Você está na página 1de 66

Este manual pertence a Elevadores Otis Ltda.

, ficando proibida sua reprodução sem a autorização


expressa do Departamento de Operações de Campo – Centro Industrial de São Bernardo do Campo.

Elevadores Otis Ltda. - 2005


1 INTRODUÇÃO ...........................................................................................................................................................4

2 DETALHES TÉCNICOS IMPORTANTES .................................................................................................................4


2.1 PRINCÍPIO BÁSICO .................................................................................................................................................4
2.2 COMPATIBILIDADE DE SOFTWARE ...........................................................................................................................4
2.3 ARQUITETURA DO SISTEMA EM APLICAÇÕES PARA ELEVADORES COM O DRIVE W ...................................................4
2.4 ESPECIFICAÇÕES PRINCIPAIS .................................................................................................................................5
3 DESCRIÇÃO FUNCIONAL........................................................................................................................................6
3.1 SINAIS DE COMUNICAÇÃO ENTRE MCB-W, LCB-II E TODO O SISTEMA DO ELEVADOR ..............................................6
3.1.1 Comandos de Movimentação ......................................................................................................................8
3.2 ENCODER ..............................................................................................................................................................9
3.3 PERFIL DE VELOCIDADE .......................................................................................................................................10
3.3.1 Corrida Longa ............................................................................................................................................10
3.3.2 Corrida Longa – Perfil Pré-Calculado Entre Andares Próximos................................................................11
3.3.3 Corrida Curta – Perfil Andar a Andar .........................................................................................................12
3.3.4 Corrida Reduzida – Perfil Andar a Andar...................................................................................................12
3.3.5 Corrida em Modulo de Inspeção ...............................................................................................................14
3.3.6 Corrida em Modulo de Construção ...........................................................................................................15
3.3.7 Corrida de Resgate ....................................................................................................................................16
3.3.8 Corrida de Renivelamento .........................................................................................................................17
3.3.9 Operação de Partida. .................................................................................................................................18
3.3.10 Operação de Parada..................................................................................................................................19
3.4 USO DA IHM ( INTERFACE HOMEM MÁQUINA ) ..........................................................................................................20
3.3.11 Funções do Display de Leds......................................................................................................................20
3.3.12 Funções do Display de Cristal Líquido LCD ..............................................................................................20
3.3.13 Visualização e Alteração de Parâmetros ...................................................................................................21
4 PROCEDIMENTO PRELIMINARES PARA FUNCIONAMENTO DO EQUIPAMENTO .........................................23
4.1 DADOS DA ETIQUETA DO DRIVE............................................................................................................................23
4.2 BALANCEAMENTO ................................................................................................................................................23
4.3 ATERRAMENTO ....................................................................................................................................................24
4.4 SUPRESSORES ....................................................................................................................................................24
4.5 PROGRAMAÇÃO BÁSICA DA LCB-II .......................................................................................................................25
5 PROCEDIMENTO DE AJUSTE DO EQUIPAMENTO ............................................................................................26
5.1 PROCEDIMENTOS PARA CONFIGURAR MODULO DE INSPEÇÃO ................................................................................26
5.2 CONFIGURAÇÕES DO DRIVE PARA MODULO DE INSPEÇÃO .....................................................................................28
5.3 CONFIGURAÇÃO DO DRIVE PARA MODULO NORMAL ..............................................................................................33
6 SOLUÇÃO E PREVENÇÃO DE FALHAS...............................................................................................................36
6.1 ERROS E POSSÍVEIS CAUSAS NA PLACA CC09 .....................................................................................................36
6.2 FORMA DE ATUAÇÃO DOS ERROS .........................................................................................................................39
6.3 INDICAÇÃO DOS LEDS DE ESTADO DO INVERSOR ..................................................................................................40
6.4 ERROS E POSSÍVEIS CAUSAS NA PLACA MCB-W ..................................................................................................40
6.5 SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS MAIS FREQÜENTES ....................................................................................................41
7 TABELA DE SINAIS DE ENTRADAS E SAÍDAS DO DRIVE ................................................................................42

8 TABELA DE REFERÊNCIA DE PARÂMETROS DO DRIVE W.............................................................................43

9 HISTORICO DE DEFEITOS SOLUCIONADOS EM CAMPO .................................................................................61

10 APÊNDICE ...............................................................................................................................................................64
10.1 CURVA DE VELOCIDADE .......................................................................................................................................64
10.2 ENCODER JAPONES JAA00633ABF ....................................................................................................................65
10.3 ENCODER ALEMÃO BAA633A1............................................................................................................................66

3
1 Introdução

O Drive W é fruto de um desenvolvimento entre a WEG Indústrias e a Elevadores Otis para a


customização de um inversor de Freqüência comercial que pudesse atender a aplicação em elevadores
respeitando suas exigências de performance e conforto sem a necessidade de adaptações ou interfaces
externas.
Para isto se tornar possível um novo software foi desenvolvido para o Inversor da linha CFW-09 da
WEG que dentre outras vantagens destaca-se por sua robustez e adaptabilidade aos diversos tipos de
motores existentes com a sua função Auto-Tuning que faz a leitura direta dos parâmetros do motor.
Além do software do Inversor exclusivo para a Otis este Drive em sua versão malha-fechada traz a
placa MCB-W que também é exclusiva da Otis e que concentra as funções de comunicação com a placa
de controle do elevador LCB-II, geração dos perfis de velocidade para o Inversor e o Learn-Run (corrida de
aprendizado) que torna o Drive muito preciso na operação de nivelamento.

2 Detalhes Técnicos Importantes

2.1 Princípio Básico

O inversor possui uma ponte de diodos retificadora e um filtro capacitivo que transformam a tensão
alternada trifásica em tensão contínua DC. A tensão DC é então modulada por uma ponte de IGBT´S em
largura de pulso e se transforma numa tensão alternada com freqüência e amplitude variáveis.
Os valores das saídas de tensão e freqüência dependem dos sinais relativos ao movimento do carro,
tais como UIS, DIS, 1LV, V1, V2, V3, V4, UIB, DIB, NOR, da velocidade medida com o speed encoder e do
valor da corrente exigida pelo motor. A velocidade a ser alcançada dependerá então dos sinais
provenientes do controle operacional e dos sensores do passadiço.

2.2 Compatibilidade de Software

O Drive WEG é totalmente compatível com a LCB-II desde a versão de software GAA30082CAC1

2.3 Arquitetura do Sistema em Aplicações para Elevadores com o Drive W

O Drive W foi desenvolvido para ter a mesma confiabilidade e funcionalidade dos Drive's OVF10 e
OVF20.
O Drive W é um inversor com realimentação de malha-fechada, chaveamento de freqüência na ordem
de 10KHz e gerador próprio de perfil de velocidade usando a placa MCB-W baseado no learn-run (corrida
de aprendizado) e capacidade de auto-tuning.
A MCB-W mantém comunicação com a LCB-II e gerência as funções do Drive que são: controle de
velocidade, aceleração, desaceleração e jerk.

4
2.4 Especificações Principais

Nível de Tensão de Alimentação:

220/230V com variação de +10% ou -15%


A alimentação também poderá ser de 208V com variação de +/- 10%
380/400/415/440/460/480V com variação de +10% ou -15%

Freqüência: 50/60 Hz com variação de +/- 2Hz

Desbalanceamento entre fases: Menor que 3%

Cos ϕ: Maior que 0,98

Velocidade: Máximo 2,5 m/s

Carga: Máximo 2500 Kg

Aceleração: Máximo 1,2 m/s2

Jerk: Máximo 1,0 m/s3

Potência do Motor: Até 26 KW

Controle com Realimentação:


Malha fechada com controle vetorial via Encoder 2 ou 3 canais 1024 PPR ( pulsos por revolução)

Percurso: Depende dos limites da máquina

140 VAT = 30m sem corrente de compensação ou 55m com corrente de compensação
160VAT = 30m sem corrente de compensação ou 90m com corrente de compensação
18ATF = 25m sem corrente de compensação ou 90m com corrente de compensação

OBS: Para modernização em equipamento OTIS ou de outras marcas a limitação depende da máquina,
sendo a limitação do Drive 90m ou de acordo com o tempo máximo de Drive ligado que é de
100 segundos.

Precisão do nivelamento: +/- 5 mm

OBS: O renivelamento pode ser necessário dependendo do percurso e do duty.

Partidas Por Hora:


Até 240 partidas por hora, pode ser necessário aplicar ventilação forçada dependendo dos limites da
máquina.

5
3 Descrição Funcional

3.1 Sinais de Comunicação entre MCB-W, LCB-II e Todo o Sistema do Elevador

O Drive W usa a interface MCS220VF para processar os comandos da LCB-II.


A combinação dos sinais V1,V2,V3 e V4 enviados pela LCB-II informa ao Drive qual o estado este deve
ficar ex.: parado, aguardando pela próxima corrida ou o comando de movimento que este deverá executar
ex. : corrida rápida para cima, etc.
Os sinais DS-1, DS-2 e DS-3 indica para a LCB-II o estado do Drive ex.: Drive não está pronto, corrida
de aprendizado está ativa, etc.

O Drive lê em paralelo com a LCB-II os sinais UIB, DIB, 1LV, /1LS e /2LS. Além de UIS e DIS se houver
renivelamento.

Devido o sistema ser de malha fechada um encoder é utilizado e conectado na placa MCB-W através
do conector P3 externo ao Drive.
A MCB-W fornece alimentação de 15 Vcc e lê as informações fornecidas pelo encoder.

IMPORTANTE!

O Encoder deve ser utilizado em todas as condições de operação, inclusive em modulo construção.

V1, V2, V3 e V4

DS1, DS2 e DS3


LCB-II Drive W

/PON, IP

Sinais de posicionamento do
elevador
1LV, /1LS, /2LS, UIS, DIS
Sinais da linha de segurança

UIB / DIB

Carro

Através do learn-run (corrida de aprendizado) o Drive W irá gerar o sinal IP para a LCB-II que controla a
atuação do freio através do Sinal de DBD e a isolação do motor por SW2.

6
Abaixo seguem os sinais de entradas e saídas que estão disponíveis no Drive.

Drive W E/S’s
UIB
DIB Linha de segurança
CM 110Vac

Acionamento
SW1 e SW2
Relês (110Vac) SW2

Controle do Freio BY
Relê (110Vac)

PON PON
110Vac Entrada

DBD DBD
30Vcc Entrada

Sinal de IP IP
Saída 30Vcc

DS1
Saídas que indicam o
estado do Drive DS2
Relés (30Vcc)
DS3

/V1
/V2
Comandos de
/V3 velocidade
/V4
Entradas
24Vcc pulsado
/1LS
/2LS
1LV
Sinais do
passadiço
UIS Entradas
30Vcc
DIS

7
3.1.1 Comandos de Movimentação

A LCB-II solicita ao Drive uma ação de movimentação do elevador através da combinação dos sinais
V1, V2, V3 e V4 e o Drive informa sua reação através da combinação dos sinais DS1, DS2 e DS3.

Sinais (V1, V2, V3 e V4) 1 1 3


Para visualizar os sinais enviados pela LCB-II conecte a URM na LCB-II e digite
M

Para visualizar os sinais recebidos pelo Drive verifique os parâmetros P870, P871, P872 e P873.
OBS: Os sinais vistos no Drive são invertidos.

V4 V3 V2 V1 Modulo Descrição de Funcionamento


0 0 0 0 WT Drive aguardando próxima corrida
1 1 1 1 ST Parar, fim da corrida
0 0 0 1 UNVALID Invalida
1 1 1 0 SD Desacelerar e parar na próxima parada
0 0 1 0 OP UP Não usado
0 0 1 1 OP DN Não usado
0 1 0 0 IN UP Corrida de inspeção subindo
0 1 0 1 IN DN Corrida de inspeção descendo
0 1 1 0 FR UP Corrida longa subindo
0 1 1 1 FR DN Corrida longa descendo
1 0 0 0 RS UP Corrida de resgate subindo
1 0 0 1 RS DN Corrida de resgate descendo
1 0 1 0 RL UP Renivelamento subindo
1 0 1 1 RL DN Renivelamento descendo
1 1 0 0 RR UP Corrida curta subindo
1 1 0 1 RR DN Corrida curta descendo

Sinais (DS1, DS2 e DS3)


Para visualizar o estado dos sinais enviados pelo Drive verifique os Parâmetros P884, P885 e P886.

Para visualizar os sinais recebidos pela LCB-II conecte a URM na LCB-II e digite M 1 1 2

Sinais de Saída Modulo na LCB-II Descrição de Funcionamento


DS1 DS2 DS3 DR RUN SC LNS
0 0 0 0 X X X Drive não esta pronto
1 0 0 1 1 0 1 Velocidade > 0,3 m/s e LNS ativo
0 1 0 1 1 0 0 Velocidade Nominal
1 1 0 X X X X Não usado
0 0 1 X X X X Corrida de aprendizado ativa
1 0 1 1 1 1 1 Velocidade < 0,3 m/s e LNS ativo
0 1 1 1 1 1 0 Velocidade < 0,3 m/s
1 1 1 1 0 1 0 Drive esta pronto, elevador parado

Sinal IP: Este sinal é gerado pelo Drive para indicar o ponto de desaceleração ideal para cada andar.

Sinal /PON:

8
3.2 Encoder

O encoder é o principal componente do circuito de realimentação de malha fechada em diversos


equipamentos pois transforma a rotação do motor de tração em pulsos de onda quadrada que são
enviados ao Drive para serem convertidos em uma curva de velocidade real.

Para novos equipamentos o encoder já vem instalados nas máquinas (140 VAT, 160 VAT e 18 ATF).
Para modernizações deverá ser instalado na máquina conforme instruções abaixo :

PVT Acoplador
- Retire o volante do motor.
- Marque a base da máquina com o suporte do PVT.
- Faça a furação e fixe o suporte do PVT.
- Fixe o eixo do PVT ( acoplador ) ao eixo do motor.
- Instale o PVT no eixo do acoplador.
- Faça as conexões no PVT e passe a fiação até o
controle.

Alimentação:

15 Vcc fornecida pela própria MCB-W.


O encoder deverá ser conectado na MCB-W no conector P3.

Atenção:

Atualmente utilizamos dois modelos de encoder: Tamagawa (Japonês) e Heidenhain (Alemão).


Recomendamos a identificação do modelo de encoder, que pode ser facilmente observado no
próprio corpo do encoder antes de fazer as ligações no Drive pois o modelo de encoder Heidenhain
possui alguns fios a mais com a mesma cor da fiação do encoder Tamagawa, sendo assim, por
falta de atenção do técnico de instalação pode fazer a inversão, ligando o encoder Heidenhain
como se fosse o encoder Tamagawa. Se esta inversão ocorrer podemos queimar o Drive.
Os fios a mais do encoder Heidenhain devem ser isolados um a um para evitar curto circuito.

Abaixo está o esquema de ligação do Encoder

9
3.3 Perfil de Velocidade

3.3.1 Corrida Longa

Velocidade

V1...V4
WT ST FR SD ST WT

1LV / DZ

IP

O perfil de corrida longa é caracterizado sempre que atingirmos a velocidade nominal do elevador, o
Drive é capaz de ajustar o perfil de maneira a obter a melhor performance e “jerk” de acordo com os
comandos recebidos da LCB-II (V1,V2, V3 e V4).
Antes do inicio da aceleração o Drive gera alguns pulsos de IP adiantados e após o carro acelerar e
adquirir a velocidade nominal a cada andar teremos os pulsos de IP associados a posição de
desaceleração de cada andar.
Ao se aproximar do andar solicitado o pulso de IP referente a este andar faz com que a LCB-II libere um
ordem para o Drive desacelerar “SD” e após a desaceleração entra em velocidade de aproximação até
atingir a aleta de “DZ” quando ocorre uma desaceleração padrão até alcançar o meio da aleta.
Como visto na figura acima a aceleração e desaceleração segue o conceito do “jerk” ótimo onde uma
curva “S” é gerada nesta fase e consequentemente valores muitos baixos de “jerk” são alcançados
evitando a sensação de desconforto aos passageiros.

