseo).

Contem canais para os vasos sanguíneos e para a distribuição dos ramos do nervo coclear
A grande volta basal da cóclea produz o promontório da parede labiríntica.

Na volta basal o
labirinto ósseo
comunica-se com o
espaço subaracnóideo
superior ao forame
jugular através do
aqueduto da cóclea.
Neste local tbm se
localiza a janela da
cóclea, fechada pela
membrana timpânica
secundária.

VESTÍBULO DO
LABIRINTO ÓSSEO: É
3
uma pequena câmara o oval que contém o utrículo e o sáculo e partes do aparelho do equilíbrio (labirinto
vestibular).
No vestíbulo localiza-se a janela do vestíbulo, ocupada pela base do estribo.