Você está na página 1de 63

Unidade I

TABELAS, GRÁFICOS E DIAGRAMAS

Profa. Ana Lúcia Machado da Silva


Tabelas

 Por que criamos tabelas e gráficos?


 Uma tabela com dados ou um gráfico fala por si só?
Atenção: Precisamos aprender a “ler e interpretar” tabelas e
gráficos.
 A partir dos dados inseridos em uma tabela, podemos
responder a perguntas;
 pela leitura direta da própria tabela;
 por análises ou cálculos feitos a partir dos dados da tabela.
Tabelas

 Se tivermos de responder perguntas sobre o maior (ou o


menor) valor de uma tabela, devemos ler esse valor
na própria tabela.

 Se tivermos de responder perguntas sobre a maior (ou a


menor) variação de valores e participações percentuais,
devemos fazer análises ou cálculos a partir dos dados
da tabela.
Tabelas

 Exemplo 1. Notas de Matemática.


 A tabela a seguir mostra as notas de duas provas (N1 e N2) de
3 alunos (Fábio, Mariana e Luiz).

Nome do aluno Nota na 1ª prova (N1) Nota na 2ª prova (N2)


Fábio 2 6
Mariana 9 10
Luiz 7 7

 Qual é o maior valor da tabela?


 Qual é o aluno com a maior variação de nota?
Tabelas

Exemplo 1.

Nome do aluno Nota na 1ª prova (N1) Nota na 2ª prova (N2)


Fábio 2 6
Mariana 9 10
Luiz 7 7

Qual é o aluno com a maior variação de nota?


 Fábio teve a maior variação de nota: passou de N1=2 para
N2=6. Triplicou a sua nota!
 Luiz não teve variação de nota.
 Mariana passou de nota N1=9 para nota N2=10.
Tabelas

Exemplo 1.

Nome do aluno Nota na 1ª prova (N1) Nota na 2ª prova (N2)


Fábio 2 6
Mariana 9 10
Luiz 7 7

Continuando análise:
 Mariana tem as maiores notas, porém a variação de suas
notas foi bem menor que a variação das notas de Fábio.
 Quais foram as variações percentuais das notas de Fábio,
Mariana e Luiz?
Tabelas

Exemplo 1.
Nome do aluno Nota na 1ª prova (N1) Nota na 2ª prova (N2)
Fábio 2 6
Mariana 9 10
Luiz 7 7
Calculando as variações:
 Fábio: de N1=2 para N2=6
 Variação na nota: 6-2 = +4
 2 ------- 100%
 4 -------- X%
2 4

100 % x
Tabelas

Exemplo 1.
2 4

100 % x
2X= 4.100%
4
X=400%/2 ou 100 %  x
x= 200%
2
A nota do Fábio triplicou, ou seja, houve aumento de 200%.
 Mariana: notas N1=9 e N2=10.
 Variação na nota:10 - 9 = +1
Tabelas

Exemplo 1. Mariana: notas N1=9 e N2=10.


 Variação na nota:10 - 9 = +1
 9---------100%
 1----------x%
9 1

100 % x
 9.X=1.100% ou 1 100 %  x
 X = 100%/9 9
 X = 11,11%.
 A nota da Mariana aumentou em 11% da 1ª
prova para a 2ª prova.
Tabelas

 Luiz: passou de nota N1=7 para nota N2=7.


 Variação na nota=7-7=0 (Luiz não alterou sua nota da
N1 para a N2).
 A nota do Luiz não sofreu variação da 1ª prova para
a 2ª prova (“variação de 0%”).

Conclusões:
 Mariana é a aluna com as maiores notas, mas não é a aluna
com a maior variação de nota.
 Fábio é o aluno com as menores notas, mas é o aluno com a
maior variação de nota.
 Luiz é o aluno com a menor variação de nota (teve notas
idênticas na N1 e na N2).
Tabelas

Exemplo 1.
Mariana: notas N1=9 e N2=10.
 Variação na nota:10 - 9 = +1
 9---------100%
 1----------x%
9 1

100 % x
1
 9.X=1.100% ou 100 %  x
 X = 100%/9
9
 X = 11,11%.
 A nota da Mariana aumentou em
11% da 1ª prova para a 2ª prova.
Tabelas

Exemplo 1.
Luiz: N1=7 e N2=7.
 Variação na nota=7-7=0
 A variação da nota de Luiz foi de 0%.