10
3.3.2 Corrida Longa – Perfil Pré-Calculado Entre Andares Próximos

Velocidade

V1...V4
WT ST FR SD ST WT

1LV

IP

A corrida longa com perfil pre-calculado é caracterizado sempre que o elevador deslocar dois ou mais
andares e não houver espaço suficiente para acelerar, se manter em velocidade nominal e desacelerar.
Nesta condição são enviados os pulsos de “IP” adiantados e logo em seguida o comando de “SD” é
enviado atraves da LCB-II para o Drive, desta forma o Drive pode traçar uma curva personalizada de
velocidade para o andar desejado.

Parâmetros do Drive Associados a Corrida Longa

Parâmetro Descrição Valor Observação


P769 Numero de IP’s adiantados 5 Valor padrão
P778 Ajuste do tempo de desoperação do freio 0 Valor padrão
P779 Desaceleração em 1LS ou 2LS Conforme Velocidade de
Contrato
P780 Tempo de retardo do sinal de “SD” após um pulso de 300 Valor padrão
“IP”
P781 Ajuste do período em que o elevador fica parado até o 500 Valor padrão
inicio da aceleração
P800 Velocidade do contrato Conforme contrato
P807 Velocidade de aproximação 90 Valor padrão
P808 Aceleração 800 Cliente define o valor
P809 Desaceleração 800 Cliente define o valor
P812 Retardo em milímetros para reconhecer o sinal de IP 0 Valor padrão
P813 Retardo em milímetros para reconhecer o sinal de 1LS 0 Valor padrão
P814 Retardo em milímetros para reconhecer o sinal de 2LS 0 Valor padrão
P815 Retardo em milímetros para reconhecer a aleta de 45 Valor padrão
“DZ” na subida Nivelamento não é alterado
P816 Retardo em milímetros para reconhecer a aleta de 45 Valor padrão
“DZ” na descida Nivelamento não é alterado
P818 Ajuste do tempo de operação do freio 400 Valor padrão
PI-POS Habilita indicador de posição alterado por sinais de DZ 2 M-1-3-1-1
DRIVE Tipo de Drive: LSVF-W XADO (s/ abertura de porta 17 M-1-3-1-4
avançada)
C-TIPE Tipo de controle: MCS 120- MCS (LVF, ADV-DP) 2 M-1-3-1-4
EN-BCD Habilita monitoração da corrente do freio 1 M-1-3-1-4
LV-MOD Tipo de nivelamento 0 M-1-3-1-6
DZ-TYP Codificação de DZ 0 M-1-3-1-6

11
3.3.3 Corrida Curta – Perfil Andar a Andar

Velocidade

V1...V4
WT ST RR ST WT
SD

1LV

IP

A Corrida curta é caracterizada sempre que o elevador deslocar de um andar para outro mais proximo,
nesta condição é liberado um perfil de velocidade inferior a corrida de longa e propria para conseguir
acelerar, se manter em velocidade e desacelerar.

3.3.4 Corrida Reduzida – Perfil Andar a Andar

Velocidade

V1...V4
WT ST RR SD ST WT

1LV

IP

A Corrida reduzida é caracterizada sempre que o elevador deslocar de um andar para outro mais proximo,
onde a distância entre andares for acima de 350 mm até a medida definida no parâmetro P819.

Parâmetros do Drive e LCB-II Associados a Corrida Curta e Corrida Reduzida

Parâmetro Descrição Valor Observação


P811 Aceleração e desaceleração em corrida reduzida 500 Valor Padrão
P819 Distância limite para configurar corrida reduzida 2000 Valor Padrão
quando utilizamos o valor do parâmetro P811
EN-RR Habilita corrida reduzida 1 M-1-3-1-1
DZ CNT Habilita utilização de DZ para contagem nos andares 1 M-1-3-1-1
curtos

12
Programação Específica da LCB II para Corrida Curta e Corrida Reduzida

Existe uma programação característica da placa LCB II para trabalhar com o Drive W:

O bit “R” da mascara de chamado deve ser gravado com o valor “4” para todos os andares no menu
“Allowed” (M-1-3-3-1).

Exemplo de equipamento com oito paradas coletivo na descida.

AT C U D E C U D E R
00 1 1 0 0 0 0 0 0 4
01 1 0 1 0 0 0 0 0 4
02 1 0 1 0 0 0 0 0 4
03 1 0 1 0 0 0 0 0 4
04 1 0 1 0 0 0 0 0 4
05 1 0 1 0 0 0 0 0 4
06 1 0 1 0 0 0 0 0 4
07 1 0 1 0 0 0 0 0 4

Exemplo de equipamento com oito paradas coletivo na descida. A parada “01” em relação a parada “00”
possui 350 mm, sendo considerado um percurso para corrida reduzida e a aleta de DZ deste andar esta no
percurso de 1LS.

AT C U D E C U D E R
00 1 1 0 0 0 0 0 0 1
01 1 0 1 0 0 0 0 0 1
02 1 0 1 0 0 0 0 0 4
03 1 0 1 0 0 0 0 0 4
04 1 0 1 0 0 0 0 0 4
05 1 0 1 0 0 0 0 0 4
06 1 0 1 0 0 0 0 0 4
07 1 0 1 0 0 0 0 0 4

OBS: Quando existir corrida reduzuda no percurso de atuação de 1LS ou 2LS o bit “R” destes dois
andares devem ser alterado para “1”, como no exemplo acima.

13
3.3.5 Corrida em Modulo de Inspeção

Speed

UIB/DIB

V1...V4
WT IN ST WT

1LV

IP

O perfil de velocidade em modulo de inspeção possui a característica de aceleração inicial e na parada


não possui desaceleração, parando após o deslize do freio.
O Drive é informado que deve liberar este perfil de velocidade através dos sinais de comando
fornecidos pela LCB-II (V1, V2, V3 e V4) e o comando de movimento é executado através dos pontos do
Drive (UIB e DIB), que recebem sinais de comandos fornecidos pelo telhado da inspeção no topo da
cabina.

Os sinais de passadiço são necessários para esta operação por razões de segurança de acordo com a
tabela abaixo.

/1LS /2LS 1LV Reação do Drive


0 0 0 Subida ou Descida Permitida
0 0 1 Subida ou Descida Permitida
0 1 0 Inicia velocidade de Nivelamento na subida
0 1 1 Para no andar terminal superior
1 0 0 Inicia velocidade de Nivelamento na descida
1 0 1 Para no andar terminal superior
1 1 0 Combinação não permitida
1 1 1 Combinação não permitida

Parâmetros do Drive Associados a Corrida de Inspeção

Parâmetro Descrição Valor Observação


P805 Velocidade de inspeção 350 Valor Padrão
P822 Retardo para comando do telhado de inspeção 1000 Valor Padrão

14
3.3.6 Corrida em Modulo de Construção

Velocidade

UIB/DIB

V1...V4

1LV

IP

CM

O perfil de velocidade em modulo de construção é identico ao perfil de corrida de inspeção, diferindo de


forma marcante no comando para esta operação.
Para operação em modulo de construção não é necessário a utilização da placa LCB-II, desta forma o
Drive funciona apenas como um atuador do motor obedecendo apenas aos comandos (UIB e DIB) desde
que o sinal CM esteja ativo.
Tanto em modulo de inspeção ou de construção o Drive tem proteções internas que impedem um
grande numero de corridas curtas sucessivas em um curto espaço de tempo visando assim prevenir uma
sobrecorrente no motor.
O técnico ao movimentar o carro é forçado a pressionar os comandos (UIB ou DIB) durante um
determinado tempo para que o elevador possa iniciar a movimentação prevenindo assim sobrecorrentes
no motor por partidas sucessivas.

15
3.3.7 Corrida de Resgate

Velocidade

V1...V4
WT RS ST WT

1LV

IP

O perfil de velocidade para corrida de resgate é liberado apenas na condição de estar ativo o modulo
operacional de resgate de emergência da LCB-II “EPO”, que é um modulo opcional.
Quando existir o modulo “EPO” teremos uma placa a mais no controle e o cliente fornece um gerador
trifasico com potência suficiente para suportar um elevador e alguns circuitos de segurança do edifício.
Quando faltar energia elétrica da concessionaria os elevadores param e logo em seguida entra em
operação o gerador do cliente que fonece energia para todos os elevadores, mas o modulo “EPO” nesta
condição inicia sua rotina que consiste em enviar um elevador de cada vez para o andar principal em
velocidade de resgate e assim que tivermos todos os elevadores no andar principal apenas um elevador é
liberado para funcionamento normal.
No momento da queda de energia e entrada do gerador do cliente a placa LCB-II perde a posição atual
de referência e então manda um comando ao Drive através de (V1, V2, V3 e V4) para realizar uma corrida
de resgate se necessária para poder liberar os passageiros presos.
Se o elevador parar em 1LS ou 2LS será acelerado até a próxima parada fora dos limites na direção
oposta.
Caso no momento exato da parada do carro ainda restar tensão suficiente no barramento do Drive que
possibilite o processamento nas placas de controle, esta salvará a última posição do carro e no momento
de entrada do gerador o Drive acelerará o carro com a velocidade pré-determinada no parâmetro P803 até
o próximo andar na direção determinada pela LCB-II.
No caso em que o Drive seja desenergizado com o carro ainda em deslize no momento da queda de
energia quando o gerador alimentar o elevador o Drive percorrerá a distância até o próximo andar na
velocidade de aproximação (Creep Speed).
Caso no momento de parada do carro o mesmo se encontre sobre alguma zona de porta (aleta DZ), o
elevador permanecerá estacionado neste andar.

Parâmetros do Drive Associados a Corrida de Resgate

Parâmetro Descrição Valor Observação


P803 Velocidade para corrida de resgate 250 Valor Padrão
EFO-P Posição de resgate para serviço de bombeiro M-1-3-1-8

16
3.3.8 Corrida de Renivelamento

Velocidade

V1...V4
WT RL ST WT

UIS/DIS

1LV

IP

O perfil de corrida de renivelamento é liberado pelo Drive obedecendo os comandos da LCB-II através
de (V1, V2, V3 e V4) que são comandados pelo sinal dos sensores de renivelamento UIS e DIS.

Parâmetros do Drive e LCB-II Associados a Corrida de Renivelamento

Parâmetro Descrição Valor Observação


P804 Aceleração de Renivelamento 20 Valor Padrão
P806 Velocidade de Renivelamento 10 Valor Padrão
DBP-TY Tipo de circuito de bypass de contato de porta: 1 M-1-3-1-5
operado por LVC
EN-RLV Habilita renivelamento 1 M-1-3-1-6
RLV-TY Tipo de renivelamento: normal 0 M-1-3-1-6
RL-CNT Numero de tentativas de renivelamento 5 M-1-3-1-6
RL-DIS Tempo de renivelamento na subida 20 M-1-3-1-6
RL-UIS Tempo de renivelamento na subida 20 M-1-3-1-6
RL-U-D Atraso para operação de renivelamento após o sensor 100 M-1-3-1-6
DIS sair da aleta
RL-D-D Atraso para operação de renivelamento após o sensor 100 M-1-3-1-6
DIS sair da aleta

17
3.3.9 Operação de Partida.

O Drive controla a alimentação do motor através do contator SW-2 e o freio através do contator BY.
Quando um comando de movimento é enviado ao Drive o contator SW-2 é ativado e o motor é pré-
magnetizado, travando em velocidade zero e torque constante e o freio é operado.
Após um tempo pré-programado quando o freio está totalmente aberto o perfil de velocidade é iniciado
e os sinais enviados pelo encoder são verificados durante toda a corrida.

V1...V4
Comando de movimento válido
SW-2

SW-2 atraso mecânico (Parâmetro : P817 - THAB)


Pulsos do PWM

Período de magnetização (P818 - TBRK)

BY
Atraso mecânico do freio (P810 - LFT BK DLY)
Freio (Mecânico)

corrida

Parâmetros do Drive Associados a Operação de Partida do Elevador

Parâmetro Descrição Valor Observação


P760 Ganho proporcional de posição (Kp). 50 Para maquina 18 ATF é
Ajusta a velocidade de resposta quando o elevador é recomendável ajustar este
arrastado pele carga, eliminando desconforto na valor próximo de 200.
partida do elevador.
P769 Numero de IP’s adiantados 5 Valor padrão
P781 Tempo em loop de posição na partida do elevador. 500 Valor padrão
P810 Lift Break Delay. 0 Valor padrão
Atraso para o comando de abertura do freio.
P817 PWM Enable Delay. 200 Valor padrão
Atraso para habilitar o conversor após o comando de
acionamento do contator SW2.
P818 Release Break Delay. 400 Valor preliminar
Tempo para adiantar a operação do freio, depende da
inércia mecânica do freio.
Ajustar o valor para ser maior que duas vezes P412.

18
3.3.10 Operação de Parada

Durante o perfil de desaceleração o elevador deve chegar ao início da aleta de DZ na velocidade de


nivelamento (Creep speed) e logo em seguida realizar uma desaceleração linear até encontrar o meio da
aleta de DZ onde ocorre a parada elétrica do motor com a cabina do elevador nivelada.

O único parâmetro crucial para ser ajustado é o “DROP BREAK DELAY” que antecipa a desoperação
da bobina do freio onde um valor igual à zero significa que não ocorre a antecipação da desoperação
mecânico no freio. Portanto quanto maior o valor deste parâmetro mais adiantada será a desoperação do
contator BY e consequentemente a desoperação do freio.

Tempo em velocidade de “CREEP” (P776 - Tcreep)

Meio da aleta de 1LV

Velocidade de Creep (P776 - Tcreep)

V1...V4
SD ST WT

1LV

Atraso da queda do freio (P778 - DRP BK DLY)


BY

Freio (mecânico)

Pulsos de PWM

SW-2

Corrida

Parâmetros do Drive Associados a Operação de Parada do Elevador

Parâmetro Descrição Valor Observação


P778 Drop Break Delay. 0 Valor padrão
Antecipa a desoperação do freio
P815 LV Delay UP 45 Valor padrão
P816 LV Delay Down 45 Valor padrão

19
3.4 Uso da IHM ( Interface Homem Máquina )

A IHM do Drive W consiste em um painel que contém um display de leds com 4 dígitos de 7 segmentos,
um display de Cristal Líquido com 2 linhas de 16 caracteres alfanuméricos, 4 leds e 8 teclas.
A figura abaixo mostra uma vista frontal da IHM e indica a localização dos displays e dos leds de
estado.

Display de leds

Display de LCD

LED horário LED “local”

LED LED “Remoto”


anti-horário

3.3.11 Funções do Display de Leds

Mostra mensagens de erro, estado do Drive e o número do parâmetro ou seu conteúdo.


O display unidade que fica mais a direita indica a unidade da variável indicada ex.:

A : Corrente
U : Tensão
H : Freqüência
Nada : Velocidade e demais parâmetros

Atenção:

Quando a indicação for igual ou maior do que 1000 (A ou U) a unidade da variável deixará de ser
indicada (ex.: 568.A, 999.A, 1000.,1023., etc.)
Quando a indicação for maior que 9999 (em rpm por exemplo) o algarismo correspondente à dezena de
milhar não será visualizado (Ex.: 12345 rpm será lido como 2345 rpm).
A indicação correta somente será visualizada no display LCD.

3.3.12 Funções do Display de Cristal Líquido LCD

Mostra o número do parâmetro e seu conteúdo simultaneamente sem a necessidade de se pressionar a


tecla.
Além disso há uma breve descrição da função de cada parâmetro e são indicadas as unidades dos
mesmos quando for o caso (A, Hz, V, etc.).
Também fornece uma breve descrição do erro ou estado do inversor.

