Você está na página 1de 4

Sansão, a força e a fraqueza de um herói

Juízes 13.2-5: 2 Havia um homem de Zorá, da linhagem de Dã, chamado


Manoá, cuja mulher era estéril e não tinha filhos. 3 Apareceu o Anjo do Senhor
a esta mulher e lhe disse: Eis que és estéril e nunca tiveste filho; porém
conceberás e darás à luz um filho. 4 Agora, pois, guarda-te, não bebas vinho
ou bebida forte, nem comas coisa imunda; 5 porque eis que tu conceberás e
darás à luz um filho sobre cuja cabeça não passará navalha; porquanto o
menino será nazireu consagrado a Deus desde o ventre de sua mãe; e ele
começará a livrar a Israel do poder dos filisteus.

Introdução
Os juízes foram líderes tribais que governaram Israel no período que se seguiu
à conquista da terra. Quando se estabeleceram na terra, os israelitas
enfrentaram muitos inimigos vizinhos. Um deles vem da costa do Mar
Mediterrâneo. Trata-se dos filisteus. Saul e Davi muito se empenharam para
combatê-los. Mas antes dos reis, Deus levantou uma pessoa para começar a
libertar Israel domínio dos filisteus: Sansão. Este foi uma figura um tanto
contraditória: foi consagrado desde o ventre da sua mãe para Deus, mas viveu
uma vida dissoluta e imoral. Apesar dos desvios morais, seu nome está na lista
dos heróis da fé (Hb 11.32). Vejamos quem foi Sansão.
O herói
1) Sansão foi o último juiz de Israel. Julgou por 20 anos (Jz 15.20). Ele
começou a libertar Israel do poder dos filisteus (13.5b).
2) Sansão era nazireu, isto é, consagrado a Deus (Nm 6.1-21).
Comprometimento do nazireu: não tomar vinho nem bebido forte; não tocar em
cadáveres; não comer alimentos impuros; não cortar o cabelo.
3) Sansão era um instrumento do Espírito do Senhor: 13.25; 14.6. O Espírito
lhe dava força. Capacitava-o para lutar. Aliais, o nome “Sansão” significa “como
o sol”, que era um símbolo da força (Jz 5.31).
Sansão tinha em suas mãos a chave da vitória. O Espírito do Senhor agia
sobre ele. Ele poderia libertar completamente Israel das mãos dos filisteus.
Mas não libertou. Antes, ele mesmo acabaria sendo preso por eles.
Jovens: vocês são fortes. Já venceram o maligno. (1Jo 2.13). Mas porque
muitos jovens estão derrotados? Para responder essa questão, continuemos
com a história de Sansão.

A ruína do herói
Sansão quebrou seu voto com Deus. Tocou no cadáver de um leão (14.9).
Bebeu bebida forte (14.10: “banquete”, literalmente “uma festa de bebidas”).
Sansão era dirigido pela carne: 14.1; 16.1. Era dirigido pelo olhar. Em 14.1, ele
diz aos pais: “Vi uma mulher”. Em 14.3b, pede: “Toma-a para mim, porque ela
me agrada muito”, literalmente “ela é certa aos meus olhos”. Sansão era
dirigido pelo senso da época dos juízes: “cada um fazia o que lhe parecia certo”
(17.6).

Sansão tinha o poder do Espírito, mas não era dirigido pelo Espírito. Era
dirigido por suas paixões: 14.4.

O que fazer com o olho, se ele leva você ao pecado? Você, homem, como olha
para as mulheres? Se você não consegue controlar seu olhar, então ‘arranque’
seu olho (Mt 5.29).
Ou seja, há situações que você precisa se comportar como se não tivesse
olhos. Faça uma aliança com seus olhos, para que eles não se inclinem para o
lugar errado (Jó 31.1).

Aqui, um conselho às jovens: cuidado com suas roupas. Cuidado para não se
tornarem pedra de tropeço (Mt 18.7-9).
A ruína final de Sansão é narrada em Jz 16.4-31. Depois de se envolver com
muitas mulheres, Sansão se casa com Dalila. Curiosamente o nome “Dalila”
significa “fraco”, e contrasta-se com a força de Sansão. Sansão era forte. Mas
Dalila era sua fraqueza!

Sansão se envolveu com a pessoa errada. A vida de Sansão nos ensina que
existem amizades perigosas, com influências perigosas. Veja Sl 1.1.

Sansão cedeu às pressões: 16.16. Ele era continuamente importunado.


Sansão estava no lugar errado, com a pessoa errada. Mas tinha consciência
quem era: “sou nazireu de Deus” (v.17). Sansão revelou “tudo o que tinha no
coração” (v.18).

No colo da Dalila, teve seus cabelos cortados: v.19. “e sua força desapareceu”.
Sua força não estava no cabelo. Sua força estava no Senhor: “Mas ele não
sabia que o Senhor havia se retirado dele” (v.20). Sansão estava fraco, mas
“não sabia”. Pior do que a fraqueza, é a ignorância da fraqueza.

Sansão foi preso pelos filisteus. Seus olhos foram furados (v.21). Agora ele não
mais desejaria as mulheres pelo olhar!

Sansão tornou-se um animal de trabalho. Foi humilhado: v.23-27. O forte


tornou-se fraco. Aquele que colocava medo em todos, agora é zombado. O
homem que era mais forte do que um leão, torna-se mais fraco do que uma
criança. Aqueles que fugiam de Sansão, agora riem dele. Sansão tornou-se
troféu de conquista dos filisteus.

Você acha mesmo que vale à pena jogar fora a vida que Deus para você?
Sansão é um sinal de que não vale à pena brincar com o pecado.

A última oração
Sansão foi levado ao templo do deus Dagom, que era um deus adorado pelos
filisteus. Enquanto era zombado, ele pediu para um jovem conduzi-lo até as
colunas que sustentavam o templo. Enquanto mais de três mil homens
caçoavam dele, orou: “Ó Senhor Deus! Lembra-te de mim e dá-me forças só
mais esta vez…” (v.28). O Senhor ouviu sua oração. As colunas foram
empurradas, e o templo ruiu sobre todos. Sansão matou mais gente em sua
morte do que em toda a sua vida (v.30b).

Nos últimos momentos de vida, Sansão clamou ao Senhor. Talvez seja por isso
que seu nome foi inserido na “galeria da fé” de Hebreus 11 (11.32).

Conclusão
Aprendemos com Sansão sobre o perigo de levar uma vida dissoluta. Mas
também aprendemos que nunca é tarde para se arrepender. Sempre é tempo
de voltar e recomeçar.
Mas você não precisa ser humilhado como Sansão para voltar-se para Deus.
Você não precisa ter os ‘olhos furados’ para mudar a maneira de olhar a vida.
Se os seus olhos fazem você pecar, siga a instrução de Jesus: arranque-os, ou
seja, comporte-se como se eles não existissem.