Conclusões:
 Mariana tem as maiores notas, mas não é a aluna com a maior
variação de nota.
 Fábio é o aluno com as menores notas, mas é o aluno com a
maior variação de nota.
 Luiz é o aluno com a menor variação de nota (teve notas
idênticas na N1 e na N2).
INTERVALO
Tabelas exemplo 2

Número de hosts (adaptado do ENADE 2007).


 A tabela a seguir mostra a evolução do número de hosts
(computadores conectados à internet) nos três países que
lideram o setor na América do Sul.

País 2003 2004 2005 2006 2007

Brasil 2.237.527 3.163.349 3.934.577 5.094.730 7.422.440

Argentina 495.920 742.358 1.050.639 1.464.719 1.837.050

Colômbia 55.626 115.158 324.889 440.585 721.114


Exemplo 2 - Número de hosts

País 2003 2004 2005 2006 2007

Brasil 2.237.527 3.163.349 3.934.577 5.094.730 7.422.440

Argentina 495.920 742.358 1.050.639 1.464.719 1.837.050

Colômbia 55.626 115.158 324.889 440.585 721.114

 Qual é o maior valor da tabela?


 Qual é o menor valor da tabela?
 Qual foi o país com maior crescimento percentual no número
de hosts de 2003 a 2007?
 Vamos oferecer as reflexões e resolução por partes.
Exemplo 2 - Número de hosts

País 2003 2004 2005 2006 2007

Brasil 2.237.527 3.163.349 3.934.577 5.094.730 7.422.440

Argentina 495.920 742.358 1.050.639 1.464.719 1.837.050

Colômbia 55.626 115.158 324.889 440.585 721.114

 Qual é o maior valor da tabela?


 Da leitura direta da tabela: o maior valor é 7.422.440 (número
de hosts no Brasil em 2007).
 Qual é o menor valor da tabela?
 Da leitura direta da tabela: o menor é 55.626 (número de hosts
na Colômbia em 2003).
Exemplo 2 - Número de hosts

 Qual foi o país com maior crescimento percentual no número


de hosts de 2003 a 2007?
País 2003 2007 2007/2003
Brasil 2.237.527 7.422.440 3,32
Argentina 495.920 1.837.050 3,70
Colômbia 55.626 721.114 12,96
Vamos refletir um pouco...
 O Brasil fez “um pouco mais que triplicar” o número de
equipamentos conectados.
 A Argentina “quase quadruplicou” o número de equipamentos
conectados.
 Já a Colômbia teve o número de o hosts “quase que
multiplicado por treze”.
Exemplo 2 - Número de hosts

País 2003 2007 2007/2003


Brasil 2.237.527 7.422.440 3,32
Argentina 495.920 1.837.050 3,70
Colômbia 55.626 721.114 12,96

 O país com maior crescimento percentual no número de hosts


foi a Colômbia. Em termos absolutos passou de 55.626 hosts
em 2003 para 721.114 hosts em 2007.
Exemplo 2 - Número de hosts

País 2003 2007 2007/2003


Brasil 2.237.527 7.422.440 3,32
Argentina 495.920 1.837.050 3,70
Colômbia 55.626 721.114 12,96

 Qual foi o país com menor crescimento percentual no número


de hosts de 2003 a 2007?
 O país com menor crescimento percentual no número de
hosts foi o Brasil. De 2.237.527 hosts em 2003 para 7.422.440
hosts em 2007 hosts.
Exemplo 2 - Número de hosts

País 2003 2007 2007/2003


Brasil 2.237.527 7.422.440 3,32
Argentina 495.920 1.837.050 3,70
Colômbia 55.626 721.114 12,96

 Quais foram os crescimentos percentuais nos números de


hosts de 2003 a 2007 no Brasil, na Colômbia e na Argentina?
 Brasil: Foi de 2.237.527 hosts a 7.422.440