Importante: O Drive W destinado a aplicação em nossos elevadores somente fazem uso das teclas
abaixo:

20
3.3.13 Visualização e Alteração de Parâmetros
Todos os ajustes no Inversor são feitos através de parâmetros.
Os parâmetros são indicados no Display através da letra PROG seguida de um número.
Exemplo (P101):

101 = No do Parâmetro

A cada parâmetro está associado um valor numérico que é o conteúdo do parâmetro, que corresponde
a opção selecionada dentre os disponíveis para aquele parâmetro.
Os valores dos parâmetros definem a programação do Inversor ou o valor de uma variável ex.: corrente,
freqüência, tensão.

Para realizar a programação do Inversor deve-se alterar o conteúdo do(s) parâmetro(s).

21
Observações:

*1 - Para os parâmetros que podem ser alterados com motor girando o Drive passa a utilizar
imediatamente o novo valor ajustado.
Para os parâmetros que só podem ser alterados com motor parado o Drive passa a utilizar o novo valor
ajustado somente após pressionar a tecla:

*2 - Pressionando a tecla após o ajuste o último valor ajustado é automaticamente gravado na


memória não volátil do Inversor ficando retido até nova alteração.

*3 - Caso o último valor ajustado no parâmetro torne funcionalmente incompatível com outro parâmetro
já ajustado ocorre a indicação de E24 - Erro de programação.

*4 – Para alterar o valor de um parâmetro é necessário ajustar antes P000= Valor da Senha.
O Valor da senha para o padrão de fábrica é 5.
Caso contrário só será possível visualizar os parâmetros mas não modificá-los.

ATENÇÃO!!!
Não Modificar o Valor Padrão Desta Senha!
Para mais detalhes ver descrição de P000 e P200 no capítulo sobre parâmetros.

22
4 Procedimento Preliminares para Funcionamento do Equipamento

Para garantir o bom funcionamento do equipamento é indispensável executar algumas verificações antes
de energizar o Drive.

4.1 Dados da Etiqueta do Drive

Anote os valores encontrados de tensão de entrada


e corrente de saída do inversor

Tensão

CFW09 0024 T 2223 P S Z

Corrente de saída

Corrente de Saída : 0024 – Representa a corrente de


saída do Drive (24 Ampères)

Tensão : 2223 – Representa a tensão da entrada do Drive


que pode ser de 220V(22) até 230V(23), poderia ser
também 3848 e portanto, representaria uma tensão de
entrada de 380 até 480.

4.2 Balanceamento

Este procedimento consiste em colocar a carga balanceada na cabina e após verificar se a cabina e
o contra peso estão com o mesmo peso através do método de avaliação da corrente do motor e o
método de comparação de peso.
O método de avaliação de corrente se baseia na comparação da corrente elétrica do motor de tração
quando o elevador esta em movimento subindo e descendo no meio do passadiço. Sendo que
consideramos o elevador balanceado quando os dois valores de correntes são iguais.
O método de comparação de peso consiste em abrir o freio da máquina e verificar por comparação se
o contra peso e a cabina estão com o mesmo peso. Este método não pode ser executado em
equipamentos sem engrenagem.
A forma de corrigir qualquer irregularidade encontrada nos dois métodos é acrescentar ou retirar
pedras do contrapeso.

23
4.3 Aterramento

O aterramento deve ser exclusivo para nosso equipamento e o valor da resistência de aterramento deve
estar abaixo de 10 ohms e conforme desenho abaixo.

Para este Drive é imprescindível o correto aterramento pois do contrário erros


inesperados podem ocorrer
Ex.: Chamadas falsas, erros devido a ruídos E31/E71, etc.

4.4 Supressores

Os supressores são componentes elétricos usados para eliminar ruído elétrico produzido em nosso
próprio equipamento normalmente por componentes indutivos ex.: bobina de freio, chaves contatoras,
motores elétricos, etc.
Portanto é necessário verificar a existência de supressores e meios alternativos para eliminar ruído
elétrico em diversas partes do equipamento como sugerido abaixo:

Chave Geral: Kit Anti Raio


Casa de Maquina: Separar fiação de potência e comando nas calhas da casa de máquina.
Controle: Supressor de ruído em todas as chaves contatoras, capacitor eletrolítico na ponte retificadora
do freio, varistores do transformador, etc.
Máquina: Varistor do freio e varistor do motor da ventilação forçada da máquina.
Cabina: Terminal de linha no final da linha serial, varistor do motor do operador de porta, varistor e
diodo da rampa móvel magnética.
Passadiço: Terminal de linha no final da linha serial.

24
4.5 Programação Básica da LCB-II

Na tabela abaixo estão reunidos os parâmetros básicos da LCB-II.

Parâmetro Descrição Valor Observação


PI-POS Habilita indicador de posição alterado por sinais de DZ 2 M-1-3-1-1
DRIVE Tipo de Drive: LSVF-W XADO (s/ abertura de porta 17 M-1-3-1-4
avançada)
C-TIPE Tipo de controle: MCS 120- MCS (LVF, ADV-DP) 2 M-1-3-1-4
EN-BCD Habilita monitoração da corrente do freio 1 M-1-3-1-4
LV-MOD Tipo de nivelamento 0 M-1-3-1-6
DZ-TYP Codificação de DZ 0 M-1-3-1-6
EN-RR Habilita corrida reduzida 1 M-1-3-1-1
DZ CNT Habilita utilização de DZ para contagem nos andares 1 M-1-3-1-1
curtos

Atenção: O bit “R” da mascara de chamado deve ser gravado com o valor “4” para todos os andares
no menu “Allowed” (M-1-3-3-1).

Exemplo de equipamento com oito paradas coletivo na descida.

AT C U D E C U D E R
00 1 1 0 0 0 0 0 0 4
01 1 0 1 0 0 0 0 0 4
02 1 0 1 0 0 0 0 0 4
03 1 0 1 0 0 0 0 0 4
04 1 0 1 0 0 0 0 0 4
05 1 0 1 0 0 0 0 0 4
06 1 0 1 0 0 0 0 0 4
07 1 0 1 0 0 0 0 0 4

Exemplo de equipamento com oito paradas coletivo na descida. A parada “01” em relação a parada “00”
possui 350 mm, sendo considerado um percurso para corrida reduzida e a aleta de DZ deste andar esta no
percurso de 1LS.

AT C U D E C U D E R
00 1 1 0 0 0 0 0 0 1
01 1 0 1 0 0 0 0 0 1
02 1 0 1 0 0 0 0 0 4
03 1 0 1 0 0 0 0 0 4
04 1 0 1 0 0 0 0 0 4
05 1 0 1 0 0 0 0 0 4
06 1 0 1 0 0 0 0 0 4
07 1 0 1 0 0 0 0 0 4

OBS: Quando existir corrida reduzuda no percurso de atuação de 1LS ou 2LS o bit “R” deste destes dois
andares devem ser alterado para “1”, como no exemplo acima.

25
5 Procedimento de Ajuste do Equipamento

5.1 Procedimentos para Configurar Modulo de Inspeção

Inicialmente configuramos o equipamento para funcionar em modulo de inspeção para executar toda
instalação mecânica do equipamento.
Abaixo segue as etapas para configurar modulo de inspeção.

Desligar fusíveis do controle (F1 a F7) - O objetivo é preservar as placas eletrônicas do controle caso a
tensão de alimentação esteja fora da faixa de valores permitida.

Ligar a fiação proveniente da chave geral ou transformador (3 Fases - L1, L2 e L3) nos bornes do
controle conforme figura abaixo.

Identifique os bornes L1-D, L2-D e L3-D na parte


inferior do controle e conecte as fases que vem da
chave geral nos mesmos e L1-C, L2-C e L3-C para
alimentação do controle.
Caso a tensão de alimentação do controle seja a
mesma do Drive apenas a conexão nos bornes do
L1-D, L2-D e L3-D será necessária, pois haverão
jumpers nestes pontos conectando também os
pontos L1-C, L2-C e L3-C.
Conecte também nos respectivos bornes a fiação do
freio (B1 e B2), do termocontato (TO3 e TO4),
limitador de velocidade (OS1 e OS2) e ventilação
forçada (VE) se houver.

Ligar as fases do motor ao controle através do Contator SW-2 sendo os mesmos : 2, 4 e 6 sendo um
por FASE.

Conectar a malha/"shield“ tanto na máquina quanto no controle.

Controle

Contator SW2

Conecte o Encoder ao conector P3 no Drive antes de energizar o motor de tração.

Conectar o comando sobe-desce no controle, jumper ferramenta e extensão de comando.

26
Conectar os Fusíveis e Verificar o Estado dos Leds na LCB-II.

LED’s ATIVOS nesta etapa da instalação

RSL piscando: Indica que o processador está acessando a memória e periféricos perfeitamente. A
comunicação pela linha serial também está funcionando embora nenhuma estação remota
(RS) esteja conectada ao controle.

DOL: O limite de abertura de porta neste caso fica ativo mesmo com a porta fechada pois o bloco 4K da
cabina que carrega as informações da cabina pela linha serial ainda não foi conectado.

DFC: O sinal de porta totalmente fechada é dado devido ao fechamento da segurança de portas que ainda
não esta instalada.

INS: Indica que o carro está pronto para funcionar em modo inspeção.

VLC: Indica que a alimentação da placa está OK.

DW: Estará aceso se a linha de segurança estiver fechada. Este sinal apaga somente se a linha de
segurança abrir ou a porta batente ou manual se abrir.

O led GRP/J poderá indicar falta ou falha na seqüência de fases da linha de alimentação se estiver
piscando. Neste caso inverta duas fases da linha de entrada L1, L2 e L3.

27
5.2 Configurações do Drive para Modulo de Inspeção

Através da IHM seguir as etapas abaixo :

Etapa 1: Parâmetros do Drive (Placa CC09)

Os parâmetros abaixo deverão ser verificados e ajustados conforme indicado na tabela de parâmetros
que acompanha a documentação do controle.

Parâmetro Descrição Valor a Inserir


Parâmetros de Regulação
P150 Modo de regulação da tensão CC 0 = Com perdas. Valor padrão
P151 Limite de tensão no link CC 400 para tensão < 230 V ou 800 para tensão > 230 V
P153 Nível de frenagem reostática 375V p/ 220V ou 618V p/ 380V ou 675V p/ 440V/480V
P154 Resistor de frenagem Varia de acordo com o resistor DBR. Ver tabela 1 pg. 29
P155 Potência permitida no resistor Varia de acordo com o resistor DBR. Ver tabela 1 pg. 29
P156 Corrente sobrecarga 100% Valor máximo permitidos na IHM
P157 Corrente sobrecarga 50% Valor máximo permitidos na IHM
P158 Corrente de sobrecarga 5% Valor máximo permitidos na IHM
P169 Max. Corrente de torque horário 180% Valor padrão
Max. Corrente de torque anti-
P170 180% Valor padrão
horário
Parâmetros de Configuração
P202 Tipo de controle 4 = Vetorial com encoder. Valor padrão
Rotação Síncrona do motor dado pela formula:
P208 Fator escala de referência
P208 = (freq. Motor X 120) / n° de pólos
P209 Detecção de falta de fase no motor 0 = Inativa. Valor padrão
P214 Detecção de falta de fase na rede 1 = Ativa. Valor padrão
P220 Seleção local / Remoto 0 = Sempre local. Valor padrão
P221 Seleção referência local 11 = PLC-01. Valor padrão
P224 Seleção gira/pára local 4 = PLC-01. Valor padrão
Entradas Digitais
P263 Função entrada DI1 2 = Habilita geral. Valor padrão
Saídas Digitais
P277 Função Relé RL1 13 = Sem erro. Valor padrão
P279 Função Relé RL2 26 = PLC-01. Valor padrão
P280 Função Relé RL2 26 = PLC-01. Valor padrão
Dados do Inversor
P295 Corrente nominal do Drive Conforme etiqueta do Drive
P296 Tensão nominal do Drive Conforme etiqueta do Drive
P297 Freqüência de chaveamento 3 = 10.0Khz. Valor padrão
Parâmetros do Motor
P400 Tensão do motor Depende do motor ver dados de placa
Depende do motor ver dados de placa ou calcular.
P401= Potência (w) / [Tensão (V) x 1,73 x cos ϕ x ]
P401 Corrente do motor
= rendimento quando desconhecido adotar 0,8
cos ϕ = quando desconhecido adotar 0,8
Rotação Síncrona do motor dado pela formula:
P402 Velocidade do motor
P402 = (freq. Motor X 120) / n° de pólos
P403 Freqüência do motor Depende do motor ver dados de placa
P404 Potência do motor Depende do motor ver dados de placa
P405 Dados do encoder 1024 Valor padrão
P406 Ventilação do motor 0 = Auto-ventilado. Valor padrão

28
Tabela dos Resistores que Consomem a Energia Regenerativa

Tabela 1

Número de
Resistores Tensão P154 P155
DBR Controle
208V/220V 20
1 1,5
380V/480V 54
208V/220V 10
2 3
380V/480V 27
208V/220V 6,7
3 4,5
380V/480V 18
208V/220V 5
4 6
380V/480V 13,5
208V/220V 2,2
Banco 7,5 kW 7,5
380V/480V 5,6
208V/220V 2,2
Banco 9,5 kW 9,5
380V/480V 5,6

OBS: Cada resistor DBR possui Potência Máxima igual a P max= 1,5 KW

Etapa 2: Auto -Tuning

O auto – tuning consiste da leitura direta dos paramentos do motor pelo Drive.
O processo é iniciado ao inserir o valor 1 no parâmetro indicado abaixo e logo em seguida a chave
SW-2 é operada e o Drive injeta no motor valores reduzidos de tensão, corrente e freqüência.
Os valores dos parâmetros do motor são calculados de forma imediata a partir das leituras obtidas pelo
Drive e armazenados nas posições de memória P409, P410, P411, P412 e P413 sempre um de cada vez.
Através da IHM ( interface homem maquina ) é possível acompanhar todo o processo pois em sua tela
podemos observar um a um os parâmetros sendo armazenados.

Parâmetros medidos
P408 Auto ajuste? 1 = sem girar

NOTA :

Nesta etapa a máquina fará alguns ruídos indicando que o auto-tuning está sendo executado e o
contator SW-2 é desativado ao final.
Todo o processo é realizado com o freio atracado (fechado) e o elevador parado sem movimento na
polia de tração.

29
Etapa 3: Parâmetros do Drive (Placa MCB-W)

Os parâmetros abaixo deverão ser verificados e ajustados conforme indicado na tabela de parâmetros
que acompanha a documentação do controle.

Parâmetro Descrição Valor a Inserir


Parâmetros da PLC(MCB-W)
Velocidade síncrona do Rotação Síncrona do motor dado pela formula:
P767
motor (RPM). P767 = (freq. Motor X 120) / n° de pólos
Conforme tabela de programação ou utilizar fórmula para
determinação deste valor em “rpm”.
Esta é a rotação do motor
para que o elevador atinja a P 770 = veloc.nom × reduc.maq × susp × 60
velocidade nominal de 3,1416 × (diam. polia.tração)
P770 acordo com as OBS:
características mecânicas de Velocidade de Contrato do Elevador em “mm/s”
suspensão, redução e Diâmetro da Polia de Tração em “mm”
diâmetro da polia. Suspensão da Máquina é um número sem unidade
Redução da Máquina é um número sem unidade

Velocidade moninal da
P771 Conforme dados de placa da maquina
máquina em (mm/s).
P773 Números de andares. Conforme número de andares
Desaceleração por LS
P779 Conforme tabela 2 pg. 31
(mm/s2).
P780 Atraso do sistema (ms). 300 Valor padrão
Tempo em loop de posição
P781 na partida do elevador. 500 (Valor recomendável para a grande maioria dos casos)
Serve para evitar o rollback
P785 Tamanho de DZ (mm) 180 valor padrão
Velocidade de contrato
P800 Conforme velocidade do contrato
mm/s.
Velocidade de inspeção
P805 350 Valor padrão
(mm/s).
Velocidade de aproximação
P807 90 Valor padrão
(mm/s)
Aceleração do elevador
P808 500 Valor padrão para fase de instalação
(mm/s2).
Desaceleração do elevador
P809 500 Valor padrão para fase de instalação
(mm/s2).
Atraso de habilitação do
P817 200 Valor padrão
PWM (ms).
Atraso de liberação do freio
P818 400 Valor padrão
(ms).
Tempo de reconhecimento
P824 30 Valor padrão
de V1...V4(ms).
Tempo máx permitido sem
que nenhuma aleta de
P827 50 Valor padrão
DZ/1LV seja detectado
durante a viagem (s).

