Você está na página 1de 15

INCLUSÃO ESCOLAR:

PONTOS E CONTRAPONTOS
Maria Teresa Eglér Mantoan
Rosangela Gavioli Prieto
Organizado por Valéria Amorim Arantes
A escola não pode tudo, mas pode mais. Pode
acolher as diferenças. É possível fazer uma
pedagogia que não tenha medo da estranheza, do
diferente, do outro. A aprendizagem é destoante e
heterogênea. Aprendemos coisas diferentes
daquelas que nos ensinam, em tempos distintos,
(...) mas a aprendizagem ocorre, sempre.
Precisamos de uma pedagogia que seja uma nova
forma de se relacionar com o conhecimento, com
os alunos, com seus pais, com a comunidade, com
os fracassos (com o fim deles), e que produza
outros tipos humanos, menos dóceis e
disciplinados.
(ABRAMOWICZ, 1997).
MANTOAN E PRIETO

IGUALDADE E Atendimento escolar


DIFERENÇAS com alunos NEE

DIREITO À
Políticas
EDUCAÇÃO
Públicas
DE
QUALIDADE
PARA TODOS
Formação do
Professor
MANTOAN DENÚNCIA

Aumenta
desigualdade social
Homogeneização
sistema escolar

Produz Exclusão
A autora ressalta:

 Discurso da modernidade todos são


iguais, contudo nega as diferenças.
 O discurso não gerou a garantia de
relações justas nas escolas.
 Quando as escolas tratam as diferenças
de seus alunos ainda se sustentam em
critérios niveladores para passagem de
série.
Mudança de concepção na escola
 Mudanças profundas de concepção
 Mudanças profundas de práticas educativas e
de organizações no ensino regular
 É preciso garantir o acesso de todos os
alunos

 Permanência na escola
aprendizagem
dos alunos
MANTOAN REDEFINE O
CONCEITO DE AEE
 Destaca assim como atual Decreto nº 7611
de 17 de novembro de 2011 a função
complementar e não substituto ao ensino
regular.
 Nesse decreto além destes aspectos destaca
a função suplementar do AEE.
 Complementar para alunos com deficiência
e transtornos globais do desenvolvimento.
 Suplementar a formação de estudantes com
altas habilidades ou superdotação.
Descompassos na formação
docente
 Mantoan destaca que as implicações nas
lacunas da formação docente não podem ser
impedimentos para o processo de inclusão.

 Prieto destaca que a questão da formação


docente nos moldes legais podem reafirmar
a posição dicotômica no qual a inclusão
aponta contradições e ambiguidades
interpretativas. Uma delas os alunos ditos
“normais são do professor da sala regular e
os outros são da educação especial.
Escola de Qualidade para Mantoan
 Tem que reconhecer todas as diferenças
possíveis do âmbito humano
 As ações neste sentido tem que ser
baseada na igualdade.
 Escolas especiais e escolas comuns
precisam reorganizar e melhorar o
atendimento aos seus alunos sair
do comodismo
Problemas para a inclusão segundo
Mantoan
Sofisticação intelectual e cultural mais
as pessoas com deficiência são
desvalorizadas nas suas competências
laborais e acadêmicas;
Logo, amplia-se a rede de proteção à
deficiência

a segregação aumenta e recrudesce


Outros entraves
 Instituições especializadas
Também
 Temos corporações, autoridades
de ensino, defensores públicos
que ainda apresentam
resistências no modelo de
reorganização da nossa escola e
por conseguinte da sociedade
Contudo,
 Temos escolas especiais e comuns que já
estão inovando suas práticas, eliminado
métodos excludentes de ensinar.
 Ainda que a transformação seja lenta ela
só ocorrerá se houver uma ruptura
com o modelo antigo de escola.
(meritocrática, conteúdista, excludente)
 Não há como caminhar com um pé
em cada canoa
É cômodo....
 Justificar a não inclusão pela ausência de
formação, despreparo dos professores e
das escolas pode tranquilizar alguns pais
...
 Porém a inclusão não pode ser ignorada
 Contra-sensos pelos quais a escola
inclusiva é tão combatida a
resposta é uma escola que
reconheça e valoriza as diferenças
A diferença propõe o conflito, o dissenso e a
imprevisibilidade, a impossibilidade do cálculo, da
definição, a multiplicidade incontrolável e infinita.
(MANTOAN).

Fonte: https://www.google.com.br/search?q=diferen%C3%A7as+e+defici%C3%AAncias+imagens&rlz=1C1A