A variação do Brasil foi:


 7422440 - 2237527 = 5184913 (2003 ->2007)
Exemplo 2 - Número de hosts

 Brasil: Foi de 2.237.527 hosts a 7.422.440


 A variação do Brasil foi: 5184913
5184913--------- X% 5184913 x

2237527---------100% 2237527 100 %
2237527.X = 5184913.100%
X = (5184913.100%)/2237527
X = 231,7235%.
X= 232% (aproximadamente)

 Resp. Parcial: O número de hosts no Brasil aumentou 232% de


2003 a 2007.
 Obs.: podemos calcular a fração.
Exemplo 2 - Número de hosts

 Brasil: Foi de 2.237.527 hosts a 7.422.440


 A variação do Brasil foi: 5184913
 Obs.: calcular a fração.

5184913
.100 %  x
2237527
 X = (5184913.100%)/2237527
 X = 231,7235%.
 X= 232% (aproximadamente)
 Resp. Parcial: O número de hosts no Brasil aumentou
de 232% de 2003 a 2007.
Exemplo 2 - Número de hosts

 Colômbia: Foi de 55.626 hosts a 721.114


 A variação foi: 721114 – 55626 = 665488
665488 --------- X% 665488 x
55626 ---------100% 
55626 100 %
 55626.X=665488.100%
 X=(665488.100%)/55626
 X=1196,361%.
 X=1196% aproximadamente.
 Resp. Parcial: O número de hosts na Colômbia aumentou
1196% de 2003 a 2007!
Exemplo 2 - Número de hosts

 Argentina: de 495.920 hosts a 1.837.050


 A variação: 1.837.050 – 495.920 = 1341130
1341130 --------- X% 1341130 x
495920 ---------100% 495920

100 %
 495920.X = 1341130.100%
 X = (1341130.100%)/495920
 X=270,43%.
 X=270% aproximadamente.
 Resp. Parcial: O número de hosts na Argentina aumentou
270% de 2003 a 2007.
 Obs.: podemos calcular a fração.
INTERVALO
Exemplo 5

 A tabela 5.1 que indica a população mundial (em milhões).

Continente População (milhões)


África 783,7
América Central 69,3
América do Norte 408,4
América do Sul 345,5
Ásia 3.678
Europa 745,5
Oceania 30
Mundo 6.060,4
Exemplo 5

 A tabela 5.2 indica a emissão de CO2 per capita/ano.

Continente Emissão de CO2 per capita/ano (ton)


África 1,1
América Central 3,6
América do Norte 19,9
América do Sul 2,4
Ásia 2,3
Europa 8,5
Oceania 11,3
Mundo 49,1
Exemplo 5

 A tabela 5.1 que indica a população mundial (em milhões).

Continente População (milhões)


África 783,7
América Central 69,3
América do Norte 408,4
América do Sul 345,5
Ásia 3.678
Europa 745,5
Oceania 30
Mundo 6.060,4

 5.1 Percentual da população de cada continente em relação à


população mundial?
Exemplo 5.1

População Mundial: 6.060, 4 milhões de pessoas


(aproximadamente 6 bilhões).
 África: 783,7

783,7
.100 %  12 ,93 %
6060 ,4
 América Central: 69,3
69,3
.100 %  1,14 %
6060 ,4
 América do Norte: 408,4
408 ,4
.100 %  6,74 %
6060 ,4
Exemplo 5.1

 América do Sul: 345,5


345,5
.100 %  5,70 %
6060 ,4
 Ásia: 3678
3678
.100 %  60,69 %
6060 ,4
 Europa: 745,5
745 ,5
.100 %  12,30 %
6060 ,4
 Oceania: 30
30
.100  0,50 %
6060 ,4
Note: Quase 61% da população mundial encontram-se na Ásia.
Exemplo 5.2

 Determine a emissão de CO2 em cada continente/ano (cálculos


feitos a partir das tabelas 5.1 e 5.2).
 Para calcularmos a emissão anual em cada continente,
precisamos multiplicar a emissão per capita pela respectiva
população.