*Nota: Após a completa parametrização resetar o sistema aguardando o completo desligamento do Drive
para que este possa ser religado.

30
Tabela do Comprimento da Rampa 1LS e 2LS

Tabela 2

Velocidade de Valor a
Comprim.
Contrato em ajustar em
LS (mm)
mm/s (P800) P779
250
300 600
380
450 400 700
630 500 800
750 800 900
1000 1200
1200 1500
1000
1330 1800
1500 2300
1600 2400 1100
1750 2500 1250

Etapa 4: Partida do Motor

O Drive W trabalha com lógica de controle vetorial, portanto o motor somente pode girar com o encoder
conectado com a seqüência de suas fases coincidindo com as do motor.

Para colocar o motor em funcionamento deve-se seguir a seguinte seqüência:

A- Certificar-se que o encoder está corretamente conectado e alimentado com 15Vcc entre os pontos
P3-2 e P3-5 e uma das fases F ou R está em nível alto de acordo com o esquema abaixo.

Atenção:

Atualmente utilizamos dois modelos de encoder: Tamagawa (Japonês) e Heidenhain (Alemão).


Recomendamos a identificação do modelo de encoder, que pode ser facilmente observado no
próprio corpo do encoder antes de fazer as ligações no Drive pois o modelo de encoder Heidenhain
possui alguns fios a mais com a mesma cor da fiação do encoder Tamagawa, sendo assim, por
falta de atenção do técnico de instalação pode fazer a inversão, ligando o encoder Heidenhain
como se fosse o encoder Tamagawa. Se esta inversão ocorrer podemos queimar o Drive.
Os fios a mais do encoder Heidenhain devem ser isolados um a um para evitar curto circuito.

31
B- As Fases do Motor devem estar conectadas aos pontos 2T1, 4T2 e 6T3 do contator SW-2.

C- Com o jumper ferramenta instalado certifique-se de que a linha de segurança está totalmente fechada
(leds DFC e DW acesos e ES apagado) e a placa LCB-II indicando modo INS, observado pelo LED INS
aceso ou através da URM (M-1-1-1).

D- Verificar se com o acionamento dos botões de subida ou descida o contator SW-2 opera e o Drive
inicia o giro do motor aproximadamente em 1 segundo. Caso isto não ocorra verifique se a LCB-II está
enviando o comando de Inspeção através da interface codificada (V1, V2, V3 e V4) e se o Drive está
recebendo estes sinais. Verificar também se os sinais UIB e DIB estão condizentes com a direção
solicitada.

E- Através do comando sobe - desce acione o motor e observe o valor da corrente indicado em ampères
no display de 7 segmentos da IHM do Drive (P003) e a estabilidade da velocidade do motor. Caso a
corrente indicada após 2 segundos que é o tempo necessário para acelerar o motor seja superior à
corrente nominal do Drive, interrompa imediatamente o acionamento e verifique os itens abaixo:

O encoder pode estar desconectado ou conectado incorretamente.

As fases do motor podem estar invertidas. Inverter as fases U e W (pontos 2T1 e 6T3) e testar
novamente, caso o valor da corrente não diminua, inverter as fases U e V (pontos 2T1 e 4T2) e testar
novamente, se ainda assim o valor não diminuir inverter V e W (pontos 4T2 e 6T3).

Verificar a correta abertura do freio.

O conjunto Cabina - CWT está corretamente balanceado? Balancear.

F- Se com os valores de corrente estiverem abaixo do valor nominal do Drive e a velocidade constante em
ambas as direções mas porém o sentido de giro em relação à máquina estiver invertido em relação ao
comandado na botoeira, alterar o valor de P772 de “0” para “1”.

32
5.3 Configuração do Drive para Modulo Normal

Etapa 1: Verificações Preliminares para Colocar o Elevador em Velocidade Nominal

Certifique-se de que todo circuito de segurança está atuando e que não há nenhum jumper.

Certifique-se de que o Drive reconhece os sinais de /1LS e /2LS, desacelerando até a velocidade de
nivelamento (creep speed) nas direções correspondentes quando encontrar a rampa.

Passe o carro para normal e verifique se na corrida de correção em ambas as direções o carro
desacelera e para nos andares terminais.

Executar corridas em modulo normal entre os andares terminais através das chaves CTBL e CTTL na
LCB-II, observando o comportamento da maquina e qualquer interferência mecânica no poço.

Certifique-se que o carro com 45% da carga nominal em ambas as direções apresenta valores de
corrente iguais quando o elevador estiver na região próxima à metade do passadiço.

Retirar a carga do elevador.

Etapa 2 : Corrida de Aprendizagem

Com o carro fora dos limites de correção (/1LS e /2LS), de preferência na segunda parada acionar o
modulo CHC e DDO para inibir chamadas de andar e impedir a abertura da porta de cabina. Através da
chave ERO-S no controle passe o carro para modulo de inspeção e depois alterar o parâmetro P820 como
indicado abaixo para que seja iniciada a corrida de aprendizado (Learn run).

Parâmetros da PLC (MCB-W)


P820 Realizar corrida de aprendizagem 1

Após modificado o parâmetro a URM indicará “ >Learn Run “ (M-1-1-1) e através da chave ERO-S no
controle passe o carro para NORMAL, depois para INSPEÇÃO e depois retorne para NORMAL. Este
processo deve ser cumprido em 30s.

Nesta etapa o carro irá até a parada mais inferior em velocidade normal e após acionar a aleta de DZ da
primeira parada o carro para e imediatamente começa a subir em velocidade (Creep speed) até a última
parada.

Após concluído a corrida de aprendizado passe a chave ERO-S para INSPEÇÂO, retornar o parâmetro
P820 para zero, desligue o controle aguardando o desligamento do Drive, retornar a chave ERO-S para
normal e ligar o controle.

Etapa 3: Simulação de Chamadas

Efetuar chamadas aleatórias através da URM (M-1-1-1) e verificar se o elevador funciona normal.

Etapa 4: Auto -Tuning com o Motor Aquecido

Inserir zero nos parâmetros P409 a P413 e com o motor aquecido repetir o Auto-Tuning (P408=1) para
que o Drive possa fazer a leitura dos valores válidos para regime de serviço.

33
Etapa 5: Ajuste do Fluxo de Tensão do Motor

Colocar o elevador para descer desde a última parada superior com a cabina vazia na metade da
velocidade nominal, modificando o parâmetro P800.

Parâmetros da Placa MCB-W


P800 Velocidade de contrato do Nesta etapa ajustar para metade da velocidade nominal
Elevador (mm/s)

Ler a tensão indicada no parâmetro P007 e verificar se o mesmo apresenta valor próximo de 45% da
tensão nominal quando o carro estiver na região do meio do passadiço.

Para tensão de saída do Drive 208 V o valor do parâmetro P007 deve ser de aproximadamente 94 V
Para tensão de saída do Drive 220 V o valor do parâmetro P007 deve ser de aproximadamente 99 V
Para tensão de saída do Drive 380 V o valor do parâmetro P007 deve ser de aproximadamente 171 V
Para tensão de saída do Drive 480 V o valor do parâmetro P007 deve ser de aproximadamente 216 V

Parâmetros de leitura
P007 Tensão de saída deverá estar a 45% da nominal (+/- 5%)

Se a tensão lida neste parâmetro for maior que 45% da nominal diminuir P178, caso contrário aumentar.
Repetir o procedimento e confirmar o valor da leitura do parâmetro P007 sempre com a cabina
descendo vazia.

IMPORTANTE :

Normalmente o valor ajustado no parâmetro P178 fica entre 20% e 120%, caso não seja possível
ajustar nesta faixa de valores para que o valor lido em P007 seja de 45% da tensão de alimentação
nominal deve ser verificado o balanceamento da cabina e contra - peso.

O ruído de chaveamento do PWM no motor diminui consideravelmente quando o fluxo está


corretamente ajustado.

Se este parâmetro não for ajustado adequadamente pode ocorrer diferença significativa de velocidade
em função da carga, ex.: Velocidade da cabina vazia descendo menor que a velocidade da cabina subindo
vazia.

34
Etapa 6: Verificação de Velocidade

Colocar o elevador para descer desde a última parada superior na velocidade nominal reajustando o
valor de P800 com o valor original e verificar no parâmetro de leitura P002 se o mesmo atinge a rotação
nominal programada em P770 .

Logo após fazer a leitura de corrente verificando se a mesma está abaixo da nominal do Drive com o
elevador na velocidade nominal.
Parâmetros da MCB-W
P800 Velocidade de contrato do Nesta etapa ajustar para velocidade nominal de contrato
elevador

Parâmetros de leitura
P002 Velocidade do motor Velocidade do motor em RPM.
Deverá ser igual a P770

Caso o elevador não atinja a velocidade nominal em RPM programada em P770 diminuir P178.

Reg. de Fluxo
P178 Fluxo nominal Diminuir caso o MOTOR não tenha atingido a velocidade
nominal

NOTA:

1- REPETIR ESTA ETAPA ATÉ CONSEGUIR FAZER COM QUE O ELEVADOR ATINJA A SUA
VELOCIDADE NOMINAL (P002 DEVERÁ SER IGUAL A P770).
2- VERIFICAR O VALOR DA VELOCIDADE DE SUBIDA E DESCIDA COM A CABINA VAZIA
UTILIZANDO UM TACOMETRO.

Etapa 7: Ajuste do Ganho

Verificar vibrações na maquina e observar mudanças bruscas de velocidade durante a corrida, aumentar
P161 se houverem vibrações durante a corrida e diminuir se ocorrerem durante a aceleração e
desaceleração.

Reg. de Velocidade
P161 Kp Caso haja vibração diminuir o valor deste parâmetro (15 ~ 50)

Etapa 8: Conferência dos Parâmetros

Conferir se todos os parâmetros programados estão de acordo com a tabela de programação fornecida
com o controle ou dentro da faixa de ajuste para os que devem ser ajustados em campo e alterar P200=1
para que a configuração seja protegida.

Etapa 9: Verificando o Nivelamento

Para um correto nivelamento as aletas de DZ deverão estar centradas no sensor quando o carro está
nivelado em todos os andares.
Não há ajuste por software para corrigir o nivelamento.

35
6 Solução e Prevenção de Falhas

Este capítulo auxilia o técnico a identificar e solucionar possíveis falhas que possam ocorrer.

6.1 Erros e Possíveis Causas na Placa CC09

Quando a maioria dos erros é detectada o Drive W é bloqueado (desabilitado) e o erro é mostrado no
display como EXX , sendo XX o código do erro. Para voltar a operar normalmente o Inversor após a
ocorrência de um erro é preciso resetar. De forma genérica isto pode ser feito através das seguintes
formas:

desligando a alimentação e ligando-a novamente (power-on/reset);


pressionando a tecla “0/RESET” (manual reset);
automaticamente através do ajuste de P206 (autoreset);

Ver na tabela abaixo detalhes de reset para cada erro da Placa CC09 e prováveis causas

ERRO RESET CAUSAS MAIS PROVÁVEIS


E00 Power-on Curto-circuito entre duas fases do motor;
Sobrecorrente Manual Inércia de carga muito alta ou rampa de aceleração
(tecla 0/RESET)
na saída Autoreset muito rápida;
DI Módulos de transistores em curto;
Parâmetro (s) de regulação e/ou configuração incorreto (s).
Ajuste de P169, P170, P171, P172 muito alto.
E01 Tensão de alimentação muito alta, ocasionando
circuito uma tensão no circuito intermediário acima do valor máximo
intermediário Ud>400V - Modelos 220-230V
“link CC” (Ud) Ud>800V - Modelos 380- 480V
Inércia da carga muito alta ou rampa de desaceleração muito rápida
Ajuste de P151ou P153 muito alto.
E02 Tensão de alimentação muito baixa, ocasionando tensão
Subtensão no no circuito intermediário abaixo do valor mínimo (ler o
circuito valor no Parâmetro P004):
intermediário Ud < 223V - Modelos 220 - 230V
“link CC” (Ud) Ud < 385V - Modelos 380V
Ud < 405V - Modelos 400 - 415V
Ud < 446V - Modelos 440 - 460V
Ud < 487V - Modelos 480V
Falta de fase na entrada;
Falha no contator de pré-carga;
Parâmetro P296 selecionado numa tensão acima da tensão nom. da
rede

36
ERRO RESET CAUSAS MAIS PROVÁVEIS
E03 Alimentação abaixo do valor mínimo.
Subtensão/Falta UaIim < 154V para modelos 220-230V
de UaIim < 266V para modelos 380-480V
Fase na Falta de fase na entrada do inversor
alimentação (1) Tempo de atuação: 2,0 seg
E04 Temperatura ambiente alta (>40°C) e corrente de
saída
Sobretemperatura elevada; ou temperatura ambiente < -10°C;
nos dissipadores Ventilador bloqueado ou defeituoso (3)
de potência, no Fusível do circuito de pré-carga (comando) aberto
ar interno ou falha Alimentação abaixo do valor mínimo ou falta de
fase,
no circuito de se ocorrerem por mais de 2 segundos e sem
detecção
pré-carga (2) (3) de falta de fase P214= 0 (inativa).
Sinal com polaridade invertida nas entradas analógicas
AI1/AI2.
E05 Power-on Ajuste de P156/P157/P158 muito baixo para o
motor
Sobrecarga na Manual (tecla utilizado;
0/RESET)
saída, função Autoreset Carga no eixo muito alta
IxT(Ver DI
P156/P157/P158)
E06 Fiação nas entradas DI3...DI7 aberta (não
conectada a
Erro externo + 24V):
(abertura da entrada Conector XC12 no cartão de controle CC9 desconectado.
digital programada
para s/ erro externo)
E07 Fiação entre encoder e bornes XC9 (cartão opcional EBA/
Falta de algum EBB) interrompida.
dos sinais do Encoder com defeito.
encoder, (válido se
P202= 4 - Vetorial
com encoder
E08 Ruído elétrico.
Erro na CPU
(watchdog)
E09 Memória com valores alterados.
Erro na memória
de programa
E10 Power-on Tentativa de copiar os parâmetros da IHM para o inversor
Erro na função Manual (tecla com versões de software diferentes.
[O]/RESET)
Copy Autoreset
DIx
E11 Curto para o terra em uma ou mais fases de saída;
Curto-circuito Capacitância dos cabos do motor para o terra muito
fase-terra na saída elevada ocasionando picos de corrente na saída
E12 Inércia da carga muito alta ou rampa de
Sobrecarga no desaceleração muito rápida;
resistor de Carga no eixo do motor muito alta
frenagem Valores de P154 e P155 programados
37
ERRO RESET CAUSAS MAIS PROVÁVEIS
E13 Fiação U, V, W para o motor invertida ou
Motor ou encoder Fiação do encoder invertida
(para P202 = 4 -
vetorial com
encoder)
Este erro só pode
ocorrer durante
o auto-ajuste, com
P408=Gira p/ Imr
E15 Mau contato ou fiação interrompida na ligação entre o
Falta de Fase inversor e o motor;
no Motor Programação incorreta de P401;
Controle vetorial com perda de orientação;
Controle vetorial com encoder, fiação do encoder ou
conexão com o motor invertida.
E24 Desaparece Tentativa de ajuste de um parâmetro incompatível com
automaticamente
Erro de quando forem alterados os demais.
programação os parâmetros
incompatíveis
E31 Desaparece Mau contato no cabo da IHM
automaticamente
Falha na quando a IHM voltar a Ruído elétrico na instalação
conexão da IHM estabelecer comunicação interferência eletromagnética
normal com o inversor
E32 Power-on Carga no eixo do motor muito alta
Sobretemperatura Manual (tecla 0/RESET) Ciclo de carga muito elevado (grande número de
partidas
no motor (4) Autoreset e paradas por minuto)
DI Temperatura ambiente alta
Mau contato ou curto-circuito (resistência < 100) na
fiação que chega aos bornes XC4:2 e 3 do cartão
opcional
cartões EBA/EBB não montados e/ou termistor do motor
P270 programado inadvertidamente para 16, com
Motor travado.
E41 Power-on Defeito na memória ou outros circuitos internos ao inver-
Erro de sor.
auto-diagnose
E71 Erro de Power-on Ruído na comunicação com a placa MCB-W
Comunicação PLC-
01

38
Observações:

1- E03 só poderá ocorrer nos modelos 220-230V e corrente nominal maior ou igual a 45A ou
380-480V e corrente maior ou igual a 30A.