 Vamos aos cálculos?


Exemplo 5.2

Calculando:
 África: 1,1 x 783,7 = 862,07
=> 862,07 milhões de toneladas de CO2 /ano.

 América Central: 3,6 x 69,3 = 249,48


249,48 milhões de toneladas de CO2 /ano.

 América do Norte: 19,9 x 408,4 = 8127,16


8127,16 milhões de toneladas de CO2 /ano.

 América do Sul: 2,4 x 345,5 = 829,2


829,2 milhões de toneladas de CO2 /ano.
Exemplo 5.2

Ásia: 2,3 x 3678 = 8459,4


 8459,4 milhões de toneladas de CO2 /ano.

Europa: 8,5 x 745,5 = 6336,75


 6336,75 milhões de toneladas de CO2/ano.

Oceania: 11,3 x 30 = 339


 339 milhões de toneladas de CO2 /ano.
Observe que todas essas informações estavam na tabela que
apresentamos antes de desenvolver os cálculos. Logo, uma das
funções das tabelas é sintetizar e sistematizar dados e
informações.
Exemplo 5.3 - Variando a apresentação de uma tabela

 Emissão de CO2 per capita/ano e emissão de CO2 em cada


continente/ano em ordem decrescente.

Continente Emissão de CO2 per capita/ano (ton)

América do Norte 19,9


Oceania 11,3
Europa 8,5

América Central 3,6

América do Sul 2,4


Ásia 2,3
África 1,1

 Tabela 5.3 – Emissão de CO2 per capita/ano em ordem


decrescente.
Exemplo 5.3 - Variando a apresentação de uma tabela

 Emissão de CO2 per capita/ano e emissão de CO2 em cada


continente/ano em ordem decrescente.
Emissão de CO2 em cada continente
Continente (em milhões de ton)
Ásia 8.459,4

América do Norte 8.127,16


Europa 6.336,75
África 862,07
América do Sul 829,2
Oceania 339
América Central 249,48

 Tabela 5.4 – Emissão de CO2 em cada continente/ano


em ordem decrescente.
Emissão de CO2 per capita/ano e emissão de CO2 em
cada continente/ano

Refletindo sobre máximos e mínimos:


 Maior emissão anual de CO2 per capita: 19,9 ton (América do
Norte).

 Menor emissão anual de CO2 per capita: 1,1 ton (África).

 Maior emissão anual de CO2 (por continente): 8459,4 milhões


de ton (Ásia).

 Menor emissão anual de CO2 (por continente): 249,48 milhões


de ton (América Central).
Emissão de CO2 per capita/ano e emissão de CO2 em
cada continente/ano

 Analisando dados máximos

 Embora a América do Norte seja o continente com maior


emissão anual de CO2 per capita, a maior emissão anual
absoluta de CO2 ocorre na Ásia (em virtude da sua maior
população).
Representação gráfica – Emissão
de CO2 per capita/ano

25
capita/ano
capita/ano

20
toneladas)
toneladas)
perper

15
de CO2

10
de CO2
(em (em
Emissão

5
Emissão

0
América Oceania Europa América América Ásia África
do Norte Central do Sul
Continentes
Continentes

 Escala decrescente de emissão anual de CO2 per capita dos


continentes (do maior emissor per capita para o menor)
 1º maior emissor anual per capita América do Norte
Representação gráfica – Emissão
de CO2 per capita/ano

 A escala decrescente de emissão anual de CO2 per capita dos


continentes
 1º emissor anual per capita: Am. do Norte.
 2º emissor anual per capita: Oceania.
 3º emissor anual per capita: Europa.
 4º emissor anual per capita: Am. Central.
 5º emissor anual per capita: Am. do Sul.
 6º emissor anual per capita: Ásia.
 7º emissor anual per capita: África.
 Como se trata de emissão per capita, essa escala não
considera a população de cada continente.
Representação gráfica – Emissão
de CO2 por continente