2- E04 sobretemperatura no inversor é necessário esperar este esfriar um pouco antes de


resetá-lo, pode significar também falha no circuito de pré-carga somente nos modelos
220-230V e corrente nominal maior ou igual a 70A ou 380-480V e corrente maior ou igual a
86A. A falha no circuito de pré-carga significa que o contator (modelos até 142A) ou Tiristor
(modelos acima de 142A) de pré-carga não estão fechados, sobreaquecendo os resistores de
pré-carga.
Nos modelos 220-230V e corrente nominal maior ou igual a 16A ou 380-480V e corrente
maior ou igual a 13A e menor ou igual a 142A, o E04 pode ser ocasionado pela temperatura
muito alta do ar interno. Verificar ventilador do ar interno da eletrônica.

3- E32 sobretemperatura no motor é necessário esperar o mesmo esfriar um pouco antes de


resetar o inversor.

4- O Drive W é extremamente exigente com relação à qualidade do aterramento e correta


instalação do supressores de freio e contatores, portanto erros freqüentes de
comunicação como E31, E71, E62, E63, etc. são indicação de que estes pontos necessitam
ser revistos.

6.2 Forma de Atuação dos Erros

E00,..., E08, E10, E11, E12, E13, E15 e E32 :


Desliga relé que estiver programado para “sem erro”; Bloqueia pulsos do PWM;
Indica o código do erro no display de leds e no led “ERROR” de forma piscante;
Display LCD indica o código e a descrição do erro; Salvos alguns dados na memória EEPROM;
Número do erro ocorrido desloca os três últimos erros anteriores.

E03: Não irá para a memória dos 4 últimos erros se acontecer o desligamento da energia (rede) com o
Inversor em "Desabilita Geral".

E09: Não permite a operação do Inversor.

E24: Indica o código no display de Leds e o código e a descrição do erro no display LCD;
Bloqueia pulsos do PWM; Não permite acionar o motor.

E31: Inversor continua a operar normalmente; Não aceita os comandos da IHM;


Indica o código no display de Leds; Indica o código e a descrição do erro no display LCD.

E41: Não permite a operação do Inversor (não é possível habilitar o Inversor);


Indica o código do erro no display de Leds e a descrição no display LCD;
Indica no led “ERROR” de forma piscante.

39
6.3 Indicação dos Leds de Estado do Inversor

Os led’s indicados na figura abaixo estão visíveis somente quando retiramos a IHM do Drive, por estar na
parte inferior do rebaixo que é encaixado a IHM.
Estes led’s indicativos torna-se muito importante para verificação de erros somente quando a IHM não for
utilizada.

6.4 Erros e Possíveis Causas na Placa MCB-W

O Parâmetro P899 indica o último erro gerado pela MCB-W e todo erro ocorrido fica gravado no
parâmetro mesmo que o erro não mais esteja ativo.
Para zerar o valor do parâmetro é necessário resetar o equipamento e depois gravar zero em P899,
nesse caso será indicado ‘No error’.

Os erros referentes à placa MCB-W são:

- 60: ‘Dz Timeout’ - Indica que o tempo de espera por DZ estourou.

- 61: ‘/1LS - /2LS Fail’ - Indica que os dois sensores de limite foram ativados simultaneamente.

- 62: ‘CFW Error’ - MCB-W detectou algum erro no Inversor.

- 63: ‘CC9: No Response’ - Falha na placa de controle do Inversor.

- 64: ‘DI101 = 0’ - Entrada digital Habilita Geral em nível 0 com comando de movimento ativado.

- 65: ‘Speed Lag Error’ – Erro de lag de velocidade, velocidade real esta acima ou abaixo da
velocidade de referência.

40
6.5 Solução dos Problemas Mais Freqüentes

PROBLEMA PONTO A SER AÇÃO


CORRETIVA
VERIFICADO
Motor não gira Fiação errada 1- Verificar todas as conexões de potência e comando.
2- Verificar sinais de entrada e saída do Drive através dos
parâmetros de leitura de sinais do mesmo e as conexões como
indicadas no diagrama.
Programação errada 1- Verificar se os parâmetros estão com os valores corretos
para aplicação
Erro 1- Verificar se o inversor não está bloqueado devido a uma
condição de erro detectada.
2- Verificar se não existe curto-circuito entre os bornes
XC1:9 e 10 (curto na fonte de 24Vcc).
Motor Travado 1- Reduzir sobrecarga do motor.
(motor stall)

Velocidade do Conexões frouxas 1- Bloquear inversor, desligar a alimentação e apertar todas


motor conexões.
varia (flutua)
Velocidade do Dados de placa do 1- Verificar se o motor utilizado está de acordo com a aplicação
motor motor
muito alta ou muito
baixa
Display apagado Conexões da IHM 1-Verificar as conexões da IHM ao inversor .

Tensão de 1- Valores nominais devem estar dentro do seguinte


alimentação Modelos 220-230V: - Min: 187V
- Máx: 253V
Modelos 380-480V: - Min: 323V
- Máx: 528V

Velocidade do Sinais do Encoder 1- Verificar os sinais A – A, B – B


motor invertidos ou 2- Se esses sinais estão corretos, troque duas fases de saída,
baixa e P009 = conexões por exemplo U com V.
P169 de potência invertidas
ou P170 (motor em
limitação de
torque),
para P202 = 4 -
vetorial com
encoder

41
7 Tabela de Sinais de Entradas e Saídas do Drive

Parâmetro Sinal Conector Drive


P870 V1 P2.9
P871 V2 P2.10
P872 V3 P2.11
P873 V4 P2.12
P874 DBD P1.12
P875 UIB P1.5
P876 DIB P1.6
P877 CM P1.14
P878 HAB. GER. P2.1
P879 /1LS P2.2
P880 /2LS P2.3
P881 1LV P2.4
P882 UIS P2.5
P883 DIS P2.6
P884 DS1 P2.13
P885 DS2 P2.14
P886 DS3 P2.15
P887 NO ERROR P1.2
P888 BY P1.8
P889 SW2 P1.4

42
8 Tabela de Referência de Parâmetros do Drive W

A Tabela de Parâmetros é dividida em:

1. Leitura : São os parâmetros que trazem informações do sistema (Ex.: corrente e tensão de motor)

2. Regulação : São valores ajustáveis a serem utilizados pelas funções do inversor, parametrização
do sistema, funcionamento do Drive.

3. Configuração : Definem as características do inversor e funções a serem executadas.

4. MCB-W : São os parâmetros relacionados somente a MCB-W.

Os parâmetros destacados em cinza são os específicos a aplicações Otis, aconselhamos não alterarem
os outros.

N° Descrição Valor Variação Comentário

Parâmetros Leitura

P000 Acesso Parâmetro 0...999 Libera o acesso para alteração do conteúdo dos
parâmetros. Com valores ajustados conforme o
padrão de fábrica, P200=1 senha ativa é necessário
colocar P000=5 para alterar o conteúdo dos
parâmetros, com valor da senha igual a 5.

Programando P000 com a senha que libera o


acesso para alteração do conteúdo dos parâmetros
mais 1 (senha + 1), será obtido o acesso somente
dos parâmetros com conteúdo diferente do ajuste de
fabrica.

Para alterar a senha para outro valor:


1- Colocar P000=5 (senha atual) e P200=0 (senha
inativa).
2- Pressionar tecla “PROG”
3- Alterar P200 para 1 (senha ativa).
4- Pressionar “PROG” novamente, display mostra
P000.
5- Pressionar “PROG” novamente, display mostra 5
(valor da ultima senha).
6- Utilizar teclas “setas” para alterar para o valor
desejado da nova senha.
7- Pressionar “PROG”, display mostra P000. A
partir deste momento o valor ajustado no item
acima passa a ser a nova senha. Portanto para
alterar o conteúdo dos parâmetros será
necessário colocar P000= “o valor da nova
senha”.
P001 Refer. Velocidade 0 ...P770 rpm Referência de velocidade do motor de tração.
Faz a leitura da última referência gerada pela
MCB-W em rpm.
P002 Velocidade Motor 0 ...P770 rpm Velocidade atual do motor de tração.
Não deve ultrapassar P770, que é a velocidade
calculada do motor de tração.

43
N° Descrição Valor Variação Comentário
P003 Corrente Motor 0 ...2600 A Corrente elétrica do motor de tração em Ampères.
Não deve Ultrapassar 2x P295, que é a corrente
nominal do inversor.
P004 Tensão CC 0 ...1235V Nível de tensão atual no Link CC.
Com o elevador parado é aproximadamente
1,33 x P296, que é a tensão nominal do inversor.
P005 Freqüência Motor 0 ...1020Hz Freqüência atual de saída do inversor.
Não deve ultrapassar P403, que é a freqüência
nominal do motor.
P006 Estado Inversor “rdy” Indica o estado atual do Inversor:
‘run” “rdy” (ready) indica que o inversor está pronto para
“Sub” ser habilitado.
“Exy” “run” indica que o inversor está habilitado.
“Sub” indica que o inversor está com tensão de rede
insuficiente para operação (subtensão), e não
esta recebendo comando para habilitá-lo.
“Exy” indica que o inversor está no estado de erro,
sendo “xy” o número de código do erro.
P007 Tensão Saída 0 ...800Vac Indica a tensão de linha na saída do inversor.
Não deve Ultrapassar P400, que é a tensão nominal
do motor.
P009 Torque Motor 0 ...150,0% Indica o torque em porcentagem calculado no motor
de tração.
P010 Potência Saída 0,0 ...1200kW Indica a potência de saída instantânea do inversor.
P012 Estado DI1...DI8 LCD=1,0 Indica o estado das entradas digitais do cartão de
LED= 0...255 controle e do cartão opcional.
Display LCD da IHM em número binário.
Display LED da IHM em número decimal.
P013 Estado DO1...RL3 LCD=1,0 Indica o estado das duas saídas digitais do cartão
LED= 0...255 opcional (DO1, DO2) e das três saídas a relé do
cartão de controle (RL1, RL2, RL3).
Display LCD da IHM em número binário.
Display LED da IHM em número decimal.
P014 Último Erro 0...70 Indica o último erro gerado no Inversor
P015 Segundo Erro 0...70 Indica o penúltimo erro gerado no Inversor
P016 Terceiro Erro 0...70 Indica o ante-penúltimo erro gerado no Inversor
P017 Quarto Erro 0...70 Indica o ante-antepenúltimo erro gerado no inversor
P018 Valor de AI1 -100...100 % Indica o valor das entrada analógica AI1 em
percentual.
P019 Valor de AI2 -100...100 % Indica o valor das entrada analógica AI2 em
percentual.
P020 Valor de AI3 -100...100 % Indica o valor das entrada analógica AI3 em
percentual.
P021 Valor de AI4 -100...100 % Indica o valor das entrada analógica AI4 em
percentual.
P022 Uso da WEG 17,3% - Para uso do fabricante WEG
P023 Versão Software 2.84 - Exibe a versão do software do inversor.
A Otis trabalha com a versão a partir de 2.72
P024 Valor da A/D AI4 0...FFFFH Indica o resultado da conversão A/D da entrada
analógica AI4 localizada no cartão opcional.
Display LCD com valor em decimal
Display LED com valor em hexadecimal
P025 Valor da A/D Iv 0...1023 Indica resultado da conversão A/D em módulo das
correntes da fase “V”.

44
N° Descrição Valor Variação Comentário
P026 Valor da A/D Iw 0...1023 Indica resultado da conversão A/D em módulo das
correntes da fase “W”.
P042 Horas Energizado 0...65530h Indica total de horas que o inversor permaneceu
energizado. Valor mantido após desligar o inversor.
Display de LED da IHM indica total de horas dividido
por 10.
Display LCD da IHM indica valor real em horas.
P043 Horas Habilitado 0...6553h Indica total de horas que o inversor permaneceu
habilitado, com o motor de tração girando.
Indica até 6553 horas, depois volta para zero.
Ajustando P204=3, o valor do parâmetro P043 vai
para zero.
Valor mantido após desligar o inversor.

Parâmetros de Regulação

P100 Tempo Aceleração 5 0...999 sTempo de aceleração. Não Usado


P101 Tempo de Desacel. 10 0...999 sTempo de desaceleração. Não Usado
P102 Tempo Aceler. 2a 5 0...999 sTempo de aceleração 2a rampa. Não Usado
P103 Tempo Desacel. 2a 10 0...999 sTempo de desaceleração 2a rampa. Não Usado
P104 Rampa S 0 0...2 Rampa S. Não Usado
P120 Backup da Ref. 1 0 ou 1 Backup das referências de velocidade. Não Usado
P121 Referência Teclas 90 P133...P134
Referência de velocidade através das teclas seta.
Não Usado
P122 Refer. JOG/JOG+ 125 0...P134 Referência de velocidade para JOG ou JOG+.
Não Usado
P123 Referência JOG- 125 0...P134 Referência de velocidade para JOG -. Não Usado
P133 Veloc. Mínima 90 rpm Referência de velocidade mínima. Não Usado
P134 Veloc. Máxima 1800 rpm Referência de velocidade máxima. Não Usado
P135 Veloc. para I/F 18 0...90 rpm Velocidade de atuação do controle I/F. Não Usado
P136 Corrente p/ I/F 1 0...9 Controle V/F. Não Usado
P150 Modo Regul. CC 0 0...2 Modo de regulação da tensão CC.
0= Com Perdas. A frenagem ótima está ativa como
descrito em P151. Isto dá menor tempo de
desaceleração possível sem usar a frenagem
reostática ou regenerativa.
1= controle de rampa de desaceleração automática.
2= Habilita /desabilita via DIx.
P151 Nível Reg. DC 400 ou 800 V Limite de Tensão Máximo no Link CC.
Para tensões <230V = 400V
Para tensões >230V =800V

P152 Ganho Prop. Reg. 1,5 0,0...9,99 Ganho proporcional do regulador da tensão do
link CC.
P153 Nível Fren. Reost. Nível de atuação da frenagem dinâmica reostática.
375V 375V para 220V
618V 618V para 380V
675V 675V para 400/415V
748V 748V para 440/460V
780V 780V para 480V

P154 Resist. Frenagem 0...500 Ω Valor em Ohms dos resistores DBR em associação
paralelo para frenagem reostática.
Conforme tabela 1 pg. 29
45
N° Descrição Valor Variação Comentário
P155 Potência no Res. 0,02...650 Potência permitida no resistor de frenagem.
KW Ajusta o nível de atuação da proteção de sobrecarga
no resistor de frenagem. Conforme tabela 1 pg. 29
P156 Cor. Sobrecarga Corrente de sobrecarga do motor a velocidade
nominal.
Programar o Valor Máximo Permitido pelo Drive.
P157 Cor. Sobrecar. 50% Corrente de sobrecarga do motor a 50% da
velocidade nominal.
Programar o Valor Máximo Permitido pelo Drive.
P158 Cor. Sobrecar. 5% Corrente de sobrecarga do motor a 5% da
velocidade nominal.
Programar o Valor Máximo Permitido pelo Drive.
P161 Ganho Prop. Vel. 0...63.9 Ganho proporcional do regulador de velocidade.
Ganho ajustado em função do parâmetro P413
(constante Tm) e também pela rotina de auto-ajuste.
Estes ganhos podem ser ajustados manualmente
para otimizar a resposta dinâmica de velocidade.
Aumentar estes ganhos para deixar a resposta mais
rápida. Se a velocidade começar a oscilar, baixar o
ganho de acordo com procedimento de Ajuste.
Conforme etapa 7 pg. 35

Tabela Experimental

Motor 3142 ajustar P161 para 27


Motor 3122 ajustar P161 para 30
Máquina 140 e 160 VAT ajustar P161 de 15 a 35
Máquina 18 ATF ajustar P161 de 30 a 45
Novos motores da Weg ajustar P161 de 20 a 30
Motor Weg do Servo Drive ajustar P161 de 25 a 50
P162 Ganho Int. Vel. 0...9,999 Ganho integral do regulador de velocidade.
Ganho ajustado em função do parâmetro P413
(constante Tm) e também pela rotina de auto-ajuste.
Estes ganhos podem ser ajustados manualmente
para otimizar a resposta dinâmica de velocidade.
Aumentar estes ganhos para deixar a resposta mais
rápida. Se a velocidade começar a oscilar, baixar o
ganho.
OBS: P162= 0,01 x P161
P163 Offset Ref. LOC 0 -999...999 Offset Referência local. Não usado
P164 Offset Ref. REM 0 -999...999 Offset Referência remota. Não usado
P165 Filtro de Veloc. 0,012 0,012..1,000s Filtro de velocidade.
Ajusta a constante de tempo do filtro de velocidade.
P166 Ganho Difer. Vel. 2 0,00...7,99 Ganho diferencial de velocidade.
Ajustando o valor de P166 com valores diferentes de
zero, a ação diferencial atua na aplicação ou retirada
de carga.
P167 Ganho Prop. Cor. 0,75 0,00...1,99 Ganho proporcional do regulador de corrente.
Ajustado em função do parâmetro P411 que por sua
vez é ajustado pela rotina de auto-ajuste.

P168 Ganho Integr. Cor. 0,01 0,000...1,999 Ganho proporcional do regulador de corrente.
Ajustado em função do parâmetro P409 que por sua
vez é ajustado pela rotina de auto-ajuste.

46
N° Descrição Valor Variação Comentário
P169 Máx. Cor. Torque + 180 0...180% Máxima corrente de torque horário.
Limita o valor da componente da corrente do motor
que produz torque, ajuste expresso em porcentagem
da corrente nominal do inversor parâmetro P295.
Programar o Valor Máximo Permitido pelo Drive.
P170 Máx. Cor. Torque - 180 0...180% Máxima corrente de torque anti-horário.
Limita o valor da componente da corrente do motor
que produz torque, ajuste expresso em porcentagem
da corrente nominal do inversor parâmetro P295.
Programar o Valor Máximo Permitido pelo Drive.
P171 CorTorq + N=P134 100 0...180% Máxima corrente de torque horário na velocidade
máxima (N=P134).
Limita a corrente de torque em função da
velocidade.
P172 CorTorq - N=P134 100 0...180% Máxima corrente de torque anti-horário na
velocidade máxima (N=P134).
Limita a corrente de torque em função da
velocidade.
P173 Curva Torque Máx. 0 0 ou 1 Tipo de curva do torque máximo.
Define como será a curva de atuação da limitação
de torque na região de enfraquecimento de campo
do motor.
0 para Rampa
1 para Degrau
P175 Ganho Prop. Fluxo Auto 0,0... 31,9 Ganho proporcional do regulador de fluxo.
ajuste Ganho ajustado em função do parâmetro P412, e
também pela rotina de auto ajuste.
P176 Ganho Int. Fluxo Auto 0,000...9,999 Ganho integral do regulador de fluxo.
ajuste Ganho ajustado em função do parâmetro P412, e
também pela rotina de auto ajuste.
P177 Fluxo Mínimo 0 0 ... 120% Fluxo mínimo do campo magnético do motor.
Define o valor mínimo do fluxo a ser ajustado.
P178 Fluxo Nominal 0 ... 120% Aumentar ou Diminuir conforme procedimento de
Ajuste etapa 5 pg. 34.

P179 Fluxo Máximo 120 0 ... 120% Fluxo máximo do campo magnético do motor.
Define o valor máximo do fluxo a ser ajustado.

P180 Pto. Enfraq. Campo 95 0 ... 120% Ponto de início do enfraquecimento de campo.
Expressa em porcentagem da velocidade nominal
do motor (parâmetro P402), a partir da qual ocorre o
enfraquecimento de campo do motor.
Quando o motor não atinge as velocidades próximas
ou superiores a velocidade nominal, reduzir
gradativamente os parâmetros P180 e/ou P178.

P181 Modo Magnetizar 0 0 ou 1 Modo de magnetização.

0 = Habilita Geral ON.


Aplica corrente de magnetização após
Habilita Geral ON
1 = Gira/Para.
Aplica corrente de magnetização após
Gira/Para ON

47
N° Descrição Valor Variação Comentário

Parâmetros de Configuração

P200 A Senha está 1 0 ou1 A senha está ativada/desativada.

0 = senha inativa, permite a alteração do conteúdo


dos parâmetros independente de P000.
1 = senha ativa, somente permite alteração do
conteúdo dos parâmetros quando P000 é igual
ao valor da senha.
OBS: Passar para ativa após o término dos
Trabalhos de ajuste.
P201 Idioma 0 0 Programar de Acordo como mercado de Destino.
1 0 = Português
2 1 = English
3 2 = Español
3 = Deutsch
P202 Tipo de Controle 4 0 Tipo de Controle.
1 0 = V/F 60Hz
2 1 = V/F 50Hz
3 2 = V/F ajustável
4 3 = Vetorial Sensorless
4 = Vetorial com Encoder
P203 Sel. Funções Esp. 0 0 ou 1 Seleção de funções especiais.
Define o tipo de funções especiais.
0 = nenhuma
1 = Regulador PID (não usado)

P204 Car. / Salva Par. 0 0...11 Carrega/salva parâmetros.


Variação do modo para transferir parâmetros.
0, 1, 2, 9 = sem função
3 = Reset P043, zera contador de horas habilitado
4 = Reset P044, zera contador de KWh
5 = Carrega Weg- 60Hz, carrega parâmetros atuais
do inversor com os ajustes de fábrica para 60Hz
6 = Carrega Weg- 50Hz, carrega parâmetros atuais
do inversor com os ajustes de fábrica para 50Hz
7 = Carrega usuário 1. Carrega parâmetros atuais do
inversor com o conteúdo da memória 1.
8 = Carrega usuário 2. Carrega parâmetros atuais do
inversor com o conteúdo da memória 2.
10 = Salva usuário 1. Transfere conteúdo dos
parâmetros atuais do inversor para memória 1.
11 = Salva usuário 2. Transfere conteúdo dos
parâmetros atuais do inversor para memória 2.
P205 Sel. Par. Leitura 1 0...6 Seleciona qual dentre os parâmetros de leitura
listados abaixo será mostrado no display, após a
energização do inversor.
0 = P005 freqüência do motor
1 = P003 corrente do motor
2 = P002 velocidade do motor
3 = P007 tensão de saída
4 = P006 estado do inversor
5 = P009 torque do motor
6 = P040 variável de processo PID
48
N° Descrição Valor Variação Comentário
P206 Tempo Auto-Reset 6 0...255 s Tempo de auto-reset dado em segundos.
Quando ocorre um erro, exceto E09, E24, E31 ou
E41, o inversor poderá provocar um reset
automaticamente após transcorrido o tempo dado
por P206.
Se P206 ≤ 2 não ocorrerá auto-reset.
Após ocorrido o auto-reset, se o mesmo erro voltar a
ocorrer por três vezes consecutivas a função de
auto- reset será inibida. Um erro é considerado
reincidente se este mesmo erro voltar a ocorrer até
30 segundos após ser executado o auto-reset.
Portanto se o erro ocorrer quatro vezes
consecutivas, este permanecerá sendo indicado e o
inversor desabilitado permanentemente.
P207 Unidade Eng. Ref1 114=r 32...127 Unidade de referência de engenharia 1.
Utilizado para ajustar a indicação da unidade
variável que se deseja indicar nos parâmetros P001
e P002.
Os caracteres possíveis a serem escolhidos
correspondem ao código ASCII de 32 a 127.
P208 Fator Escala Ref 1...18000 Fator de escala de referência.
Rotação nominal síncrona do campo girante do
motor de acordo com a fórmula:
P208= freqüência do motor x 120/ n° de pólos

OBS: Mesmo valor dos parâmetros P402 e P767.


P209 Falta-Fase Motor 0 0 ou 1 Detecção de falta de fase no motor de tração.
0 = inativo
1 = ativo

OBS: Necessário programar inativo em função do


tipo de aplicação que possui a característica
de energia regenerativa que o inversor pode
interpretar como falta de fase.
P210 Ponto Dec. Ref. 0 0..3 Ponto decimal da indicação de velocidade.
Define o número de casas decimais após a vírgula
na indicação da referência de velocidade P001 e
velocidade do motor P002.
P211 Blq. por Vel. Nula 0 0 ou 1 Bloqueio por velocidade nula.
0 = inativo
1 = ativo
P212 Saída blq. V. Nula 0 0 ou 1 Condição para saída de bloqueio por velocidade
nula.
Não usado
P213 Tempo com V. Nula 0 0...999 s Tempo com velocidade nula.
Não usado
P214 Falta-Fase Rede 1 0 ou 1 Detecção de falta de fase na rede.
0 = inativo
1 = ativo

OBS: A detecção de falta de fase não atua para


modelos P295 ≤ 28 A para tensão de linha de
220/230V e 380/480V e modelos P295 ≤ 14 A para
tensão de linha de 500/600V independente do valor
ajustado em P214.
49
N° Descrição Valor Variação Comentário
P215 Função Copy 0 0...2 Função Copy.
Usado para Copiar parâmetros entre Inversores
0 = inativo
1 = Transfere dados do inversor para IHM
2 = Transfere dados da IHM para inversor

OBS: Os inversores devem ser do mesmo modelo e


com a mesma versão de software.
P216 Unidade Eng. Ref 2 112=p 32...127 Unidade de engenharia da referência.
Composta de três caracteres que serão aplicados a
indicação da referência de velocidade P001 e
velocidade do motor P002.
P217 Unidade Eng. Ref 3 109=m 32...127 Unidade de engenharia da referência.
Composta de três caracteres que serão aplicados a
indicação da referência de velocidade P001 e
velocidade do motor P002.
P218 Contraste LCD 127 0...150 Ajuste do contraste do display LCD.
Permite o ajuste do contraste do display LCD em
função do ângulo de visualização do mesmo.
Incrementar/decrementar o valor do parâmetro até
obter o melhor contraste.
P220 Seleção LOC/REM 0 0...10 Seleção de fonte local ou remota.
Define a fonte de origem do comando que irá
selecionar entre a situação Local e a remoto.
0 = Sempre situação local
P221 Sel. Ref. Local 11 0...11 Seleção de referência de velocidade situação local.
Controlado pela MCB-W.
P222 Sel. Ref. Remoto 1 0...11 Seleção de referência de velocidade situação
remota.
Não usado
P223 Seleção Giro LOC 2 0...11 Seleção do sentido de giro situação local.
2 = Indicação do sentido de giro da IHM
(default horário)
3 = indicação do sentido de giro da IHM
(default anti-horário)
P224 Sel. Gira/Pára LOC 4 0...4 Seleção gira/para situação local.
4 = Controlado pela MCB-W
P225 Seleção JOG LOC 0 0...5 Seleção fonte de JOG situação local.
0 = inativo
P226 Seleção Giro REM 4 0...11 Seleção do sentido de giro situação remoto.
Não usado
P227 Sel. Gira/Pára REM 1 0...4 Seleção gira/para situação remoto.
Não usado
P228 Seleção JOG REM 0 0...5 Seleção fonte de JOG situação remoto.
Não usado
P233 Zona Morta 1 0 ou 1 Zona morta das entradas analógicas.
0 = inativa
1 = ativa
P234 Ganho Entr. AI1 1 0...9,999 Ganho entrada AI1
P235 Sinal Entr. AI1 0 0...3 Sinal entrada AI1
0 = 0...10V/0...20mA
P236 OffSet Entr AI1 0 -100...100% Offset entrada AI1
P237 Função Sinal AI2 0 0...3 Função da entrada AI2.
0 = P221/P222
P238 Ganho Entr. AI2 1 0...9,999 Ganho entrada AI2
50
N° Descrição Valor Variação Comentário
P239 Sinal Entr. AI2 0 0...3 Sinal de entrada AI2
0 = 0...10V/0...20mA
P240 Offset Entr. AI2 0 -100...100% Offset entrada AI2
P241 Função Sinal AI3 0 0...3 Função da entrada AI3
0 = P221/P222
P242 Ganho Entr. AI3 1 0...9,999 Ganho entrada AI3
P243 Sinal Entr. AI3 0 0...3 Sinal entrada AI3
0 = 0...10V/0...20mA
P244 Offset Entr. AI3 0 -100...100% Offset entrada
P245 Ganho Entr. AI4 1 0...9,999 Ganho entrada AI4
P246 Sinal Entr. AI4 0 0...4 Sinal entrada AI4
0 = 0...10V/0...20mA
P247 Offset Entr. AI4 0 -100...100% Offset entrada AI4
P248 Filtro AI2 0 0...16,0 s Filtro da entrada AI2
P251 Função Saída AO1 2 0...10 Função saída AO1
P252 Ganho Saída AO1 1 0...9,999 Ganho da saída AO1
P253 Função Saída AO2 5 0...10 Função saída AO2
P254 Ganho Saída AO2 1 0...9,999 Ganho saída AO2
P255 Função Saída AO3 2 0...35 Função saída AO3
P256 Ganho Saída AO3 1 0...9,999 Ganho saída AO3
P257 Função Saída AO3 5 0...35 Função saída AO3
P258 Ganho Saída AO4 1 0...9,999 Ganho saída AO4
P263 Função Entr. DI1 2 0...3 Função da entrada digital DI1
P264 Função Entr. DI2 0 0...8 Função da entrada digital DI2
P265 Função Entr. DI3 0 0...22 Função da entrada digital DI3
P266 Função Entr. DI4 0 0...22 Função da entrada digital DI4
P267 Função Entr. DI5 3 0...22 Função da entrada digital DI5
P268 Função Entr. DI6 6 0...22 Função da entrada digital DI6
P269 Função Entr. DI7 0 0...22 Função da entrada digital DI7
P270 Função Entr. DI8 0 0...22 Função da entrada digital DI8
P275 Função Saída DO1 0 0...29 Função da saída digital DO1
P276 Função Saída DO2 0 0...29 Função da saída digital DO2
P277 Função Relé RL1 13 0...29 Abre linha de Segurança com o Drive em erro - DER
(Drive Error)
P279 Função Relé RL2 26 0...29 Controlada pela MCB-W - Freio (BY)
P280 Função Relé RL3 26 0...29 Controlada pela MCB-W - Habilitação do Motor
(SW-2)
P288 Velocidade Nx 90 rpm Velocidade de Nx
P289 Velocidade Ny 1800 rpm Velocidade de Ny
P290 Corrente Ix 1 A Corrente Ix
P291 Velocidade Nula 1 1...100% Velocidade nula
P292 Faixa p/ N=N* 1 1...100% Faixa para N=N*
P293 Torque Tx 100 0...200% Torque Tx
P295 Corrente Nom. Inv 0...65 Corrente nominal do inversor.
Obtido na etiqueta que acompanha o Drive.
Tabela:
5=9 A, 6=10 A, 7=13 A, 8=16 A, 9=24 A, 10=28 A,
11=30 A, 12= 38 A, 13=45 A, 14=54 A, 15=60 A,
16=70 A, 17=86 A, 18=105 A, 19=130 A.
P296 Tensão Nom. Inv 0...8 Tensão nominal do inversor.
0= 220/230V
3=380/480V
OBS: Usar 220/230V para Tensão de 208V.