9000
de toneladas)
em cada

8000
7000
de toneladas)
cada
continente/ano

6000
CO2

5000
continente/ano
deem

4000
(em milhões
de CO2

3000
Emissão

2000
(em milhões

1000
Emissão

0
Ásia América Europa África América Oceania América
do do Sul Central
Norte
Continentes
Continentes

 A escala decrescente de emissão anual de CO2 dos


continentes (do maior emissor para o menor emissor)
 1º maior emissor anual: Ásia
Representação gráfica - Emissão de CO2 por
continente

 Escala decrescente de emissão anual de CO2 dos continentes


(do maior emissor para o menor emissor)
 1º emissor: Ásia.
 2º emissor: América do Norte.
 3º emissor: Europa.
 4º emissor: África.
 5º emissor: América do Sul.
 6º emissor: Oceania.
 7º emissor: América Central.
 Como se trata de emissão total, essa escala considera a
população de cada continente.
INTERVALO
Gráficos

 Os gráficos permitem que sejam lidos valores em pontos;

 estudados intervalos de crescimento e decrescimento.


Exemplo 1 - Médias anuais de alunos

 Os gráficos a seguir mostram a evolução das médias de três


alunos (Marcos, Rita e Ana) cursadas em Administração nos
anos de 2005, 2006, 2007 e 2008.

Médias de três alunos do Curso de Administração


Exemplo 1 - Médias anuais de alunos

Médias de três alunos do Curso de Administração

 Por leitura direta: o maior valor é 10 (média do Marcos


em 2005).
Exemplo 1 - Médias anuais de alunos

Médias de três alunos do Curso de Administração

Qual é o menor valor do gráfico?


 Por leitura direta: o menor valor é 5 (média da Ana em 2005).
Exemplo 1 - Médias anuais de alunos

Médias de três alunos do Curso de Administração

Qual foi o aluno com a maior variação de média de 2005


para 2008?
 Ana teve a maior variação de média, pois passou de média 5,
em 2005, para média 8 em 2008.
Exemplo 1 - Médias anuais de alunos

Médias de três alunos do Curso de Administração

Qual foi o aluno com a menor variação de média de 2005


para 2008?
 Rita teve a menor variação de média, pois sua média não
sofreu alteração no período (manteve-se 6).
Exemplo 1 - Médias anuais de alunos

Médias de três alunos do Curso de Administração

Quais foram as variações percentuais das médias de Ana,


Rita e Marcos?
 Ana: passou de 5, para 8 .
 Rita: no período manteve-se 6.
 Marcos: passou de 10 para 8,5 .
Exemplo 1 - Médias anuais de alunos

Calculando as variações percentuais das médias de Ana, Rita e


Marcos:
 Ana: passou de 5, para 8.
 Variação: 8 - 5 = 3
3 ------- X% 3 x

5--------100% 5 100 %
5.X=3.100%
X = (300%)/5
X= 60%.
Ou calculando a fração 3 100 %  x
5
 Resp.: A média de Ana aumentou 60% de 2005 para 2008.
Exemplo 1 - Médias anuais de alunos

 Rita: no período manteve-se 6.


 Variação: 6 – 6 = 0 => 0 % de variação.
Verifique:
Por regra de três:

0 x

6 100 %
Por fração:

0
100 %  x
6
 Resp.: A média de Rita não sofreu variação.
Exemplo 1 - Médias anuais de alunos

Marcos: passou de 10, para 8,5 .


 Variação: 8,5 – 10 = -1.5
-1,5 ------- X%
10 --------100%  1,5 x

10.X=-1,5.100% 10 100 %
X = (-150%)/10
X= -15%.
O sinal negativo indica diminuição.
 A média do Marcos diminuiu 15% de 2005 para 2008.
 Por fração:
 1,5
100 %  x
10
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja
 O gráfico a seguir mostra projeções para a produção, o
consumo e a exportação de soja feitas pela Assessoria da
Gestão Estratégica (AGE) do Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento do Brasil.

Produção, Consumo e Exportação de Soja


(em milhões de toneladas)

90 80,91
80
70 60,07
60
50 44,41 Produção
40 35,05
Consumo
30 36,46 Exportação
20 25,75
10
0
2007/08

2008/09

2009/10

2010/11

2011/12

2012/13

2013/14

2014/15

2015/16

2016/17

2017/18

2018/19
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja
Produção,
Produção, Consumo e Exportação
Consumo de Soja de Soja
e Exportação
(em(em milhões de toneladas)
milhões de toneladas)
90 80,91
80
70 60,07
60
50 44,41 Produção
40 35,05
Consumo
30 36,46 Exportação
20 25,75
10
0
2007/08

2008/09

2009/10

2010/11

2011/12

2012/13

2013/14

2014/15

2015/16

2016/17

2017/18

2018/19
 Quais serão as variações percentuais das projeções da
produção, do consumo e da exportação de soja de 2007/08 a
2018/19 segundo a projeção da AGE?
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja

 A leitura feita do gráfico, associado aos conhecimentos


já adquiridos...
 Produção da soja.
 A produção de soja passará de 60,07 milhões de ton em
2007/08 para 80,91 milhões de ton em 2018/19.
Variação na produção:
 80,91 - 60,07 = 20,84 milhões de ton.

20,84 x
 60,07.X=20,84.100 %
60,07 100 % X = (2084%)/60,07
X = 34,69%
X= 35%.
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja

 Ou podemos calcular a fração.

20,84 x 20,84
  x  100 %
60,07 100 % 60,07

 Pela projeção feita pela AGE, haverá aumento de 35% na


produção de soja de 2007/08 para 2018/19.
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja

 Consumo de soja.
 O consumo de soja passará de 35,05 milhões de ton em
2007/08 para 44,41 milhões de ton em 2018/19.
Variação no consumo:
44,41 - 35,05 = 9,36 milhões de ton.
9,36 x parte
 
35,05 100 % todo
35,05.X=9,36.100%
X = (936%)/35,05
X = 26,7%.
X= 27%
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja

 Consumo de soja.
Variação no consumo:
 44,41 - 35,05 = 9,36 milhões de ton.
 Ou podemos calcular a fração

9,36 x 9,36
  x  100 %
35,05 100 % 35,05

 Pela projeção feita pela AGE, haverá aumento de 27% no


consumo de soja em de 2007/08 para 2018/19.
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja

Exportação de soja.
 A exportação de soja passará de 25,75 milhões de ton em
2007/08 para 36,46 milhões de ton em 2018/19.
Variação na exportação:
36,46 - 25,75 = 10,71 milhões de ton.
10,71 x parte
 
25,75 100 % todo
25,75.X=10,71.100 %
X = (1071%)/2575
X = 41,59%.
X= 42%
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja

Exportação de soja.
Variação na exportação:
 36,46 - 25,75 = 10,71 milhões de ton.
 Ou calculando a fração

10,71 x 10,71
  x  *100 %
25,75 100 % 25,75

 Pela projeção da AGE, haverá aumento de 42% na exportação


de soja em de 2007/08 para 2018/19.
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja

 Pela projeção feita pela AGE, haverá aumento de 27% no


consumo de soja em de 2007/08 para 2018/19.

 Pela projeção feita pela AGE, haverá aumento de 35% na


produção de soja de 2007/08 para 2018/19.

 Pela projeção da AGE, haverá aumento de 42% na exportação


de soja em de 2007/08 para 2018/19.

 Conclusão: pela projeção da AGE, a exportação de soja


observará maior crescimento percentual do que o consumo e
a produção de soja de 2007/08 para 2018/19.
Exemplo 2. Projeções de produção, consumo e
exportação de soja

Produção, Consumo e Exportação de Soja


(em milhões de toneladas)

90 80,91
80
70 60,07
60
50 44,41 Produção
40 35,05
Consumo
30 36,46 Exportação
20 25,75
10
0
2007/08

2008/09

2009/10

2010/11

2011/12

2012/13

2013/14

2014/15

2015/16

2016/17

2017/18

2018/19
 Reflita sobre as variações percentuais das projeções da
produção, do consumo e da exportação de soja de 2007/08 a
2018/19 segundo a projeção da AGE.
ATÉ A PRÓXIMA!