51
N° Descrição Valor Variação Comentário
P297 Freq Chaveamento 10 0...3 Freqüência de Chaveamento do inversor.
1=2,5KHz
2=5KHz
3=10KHz
P303 Veloc. Evitada 1 600 P133...P134 Velocidade evitada 1.
P304 Veloc. Evitada 2 900 P133...P134 Velocidade evitada 2.
P305 Veloc. Evitada 3 1200 P133...P134 Velocidade evitada 3.
P306 Faixa Evitada 0 0...750 rpm Faixa de velocidade evitada.
P308 Endereço Inv. 1 1...30 Endereço serial do inversor.
P309 Fieldbus 0 0...6 Fieldbus (mestre da rede de inversores)
0= inativo
P313 Bloqueio c/ E29 0 0...3 Bloqueio com E28/E29/E30. Não usado
P320 Fstart/Ride-Thru 0 0...3 Flying start/ride-through. Não usado
P321 Ud Falta de Rede 252 V Ud Falta de Rede. Não usado
P322 Ud Ride-Thru 245 V Ud Ride-Through. Não usado
P323 Ud Retorno Rede 267 V Ud Retorno de Rede. Não usado
P325 Ganho Prop. RT 22.8 0...63,9 Ganho Proporcional do Ride-Through. Não usado
P326 Ganho Integr. RT 0,128 0...9,999 Ganho Integral do Ride-Through. Não usado

Parâmetros do Motor

P400 Tensão Nom. Motor 0...690V Tensão nominal do motor


P401 Cor. Nom. Motor 0...1,3 x P295 Corrente nominal do motor.
(A) Quando desconhecida calcular.

P401= Potência (w) / [Tensão (V) x 1,73 x cos ϕ x ]

= rendimento quando desconhecido adotar 0,8


cos ϕ = quando desconhecido adotar 0,8
P402 Rotaç. Nom. Motor Rotação nominal do motor.
Rotação nominal síncrona do campo girante do
motor de acordo com a fórmula:

(P402= freqüência do motor x 120/ n° de pólos)

OBS: Mesmo valor dos parâmetros P208 e P767.


P403 Freq. Nom. Motor 0...300Hz Freqüência nominal do motor.
P404 Pot. Nom. Motor 0...50 Potência nominal do motor.
Tabela:
10=6 CV / 4,5KW
11=7,5 CV / 5,5KW
12=10 CV / 7,5KW
13=12,5 CV / 9KW
14=15 CV / 11KW
15= 20 CV / 15KW

OBS: Quando não existir valor exato arredondar


para valor superior.
P405 N Pulsos Encoder 1024 Número de pulsos do encoder.
P406 Tipo Ventilação 0 0...2 Ventilação do motor
0= autoventilação
1= ventilação independente
2= motor especial

52
N° Descrição Valor Variação Comentário
P408 Auto-Ajuste 0 0...4 Auto-ajuste.
Rotina de leitura e captura dos parâmetros do motor
de tração. (auto-tuning)
0= não
1= auto ajuste sem girar. Sempre utilizar esta opção
no auto-ajuste.
P409 Resistên. Estator 0...77,95Ω Resistência do Estator do motor.
Ajustado Automaticamente com Auto-Ajuste.
P410 Corrente de A Corrente de Magnetização do Motor.
Magnetização do Motor Ajustado Automaticamente com Auto-Ajuste.
P411 Indutância de Dispersão 0...99,99mH Indutância de Dispersão de Fluxo.
de Fluxo Ajustado Automaticamente com Auto-Ajuste.
P412 ConstanteLr/Rr 0...9,999 s Constante Lr/Rr.
Ajustado Automaticamente com Auto-Ajuste.
P413 Constante TM 0...99,99 Constante TM. (constante de tempo mecânica)
Ajustado Automaticamente com Auto-Ajuste

Parâmetros de Sistema da MCB-W

( ) Atenção: O sistema precisa ser reinicializado quando um ou mais desses parâmetros for alterado

P750 Firmware Version 1.11 Versão do Firmware da placa MCB-W.


P751 Scan Cyc. x 100 µs Leitura Ciclo de Scan do Programa do Usuário.
Intervalo da varredura do programa da MCB-W.
P752 Clear Retentive 0 0 ou1 Limpa Variáveis Internas do Sistema.
Não deve ser alterado.
P753 Factory Values 0 0...65535 Carrega Valores de Fábrica para os Parâmetros de
Sistema P750 a P799.
1234 = Carrega valores de fábrica
P754 PLC-01 N/A 0
P755 PLC-01 N/A 0
P756 PLC-01 N/A 0
P757 PLC-01 N/A 0
P758 PLC-01 N/A 0
P759 PLC-01 N/A 0
P760 Kp 50 0...200 Ganho Proporcional de Posição (Kp).
Aumentar esse ganho para deixar a resposta a um
erro de posição mais rápida e diminuí-lo caso o
sistema vibre ou torne-se instável.
P761 0 0...200 Ganho Integral de Posição (Ki).
Tem a função de zerar eventuais erros de posição.
Normalmente esse ganho é ajustado em zero pois
pode causar overshoot de posição, ou seja, passar
da posição desejada e retornar.
P762 PLC-01 N/A 0
P763 Disable prog (=1) 0 0 ou 1 Desabilita o Programa do Usuário.
1 = desabilita
Somente deve ser usado em alguma situação
anormal em que o programa esteja causando algum
tipo de erro.
Exemplo: comunicação com a interface serial
interrompida, nesse caso, desabilita-se o programa,
carrega-se a versão corrigida e então habilita-se
novamente.
53
N° Descrição Valor Variação Comentário
P764 PLC-01 N/A 0
P765 Baud Rate 4 1...5 Baud-Rate da Porta RS-232.
Velocidade de transmissão de dados em bps.
1 = 1200 bps
2 = 2400 bps
3 = 4800 bps
4 = 9600 bps
5 = 19200 bps
P766 DI Status Leitura Estado das Entradas Digitais.
Mostra o status das 15 entradas digitais, ou seja as
9 da MCB-W mais as 6 do conversor.
O número lido deve ser convertido para binário para
obter a leitura direta do estado de cada entrada.
P767 Vnom. Motor 0...10000 rpm Velocidade Nominal do Motor.
Velocidade síncrona do campo girante do motor de
acordo com a fórmula:
(P767= freqüência do motor x 120/ n° de pólos)
OBS: Mesmo valor dos parâmetros P208 e P402.
P768 PLC-01 N/A 0
P769 Fwd. IP 5 2...10 Número de IP’s Adiantados.
Estes IP’s são gerados pelo Drive antes do elevador
partir e combinado ao sinal de SD (slow down)
enviado pela LCB-II permite a placa MCB-W calcular
um perfil com velocidade mais baixa para o andar
desejado.
P770 Vel. Nom elev. 0...4000 rpm Velocidade Nominal do Motor.
Velocidade que o motor deve girar em “rpm” para
que o elevador desenvolva determinada velocidade
em “mm/s” no P771 dado pela fórmula:
veloc.nom × reduc.maq × susp × 60
P 770 =
3,1416 × (diam. polia.tração)
OBS:
Velocidade de Contrato do Elevador em “mm/s”
Diâmetro da Polia de Tração em “mm”
Suspensão da Máquina é um número sem unidade
Redução da Máquina é um número sem unidade
P771 Vel. Nom elev. 0...5000mm/s Velocidade Nominal do Elevador em “mm/s”.
Velocidade da cabina quando o motor estiver na
velocidade indicada em P770.
Esses dois parâmetros P770 e P771 servem para
informar o firmware a relação “rpm” para “mm/s”.
P772 Direction UP/DN 0 ou 1 Direção do Elevador.
Determina se o elevador sobe ou desce quando o
motor gira no sentido horário.
0 = elevador sobe quando o motor gira no sentido
horário
1 = elevador desce quando o motor gira no sentido
horário
P773 Num. Of Floors 1...32 Número de Andares.
Deve ser configurado com o número de andares do
edifício.
Após a corrida de aprendizado observar o parâmetro
P777 que contém o número de andares detectado
pela corrida de aprendizado que deve ser igual ao
valor de P773.
54
N° Descrição Valor Variação Comentário
P774 PLC-01 N/A 1
P775 PLC-01 N/A 1
P776 T. Creep 50 0...5000ms Tempo em Creep Speed.
Tempo mínimo que o elevador deve andar em
velocidade de aproximação antes de encontrar o
sensor de porta “DZ”.
P777 Learn. Floors 1...32 Número de Andares Encontrados pela Função da
Corrida de Aprendizado.
Após a corrida de aprendizado este parâmetro
mostra a quantidade de andares identificados, esse
valor deve ser igual ao parâmetro P773.
P778 DRP BK DLY 0 0...1000ms Drop Break Delay.
Este parâmetro antecipa a desoperação do freio.
Exemplo P778 = 200 significa que 200ms antes do
elevador parar a saída já será acionada adiantando
o desoperação do freio.
P779 Deccel. LS 0...5000m/s Desaceleração por LS.
Determina a desaceleração que será usada quando
for acionado um dos limites de correção 1LS ou 2LS.
Ajustar conforme tabela 2 pg. 31.
P780 Sys Delay 300 0...1000ms Delay de Sistema.
Serve para compensar o atraso que a LCB-II tem
para enviar o comando “Slow Down” após um pulso
de “IP” mais atrasos internos da própria placa
MCB-W.
P781 T. Loop Pos 500 0...2000 sa Tempo em Loop de Posição na Partida do Elevador.
Serve para evitar o roll-back.
O valor do parâmetro deve ser escolhido de modo a
cobrir os tempos de fechamento do contator SW2, a
magnetização do conversor e o tempo de abertura
do freio.
Valor dado em (sa = 1,2ms)
P782 Kp CFW Winvel 300 0...639 Ganho Proporcional de velocidade (Kp).
Ganho que será aplicado ao conversor somente no
intervalo de velocidade definido através dos
parâmetros P825 e P826.
Tem o objetivo de diminuir vibrações em uma
determinada faixa de velocidade.
Não usado.
P783 Ki CFW Winvel 300 0...9999 Ganho Integral de Velocidade (Ki).
Ganho que será aplicado ao conversor somente no
intervalo de velocidade definido através dos
parâmetros P825 e P826.
Tem o objetivo de diminuir vibrações em uma
determinada faixa de velocidade.
Não usado.
P784 Kd CFW Winvel 0 0...799 Ganho Diferencial de Velocidade (Kd).
Ganho que será aplicado ao conversor somente no
intervalo de velocidade definido através parâmetros
P825 e P826.
Tem o objetivo de diminuir vibrações em uma
determinada faixa de velocidade.
Não usado.
P785 DZ Size 180 0...254 mm Tamanho de “DZ”.
Comprimento da aleta de nivelamento DZ em “mm”.
55
N° Descrição Valor Variação Comentário
P786 PLC-01 N/A 0
P787 PLC-01 N/A 0
P788 PLC-01 N/A 0
P789 PLC-01 N/A 0
P790 PLC-01 N/A 0
P791 PLC-01 N/A 0
P792 PLC-01 N/A 0
P793 PLC-01 N/A 0
P794 PLC-01 N/A 0
P795 PLC-01 N/A 0
P796 PLC-01 N/A 0
P797 PLC-01 N/A 0
P798 PLC-01 N/A 0
P799 Clear Learning 0 0 ou 1234 Apaga Corrida de Aprendizado.
1234 = apaga corrida de aprendizado do sistema

Parâmetros de Uso Geral da MCB-W

P800 Contract Speed 0...1750mm/s Contract Speed.


Velocidade nominal do elevador em “mm/s” quando
em corrida longa.
P801 Floors in 1LS 1 1 ou 2 Número de “DZ’s” em “1LS”.
P802 Floors in 2LS 1 1 ou 2 Número de “DZ’s” em “2LS”.
P803 Rescue Speed 250 150...1750 Rescue Run Speed.
mm/s Velocidade para corrida de resgate
(RS UP ou RS DN).
P804 Relev. Accel. 20 0...5000 Aceleração de Renivelamento.
mm/s
P805 Inspection speed 350 0...5000 Inspection Speed.
mm/s Velocidade de inspeção e do modulo de construção.
OBS: Não deve ser maior que 450 mm/s
P806 Relev. speed 10 0...200mm/s Relevelling Speed.
Velocidade de renivelamento.
P807 Creep speed 90 0...1000mm/s Creep Speed.
Velocidade de aproximação.
OBS: Não deve ser superior a 100 mm/s para
garantir boa performance.
P808 Acceleration 800 0...1500 Aceleração em Modulo Normal.
mm/s
P809 Deceleration 800 0...1500 Desaceleração em Modulo Normal.
mm/s

P810 Lift Break Delay 0 0...1000ms Lift Break Delay.


Atraso para o comando de abertura do freio.
Esse parâmetro não deve ser alterado devido à
estratégia de pré-torque que o sistema utiliza, ou
seja, loop de posição antes da abertura do freio
P781.
P811 R. RUN ACC/DEC 500 0...1500 Aceleração e Desaceleração em Short Run (RR).
mm/s Valor atuante somente no caso da distância de um
Short Run (corrida curta) ser menor que a
especificada pelo parâmetro P819.
Serve para melhorar o conforto em caso de Short
Landing (corrida reduzida).
56
N° Descrição Valor Variação Comentário
P812 IP Delay 0 0...1000 mm IP Delay.
Retardo em milímetros para envio do sinal “IP”.
P813 1LS Delay 0 0...3000 mm 1LS Delay.
Retardo em milímetros para reconhecimento do sinal
do sensor “1LS”.
P814 2LS Delay 0 0...3000 mm 2LS Delay.
Retardo em milímetros para reconhecimento do sinal
do sensor “2LS”.
P815 LV Delay Up 45 0...1000 mm LV Delay Up.
Retardo em milímetros para reconhecer o sinal do
sensor “1LV” na subida.

P816 LV Delay Down 45 0...1000 mm LV Delay Down.


Retardo em milímetros para reconhecer o sinal do
sensor “1LV” na descida.

P817 PWM Enable Delay 200 0...1000 ms PWM Enable Delay.


Atraso para habilitar o conversor após o comando de
acionamento da contatora SW2.
Este atraso garante que o inversor somente será
habilitado após a atuação do contator SW2.
P818 Release Brk Dly 400 0...1000 ms Release Break Delay.
Tempo para adiantar a operação do freio, o valor
deste parâmetro vai depender da inércia mecânica
de abertura do freio.
Este tempo deve ser maior que duas vezes P412.
P819 RR ACC/DEC DIST 2000 350...3000 Distância Limite para Uso da Aceleração e
mm Desaceleração em P811 para Short Run.
Quando a distância de Short Run (corrida curta) for
menor que a especificada neste parâmetro será
usada a aceleração e desaceleração programada
em P811, melhorando o conforto em caso de Short
Landing (corrida reduzida).
P820 Enable Learning 0 0 ou 1 Habilitar Learning Run.
0 = Desabilita
1 = Habilita

OBS: Após executado a corrida de aprendizado


voltar o parâmetro para zero.

P821 Dly Input V1..V4 50 0...500 ms Delay Input V1...V4.


Atraso para reconhecimento das entradas V1...V4
(DI1 a DI4), que serve para evitar o mau
entendimento de um comando exigindo que a
combinação das quatro entradas fiquem estável
durante todo o tempo desse parâmetro.
P822 Dly Inp. UIB/DIB 1000 0...2000 ms Delay Input UIB/DIB.
Somente reconhece as entradas UIB (Up Inspection
Button) ou DIB (Down Inspection Button) quando em
modo de inspeção ou construção e após o tempo
desse parâmetro.
P823 Power On Delay 3000 1000...10000 Delay para PON.
ms Atraso na execução de um comando da LCB-II
quando o Driver for ligado pela função PON, serve
para aguardar a plena inicialização do Drive.
57
N° Descrição Valor Variação Comentário
P824 Tout Inp.V1..V4 30 0...100 ms Timeout Input V1..V4.
Tempo para reconhecimento do nível zero das
entradas DI1...DI4, que são entradas acionadas por
triacs da placa LCB-II com alimentação de 24Vcc de
onda quadrada com freqüência de 100Hz, logo para
assumir um nível baixo o sinal deve ficar pelo menos
o tempo desse parâmetro.
P825 Lower WinVel 0 0...5000 rpm Lower WinVel.
Limite inferior de velocidade para a função janela de
velocidade, isto é, ao atingir essa velocidade altera
os ganhos do regulador de velocidade do conversor
conforme os parâmetros P782, P783 e P784,
respectivamente Kp, Ki e Kd.
Não usado.
P826 Upper WinVel 0 0...5000 rpm Upper WinVel.
Limite superior de velocidade para a função janela
de velocidade, isto é, ao atingir essa velocidade
retorna os ganhos do regulador de velocidade do
conversor para os valores programados
originalmente nos parâmetros P161, P162 e P166
respectivamente Kp, Ki e Kd.
Não usado.
P827 DZ Timeout 50 0...1000 s Timeout para DZ.
Após a desaceleração inicia a espera de “DZ”, caso
não seja ativado o sensor dentro do tempo
determinado por esse parâmetro é gerado um erro
em P899 e o movimento é desabilitado
imediatamente e a saída de status do Drive indica
‘Drive not ready’.
P828 PLC-01 N/A 0
P829 PLC-01 N/A 0
P830 PLC-01 N/A 0
P831 PLC-01 N/A 0
P832 PLC-01 N/A 0
P833 PLC-01 N/A 0
P834 PLC-01 N/A 0
P835 PLC-01 N/A 0
P836 PLC-01 N/A 0
P837 PLC-01 N/A 0
P838 PLC-01 N/A 0
P839 PLC-01 N/A 0
P840 PLC-01 N/A 0 rpm Posição do meio da aleta “DZ” identificada após a
corrida de aprendizado em número de rotações.
1° posição de parada P840 sempre tem o valor zero.
Leitura armazenada de P840 à P859.
P841 PLC-01 N/A rpm 2° Posição de parada.
P842 PLC-01 N/A rpm 3° Posição de parada.
P843 PLC-01 N/A rpm 4° Posição de parada.
P844 PLC-01 N/A rpm 5° Posição de parada.
P845 PLC-01 N/A rpm 6° Posição de parada.
P846 PLC-01 N/A rpm 7° Posição de parada.
P847 PLC-01 N/A rpm 8° Posição de parada.
P848 PLC-01 N/A rpm 9° Posição de parada.
P849 PLC-01 N/A rpm 10° Posição de parada.
58
N° Descrição Valor Variação Comentário
P850 PLC-01 N/A rpm 11° Posição de parada.
P851 PLC-01 N/A rpm 12° Posição de parada.
P852 PLC-01 N/A rpm 13° Posição de parada.
P853 PLC-01 N/A rpm 14° Posição de parada.
P854 PLC-01 N/A rpm 15° Posição de parada.
P855 PLC-01 N/A rpm 16° Posição de parada.
P856 PLC-01 N/A rpm 17° Posição de parada.
P857 PLC-01 N/A rpm 18° Posição de parada.
P858 PLC-01 N/A rpm 19° Posição de parada.
P859 PLC-01 N/A rpm 20° Posição de parada.
P860 PLC-01 N/A Última posição do eixo do motor salva no último
power down, mostra o número de rotações.
P861 PLC-01 N/A Última posição do eixo do motor salva no último
power down, mostra a fração de volta.
P862 PLC-01 N/A Velocidade do motor no momento em que os dados
foram salvos no último power down.
Quando essa velocidade for zero significa que a
posição salva é válida.
P863 PLC-01 N/A Velocidade do motor no momento em que os dados
foram salvos no último power down.
Quando essa velocidade for zero significa que a
posição salva é válida.
P864 PLC-01 N/A Último “IP” Count salvo no último power down.
P865 PLC-01 N/A Estado da entrada digital 6 (PON) salvo no último
power down.
Se esse valor for 1, o Drive liga pela função PON.
P866 PLC-01 N/A 0 Gravar Corrida de Aprendizado.
1 = Carrega parâmetros P840 a P859 no buffer de
lerning e reinicializar o sistema.
OBS: P840 deve ser sempre zero por ser a primeira
parada e quando o software encontrar um
valor zero em outro parâmetro será considerado o
fim da corrida de aprendizado.
P867 PLC-01 N/A 0
P868 PLC-01 N/A 0
P869 PLC-01 N/A Leitura IP Count.
Andar atual variando de zero até o total de andares
(P773) - 1.
OBS: Mesmo valor mostrado na LCB-II.
P870 V1 (DI1) 0 ou 1 Comando de Movimento “V1” da LCB-II.
P871 V2 (DI2) 0 ou 1 Comando de Movimento “V2” da LCB-II.
P872 V3 (DI3) 0 ou 1 Comando de Movimento “V3” da LCB-II.
P873 V4 (DI4) 0 ou 1 Comando de Movimento “V4” da LCB-II.
P874 DBD (DI5) 0 ou 1 Checagem de BY e SW-2.
P875 UIB (DI7) 0 ou 1 Botão de Subida em Inspeção.
P876 DIB (DI8) 0 ou 1 Botão de Descida em Inspeção.
P877 CM (DI9) 0 ou 1 Comando para modulo de Construção.
P878 GEN.ENA. (DI101) 0 ou 1
P879 /1LS (DI102) 0 ou 1 Sinal do Limite de Correção Inferior.
P880 /2LS (DI103) 0 ou 1 Sinal do Limite de Correção Superior.
P881 1LV (DI104) 0 ou 1 Sinal do Sensor de parada “DZ”
P882 UIS (DI105) 0 ou 1 Sinal do Sensor de Renivelamento de Subida.
P883 DIS (DI106) 0 ou 1 Sinal do Sensor de Renivelamento de Descida.
P884 DS1 (DO1) 0 ou 1 Comando de Movimento DS1 do Drive.
59
N° Descrição Valor Variação Comentário
P885 DS2 (DO2) 0 ou 1 Comando de Movimento DS2 do Drive.
P886 DS3 (DO3) 0 ou 1 Comando de Movimento DS3 do Drive.
P887 NO ERROR (DO101) 0 ou 1
P888 BY (DO102) 0 ou 1 Sinal para Operar BY.
P889 SW-2 (DO103) 0 ou 1 Sinal para Operar SW-2.
P890 Spd. Lag Factor 15 11 a 19 Fator de Lag de Velocidade.
O valor 11 a 19 significa um fator entre 10% e 90%.
Ex.: P890 = 15 significa que se a velocidade de
referência estiver 50% acima ou abaixo da
velocidade real o erro será acusado desabilitando o
motor.
P891 PLC-01 N/A 0
P892 PLC-01 N/A 0
P893 PLC-01 N/A 0
P894 PLC-01 N/A 0
P895 PLC-01 N/A 0
P896 PLC-01 N/A 0
P897 PLC-01 N/A 0
P898 Ladder Version 114 Mostra versão do programa Ladder.
Ex.: P898= 114 significa versão 1.14.
P899 Erros MCB-W 0 Indica o último erro gerado pela MCB-W.
Todo erro ocorrido fica gravado no parâmetro
mesmo que o erro não mais esteja ativo.

OBS: Para zerar o valor do parâmetro é necessário


resetar o equipamento e depois gravar “zero”
em P899, nesse caso será indicado ‘No error’.

60
9 Historico de Defeitos Solucionados em Campo

N° SINTOMA CAUSA RAIZ SOLUÇÃO


1 Drive acusa evento E31 Ruído elétrico provocado Instalar varistores na entrada do motor do
ou E71 quando a porta de pela operação do motor operador da porta no topo da cabina. O valor do
cabina fecha ou abre . do operador de porta. varistor deve ser próximo a tensão nominal do
motor (motores de 105 ou 220 VCA
recomendamos varistores de 250 VCA).

2 Drive acusa evento E31 Ruído elétrico provocado Instalar varistores na entrada do motor da
ou E71 quando opera ou pela operação do motor ventilação forçada e supressor na chave
desopera a ventilação da ventilação forçada ou contatora. Se for equipamento modernizado,
forçada da máquina. da contatora no controle verificar a possibilidade de eliminar a ventilação
que opera o motor. forçada do motor da máquina, no caso de
manter o módulo, o valor do varistor deve ser
próximo a tensão nominal do motor (motores de
105 ou 220 VCA recomendamos varistores de
250 VCA).

3 Drive acusa evento E31 Ruído eletrico provocado Instalar varistor na bobina do freio de 250 V e
ou E71 quando opera ou pelo operação da bobina instalar um capacitor de 100 µFx250 V na saída
desopera o freio da do freio ou pelo retificador do retificador que alimenta o freio.
máquina. do freio.
4 Equipamento com rampa Ruído elétrico provocado Instalar circuito para isolar a rampa móvel
móvel magnética paraliza pelo operação da rampa magnética constando de transformador,
constantemente com móvel magnética. retificador, capacitores e varistores.
eventos E31 e E71.

5 Elevador aumenta o Erro na programação do A- Conferir parâmetros P208= P402= P767 que
desnível a cada andar até Drive se referem ao cálculo da velocidade síncrona do
perder o DZ. motor de tração dado por fórmula pg46.
B- Conferir parâmetro P770 que se refere ao
cálculo da velocidade que o motor de tração
deve girar para que o elevador atinja a
velocidade de contrato dado por fórmula pg51.
C- Conferir parâmetro P161 e P162 dado por
tabela pg43.

6 Tensão de alimentação Falha na especificação, Instalar a fonte externa de +30 Vcc no controle
de +30 Vcc no controle principalmente no caso que conta no Kit BAA5830EG1.
sem recurso de ajuste, no de MOD quando não se
máximo fica em 26,4 Vcc. informa a existência de
indicador de posição ou
gongo em elevadores
acima de 10 paradas.
7 Elevador ultrapassa limite Especificação errada da Consultar tabela da pg28 e confirmar o tamanho
inferior ou limite superior rampa de 1LS e 2LS da rampa de acordo com a velocidade de
em corrida de correção. contrato.
8 Elevador parte atinge o A- Encoder desconectado A- Conferir ligações do encoder conforme
limite de corrente do ou com ligações errada. diagrama do contrato.
Drive e para. B- Fases de alimentação B- Inverter as fases de alimentação do motor de
do motor de tração tração conforme orientação pg28 etapa 4.
invertida

61
N° SINTOMA CAUSA RAIZ SOLUÇÃO
9 Elevador com a cabine A- Balanceamento da A- Executar balanceamento definindo com
vazia não consegue cabina e contra peso precisão a quantidade de pedras no contra
descer. inadequado. peso.
B- Guias de cabina e B- Rebitolar guias de cabina e contra peso.
contra peso muito
fechada impedindo
movimento da cabina ou
contra peso.
10 Freio da máquina 18 ATF Diodo de bloqueio em Eliminar o diodo de bloqueio da bobina de freio,
demora para atracar paralelo com o freio mas manter o varistor que é indispensável.
causando interfere na operação,
desnivelamento. retardando a
desoperação do freio.
11 Drive e placa LCB não Fonte de alimentação de Instalar a fonte externa de +30 Vcc no controle
interpreta o sinal de DZ +30 Vcc da placa LCB que conta no Kit BAA5830EG1.
após o sensor 1LV não possui potência
passar pela aleta. suficiente para toda a
carga. Isto ocorre
principalmente em
modernizações com
equipamento acima de 10
paradas com indicador de
posição ou gongo.
12 Elevador atinge Resistor DBR não esta Conferir e conectar as ligações do resistor DBR
velocidade superior a conectado ao Drive. conforme diagrama do contrato.
programada em inspeção
quando esta subindo em
modulo de inpeção com a
cabina vazia.
13 Drive não responde aos A- Evento de erro A- Anotar erros do Drive nos parâmetros (P14,
comandos da placa LCB. atuando. P15, P16 e P17), desligar e ligar a chave geral
B- Processamento do para normalizar o Drive e consultando a
programa da MCB W listagem de erros da pg33 eliminar causas do
interrompido (parâmetro erro.
P751 esta com valor igual B- Descarregar novo programa com micro
a zero ). (somente pessoal de fábrica) ou substituir placa
MCB W.
14 Contatora SW-2 não A- Erro na programação A- Programar o parâmetro P280 para 26, este
opera quando acionado o do Drive. parâmetro controla a operação da contatora
teclado da inspeção. B- Fiação do controle SW-2.
errada. B- Conferir e corrigir a fiação do controle
conforme diagrama do contrato.
15 Contatora BY não opera A- Erro na programação A- Programar o parâmetro P279 para 26, este
quando acionado o do Drive. parâmetro controla a operação da contatora
teclado da inspeção. B- Fiação do controle SW-2.
errada. B- Conferir e corrigir a fiação do controle
conforme diagrama do contrato.

16 Componentes da placa Erro na linha de produção Substituição de todas as placas MCB W com
MCB W foram soldados da Weg. número de série inferior a 449147.
fora da posição
adequada.

17 Elevador parte com o Erro de software. Alterar software a partir das seguintes versões:
freio atracado e não para. P23 = 2.84, P750 = 1.11 e P898 = 1.12

62
N° SINTOMA CAUSA RAIZ SOLUÇÃO
18 Parâmetro P408 do Drive Erro ao programar os Programar o parâmetro P202 com o valor
não esta acessível (não parâmetros de padrão “4”.
aparece), para fazer o configuração do Drive.
auto-tuning.
19 Parâmetros P750 a P899 A- Conexões frouxas ou A- Conferir e regularizar as conexões da placa
não estão acessíveis falhando na placa MCB-W.
(não aparecem). MCB-W que esta dentro B- Substituir o Placa MCB-W.
do Drive.
A- Placa MCB-W
danificada.
20 Freio demora para A- Diodo BD do freio da A- Eliminar o diodo BD que esta em paralelo
atracar e cabina máquina retarda o com a bobina do freio.
desnivela fechamento do freio. B- Ajustar freio confirmando que as sapatas de
B- Freio desajustado freio estão o mais proximo possível da polia
C- Parametro P778 do freio.
desajustado C- Inicialmente P778 = 0, mas se não obter
resultado satisfatório incrementar este
parâmetro até ajuste ideal, lembrando que
quanto maior o valor do parâmetro mais
adiantamos a desoperação do freio.
21 Cabina desnivelada em Aletas fora de posição Reposicionar as aletas, nivelando a cabina em
alguns andares ambas as direções e executar nova corrida de
aprendizado.
22 Cabina vazia na descida Parâmetro P178 Ajustar parâmetro P178 de acordo com
possui velocidade +/-15% desajustado procedimento de ajuste etapa 5 pg 34
inferor quando
comparada a velocidade
de subida vazia
23 No procedimento de A- Balanceamento da A- Executar procedimento de balanceamento
ajuste do Fluxo P178 já cabina e contra peso conforme item 4.2 pg 23.
esta no máximo e P007 incorreto. B- Rebitolar guias de cabina e CWT.
esta abaixo de 45% da B- Guias de cabina e
tensão de saída. contra peso inforcada.
24 Elevador não para no Configuração incompleta Gravar “1” no bit “R” da parada zero e um no
andar curto que fica no dos parâmetros da LCB. menu (M-1-3-3-1) e habilitar contagem por DZ
percurso de 1LS. nos andares curtos DZ CNT = 1 no
menu (M-1-3-1-1).
25 Drive não executa auto- Circuito de segurança Corrigir circuito de segurança.
tuning e não opera a aberto.
contatora SW-2.

63
10 Apêndice

10.1 Curva de Velocidade

64
10.2 Encoder Japones JAA00633ABF

65
10.3 Encoder Alemão BAA633A1

66

Você também pode gostar